Por que corremos e não chegamos a lugar algum | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
70675 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> L7, que faz show em Porto Alegre com Black Flag dia 25 de outubro, lança nova música
>>> Menos1 Invisível apresenta 'Refúgio' no Teatro Flávio Império
>>> Favelivro inaugura Biblioteca Fábio Judice
>>> Espetáculo teatral Odila chega ao interior de Caxias do Sul
>>> Empresário caxiense que instalou complexo de energia em aldeia indígena no Acre lança documentário
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Graham Allison no All-In Summit (2023)
>>> Os mestres Alfredão e Sergião (2023)
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Grupos de teatro do Rio e de São Paulo em Paraty
>>> A rentável miséria da literatura
>>> 2008 e os meus CDs
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Hitchens no Digestivo
>>> Literatura e infância
>>> As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto
>>> Entrevista com Fabrício Carpinejar
>>> Durango Kid, jornalista
>>> Nova Gramática do Poder
Mais Recentes
>>> Mecanica Estática de James L. Meriam; L. G. Krange pela LTC (1969)
>>> Graphic Design Sourcebook de Liz McQuiston, Barry Kitts pela Little, Brown (1987)
>>> De Volta Aos Quinze de Bruna Vieira pela Gutenberg (2013)
>>> Primeiras estórias de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (2016)
>>> Êles Fizeram a História do Brasil - Volume 4 de Roberto Macedo pela Record
>>> Coleção Série - Suzune Magica - Vol. 1 ao 3 de Gan e Magica Quartet pela NewPop (2018)
>>> Quando a polícia mata: o massacre do comerciário barbosa de José Barbosa do Rosário pela Achiamé (1983)
>>> Livro Música Teletema A História da Música Popular Através da Teledramaturgia Brasileira Volume I 1964 a 1989 de Guilherme Bryan e Vincent Villari pela Dash (2014)
>>> Acupuntura Urbana de Jaime Lerner pela Record (2010)
>>> Codigo de Processo Civil Comentado Volume VI de Arruda Alvim pela Revista dos Tribunais (1975)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Minha Vida de Menina de Helena Morley pela Companhia de Bolso (2016)
>>> Livro Auto Ajuda Alianças Imperfeitas Virando o Jogo de Bruna Almeida e Maira Baptistussi pela Conquista (2016)
>>> Aves do Brasil Birds of Brazil de Helmut Sick; Dante Martins Teixeira pela Salamandra (1989)
>>> Livro Guerra Recordando os Bravos Eu Convivi Com Eles Campanha da Itália de Marechal Floriano de Lima Brayner pela Civilização Brasileira (1977)
>>> La Convocazione de John Grisham pela Mondaroni
>>> Livro Literatura Estrangeira Les plus beaux poèmes d'amour de Anthologie Presentee Par Marie-Anne Jost pela Librio (2005)
>>> Harry Potter e o Cálice de Fogo de J. K. Rowling pela Rocco (2019)
>>> Livro de Bolso Esoterismo Pranayama A Respiração para Revitalização Energética energia para você que não para nunca de Scott Shaw pela Nova Era (2007)
>>> Livro Infanto Juvenis Judy Moody Quer a Fama de Megan Mcdonald pela Salamandra (2004)
>>> O abraço da meia noite de Maria Glória Cardia de Castro pela Cortez (2011)
>>> O tesouro das virtudes para crianças de Ana Maria Machado pela Nova Fronteira (1999)
>>> Livro Saúde Minhas Melhores Dicas de Saúde Manual Prático de Qualidade de Vida do Dr. Rudiger Dahlke de Dr. Rüdiger Dahlke pela Cultrix (2012)
>>> Adele de Chas Newkey - Burden pela LeYa (2011)
>>> Biblia Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas de Tradução da versão Inglesa pela Sociedade Torre de vigia
>>> Livro Ensino de Idiomas Dr. Jekyll and Mr. Hyde de Robert Louis Stevenson pela Oxford Bookworms 4
COLUNAS

Quinta-feira, 28/10/2004
Por que corremos e não chegamos a lugar algum
Adriana Baggio
+ de 4500 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Neste último domingo, dia 24, a coluna do Carlos Heitor Cony falava sobre o comportamento das pessoas em um aeroporto. O atraso do vôo provocava diversos níveis de indignação, exceto em uma senhora que aproveitava o tempo perdido (?) para fazer crochê. Lendo a coluna do Cony, lembrei do livro que anda pela minha cabeceira ultimamente: Mídias sem limite: como a torrente de imagens e sons domina nossas vidas (Civilização Brasileira, 2003).

Apesar do título apocalíptico, meio comum nesses livros que procuram explicar a nossa relação com a mídia, o texto é leve, irónico e bem acessível. A proposta do autor, Todd Gitlin, é entender o porquê do nosso fascínio e submissão às mídias, indo além da clássica abordagem de um fenômeno produzido pela Revolução Industrial.

É claro que o processo de automatização da produção, o surgimento de novas tecnologias e as mudanças nas relações com o trabalho interferem na situação que se vive hoje. Mas não se trata somente disso. É preciso entender as motivações interiores para poder compreender o papel que a humanidade, principalmente a ocidental, aceitou representar em um mundo regido pelo poder das imagens.

Voltando à senhora do aeroporto, o que me fez lembrar do livro foi a questão tempo, intimamente ligada à velocidade, abordada por Todd Gitlin. Para o autor, um dos fatores que explicam nosso fascínio pelos produtos midiáticos é a necessidade que temos de ir mais rápido, ou de fazer mais rápido, não como um meio para se obter algo, mas como um fim em si. Partindo da premissa básica do capitalismo - tempo é dinheiro -, é evidente que as pessoas correm para ganhar mais dinheiro, ou para ganhar mais tempo, o que acaba sendo a mesma coisa. Mas a incoerência é que, quando conseguem tempo, não sabem muito bem o que fazer com ele. Voltar da praia em um feriado, por exemplo, é um desafio para muitos motoristas que vêem na viagem uma oportunidade de vencer suas limitações em relação ao tempo, tendo como único objetivo contar uma vantagem para os colegas de escritório no dia seguinte. Chegar em casa mais cedo significa, para muitos deles, sentar na frente da televisão para ver nada.

A evolução da humanidade baseia-se em formas de fazer as coisas mais facilmente e mais rapidamente. No capitalismo, fazer mais rápido significa fazer mais. Para consumir tudo isso, é preciso que as pessoas também consumam mais rápido, que essas coisas durem menos, ou pelo seu tempo de utilidade ou pela sua afinidade com o contexto. Rapidez virou uma qualidade em si. Por isso, está presente também na forma como os diferentes produtos midiáticos são elaborados e apresentados.

Mídias sem limite comenta a diferença entre a velocidade de imagens nos filmes de ontem e de hoje. Os cortes secos, as perseguições dos thrillers de ação, as múltiplas imagens dividindo a mesma tela de TV, os games. A velocidade tornou-se uma estética. A imagem em movimento é relativamente recente. Como qualquer linguagem, precisou ser aprendida. Para as novas gerações, que já nasceram alfabetizados nessa nova linguagem, fica mais fácil lidar com essa rapidez. Aliás, a velocidade, para eles, é atributo essencial para despertar o interesse pelas imagens e pelos produtos.

Mas Todd Gitlin não cai na tentação de outros críticos da indústria cultural de satanizar a mídia e colocar as pessoas como vítimas. Na verdade, escolhemos viver mais rápido. Em determinados momentos da História, o homem pôde escolher entre trabalhar menos ou ganhar mais. Ele optou pelo segundo. Mais dinheiro, menos tempo: está aí a situação que cria uma necessidade de consumo da velocidade.

As pessoas vivem suspirando por mais tempo, enumerando as atividades que realizariam se tivessem mais dele. Quando conseguem, a ansiedade não permite que se aproveite esse tempo. Por isso a internet em casa, o celular sempre ligado, a companhia da televisão ou de um filme, muito mais pelo foco de atenção que se tornam do que pelo seu conteúdo.

Em contrapartida, existe um movimento de valorização da lentidão: slow food, viagens de trem, rituais orientais, artesanato, jardinagem, caminhada. Uma alternativa para quem não quer se sentir dominado pela velocidade. É claro, opções tão negociadas e consumidas como qualquer outro produto.

No fundo, busca-se a velocidade como prazer, procura-se dominar o tempo. Quanto mais coisas você conseguir fazer em determinando período, mais reafirma sua superioridade em relação às leis natureza. Gitlin coloca que o tempo é a forma que Deus tem para mostrar que ainda é Ele quem manda. Tudo bem, Einstein provou a possibilidade de dominarmos o tempo, pervertermos seu funcionamento. Voltar no tempo é fugir da inexorabilidade da morte, a motivação por trás de todo o prazer que buscamos. Mas fugir da morte é viver?

No filme Teoria do amor, o Einstein interpretado pelo ator Walter Matthau questiona seus colegas: quem é mais feliz? A pessoa que passou 30 anos viajando no espaço em alta velocidade, e volta sem envelhecer um dia sequer, ou aquele que passou seus 30 anos em terra, estudou, trabalhou, casou, teve filhos e ganhou um monte de rugas?

Acho que feliz de verdade é a senhora que faz crochê na crônica do Cony. O tempo passa para ela na mesma velocidade que passa para as outras pessoas no saguão do aeroporto. Enquanto as outras se debatem, furiosas, porque o tempo corre de uma forma que não foi a escolhida por elas, a senhora aproveita para continuar tecendo sua vida.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 28/10/2004

Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004
05. Detefon, almofada e trato - 29/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/10/2004
09h13min
Adriana, o grande Euclides da Cunha, autor de "Os Sertões", profetizou "estamos condenados a civilização ou progredimos ou morreremos". Então, não consigo enxergar com outros olhos a perspectiva do tempo que possuímos atualmente. Devemos, sim, alternar nosso dia-a-dia, talvez, como a senhora que faz crochê ou, quem sabe, como as crianças que brincam tranqüilas no parque. Afinal, viver é bem mais simples do que imaginamos.
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
29/10/2004
11h52min
Caro Elvis, obrigada pelo comentário. Sinto que parar para fazer crochê é quase como ficar estático enquanto as pessoas correm para fugir de um incêndio. Parece que é morte certa, mas na verdade é a possibilidade de salvação. A única maneira de dominar o tempo é a gente fazer o que quiser dele, e não correr porque todo mundo está correndo. Por falar nisso, deixa eu terminar esse texto logo e voltar a trabalhar! :)
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
29/10/2004
13h33min
Ontem fiz exatamente o que vc falou. Corri, ganhei tempo para chegar em casa e fiquei na frente da televisão, passiva e exausta. O tempo passou e não soube o que fazer com ele...
[Leia outros Comentários de Claudia Arantes]
30/10/2004
18h52min
Eu acho que o problema não está no capitalismo. O "problema" está mesmo em cada indivíduo. Eu acredito que por causa do capitalismo mesmo, tive a oportunidade de estudar, de viver em lugares diferentes, e partcipar da minha maneira na sociedade. Talvez não seja o padrão de sucesso capitalista, mas sinto que não sou forçado a estar "na melhor casa", no "melhor carro" ou com "melhores pessoas". Pelo contrário, a liberdade me parece algo interno, atrelado a cada pessoa. É livre quem investiga suas idéias, quem experimenta criar coisas, seja uma receita a noite para um amigo, seja um quadro ou uma música para o filho. Eu já vi pessoas nervosamente tecendo no metrô, como já vi pessoas bastante agitadas calmamente vivendo a vida. Talvez, a velocidade da sociedade, é a velocidade com que nos acostumamos a querer encontrar ideais na sociedade, lemas, "super poderes", para guiar nosso jeito de ser e sentir. Quando acreditamos que palavras substitutem o contato, idéias substituem a vivência, salas de arte ocupam os lugares dos parques e jardins, e pensar substitui ser pleno, certamente nos desligamos da única coisa realmente livre: nossa identidade pessoal e universal. Aproveite um dia destes para deixar idéias, livros, pensamentos em casa, e descansar na areia da tarde de uma praia pertinho de casa. De repente, tudo parece que está no lugar certo. É o problema do Nossoísmo... Nunca, nada parece estar no lugar certo, exceto que o certo é a ilusão da nossa mente.
[Leia outros Comentários de Ram]
3/11/2004
14h48min
Muito bom, Adriana. Talvez seja a melhor coluna sua que li. É mesmo... pobre tempo ser dinheiro. Acho que tempo é a coisa mais preciosa que eu tenho, a maior riqueza que... posso "comprar" com minhas horas trabalhadas. Mas conseguir mais tempo, pra mim, significa mais tempo mesmo, que eu não gasto à toa nunca com televisão ou coisas do tipo. No fim das contas, só fico imaginando a velhinha fazendo tricô no aeroporto, acho que ela tá mais para melancolia do que felicidade. Eu mesmo jamais iria para um aeroporto, pronto para viajar, com amigos coisa e tal, e iria fazer tricô ao invés de tomar uma cerveja. (Mas tá, ela é velha, a gente dá um desconto.)
[Leia outros Comentários de Víktor Waewell]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os detetives do prédio azul 495
Flávia Lins
Pequena Zahar
(2016)



Medicina do trabalhado e perícia médica
João Baptista Opitz Júnior
Santos
(2011)



A Essencial Arte de Parar
Dr. David Kundtz
Sextante
(1999)



Diálogos Lgbti+ - Avançando Lutas e Conjugando Campos
Rafael Carrano Lelis e Marcos Felipe Lopes
Todxs
(2019)



Quando as Viagens São Memórias
Urania Hauer
Cbag



Buddhism: the Awakening of Compassion and Wisdom
Ching Kung
Cbbef
(2016)



Conecte Química 1 - Primeira Parte
João Usberco; Edgard Salvador
Saraiva
(2011)



Os Detetives do Farol
Klaus Bliesener
Ática
(1998)



Confie Em Você
Julie Mitchell Marra e Kim Anderson Fotografias
Vr



O Jogo de Búzios
Monica Buonfiglio
Companhia dos Anjos





busca | avançada
70675 visitas/dia
1,7 milhão/mês