Qual o destino da música instrumental brasileira? | José Maria da Silveira | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 7/1/2003
Qual o destino da música instrumental brasileira?
José Maria da Silveira

+ de 4800 Acessos

Apesar da ausência de espaço para divulgação da música instrumental, alguns poucos artigos tratam do assunto com um forte tom autoral, a partir das preferências ou do conhecimento particular de quem os escreve. Em geral os artigos são saudosistas e quase todas apresentam um forte viés carioquista. Discutem a música instrumental do passado, relembrando a importância do baterista Edson Machado, Rafael Rabelo, Luizinho Eça, Victor Assis Brasil ou de João Palma. Revivem influências perdidas no tempo, algumas realmente importantes, como o caso do Maestro Moacir Santos e o magnífico "Ouro Negro", outras nem tanto, como Tamba Trio ou do Quarteto Novo. "Eu ouço pessoas mortas", diz o menino do filme "Sexto Sentido". Este é o mote desses artigos. Ao mesmo tempo, passam a impressão de que nada está acontecendo: os jovens se afundaram no narcisismo, na postura individualista, no ruído, na preguiça e talvez nas drogas, diz sobre quase todos os assuntos nossa elite pensante, inclusive a musical carioquista. Enquanto isto, a imprensa e a máquina do mundo inventam tendências e influências.

Todavia, o carioquismo me veio à mente pela mão do Robinho do violão, o gaúcho Yamandú. Disse que não gostava de Sampa, pois lá era mais Jazz. Ouvi curioso, pois apesar de saber que Tom Jobim é a referência e não a bossa nova, o que ocorreu em São Paulo desde os anos oitenta (Lira Paulistana) é justamente o oposto: buscou-se de forma persistente um novo que combinasse o talento e a enorme competência de músicos com sólida formação técnica, com música de todo o tipo, inclusive jazz.

Fez-se Música das palavras, na experiência do grupo Rumo; música atonal e teatral, com Arrigo e muitos hermetismos pascoais (Zabembum-á, o disco básico da música instrumental deste país). Buscou-se aprimorar os hits de Egberto (Frevo, Raga, Baião Malandro) e principalmente, incorporar de forma criativa a música regional e aí é que Tom Jobim está presente, com Matita Perê e Urubu, seus discos mais criativos. Paulista é a música com ares exotéricos do Mané Silveira e o Bonsai Machine; a new age sofisticada e Ulisses Rocha (Água) - ainda que venda mais nos EUA - como também o chorinho ragtime de Silvério Pontes e Zé da Velha.

Guinga é a referência central nessa discussão. Em seus 5 discos (e mais um maravilhoso da Leila Pinheiro, parece que rejeitado por ela), Guinga introduziu várias músicas de morro malandro para "disfarçar" sua forte filiação ao que se faz em Sampa. Nada mais Guinga que Mônica Salmaso e o grande violonista Paulo Bellinati. Nada mais Teco Cardoso e Ulisses Rocha que Guinga. Filho de Hermeto e Guinga, paulista é o quarteto Maogani. O argentino Nelson Aires é carioca quando reverencia Tom Jobim em suas zambas e rancheiras jazzisticas.

Em 2002 recebemos na Estação Santa Fé - uma pizzaria com boa música em Campinas - o grande Paulo Moura e veneramos seus solos acompanhados por músicos locais. Reverenciamos o Cd de Carlos Malta e a Minas Gerais de "Todo Coreto". O Quinteto Villa Lobos tem até um oboé piracicabano no meio para que se confunda com o "Sujeito a Guincho" do Luca Raele. Grande paulista é o paraense Waldemar Henrique e seu caboclinho falador. Cartola paulista o é nas versões jazzisticas de Leni Andrade e seus excelentes acompanhantes cariocas.

Apesar dessa forte circulação musical entre os profissionais, a maioria dos músicos e principalmente os menos conhecidos, se apresentam apenas em sua área de influência. Os discos são divulgados ouvido a ouvido, em função de contatos pessoais. Conversando em uma viagem com uma professora da UFF (Niterói) notei que tínhamos vários gostos em comum: ela e o marido também adoravam violão e como eu, admiravam o duo Barbieri-Schneiter. Só que ela nunca havia ouvido falar de Paulo Bellinati e consequentemente em Monica Salmaso. Que dizer de Ivan Villela, Paulo Freire e do Grupo Ânima...

Como morador de um bairro ao lado da Unicamp devo ficar satisfeito em saber que músicos fantásticos como Rafael dos Santos, Paulo Freire, Ivan Vilella e o genial Marcelo Onofri se apresentam em Campinas? Que tenho o privilégio de ouvir Isa Taube ou Bel Padovani cantar maravilhosamente em um teatro improvisado em um bairro de Barão Geraldo, pela boa vontade, amor à musica e voluntarismo do Álvaro Tucunduva? Como economista me restaria aceitar que existem pólos de música instrumental de respeito e que seria como um tipo de arranjo produtivo local que permitira ao Grupo Ânima vender 35 mil discos e não ser conhecido no Brasil? Mas vender é o ponto? O ponto é minha tristeza em saber que um contingente enorme de admiradores de boa música estão sendo privados desta experiência e que eu tenha que conhecer um grupo de Brasília pelos meus amigos que trabalham no governo.

Não queremos que Mônica Salmaso vire superestar pop, tire o espaço da neo-convertida a cantora Maria Rita e repita os mesmos "sem roteiro tristes périplos". Queremos que ela cante Dori e Dorival por que sua voz foi feita e desenvolvida para brilhar com eles. Queremos que cante Guinga, Marcelo Onofri, Benjamim Taubkin e não uma composição recauchutada que o Duda Mendonça do ramo indique. Menos ainda queremos que ela abandone tudo, que o Paulo Bellinati mude para os Estados Unidos, que Marcelo Onofri volte para Viena e que o Ânima toque nas Universidades Americanas, perdendo o elo com Nelson da Rabeca ou com o Urucuia. Fundamentalmente, não queremos que percusionistas do brilho de um Caito Marcondes e sanfoneiros como Toninho Ferraguti tenham necessidade de emprestar seu talento para dar respeitabilidade aos sertanejos-pop e pagodeiros.

A solução para o dilema "pop ou morte" está em ligar esses mercados e criar novos: Brasília, Rio, São Paulo e Campinas são o centro de tudo. Curitiba, Ribeirão Preto, Porto Alegre, Belém, locais não sufocados pelo máquina de devorar regionalismos - sabemos do que falamos, não é Ministro Gil? - os caminhos de expansão. Salvador espera, mas Fred e seu chorinho bahiano estão lá para garantir a conexão.

Quais os veículos? Cartas para a redação.


José Maria da Silveira
Campinas, 7/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
02. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana de Heloisa Pait
04. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
05. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes


Mais José Maria da Silveira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PARA SEMPRE - SÉRIE OS IMORTAIS VOLUME 1
ALYSON NOËL
INTRINSECA
(2009)
R$ 16,00



A DERRAMA CONTEMPORÂNEA
FLÁVIO ROCHA
TOPBOOKS
(1992)
R$ 5,00



ÀRE
MARCOS SANTILLI
SVER & BOCCATO
(1987)
R$ 12,00



DECIDE & DELIVER FIVE STEPS TO BREAKTHROUGH PERFORMANCE IN YOUR ...
MARCIA W. BLENKO / MICHAEL C. MANKINS PAUL ROGERS
BAIN & COMPANY
(2010)
R$ 90,00



THE KNOWLEDGE BOOK: EVERYTHING YOU NEED TO KNOW TO GET BY IN THE 21ST
NATIONAL GEOGRAPHIC
NATIONAL GEOGRAPHIC
(2009)
R$ 50,00



O ROMANCE DESASTROSO DE JOSIANO E MARIANA OU A GESTA DO BOI MENINO
FERNANDO LONA
MCGRAW-HILL
(1977)
R$ 24,00
+ frete grátis



ENSAIOS DE HISTORIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO
FRANCISCO DA SILVA COELHO; TAMAS SZMERECSANYI
ATLAS
(2007)
R$ 60,00



NOSSAS RAINHAS
AYMARA ARREAZA RODRÍGUEZ
ID
(2010)
R$ 30,00



O PLANETA DESCONHECIDO
PETER KOLOSIMO
MELHORAMENTOS
(1973)
R$ 17,00



CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE POR VIA DE AÇÃO
DIRCÊO TORRECILLAS RAMOS
WVC
R$ 12,00





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês