Símbolos e Identidade Nacional | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
48394 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/3/2003
Símbolos e Identidade Nacional
Daniel Aurelio

+ de 7100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Certo diário impresso paulista, que outrora fora a síntese de um jornalismo rápido, simplificado e eficiente, e hoje repousa chapa-branca e oco, estampou uma notinha que me fez coçar os neurônios na manhã de domingo carnavalesco.

Um deputado estadual decidiu propor uma lei que obriga o cântico do Hino Nacional nas escolas públicas de São Paulo, hábito que subitamente rememora os tempos de chumbo e opressão da ditadura militar. Claro que figuras de proa do nacionalismo e da moral conservadora se posicionarão favoráveis e haverão de ter sua lógica, aliás tão coerente historicamente quanto o repúdio dos ativistas de esquerda e demais libertários, que certamente não deixarão a pretensa resolução impune.

Nesta batalha bipolar, sobra para quem se interessa por símbolos e identidade, que em geral ficam atordoados e ilhados entre duas certezas insoluveis.

No princípio, a única verdade social verificável era o caos. O conceito de família, célula fundamental da constituição orgânica nacional, não ficava claro, e só quando o incesto tornou-se um insulto à doutrina cristã é que as coisas se alocaram. E a cidade nada mais é senão um conglomerado de famílias sólidas (ver "Política", Aristóteles). Parentesco direto definido e agregado à divisão do trabalho (este outro vetor importante), sociedade posta. Paulatinamente, os Estados foram sendo forjados, ainda de modo tímido, como organizações relativamente pequenas e que pouco interagiam. Somente com as sucessivas revoluções (Industrial e Francesa) é que se pode pensar o ideal de "Estado-Nação", cujo mote seria o apelo unitário em prol do desenvolvimento, que no final das contas, (definiria assim sua matriz retórica) seria interessante para todos os conterrâneos. Alemanha e Inglaterra rapidamente se armaram industrialmente e a França celebrou sua vanguarda política e social. Os EUA, personificação contemporânea desta tese, corria em velocidade constante por fora. Não tardou para que fossem cercadas as divisas, fincado os pendões, criado hinos de exaltação ao orgulho de pertencimento. Padrões universais do conceito de Nação, que remetem respectivamente à idéia egoísta de definir claramente o meu (ou nosso) e o seu (ou o de vocês), ou seja, propriedade privada, e aos nossos sentidos sensoriais de imagem e audição. Nada encanta mais o humano que observar algo que o faça sentir forte, ou uma canção que o identifique com um determinado grupo. Dá-se a isso, pela antropologia,o nome de memória arcaica.

Tanto que, mesmo quem condena gestos excessivamente separatistas, sabe o quando é duro ficar incólume e crítico durante os noventa minutos de um final esportiva em que o Brasil esteja presente.

Fui educado a respeitar a simbologia nacional, representações máximas de minha brasilidade, e é complicado desconstruir essas projeções (estudei meu primário de 1985 até 90, e havia resquícios moribundos da ditadura no seio docente). Procuro lembrar que o alicerce de Hitler eram as maquinações de seu ministro da propaganda (!), Goebbels, hábil manipulador das cores e símbolos germânicos em usufruto da pretensa soberania ariana e que as primeiras providências tomadas pelo império socialista da URSS foram institucionalizar a cor vermelha, a foice e o martelo ("trabalhadores do campo e proletários, uni-vos!" Eis a mensagem a ser captada). A expansão passa necessariamente pela sacralização de ícones. Assim como mitificamos, com extraordinária freqüência, um cidadão-simbolo, nosso grande timoneiro da esperança, que por séculos se apresenta nas mais variadas facetas. Mas sempre com o mesmo potencial carismático.

Os EUA, mestres modernos da dialética dos sentidos patrióticos, são o que são por manterem, sob qualquer adversidade, a premissa da liberdade, democracia e servidão à Deus, a tríade que sustenta sua expansão via artéria dos demais países. Hoje não é mais necessário anexar outros Estados e lavrá-los em cartório; mesmo à distância, com a desfaçatez de paizão metido a moderninho, eles fazem o estrago. E, devemos admitir, é por isso que são saudados como uma potência política, militar, econômica, esportiva e cultural por décadas. O emblema de uma Grande Nação (Estado-Nação e Imperialismo, por definição, confundem-se pelas águas turvas da história).

Aí que mora o perigo: que será que queremos? Ser uma vanguarda mundial, um gigante estruturado nos mesmos moldes norte-americanos? Se sim, devemos realmente nos submeter a lavagem cerebral da identidade, levar a sério em cada gesto o espírito unívoco de um povo, e cantar com lágrimas nos olhos, desde moleque, a comovente melodia brasileira. É lastimável, mas instituições fortes geram Nações fortes; ou será que preferimos viver num planeta só, múltiplo, sem dogmas ou menções de caráter privado, onde a paz possa ser possível numa estupenda e iconoclasta orgia anarquista? Dispensaríamos certas ferramentas constrangedoras, seríamos livres de fato, porém será essa idéia viável no plano da práxis ou mera peça de ficção decalcada do espírito rebelde?

Certo mesmo é que manifestações tribais ou globais não podem jamais serem impostas, pois haverão de causar insurreições por parte de certas facções em seu próprio ventre, e apatia resignada e mortificada de outros. Vários dos famosos artigos federalistas de Hamilton e Madison (base da constituição americana) debruçam-se sobre esta incandescente relação.

É até razoável que o nobre deputado creia nisso e não esteja de todo equivocado (por todas as razões acima abordadas); a obrigatoriedade de um gesto estranho ao jovem brasileiro deste século é que me parece uma bobagem. Tanto pela via utópica-humanista, quanto pela sagacidade prática da política.


Daniel Aurelio
São Paulo, 12/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Festa na floresta de Eduardo Carvalho


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2003
01. Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor - 7/11/2003
02. Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar - 26/9/2003
03. O Sociólogo Machado de Assis - 5/9/2003
04. O Calígrafo de Voltaire - 13/6/2003
05. Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes - 19/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2010
10h57min
"É preciso deixar a deletéria psicose de subversão!", disse um general em 1978, do Regime Militar. Havia a psicose coletiva de que em tudo e todos eram subversivos. A cor vermelha, uma foice, um martelo, os rapazes cabeludos, as moças de minissaias, as letras das canções dos festivais, a dramaturgia do teatro, TV e cinemas, tudo era subversivo, um perigo marxista-lenilista. Então, para contrapor-se à subversão, exageraram e se apropriaram (indevidamente) dos símbolos nacionais. A longo prazo, o estrago foi o povo associar os nossos símbolos ao "antigo regime". A sonora chamada de meu celular é o Hino Nacional Brasileiro. Meu filho de sete anos já o reconhece e canta e já sabe que não precisa escutá-lo apenas, antes dos jogos da seleção brasileira de futebol e nas olimpíadas. É preciso acabar com esta deletéria psicose de subversão. Sugiro trocar o velho dístico positivista da bandeira nacional "Ordem e Progresso" por "Água e Esgoto", de que tanto o Brasil precisa (47% da população).
[Leia outros Comentários de Paulo Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FELIZMENTE HÁ LUAR!
LUIS DE STTAU MONTEIRO
AREAL EDITORES
(2000)
R$ 31,70



ARTE NA ESCOLA
ZENAIDE BASSI SOARES (ORG.)
UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL
(1995)
R$ 10,00



CENTENÁRIO DA IMIGRAÇÃO JAPONESA NO BRASIL
MASSAO OHNO
LAROUSSE DO BRASIL
(2008)
R$ 30,00
+ frete grátis



SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO
CLÁUDIO ANTONIO DIAS DE OLIVEIRA
YENDIS
(2012)
R$ 16,60



DAMPFTURBINEN
FRITZ DIETZEL
MUNCHEN
(1970)
R$ 70,00



A VIDA DE UM IMIGRANTE LIBANÊS
AMYN DAHER JR
DIVERSOS
(2010)
R$ 22,00



É DIVERTIDO APRENDER - CULINÁRIA PARA CRIANÇAS
EDIÇÕES ALTAYA
ALTAYA
(1997)
R$ 10,79



STEAM-TRAINS A WORLD PORTRAIT
COLIN GARRATT
TIGER BOOKS
(1989)
R$ 80,00



DIE KUNST IM 20. JAHRHUNDERT
PIERRE CABANNE
SOMOGY
(1985)
R$ 70,00



CENTRO NERVOSO
FERNANDO BONASSI
DO AUTOR
(2006)
R$ 15,00





busca | avançada
48394 visitas/dia
1,1 milhão/mês