Thérèse Desqueyroux, de François Mauriac | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nuvem Negra*
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Os Incríveis
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
Mais Recentes
>>> Dicionário de Psicologia de Roland Doron & Françoise Parot pela Ática (2001)
>>> Teologia da Criação de Sinivaldo S. Tavares pela Vozes (2010)
>>> Sou Péssima Em Matemática! de Béatrice Rouer pela Scipione (1992)
>>> Morte de um Inglês de Magdalen Nabb pela Bonobo (2009)
>>> English Grammar in Use: a Self-study Reference and Practice Book For.. de Raymond Murphy pela Cambridge (1999)
>>> Atlas Visual Compacto do Corpo Humano de Rúbia Yuri Tomita pela Rideel (1999)
>>> A Grande Batalha de Pietro Ubaldi pela Fundapu (1984)
>>> Curso Prático de Dança do Ventre de Fairuza e Yasmin pela Madras
>>> Ricardo Amaral Apresenta: Vaudeville - Memórias de Ricardo Amaral pela Leya (2010)
>>> Deltora: a Cidade dos Ratos - 3 de Emily Rodda pela Fundamento (2006)
>>> Wordstar 5 Guia do Usuário de José A. A. Ramalho pela Mcgraw-hil (1990)
>>> O Rei Leão e a Memória do Mundo de Salma Ferraz pela Furb (1998)
>>> Catálogo de Selos Brasil 81 de Diversos Autores pela Ave Maria
>>> Alice no País das Maravilhas de Lewis Carroll (adp:) Ana Maria Machado pela Atica (2010)
>>> Alter Jornal de Estudos Psicodinâmicos Vol XVIII N1 de Caiuby de Azevedo Marques pela Regina Lúcia Braga (1999)
>>> Fireworks Mx 2004 de Centro de Desenvolvimento Pessoal pela Do Autor (2003)
>>> Globalização do Turismo de Mário Carlos Beni pela Aleph (2003)
>>> É Proibido Chorar de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Judas Iscariotes e Outras Historias de Leonid Andreiév pela Claridade (2004)
>>> Pastoreio e Compaixão - uma Contribuição à Pastoral Urbana a Partir... de Alonso Gonçalves e Natanael Gabriel da Silva pela Fonte (2013)
>>> Cinza de Fênix de Alcides Buss pela Insular (1999)
>>> As Soluções Finais de Adolfo Zigelli pela Lunardelli (1975)
>>> Lucíola de José de Alencar pela Ática (2001)
>>> O Que é Psicologia de Maria Luiza S. Teles pela Brasiliense (2003)
>>> Casais Em Reflexão de Antonio M Fernandes pela Paulinas (1982)
COLUNAS

Quinta-feira, 19/12/2002
Thérèse Desqueyroux, de François Mauriac
Ricardo de Mattos

+ de 6100 Acessos

A leitura da conferência O Romancista e Suas Personagens impede a conclusão imediata e taxativa, mas arrisco afirmar que o mesmo flagelo infligido por Voltaire à nobreza e ao clero setecentista é retomado por François Mauriac (1.885 – 1.970) contra a burguesia dos séculos XIX e XX. Certo não se encontrar nem o humor nem o deboche do filósofo, mas a acidez do escritor, voluntária ou não, nada deixa a desejar, mesmo em se afirmando ser sua preocupação antes religiosa que social ou política.

Reparando em alguns dos quadros de Holbein, Rubens e Hals, por exemplo, identificamos um burguês de carácter firme, cujo trabalho e dinheiro impulsionavam as finanças, o comércio e as artes. Se olharmos, todavia, a burguesia figurante das telas de Renoir, notamos apenas a convenção. Repare-se n’O Camarote, de 1.874. Uma mulher de olhar vazio voltada para algum espectáculo, mas certamente com o pensamento distante. Ao seu lado o marido mira o binóculo para cima, alheio ao que quer que se passe em cena. São burgueses descendentes daqueles emersos na Revolução Francesa, mas que negam e frustram os ideais de seus antepassados. O revolucionário, ao menos a princípio, almejava desalojar a nobreza de seu pedestal para dar lugar a uma nova ordem. As gerações seguintes talvez movessem-se contra tal inimigo, porém para tomar-lhe simplesmente o lugar, mantendo o status.

A parcela da sociedade analisada destaca-se pela coesão e rigidez sedimentadas através de longos anos. Tal a quantidade de regras e “princípios” que a principal e pior consequência foi a estagnação. Um passo não é dado antes de se verificar a necessidade, repercussão, resguardo da família e conveniência. Mauriac, mantendo o distanciamento, traça um painel de cores bem cruéis. Não se percebe nos escritos qualquer misantropia, sua intenção é revolver o solo árido: “Ao romancista consciente de ter fracassado em sua ambição de retratar a vida resta então este móvel, esta razão de ser: sejam quais forem, suas personagens agem, exercem uma ação sobre os homens. Fracassam na tarefa de representá-los, mas conseguem perturbar sua quietude, despertam-nos, o que já não é nada mal”.

O conto O Segredo dos Duprouy mostra quão terríveis podem ser as pessoas daquele “habitat” quando farejam alguma ameaça ao seu dinheiro e a sua aparência social. Um péssimo conceito de Honra, aliado à protecção ferrenha da Propriedade criou uma classe fechadíssima e, caso se mostre necessário, autofágica. O respeito devido à família concerne aos seus membros individualmente considerados, e por isso mantém-se certa circunspecção ao tratar de assuntos privados. A família burguesa de Mauriac, contudo, mantém a “decência” exclusivamente por receio do que se pode perder, como um casamento vantajoso. Ou ainda, no caso do mencionado conto, um dia de recepção. E um membro rebelde que não acate as regras tal como mantidas por gerações, questione-as ou mesmo tenha a petulância de tentar obter uma visão mais ampla das coisas, é geralmente reprimido através de meios variáveis conforme sua impertinência: convento, hospício ou veneno.

Sobre o cenário e os actores que inspiraram Mauriac, permitindo-lhe a “união misteriosa entre o artista e o real” – desculpa que pelos seus fundamentos não é muito convincente –, sugiro a leitura do quarto volume da História da Vida Privada, em especial os ensaios A Família Triunfante, Figuras e Papéis e Conflitos Familiares, todos de Michelle Perrot. Esta leitura prévia possibilitará a melhor percepção do realismo de Thérèse Desqueyroux, romance escrito em 1.927 e publicado no Brasil com tradução e prefácio de Carlos Drummond de Andrade.

Thérèse – ou Teresa, pois o poeta traduziu todos os nomes próprios conforme o costume da época – é uma personagem cuja infelicidade foi ter adquirido a consciência da pobreza moral e intelectual do meio em que nasceu, apesar de materialmente abastado. Sua vida é inteira tomada pelo tédio e pela ciência da imutabilidade das coisas. A tentativa de adequar-se é ineficaz, trazendo apenas o desapego, e mesmo o horror, em relação a todos que a circundam. Não quer ninguém por perto e em caso de aproximação, horroriza-se.

A história é simples, mas o romance, ao contrário do conselho de Carlos Drummond de Andrade, deve ser lido com calma e atenção, pois factos e informações importantes surgem de repente. Inclusive, demoramos um pouco para saber porque o romance inicia-se com Thérèse no tribunal. Também não é de imediato que sabemos ter sido acusada de tentar matar o marido, Bernardo. Esta tentativa de homicídio foi uma estupidez evitável: estando todos na sala de jantar, Bernardo media em seu copo as gotas de um xarope a base de arsénico. Avisado de um incêndio na propriedade, engana-se e coloca o dobro da dose certa. Toma a beberagem e sai com o empregado para ver o que ocorre. Ao voltar, esquece de já estar medicado e torna a ingerir o remédio. Thérèse a tudo vê, mas ao invés de avisar o marido, fica olhando-o apalermada – a narração de Mauriac mostra bem isso. Bernardo adoece e quando recupera-se, ela torna a envenená-lo para confirmar o motivo.

Voltando do tribunal, a personagem revê toda a sua vida. Aceitação voluntária de um casamento convencional com um homem rústico nascido e criado para um único meio e um único lugar. Sua personalidade inquiridora atrapalhando sua tentativa de adequação. A chegada à conclusão: “Não ter família! Deixar somente ao coração o cuidado de escolher os seus – não segundo o sangue, mas segundo o espírito, e segundo a carne também; ...”. Thérèse escapa do tribunal oficial, mas não do doméstico, o mais eficaz da época. É presa pelo marido em uma das propriedades do casal, sendo-lhe permitida a saída apenas, e mesmo assim inicialmente, para a missa de domingo e outros poucos eventos sociais nos quais a presença de ambos mostrasse-se necessária. Um casal aparentando harmonia, para ninguém falar algo desabonador. Esta conclusão de Thérèse afronta directamente a Família, um dos alicerces da burguesia.

O romance encerra-se com uma relativa pacificação entre o casal e a mudança de Thérèse para Paris, onde ela acredita poder viver segundo suas inclinações.

De Um Longo Banquete

Estou arrotando os pratos do banquete de livros que este ano representou. Três pratos principais, intermediados por vários outros mais leves para limpar o paladar, tal como convém. Na frente de todos, Oblomov, sendo inclusive o mais esperado. Gostei de Crime e Castigo embora não me tenha causado tanta impressão assim. Ainda estou mastigando Guerra e Paz e não posso fazer nada além disso. Definitivamente, esta obra não aceita uma leitura apressada, não adianta insistir. A ideia de leitura corrente deste livro faz-me lembrar de uma gracinha de Woody Allen, mais ou menos assim: "Óptimo o curso de leitura dinâmica que eu fiz. Consegui ler Guerra e Paz em duas horas. É um livro sobre a Rússia". Diário do Farol foi servido já azedo, e a escarradeira está embaixo da mesa aos meus pés. Dezenas de contos, sendo que pequenas e delicadas mãos apresentaram-me Argo e Seu Dono para uma degustação inicial da obra de Svevo, e não quero encerrar 2.003 sem conhecê-la totalmente. Há muitas outras, mas o momento é de tomar uma coxa de Guerra e Paz e ir devorá-la na rede, com o cachorro sentado na frente olhando. Muita leitura em sítios literários, mesmo não gostando de ler no computador. Na Filosofia, para mim, “foi o ano de” Montaigne e Diderot. Ou só Diderot, pois desde que conheci Montaigne, sempre torno aos Ensaios, e desde 1.999 leio a nova edição, conforma os volumes foram publicados.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 19/12/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Abuso sexual de crianças: do silêncio para a tela de Marcelo Spalding
02. Os superestimados da música no Brasil de Mario Marques
03. O mundo aos olhos de um pescador de Alessandro Garcia


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eu Chovo, Tu Choves, Ele Chove...
Sylvia Orthof
Objectiva
(2001)



Casamento , Término & Reconstrução - 8ª Ed - Revista e Atualizada
Maria Tereza Maldonado
Integrare
(2009)



Teresa - A Santa apaixonada
Rosa Amanda Strausz
objetiva
(2005)



Raízes do Sucesso Empresarial a Experiência de Três Empresas
Haroldo Vinagre Brasil
Atlas
(1995)



Orçamento e Controle - Economia e Finanças
Fabiano Simoes Coelho, Ronaldo Miranda Pontes
Fgv
(2018)



Para Onde Vai a Cultura Brasileira?: Desafios Pastorais
Estudos Cnbb
Edicoes Paulinas
(1990)



Ideologia e Cidadania
J. B. Libanio
Moderna
(2004)



Il Drappo Scomparso
Slawka G. Scarso
Casa Delle Lingue
(2014)



Factoring Passo a Passo - as Quatro Operações - Confira!
Antonio Carlos Donini
Klarear
(2003)



Segredos do Toque Amoroso
Franz Benedikter
pallas
(2002)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês