Thérèse Desqueyroux, de François Mauriac | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 19/12/2002
Thérèse Desqueyroux, de François Mauriac
Ricardo de Mattos

+ de 4400 Acessos

A leitura da conferência O Romancista e Suas Personagens impede a conclusão imediata e taxativa, mas arrisco afirmar que o mesmo flagelo infligido por Voltaire à nobreza e ao clero setecentista é retomado por François Mauriac (1.885 – 1.970) contra a burguesia dos séculos XIX e XX. Certo não se encontrar nem o humor nem o deboche do filósofo, mas a acidez do escritor, voluntária ou não, nada deixa a desejar, mesmo em se afirmando ser sua preocupação antes religiosa que social ou política.

Reparando em alguns dos quadros de Holbein, Rubens e Hals, por exemplo, identificamos um burguês de carácter firme, cujo trabalho e dinheiro impulsionavam as finanças, o comércio e as artes. Se olharmos, todavia, a burguesia figurante das telas de Renoir, notamos apenas a convenção. Repare-se n’O Camarote, de 1.874. Uma mulher de olhar vazio voltada para algum espectáculo, mas certamente com o pensamento distante. Ao seu lado o marido mira o binóculo para cima, alheio ao que quer que se passe em cena. São burgueses descendentes daqueles emersos na Revolução Francesa, mas que negam e frustram os ideais de seus antepassados. O revolucionário, ao menos a princípio, almejava desalojar a nobreza de seu pedestal para dar lugar a uma nova ordem. As gerações seguintes talvez movessem-se contra tal inimigo, porém para tomar-lhe simplesmente o lugar, mantendo o status.

A parcela da sociedade analisada destaca-se pela coesão e rigidez sedimentadas através de longos anos. Tal a quantidade de regras e “princípios” que a principal e pior consequência foi a estagnação. Um passo não é dado antes de se verificar a necessidade, repercussão, resguardo da família e conveniência. Mauriac, mantendo o distanciamento, traça um painel de cores bem cruéis. Não se percebe nos escritos qualquer misantropia, sua intenção é revolver o solo árido: “Ao romancista consciente de ter fracassado em sua ambição de retratar a vida resta então este móvel, esta razão de ser: sejam quais forem, suas personagens agem, exercem uma ação sobre os homens. Fracassam na tarefa de representá-los, mas conseguem perturbar sua quietude, despertam-nos, o que já não é nada mal”.

O conto O Segredo dos Duprouy mostra quão terríveis podem ser as pessoas daquele “habitat” quando farejam alguma ameaça ao seu dinheiro e a sua aparência social. Um péssimo conceito de Honra, aliado à protecção ferrenha da Propriedade criou uma classe fechadíssima e, caso se mostre necessário, autofágica. O respeito devido à família concerne aos seus membros individualmente considerados, e por isso mantém-se certa circunspecção ao tratar de assuntos privados. A família burguesa de Mauriac, contudo, mantém a “decência” exclusivamente por receio do que se pode perder, como um casamento vantajoso. Ou ainda, no caso do mencionado conto, um dia de recepção. E um membro rebelde que não acate as regras tal como mantidas por gerações, questione-as ou mesmo tenha a petulância de tentar obter uma visão mais ampla das coisas, é geralmente reprimido através de meios variáveis conforme sua impertinência: convento, hospício ou veneno.

Sobre o cenário e os actores que inspiraram Mauriac, permitindo-lhe a “união misteriosa entre o artista e o real” – desculpa que pelos seus fundamentos não é muito convincente –, sugiro a leitura do quarto volume da História da Vida Privada, em especial os ensaios A Família Triunfante, Figuras e Papéis e Conflitos Familiares, todos de Michelle Perrot. Esta leitura prévia possibilitará a melhor percepção do realismo de Thérèse Desqueyroux, romance escrito em 1.927 e publicado no Brasil com tradução e prefácio de Carlos Drummond de Andrade.

Thérèse – ou Teresa, pois o poeta traduziu todos os nomes próprios conforme o costume da época – é uma personagem cuja infelicidade foi ter adquirido a consciência da pobreza moral e intelectual do meio em que nasceu, apesar de materialmente abastado. Sua vida é inteira tomada pelo tédio e pela ciência da imutabilidade das coisas. A tentativa de adequar-se é ineficaz, trazendo apenas o desapego, e mesmo o horror, em relação a todos que a circundam. Não quer ninguém por perto e em caso de aproximação, horroriza-se.

A história é simples, mas o romance, ao contrário do conselho de Carlos Drummond de Andrade, deve ser lido com calma e atenção, pois factos e informações importantes surgem de repente. Inclusive, demoramos um pouco para saber porque o romance inicia-se com Thérèse no tribunal. Também não é de imediato que sabemos ter sido acusada de tentar matar o marido, Bernardo. Esta tentativa de homicídio foi uma estupidez evitável: estando todos na sala de jantar, Bernardo media em seu copo as gotas de um xarope a base de arsénico. Avisado de um incêndio na propriedade, engana-se e coloca o dobro da dose certa. Toma a beberagem e sai com o empregado para ver o que ocorre. Ao voltar, esquece de já estar medicado e torna a ingerir o remédio. Thérèse a tudo vê, mas ao invés de avisar o marido, fica olhando-o apalermada – a narração de Mauriac mostra bem isso. Bernardo adoece e quando recupera-se, ela torna a envenená-lo para confirmar o motivo.

Voltando do tribunal, a personagem revê toda a sua vida. Aceitação voluntária de um casamento convencional com um homem rústico nascido e criado para um único meio e um único lugar. Sua personalidade inquiridora atrapalhando sua tentativa de adequação. A chegada à conclusão: “Não ter família! Deixar somente ao coração o cuidado de escolher os seus – não segundo o sangue, mas segundo o espírito, e segundo a carne também; ...”. Thérèse escapa do tribunal oficial, mas não do doméstico, o mais eficaz da época. É presa pelo marido em uma das propriedades do casal, sendo-lhe permitida a saída apenas, e mesmo assim inicialmente, para a missa de domingo e outros poucos eventos sociais nos quais a presença de ambos mostrasse-se necessária. Um casal aparentando harmonia, para ninguém falar algo desabonador. Esta conclusão de Thérèse afronta directamente a Família, um dos alicerces da burguesia.

O romance encerra-se com uma relativa pacificação entre o casal e a mudança de Thérèse para Paris, onde ela acredita poder viver segundo suas inclinações.

De Um Longo Banquete

Estou arrotando os pratos do banquete de livros que este ano representou. Três pratos principais, intermediados por vários outros mais leves para limpar o paladar, tal como convém. Na frente de todos, Oblomov, sendo inclusive o mais esperado. Gostei de Crime e Castigo embora não me tenha causado tanta impressão assim. Ainda estou mastigando Guerra e Paz e não posso fazer nada além disso. Definitivamente, esta obra não aceita uma leitura apressada, não adianta insistir. A ideia de leitura corrente deste livro faz-me lembrar de uma gracinha de Woody Allen, mais ou menos assim: "Óptimo o curso de leitura dinâmica que eu fiz. Consegui ler Guerra e Paz em duas horas. É um livro sobre a Rússia". Diário do Farol foi servido já azedo, e a escarradeira está embaixo da mesa aos meus pés. Dezenas de contos, sendo que pequenas e delicadas mãos apresentaram-me Argo e Seu Dono para uma degustação inicial da obra de Svevo, e não quero encerrar 2.003 sem conhecê-la totalmente. Há muitas outras, mas o momento é de tomar uma coxa de Guerra e Paz e ir devorá-la na rede, com o cachorro sentado na frente olhando. Muita leitura em sítios literários, mesmo não gostando de ler no computador. Na Filosofia, para mim, “foi o ano de” Montaigne e Diderot. Ou só Diderot, pois desde que conheci Montaigne, sempre torno aos Ensaios, e desde 1.999 leio a nova edição, conforma os volumes foram publicados.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 19/12/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. Querido site de compras coletivas de Carla Ceres
03. O turista motorista de Adriana Baggio
04. Big Brother da Palmada de Daniel Bushatsky
05. Adolescente lê, sim, senhor! de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VÍCIOS NÃO SÃO CRIME
LYSANDER SPOONER
AQUARIANA
(2003)
R$ 13,41



ECO EMPREENDEDOR - OPORTUNIDADES DE NEGOCIOS DECORRENTES DA REVOL
STEVEN J. BENNETT
MAKRON
(1992)
R$ 9,90



O CONFLITO
MARY WESTMACOTT
NIVA FRONTEIRA
(1974)
R$ 10,00



A MÃO E A LUVA
MACHADO DE ASSIS
EDIGRAF
R$ 6,28



O LEITE VOL 3 OUTROS PRODUTOS LEITEIROS
F. M. LUQUET
EUROPA-AMÉRICA
(1985)
R$ 97,00



A MÁQUINA INFERNAL DO ENGENHEIRO GÁRIN
ALÉXIS TOLSTÓI
ED. BRASILIENSE
(1959)
R$ 13,90



RETRATO FOTOGRÁFICO
MICHAEL FREEMAN
LIVROS E LIVROS
(2005)
R$ 60,00



A REBELIÃO NA TERRA SANTA - 1935
MENAHEN BEGUIN
FREITAS BASTOS
(1970)
R$ 10,00



THEMEN 1 KURSBUCH
HARTMUT AUFDERSTRASSE / HEIKO BOCK / M. GERDES / H
EPU / HUEBER
(1991)
R$ 16,00



MERGULHE NA MAGIA - OS BASTIDORES DE ANIMAIS FANTÁSTICOS...
IAN NATHAN
HARPER COLLINS
(2016)
R$ 32,00





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês