Qual o destino da música instrumental brasileira? | José Maria da Silveira | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
Mais Recentes
>>> Medida Provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza
>>> Eu amo Hollywood de Lindsey Kelk pela Fundamento (2013)
>>> A Torre Invisível de Nils Johnson-Shelton pela Intrinseca (2013)
>>> De Volta ao Paraíso de Gwen Davis pela Nova Epoca
>>> Karma =A Justiça Infalível de A.C.Bhaktivedanta pela Associação BBT Brasil (2011)
>>> Como a Starbucks salvou minha vida. de Michael Gates Gill pela Sextante (2008)
>>> Conspiração Telefone de Walter Wager pela Circulo do livro
>>> Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Tempo de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> Bosque da Solidão de Nilson Luiz May pela Seriptum (2017)
>>> Respostas para o Jovem Phn de Dunga pela Canção Nova (2013)
>>> Administração Pública de Augustinho Paludo pela Gen (2019)
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
>>> As Vantagens de Ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco (2007)
>>> Doces Venenos de Lidia Rosenberg Aratangy pela Olho Dágua (2008)
>>> A máquina extraviada de José J. Veiga pela Civilização brasileira (1974)
>>> Cara ou coroa ? de Fernando Sabino pela Ática (2000)
>>> Conte Sua História de São Paulo de Milton Jung pela Globo (2006)
>>> Letras Perdidas de Luís Dill pela Oceano Indústria Gráfica (2006)
>>> Minhas vidas passadas de Mario Prata pela Planeta (2012)
>>> A Cadeira do Dentista & Outras Crônicas de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (2002)
>>> Os Recicláveis de Toni Brandão pela A Caixa verde (2010)
>>> Sete desafios para ser rei de Jan Terlouw pela Atica (2003)
>>> Quem Diria Que Viver ia Dar Nisso de Martha Medeiros pela L&PM (2018)
>>> Entre os Monges do Tibete de Lobsang Rampa pela Record (1960)
>>> O menino do dedo verde de Maurice Druon pela José Olympio (2013)
>>> Ruínas do Tempo de Jess Walter pela Verus (2013)
>>> Os nossos pés de todos os dias de Apollo Taborda França pela Do autor (1984)
>>> Por Um Fio de Drauzio Varella pela Cia das Letras (2004)
>>> Gay Plays de William M. Hoffman pela Avon Books (1979)
>>> Existe Sempre uma Razão de Elisa Masselli pela Mensagem de Luz (2007)
>>> A Segunda Vida: um guia para a mulher madura de Marisa Sanabria pela Êxito (2015)
>>> Outra Vez a Esperança de Antonio Carlos Neves pela Mercado Aberto (1987)
>>> Os Bons e os Justos de Lourenço Cazarré pela Mercado Aberto (1993)
>>> Clebynho - O Babalorixá Aprendiz de Leandro Müller pela Pallas (2010)
>>> As Maluquices do Imperador de Paulo Setúbal pela Nacional (1983)
>>> A Felicidade é Fácil de Edney Silvestre pela Record (2011)
>>> Contos. Porque Conto - autografado de Públio José pela Do autor (2009)
>>> Paratii: entre dois pólos de Amyr Klink pela Companhia da Letras (1992)
COLUNAS

Terça-feira, 7/1/2003
Qual o destino da música instrumental brasileira?
José Maria da Silveira

+ de 5100 Acessos

Apesar da ausência de espaço para divulgação da música instrumental, alguns poucos artigos tratam do assunto com um forte tom autoral, a partir das preferências ou do conhecimento particular de quem os escreve. Em geral os artigos são saudosistas e quase todas apresentam um forte viés carioquista. Discutem a música instrumental do passado, relembrando a importância do baterista Edson Machado, Rafael Rabelo, Luizinho Eça, Victor Assis Brasil ou de João Palma. Revivem influências perdidas no tempo, algumas realmente importantes, como o caso do Maestro Moacir Santos e o magnífico "Ouro Negro", outras nem tanto, como Tamba Trio ou do Quarteto Novo. "Eu ouço pessoas mortas", diz o menino do filme "Sexto Sentido". Este é o mote desses artigos. Ao mesmo tempo, passam a impressão de que nada está acontecendo: os jovens se afundaram no narcisismo, na postura individualista, no ruído, na preguiça e talvez nas drogas, diz sobre quase todos os assuntos nossa elite pensante, inclusive a musical carioquista. Enquanto isto, a imprensa e a máquina do mundo inventam tendências e influências.

Todavia, o carioquismo me veio à mente pela mão do Robinho do violão, o gaúcho Yamandú. Disse que não gostava de Sampa, pois lá era mais Jazz. Ouvi curioso, pois apesar de saber que Tom Jobim é a referência e não a bossa nova, o que ocorreu em São Paulo desde os anos oitenta (Lira Paulistana) é justamente o oposto: buscou-se de forma persistente um novo que combinasse o talento e a enorme competência de músicos com sólida formação técnica, com música de todo o tipo, inclusive jazz.

Fez-se Música das palavras, na experiência do grupo Rumo; música atonal e teatral, com Arrigo e muitos hermetismos pascoais (Zabembum-á, o disco básico da música instrumental deste país). Buscou-se aprimorar os hits de Egberto (Frevo, Raga, Baião Malandro) e principalmente, incorporar de forma criativa a música regional e aí é que Tom Jobim está presente, com Matita Perê e Urubu, seus discos mais criativos. Paulista é a música com ares exotéricos do Mané Silveira e o Bonsai Machine; a new age sofisticada e Ulisses Rocha (Água) - ainda que venda mais nos EUA - como também o chorinho ragtime de Silvério Pontes e Zé da Velha.

Guinga é a referência central nessa discussão. Em seus 5 discos (e mais um maravilhoso da Leila Pinheiro, parece que rejeitado por ela), Guinga introduziu várias músicas de morro malandro para "disfarçar" sua forte filiação ao que se faz em Sampa. Nada mais Guinga que Mônica Salmaso e o grande violonista Paulo Bellinati. Nada mais Teco Cardoso e Ulisses Rocha que Guinga. Filho de Hermeto e Guinga, paulista é o quarteto Maogani. O argentino Nelson Aires é carioca quando reverencia Tom Jobim em suas zambas e rancheiras jazzisticas.

Em 2002 recebemos na Estação Santa Fé - uma pizzaria com boa música em Campinas - o grande Paulo Moura e veneramos seus solos acompanhados por músicos locais. Reverenciamos o Cd de Carlos Malta e a Minas Gerais de "Todo Coreto". O Quinteto Villa Lobos tem até um oboé piracicabano no meio para que se confunda com o "Sujeito a Guincho" do Luca Raele. Grande paulista é o paraense Waldemar Henrique e seu caboclinho falador. Cartola paulista o é nas versões jazzisticas de Leni Andrade e seus excelentes acompanhantes cariocas.

Apesar dessa forte circulação musical entre os profissionais, a maioria dos músicos e principalmente os menos conhecidos, se apresentam apenas em sua área de influência. Os discos são divulgados ouvido a ouvido, em função de contatos pessoais. Conversando em uma viagem com uma professora da UFF (Niterói) notei que tínhamos vários gostos em comum: ela e o marido também adoravam violão e como eu, admiravam o duo Barbieri-Schneiter. Só que ela nunca havia ouvido falar de Paulo Bellinati e consequentemente em Monica Salmaso. Que dizer de Ivan Villela, Paulo Freire e do Grupo Ânima...

Como morador de um bairro ao lado da Unicamp devo ficar satisfeito em saber que músicos fantásticos como Rafael dos Santos, Paulo Freire, Ivan Vilella e o genial Marcelo Onofri se apresentam em Campinas? Que tenho o privilégio de ouvir Isa Taube ou Bel Padovani cantar maravilhosamente em um teatro improvisado em um bairro de Barão Geraldo, pela boa vontade, amor à musica e voluntarismo do Álvaro Tucunduva? Como economista me restaria aceitar que existem pólos de música instrumental de respeito e que seria como um tipo de arranjo produtivo local que permitira ao Grupo Ânima vender 35 mil discos e não ser conhecido no Brasil? Mas vender é o ponto? O ponto é minha tristeza em saber que um contingente enorme de admiradores de boa música estão sendo privados desta experiência e que eu tenha que conhecer um grupo de Brasília pelos meus amigos que trabalham no governo.

Não queremos que Mônica Salmaso vire superestar pop, tire o espaço da neo-convertida a cantora Maria Rita e repita os mesmos "sem roteiro tristes périplos". Queremos que ela cante Dori e Dorival por que sua voz foi feita e desenvolvida para brilhar com eles. Queremos que cante Guinga, Marcelo Onofri, Benjamim Taubkin e não uma composição recauchutada que o Duda Mendonça do ramo indique. Menos ainda queremos que ela abandone tudo, que o Paulo Bellinati mude para os Estados Unidos, que Marcelo Onofri volte para Viena e que o Ânima toque nas Universidades Americanas, perdendo o elo com Nelson da Rabeca ou com o Urucuia. Fundamentalmente, não queremos que percusionistas do brilho de um Caito Marcondes e sanfoneiros como Toninho Ferraguti tenham necessidade de emprestar seu talento para dar respeitabilidade aos sertanejos-pop e pagodeiros.

A solução para o dilema "pop ou morte" está em ligar esses mercados e criar novos: Brasília, Rio, São Paulo e Campinas são o centro de tudo. Curitiba, Ribeirão Preto, Porto Alegre, Belém, locais não sufocados pelo máquina de devorar regionalismos - sabemos do que falamos, não é Ministro Gil? - os caminhos de expansão. Salvador espera, mas Fred e seu chorinho bahiano estão lá para garantir a conexão.

Quais os veículos? Cartas para a redação.


José Maria da Silveira
Campinas, 7/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Contentamento descontente: Niketche e poligamia de Renato Alessandro dos Santos
02. Depois do chover de Elisa Andrade Buzzo
03. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol
04. Liberdade de crença e descrença de Carla Ceres
05. Manual para o leitor de transporte público de Duanne Ribeiro


Mais José Maria da Silveira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATITUDE: UM JOVEM VENCEDOR
ÁRVORE DA VIDA
ÁRVORE DA VIDA
(2012)
R$ 5,00



ONDE NÃO HÁ DENTISTA
MURRAY DICKSON
PAULINAS
(1985)
R$ 39,00



MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO
VÁRIOS AUTORES
MASSP
(1970)
R$ 8,38



DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNI...
MEC
BRASILIA MEC
(2004)
R$ 5,00



UM BRASILEIRO EM TERRAS PORTUGUÊSAS - 780
GILBERTO FREYRE
JOSÉ OLYMPIO
(1953)
R$ 20,00



A ARCA DE NOÉ
REGINA CHAMLIAN
PAULINAS
(1999)
R$ 6,00



COMMENT RÉAMÉNAGER NOTRE RUSSIE? REFLEXIONS DANS LA MESURE DE ME
ALEXANDRE SOLJENITSYNE
FAYARD
(1990)
R$ 37,82



GIRL A REVISTA DA LUMA
INÊS STANISIERE
LEITURA
(2006)
R$ 6,00



SONHOS DOURO - 1º VOLUME
JOSÉ DE ALENCAR
SARAIVA
(1960)
R$ 12,00



OS 12 TRABALHOS
CLÁUDIO YOSIDA E RICARDO ELIAS
IMPRENSA OF. ESTADO SP
(2008)
R$ 10,00





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês