Duas noites de sono mais tarde | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
50850 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/6/2001
Duas noites de sono mais tarde
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2000 Acessos

Nada melhor do que uma boa noite de sono. Ou melhor, duas. Porque Pearl Harbor é, à primeira vista, um filmão. Explico melhor: em cinema, a última impressão é a que fica. E, como a última hora de Pearl Harbor se baseia em boas cenas de batalha, saímos do cinema achando que vimos, ao menos, entretenimento de qualidade. A percepção humana, dentro da sala escura de projeção, é facilmente enganável.

Aconselharia o leitor, caso ainda se sentisse tentado a assistir a Pearl Harbor, a entrar no cinema depois da primeira hora e meia de projeção. Não é conselho fácil, destes de se ignorar. Depois não digam que não avisei... A primeira hora e meia do filme é deveras uma temeridade. Só mesmo a pipoca que se come é capaz de fazer algum sentido neste tempo. Que fazer nesta hora e meia? Sei lá, leia um livro, vá ao banheiro, fique conversando com aquela linda atendente na bombonière. É um favor que o espectador faz a seu cérebro precioso e raro.

Não exagero. Fazendo uma comparação com aquele que é o mais água com-açúcar dos blockbusters recentes, Titanic, percebe-se o quanto o cinema decaiu em apenas três anos. Todos se lembram de Titanic, não é mesmo? Leonardo di Caprio, Kate Winslet... Pois é. Pensando bem, no filme de James Cameron ao menos havia um certo sentido naquele triângulo amoroso. Para aqueles que gostam de ver chifre em cabeça de cavalo (aqui este recurso se faz necessário), pode-se até dizer que havia ali uma pitada de luta de classes (Marx deve ter dado três pulinhos em sua tumba agora!). Em Pearl Harbor, a história de amor não tem sentido. Não passa de um folhetim de corar um José de Alencar. Os diálogos foram escritos, por certo, por um roteirista de novela mexicana, cujo nome não aparece nos créditos. Coisas como "meu coração só bate por você", "nunca vou te esquecer, amor da minha vida", "batatinha quando nasce esparrama pelo chão" marcam o ouvido de quem assiste Pearl Harbor como aquele melado vermelho que envolve a maçã do amor.

Por que comparar um e outro filme? São as produções mais caras do cinema recente. São filmes que têm importantes fatos históricos como pano de fundo. São produções que primam pelos efeitos digitais. São filmes que despertam paixões arrebatadoras ou ódios mortais. São filmes que vão arrecadar uma enormidade de dinheiro e laudas e mais laudas de críticas e comentários - como este, infelizmente.

A que ponto o cinema chegou, pergunta-se?! Este é, finalmente, o fundo do poço? Temo que não... Esta hora e meia a que me refiro é, por assim dizer, o prólogo da história. Somos apresentados aos mocinhos e à mocinha do filme. Amigos de infância, um deles se apaixona, numa base aérea, pela enfermeira. O piloto, um verdadeiro herói americano, um ás dos céus da América, é também (doce e suave ironia) um disléxico. Como era de se esperar, os dois se apaixonam. Pois bem, somos também apresentados ao amigo do piloto (os nomes não nos interessam. Convém dizer que o disléxico é interpretado por Ben Affleck. Apropriadamente), também um apaixonado pela aviação e protegido pelo primeiro desde a infância. O personagem interpretado por Ben Affleck vai lutar na Inglaterra, onde acaba sendo derrubado por um caça alemão. Cai no mar, mas é resgatado. Só que, à enfermeirinha que ele deixou nos EUA, avisam que ele está morto. O que acontece então? Ganhou um prêmio quem disse: ela se apaixona pelo mui amigo. E eles ficam nesta lenga-lenga até que o piloto que todos consideravam como morto volta. Instala-se, então, um triângulo amoroso chinfrim quando explodem as primeiras bombas sobre Pearl Harbor.

Os japoneses, ah, os japoneses. No filme, eles são retratados como verdadeiros alienígenas de um ID-4 (alguém se lembra?). Todos têm cara de mau - que meda!! Nenhum deles dá um sorriso sequer. De qualquer forma, eles fizeram seu papel: bombardearam a base naval no Havaí e criaram um bom pretexto para os EUA entrarem na guerra...

... e fazerem este filme.

A patriotada americana em Pearl Harbor supera as espectativas. Modestamente, tenho de dizer que sabia que haveria patriotada. E não se trata, óbvio, de grande façanha. Quem viu os recentes O Resgate do Soldado Ryan ou O Patriota sabia que Pearl Harbor teria uma overdose de ufanismo. Passa da cota aceitável, contudo. Porque, para embasar seu patriotismo exacerbado, Pearl Harbor não hesita em subverter a história. O contra-ataque do filme, por exemplo, contra alvos pretensamente militares em Tóquio, é de uma mentira sem tamanho. Os EUA atacaram Tóquio, sim, mas atingiram muitos alvos civis (em Pearl Harbor, é bom lembrar, só foram atingidos alvos militares). Além disso, não tinha um propósito estratégico. Foi realizado tão-somente para levantar o moral das tropas americanas que se refaziam de Pearl Harbor. Sei que é lugar-comum, mas é aquela coisa: a história é contada pelos vencedores...

Ah, sim, sugiro a Hollywood - como se Hollywood me ouvisse!! - que fizesse um filme tão ou mais patriótico, tratando da bomba atômica: 100 mil mortos e cerca de meio milhão de feridos em Hiroshima e Nagasaki. Quero ver provar que foi algo honroso.

Assim como em Titanic, o que salva um pouco, mas só um pouco, Pearl Harbor são os efeitos especiais. O ataque à baía havaiana é um verdadeiro show, com explosões bastante realistas. O destaque vai para a explosão do U. S. S. Arizona, cujo paiol foi atingido. O navio, contam os relatos, chegou a levantar o casco todo sobre a água, como se vê no filme. Houve quem reclamasse dos marinheiros escorregando pelo convés dos navios que adernavam. Ora, é isto que acontece quando um navio aderna, seja ele um encouraçado de guerra ou o Titanic. As cenas de perseguição dos aviões P-40 aos "Zeros" japoneses são patéticas, porque parecem simuladores de computador. Há rasantes a cerca de um, dois metros do solo. E no meio da rua. Ridículo? Sejamos condescendentes com esta singela licença poética...

A única contribuição, mesmo, de Pearl Harbor ao cinema mundial é a criação de um roteiro revolucionário, porque não tem um vilão. Isto mesmo. A historinha boba do filme carece de um personagem carismático, como aquele aristocratazinho arrogante de Titanic (novamente ele). Os americanos são tutti buona gente. Quem me leu até aqui talvez esteja escandalizado com a pequena verdadezinha contida neste texto: Titanic é infinitamente superior a este Pearl Harbor. É como eu disse a um amigo depois de ter ido assistir a O Retorno da Múmia, comparado incessantemente à trilogia Indiana Jones pela imprensa pretensamente especializada: haverá um dia em que Spielberg será considerado um diretor tão clássico, difícil, hermético e obscuro quanto um Bergman.

Marx, PFL

Uma amiga, à mesa, tem uma idéia bastante interessante. Criticando o absurdo do academicismo no Brasil, com seu discurso monocórdico, pensa em defender uma tese que seria o supra-sumo do sofisma: uma leitura à direita de Karl Marx. Pode parecer absurdo, mas, que seria genial, ah, seria.

Bate-estaca

Stockhausen, maestro ou coisa que o valha, deu entrevista à revista Veja dizendo que a música eletrônica é a maior revolução musical jamais concebida pelo homem. Com um ego de deixar Caetano na lona, o maestro (ou coisa que o valha) alemão se diz o papa deste gênero de música e o único grande gênio da música erudita vivo. Acredite quem quiser.

Doido de Pedra

Bicho de Sete Cabeças, filme de Laís Bodanzky que deve estar nesta semana em circuito comercial, recebeu de Luis Carlos Merten, crítico do Estadão, um elogio superlativo: o melhor filme brasileiro da década, desde a retomada. Puxa! Sem saber disso, o autor do livro que deu origem ao filme, Austregésilo Carrano, andou por Curitiba, sua cidade natal, concedendo entrevistas no mínimo curiosas, nas quais dizia que o filme seria o representante do Brasil no Oscar 2002. If you know what I mean...

O ego é meu

Quem diz que arroz com feijão não combina com um bom vinho? Quem me assegura é o mesmo Ed Motta. Pouco tempo depois de eu dizer, aqui neste Digestivo, que arroz com feijão é uma obra-prima culinária.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 20/6/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
02. Três filmes sobre juventude no novo século de Guilherme Carvalhal
03. O bosque das almas infratoras de Elisa Andrade Buzzo
04. A escrita boxeur de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
05. Autoimagem, representação e idealização de Pati Rabelo


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AVENTURA DE AMOR - SABRINA
LIZ FIELDING
NOVA CULTURAL
(1998)
R$ 5,00



COMPLEXO ARQUÉTIPO SÍMBOLO NA PSICOLOGIA DE C. G. JUNG
JOLANDE JACOBI
CULTRIX
(1990)
R$ 35,00



CURSO DE DIREITO CONSTITUCIONAL
GILMAR FERREIRA MENDES, PAULO GUSTAVO GONET BRANCO
SARAIVA
(2014)
R$ 70,00



PERDAS E GANHOS
LYA LUFT
RECORD
(2004)
R$ 6,90



ACIMA DE QUALQUER SUSPEITA
SCOTT TUROW
RECORD
(1987)
R$ 5,00



A DAMA DAS CAMÉLIAS
ALEXANDRE DUMAS E ALEXANDRE DUMAS FILHO
EDIOURO
R$ 17,02



O ATENEU
RAUL POMPÉIA
KLICK/ESTADÃO
(1997)
R$ 6,90



PSICOLOGIA DO CRESCIMENTO EM SOCIEDADE
TONY BOOTH
ZAHAR
(1976)
R$ 6,90



A VIDA SECRETA DE JONAS
LUIZ GALDINO
ATICA
(1991)
R$ 6,00



MATEMÁTICA
MANOEL PAIVA
MODERNA
(2005)
R$ 32,32





busca | avançada
50850 visitas/dia
2,6 milhões/mês