Notas de Protesto | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/6/2001
Notas de Protesto
Rafael Lima
+ de 3000 Acessos

Você já leu o meu blog?
Esses dias reencontrei 2 antigos conhecidos pela internet, a "máquina de aproximar os distantes e afastar os próximos". Cheguei até eles através de seus respectivos blogs. Houve um tempo em que ter e-mail no cartão de visita era um diferencial. Houve um tempo, inclusive, em que as pessoas não falavam em "ter um diferencial". Prosseguindo, também já houve um tempo em que o tal do diferencial era a homepage pessoal. Insatisfeitas com a visitação decrescente que suas páginas tinham ao longo do tempo, essas pessoas começaram a atualizar suas páginas freqüentemente, depois todo dia, até que pintou a vontade de colocar alguma coisa lá assim que desse na telha. Um programinha foi criado para facilitar essa brincadeira, e presto!, cresceram e multiplicaram-se os weblogs, ou seja, os diários da rede, ou simplesmente: blogs. Apesar do formato do blog ser imensamente mais versátil que pressupõe uma primeira olhada, acabou acontecendo com eles o que acontece com uma cidade que tem muros recém-pintados demais: alguns deles terminam fatalmente pichados. Ou seja, os blogs se transformaram no mais novo palco dos exibicionistas de plantão. A capacidade de distribuir informação de um blog é tamanha, que causa revolta essa subutilização narcisista a que estão submetidos. Não sei qual a melhor maneira de insultar, mas a mais óbvia, não tenho dúvida, é dizer para essa turma largar um pouco o computador e arrumar uma vida do lado de fora - até para terem mais o que escrever em seus blogs... Cada vez que eu entro num blog pessoal - por mais interessante que sejam os textos - meu impulso é mandar uma mensagem nos seguintes termos: "Eu não quero saber sobre a sua vida pessoal. Eu respeito a sua privacidade. Eu acredito que você tenha sentimentos suficientemente íntimos. Encontre outras maneiras de dividir sua existência comigo". Na verdade, não é de hoje esse hábito de colocar seus journals (que seria o termo mais apropriado para diário do que log) ao alcance público; eles existem desde os primeiros tempos da rede. Do que se tiram duas conclusões: a) a imensa potenciação que a internet deu ao cotidiano, corriqueiro e efêmero; b) o mau uso que se faz dos seus recursos. Pensando objetivamente, para trocar opiniões sobre um tema específico existem os newsgroups; para compartilhar intimidades, usa-se o e-mail; para obter informações, procura-se em homepages e servidores de FTP. Mas os bons blogs - e há bons blogs, não tenha dúvida - subvertem esse separatismo, juntando o melhor de cada um no maior exemplo de inclusivismo e justaposição da internet: não é preciso organizar a informação; sua coerência interna emerge do caos aparente segundo os olhos de cada leitor, apontando para novas e inusitadas associações. Os blogs se equilibram entre o paraíso da informação livre prometida pelos Moisés cibernéticos e o inferno egomaníaco dos Dorian Gray digitais.

O consumo é a medida de todas as coisas
Ao entrar num supermercado em Portugal, o senhor K. se sentiu mal por não encontrar produtos das marcas que ele costumava encontrar em São Paulo. Cada marca sinalizava uma ordem de qualidade, sem a qual ele não tinha como identificar se o produto era bom ou não. Mais do que por qualquer outra coisa, hoje o ser humano classe média se expressa por meio do consumo. Mesmo quando se tratam de bens culturais - livros, discos, revistas, filmes - são todos itens encontráveis no mesmo mercado que vende bananas e Coca-Cola. Não existe mais espaço para expressão artística, ou seja, livre, para pessoas não relacionadas economicamente com sua produção. E nunca é demais lembrar que mesmo dentro da indústria cultural existe muito pouco espaço para movimentação. No antológico ensaio A Década do Eu, Tom Wolfe explica que a folga financeira conquistada pelas classes média e baixa norte-americanas nos anos 60 e 70 foi canalizada de uma maneira nunca vista até o momento: as pessoas passaram a investir em si mesmas, no conhecimento e desenvolvimento pessoal. O que é admirável, conta Wolfe, é que esse era um movimento próprio - e permitido - apenas a reis e nobres, e que, naqueles dias, explicava uma série de mudanças pelas quais a sociedade norte-americana passava, desde as caravanas de aposentados que caíram na estrada cruzando a América à ascenção dos movimentos evangélicos, passando pelas comunidades hippies e pela Seita Moon. As pessoas sentiam que havia algo maior ao seu alcance, e queriam aprender como lidar com aquilo. 25 anos depois, a impressão é que não há mais nada que se queira - nem que se possa - alcançar. Não há mais poetas amadores, músicos de horas vagas ou cartunistas de jornal de bairro. Apenas profissionais. Mesmo quando se disponibiliza um meio com possibilidades infindáveis como a internet, é preciso driblar os amontoados de registros pessoais, sacralização de banalidades, quando não coleções de fotos de gente pelada para se chegar nas fontes de valor.

Careta é a mãe
Uma das coisas que o politicamente correto nos ensinou foi a olhar com mais atenção para referências culturais fora dos cânones ocidentais. Embora não tenha ensinado como estabelecer um juízo de valor - a questão do relativismo cultural -, mostrou claramente que sempre existe uma outra maneira de ver a História. O politicamente correto é um dos filhos mal-criados (junto com o movimento feminista) das manifestações de contra-cultura da segunda metade do século passado, que pretendiam mudar a cara do sistema capitalista dominante. Não venceram a guerra, mas ganharam uma batalha que não pode ser enxergada como vitória de Pirro, a mudança das mentalidades. Hoje, não é permitido criticar, nem mesmo questionar as benesses do pensamento de "esquerda" em um país ocidental capitalista qualquer, a despeito do desenvolvimento que o último tenha trazido. Este é o tema central da tese de Olavo de Carvalho. O fato é que o pensamento é tão arraigado nas mentes que volta e meia chega-se a situações de ridículo sem se perceber. Mesmo que o jornal Valor Econômico pregue a ideologia neo-liberal em suas páginas principais, no caderno de cultura a capa será de um Zé Celso qualquer. É radical chic (© Tom Wolfe), por exemplo, apoiar as ações do movimento dos sem-terra, sem se indagar até que ponto é justificável seu uso da violência. A mesma coisa ocorre em relação às drogas, dada a disseminação de seu uso, ao qualificar como careta ou retrógrado qualquer um que opte por não utilizá-las ou seja contra a legalização das drogas como moeda corrente. Luís Carlos Maciel, há 30 anos, já diagnosticava isso:

"O que me preocupa é outra coisa: o fascismo que não ousa dizer o seu nome e é produto, invariavelmente, do medo, da insegurança existencial e neurótica e de um desesperado mecanismo de defesa. Essa doença se manifesta entre nós, freqüentemente, na prática totalitária da classificação a priori de qualquer pessoa como 'careta' ou qualquer coisa como 'caretice'. Os dois elementos estão presentes aqui: o mito irracional que estabelece privilégios de um ser humano sobre outro e a intolerância feroz que tende a negar ao outro o próprio título de ser humano."

Ouro de tolo
Pixação num muro australiano, anotada por Eddie Campbell: "I want to be what I was when I'd liked to be what I am"


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 14/6/2001

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Leitura, curadoria e imbecilização de Ana Elisa Ribeiro


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Biografias Vinicius sem Ponto Final
João Carlos Pecci
Saraiva
(1994)



Livro Infanto Juvenis A Chata Daquela Gorda Coleção Navegar
Regina Drummond
Cortez
(2005)



Usar a Mídia a Seu Favor
Paulo Piratininga
Cla
(2008)



Livro Direito Financeiro na Constituição de 1988
José Mauricio Conti
Oliveira Mendes
(1998)



Gestão florestal sustentável- Um diagnóstico no Espírito Santo
Luiz Fernando Schettino
Ed. do Autor
(2000)



O Hobbit
J. R. R. Tolkien
Martins Fontes
(2003)



Enquanto a Banda Tocava Um Blues
Wander Porto
Wp
(2019)



Amar, Verbo Intransitivo
Mário de Andrade
Agir
(2008)



Férias De Natal
W. Somerset Maugham
Globo
(1957)



Turismo Religioso - Ensaios Antropológicos Sobre Religião e Turismo
Edin Sued Abmanssur
Papirus
(2018)
+ frete grátis





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês