Qual o destino da música instrumental brasileira? | José Maria da Silveira | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Entrevista com Cardoso
>>> Além do mais
>>> Adeus, Orkut
>>> Sabe como é, pode rolar...
>>> Zeitgeist
>>> 9° Festival Internacional do Documentário Musical
>>> Até Faustão apoia os protestos
>>> Zastrozzi
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
Mais Recentes
>>> Veja 45 anos. Edição Especial. Ano 46 - 2013 de Vários pela Abril (2013)
>>> Revista Exame O consumidor no Vermelho. Edição 997 de Vários pela Abril (2011)
>>> Almanaque da Luluzinha e do Bolinha. Edição especial. de Vários pela Pixel (2011)
>>> Freud e a Educação - O Mestre do Impossível de Maria Cristina Kupfer pela Scipione (1997)
>>> Freud Antipedagogo de Catherine Millot pela Jorge Zahar (1987)
>>> Formação de professores indígenas: repensando trajetórias de Luis Donizete Benzi Grupioni (Org.) pela Unesco/Secad (2006)
>>> O Freudismo de Mikhail Bakhtin pela Perspectiva (2001)
>>> De Piaget a Freud - A (Psico)Pedagogia Entre o Conhecimento e o Saber de Leandro de Lajonquière pela Vozes (1998)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geofrey Blainey pela Fundamento (2007)
>>> Piaget - O Diálogo com a Criança e o Desenvolvimento do Raciocínio de Maria da Glória Seber pela Scipione (1997)
>>> Cem Anos Com Piaget – Substratum Artes Médicas – Volume 1, Nº 1 de Ana Teberosky e Liliana Tolchinsky pela Artes Médicas (1997)
>>> Você e eu- martin buber, presença palavra de Roberto Bartholo Jr. pela Garamond (2001)
>>> Piaget - Experiências Básicas Para Utilização Pelo Professor de Iris Barbosa Goulart pela Vozes (1998)
>>> Revisitando Piaget de Fernando Becker e Sérgio Roberto K. Franco (Org.) pela Mediação (1998)
>>> Eu e Tu de Martin Buber pela Centauro (2001)
>>> Jean Piaget Sobre a Pedagogia - Textos Inéditos de Silvia Parrat e Anastasia Tryphon (Org.) pela Casa do Psicólogo (1998)
>>> Cinco Estudos de Educação Moral de Jean Piaget, Maria Suzana de Stefano Menin, Ulisses Ferreira de Araújo, Yves de La Taille, Lino de Macedo (Org) pela Casa do Psicólogo (1996)
>>> Percursos Piagetianos de Luci Banks-Leite (Org.) pela Cortez (1997)
>>> Piaget e a Intervenção Psicopedagógica de Maria Luiza Andreozzi da Costa pela Olho D'Água (1997)
>>> Fazer e Compreender de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Dicionário do Renascimento Italiano de John R. Hale pela Jorge Zahar (1988)
>>> A Tomada de Consciência de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Psicologia e Pedagogia de Jean Piaget pela Forense Universitária (1998)
>>> Dicionário Temático do Ocidente Medieval de Jacques Le Goff & Jean-Claude Schmitt pela Edusc (2002)
>>> Como Orientar a Criança Excepcional - vol. 8 - Curso de Orientação Educacional de Jay Aruda Piza pela Pontes (2020)
>>> O Estruturalismo de Jean Piaget pela Difel (1979)
>>> Higiene Mental das Crianças e Adolescentes- vol. 7 - Curso de Orientação e Educacional de Dep. de Instrução Pública de Genebra pela Ponte (1972)
>>> O Pós-dramático de J. Guinsburg e Silvia Fernandes pela Perspectiva (2009)
>>> Poesia soviética de Lauro Machado Coelho pela Algol (2007)
>>> Pétala Soletrada pelo Vento de Mariayne Nana pela Urutau (2018)
>>> Tomidez e Adolescência vol. 6 - Curso de Orientação Educacional de Jean Lacroix pela Pontes (1972)
>>> Ensaios Reunidos (1946-1971), V. 2 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (2005)
>>> Como compreender seu Potencial de Myles Munroe pela Koinonia Comunidade (1995)
>>> Louvai a Deus Com Danças de Isabel Coimbra pela Profetizando Vida (2000)
>>> A missão de Interceder de Durvalina B. Bezerra pela Descoberta (2001)
>>> O Contrabandista de Deus de Irmão André. John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (2003)
>>> Ensaios Reunidos 1942 - 1978 Vol. 1 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (1999)
>>> O Dízimo e o Sábado não são Cristãos de Fernando César Roelis Padilha pela Xxxxxxxxxxxx (1995)
>>> Socorro, Temos Filhos! de Dr. Bruce Narramore pela Mundo Cristão (1992)
>>> Fale a verdade consigo mesmo de Willian Backus Marie Chapian pela Betânia (1989)
>>> Como controlar as Tensões no Camento de Bill e Vonette Bright pela Candeia (1990)
>>> Satanás está vivo e Ativo no planeta terra de Hal Lindsey pela Mundo Cristão (1981)
>>> Venha O Teu Reino de David W. Dyer pela Ministério Grão de trigo (1985)
>>> Eu, um Servo? Você está Brincando! de Charles Swindoll pela Betânia (1983)
>>> Que Há Por Trás Da Nova Ordem Mundial? de E. G. White pela Vida Plena (1995)
>>> Cerco de Jericó a caminho da vitoria de Pe. Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Comunicação a Chave para o Seu Camento de H. Norman Wright pela Mundo Cristão (1983)
>>> Princípios de Interpretação da Bíblia de Walter A. Henrichsen pela Mundo Cristão (1983)
>>> Apocalipse versículo por versículo de Severino Pedro da Silva pela Cpad (1985)
>>> Boas Esposas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
COLUNAS

Terça-feira, 7/1/2003
Qual o destino da música instrumental brasileira?
José Maria da Silveira

+ de 4900 Acessos

Apesar da ausência de espaço para divulgação da música instrumental, alguns poucos artigos tratam do assunto com um forte tom autoral, a partir das preferências ou do conhecimento particular de quem os escreve. Em geral os artigos são saudosistas e quase todas apresentam um forte viés carioquista. Discutem a música instrumental do passado, relembrando a importância do baterista Edson Machado, Rafael Rabelo, Luizinho Eça, Victor Assis Brasil ou de João Palma. Revivem influências perdidas no tempo, algumas realmente importantes, como o caso do Maestro Moacir Santos e o magnífico "Ouro Negro", outras nem tanto, como Tamba Trio ou do Quarteto Novo. "Eu ouço pessoas mortas", diz o menino do filme "Sexto Sentido". Este é o mote desses artigos. Ao mesmo tempo, passam a impressão de que nada está acontecendo: os jovens se afundaram no narcisismo, na postura individualista, no ruído, na preguiça e talvez nas drogas, diz sobre quase todos os assuntos nossa elite pensante, inclusive a musical carioquista. Enquanto isto, a imprensa e a máquina do mundo inventam tendências e influências.

Todavia, o carioquismo me veio à mente pela mão do Robinho do violão, o gaúcho Yamandú. Disse que não gostava de Sampa, pois lá era mais Jazz. Ouvi curioso, pois apesar de saber que Tom Jobim é a referência e não a bossa nova, o que ocorreu em São Paulo desde os anos oitenta (Lira Paulistana) é justamente o oposto: buscou-se de forma persistente um novo que combinasse o talento e a enorme competência de músicos com sólida formação técnica, com música de todo o tipo, inclusive jazz.

Fez-se Música das palavras, na experiência do grupo Rumo; música atonal e teatral, com Arrigo e muitos hermetismos pascoais (Zabembum-á, o disco básico da música instrumental deste país). Buscou-se aprimorar os hits de Egberto (Frevo, Raga, Baião Malandro) e principalmente, incorporar de forma criativa a música regional e aí é que Tom Jobim está presente, com Matita Perê e Urubu, seus discos mais criativos. Paulista é a música com ares exotéricos do Mané Silveira e o Bonsai Machine; a new age sofisticada e Ulisses Rocha (Água) - ainda que venda mais nos EUA - como também o chorinho ragtime de Silvério Pontes e Zé da Velha.

Guinga é a referência central nessa discussão. Em seus 5 discos (e mais um maravilhoso da Leila Pinheiro, parece que rejeitado por ela), Guinga introduziu várias músicas de morro malandro para "disfarçar" sua forte filiação ao que se faz em Sampa. Nada mais Guinga que Mônica Salmaso e o grande violonista Paulo Bellinati. Nada mais Teco Cardoso e Ulisses Rocha que Guinga. Filho de Hermeto e Guinga, paulista é o quarteto Maogani. O argentino Nelson Aires é carioca quando reverencia Tom Jobim em suas zambas e rancheiras jazzisticas.

Em 2002 recebemos na Estação Santa Fé - uma pizzaria com boa música em Campinas - o grande Paulo Moura e veneramos seus solos acompanhados por músicos locais. Reverenciamos o Cd de Carlos Malta e a Minas Gerais de "Todo Coreto". O Quinteto Villa Lobos tem até um oboé piracicabano no meio para que se confunda com o "Sujeito a Guincho" do Luca Raele. Grande paulista é o paraense Waldemar Henrique e seu caboclinho falador. Cartola paulista o é nas versões jazzisticas de Leni Andrade e seus excelentes acompanhantes cariocas.

Apesar dessa forte circulação musical entre os profissionais, a maioria dos músicos e principalmente os menos conhecidos, se apresentam apenas em sua área de influência. Os discos são divulgados ouvido a ouvido, em função de contatos pessoais. Conversando em uma viagem com uma professora da UFF (Niterói) notei que tínhamos vários gostos em comum: ela e o marido também adoravam violão e como eu, admiravam o duo Barbieri-Schneiter. Só que ela nunca havia ouvido falar de Paulo Bellinati e consequentemente em Monica Salmaso. Que dizer de Ivan Villela, Paulo Freire e do Grupo Ânima...

Como morador de um bairro ao lado da Unicamp devo ficar satisfeito em saber que músicos fantásticos como Rafael dos Santos, Paulo Freire, Ivan Vilella e o genial Marcelo Onofri se apresentam em Campinas? Que tenho o privilégio de ouvir Isa Taube ou Bel Padovani cantar maravilhosamente em um teatro improvisado em um bairro de Barão Geraldo, pela boa vontade, amor à musica e voluntarismo do Álvaro Tucunduva? Como economista me restaria aceitar que existem pólos de música instrumental de respeito e que seria como um tipo de arranjo produtivo local que permitira ao Grupo Ânima vender 35 mil discos e não ser conhecido no Brasil? Mas vender é o ponto? O ponto é minha tristeza em saber que um contingente enorme de admiradores de boa música estão sendo privados desta experiência e que eu tenha que conhecer um grupo de Brasília pelos meus amigos que trabalham no governo.

Não queremos que Mônica Salmaso vire superestar pop, tire o espaço da neo-convertida a cantora Maria Rita e repita os mesmos "sem roteiro tristes périplos". Queremos que ela cante Dori e Dorival por que sua voz foi feita e desenvolvida para brilhar com eles. Queremos que cante Guinga, Marcelo Onofri, Benjamim Taubkin e não uma composição recauchutada que o Duda Mendonça do ramo indique. Menos ainda queremos que ela abandone tudo, que o Paulo Bellinati mude para os Estados Unidos, que Marcelo Onofri volte para Viena e que o Ânima toque nas Universidades Americanas, perdendo o elo com Nelson da Rabeca ou com o Urucuia. Fundamentalmente, não queremos que percusionistas do brilho de um Caito Marcondes e sanfoneiros como Toninho Ferraguti tenham necessidade de emprestar seu talento para dar respeitabilidade aos sertanejos-pop e pagodeiros.

A solução para o dilema "pop ou morte" está em ligar esses mercados e criar novos: Brasília, Rio, São Paulo e Campinas são o centro de tudo. Curitiba, Ribeirão Preto, Porto Alegre, Belém, locais não sufocados pelo máquina de devorar regionalismos - sabemos do que falamos, não é Ministro Gil? - os caminhos de expansão. Salvador espera, mas Fred e seu chorinho bahiano estão lá para garantir a conexão.

Quais os veículos? Cartas para a redação.


José Maria da Silveira
Campinas, 7/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio
02. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
03. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
04. São Paulo e o medo no cinema de Elisa Andrade Buzzo
05. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti


Mais José Maria da Silveira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A SUBVERSÃO DA ORDEM SOCIAL NO BRASIL
MARECHAL GODOFREO DE FARIA(AUTOGRAFADO)
DO AUTOR
(1961)
R$ 20,00



O CAMINHO DE OURO 1- UM MUNDO MARAVILHOSO PARA A INFÂNCIA
RENATO SÊNECA FLEURY
ALFA
(1957)
R$ 7,00



TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO, MODULAÇÃO E RUÍDO
MISCHA SHWARTZ
GUANABARA
(1979)
R$ 33,36



PRÁTICAS DO LAR
MESTRE CUCA
KTDA
(1979)
R$ 5,00



COZINHA VEGETARIANA PIZZAS
CAROLINE BERGEROT
CULTRIX
(2003)
R$ 14,00



RES NOSTRA...
JOÃO PANDIÁ CALOGERAS
GRAPHICO IRMÃOS FERRAZ
(1930)
R$ 40,00



TEMAS DE GUARDIA MEDICINA DE URGENCIA
ALBERTO DELUCHI LEVENE
EL ATENEO
R$ 14,98



AUGUSTE RENOIR 1841 1919
PETER H FEIST
TASCHEN
(1987)
R$ 50,00



OPÚSCULOS VOL 2
JOSÉ CARDOSO
APPACDM
(1996)
R$ 39,66



GERENTE ALTO ASTRAL ANEDOTAS PARA FAZER PENSAR
MARCO A OLIVEIRA
GENTE
(1996)
R$ 5,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês