Não Importa | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
62333 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/1/2003
Não Importa
Alessandro Silva

+ de 2100 Acessos

Meu nome não interessa. Não há dias sem tormento por aqui, não há descanso diante das horas idas. Às vezes vou para o banheiro e fumo um cigarro; também lá escrevo alguns poemas. Não saem grande coisa, mas isso não importa.

Sou um empregado e onde trabalho não importa, pois tudo dá no mesmo. Adiante, para as paragens de mato onde um rio envenenado trafega, podemos enxergar a fábrica. Lá, o barulho das prensas é ensurdecedor.

Não há barulho ensurdecedor nos escritórios. Conversação, capítulos de telenovela, notícias e gols de placa. Mas não importa, estou esperando.

Além das escapadas para o banheiro, também há o horário de almoço e o fim de tarde, onde devo dirigir-me para a fábrica e fazer coisas que me mandam.

Fico apreensivo quando se aproxima o fim de tarde, porque posso levar algum poema comigo. Caminhando entre as carretas podemos respirar a fuligem e até nos emocionarmos um pouco, por que não? Nesse momento, recito um pouco para mim. Quando estou cansado, paro diante das vigas.

Quando chega o fim de tarde, corro para abraçá-lo e me desanimo porque o crepúsculo não se comunica mais. Depois entro no ônibus e observo com a cabeça pensa na janela os operários chutando-se e cuspindo-se. Evito a idéia da condicional. Afinal, é um trabalho e não uma pena. Mas, o que importa?

Quando desembarco, procuro um bar para ler. Desço em qualquer estação, não faz diferença.

Vejo um sujeito quase livre nessa estória e isso me perturba como um câncer não é mesmo? Estou vendo com seus olhos, mas apenas o suficiente, apenas o suficiente.

Certo dia tive um estalo. E se eu tentasse viver um pouco? Mais ou menos igual ao herói? Mas e se todos igualmente fossem silenciosos e todos tivessem seus objetivos e todos fossem sorrateiros?

Caminhando pelos arredores de uma estação de metrô, descobri as leis da dinâmica.

Haviam muitos caras que estudavam, mas iam para os bares. Um dia encontrei com um sujeito derrotista. Sua família não era pobre, mas ele queria ser rico, inacreditavelmente rico. Eu estava bebendo no balcão; mas não estava lendo. Professores que bebem para dar aulas e alunos que bebem para estudar discutiam. Uma sexta-feira passada dos quarenta apodrecia entre a umidade do balcão e a autoridade da sujeira. Falavam sobre música, mentiam e troçavam Pensei num peão de fábrica que eu havia convidado para beber e que no último momento furou. Não importa.

O cara derrotista estava alterado e bateu boca com um professor gordo e de pele parda. O professor disse "escravidão" e eu prestei atenção. Não estava totalmente bêbado. O cara que era derrotista - e cujo epíteto era "alemão" - acotovelou-me no baço e lançou as pestanas na direção do gordo:

- Veja só isso! Veja só isso!

Soltei-me um pouco e disse ao professor, olhando bem nos seus olhos para humilhá-lo:

- Queira desculpar-me, meu caro, mas você está enganado. A mesma ignorância que presidia a crença do escravo presidia a crença do patrão.

Não importa, eu queria ofendê-lo. Não estava certo do que dizia. De qualquer forma o professor zangou-se com as troças dos outros. A princípio houve um silêncio, mas depois concluíram que eu era um sábio e deram-me valor e estouraram em piadas. Não importa se sou um sábio. O alemão me pegou pelo braço:

- Esse é o homem, esse é o homem.

Os outros apostaram sua sorte.

- Bem, o que eu sou? Não importa, não tem importância.

Eles dissimulam-se muito rápido e caem novamente no riso. Por enquanto eu era do contra e isso era suficiente, afinal tudo é muito suficiente não é mesmo?

Agredimos o verbo e solapamos a comunicação durante três horas a fio, até que houve a austera intervenção do alemão com aquelas coisas de defender e de afirmar-se e de falar de violeiros e pagodeiros que cantam de mulheres, de coca-cola e que vão embora e que não agüentam mais. Bêbado, o alemão assassinaria cento e setenta milhões de frangos d'água desses que chamamos genericamente de "homens" em nome de uma cartilha comunista. Espumava.

Não importa. Eu só quero ficar aqui, bebendo, coaxando, singrando, babando e sonhando. A namorada do alemão esperava por ele e ele tinha que dirigir. Ele disse:

- Vai ser foda. Ela vai encher o saco - e seu sorriso despencou até as suas solas.

Dali, depois das dez seriam onze - se não me falha a rapacidade do cálculo trigonométrico - e depois a noite despencaria na prostituição e no vício da meia-noite. Eu tinha que torrar a grana e obter uma desgraçada.

Caminhando pelas ruas da estação, vi crianças cheirando sua cola e prostitutas gingando a sua ginga. Fui para um prédio esclerosado onde se reúne um monte de velhos desgraçados e alcoólatras em volta do jogo. Cartas, xadrez e sinuca. No primeiro andar, dez mesas de bilhar e um bar faziam a melancólica ruína de uns vinte mortais. No elevador, comigo tinha desembocado um traste de mulher barriguda apertada no couro sintético, bela como uma senhora que conserva seu penteado - e o conserva em seu direito, notem bem. - Apenas havia olhado. A curiosidade é parte do protocolo.

No bar, pedi um martini. Meu estômago estava desesperado. Era como se tivesse engolido sarapatel com pinga de alambique. Eu olhava para as mesas. Um idiota a meu lado ficava comentando as partidas. Havia um jogador nervoso que tentava destruir as bolas dando-lhes tacadas estúpidas. Depois de espocar algumas em suas devidas caçapas, entusiasmou-se, tornou-se arrogante e perdeu três em seguida. A vaqueira conversava com o barba, o sócio da espelunca. Sujeito sacana que traça até lixeira. O idiota a meu lado tentou me explicar umas coisas; mas não gosto de explicações. Suas palavras chegavam como estampidos amarfanhados e silenciosos, como algo a que não se deve dar sentido. Não importa, eu queria o jabá. Ela colou as tetas e olhou-me. Olhou-me! Olhou-me! Era eu. Fui até ela e propus-lhe coisas. Ela aceitou com a hostilidade de uma prostituta no ato da negociação. Falei como se deve falar: de acordo com o decoro civil de um bêbado. Propus-lhe uma partida e ela sorriu seu sorriso estéril e afiou seu taco. Depois de aplicar-me uma severa sova, bem de acordo com a pretensão contida em meu convite, largou seu taco envenenado pela mesa e foi sentar-se. Eu ajeitei a minha coleira e fui atrás de meu osso. Meu osso, no meu direito, na minha noite! Fui buscar as bebidas e ela disse que era de outra cidade e eu apliquei o protocolo. Ela era nortista, pintava a óleo, coisas abstratas, gostava de gatos e não de cachorros, pintava, gatos com cara de porta, dessas coisas supimpa, tudo muito supimpa! Timidamente, como um idiota, ou como um turista, o que dá no mesmo, pedi que me desenhasse. Ela ajeitou-se e tentou concentrar-se com todo seu ser patético. A meia-luz! Eu disse:

- Vai ser bom. Continue.

Ignorou minha curiosidade por meia hora sobre uma caneta e um papel-guardanapo e concentrou-se e mordeu a língua até se transformar num pitencantropus erectus desenhando com seus seis anos de idade. Mas não importa.


Alessandro Silva
São Paulo, 10/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
02. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
03. Carmela morreu. de Ricardo de Mattos
04. Faxina na Arca de Noé de Daniel Bushatsky
05. Relendo clássicos de Luiz Rebinski Junior


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. O Telhado de Vidro - 9/7/2003
05. Até tu, Raquel! - 12/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LE FLEURS DE LA VERTE ESPERANCE 250 POEMES DE FRANCE DE VILLON À VALER
RENÉ POIRIER, MARC DOELNITZ (IMAGES PAR) CAPA DURA
LIBRAIRIE GRUND (PARIS)
(1952)
R$ 17,28



PLANALTO CENTRO-OCIDENTAL E PANTANAL MATO-GROSSENSE
FERNANDO F. M. DE ALMEIDA MIGUEL ALVES LIMA
CONSELHO NACIONAL DE GEOGRAFIA
(1959)
R$ 24,40



O MELODRAMA - 1ª EDIÇÃO
JEAN-MARIE THOMASSEAU
PERSPECTIVA
(2012)
R$ 35,95



FÍSICA - VOLUME ÚNICO - ENSINO MÉDIO - 1ª EDIÇÃO
BONJORNO ; CLINTON
FTD
(2011)
R$ 48,00



60 ANOS DE GRANDES OBRAS E HISTÓRIAS: A CONSTRUÇÃO DO BRASIL
CARLOS ALBERTO CÂNDIDO
QUATTRO PROJETOS
(2011)
R$ 25,00



PSICOLOGIA E CONHECIMENTO: SUBSÍDIOS DA PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
MARIA HELENA FÁVERO
UNB
(2005)
R$ 25,00



CONTOS FLUMINENSES
MACHADO DE ASSIS
MERITO
(1959)
R$ 6,90



SENTIMENTO DO MUNDO
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
FOLHA DE S. PAULO
(2008)
R$ 12,00



BLOWBACK - OS CUSTOS E AS CONSEQUÊNCIAS DO IMPÉRIO AMERICANO
CHALMERS JOHNSON
RECORD
(2007)
R$ 21,38



AS AVENTURAS DO URSINHO POOH E SEUS AMIGOS
DISNEY
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(2001)
R$ 20,00





busca | avançada
62333 visitas/dia
2,6 milhões/mês