Professor ou palhaço? | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 27/2/2003
Professor ou palhaço?
Adriana Baggio

+ de 6100 Acessos

A canadense Naomi Klein alertou o mundo contra tirania das marcas em seu livro Sem logo, lançado no Brasil em 2002 pela Record. A autora desvenda para o público em geral as estratégias das grandes marcas para estarem cada vez mais próximas do seu público consumidor. Essas estratégias passam pela identificação do estilo de vida e das atitudes do grupo que se quer atingir, pela associação com eventos, experiências e outras marcas de sucesso, e pela apropriação e conseqüente padronização de manifestações culturais.

As estratégias mercadológicas, manifestadas nas campanhas publicitárias, representam fórmulas mais ou menos acessíveis para os profissionais da área, mas que podem passar desapercebidas para o consumidor leigo. Não que sejam procedimentos mágicos, ilusórios, hipnóticos. É, na realidade, uma forma de provocar uma atitude desejada, que está latente. Uma das muitas estratégias citadas no livro mostra como as marcas invadiram um espaço antes considerado inviolável, pelo menos para esse tipo de manifestação: as escolas e universidades.

A dominação corporativa, como a autora chama a ação das empresas para conquistar os consumidores dentro do campus, vai desde a implantação de lanchonetes fast food em escolas e universidades, com a garantia de exclusividade, até a interferência em projetos de pesquisas científicas. Naomi Klein cita vários casos de pesquisadores que não puderam divulgar os resultados de seus trabalhos por serem desfavoráveis às empresas que os patrocinaram. Ou seja, até que ponto as instituições educacionais, e as pesquisas realizadas sob seus auspícios, ainda podem ser consideradas isentas, dignas de credibilidade?

No Brasil, as estratégias de construção e manutenção de marcas passam pelas escolas somente através dos currículos dos cursos de marketing e publicidade, pelo menos por enquanto. As escolas e universidades talvez ainda não tenham sido invadidas por pura falta de necessidade. O Brasil é um mercado cujo potencial está longe de ter sido totalmente explorado. Ainda há muitos segmentos a serem expandidos, milhões de consumidores a serem conquistados. No entanto, alguns alertas colocados pela autora em Sem logo se aplicam muito bem à situação da educação no país.

A educação, em teoria, é um serviço básico a que toda população tem direito. Com o sucateamento da educação pública, as escolas particulares passam a cumprir uma função que deveria ser do governo ou, pelo menos, rigidamente controlado pelo governo. No entanto, como o próprio nome revela, as instituições particulares de ensino não têm caráter filantrópico: elas trabalham visando o lucro. E o lucro, vem de onde? Dos alunos.

Enquanto modalidade de negócio, as escolas vêem o aluno como um cliente, que deve ser conquistado e mantido. Para isso, as escolas utilizam estratégias familiares a outros tipos de negócio. Oferecem outros serviços além do básico: aulas extra-curriculares, área de lazer, praça de alimentação, academia de ginástica. E aí as escolas começam a se parecer muito mais com shoppings do que com instituições educacionais. Se fosse só esse o problema, talvez não houvesse motivo para maiores preocupações. No entanto, o ambiente no estilo de um centro comercial faz com que as relações dentro das escolas também passem a assumir um caráter comercial. Uma passagem do livro de Naomi Klein explicita este processo:

"Muitos professores falam da gradual intromissão da mentalidade comercial, argumentando que quanto mais os campi agem e se parecem com centros comerciais, mais os estudantes se comportam como consumidores. Eles contam histórias de estudantes preenchendo seus formulários de avaliação dos cursos com todo o presunçoso farisaísmo de um turista respondendo a um formulário de satisfação do cliente em uma grande cadeia de hotéis. 'Sobretudo desgosta-me a atitude serena expertise de consumidor que permeia as respostas. Perturbo-me com a serena crença de que minha função - e mais importante, a de Freud, a de Shakespeare ou a de Blake - é divertir, entreter e despertar o interesse!', escreve o professor da universidade da Virginia Mark Edmundson na revista Harper's."

Para manter seus clientes, algumas instituições particulares passam a cobrar de seus professores uma atitude de show man, ao invés de se preocuparem com a qualidade do que é passado em sala de aula. É lógico que, nestes tempos modernos, o papel do professor é muito mais de mediador do que de dono da verdade. Os alunos, muitas vezes, têm mais acesso à informação que o professor, o que traz uma mudança na relação mestre-aprendiz. Mas uma maior participação no processo ensino-aprendizagem por parte do aluno não significa o descarte do professor.

A incoerência é que, quanto mais os alunos tornam-se aptos a assumir um papel ativo em sua relação com o professor, menos se observa uma vontade, ou mesmo uma capacidade, de estabelecer relações por si próprio, de refletir, de pensar. Acostumados a consumir tudo pronto - do sanduíche a informação -, os alunos também esperam que a aula seja uma experiência que não exija participação ativa. Essa participação só acontece mediante dois tipos de estímulo: punição ou recompensa.

Nesse processo, o professor da escola particular precisa se virar entre a cobrança por cumprir o seu papel de educador e formador, e a pressão da instituição para que os alunos não sejam penalizados caso não realizem sua parte no trabalho - afinal, aluno penalizado é aluno insatisfeito, e aluno insatisfeito é cliente em perigo.

Na universidade pública professores e alunos conseguem ter um desempenho melhor, justamente pela ausência do aspecto mercantilista. Sem ser pressionado por uma direção orientada para a manutenção dos clientes, o professor consegue assumir a autoridade dentro da sala de aula sem ter que recorrer a estratégias mais adequadas à educação de crianças, ou a diversão de uma platéia de circo. Os alunos, por sua vez, são responsáveis por seu destino na universidade. Como a universidade pública é um privilégio, uma conquista, a tendência é que os alunos valorizem sua participação nas aulas e procurem cumprir com as tarefas solicitadas. Assim, os alunos aceitam uma nova forma de ensino, e passam a exercitar o pensamento, a crítica, a reflexão e a construção do seu próprio conhecimento - sem esperar que esse conhecimento já chegue mastigado.

A idéia não é fazer uma apologia ao ensino das universidades públicas, ou ignorar que os professores dessas escolas também se aproveitam da estabilidade para perpetuar a mediocridade. O ponto a ser questionado é que algumas relações devem ser preservadas do aspecto comercial ou de espetáculo, e uma delas é a que envolve professor-aluno. O professor deve ter conhecimento e didática para transmitir o conhecimento e participar da formação dos alunos, mas não deve ser cobrado dele o papel de motivador ou animador de auditório.


Adriana Baggio
Curitiba, 27/2/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos
02. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
03. A maldade humana de Gian Danton
04. Assunto de Mulher de Marilia Mota Silva
05. Desbloqueie seu cartão, aumente seu pênis de Luís Fernando Amâncio


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESCRITA DO HISTORIADOR, A
IOKOI, ZILDA MARCIA GRICOLI
UNESP
R$ 31,01



OPÚSCULO A PARÓDIA
THE HARVARD LAMPOON
NOVO SÉCULO
(2010)
R$ 4,00



ACONTECEU NAQUELE VERÃO - DOZE HISTÓRIAS DE AMOR
STEPHANIE PERKINS - ORG. / VARIOS AUTORES
INTRÍNSECA
(2017)
R$ 14,66



MASS MEDIA AND AMERICAN POLITICS
DORIS A. GRABER
CQ PRESS
(1996)
R$ 90,00



PSYCHOLOGIE DE L ESTHETIQUE
ROBERT FRANCÊS
PRESSES UNIVERSITAIRES DE F
(1968)
R$ 47,38



STABILITATSPROBLEME DER ELASTODTATIK
ALF PFLUGER
SPRINGER
(1973)
R$ 140,00



O MINISTÉRIO PÚBLICO E O PROCESSO FALIMENTAR: VISÃO ATUAL E NOVAS
LUIZ ROLDAO DE FREITAS GOMES FILHO
LUMEN JURIS
(2003)
R$ 9,82



ENCONTRO COM A FILOSOFIA 6º
RICARDO MELANI
MODERNA
(2014)
R$ 70,00



OS 72 NOMES DE DEUS - TECNOLOGIA PARA A ALMA
YEHUDA BERG
ROCCO
(2005)
R$ 100,00



PENSAMENTOS ETERNOS - MANUAL DE CITAÇÕES
EDUARDO PESSÔA
IDEIA JURÍDICA
(2001)
R$ 12,00





busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês