Thérèse Desqueyroux, de François Mauriac | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva
>>> Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe
>>> 2006, o ano dos livros
>>> Na toca dos leões
>>> O nome da morte
>>> 7 de Setembro
>>> Sobre Paraíso Tropical
>>> Bernardo Carvalho e a arte da fuga
>>> Uma feira (in)descritível
>>> Quem tem medo do Besteirol?
Mais Recentes
>>> Saguairu de Julio Emilio Braz pela Atual (2010)
>>> Luana - a Menina Que Viu o Brasil Neném de Aroldo Macedo-oswaldo Faustino-arthur Garcia pela Ftd (2000)
>>> O Fantasminha Trapalhão de Gerusa Rodrigues Pinto e Hugo Matos da Silva pela Fapi
>>> The Dive Sites of Aruba, Bonaire & Curação - Over 175 Dive and Snorkel Sites (Em Inglês) de Jack Jackson pela Contemporary Books (2000)
>>> Adivinhe! Quem Está para Chegar? de Gerusa Rodrigues Pinto e Hugo Matos da Silva pela Fapi
>>> Ratatoing de Maurício Bernardi Milani pela Página (2007)
>>> O Português Que nos Pariu de Angela Dutra de Menezes pela Record (2009)
>>> A Rainha do Sul de Arturo Perez-reverte pela Record (2016)
>>> O Planeta Berra de Edgard Romanelli pela Moderna (2003)
>>> Guia Preparatório para a Certificação Prince2 Foundation de Jefferson Lisboa de Melo pela Novaterra (2015)
>>> Direção Estratégica de Empresas Brasileiras de Agricola Bethlem pela Elsevier (2014)
>>> Mata Atlântica e Manguezais de Armênio Uzunian pela Harbra (2014)
>>> Ginástica Laboral - Princípios e Aplicações Práticas de Ricardo Alves Mendes, Neiva Leite pela Manole (2012)
>>> Conformação Mecânica de Lirio Schaeffer pela Imprensa Livre (2004)
>>> 50 Clássicos Que Não Podem Faltar na Sua Biblioteca de Jane Gleeson White pela Verus (2009)
>>> Voo para a Escuridão de Marcelo Simões pela Geração Editorial (2010)
>>> Banco de Dados - Teoria e Desenvolvimento de William Pereira Alves pela Érica (2009)
>>> Gestão Financeira e de Custos Em Hospitais de Antonio Artur de Souza pela Atlas (2013)
>>> Var - Cálculo do Var de uma Carteira de Renda Fixa de Rafael Paschoarelli Veiga pela Saint Paul (2005)
>>> Redes de Cooperação Empresarial de Alsones Balestrin, Jorge Verschoore pela Bookman (2016)
>>> Almanaque Brasilaeiro de Tatuagem de Autores Variados pela Escala
>>> Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem Cipe 2015 de Telma Ribeiro Garcia pela Artmed (2016)
>>> Conhecendo Melhor a Fé Católica de Roberto Andrade Tannus pela Santuário (1996)
>>> Oração de Amorização A Cura do Coração de Pe. Alírio J. Pedrini, SCJ pela Loyola (2000)
>>> Viva Esperança de Valdemiro Santiago de Oliveira pela Classica (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 19/12/2002
Thérèse Desqueyroux, de François Mauriac
Ricardo de Mattos

+ de 5300 Acessos

A leitura da conferência O Romancista e Suas Personagens impede a conclusão imediata e taxativa, mas arrisco afirmar que o mesmo flagelo infligido por Voltaire à nobreza e ao clero setecentista é retomado por François Mauriac (1.885 – 1.970) contra a burguesia dos séculos XIX e XX. Certo não se encontrar nem o humor nem o deboche do filósofo, mas a acidez do escritor, voluntária ou não, nada deixa a desejar, mesmo em se afirmando ser sua preocupação antes religiosa que social ou política.

Reparando em alguns dos quadros de Holbein, Rubens e Hals, por exemplo, identificamos um burguês de carácter firme, cujo trabalho e dinheiro impulsionavam as finanças, o comércio e as artes. Se olharmos, todavia, a burguesia figurante das telas de Renoir, notamos apenas a convenção. Repare-se n’O Camarote, de 1.874. Uma mulher de olhar vazio voltada para algum espectáculo, mas certamente com o pensamento distante. Ao seu lado o marido mira o binóculo para cima, alheio ao que quer que se passe em cena. São burgueses descendentes daqueles emersos na Revolução Francesa, mas que negam e frustram os ideais de seus antepassados. O revolucionário, ao menos a princípio, almejava desalojar a nobreza de seu pedestal para dar lugar a uma nova ordem. As gerações seguintes talvez movessem-se contra tal inimigo, porém para tomar-lhe simplesmente o lugar, mantendo o status.

A parcela da sociedade analisada destaca-se pela coesão e rigidez sedimentadas através de longos anos. Tal a quantidade de regras e “princípios” que a principal e pior consequência foi a estagnação. Um passo não é dado antes de se verificar a necessidade, repercussão, resguardo da família e conveniência. Mauriac, mantendo o distanciamento, traça um painel de cores bem cruéis. Não se percebe nos escritos qualquer misantropia, sua intenção é revolver o solo árido: “Ao romancista consciente de ter fracassado em sua ambição de retratar a vida resta então este móvel, esta razão de ser: sejam quais forem, suas personagens agem, exercem uma ação sobre os homens. Fracassam na tarefa de representá-los, mas conseguem perturbar sua quietude, despertam-nos, o que já não é nada mal”.

O conto O Segredo dos Duprouy mostra quão terríveis podem ser as pessoas daquele “habitat” quando farejam alguma ameaça ao seu dinheiro e a sua aparência social. Um péssimo conceito de Honra, aliado à protecção ferrenha da Propriedade criou uma classe fechadíssima e, caso se mostre necessário, autofágica. O respeito devido à família concerne aos seus membros individualmente considerados, e por isso mantém-se certa circunspecção ao tratar de assuntos privados. A família burguesa de Mauriac, contudo, mantém a “decência” exclusivamente por receio do que se pode perder, como um casamento vantajoso. Ou ainda, no caso do mencionado conto, um dia de recepção. E um membro rebelde que não acate as regras tal como mantidas por gerações, questione-as ou mesmo tenha a petulância de tentar obter uma visão mais ampla das coisas, é geralmente reprimido através de meios variáveis conforme sua impertinência: convento, hospício ou veneno.

Sobre o cenário e os actores que inspiraram Mauriac, permitindo-lhe a “união misteriosa entre o artista e o real” – desculpa que pelos seus fundamentos não é muito convincente –, sugiro a leitura do quarto volume da História da Vida Privada, em especial os ensaios A Família Triunfante, Figuras e Papéis e Conflitos Familiares, todos de Michelle Perrot. Esta leitura prévia possibilitará a melhor percepção do realismo de Thérèse Desqueyroux, romance escrito em 1.927 e publicado no Brasil com tradução e prefácio de Carlos Drummond de Andrade.

Thérèse – ou Teresa, pois o poeta traduziu todos os nomes próprios conforme o costume da época – é uma personagem cuja infelicidade foi ter adquirido a consciência da pobreza moral e intelectual do meio em que nasceu, apesar de materialmente abastado. Sua vida é inteira tomada pelo tédio e pela ciência da imutabilidade das coisas. A tentativa de adequar-se é ineficaz, trazendo apenas o desapego, e mesmo o horror, em relação a todos que a circundam. Não quer ninguém por perto e em caso de aproximação, horroriza-se.

A história é simples, mas o romance, ao contrário do conselho de Carlos Drummond de Andrade, deve ser lido com calma e atenção, pois factos e informações importantes surgem de repente. Inclusive, demoramos um pouco para saber porque o romance inicia-se com Thérèse no tribunal. Também não é de imediato que sabemos ter sido acusada de tentar matar o marido, Bernardo. Esta tentativa de homicídio foi uma estupidez evitável: estando todos na sala de jantar, Bernardo media em seu copo as gotas de um xarope a base de arsénico. Avisado de um incêndio na propriedade, engana-se e coloca o dobro da dose certa. Toma a beberagem e sai com o empregado para ver o que ocorre. Ao voltar, esquece de já estar medicado e torna a ingerir o remédio. Thérèse a tudo vê, mas ao invés de avisar o marido, fica olhando-o apalermada – a narração de Mauriac mostra bem isso. Bernardo adoece e quando recupera-se, ela torna a envenená-lo para confirmar o motivo.

Voltando do tribunal, a personagem revê toda a sua vida. Aceitação voluntária de um casamento convencional com um homem rústico nascido e criado para um único meio e um único lugar. Sua personalidade inquiridora atrapalhando sua tentativa de adequação. A chegada à conclusão: “Não ter família! Deixar somente ao coração o cuidado de escolher os seus – não segundo o sangue, mas segundo o espírito, e segundo a carne também; ...”. Thérèse escapa do tribunal oficial, mas não do doméstico, o mais eficaz da época. É presa pelo marido em uma das propriedades do casal, sendo-lhe permitida a saída apenas, e mesmo assim inicialmente, para a missa de domingo e outros poucos eventos sociais nos quais a presença de ambos mostrasse-se necessária. Um casal aparentando harmonia, para ninguém falar algo desabonador. Esta conclusão de Thérèse afronta directamente a Família, um dos alicerces da burguesia.

O romance encerra-se com uma relativa pacificação entre o casal e a mudança de Thérèse para Paris, onde ela acredita poder viver segundo suas inclinações.

De Um Longo Banquete

Estou arrotando os pratos do banquete de livros que este ano representou. Três pratos principais, intermediados por vários outros mais leves para limpar o paladar, tal como convém. Na frente de todos, Oblomov, sendo inclusive o mais esperado. Gostei de Crime e Castigo embora não me tenha causado tanta impressão assim. Ainda estou mastigando Guerra e Paz e não posso fazer nada além disso. Definitivamente, esta obra não aceita uma leitura apressada, não adianta insistir. A ideia de leitura corrente deste livro faz-me lembrar de uma gracinha de Woody Allen, mais ou menos assim: "Óptimo o curso de leitura dinâmica que eu fiz. Consegui ler Guerra e Paz em duas horas. É um livro sobre a Rússia". Diário do Farol foi servido já azedo, e a escarradeira está embaixo da mesa aos meus pés. Dezenas de contos, sendo que pequenas e delicadas mãos apresentaram-me Argo e Seu Dono para uma degustação inicial da obra de Svevo, e não quero encerrar 2.003 sem conhecê-la totalmente. Há muitas outras, mas o momento é de tomar uma coxa de Guerra e Paz e ir devorá-la na rede, com o cachorro sentado na frente olhando. Muita leitura em sítios literários, mesmo não gostando de ler no computador. Na Filosofia, para mim, “foi o ano de” Montaigne e Diderot. Ou só Diderot, pois desde que conheci Montaigne, sempre torno aos Ensaios, e desde 1.999 leio a nova edição, conforma os volumes foram publicados.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 19/12/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A sedução da narrativa de Marta Barcellos
02. Aos cérebros novidadeiros de Carla Ceres
03. Bastardos Inglórios e O Caso Sonderberg de Marcelo Spalding
04. Os Eleitos, de Tom Wolfe de Jorge Wagner
05. Polly de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Na Margem do Rio Piedra
Paulo Coelho
Rocco
(1994)



Quem Conta um Conto... e Outros Contos
Machado de Assis / Aluísio Azevedo / Artur Azev...
Sol
(1999)



Manual dos Títulos de Crédito
Maria Bernadete Miranda
Iglu
(1995)



Deus Protege os Que Amam
J. M. Simmel
Nova Frnteira



Evaluierungsforschung: Methoden Zur Einschätzung Von Sozialen Ref
Carol H. Weiss
Westdeutscher
(1974)



Success 1 Textbook 1
Michael Walker
Longman do Brasil
(1996)



Golfe: La Guerre Cachée
Thierry Dathis e Jean Paul Croize
Jean Picollec (paris)
(1991)



O Noviço/o Juiz de Paz da Roça/quem Casa Quer Casa
Martins Pena
Klick/estadão
(1997)



Introdução À Termodinâmica
Cerbe e Hoffmann
Polígono
(1973)



Linégalité des Revenus
Jacques Lecaillon
Cujas (paris)
(1970)





busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês