Kurosawa | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
30196 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/2/2003
Kurosawa
Maurício Dias

+ de 2800 Acessos

legenda

Akira Kurosawa nasceu em 1910. Quando jovem desejava ser pintor, mas só conseguiu algum reconhecimento como ilustrador, fazendo anúncios publicitários. Esta prática lhe seria útil mais tarde em sua carreira cinematográfica, pois o próprio Kurosawa se encarregaria de fazer os story-boards de seus filmes - "story-boards" são ilustrações mostrando o ângulo de câmera desejado pelo diretor, assim como a disposição dos atores e dos objetos no cenário em uma cena específica.

Aos 26 anos teve a oportunidade entrar nos estúdios da PCL, associados à famosa produtora Toho. Trabalhou alguns anos como assistente de direção e roteirista.

Durante a Segunda Guerra Mundial dirige seu primeiro filme, "A Vida De Um Lutador De Judô". Em 1949 dirigiu pela primeira vez o - então jovem - ator Toshiro Mifune.

Muitos dos grandes diretores de cinema estabeleceram um ator como sendo seu alter-ego em muitos de seus filmes. São famosas as dobradinhas Billy Wilder/Jack Lemmon, Fellini/Mastroianni, John Ford/John Wayne, mas creio que nenhuma terá sido tão fecunda e produtiva quanto a de Kurosawa com Mifune. Tudo o que se disser de bom sobre as interpretações nestes filmes ainda não será o suficiente para esclarecer o nível de excelência aí alcançado - para isso, só vendo os filmes.

Aos não familiarizados, a interpretação de Mifune poderá causar em alguns momentos uma estranheza, pois muitas vezes são acompanhadas de gritos e gesticulação excessiva, tradições do teatro japonês. Mas do patético Ronin inábil de Os Sete Samurais ao ganancioso e possesso nobre que aspira à coroa em Trono Manchado de Sangue, pode-se notar uma fúria e inquietação artísticas que no cinema ocidental talvez só tenham paralelo nas interpretações de James Cagney em Fúria Sanguinária (White Heat, 1950, de Raoul Walsh) e James Dean em Vidas Amargas (East Of Eden, 1955, de Elia Kazan - de quem ainda iremos falar.).

A parceria se estendeu por dezesseis filmes, tendo sido lamentavelmente encerrada devido a uma cisão pessoal durante a filmagem de Barba Ruiva, em 1965. Por este filme o ator ganhou o prêmio de interpretação em Veneza, como já havia feito em Yojimbo, em 1961.

O sentido pictórico de Kurosawa é inegável. Ao escrever sobre seus filmes, algumas de suas grandes cenas vem à mente: a agonia do nobre cravado por dezenas de flechas - chega a parecer um ouriço - ao final de Trono Manchado de Sangue; a casamata em chamas em Ran, onde o velho senhor feudal enlouquece, e, em meio ao ardor da batalha atravessa as linhas inimigas e vai a um campo colher flores; o menino retardado que acha que é um trem em Dodeskaden, e percorre trilhos imaginários em meio a um cenário miserável e devastado; tudo em seus filmes é grandioso.

O humanismo de Kurosawa transborda na tela, muitas vezes explodindo sob a forma de violência, especialmente nos épicos, seja numa visão mais contemplativa e lírica, em filmes como Dodeskaden e Viver. "Viver" (1952) mostra o tema kafkaniano do indivíduo contra a burocracia do sistema, embora traga-a para uma ambientação muito mais real, ao mostrar um velho funcionário público que, ao descobrir que tem pouco tempo de vida, decide fazer algo pela comunidade e usa de todas as suas forças para tentar construir um parque.

Nestes filmes, vemos uma grande compaixão e identificação com o sofrimento humano, mas em nenhum momento se faz pieguice ou exploração da miséria. Fica a sensação de como o homem é pequeno perante o mundo e seus desígnios, maravilhosamente expressa numa cena de um de seus últimos filmes, "Rapsódia em Agosto": um velhinho tenta caminhar em meio à uma tempestade, e o vento quebra as hastes de seu guarda-chuva, deixando-o sem nenhum abrigo. Para Kurosawa, o homem está só e desamparado em sua jornada, e é digno de compaixão. Como o cego na maravilhosa cena final de Ran - feito quando o diretor já tinha mais de 70 anos -, que tateia com sua bengala à beira de um abismo.

Ran tem as mais belas cenas de batalha de todos os tempos, a coreografia e a cenografia - são fundamentais as bandeiras e estandartes que tremulam ao vento, carregados pelas tropas de cavaleiros que se chocam em ondas contínuas - se combinam, produzindo um conjunto de beleza e movimento assombrosos, para depois nos mostrar o horror que há em toda aquela ação, cujo único objetivo é eliminar o adversário.

Como muitos grandes artistas, Kurosawa é melhor apreciado fora de sua terra natal. No Japão, seus gostos pela literatura ocidental - Shakespeare, Dostoievski, Gorki, todos adaptados por ele para o cinema - sempre foram contrários ao forte ideal nacionalista nipônico. Problemas pessoais e dificuldades econômicas da indústria de cinema japonesa levaram o diretor à uma tentativa - felizmente frustrada - de suicídio em 1970.

No final da década de 70, alguns cineastas ocidentais, fãs confessos, como Coppola e George Lucas, reuniram-se para viabilizar um filme do mestre, o belo Kagemusha (1980), que trata dos temas do duplo e da inversão de papéis ao mostrar um pobre coitado que, devido à semelhança física é escolhido para substituir o rei recém falecido. A dobradinha com os ocidentais continuaria pelo filme seguinte, o soberbo Ran (co-produção nipo-francesa), adaptação do Rei Lear de Shakespeare.

Aqui, vou entrar numa área meramente especulativa. Motivos menos nobres que a admiração artística pode ter levado o cinema americano a financiar os projetos de Kurosawa. Seu filme anterior a Kagemusha, Dersu Uzala (1975), foi uma co-produção russo-japonesa. Talvez autoridades americanas temessem a aproximação de um cineasta extremamente talentoso das forças do inimigo - ainda estávamos na Guerra Fria; em 1980 os EUA liderariam o boicote internacional às Olimpíadas de Moscou.

O governo americano tem plena consciência da poderosa arma de propaganda que é o cinema. Através dele venderam ao mundo todo os conceitos de calça jeans e hamburgueres, e mais que isso, o ideal do american way of life. Embora Kurosawa não tenha nunca sido um artista de temas politizados, exemplos anteriores, como o do cineasta russo Sergei Eisenstein e a alemã Leni Riefenstahl, mostram o poder desta mídia nas mãos de alguém com talento.

Kurosawa morreu em 1998. Foi o maior pintor e poeta que o cinema já teve.

legenda



Maurício Dias
Rio de Janeiro, 6/2/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
03. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio
04. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry
05. Quando (não) li Ana Cristina César de Ana Elisa Ribeiro


Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurício Dias em 2003
01. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
02. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003
03. Uma teoria equivocada - 14/10/2003
04. Quentin Tarantino: violência e humor - 29/7/2003
05. Por onde anda a MPB atualmente? - 20/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MURILO MENDES: O POETA DAS METAMORFOSES
DANIELA NEVES
PUC MINAS
(2001)
R$ 18,00



O ELEFANTE ASSASSINO
PEDRO BANDEIRA
ATUAL
(1987)
R$ 10,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE FEVEREIRO DE 1965
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1965)
R$ 7,00



AURORA: THE NORTHERN LIGHTS IN MYTHOLOGY, HISTORY AND SCIENCE
HARALD FALCK-YTTER; TORBJORN LOVGREN (FOTOS)
FLORIS BOOKS
(1985)
R$ 52,28



MUNDO ESTRANHO 208 ERAM OS DEUSES ALIENÍGENAS? MAIO 2018
VÁRIOS
ABRIL
(2018)
R$ 15,00



PENSAMENTO COMUNICACIONAL BRASILEIRO
MARIA I. VASSALLO / JOSÉ M. DE MELO E OUTROS
INTERCON
(2005)
R$ 20,00



O QUE ATRAIU WARREN BUFFETT
BARNETT C. HELZBERG JR.
FUNDAMENTO
(2009)
R$ 15,00



ENERGIA DA PIRÂMIDE BENEFICIA O HOMEM
ABEILARD GONÇALVES DIAS
LCTE
R$ 10,00



COLEÇÃO PIADINHAS 7
ÂNGELA FINZETTO
BRASILEITURA
R$ 6,00



INSPIRAÇÕES DO AMOR ÚNICO DE DEUS VOL 2
ANTONIO DE AQUINO PAMPHIRO
EDIÇÕES LÉON DENIS
(2005)
R$ 10,00





busca | avançada
30196 visitas/dia
1,4 milhão/mês