Duas noites de sono mais tarde | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A convergência das mídias
>>> 4 de Setembro #digestivo10anos
>>> É Isto um Homem?, de Primo Levi
>>> Violões do Brasil
>>> Sou um de vocês
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> 2 de Abril #digestivo10anos
>>> Eat the Rich
>>> El fin de la inocencia
Mais Recentes
>>> As aventuras de Benjamim, O muiraquitã de Camila Franco, Marcela Catunda, Blandina Franco pela Companhia das letras (2004)
>>> Espíritos entre nós de James Van Praagt pela Sextante (2010)
>>> Direito ambiental de Marcia Diegues Leuzinger e Sandra Cureau pela Elsevier (2008)
>>> O cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2013)
>>> Improbidade Administrativa: Lei 8.429/1992 Teoria e Exercícios de Ivan Lucas de Souza Júnior pela Gran cursos (2011)
>>> Plástica. Quando? Por Quê? de Rolando Zani pela Manole (2001)
>>> Sexo tântrico : como prolongar o prazer e atingir o êxtase espiritual de Cassandra Lorius pela Ediouro (2000)
>>> Burocracia e ocupação no setor público brasileiro de José Celso Cardloso Jr pela Diálogos para o desenvolvimento (2011)
>>> O Mistério das Aranhas Verdes de Carlos Heitor Cony; Anna Lee pela Salamandra (2001)
>>> Bem do seu tamanho de Ana Maria Machado; Mariana Massarani pela Salamandra (2003)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Paterson pela Salamandra (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 6 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 5 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2003)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela 34 (2020)
>>> Mestre da Critica de Vários autores pela Topbooks (2020)
>>> Memórias para servir à História do Reino do Brasil de Luís Gonçalves dos Santos pela Senado (2020)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Abc (2020)
>>> A Unica Esperança de Alejandro Bullon pela Casa Publicadora Brasileira (2013)
>>> Marquês de São Vicente de Eduardo Kugelmas pela 34 (2020)
>>> Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência de Graça Aranha pela Topbooks (2020)
>>> Obra Completa de Luis De Camoes pela Nova (2020)
>>> Literatura e Sociedade de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> O Tigre na Sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Tensoes Mundiais Volume 4 Numero 5 de Manoel Domingos Neto e Monica Dias Martins pela Observatorio das Nacionalidades (2008)
>>> História econômica do Brasil de Roberto C. Simonsen pela Senado (2020)
>>> História dos Fundadores do Império do Brasil - 7 volumes - coleção completa de Otávio Tarquínio de Sousa pela Senado (2020)
>>> História do Brasil: Uma interpretação de Mota, Carlos Guilherme and Lopez, Adriana pela 34 (2020)
>>> História do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: Volume 1 Idade Média de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: OS Nossos Dias de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> História da saúde no Brasil de Luiz Antonio Teixeira (Compilador), Tânia Salgado Pimenta (Compilador), Gilberto Hochman (Compilador) pela Hucitec (2020)
>>> História da Arte no Brasil: Textos de Síntese de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Angela Ancora da Luz, Sonia Gomes Pereira pela Ufrj (2020)
>>> Temas de Direito Constitucional Volume 1 de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2002)
>>> História Da América Portuguesa de Sebastião Da Rocha Pita pela Senado (2020)
>>> História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2020)
>>> No caminho de Swann. de Marcel Proust pela Globo (2003)
>>> Hipólito José da Costa de Sergio Goes de Paula pela 34 (2020)
>>> Serious Candida Infections: Risk Factors, Treatment and Prevention de John H. Rex e Françoise Meunier Editores pela Pfizer (1995)
>>> Grande Reforma Urbana Do Rio De Janeiro, A: Pereira Passos, Rodrigues Alves E As Ideias De Civilização E Progresso de Andre Nunes De Azevedo pela PUC Rio (2020)
>>> Natural Racional Social - Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. de Madel T. Luz pela Campus (1988)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Getulio 1930-1945: Do Governo Provisorio Ao Estado Novo de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Para gostar de ler. Vol.4 - Crônicas.. de Vários pela Ática (1980)
>>> Viver o Amor. de José Carlos Pedroso pela Edições Paulinas (1978)
>>> Ganhadores: A greve negra de 1857 na Bahia de João José Reis pela Companhia das Letras (2020)
>>> Formação de Cidades no Brasil Colonial de Santos, Paulo Ferreira pela Ufrj - IPHAN (2020)
>>> A Saude dos Filhos de E. Nauta pela Circulo do Livro (1987)
>>> Gibi Mônica N°8. Lendas da Jumenta Voadora de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/6/2001
Duas noites de sono mais tarde
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2100 Acessos

Nada melhor do que uma boa noite de sono. Ou melhor, duas. Porque Pearl Harbor é, à primeira vista, um filmão. Explico melhor: em cinema, a última impressão é a que fica. E, como a última hora de Pearl Harbor se baseia em boas cenas de batalha, saímos do cinema achando que vimos, ao menos, entretenimento de qualidade. A percepção humana, dentro da sala escura de projeção, é facilmente enganável.

Aconselharia o leitor, caso ainda se sentisse tentado a assistir a Pearl Harbor, a entrar no cinema depois da primeira hora e meia de projeção. Não é conselho fácil, destes de se ignorar. Depois não digam que não avisei... A primeira hora e meia do filme é deveras uma temeridade. Só mesmo a pipoca que se come é capaz de fazer algum sentido neste tempo. Que fazer nesta hora e meia? Sei lá, leia um livro, vá ao banheiro, fique conversando com aquela linda atendente na bombonière. É um favor que o espectador faz a seu cérebro precioso e raro.

Não exagero. Fazendo uma comparação com aquele que é o mais água com-açúcar dos blockbusters recentes, Titanic, percebe-se o quanto o cinema decaiu em apenas três anos. Todos se lembram de Titanic, não é mesmo? Leonardo di Caprio, Kate Winslet... Pois é. Pensando bem, no filme de James Cameron ao menos havia um certo sentido naquele triângulo amoroso. Para aqueles que gostam de ver chifre em cabeça de cavalo (aqui este recurso se faz necessário), pode-se até dizer que havia ali uma pitada de luta de classes (Marx deve ter dado três pulinhos em sua tumba agora!). Em Pearl Harbor, a história de amor não tem sentido. Não passa de um folhetim de corar um José de Alencar. Os diálogos foram escritos, por certo, por um roteirista de novela mexicana, cujo nome não aparece nos créditos. Coisas como "meu coração só bate por você", "nunca vou te esquecer, amor da minha vida", "batatinha quando nasce esparrama pelo chão" marcam o ouvido de quem assiste Pearl Harbor como aquele melado vermelho que envolve a maçã do amor.

Por que comparar um e outro filme? São as produções mais caras do cinema recente. São filmes que têm importantes fatos históricos como pano de fundo. São produções que primam pelos efeitos digitais. São filmes que despertam paixões arrebatadoras ou ódios mortais. São filmes que vão arrecadar uma enormidade de dinheiro e laudas e mais laudas de críticas e comentários - como este, infelizmente.

A que ponto o cinema chegou, pergunta-se?! Este é, finalmente, o fundo do poço? Temo que não... Esta hora e meia a que me refiro é, por assim dizer, o prólogo da história. Somos apresentados aos mocinhos e à mocinha do filme. Amigos de infância, um deles se apaixona, numa base aérea, pela enfermeira. O piloto, um verdadeiro herói americano, um ás dos céus da América, é também (doce e suave ironia) um disléxico. Como era de se esperar, os dois se apaixonam. Pois bem, somos também apresentados ao amigo do piloto (os nomes não nos interessam. Convém dizer que o disléxico é interpretado por Ben Affleck. Apropriadamente), também um apaixonado pela aviação e protegido pelo primeiro desde a infância. O personagem interpretado por Ben Affleck vai lutar na Inglaterra, onde acaba sendo derrubado por um caça alemão. Cai no mar, mas é resgatado. Só que, à enfermeirinha que ele deixou nos EUA, avisam que ele está morto. O que acontece então? Ganhou um prêmio quem disse: ela se apaixona pelo mui amigo. E eles ficam nesta lenga-lenga até que o piloto que todos consideravam como morto volta. Instala-se, então, um triângulo amoroso chinfrim quando explodem as primeiras bombas sobre Pearl Harbor.

Os japoneses, ah, os japoneses. No filme, eles são retratados como verdadeiros alienígenas de um ID-4 (alguém se lembra?). Todos têm cara de mau - que meda!! Nenhum deles dá um sorriso sequer. De qualquer forma, eles fizeram seu papel: bombardearam a base naval no Havaí e criaram um bom pretexto para os EUA entrarem na guerra...

... e fazerem este filme.

A patriotada americana em Pearl Harbor supera as espectativas. Modestamente, tenho de dizer que sabia que haveria patriotada. E não se trata, óbvio, de grande façanha. Quem viu os recentes O Resgate do Soldado Ryan ou O Patriota sabia que Pearl Harbor teria uma overdose de ufanismo. Passa da cota aceitável, contudo. Porque, para embasar seu patriotismo exacerbado, Pearl Harbor não hesita em subverter a história. O contra-ataque do filme, por exemplo, contra alvos pretensamente militares em Tóquio, é de uma mentira sem tamanho. Os EUA atacaram Tóquio, sim, mas atingiram muitos alvos civis (em Pearl Harbor, é bom lembrar, só foram atingidos alvos militares). Além disso, não tinha um propósito estratégico. Foi realizado tão-somente para levantar o moral das tropas americanas que se refaziam de Pearl Harbor. Sei que é lugar-comum, mas é aquela coisa: a história é contada pelos vencedores...

Ah, sim, sugiro a Hollywood - como se Hollywood me ouvisse!! - que fizesse um filme tão ou mais patriótico, tratando da bomba atômica: 100 mil mortos e cerca de meio milhão de feridos em Hiroshima e Nagasaki. Quero ver provar que foi algo honroso.

Assim como em Titanic, o que salva um pouco, mas só um pouco, Pearl Harbor são os efeitos especiais. O ataque à baía havaiana é um verdadeiro show, com explosões bastante realistas. O destaque vai para a explosão do U. S. S. Arizona, cujo paiol foi atingido. O navio, contam os relatos, chegou a levantar o casco todo sobre a água, como se vê no filme. Houve quem reclamasse dos marinheiros escorregando pelo convés dos navios que adernavam. Ora, é isto que acontece quando um navio aderna, seja ele um encouraçado de guerra ou o Titanic. As cenas de perseguição dos aviões P-40 aos "Zeros" japoneses são patéticas, porque parecem simuladores de computador. Há rasantes a cerca de um, dois metros do solo. E no meio da rua. Ridículo? Sejamos condescendentes com esta singela licença poética...

A única contribuição, mesmo, de Pearl Harbor ao cinema mundial é a criação de um roteiro revolucionário, porque não tem um vilão. Isto mesmo. A historinha boba do filme carece de um personagem carismático, como aquele aristocratazinho arrogante de Titanic (novamente ele). Os americanos são tutti buona gente. Quem me leu até aqui talvez esteja escandalizado com a pequena verdadezinha contida neste texto: Titanic é infinitamente superior a este Pearl Harbor. É como eu disse a um amigo depois de ter ido assistir a O Retorno da Múmia, comparado incessantemente à trilogia Indiana Jones pela imprensa pretensamente especializada: haverá um dia em que Spielberg será considerado um diretor tão clássico, difícil, hermético e obscuro quanto um Bergman.

Marx, PFL

Uma amiga, à mesa, tem uma idéia bastante interessante. Criticando o absurdo do academicismo no Brasil, com seu discurso monocórdico, pensa em defender uma tese que seria o supra-sumo do sofisma: uma leitura à direita de Karl Marx. Pode parecer absurdo, mas, que seria genial, ah, seria.

Bate-estaca

Stockhausen, maestro ou coisa que o valha, deu entrevista à revista Veja dizendo que a música eletrônica é a maior revolução musical jamais concebida pelo homem. Com um ego de deixar Caetano na lona, o maestro (ou coisa que o valha) alemão se diz o papa deste gênero de música e o único grande gênio da música erudita vivo. Acredite quem quiser.

Doido de Pedra

Bicho de Sete Cabeças, filme de Laís Bodanzky que deve estar nesta semana em circuito comercial, recebeu de Luis Carlos Merten, crítico do Estadão, um elogio superlativo: o melhor filme brasileiro da década, desde a retomada. Puxa! Sem saber disso, o autor do livro que deu origem ao filme, Austregésilo Carrano, andou por Curitiba, sua cidade natal, concedendo entrevistas no mínimo curiosas, nas quais dizia que o filme seria o representante do Brasil no Oscar 2002. If you know what I mean...

O ego é meu

Quem diz que arroz com feijão não combina com um bom vinho? Quem me assegura é o mesmo Ed Motta. Pouco tempo depois de eu dizer, aqui neste Digestivo, que arroz com feijão é uma obra-prima culinária.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 20/6/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2) de Diogo Salles
02. Eu, personagens de mim de Carina Destempero
03. Lições que aprendi com o Millôr de Diogo Salles


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CÓDIGO DA VINCI
DAN BROWN
ARQUEIRO
(2004)
R$ 20,00



O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO
ALLAN KARDEC
BOA NOVA
(2007)
R$ 7,00



GERAÇAO DELIVERY ADOLESCER NO MOMENTO ATUAL
CYBELLE WEINBERGORG

(2001)
R$ 9,00



CONTROLE ESTATÍSTICO DE QUALIDADE
ANTONIO FERNANDO BRANCO COSTA,EUGENIO KAHN EPPRECHT E LUIZ CEZAR RIBEIRO CARPINETTI
ATLAS
(2005)
R$ 80,00



FÍSICA 3 - ETETROMAGNETISMO - FÍSICA MODERNA - MANUAL DO PROFESSOR
BONJORNO / CLINTON / EDUARDO PRADO / CASEMIRO
FTD
(2013)
R$ 28,92



LAÇOS
R.D. LAING
VOZES
(1974)
R$ 15,00



COMMUNICATE WHAT YOU MEAN - GRAMMAR FOR HIGH-LEVEL ESL STUDENTS
CARROLL WASHINGTON POLLOCK
PRENTICE HALL REGENTS
(1982)
R$ 18,00



NAMOROS COM A MEDICINA
MÁRIO DE ANDRADE
MARTINS
(1972)
R$ 40,00



NOÇÕES BÁSICAS PARA ASSISTÊNCIA EM CC, SR E CME- SÉRIE MELHORES P
NERY JOSÉ DE OLIVEIRA JUNIOR
MORIÁ
(2012)
R$ 42,82



NAVEGANDO PELA HISTÓRIA 6º ANO
SILVIA PANAZZO & MARIA LUÍSA VAZ
QUINTETO
(2009)
R$ 20,00





busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês