Norah Jones e a massa | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Nós que Amávamos tanto a Revolução de Dany Cohn Bendit pela Brasiliense (1987)
>>> Sterminateli! de Christian Bernadac pela Fratelli Melita (1991)
>>> Hitler Il Figlio della Germania de Antonio Spinosa pela Oscar Mondadori (1993)
>>> Operación Peter Pan ( Un caso de Guerra Psicológica Contra Cuba) de Ramón Torreira Crespo pela Política /La Habana (2000)
>>> Quem Sequestrou Marta Jane? de Isabel Vieira pela Ftd (1995)
>>> Mort Du Général de Gaulle de Jean Mauriac pela Grasset (1972)
>>> O Burrinho Pedrês de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (1995)
>>> Ao vivo do campo de batalha ( Do Vietnã a Bagdá 35 anos em Zonas de Combate de Todo o Mundo) de Peter Arnett pela Rocco (1994)
>>> Os Cavalos da República de Moacyr Scliar pela Ática (2005)
>>> Os Últimos 100 dias (02 Volumes) de John Toland pela Nova Fronteira (1966)
>>> Dengos e Carrancas de um Pasto de Jorge Miguel Marinho pela Ftd (1987)
>>> Le Crime L' Invasion Irakienne Du Koweit de Badr Jassem Al Yacoub pela C.i.k.c (1991)
>>> Éramos Seis de Maria José Dupre pela Ática (1991)
>>> A Menina que fez a América de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2002)
>>> Praga Quando os Tanques Avançaram de Pierre Desgraupes pela Expressão e Cultura (1968)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1991)
>>> Pearl Harbor de A. J. Barker pela Renes (1973)
>>> A Flauta do Sótão de Lúcia Pimentel Góes pela Paulus (2003)
>>> USA Em Perigo de General Curtis E. Le May e Major General Dale O. Smith pela Biblioteca do Exército (1970)
>>> Sem Medo de Viver de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (2007)
>>> Caça ao Cometa Halley de Roberto Pereira de Andrade pela Traco (1985)
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
COLUNAS

Quarta-feira, 15/12/2004
Norah Jones e a massa
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Norah Jones apresentou, na noite de sábado, 11 de novembro, o show que funde seus dois CDs: Come away with me (2002) e Feels like home (2004), sendo que há músicas de ambos em trilhas de novelas da Rede Globo. Eis a explicação para um ginásio lotado, em Belo Horizonte, para assistir a um show de "jazz" (embora já bastante modificado).

Todas as resenhas e todos os releases sobre o evento apontavam a jovem cantora como uma candidata a diva do jazz, assim como informavam sobre a origem musical inata da moça (filha do músico indiano Ravi Shankar) e sua formação sólida em música. Tudo isso, de fato, fica comprovado ao longo do show. Ao contrário de muitas cantoras e candidatas a "Elis" (no caso do Brasil), a voz de Norah Jones é aquilo tudo e muito mais que se pode ouvir nos CDs. Ao vivo ela faz umas firulas e modifica uns arranjos (de voz e de instrumentos), mas não inventa além da conta. Tudo sob medida, o que dá a forte impressão de que tudo saiu perfeito.

Os músicos são exímios tocadores de contrabaixo (acústico), bateria, guitarras, bandolim, teclados. Todos bem mais velhos do que a "diva" e todos vincados de experiência.

Pontualmente atrasada (aquela meia hora de tolerância para o público), Norah subiu ao palco sem afetação, numa calça jeans e em cima de um discreto salto alto (literal, e não aqueles odiosos metafóricos). A blusinha azul (meio bata indiana) lhe conferia ares de menina e o sorriso e o cabelo cuidadosamente desarrumado deixavam tudo meio "em casa", feels like home...

Ela realmente se sente em casa quando está no palco. Afora a inquietação que demonstrou por não saber falar português, não foi sisuda e nem aparentou estar ansiosa. Interagiu com a platéia, treinou seu "muito obrigada", pediu desculpas por não saber a língua, apresentou os músicos e letristas, improvisou (bem à moda do jazz) e passou elegantemente pelos engraçadinhos de plantão, que insistiam em dar gritos de "gostosa" e "eu te amo".

O show de Norah Jones é retilíneo. Dona de uma voz absolutamente encantadora, ela mapeia a própria carreira sem um escorregão e mantém a platéia acordada, apesar do som "lento".

Mas o que eu quero mesmo é falar da platéia: um show à parte.

Embora Belo Horizonte tenha alguma tradição em jazz e muitos músicos e festivais, o "grande público" não participa desses eventos e prefere coisas como CarnaBelô (extinto por graça de Nosso Senhor) e qualquer coisa que leve o nome de PoPRock...

Não vamos aqui desfiar a história social do blues e do jazz. Para isso, leia-se certos historiadores, muito interessantes, se não me engano, entre eles, Peter Burke. Também a inglesa Ruth Finnegan andou estudando, à luz da etnografia e da antropologia, o comportamento das platéias em relação a gêneros musicais distintos. Mas a platéia belo-horizontina chamou a atenção no Marista Hall.

Em shows do Skank e do Jota Quest é "adequado" ficar em pé, gritar, sacolejar ao ritmo da música, levantar as mãozinhas pro alto e fazer "ola". Talvez a platéia, acostumada a isso, tenha esperado algo semelhante de Norah Jones. É preciso destacar que a cantora levou ao ginásio um público heterogêneo: pessoas mais velhas, músicos, adolescentes e casais de namorados, mas especialmente telespectadores da Globo.

As músicas mais pedidas e mais aplaudidas foram justamente as três conhecidas da platéia. Em um dos casos, com direito a corinho no refrão e gritinho de prazer. Ao longo das demais canções o que se ouvia era um silêncio perplexo e meio entediado. Quando ela perguntou: "Do you know Tom Waits?", porque gravou uma canção dele em seu último CD, a garota ao lado cochichou: "Quem?" e um rapaz mais atrevido gritou: "Tom Jobim!"

Durante as canções globais, a multidão noveleira abria seus modelos Nokia ou Motorola e tornava o ginásio uma festa de luzes azuis. Entre os clientes da telefonia móvel exibidinhos, apenas um rapaz, remanescente dos anos 1980, erguia um solitário isqueiro (ou seria um celular que, além de filmar e bater palmas, também é um isqueiro?).

Na interação com Norah Jones, as frases-padrão: "Linda", "Eu te amo", "I'll get you!" e "Canta aquela!". Esta última muito semelhante aos bilhetes que os bêbados enviam ao violeiro pelo garçom nos botecos.

Para além da metade do show, Norah perguntou à platéia se devia cantar certa canção e se todos gostariam de ouvir dada música. E quando se mostrou indecisa, um grito hilariante: "Toca Raul!".

As meninas da frente dançavam como paquitas, as de trás falavam ao celular com alguém que estava na arquibancada do outro lado, o casal ao lado ria do guitarrista e assim correu o show da cantora americana. Ao celular, a mocinha de trás dizia: "Estamos aqui no mesmo lugar em que estávamos no show do Skank".

Não é questão de elitismo ou de discriminação, mas é engraçado ver o comportamento de uma platéia que não tinha a menor idéia do que ia assistir e para a qual se Norah Jones cantasse apenas três músicas, estaria ótimo.

A cantora não deve ter notado nada, embora tenha parecido constrangida com certos gritos e interrupções. A certa altura, disse que lamentava não entender o que algumas pessoas da platéia insistiam em gritar. Pensei: ainda bem.

O que será que ela pensa? Que somos engraçadinhos ou um bando de sem educação? E o que importa o que ela pensa? Bom mesmo é entrar em trilha da Globo e faturar. O público, por sua vez, costuma se contentar com as coletâneas internacionais de novela, que saem com atores na capa. A superficialidade comum a quase tudo no país.

Conto
às vezes parece sonho. mas também parece pesadelo. ando cada vez mais 'ninguém'. não tenho vontade de ir a óperas, pagodes ou encontros literários. os bares da minha mitologia pessoal já não me soam interessantes. alguns mudaram de endereço e não procurei saber onde estão. o telefone toca muito menos, gasto mais gás e mais luz dentro de casa, durmo com abajures apagados e não me visto bem. as panelas estão mais gastas, assim como a máquina de lavar. as solas de sapato, no entanto, andam novas e limpas. as livrarias ainda me atraem, mas não sei quais são boas e quais são novas. as viagens não me parecem de lazer. costumo me sentir, com facilidade, vítima de algum tropeço de um destino bêbado. os anjos da guarda devem estar de ressaca embaixo de alguma sacada renascentista. o que me alivia muito são as sensações de que o asfalto é quente. dos amigos guardo lembrança tênue. e quando nos encontramos, já não somos mais tão amigos. alguns deixaram suas vozes na minha memória, os rostos ruíram. comida congelada é o paraíso por enquanto.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 15/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
02. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
03. A biblioteca de C. G. Jung de Ricardo de Mattos
04. Nova Gramática do Poder de Marilia Mota Silva
05. Bibliotecários de Ricardo de Mattos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/12/2004
14h55min
Aqui em Porto Alegre, a platéia também expressou sua boçalidade. Antes de Norah subir ao palco, durante o show de abertura, teve quem vaiasse o artista que a antecedeu e gritasse "Norah, Norah!!". Detalhe: os ingressos variavam entre R$100 e R$300.
[Leia outros Comentários de Ricardo Antunes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PLATAFORMA 1365: AS URNAS CONTRA O IMPÉRIO
LUIZ ALFREDO SALOMÃO
NÃO IDENTIFICADA
R$ 22,00



CARTAS DE MEU SILÊNCIO
LUIZ GOULART
INDEPENDENTE
R$ 4,00



EU SOU UM SER EMOCIONAL
EVE ENSLER; ALEX BOULWARE; JULIA NEIVA
GRYPHUS
(2015)
R$ 14,00



MATEI JEOVÁ...
ALDEONOFF POVOAS
RIDENDO
(1952)
R$ 70,00



COMENTARIOS E ALTERAÇOES DA LEI DO INQUILINATO
LUIZ ANTONIO SCAVONE JUNIOR
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2009)
R$ 12,00



NANÁ
ÉMILE ZOLA
ABRIL CULTURAL
(1985)
R$ 10,00



FORAS DA LEI BARULHENTOS - BOLHAS RAIVOSAS E ALGUMAS ...
CLEMENT FREUD, JON SCIESZKA
COSAC NAIFY
(2012)
R$ 40,00



ELETROSTÁTICA
MARCOS HERVÉ PINHEIRO
ADN
R$ 29,30
+ frete grátis



O VENDEDOR TOTAL
ROBERTO PROCÓPIO
LIVRUS
(2012)
R$ 18,00



ERA DOS EXTREMOS - O BREVE SÉCULO XX - 1914-1991
ERIC HOBSBAWM
COMPANHIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 45,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês