Por que corremos e não chegamos a lugar algum | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
36560 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> O Vendedor de Passados
>>> A difícil arte de saber mais um pouco
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Casimiro de Brito
>>> Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé
>>> Só uma descrição
>>> 7 de Agosto #digestivo10anos
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Crônica, um gênero brasileiro
Mais Recentes
>>> Almanaque Wicca 2006 de N/a pela Pensamento (2019)
>>> Data Science do Zero - primeiras regras com python de Joel Grus pela Alta Books (2016)
>>> Python para Análise de Dados - tratamento de dados com pandas, numpy e ipython de Wes McKinney pela O'Reilly (2018)
>>> A História de The Zondervan Corporation pela Sextante (2012)
>>> Em Guarda de William Lane Craig pela Companhia das Letras (2011)
>>> A vida e as opiniões do cavalheiro Tristram Shandy de Lawrence Sterne pela Companhia das Letras (1998)
>>> The Book of Genesis de Robert Crumb pela W. W. Norton & Company (2009)
>>> Armada de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Jogador Número 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Senhorita Christina de Mircea Eliade pela Alaúde (2011)
>>> Introdução à Teoria Geral da Administração - Edição Compacta de Idalberto Chiavenato pela Campus (1999)
>>> Drácula de Bram Stoker; Becky Cloonan pela HarperCollins (2012)
>>> La Misere du Monde de Bourdieu, Pierre pela Seuil (1993)
>>> O Poder Americano e os Novos Mandarins de Noam Chomsky pela Record (2006)
>>> O Banqueiro do Mundo - Lições de Liderança do Diplomata das Finanças Globais de William R. Rhodes pela GloboLivros (2012)
>>> O Sinal - O Santo Sudário e o Segredo da Ressurreição de Thomas de Wesselow pela Paralela (2012)
>>> Conectado - O Que a Internet fez com Você e o Que Você Pode Fazer Com Ela de Juliano Spyer pela Zahar (2007)
>>> Economia nua e crua - O Que é, Para que Serve, Como Funciona de Charles Wheelan pela Zahar (2014)
>>> A Era do Inconcebível - a Desordem do Mundo Não Deixa de nos Surpreender de Joshua Cooper Ramo pela Companhia Das Letras (2010)
>>> A sacada - Como empreendedores Inteligentes Superam Desafios de Norm Brodsky e Bo Burlingham pela Best Business (2009)
>>> Blowback - Os custos e as consequências do império americano de Chalmers Johnson pela Record (2007)
>>> Um breve história do século xx de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2008)
>>> A Virada - O CEO que Ergueu os Negócios na AT&T e GM de Ed Whitacre e Leslie Cauley pela Elsevier (2013)
>>> A Doutrina dos 20% de Ryan Tate pela Elsevier (2012)
>>> Descubra o Seu Economista Interior de Tyler Cowen pela Record (2009)
>>> A Crise e Seus Efeitos - As Culturas Econômicas da Mudança de Manuel Castells, Gustavo Cardoso, João Caraça pela Paz e Terra (2013)
>>> Surtando em Wall Street - Memórias de um operador do Lehman Brothers de Jared Dillian pela Zahar (2014)
>>> Java Como Programar 6º Edição de Paul Deitel e Harvey Deitel pela Pearson Prentice Hall (2007)
>>> Gestão de Riscos nos Modelos de Negócios de Karan Girotra e Seguei Netessine pela Elsevier (2014)
>>> Código de Processo Civil Anotado... Atual. Até a Lei N. 10. 444, De... de Sálvio de Figueiredo Teixeira/Min. STJ/STE/ Autografado pela Saraiva (2003)
>>> Para Viver em Paz. O Milagre da Mente Alerta de Thich Nhat Hanh pela Vozes (1985)
>>> Uma Paixão no Deserto de Honoré de Balzac pela Paulinas (1988)
>>> Direito Penal - Volume 1/ Encadernado de Giuseppe Bettiol pela Revista dos Tribunais (1966)
>>> Bicho-do-mato de Martha Azevedo Pannunzio pela José Olimpio (1985)
>>> O jogo do bicho como jogar e ganhar de Gehisa Saldanha pela Ediouro (1986)
>>> Contos da Carochinha (Biblioteca Infantil- 11 Volumes Encadernados) de Figueiredo Pimental (e Colaboradores) pela Livr. Quaresma/ RJ. (1956)
>>> 30 anos à frente do Museu Lasar Segall de Mauricio Segall pela Museu Lasar Segall (2001)
>>> Da Prescrição Penal de Antonio Rodríguez Porto pela José Bushatsjy (1977)
>>> Cuerpo Del Derecho Civil de Bartolomé Rodriguez de Fonseca pela Tip.de Narciso Ramirez Y.C (1874)
>>> Freakonomics. O Lado Oculto E Inesperado De Tudo Que Nos Afeta de Steven D. Levitt e Stephen J. Dubner pela Campus (2007)
>>> A Semântica de Pierre Giraud pela Difel (1975)
>>> As 48 Leis do Poder de Robert Greene pela Rocco (2000)
>>> Convenções da Oit de Sérgio Pinto Martins pela Atlas (2009)
>>> Manual de Português- 3ª e 4ª Séries (ginasiais) de Celso Cunha pela Livr. São José/ RJ. (1964)
>>> As Nulidades no Direito do Trabalho de Ari Pedro Lorenzetti pela Ltr (2008)
>>> O Sucesso Segundo DEUS de Antônio Carlos Costa pela Pórtico (2016)
>>> O Que É Correto: A Verdade na Analise... (Num. Autenticado) de Dr. Candido Lago pela Typographia Am. / RJ. (1932)
>>> Projetos Culturais - técnicas de modelagem de Hermano Roberto Thiry-Cherques pela FGV (2008)
>>> Dama de Copas de Cecília Costa pela Record/ RJ. (2003)
>>> Guinada de Cecília Vasconcellos pela Record/ RJ. (2001)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/10/2004
Por que corremos e não chegamos a lugar algum
Adriana Baggio

+ de 3600 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Neste último domingo, dia 24, a coluna do Carlos Heitor Cony falava sobre o comportamento das pessoas em um aeroporto. O atraso do vôo provocava diversos níveis de indignação, exceto em uma senhora que aproveitava o tempo perdido (?) para fazer crochê. Lendo a coluna do Cony, lembrei do livro que anda pela minha cabeceira ultimamente: Mídias sem limite: como a torrente de imagens e sons domina nossas vidas (Civilização Brasileira, 2003).

Apesar do título apocalíptico, meio comum nesses livros que procuram explicar a nossa relação com a mídia, o texto é leve, irónico e bem acessível. A proposta do autor, Todd Gitlin, é entender o porquê do nosso fascínio e submissão às mídias, indo além da clássica abordagem de um fenômeno produzido pela Revolução Industrial.

É claro que o processo de automatização da produção, o surgimento de novas tecnologias e as mudanças nas relações com o trabalho interferem na situação que se vive hoje. Mas não se trata somente disso. É preciso entender as motivações interiores para poder compreender o papel que a humanidade, principalmente a ocidental, aceitou representar em um mundo regido pelo poder das imagens.

Voltando à senhora do aeroporto, o que me fez lembrar do livro foi a questão tempo, intimamente ligada à velocidade, abordada por Todd Gitlin. Para o autor, um dos fatores que explicam nosso fascínio pelos produtos midiáticos é a necessidade que temos de ir mais rápido, ou de fazer mais rápido, não como um meio para se obter algo, mas como um fim em si. Partindo da premissa básica do capitalismo - tempo é dinheiro -, é evidente que as pessoas correm para ganhar mais dinheiro, ou para ganhar mais tempo, o que acaba sendo a mesma coisa. Mas a incoerência é que, quando conseguem tempo, não sabem muito bem o que fazer com ele. Voltar da praia em um feriado, por exemplo, é um desafio para muitos motoristas que vêem na viagem uma oportunidade de vencer suas limitações em relação ao tempo, tendo como único objetivo contar uma vantagem para os colegas de escritório no dia seguinte. Chegar em casa mais cedo significa, para muitos deles, sentar na frente da televisão para ver nada.

A evolução da humanidade baseia-se em formas de fazer as coisas mais facilmente e mais rapidamente. No capitalismo, fazer mais rápido significa fazer mais. Para consumir tudo isso, é preciso que as pessoas também consumam mais rápido, que essas coisas durem menos, ou pelo seu tempo de utilidade ou pela sua afinidade com o contexto. Rapidez virou uma qualidade em si. Por isso, está presente também na forma como os diferentes produtos midiáticos são elaborados e apresentados.

Mídias sem limite comenta a diferença entre a velocidade de imagens nos filmes de ontem e de hoje. Os cortes secos, as perseguições dos thrillers de ação, as múltiplas imagens dividindo a mesma tela de TV, os games. A velocidade tornou-se uma estética. A imagem em movimento é relativamente recente. Como qualquer linguagem, precisou ser aprendida. Para as novas gerações, que já nasceram alfabetizados nessa nova linguagem, fica mais fácil lidar com essa rapidez. Aliás, a velocidade, para eles, é atributo essencial para despertar o interesse pelas imagens e pelos produtos.

Mas Todd Gitlin não cai na tentação de outros críticos da indústria cultural de satanizar a mídia e colocar as pessoas como vítimas. Na verdade, escolhemos viver mais rápido. Em determinados momentos da História, o homem pôde escolher entre trabalhar menos ou ganhar mais. Ele optou pelo segundo. Mais dinheiro, menos tempo: está aí a situação que cria uma necessidade de consumo da velocidade.

As pessoas vivem suspirando por mais tempo, enumerando as atividades que realizariam se tivessem mais dele. Quando conseguem, a ansiedade não permite que se aproveite esse tempo. Por isso a internet em casa, o celular sempre ligado, a companhia da televisão ou de um filme, muito mais pelo foco de atenção que se tornam do que pelo seu conteúdo.

Em contrapartida, existe um movimento de valorização da lentidão: slow food, viagens de trem, rituais orientais, artesanato, jardinagem, caminhada. Uma alternativa para quem não quer se sentir dominado pela velocidade. É claro, opções tão negociadas e consumidas como qualquer outro produto.

No fundo, busca-se a velocidade como prazer, procura-se dominar o tempo. Quanto mais coisas você conseguir fazer em determinando período, mais reafirma sua superioridade em relação às leis natureza. Gitlin coloca que o tempo é a forma que Deus tem para mostrar que ainda é Ele quem manda. Tudo bem, Einstein provou a possibilidade de dominarmos o tempo, pervertermos seu funcionamento. Voltar no tempo é fugir da inexorabilidade da morte, a motivação por trás de todo o prazer que buscamos. Mas fugir da morte é viver?

No filme Teoria do amor, o Einstein interpretado pelo ator Walter Matthau questiona seus colegas: quem é mais feliz? A pessoa que passou 30 anos viajando no espaço em alta velocidade, e volta sem envelhecer um dia sequer, ou aquele que passou seus 30 anos em terra, estudou, trabalhou, casou, teve filhos e ganhou um monte de rugas?

Acho que feliz de verdade é a senhora que faz crochê na crônica do Cony. O tempo passa para ela na mesma velocidade que passa para as outras pessoas no saguão do aeroporto. Enquanto as outras se debatem, furiosas, porque o tempo corre de uma forma que não foi a escolhida por elas, a senhora aproveita para continuar tecendo sua vida.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 28/10/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gabo, os escritores e a política de Wellington Machado
02. American Dream de Marilia Mota Silva
03. Tarifa de ônibus: estamos prontos p/ pagar menos? de Adriana Baggio
04. Paris, a festa continuou de Humberto Pereira da Silva
05. Suspense, Crimes ... e Livros! de Ricardo de Mattos


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/10/2004
09h13min
Adriana, o grande Euclides da Cunha, autor de "Os Sertões", profetizou "estamos condenados a civilização ou progredimos ou morreremos". Então, não consigo enxergar com outros olhos a perspectiva do tempo que possuímos atualmente. Devemos, sim, alternar nosso dia-a-dia, talvez, como a senhora que faz crochê ou, quem sabe, como as crianças que brincam tranqüilas no parque. Afinal, viver é bem mais simples do que imaginamos.
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
29/10/2004
11h52min
Caro Elvis, obrigada pelo comentário. Sinto que parar para fazer crochê é quase como ficar estático enquanto as pessoas correm para fugir de um incêndio. Parece que é morte certa, mas na verdade é a possibilidade de salvação. A única maneira de dominar o tempo é a gente fazer o que quiser dele, e não correr porque todo mundo está correndo. Por falar nisso, deixa eu terminar esse texto logo e voltar a trabalhar! :)
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
29/10/2004
13h33min
Ontem fiz exatamente o que vc falou. Corri, ganhei tempo para chegar em casa e fiquei na frente da televisão, passiva e exausta. O tempo passou e não soube o que fazer com ele...
[Leia outros Comentários de Claudia Arantes]
30/10/2004
18h52min
Eu acho que o problema não está no capitalismo. O "problema" está mesmo em cada indivíduo. Eu acredito que por causa do capitalismo mesmo, tive a oportunidade de estudar, de viver em lugares diferentes, e partcipar da minha maneira na sociedade. Talvez não seja o padrão de sucesso capitalista, mas sinto que não sou forçado a estar "na melhor casa", no "melhor carro" ou com "melhores pessoas". Pelo contrário, a liberdade me parece algo interno, atrelado a cada pessoa. É livre quem investiga suas idéias, quem experimenta criar coisas, seja uma receita a noite para um amigo, seja um quadro ou uma música para o filho. Eu já vi pessoas nervosamente tecendo no metrô, como já vi pessoas bastante agitadas calmamente vivendo a vida. Talvez, a velocidade da sociedade, é a velocidade com que nos acostumamos a querer encontrar ideais na sociedade, lemas, "super poderes", para guiar nosso jeito de ser e sentir. Quando acreditamos que palavras substitutem o contato, idéias substituem a vivência, salas de arte ocupam os lugares dos parques e jardins, e pensar substitui ser pleno, certamente nos desligamos da única coisa realmente livre: nossa identidade pessoal e universal. Aproveite um dia destes para deixar idéias, livros, pensamentos em casa, e descansar na areia da tarde de uma praia pertinho de casa. De repente, tudo parece que está no lugar certo. É o problema do Nossoísmo... Nunca, nada parece estar no lugar certo, exceto que o certo é a ilusão da nossa mente.
[Leia outros Comentários de Ram]
3/11/2004
14h48min
Muito bom, Adriana. Talvez seja a melhor coluna sua que li. É mesmo... pobre tempo ser dinheiro. Acho que tempo é a coisa mais preciosa que eu tenho, a maior riqueza que... posso "comprar" com minhas horas trabalhadas. Mas conseguir mais tempo, pra mim, significa mais tempo mesmo, que eu não gasto à toa nunca com televisão ou coisas do tipo. No fim das contas, só fico imaginando a velhinha fazendo tricô no aeroporto, acho que ela tá mais para melancolia do que felicidade. Eu mesmo jamais iria para um aeroporto, pronto para viajar, com amigos coisa e tal, e iria fazer tricô ao invés de tomar uma cerveja. (Mas tá, ela é velha, a gente dá um desconto.)
[Leia outros Comentários de Víktor Waewell]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEORIA DA COMUNICAÇÃO HUMANA
FRANK E. X. DANCE (ORG.)
CULTRIX
(1973)
R$ 13,65



O MUNDO DA ELETRICIDADE
OTTAVIANO DE FIORE DI CROPANI

R$ 5,00



MAUÁ
LUCIO CARDOSO
MEC (RJ)
R$ 25,28



MUDAM OS TEMPOS
ANNA MARIA MARTINS
GIRAFA
(2003)
R$ 23,00



TÉCNICAS INDUSTRIAIS
KOEPPE / ZEDLER
EPU
(1976)
R$ 7,50



BIOLOGIA VOLUME UNICO 3ºED
ARMÊNIO UZUNIAN E ERNESTO
HARBRA
(2008)
R$ 24,90



PARA SEMPRE - EVERMORE
NOEL ALYSON
INTRINSECA
(2009)
R$ 12,80



UNIVERSOS DA PALAVRA - DA ALFABETIZAÇÃO À LITERATURA
ZULEIKA DE FELICE MURRIE; ALICE VIEIRE E OUTROS
IGLU
(1995)
R$ 13,00



CONTOS DE ARUANDA
ANDRÉ COZTA
MADRAS
(2013)
R$ 18,00



CONSTRUIR O HOMEM E O MUNDO
MICHEL QUOIST
DUAS CIDADES
(1987)
R$ 10,00





busca | avançada
36560 visitas/dia
1,0 milhão/mês