Thérèse Desqueyroux, de François Mauriac | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
60885 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
>>> Bruno Zolotar ensina como fortalecer a marca e ampliar vendas no mundo editorial
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
Colunistas
Últimos Posts
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O elogio da narrativa
>>> Acordo Internetês Ortográfico
>>> Take me higher
>>> Sartre e a idade da razão
>>> Qual o destino da música instrumental brasileira?
>>> Antes da filosofia
>>> Por um jornalismo mais crítico
>>> Oígame, compay
>>> Frank Miller vem aí, o bicho vai pegar
Mais Recentes
>>> A Professia Romanov de Steve Berry pela Record (2006)
>>> A Vida nos Mundos Invisíveis de Anthony Borgia pela Leitura & Arte (2010)
>>> O Faraó Alado de Joan Grant pela Pensamento (1988)
>>> Planet Rock Magazine 22 October 2020 de Nirvana pela H Bauer (2020)
>>> Eles eram muitos cavalos de Luiz Ruffato pela Record (2012)
>>> Uncut Mgazine 275 April 2020 de Robert Plant pela Bandlab (2020)
>>> Lições Que a Vida Oferece de Eliana Machado Coelho pela Panorama (2000)
>>> Prog Magazine 111 August 2020 de Porcopine Tree pela Future (2020)
>>> Memórias de Um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Objetivo (2005)
>>> Total Film 301 August 2020 de Face The Music pela Future Publishing (2020)
>>> Virtude Indecente de Nora Roberts pela Bertrand Brasil (2009)
>>> O suspiro da maria mole de Carlos alberto panella mota pela Navegar
>>> Long Live Vinyl 37 April 2020 de The Britpop pela Anthem Publishing (2020)
>>> A direção de Deus para o homem de Watchman nee pela Classicos (2017)
>>> Contos novos de Mario de andrade pela Itatiaia
>>> Os cinco minutos de deus de Alfonso milagro pela Am
>>> As piadas de playboy de Abril pela Abril
>>> Proteção na insegurança de Bob mumford pela Impacto publicações (2017)
>>> Encontro interno de Trigueirinho pela Pensamento
>>> A natureza animica da criança de Caroline von heydebrand pela Aprs
>>> O grande abalo de Harold Walker pela Impacto publicações (2016)
>>> Complexo de portnoy de Philip roth pela Eec
>>> Vogue Magazine US September 2020 de Hope pela Condé Nast (2020)
>>> Imagens do alem de Heigorina cunha pela Ide
>>> A melhor coisa do mundo de Henry Drummond pela Impacto publicações (2017)
>>> Uncut Magazine 281 October 2020 de The Rolling Stones pela Bandlab (2020)
>>> Os Intelectuais E A Organização Da Cultura de Antonio Gramsci pela Civilização brasileira (1968)
>>> Mojo Magazine 323 October 2020 de The Beatles: Rubber Soul pela Mojo (2020)
>>> O Banquete de Muriel Spark pela Rocco (1994)
>>> A Revolta de Atlas (Box com 3 volumes) de Ayn Rand pela Arqueiro (2017)
>>> A igreja que Deus deseja de Jorge himitian pela Impacto publicações (2020)
>>> Ministério ao senhor de Christopher walker pela Impacto publicações (2011)
>>> Guia visual--nova york de Folha de sao paulo pela Folha de sao paulo
>>> Igreja e Israel no Novo Testamento de Keith Mathison e Dan Juster pela Impacto publicações (2017)
>>> Os pensadores xx--principios de uma ciencia nova--acerca da natureza comum das naçoes de Gambattista vico pela Abril
>>> Preparando-nos para o preparador de Harold Walker pela Impacto publicações (2015)
>>> Paternidade de Deus de PE. Douglas pinheiro e Pedro arruda pela Impacto publicações (2019)
>>> Recreaçao--trabalho serio e divertido. de Luis gustavo c. rodrigues /joao luiz martins pela Cone
>>> Cleopatra de Christian-georges schwentzel pela Lpm
>>> O braço forte do senhor de Harold Walker pela Impacto publicações (2014)
>>> Gone, Baby, Gone de Dennis Lehane pela Companhia das Letras (2005)
>>> O bicho,meu deus,era um homem de Varios pela Edusf
>>> Nossa esperança V. 2 de John Piper pela Impacto publicações (1986)
>>> Trajetoria literaria de bragança paulista de Ases pela Ases
>>> Os Viajantes da Lua de Flávia Assaife pela Multifoco (2011)
>>> Nossa esperança de John Piper pela Impacto publicações (1986)
>>> Nossa esperança de John Piper pela Impacto publicações (1986)
>>> Para onde Deus está levando a Igreja? de Reggie kelly pela Impacto publicações (2010)
>>> Novo testamento--esperança--nvi. de Vida nova pela Vida nova
>>> Para onde Deus está levando a Igreja? de Reggie kelly pela Impacto publicações (2010)
COLUNAS

Quinta-feira, 19/12/2002
Thérèse Desqueyroux, de François Mauriac
Ricardo de Mattos

+ de 4600 Acessos

A leitura da conferência O Romancista e Suas Personagens impede a conclusão imediata e taxativa, mas arrisco afirmar que o mesmo flagelo infligido por Voltaire à nobreza e ao clero setecentista é retomado por François Mauriac (1.885 – 1.970) contra a burguesia dos séculos XIX e XX. Certo não se encontrar nem o humor nem o deboche do filósofo, mas a acidez do escritor, voluntária ou não, nada deixa a desejar, mesmo em se afirmando ser sua preocupação antes religiosa que social ou política.

Reparando em alguns dos quadros de Holbein, Rubens e Hals, por exemplo, identificamos um burguês de carácter firme, cujo trabalho e dinheiro impulsionavam as finanças, o comércio e as artes. Se olharmos, todavia, a burguesia figurante das telas de Renoir, notamos apenas a convenção. Repare-se n’O Camarote, de 1.874. Uma mulher de olhar vazio voltada para algum espectáculo, mas certamente com o pensamento distante. Ao seu lado o marido mira o binóculo para cima, alheio ao que quer que se passe em cena. São burgueses descendentes daqueles emersos na Revolução Francesa, mas que negam e frustram os ideais de seus antepassados. O revolucionário, ao menos a princípio, almejava desalojar a nobreza de seu pedestal para dar lugar a uma nova ordem. As gerações seguintes talvez movessem-se contra tal inimigo, porém para tomar-lhe simplesmente o lugar, mantendo o status.

A parcela da sociedade analisada destaca-se pela coesão e rigidez sedimentadas através de longos anos. Tal a quantidade de regras e “princípios” que a principal e pior consequência foi a estagnação. Um passo não é dado antes de se verificar a necessidade, repercussão, resguardo da família e conveniência. Mauriac, mantendo o distanciamento, traça um painel de cores bem cruéis. Não se percebe nos escritos qualquer misantropia, sua intenção é revolver o solo árido: “Ao romancista consciente de ter fracassado em sua ambição de retratar a vida resta então este móvel, esta razão de ser: sejam quais forem, suas personagens agem, exercem uma ação sobre os homens. Fracassam na tarefa de representá-los, mas conseguem perturbar sua quietude, despertam-nos, o que já não é nada mal”.

O conto O Segredo dos Duprouy mostra quão terríveis podem ser as pessoas daquele “habitat” quando farejam alguma ameaça ao seu dinheiro e a sua aparência social. Um péssimo conceito de Honra, aliado à protecção ferrenha da Propriedade criou uma classe fechadíssima e, caso se mostre necessário, autofágica. O respeito devido à família concerne aos seus membros individualmente considerados, e por isso mantém-se certa circunspecção ao tratar de assuntos privados. A família burguesa de Mauriac, contudo, mantém a “decência” exclusivamente por receio do que se pode perder, como um casamento vantajoso. Ou ainda, no caso do mencionado conto, um dia de recepção. E um membro rebelde que não acate as regras tal como mantidas por gerações, questione-as ou mesmo tenha a petulância de tentar obter uma visão mais ampla das coisas, é geralmente reprimido através de meios variáveis conforme sua impertinência: convento, hospício ou veneno.

Sobre o cenário e os actores que inspiraram Mauriac, permitindo-lhe a “união misteriosa entre o artista e o real” – desculpa que pelos seus fundamentos não é muito convincente –, sugiro a leitura do quarto volume da História da Vida Privada, em especial os ensaios A Família Triunfante, Figuras e Papéis e Conflitos Familiares, todos de Michelle Perrot. Esta leitura prévia possibilitará a melhor percepção do realismo de Thérèse Desqueyroux, romance escrito em 1.927 e publicado no Brasil com tradução e prefácio de Carlos Drummond de Andrade.

Thérèse – ou Teresa, pois o poeta traduziu todos os nomes próprios conforme o costume da época – é uma personagem cuja infelicidade foi ter adquirido a consciência da pobreza moral e intelectual do meio em que nasceu, apesar de materialmente abastado. Sua vida é inteira tomada pelo tédio e pela ciência da imutabilidade das coisas. A tentativa de adequar-se é ineficaz, trazendo apenas o desapego, e mesmo o horror, em relação a todos que a circundam. Não quer ninguém por perto e em caso de aproximação, horroriza-se.

A história é simples, mas o romance, ao contrário do conselho de Carlos Drummond de Andrade, deve ser lido com calma e atenção, pois factos e informações importantes surgem de repente. Inclusive, demoramos um pouco para saber porque o romance inicia-se com Thérèse no tribunal. Também não é de imediato que sabemos ter sido acusada de tentar matar o marido, Bernardo. Esta tentativa de homicídio foi uma estupidez evitável: estando todos na sala de jantar, Bernardo media em seu copo as gotas de um xarope a base de arsénico. Avisado de um incêndio na propriedade, engana-se e coloca o dobro da dose certa. Toma a beberagem e sai com o empregado para ver o que ocorre. Ao voltar, esquece de já estar medicado e torna a ingerir o remédio. Thérèse a tudo vê, mas ao invés de avisar o marido, fica olhando-o apalermada – a narração de Mauriac mostra bem isso. Bernardo adoece e quando recupera-se, ela torna a envenená-lo para confirmar o motivo.

Voltando do tribunal, a personagem revê toda a sua vida. Aceitação voluntária de um casamento convencional com um homem rústico nascido e criado para um único meio e um único lugar. Sua personalidade inquiridora atrapalhando sua tentativa de adequação. A chegada à conclusão: “Não ter família! Deixar somente ao coração o cuidado de escolher os seus – não segundo o sangue, mas segundo o espírito, e segundo a carne também; ...”. Thérèse escapa do tribunal oficial, mas não do doméstico, o mais eficaz da época. É presa pelo marido em uma das propriedades do casal, sendo-lhe permitida a saída apenas, e mesmo assim inicialmente, para a missa de domingo e outros poucos eventos sociais nos quais a presença de ambos mostrasse-se necessária. Um casal aparentando harmonia, para ninguém falar algo desabonador. Esta conclusão de Thérèse afronta directamente a Família, um dos alicerces da burguesia.

O romance encerra-se com uma relativa pacificação entre o casal e a mudança de Thérèse para Paris, onde ela acredita poder viver segundo suas inclinações.

De Um Longo Banquete

Estou arrotando os pratos do banquete de livros que este ano representou. Três pratos principais, intermediados por vários outros mais leves para limpar o paladar, tal como convém. Na frente de todos, Oblomov, sendo inclusive o mais esperado. Gostei de Crime e Castigo embora não me tenha causado tanta impressão assim. Ainda estou mastigando Guerra e Paz e não posso fazer nada além disso. Definitivamente, esta obra não aceita uma leitura apressada, não adianta insistir. A ideia de leitura corrente deste livro faz-me lembrar de uma gracinha de Woody Allen, mais ou menos assim: "Óptimo o curso de leitura dinâmica que eu fiz. Consegui ler Guerra e Paz em duas horas. É um livro sobre a Rússia". Diário do Farol foi servido já azedo, e a escarradeira está embaixo da mesa aos meus pés. Dezenas de contos, sendo que pequenas e delicadas mãos apresentaram-me Argo e Seu Dono para uma degustação inicial da obra de Svevo, e não quero encerrar 2.003 sem conhecê-la totalmente. Há muitas outras, mas o momento é de tomar uma coxa de Guerra e Paz e ir devorá-la na rede, com o cachorro sentado na frente olhando. Muita leitura em sítios literários, mesmo não gostando de ler no computador. Na Filosofia, para mim, “foi o ano de” Montaigne e Diderot. Ou só Diderot, pois desde que conheci Montaigne, sempre torno aos Ensaios, e desde 1.999 leio a nova edição, conforma os volumes foram publicados.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 19/12/2002


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIMPEZA DO FÍGADO E DA VESÍCULA: UMA PODEROSA FERRAMENTA PARA MELHORAR
ANDREAS MORITZ
MADRAS
(2016)
R$ 49,95



CRUEL AMOR - JÚLIA LOPES DE ALMEIDA (LITERATURA BRASILEIRA/ROMANCE)
JÚLIA LOPES DE ALMEIDA
SARAIVA
(1963)
R$ 30,00



UM GALO PARA ESCULÁPIO
CLARA CARTA
CLUBE DO LIVRO
(1976)
R$ 5,00



LA TÉLÉVISION ET SES MISES EN SCÈNE
HÉLÈNE DUCCINI
NATHAN UNIVERSITÉ
(1998)
R$ 45,28



PATOLOGIA E CLINICA DELL APPARATO CIRCOLATORIO VOL I CARDIOPATIE
S. LA FRANCA
DOTTOR FRANCESCO VALLARDI
(1933)
R$ 47,38



RAÇA E CIÊNCIA I
JUAN COMAS KENNETH L. LITTLE HARRY L. SHAPI...
PERSPECTIVA
(1970)
R$ 52,53



AGENTES DO APOCALIPSE
DR DAVID JEREMIAH
CPAD
(2012)
R$ 39,99



OS DONOS DO PODER - FORMAÇÃO DO PATRONATO POLÍTICO BRASILEIRO - 5ª EDIÇÃO - 4ª REIMPRESSÃO/2016
RAYMUNDO FAORO
BIBLIOTECA AZUL/GLOBO
(2012)
R$ 89,95



O SOPRO DOS DEUSES - TRILOGIA O CICLO DOS DEUSES VOL. 2
BERNARD WERBER
BERTRAND BRASIL
(2014)
R$ 22,00



O EXÍLIO DE SHARRA
MARION ZIMMER BRADLEY
IMAGO
(1994)
R$ 8,90





busca | avançada
60885 visitas/dia
2,1 milhões/mês