Notas de Protesto | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/6/2001
Notas de Protesto
Rafael Lima

+ de 2200 Acessos

Você já leu o meu blog?
Esses dias reencontrei 2 antigos conhecidos pela internet, a "máquina de aproximar os distantes e afastar os próximos". Cheguei até eles através de seus respectivos blogs. Houve um tempo em que ter e-mail no cartão de visita era um diferencial. Houve um tempo, inclusive, em que as pessoas não falavam em "ter um diferencial". Prosseguindo, também já houve um tempo em que o tal do diferencial era a homepage pessoal. Insatisfeitas com a visitação decrescente que suas páginas tinham ao longo do tempo, essas pessoas começaram a atualizar suas páginas freqüentemente, depois todo dia, até que pintou a vontade de colocar alguma coisa lá assim que desse na telha. Um programinha foi criado para facilitar essa brincadeira, e presto!, cresceram e multiplicaram-se os weblogs, ou seja, os diários da rede, ou simplesmente: blogs. Apesar do formato do blog ser imensamente mais versátil que pressupõe uma primeira olhada, acabou acontecendo com eles o que acontece com uma cidade que tem muros recém-pintados demais: alguns deles terminam fatalmente pichados. Ou seja, os blogs se transformaram no mais novo palco dos exibicionistas de plantão. A capacidade de distribuir informação de um blog é tamanha, que causa revolta essa subutilização narcisista a que estão submetidos. Não sei qual a melhor maneira de insultar, mas a mais óbvia, não tenho dúvida, é dizer para essa turma largar um pouco o computador e arrumar uma vida do lado de fora - até para terem mais o que escrever em seus blogs... Cada vez que eu entro num blog pessoal - por mais interessante que sejam os textos - meu impulso é mandar uma mensagem nos seguintes termos: "Eu não quero saber sobre a sua vida pessoal. Eu respeito a sua privacidade. Eu acredito que você tenha sentimentos suficientemente íntimos. Encontre outras maneiras de dividir sua existência comigo". Na verdade, não é de hoje esse hábito de colocar seus journals (que seria o termo mais apropriado para diário do que log) ao alcance público; eles existem desde os primeiros tempos da rede. Do que se tiram duas conclusões: a) a imensa potenciação que a internet deu ao cotidiano, corriqueiro e efêmero; b) o mau uso que se faz dos seus recursos. Pensando objetivamente, para trocar opiniões sobre um tema específico existem os newsgroups; para compartilhar intimidades, usa-se o e-mail; para obter informações, procura-se em homepages e servidores de FTP. Mas os bons blogs - e há bons blogs, não tenha dúvida - subvertem esse separatismo, juntando o melhor de cada um no maior exemplo de inclusivismo e justaposição da internet: não é preciso organizar a informação; sua coerência interna emerge do caos aparente segundo os olhos de cada leitor, apontando para novas e inusitadas associações. Os blogs se equilibram entre o paraíso da informação livre prometida pelos Moisés cibernéticos e o inferno egomaníaco dos Dorian Gray digitais.

O consumo é a medida de todas as coisas
Ao entrar num supermercado em Portugal, o senhor K. se sentiu mal por não encontrar produtos das marcas que ele costumava encontrar em São Paulo. Cada marca sinalizava uma ordem de qualidade, sem a qual ele não tinha como identificar se o produto era bom ou não. Mais do que por qualquer outra coisa, hoje o ser humano classe média se expressa por meio do consumo. Mesmo quando se tratam de bens culturais - livros, discos, revistas, filmes - são todos itens encontráveis no mesmo mercado que vende bananas e Coca-Cola. Não existe mais espaço para expressão artística, ou seja, livre, para pessoas não relacionadas economicamente com sua produção. E nunca é demais lembrar que mesmo dentro da indústria cultural existe muito pouco espaço para movimentação. No antológico ensaio A Década do Eu, Tom Wolfe explica que a folga financeira conquistada pelas classes média e baixa norte-americanas nos anos 60 e 70 foi canalizada de uma maneira nunca vista até o momento: as pessoas passaram a investir em si mesmas, no conhecimento e desenvolvimento pessoal. O que é admirável, conta Wolfe, é que esse era um movimento próprio - e permitido - apenas a reis e nobres, e que, naqueles dias, explicava uma série de mudanças pelas quais a sociedade norte-americana passava, desde as caravanas de aposentados que caíram na estrada cruzando a América à ascenção dos movimentos evangélicos, passando pelas comunidades hippies e pela Seita Moon. As pessoas sentiam que havia algo maior ao seu alcance, e queriam aprender como lidar com aquilo. 25 anos depois, a impressão é que não há mais nada que se queira - nem que se possa - alcançar. Não há mais poetas amadores, músicos de horas vagas ou cartunistas de jornal de bairro. Apenas profissionais. Mesmo quando se disponibiliza um meio com possibilidades infindáveis como a internet, é preciso driblar os amontoados de registros pessoais, sacralização de banalidades, quando não coleções de fotos de gente pelada para se chegar nas fontes de valor.

Careta é a mãe
Uma das coisas que o politicamente correto nos ensinou foi a olhar com mais atenção para referências culturais fora dos cânones ocidentais. Embora não tenha ensinado como estabelecer um juízo de valor - a questão do relativismo cultural -, mostrou claramente que sempre existe uma outra maneira de ver a História. O politicamente correto é um dos filhos mal-criados (junto com o movimento feminista) das manifestações de contra-cultura da segunda metade do século passado, que pretendiam mudar a cara do sistema capitalista dominante. Não venceram a guerra, mas ganharam uma batalha que não pode ser enxergada como vitória de Pirro, a mudança das mentalidades. Hoje, não é permitido criticar, nem mesmo questionar as benesses do pensamento de "esquerda" em um país ocidental capitalista qualquer, a despeito do desenvolvimento que o último tenha trazido. Este é o tema central da tese de Olavo de Carvalho. O fato é que o pensamento é tão arraigado nas mentes que volta e meia chega-se a situações de ridículo sem se perceber. Mesmo que o jornal Valor Econômico pregue a ideologia neo-liberal em suas páginas principais, no caderno de cultura a capa será de um Zé Celso qualquer. É radical chic (© Tom Wolfe), por exemplo, apoiar as ações do movimento dos sem-terra, sem se indagar até que ponto é justificável seu uso da violência. A mesma coisa ocorre em relação às drogas, dada a disseminação de seu uso, ao qualificar como careta ou retrógrado qualquer um que opte por não utilizá-las ou seja contra a legalização das drogas como moeda corrente. Luís Carlos Maciel, há 30 anos, já diagnosticava isso:

"O que me preocupa é outra coisa: o fascismo que não ousa dizer o seu nome e é produto, invariavelmente, do medo, da insegurança existencial e neurótica e de um desesperado mecanismo de defesa. Essa doença se manifesta entre nós, freqüentemente, na prática totalitária da classificação a priori de qualquer pessoa como 'careta' ou qualquer coisa como 'caretice'. Os dois elementos estão presentes aqui: o mito irracional que estabelece privilégios de um ser humano sobre outro e a intolerância feroz que tende a negar ao outro o próprio título de ser humano."

Ouro de tolo
Pixação num muro australiano, anotada por Eddie Campbell: "I want to be what I was when I'd liked to be what I am"


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 14/6/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A literatura e seus efeitos de Rafael Rodrigues
02. Reflexões na fila de Adriana Baggio
03. Tiques nervosos na ponta da língua de Marcelo Barbão
04. Caiu na rede é theremin de Rafael Lima


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FREDDIE S WAR LEVEL 6 - ANO
JANE ROLLASON
CAMBRIDGE
(2010)
R$ 19,90



MONSTRO DO PÂNTANO - RAÍZES DO MAL - VOLUME 1
GRANT MORRISON; MARK MILLAR; PHIL HESTER
PANINI
(2017)
R$ 24,90



O ESPECTADOR NOTURNO
JERÔME PRIEUR
NOVA FRONTEIRA
(1995)
R$ 13,39



EXPOSIÇÃO COMEMORATIVA DOS 70 ANOS DO UNIBANCO
INSTITUTO MOREIRA SALLES
IMS
(1994)
R$ 20,00
+ frete grátis



GRANDE SOL DE MERCÚRIO
ISAAC ASIMOV
HEMUS
R$ 10,00



SUJEITO DAGOBERTO
ALBERTO ALECRIM
ROCCO
(2006)
R$ 4,90



BIOLOGIA REVISADA - 1ª EDIÇÃO
WILLIS HARMAN
CULTRIX
(2013)
R$ 37,95



ANATOMIA DA CRÍTICA
NORTHROP FRYE
CULTRIX
(1973)
R$ 60,00



CONDUTA ESPIRITA
WALDO VIEIRA ANDRE LUIZ
FEB
(1995)
R$ 9,00



DICIONÁRIO ENCICLOPÉDICO ILUSTRADO VEJA LAROUSSE 22
ABRIL
ABRIL
(2006)
R$ 5,50





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês