Por que corremos e não chegamos a lugar algum | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
79144 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Folhetim
>>> A discreta crise criativa das novelas brasileiras
>>> Um post sem graça
>>> Política em perguntas
>>> Os Estertores da Razão
>>> Encontro com Marina Silva
>>> Palavrões
>>> Pequena poética do miniconto
>>> Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev
>>> O número um
Mais Recentes
>>> Os Dez Mandamentos. Princípios Divinos Para Melhor Seus Relacionamentos. de Loron Wade pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Esperança Para A Família. O Caminho Para Um Final Feliz de Willie E Elaine Oliver - Alejandro Bullón pela Casa Publicadora Brasileira (2018)
>>> Viva Com Esperança. Segredos para ter saúde e qualidade de vida. de Mark Finley - Peter Landless pela Casa Publicadora Brasileira (2014)
>>> Esperança Para Viver. O VERDADEIRO CAMINHO DA FELICIDADE. de Ellen G. White. pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Esperança Viva. Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora Brasileira (2016)
>>> Cascão 360 - Outubro/2000 - Uma Folha De Jornal, Mil Idéias na cabeça de Maurício de Sousa pela Globo (2000)
>>> Chico Bento 354 - Agosto/2000 - O Fenômeno de Maurício de Sousa pela Globo (2000)
>>> Magali 185 - Julho/1996 - Gato De Guarda - Editora Globo de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Ed & Lorraine Warren Lugar sombrio de Carmen Reed e AL snedeker & Ray Garton pela Darkside (2021)
>>> 1822 de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2010)
>>> A cabana de William P. Young pela Sextante (2008)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta (2014)
>>> Eram os Deus Astronautas? de Erich von Daniken pela Edições Melhoramentos (1977)
>>> Pequena Filocalia - O Livro Clássico da Igreja Oriental de Vários Autores pela Paulus (1985)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> Búfalo - Zodíaco Chinês de Catherine Aubier pela Pensamento (1982)
>>> Sociologia e Sociedade - Leituras de introdução á Sociologia. de José de Souza Martins pela Livros Tecnicos (1977)
>>> Luz Emergente - A Jornada da Cura Pessoal de Barbara Ann Brennan pela Cultrix (1993)
>>> Os homens dos Pés Redondos de Antônio Torres pela Francisco Alves (1973)
>>> Maça Profana de Wellington Soares pela The Books (2003)
>>> Teologia do Novo Testamento de George Eldon Laad pela Juerp (1985)
>>> Colette - Uma Biografia de Allan Massie pela Casa Maria (1989)
>>> Enigmas Bíblicos Revelados de Ernesto Barón pela Ceg (1998)
>>> Salvador de Sá e aluta pelo Brasil e Angola 1602-1686 Vol. 353 de C. R. boxer pela Ed. da usp (1973)
>>> Relações da Psicanálise com analistas, instituições e pacientes de David Zimmermann pela Artes Médicas (1988)
>>> Os Africanos no Brasil Vol. 9 de Nina Rodrigues pela Companhia Ed. Nacional (1997)
>>> Na Colméia do inferno - 1ª coleção veredas de Pedro Bandeira pela Moderna (1991)
>>> Os libertos: sete caminhos na liberdade de escravos da Bahia no século XIX de Pierre verger pela Corrupio (1992)
>>> Ao passar das caravanas ciganas de Valéria Sanchez Silva Contrucci pela Zenda (1995)
>>> O Jesus Histórico de Otto Borchert pela Sociedade religiosa edições vida nova (1985)
>>> Contra a Maré: Watchman Nee de Angus Kinnear pela Clc (1989)
>>> Encontro Com a Morte de Agatha Christie pela Record (1987)
>>> Por uma sociologia do protestantismo brasileiro de Vários autores pela Umesp (2000)
>>> Liberdade e Exclusivismo: ensaios sobre os batistas ingleses de Zaqueu Moreira de Oliveira pela STBNB edições (1997)
>>> Teologia Oriental: A identidade das igrejas orientais católicas no Codex Canonum Ecclesiarum Orientalum Vol. III de Thodoro Corrêa de Oliveira pela Gráfica (2009)
>>> Introdução ao estudo do novo testamento de Broadus David Hale pela Juerp (1985)
>>> Aquinas - Selected Philosophical Writings de Tomás De Aquino pela Oxford University Press (1993)
>>> Histórias Com Gente Dentro de Guaracy Pinto pela do Autor (2011)
>>> A Morte da Socialite de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 10 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 1 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse 2 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> O Fazedor de Nuvens de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 13 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 12 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 11 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 6 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 5 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 4 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 8 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/10/2004
Por que corremos e não chegamos a lugar algum
Adriana Baggio

+ de 3900 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Neste último domingo, dia 24, a coluna do Carlos Heitor Cony falava sobre o comportamento das pessoas em um aeroporto. O atraso do vôo provocava diversos níveis de indignação, exceto em uma senhora que aproveitava o tempo perdido (?) para fazer crochê. Lendo a coluna do Cony, lembrei do livro que anda pela minha cabeceira ultimamente: Mídias sem limite: como a torrente de imagens e sons domina nossas vidas (Civilização Brasileira, 2003).

Apesar do título apocalíptico, meio comum nesses livros que procuram explicar a nossa relação com a mídia, o texto é leve, irónico e bem acessível. A proposta do autor, Todd Gitlin, é entender o porquê do nosso fascínio e submissão às mídias, indo além da clássica abordagem de um fenômeno produzido pela Revolução Industrial.

É claro que o processo de automatização da produção, o surgimento de novas tecnologias e as mudanças nas relações com o trabalho interferem na situação que se vive hoje. Mas não se trata somente disso. É preciso entender as motivações interiores para poder compreender o papel que a humanidade, principalmente a ocidental, aceitou representar em um mundo regido pelo poder das imagens.

Voltando à senhora do aeroporto, o que me fez lembrar do livro foi a questão tempo, intimamente ligada à velocidade, abordada por Todd Gitlin. Para o autor, um dos fatores que explicam nosso fascínio pelos produtos midiáticos é a necessidade que temos de ir mais rápido, ou de fazer mais rápido, não como um meio para se obter algo, mas como um fim em si. Partindo da premissa básica do capitalismo - tempo é dinheiro -, é evidente que as pessoas correm para ganhar mais dinheiro, ou para ganhar mais tempo, o que acaba sendo a mesma coisa. Mas a incoerência é que, quando conseguem tempo, não sabem muito bem o que fazer com ele. Voltar da praia em um feriado, por exemplo, é um desafio para muitos motoristas que vêem na viagem uma oportunidade de vencer suas limitações em relação ao tempo, tendo como único objetivo contar uma vantagem para os colegas de escritório no dia seguinte. Chegar em casa mais cedo significa, para muitos deles, sentar na frente da televisão para ver nada.

A evolução da humanidade baseia-se em formas de fazer as coisas mais facilmente e mais rapidamente. No capitalismo, fazer mais rápido significa fazer mais. Para consumir tudo isso, é preciso que as pessoas também consumam mais rápido, que essas coisas durem menos, ou pelo seu tempo de utilidade ou pela sua afinidade com o contexto. Rapidez virou uma qualidade em si. Por isso, está presente também na forma como os diferentes produtos midiáticos são elaborados e apresentados.

Mídias sem limite comenta a diferença entre a velocidade de imagens nos filmes de ontem e de hoje. Os cortes secos, as perseguições dos thrillers de ação, as múltiplas imagens dividindo a mesma tela de TV, os games. A velocidade tornou-se uma estética. A imagem em movimento é relativamente recente. Como qualquer linguagem, precisou ser aprendida. Para as novas gerações, que já nasceram alfabetizados nessa nova linguagem, fica mais fácil lidar com essa rapidez. Aliás, a velocidade, para eles, é atributo essencial para despertar o interesse pelas imagens e pelos produtos.

Mas Todd Gitlin não cai na tentação de outros críticos da indústria cultural de satanizar a mídia e colocar as pessoas como vítimas. Na verdade, escolhemos viver mais rápido. Em determinados momentos da História, o homem pôde escolher entre trabalhar menos ou ganhar mais. Ele optou pelo segundo. Mais dinheiro, menos tempo: está aí a situação que cria uma necessidade de consumo da velocidade.

As pessoas vivem suspirando por mais tempo, enumerando as atividades que realizariam se tivessem mais dele. Quando conseguem, a ansiedade não permite que se aproveite esse tempo. Por isso a internet em casa, o celular sempre ligado, a companhia da televisão ou de um filme, muito mais pelo foco de atenção que se tornam do que pelo seu conteúdo.

Em contrapartida, existe um movimento de valorização da lentidão: slow food, viagens de trem, rituais orientais, artesanato, jardinagem, caminhada. Uma alternativa para quem não quer se sentir dominado pela velocidade. É claro, opções tão negociadas e consumidas como qualquer outro produto.

No fundo, busca-se a velocidade como prazer, procura-se dominar o tempo. Quanto mais coisas você conseguir fazer em determinando período, mais reafirma sua superioridade em relação às leis natureza. Gitlin coloca que o tempo é a forma que Deus tem para mostrar que ainda é Ele quem manda. Tudo bem, Einstein provou a possibilidade de dominarmos o tempo, pervertermos seu funcionamento. Voltar no tempo é fugir da inexorabilidade da morte, a motivação por trás de todo o prazer que buscamos. Mas fugir da morte é viver?

No filme Teoria do amor, o Einstein interpretado pelo ator Walter Matthau questiona seus colegas: quem é mais feliz? A pessoa que passou 30 anos viajando no espaço em alta velocidade, e volta sem envelhecer um dia sequer, ou aquele que passou seus 30 anos em terra, estudou, trabalhou, casou, teve filhos e ganhou um monte de rugas?

Acho que feliz de verdade é a senhora que faz crochê na crônica do Cony. O tempo passa para ela na mesma velocidade que passa para as outras pessoas no saguão do aeroporto. Enquanto as outras se debatem, furiosas, porque o tempo corre de uma forma que não foi a escolhida por elas, a senhora aproveita para continuar tecendo sua vida.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 28/10/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa de Elisa Andrade Buzzo
02. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
03. Você sabe quem escreveu seu show preferido? de Fabio Gomes
04. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos
05. American Horror Story: Asylum de Duanne Ribeiro


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004
05. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/10/2004
09h13min
Adriana, o grande Euclides da Cunha, autor de "Os Sertões", profetizou "estamos condenados a civilização ou progredimos ou morreremos". Então, não consigo enxergar com outros olhos a perspectiva do tempo que possuímos atualmente. Devemos, sim, alternar nosso dia-a-dia, talvez, como a senhora que faz crochê ou, quem sabe, como as crianças que brincam tranqüilas no parque. Afinal, viver é bem mais simples do que imaginamos.
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
29/10/2004
11h52min
Caro Elvis, obrigada pelo comentário. Sinto que parar para fazer crochê é quase como ficar estático enquanto as pessoas correm para fugir de um incêndio. Parece que é morte certa, mas na verdade é a possibilidade de salvação. A única maneira de dominar o tempo é a gente fazer o que quiser dele, e não correr porque todo mundo está correndo. Por falar nisso, deixa eu terminar esse texto logo e voltar a trabalhar! :)
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
29/10/2004
13h33min
Ontem fiz exatamente o que vc falou. Corri, ganhei tempo para chegar em casa e fiquei na frente da televisão, passiva e exausta. O tempo passou e não soube o que fazer com ele...
[Leia outros Comentários de Claudia Arantes]
30/10/2004
18h52min
Eu acho que o problema não está no capitalismo. O "problema" está mesmo em cada indivíduo. Eu acredito que por causa do capitalismo mesmo, tive a oportunidade de estudar, de viver em lugares diferentes, e partcipar da minha maneira na sociedade. Talvez não seja o padrão de sucesso capitalista, mas sinto que não sou forçado a estar "na melhor casa", no "melhor carro" ou com "melhores pessoas". Pelo contrário, a liberdade me parece algo interno, atrelado a cada pessoa. É livre quem investiga suas idéias, quem experimenta criar coisas, seja uma receita a noite para um amigo, seja um quadro ou uma música para o filho. Eu já vi pessoas nervosamente tecendo no metrô, como já vi pessoas bastante agitadas calmamente vivendo a vida. Talvez, a velocidade da sociedade, é a velocidade com que nos acostumamos a querer encontrar ideais na sociedade, lemas, "super poderes", para guiar nosso jeito de ser e sentir. Quando acreditamos que palavras substitutem o contato, idéias substituem a vivência, salas de arte ocupam os lugares dos parques e jardins, e pensar substitui ser pleno, certamente nos desligamos da única coisa realmente livre: nossa identidade pessoal e universal. Aproveite um dia destes para deixar idéias, livros, pensamentos em casa, e descansar na areia da tarde de uma praia pertinho de casa. De repente, tudo parece que está no lugar certo. É o problema do Nossoísmo... Nunca, nada parece estar no lugar certo, exceto que o certo é a ilusão da nossa mente.
[Leia outros Comentários de Ram]
3/11/2004
14h48min
Muito bom, Adriana. Talvez seja a melhor coluna sua que li. É mesmo... pobre tempo ser dinheiro. Acho que tempo é a coisa mais preciosa que eu tenho, a maior riqueza que... posso "comprar" com minhas horas trabalhadas. Mas conseguir mais tempo, pra mim, significa mais tempo mesmo, que eu não gasto à toa nunca com televisão ou coisas do tipo. No fim das contas, só fico imaginando a velhinha fazendo tricô no aeroporto, acho que ela tá mais para melancolia do que felicidade. Eu mesmo jamais iria para um aeroporto, pronto para viajar, com amigos coisa e tal, e iria fazer tricô ao invés de tomar uma cerveja. (Mas tá, ela é velha, a gente dá um desconto.)
[Leia outros Comentários de Víktor Waewell]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Manual de Terapêutica Clínica
Jay W Smith
Cooperativa Edit de Cultura Me
(1971)
R$ 18,82



Manual De Direito Penal - Vol. 1 - 24ªed.
Julio Fabbrini Mirabete
Atlas
(2007)
R$ 50,00



Rio de Janeiro: Preservação e Modernidade
Annie Dornelles Facó e Outros (capa Dura)
Sextante
(1998)
R$ 25,82



Hernani Drame
Victor Hugo
Classsiques Larousse
R$ 25,00



Amigos da Bola
P. G. Cruzetta
Litteris
(2014)
R$ 5,04



Poder S. A. Histórias Possíveis do Mundo Corporativo
Beto Ribeiro
Marco Zero
(2009)
R$ 5,00



História do Dia - um Olhar Sobre o Cotidiano pela Trajetória de 50 Pes
Daniela Penha
Outras Palavras
R$ 25,00



O último dos Moicanos
J Fenimore Cooper
Companhia Nacional
(2005)
R$ 25,00



Entre o Passado e o Futuro - 7ª Edição - 2ª Reimpressão
Hannah Arendt
Perspectiva
(2014)
R$ 48,95



A América sem Nome
Maria José de Queiroz
Agir
(1997)
R$ 19,00





busca | avançada
79144 visitas/dia
2,4 milhões/mês