Norah Jones e a massa | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
54051 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Manual prático do ódio
>>> Isn’t it a bliss, don’t you approve
>>> Roberto Carlos:Detalhes em PDF
>>> Olhos de raio x
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Fred Trajano sobre Revolução Digital na Verde Week
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> 7 de Setembro
>>> Fazendo as Pazes com o Swing
Mais Recentes
>>> Técnica de Redação – O Texto nos Meios de Informação de Muniz Sodré e Maria Helena Ferrari pela Francisco Alves (1977)
>>> Óculos, aparelho e Rock ' N ' Roll de Meg Haston pela Intrínseca (2012)
>>> O doador de memórias de Lois Lowry pela Arqueiro (2014)
>>> Dez leis para ser feliz de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> #Manual da Fossa de Mica Rocha pela Benvirá (2020)
>>> Como Parar O Tempo de Matt Haig pela Harper Collins (2017)
>>> O guia dos curiosos: língua portuguesa de Marcelo Duarte pela Panda Books (2010)
>>> Mentes Geniais: Aumente em 300% a Capacidade do Seu Cérebro de Alberto Dell Isola pela Universo dos Livros (2013)
>>> O Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intríseca (2009)
>>> Tipo Destino: E se sua alma gêmea fosse o namorado de sua melhor amiga? de Susane Colasanti pela Novo Conceito (2013)
>>> Seu Cachorro É O Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Os Contos dos Blythes Vol 2 de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2020)
>>> O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Globolivros (2014)
>>> Cidade dos Ossos de Cassandra Clare pela Galera (2014)
>>> A Casa de Hades de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Amores impossíveis e outras perturbações quânticas de Lucas Silveira pela Dublinense (2016)
>>> A Marca de Atena de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Will e Will, Um nome, Um Destino de John Green, David Levithan pela Galera (2014)
>>> O Azarão de Markus Zusak pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Capitão América: A Ameaça Vermelha de Steve Epting, Mike Perkins, Ed Brubaker pela Panini (2005)
>>> O Fio do Destino de Zibia M. Gasparertto pela Vida e Consciência (1500)
>>> O Fantasma da Ópera de Gaston Leroux pela Principis (2020)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Lafonte (1500)
>>> Coleção folha tributo a Tom Jobim nº8 Tide de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Rostos Do Protestantismo de José Míguez Bonino pela Sinodal/Est (2020)
>>> Coleção folha grandes vozes Fred Astaire nº4 de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Sherlock Holmes – O Vampiro de Sussex e Outras Histórias de Sir Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (2003)
>>> As pernas de Úrsula e outras possibilidades de Claudia Tajes pela L&PM (2001)
>>> Comer, rezar, amar de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2008)
>>> A vitória final de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2008)
>>> Apoliom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> O glorioso aparecimento de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Armagedom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Assassinos de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Nicolae de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O possuído de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Profanação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O remanescente de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> A marca de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Comando Tribulação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
>>> A colheita de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Deixados para trás de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Questões do coração de Emily Giffin pela Novo Conceito (2011)
>>> 1 Litro de lágrimas de Aya Kito pela New Pop (2013)
>>> O lado bom da vida de Matthew Quick pela Intrínseca (2013)
>>> A cidade do sol de Khaled Hosseini pela Nova Fronteira (2007)
>>> Toda sua de Sylvia Day pela Paralela (2012)
>>> Mais escuro - Cinquenta tons mais escuros pelos olhos de Christian de E L James pela Intrínseca (2018)
>>> Grey - Cinquenta tons de cinza pelos olhos de Christian de E L James pela Intrínseca (2015)
>>> História da Companhia de Jesus no Brasil - 5 volumes de Serafim Leite pela Itatiaia (2000)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/12/2004
Norah Jones e a massa
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Norah Jones apresentou, na noite de sábado, 11 de novembro, o show que funde seus dois CDs: Come away with me (2002) e Feels like home (2004), sendo que há músicas de ambos em trilhas de novelas da Rede Globo. Eis a explicação para um ginásio lotado, em Belo Horizonte, para assistir a um show de "jazz" (embora já bastante modificado).

Todas as resenhas e todos os releases sobre o evento apontavam a jovem cantora como uma candidata a diva do jazz, assim como informavam sobre a origem musical inata da moça (filha do músico indiano Ravi Shankar) e sua formação sólida em música. Tudo isso, de fato, fica comprovado ao longo do show. Ao contrário de muitas cantoras e candidatas a "Elis" (no caso do Brasil), a voz de Norah Jones é aquilo tudo e muito mais que se pode ouvir nos CDs. Ao vivo ela faz umas firulas e modifica uns arranjos (de voz e de instrumentos), mas não inventa além da conta. Tudo sob medida, o que dá a forte impressão de que tudo saiu perfeito.

Os músicos são exímios tocadores de contrabaixo (acústico), bateria, guitarras, bandolim, teclados. Todos bem mais velhos do que a "diva" e todos vincados de experiência.

Pontualmente atrasada (aquela meia hora de tolerância para o público), Norah subiu ao palco sem afetação, numa calça jeans e em cima de um discreto salto alto (literal, e não aqueles odiosos metafóricos). A blusinha azul (meio bata indiana) lhe conferia ares de menina e o sorriso e o cabelo cuidadosamente desarrumado deixavam tudo meio "em casa", feels like home...

Ela realmente se sente em casa quando está no palco. Afora a inquietação que demonstrou por não saber falar português, não foi sisuda e nem aparentou estar ansiosa. Interagiu com a platéia, treinou seu "muito obrigada", pediu desculpas por não saber a língua, apresentou os músicos e letristas, improvisou (bem à moda do jazz) e passou elegantemente pelos engraçadinhos de plantão, que insistiam em dar gritos de "gostosa" e "eu te amo".

O show de Norah Jones é retilíneo. Dona de uma voz absolutamente encantadora, ela mapeia a própria carreira sem um escorregão e mantém a platéia acordada, apesar do som "lento".

Mas o que eu quero mesmo é falar da platéia: um show à parte.

Embora Belo Horizonte tenha alguma tradição em jazz e muitos músicos e festivais, o "grande público" não participa desses eventos e prefere coisas como CarnaBelô (extinto por graça de Nosso Senhor) e qualquer coisa que leve o nome de PoPRock...

Não vamos aqui desfiar a história social do blues e do jazz. Para isso, leia-se certos historiadores, muito interessantes, se não me engano, entre eles, Peter Burke. Também a inglesa Ruth Finnegan andou estudando, à luz da etnografia e da antropologia, o comportamento das platéias em relação a gêneros musicais distintos. Mas a platéia belo-horizontina chamou a atenção no Marista Hall.

Em shows do Skank e do Jota Quest é "adequado" ficar em pé, gritar, sacolejar ao ritmo da música, levantar as mãozinhas pro alto e fazer "ola". Talvez a platéia, acostumada a isso, tenha esperado algo semelhante de Norah Jones. É preciso destacar que a cantora levou ao ginásio um público heterogêneo: pessoas mais velhas, músicos, adolescentes e casais de namorados, mas especialmente telespectadores da Globo.

As músicas mais pedidas e mais aplaudidas foram justamente as três conhecidas da platéia. Em um dos casos, com direito a corinho no refrão e gritinho de prazer. Ao longo das demais canções o que se ouvia era um silêncio perplexo e meio entediado. Quando ela perguntou: "Do you know Tom Waits?", porque gravou uma canção dele em seu último CD, a garota ao lado cochichou: "Quem?" e um rapaz mais atrevido gritou: "Tom Jobim!"

Durante as canções globais, a multidão noveleira abria seus modelos Nokia ou Motorola e tornava o ginásio uma festa de luzes azuis. Entre os clientes da telefonia móvel exibidinhos, apenas um rapaz, remanescente dos anos 1980, erguia um solitário isqueiro (ou seria um celular que, além de filmar e bater palmas, também é um isqueiro?).

Na interação com Norah Jones, as frases-padrão: "Linda", "Eu te amo", "I'll get you!" e "Canta aquela!". Esta última muito semelhante aos bilhetes que os bêbados enviam ao violeiro pelo garçom nos botecos.

Para além da metade do show, Norah perguntou à platéia se devia cantar certa canção e se todos gostariam de ouvir dada música. E quando se mostrou indecisa, um grito hilariante: "Toca Raul!".

As meninas da frente dançavam como paquitas, as de trás falavam ao celular com alguém que estava na arquibancada do outro lado, o casal ao lado ria do guitarrista e assim correu o show da cantora americana. Ao celular, a mocinha de trás dizia: "Estamos aqui no mesmo lugar em que estávamos no show do Skank".

Não é questão de elitismo ou de discriminação, mas é engraçado ver o comportamento de uma platéia que não tinha a menor idéia do que ia assistir e para a qual se Norah Jones cantasse apenas três músicas, estaria ótimo.

A cantora não deve ter notado nada, embora tenha parecido constrangida com certos gritos e interrupções. A certa altura, disse que lamentava não entender o que algumas pessoas da platéia insistiam em gritar. Pensei: ainda bem.

O que será que ela pensa? Que somos engraçadinhos ou um bando de sem educação? E o que importa o que ela pensa? Bom mesmo é entrar em trilha da Globo e faturar. O público, por sua vez, costuma se contentar com as coletâneas internacionais de novela, que saem com atores na capa. A superficialidade comum a quase tudo no país.

Conto
às vezes parece sonho. mas também parece pesadelo. ando cada vez mais 'ninguém'. não tenho vontade de ir a óperas, pagodes ou encontros literários. os bares da minha mitologia pessoal já não me soam interessantes. alguns mudaram de endereço e não procurei saber onde estão. o telefone toca muito menos, gasto mais gás e mais luz dentro de casa, durmo com abajures apagados e não me visto bem. as panelas estão mais gastas, assim como a máquina de lavar. as solas de sapato, no entanto, andam novas e limpas. as livrarias ainda me atraem, mas não sei quais são boas e quais são novas. as viagens não me parecem de lazer. costumo me sentir, com facilidade, vítima de algum tropeço de um destino bêbado. os anjos da guarda devem estar de ressaca embaixo de alguma sacada renascentista. o que me alivia muito são as sensações de que o asfalto é quente. dos amigos guardo lembrança tênue. e quando nos encontramos, já não somos mais tão amigos. alguns deixaram suas vozes na minha memória, os rostos ruíram. comida congelada é o paraíso por enquanto.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 15/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paisagem interna agreste de Elisa Andrade Buzzo
02. Longa vida à fotografia de Fabio Gomes
03. Fazendo a coisa certa de Fabio Gomes
04. Por que o petrolão é muito diferente do mensalão de Julio Daio Borges
05. Perdidos em 2006 de Gian Danton


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/12/2004
14h55min
Aqui em Porto Alegre, a platéia também expressou sua boçalidade. Antes de Norah subir ao palco, durante o show de abertura, teve quem vaiasse o artista que a antecedeu e gritasse "Norah, Norah!!". Detalhe: os ingressos variavam entre R$100 e R$300.
[Leia outros Comentários de Ricardo Antunes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JOÃO DO RIO - OS MELHORES CONTOS
JOÃO DO RIO - HELENA PARENTE DA CUNHA (ORG.)
GLOBAL
(1990)
R$ 9,80



NOWTOPIA: INICIATIVAS QUE ESTÃO CONSTRUINDO O FUTURO HOJE
CHRIS CARLSSON
TOMO EDITORIAL
(2014)
R$ 55,00



AMEAÇA DO PASSADO
RICHARD HIMMEL
LIVRARIA BERTRAND
(1972)
R$ 5,50



SEM TRABALHO... POR QUE?
JOSÉ LUIZ CONCEIÇÃO
SALEASIANA DOM BOSCO
(1999)
R$ 5,00



AMEAÇAS DO PÂNTANO
LALIRIE BRIDGES/ PAULIL ALEXANDER
NOVA FRONTEIRA
(1988)
R$ 5,00



SABOR DE CURRY & PIMENTA (AUTOGRAFADO) - 558
RINA BOGLIOLO SIRIHAL
DO AUTOR
(2010)
R$ 10,00



OLHARES DE LISBOA
ALBINO MOURA
VEJA
(2000)
R$ 49,50



SUB TEGMINE FAGI - ENSAIOS
JOSÉ DE ALMEIDA PAVÃO
EDIÇÃO DO AUTOR
(1947)
R$ 51,36



MISSÃO QUASE IMPOSSÍVEL ASIA COLEÇÃO VOLTA AO MUNDO
ORLANDO VICENTE
IRACEMA
R$ 7,92



FREVO, AMOR & GRAVIOLA
MARCOS BAGNO
ATUAL
(1991)
R$ 5,00





busca | avançada
54051 visitas/dia
2,1 milhões/mês