Nao Importa | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Palavras impressas
>>> Teoria da Conspiração
>>> Movimento Literatura Urgente
>>> O fim das mídias físicas
>>> Ayn Rand ou o primado da razão
>>> Viagem ao Âmago da Palavra
>>> Modelos plus size: as novas mulheres irreais
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Escrever não é para amadores
Mais Recentes
>>> O tigre de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2013)
>>> Os Doze Trabalhos de Hércules 1/2/4 volumes de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1944)
>>> Morte dos reis de Bernard cornwell pela Record (2016)
>>> Bom Apetite vol II de Diversos pela Abril Cultural (1972)
>>> A menina que semeava de Lou Aronica; Maria ângela Amorim De Paschoal pela Novo Conceito (2021)
>>> Curso de Desenho e Pintura 9 volumes de Equipe Globo pela Globo (1985)
>>> 1889 Juvenil ilustrada de Laurentino Gomes; Rita Brugger pela Globo Livros (2014)
>>> Quem me roubou de mim? de fabio de Melo pela Canção Nova (2010)
>>> Se conto ninguem acredita- autografado de Rafael pedrosa pela pandogA (2018)
>>> The Young Riders of Mongolia de Rob Waring pela Footprint (2011)
>>> Let’s Do It Together de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2008)
>>> A Matter of Prejudice de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> Strange Noises de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> A Casa Vazia de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasill (2006)
>>> Lost in the Woods de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Devastação Ou a Volta à Natureza de Rene Barjavel pela Círculo do Livro (1976)
>>> Os segredos da mente milionária de T harv eker pela Sextante (2010)
>>> A Day on the Farm de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Economia Solar Global de Hermann Scheer pela Cresesb (2002)
>>> Alguém Que já Não Fui de Artur da Távola pela Nova Fronteira (1986)
>>> Enquanto Eu Estivesse Fora... de Sue Miller pela Bertrand Brasill (2000)
>>> Infâncias Roubadas o Ser Criança Como Desafio para o Reino de Silvana Bezerra de Castro Magalhães pela Coiô Coiô (2016)
>>> Já Pensou Se Alguém Acha e Lê esse Diário? de Nilza Rezende pela Record (2007)
>>> O Quiabo Comunista de Carlos Eduardo Novaes pela Nordica (1977)
>>> Mulheres ajudando mulheres de elyse Fitzpatrick e carol Cornish pela c p a D (2005)
>>> O poder dos Quietos de Susan Cain pela Agir (2012)
>>> O segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Sextante (2008)
>>> Marley & eu de John Grogan pela Ediouro (2010)
>>> O grande conflito de Ellen G. White pela Casa (2004)
>>> Problemas? OBA ! de Roberto Shinyahiki pela Gente (2011)
>>> Ali and his Camera de Raymond Pizante pela Penguin Readers (2008)
>>> Os 10 hábitos da memorização de Renato Alves pela Gente (2009)
>>> Billy and the Queen de Stephen Rabley pela Penguin Readers (2008)
>>> O código da inteligência de Augusto Cury pela Ediouro (2008)
>>> Manual de Normas Internacionais de Contabilidade: IFRS versus Normas Brasileiras de Ernst & Young - FIPECAFI pela Atlas (2010)
>>> Quem mexeu no meu queijo ? de Spencer Johnson,M.D pela Record (2010)
>>> Desenvolvimento Pessoal e Profissional de Josiane C. Cintra; Keli C. de L. Campos; Tatiane R. Bonfim; Yaeko Ozaki; Rodolfo L. de F. Olivo pela Anhanguera Publicações (2011)
>>> Simon and the Spy de Elizabeth Laird pela Penguin Readers (2008)
>>> 0870707329 de Paola Antonelli pela The Museum of Modern Art (2008)
>>> Contabilidade Financeira de Alessandra Cristina Fahl; José Carlos Marion. pela Anhanguera Publicações (2013)
>>> Perícia Contábil de Antônio Lopes de Sá pela Atlas (2011)
>>> Contabilidade Gerencial: Um Enfoque em Sistema de Informação Contábil de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas (2010)
>>> Administração de Idalberto Chiavenato pela Elsevier (2010)
>>> João santana , um marqueteiro no poder de luiz Maklouf carvalho pela Record (2015)
>>> Custos e Formação de Preços de Eunir de Amorim Bomfim; João Passarelli; pela IOb (2011)
>>> Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras de Marcelo Cardoso de Azevedo; Fernando Coelho; José Carlos Ruiz; Paulo Neves. pela Alínea (2010)
>>> Desenvolvimento Econômico de Aderbal O. Damasceno; Ana Paula Avellar; Claúdio César de Paiva; Fernando C. B. Oliveira; Flávio V. Vieira; Michele P. Veríssimo; Suzana F. de Paiva. pela Alínea (2013)
>>> Educação Corporativa: Fundamentos, Evolução e Implantação de Projetos de Marisa Eboli; André Luiz Fischer; Fábio Cássio Costa Moraes; Wilson Ap. Costa de Amorim. pela Atlas (2012)
>>> 100 cronicas Escolhidas de Mauro Mota pela Cepe (2011)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/1/2003
Não Importa
Alessandro Silva

+ de 2100 Acessos

Meu nome não interessa. Não há dias sem tormento por aqui, não há descanso diante das horas idas. Às vezes vou para o banheiro e fumo um cigarro; também lá escrevo alguns poemas. Não saem grande coisa, mas isso não importa.

Sou um empregado e onde trabalho não importa, pois tudo dá no mesmo. Adiante, para as paragens de mato onde um rio envenenado trafega, podemos enxergar a fábrica. Lá, o barulho das prensas é ensurdecedor.

Não há barulho ensurdecedor nos escritórios. Conversação, capítulos de telenovela, notícias e gols de placa. Mas não importa, estou esperando.

Além das escapadas para o banheiro, também há o horário de almoço e o fim de tarde, onde devo dirigir-me para a fábrica e fazer coisas que me mandam.

Fico apreensivo quando se aproxima o fim de tarde, porque posso levar algum poema comigo. Caminhando entre as carretas podemos respirar a fuligem e até nos emocionarmos um pouco, por que não? Nesse momento, recito um pouco para mim. Quando estou cansado, paro diante das vigas.

Quando chega o fim de tarde, corro para abraçá-lo e me desanimo porque o crepúsculo não se comunica mais. Depois entro no ônibus e observo com a cabeça pensa na janela os operários chutando-se e cuspindo-se. Evito a idéia da condicional. Afinal, é um trabalho e não uma pena. Mas, o que importa?

Quando desembarco, procuro um bar para ler. Desço em qualquer estação, não faz diferença.

Vejo um sujeito quase livre nessa estória e isso me perturba como um câncer não é mesmo? Estou vendo com seus olhos, mas apenas o suficiente, apenas o suficiente.

Certo dia tive um estalo. E se eu tentasse viver um pouco? Mais ou menos igual ao herói? Mas e se todos igualmente fossem silenciosos e todos tivessem seus objetivos e todos fossem sorrateiros?

Caminhando pelos arredores de uma estação de metrô, descobri as leis da dinâmica.

Haviam muitos caras que estudavam, mas iam para os bares. Um dia encontrei com um sujeito derrotista. Sua família não era pobre, mas ele queria ser rico, inacreditavelmente rico. Eu estava bebendo no balcão; mas não estava lendo. Professores que bebem para dar aulas e alunos que bebem para estudar discutiam. Uma sexta-feira passada dos quarenta apodrecia entre a umidade do balcão e a autoridade da sujeira. Falavam sobre música, mentiam e troçavam Pensei num peão de fábrica que eu havia convidado para beber e que no último momento furou. Não importa.

O cara derrotista estava alterado e bateu boca com um professor gordo e de pele parda. O professor disse "escravidão" e eu prestei atenção. Não estava totalmente bêbado. O cara que era derrotista - e cujo epíteto era "alemão" - acotovelou-me no baço e lançou as pestanas na direção do gordo:

- Veja só isso! Veja só isso!

Soltei-me um pouco e disse ao professor, olhando bem nos seus olhos para humilhá-lo:

- Queira desculpar-me, meu caro, mas você está enganado. A mesma ignorância que presidia a crença do escravo presidia a crença do patrão.

Não importa, eu queria ofendê-lo. Não estava certo do que dizia. De qualquer forma o professor zangou-se com as troças dos outros. A princípio houve um silêncio, mas depois concluíram que eu era um sábio e deram-me valor e estouraram em piadas. Não importa se sou um sábio. O alemão me pegou pelo braço:

- Esse é o homem, esse é o homem.

Os outros apostaram sua sorte.

- Bem, o que eu sou? Não importa, não tem importância.

Eles dissimulam-se muito rápido e caem novamente no riso. Por enquanto eu era do contra e isso era suficiente, afinal tudo é muito suficiente não é mesmo?

Agredimos o verbo e solapamos a comunicação durante três horas a fio, até que houve a austera intervenção do alemão com aquelas coisas de defender e de afirmar-se e de falar de violeiros e pagodeiros que cantam de mulheres, de coca-cola e que vão embora e que não agüentam mais. Bêbado, o alemão assassinaria cento e setenta milhões de frangos d'água desses que chamamos genericamente de "homens" em nome de uma cartilha comunista. Espumava.

Não importa. Eu só quero ficar aqui, bebendo, coaxando, singrando, babando e sonhando. A namorada do alemão esperava por ele e ele tinha que dirigir. Ele disse:

- Vai ser foda. Ela vai encher o saco - e seu sorriso despencou até as suas solas.

Dali, depois das dez seriam onze - se não me falha a rapacidade do cálculo trigonométrico - e depois a noite despencaria na prostituição e no vício da meia-noite. Eu tinha que torrar a grana e obter uma desgraçada.

Caminhando pelas ruas da estação, vi crianças cheirando sua cola e prostitutas gingando a sua ginga. Fui para um prédio esclerosado onde se reúne um monte de velhos desgraçados e alcoólatras em volta do jogo. Cartas, xadrez e sinuca. No primeiro andar, dez mesas de bilhar e um bar faziam a melancólica ruína de uns vinte mortais. No elevador, comigo tinha desembocado um traste de mulher barriguda apertada no couro sintético, bela como uma senhora que conserva seu penteado - e o conserva em seu direito, notem bem. - Apenas havia olhado. A curiosidade é parte do protocolo.

No bar, pedi um martini. Meu estômago estava desesperado. Era como se tivesse engolido sarapatel com pinga de alambique. Eu olhava para as mesas. Um idiota a meu lado ficava comentando as partidas. Havia um jogador nervoso que tentava destruir as bolas dando-lhes tacadas estúpidas. Depois de espocar algumas em suas devidas caçapas, entusiasmou-se, tornou-se arrogante e perdeu três em seguida. A vaqueira conversava com o barba, o sócio da espelunca. Sujeito sacana que traça até lixeira. O idiota a meu lado tentou me explicar umas coisas; mas não gosto de explicações. Suas palavras chegavam como estampidos amarfanhados e silenciosos, como algo a que não se deve dar sentido. Não importa, eu queria o jabá. Ela colou as tetas e olhou-me. Olhou-me! Olhou-me! Era eu. Fui até ela e propus-lhe coisas. Ela aceitou com a hostilidade de uma prostituta no ato da negociação. Falei como se deve falar: de acordo com o decoro civil de um bêbado. Propus-lhe uma partida e ela sorriu seu sorriso estéril e afiou seu taco. Depois de aplicar-me uma severa sova, bem de acordo com a pretensão contida em meu convite, largou seu taco envenenado pela mesa e foi sentar-se. Eu ajeitei a minha coleira e fui atrás de meu osso. Meu osso, no meu direito, na minha noite! Fui buscar as bebidas e ela disse que era de outra cidade e eu apliquei o protocolo. Ela era nortista, pintava a óleo, coisas abstratas, gostava de gatos e não de cachorros, pintava, gatos com cara de porta, dessas coisas supimpa, tudo muito supimpa! Timidamente, como um idiota, ou como um turista, o que dá no mesmo, pedi que me desenhasse. Ela ajeitou-se e tentou concentrar-se com todo seu ser patético. A meia-luz! Eu disse:

- Vai ser bom. Continue.

Ignorou minha curiosidade por meia hora sobre uma caneta e um papel-guardanapo e concentrou-se e mordeu a língua até se transformar num pitencantropus erectus desenhando com seus seis anos de idade. Mas não importa.


Alessandro Silva
São Paulo, 10/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que fazer com este corpo? de Ana Elisa Ribeiro
02. Na translucidez à nossa frente de Elisa Andrade Buzzo
03. Depois do chover de Elisa Andrade Buzzo
04. Mamãe de Julio Daio Borges
05. Quem tem medo da Rio+20? de Marilia Mota Silva


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. O Telhado de Vidro - 9/7/2003
05. Até tu, Raquel! - 12/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PSICOLOGIA EVOLUTIVA - PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO VOLUME 1
MERVAL ROSA
VOZES
(1983)
R$ 10,00



GRAMÁTICA ILUSTRADA
HILDEBRANDO A. DE ANDRÉ
MODERNA
(1978)
R$ 10,00



VIVER MAIS
CLEMENTE E HENRIQUE KESSELMEIER
VOZES
(1981)
R$ 10,00



CAFÉ AMARGO
VÍTOR SAPIENZA
META
(1991)
R$ 10,00



NEGOTIAUCTIONS
GUHAN SUBRAMANIAN
CAMPUS
(2010)
R$ 10,00



INFORME 2008 - O ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS NO MUNDO
ANISTIA INTERNACIONAL
ANISTIA INTERNACIONAL
(2008)
R$ 10,00



O NAVEGADOR DE MUDANÇAS 5132
KURT HANKS
QUALITYMARK
(1998)
R$ 10,00



AO ENTARDECER, ELE ABRAÇAVA AS ÁRVORES
DEONÍSIO DA SILVA
SICILIANO
R$ 10,00



ALMA GÊMEA
DEEPAK CHOPRA
ROCCO
(2001)
R$ 10,00



TRAJETÓRIA DE UMA ALMA
ANTONIETA V. MEYER
INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPÍRITA
(1998)
R$ 10,00





busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês