A Cura | Héber Sales | Digestivo Cultural

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Péricles Cavalcanti - lançamento de SALTANDO COMPASSOS
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> (Abre 11/10) Mostra BAÚ DA DGT_curadores Francisco Gaspar,Tuna Dwek, Donny Correia e Diego da Costa
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> perversão sexual
>>> Trailer do Fim do Mundo
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Felicidade
>>> Ano novo, vida nova.
Mais Recentes
>>> A Jornada Para Casa Uma Parabola De Kryon - A Historia De Michael Thomas E Os Sete Anjos de Lee Carroll pela Madras (2011)
>>> No Vale Dos Suicidas - Madras de Evaristo Humbertto De Araujo pela Madras (2009)
>>> Os Segredos Do Karate Shotokan de Robin L Rielly pela Madras (2011)
>>> História social da criança e da família de Philippe Ariés pela Guanabara (1981)
>>> A revolução da palavra - Uma visão do homo loquens de Pedro Paulo Filho pela Siciliano (1987)
>>> A Sombra de uma Paixão de Tanya Oliveira pela Lúmen (2007)
>>> A evolução da consciência de Robert Ornstein pela Best Seller (1991)
>>> Iracema de José de Alencar pela L&Pm Pocket (2009)
>>> Ciência e fé: O reencontro pela- Física quântica de Bispo Rodovalho pela Lua de mel (2013)
>>> A ponte clandestina - Teorias de cinema na América Latina de José Carlos Avelar pela 34 (1995)
>>> As Fortunas do Cortesão de Peter Burke pela Unesp (1997)
>>> O barão das árvores de Italo Calvino pela Companhia Das Letras (1991)
>>> Cultura Brasileira - Temas e Situações de Alfredo Bosi pela Atica (1992)
>>> Poemas de Rainer Maria Rilke pela Companhia Das Letras (1993)
>>> A Feira das Vaidades - I e II Volume de William Makepeace Thackeray pela Civilização Brasileira (1963)
>>> Cinema marginal (1968/1973) - A representação em seu limite de Fernão Ramos pela Brasiliense (1987)
>>> O Circo da Noite de Erin Morgenstern pela Intrínseca (2012)
>>> A vida viaja na luz de Carlos A. Baccelli Inácio Ferreira pela Leepp (2011)
>>> Por que perdeu ?: Dez desfiles derrotados que fizeram história de Marcelo de Mello pela Record (2018)
>>> Cultura de Massa e Cultura Popular de Ecléa Bosi pela Vozes (1973)
>>> Antes de dormir de S. J. Watson pela Record (2012)
>>> História da Civilização - Idade Média, Moderna e Contemporânea de António G. Mattoso pela Lisboa - Livraria Sá da Costa (1956)
>>> Uma história da república de Lincoln de Abreu Penna pela Nova Fronteira (1989)
>>> Adestramento de Cães para Leigos de Jack Volhard / Wendy Volhard pela Alta Books (2005)
>>> Capitalismo, trabalho e educação de José Claudinei Lombardi pela Autores Associados (2004)
COLUNAS

Segunda-feira, 6/1/2003
A Cura
Héber Sales

+ de 3000 Acessos

Neste palco,
sua cara vida
revela-se um script
na obra de autor
misterioso.

Seus desejos saracoteiam
intempestivos,
e mal arranham
a superfície do papel,
onde o ato
de duração imprevista
caminha para o fim certo -
para ele errado,
que não quer apear
deste tablado.

Ensaia tantas vezes
um jeito de ser feliz,
à espera do seu modo
de permanecer.


De nascença, sou cristão. Por muito tempo, de confissão em confissão, descansei o fardo de herança original: a culpa. Era condenado, errabundo num exílio vergonhoso. Deixara um éden onde nunca tinha estado, mas que reconhecia quando no peito túmido uma dor subia a garganta num rebojo: "vou-me embora pra Pasárgada!" Rezava assim, por vida melhor, muitas vezes; outras tantas, pedia é perdão - depois que em miragens o paraíso roçava meus sentidos todos, confundindo-os com visões que cheiravam a tato de gosto bom. Numa e noutra, a agonia trocada, a flagelos, por um fio de esperança; eu renovava as promessas, e então tudo podia dar certo.

Por um descuido, formei-me profano, no culto à razão e à ciência positiva. Cresci na outra metade dum século sem fim, de datação inverossímil para a gigantesca obra da época. As evidências acumulavam-se, e a ordem das coisas não poderia mais se esconder no não-ser. O iluminado momento moderno expulsava espantos, e eu, aluno aplicado, esperava o elixir da vida eterna, o qual surgiria, embalado e bem marcado, no final de uma linha de montagem qualquer.

Mas os anos de luzes se foram, e, mesmo com os muro derribados, a desgraça foi tanta miséria afogando a minha fé, que um pânico tomou-me e aos outros. À muita sombra de coisas que não vieram, nossos fantasmas dançaram o horror. De nada adiantou que homens famanazes fossem defender a nossa liberdade. Cada inimigo abatido fazia explodir a angústia do fim do mundo, porque a dor do outro era sentida dentro, como se fôssemos em cada um toda a humanidade canibalizando-se. Nenhum discurso soava certo, e toda força justificava-se tão somente na luta desesperada pelos restolhos da terra agonizante. Dançávamos todos um imenso ritual suicida... É que a vida tornara-se vã e sem sentido depois que a natureza, aparentemente dominada, conspirou seguidas vezes contra ela. O progresso havia nos lançado numa grande separação (tantas conquistas democratizaram a cobiça; o medo do outro espalhou o ódio até o parente mais próximo; e eu detestava a mim mesmo na busca da eficiência improvável), e não podíamos tocar nenhum consolo. A luz no fim do túnel revelara-se um filme monótono, e a realidade, tropeços na escuridão.

Desesperançado, assumi uma ordem alternativa na comunidade remota. A senha era o voto de silêncio - tomado por um superior que parecia falar as regras mínimas a contragosto. No dia a dia, para aprender, eu apenas seguia os passos dos mais destros naquele desafio de viver sem comprar ou vender. E cuidávamos de tudo, do algodão e do seu tecido, do milho e da sua farinha, da cabra e do seu queijo, da cana e do seu açúcar, do rio salobro e do seu tempero, com instrumentos mínimos, inocentes, que não perturbavam a terra em seu equilíbrio antigo. Custava, este imenso trabalho, todas as horas claras do dia, desde quando o passaredo as surpreendia até depois das galinhas se empoleirarem - o sol despedia-se esquecido por nós que pisávamos o desjejum na ânsia do sono revigorante. Os dias, contados pelas estações, ignoravam os acontecimentos históricos de todas as eras. O isolamento era completo, e vivíamos sem notícias das terras civilizadas.

Havia ali no entanto, a tradição de certos volumes vetustos, os únicos vocábulos permitidos, dispostos em aforismos de sentido fugidio, mas cultuados. Eu desafiava seus segredos em noites mal dormidas à luz de lamparinas. Fui entendendo mais com o tempo - provavelmente de um modo bastante peculiar, porque teimava no íntimo com aquela vida sisuda. Nos códigos do guia da comunidade, eu lia uma outra idéia; e nos dias seguintes, quando me iniciava numa nova arte, ouvi um outro dizer "não!" Era tarde todavia. Eu fora tomado pela ânsia de um outro olhar, o meu único; e a beleza do artefato que fiz verem, em muitos deles despertou atrevimento, e saíram pelo mundo em espetáculos.

Malbaratada aventura aquela vida de ermitão. Rendera-me contudo uma boa história - era o que imaginava... Pus-me a escrever a epopéia. Ordenava as palavras tentando fazer sentido da minha experiência nas franjas da humanidade, muito além do vocabulário socializador, entre o silêncio e a expressão extravagante. Não tinha muito sucesso porém. Meus leitores recitavam com embargo crescente na voz, espantados. Para mim, um som perseguia as linhas forjando versos numa batida boa de juntar imagens grávidas de significado novo; para eles, atrapalhava-lhes o cálculo soando como prova mental. Não funcionou. Fui tomado por esnobe ou maluco - ao ponto de eu mesmo duvidar de minha sanidade. Terminei por desistir daquela obra: minha aventura não podia ser devidamente esclarecida, mas apenas traduzida num barulhinho gostoso provocando sugestões mentais que exauriam toda a minha ansiedade.

Passei dias entre a frustração e mais uma esperança...

Por fim decidi, ainda acossado por dúvidas, tratar meus assombros assim, escrevendo sinestesias, e larguei a explicação nas mãos de um homem mais bem aparelhado que um dia talvez surgirá.

Foi deste modo, quase incomunicável, que a vida me surpreendeu no alfabeto com as próprias armas da confusão, balaios de nomes com que apontar os desejos. Agora viro noites sem fome nem dor nem sono, refinando, num transe incontável, as frases de dentro dos sedimentos das convenções: torno-me o caos na faina sagrada do Criador, e então toco a eternidade.


Héber Sales
Salvador, 6/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quando (não) li Ana Cristina César de Ana Elisa Ribeiro
02. Capitalismo Selvagem de Daniel Bushatsky
03. Um Ano Feliz (!) de Ricardo de Mattos
04. A favor do jornalismo contra de Diogo Salles
05. O carnaval e a cidade de Almandrade


Mais Héber Sales
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Encontro com o Mestre
DeRose
matrix
(2002)



Iluminação Interior
John White. Org
Cultrix
(1998)



O Sonhador a Fábrica de Sonhos
João Berbel
Farol das Três Colinas
(2014)



O Melhor da Cronica
Lindolfo Paoliello
Del Rey
(2003)



A Teia do Homem Aranha - Vol. 5
Marvel
Panini Comics
(2011)



Simpatias e Segredos Populares - 4ª Edição
Nivio Ramos Sales
Pallas
(2008)



Histórias "Animais" que as Pessoas Contam
Marcel Benedeti
mundo maior
(2006)



Brincando Com Colagens, Recortes e Dobraduras
Rosangela P. Nascimento
Global
(2002)



Livro - Série Bom Livro - o Alienista
Machado de Assis
Ática
(2002)



Sangue e Esplendor
Daniel Myerson
ediouro
(2003)





busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês