Símbolos e Identidade Nacional | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/3/2003
Símbolos e Identidade Nacional
Daniel Aurelio

+ de 8000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Certo diário impresso paulista, que outrora fora a síntese de um jornalismo rápido, simplificado e eficiente, e hoje repousa chapa-branca e oco, estampou uma notinha que me fez coçar os neurônios na manhã de domingo carnavalesco.

Um deputado estadual decidiu propor uma lei que obriga o cântico do Hino Nacional nas escolas públicas de São Paulo, hábito que subitamente rememora os tempos de chumbo e opressão da ditadura militar. Claro que figuras de proa do nacionalismo e da moral conservadora se posicionarão favoráveis e haverão de ter sua lógica, aliás tão coerente historicamente quanto o repúdio dos ativistas de esquerda e demais libertários, que certamente não deixarão a pretensa resolução impune.

Nesta batalha bipolar, sobra para quem se interessa por símbolos e identidade, que em geral ficam atordoados e ilhados entre duas certezas insoluveis.

No princípio, a única verdade social verificável era o caos. O conceito de família, célula fundamental da constituição orgânica nacional, não ficava claro, e só quando o incesto tornou-se um insulto à doutrina cristã é que as coisas se alocaram. E a cidade nada mais é senão um conglomerado de famílias sólidas (ver "Política", Aristóteles). Parentesco direto definido e agregado à divisão do trabalho (este outro vetor importante), sociedade posta. Paulatinamente, os Estados foram sendo forjados, ainda de modo tímido, como organizações relativamente pequenas e que pouco interagiam. Somente com as sucessivas revoluções (Industrial e Francesa) é que se pode pensar o ideal de "Estado-Nação", cujo mote seria o apelo unitário em prol do desenvolvimento, que no final das contas, (definiria assim sua matriz retórica) seria interessante para todos os conterrâneos. Alemanha e Inglaterra rapidamente se armaram industrialmente e a França celebrou sua vanguarda política e social. Os EUA, personificação contemporânea desta tese, corria em velocidade constante por fora. Não tardou para que fossem cercadas as divisas, fincado os pendões, criado hinos de exaltação ao orgulho de pertencimento. Padrões universais do conceito de Nação, que remetem respectivamente à idéia egoísta de definir claramente o meu (ou nosso) e o seu (ou o de vocês), ou seja, propriedade privada, e aos nossos sentidos sensoriais de imagem e audição. Nada encanta mais o humano que observar algo que o faça sentir forte, ou uma canção que o identifique com um determinado grupo. Dá-se a isso, pela antropologia,o nome de memória arcaica.

Tanto que, mesmo quem condena gestos excessivamente separatistas, sabe o quando é duro ficar incólume e crítico durante os noventa minutos de um final esportiva em que o Brasil esteja presente.

Fui educado a respeitar a simbologia nacional, representações máximas de minha brasilidade, e é complicado desconstruir essas projeções (estudei meu primário de 1985 até 90, e havia resquícios moribundos da ditadura no seio docente). Procuro lembrar que o alicerce de Hitler eram as maquinações de seu ministro da propaganda (!), Goebbels, hábil manipulador das cores e símbolos germânicos em usufruto da pretensa soberania ariana e que as primeiras providências tomadas pelo império socialista da URSS foram institucionalizar a cor vermelha, a foice e o martelo ("trabalhadores do campo e proletários, uni-vos!" Eis a mensagem a ser captada). A expansão passa necessariamente pela sacralização de ícones. Assim como mitificamos, com extraordinária freqüência, um cidadão-simbolo, nosso grande timoneiro da esperança, que por séculos se apresenta nas mais variadas facetas. Mas sempre com o mesmo potencial carismático.

Os EUA, mestres modernos da dialética dos sentidos patrióticos, são o que são por manterem, sob qualquer adversidade, a premissa da liberdade, democracia e servidão à Deus, a tríade que sustenta sua expansão via artéria dos demais países. Hoje não é mais necessário anexar outros Estados e lavrá-los em cartório; mesmo à distância, com a desfaçatez de paizão metido a moderninho, eles fazem o estrago. E, devemos admitir, é por isso que são saudados como uma potência política, militar, econômica, esportiva e cultural por décadas. O emblema de uma Grande Nação (Estado-Nação e Imperialismo, por definição, confundem-se pelas águas turvas da história).

Aí que mora o perigo: que será que queremos? Ser uma vanguarda mundial, um gigante estruturado nos mesmos moldes norte-americanos? Se sim, devemos realmente nos submeter a lavagem cerebral da identidade, levar a sério em cada gesto o espírito unívoco de um povo, e cantar com lágrimas nos olhos, desde moleque, a comovente melodia brasileira. É lastimável, mas instituições fortes geram Nações fortes; ou será que preferimos viver num planeta só, múltiplo, sem dogmas ou menções de caráter privado, onde a paz possa ser possível numa estupenda e iconoclasta orgia anarquista? Dispensaríamos certas ferramentas constrangedoras, seríamos livres de fato, porém será essa idéia viável no plano da práxis ou mera peça de ficção decalcada do espírito rebelde?

Certo mesmo é que manifestações tribais ou globais não podem jamais serem impostas, pois haverão de causar insurreições por parte de certas facções em seu próprio ventre, e apatia resignada e mortificada de outros. Vários dos famosos artigos federalistas de Hamilton e Madison (base da constituição americana) debruçam-se sobre esta incandescente relação.

É até razoável que o nobre deputado creia nisso e não esteja de todo equivocado (por todas as razões acima abordadas); a obrigatoriedade de um gesto estranho ao jovem brasileiro deste século é que me parece uma bobagem. Tanto pela via utópica-humanista, quanto pela sagacidade prática da política.


Daniel Aurelio
São Paulo, 12/3/2003


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2003
01. Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor - 7/11/2003
02. Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar - 26/9/2003
03. O Sociólogo Machado de Assis - 5/9/2003
04. O Calígrafo de Voltaire - 13/6/2003
05. Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes - 19/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2010
10h57min
"É preciso deixar a deletéria psicose de subversão!", disse um general em 1978, do Regime Militar. Havia a psicose coletiva de que em tudo e todos eram subversivos. A cor vermelha, uma foice, um martelo, os rapazes cabeludos, as moças de minissaias, as letras das canções dos festivais, a dramaturgia do teatro, TV e cinemas, tudo era subversivo, um perigo marxista-lenilista. Então, para contrapor-se à subversão, exageraram e se apropriaram (indevidamente) dos símbolos nacionais. A longo prazo, o estrago foi o povo associar os nossos símbolos ao "antigo regime". A sonora chamada de meu celular é o Hino Nacional Brasileiro. Meu filho de sete anos já o reconhece e canta e já sabe que não precisa escutá-lo apenas, antes dos jogos da seleção brasileira de futebol e nas olimpíadas. É preciso acabar com esta deletéria psicose de subversão. Sugiro trocar o velho dístico positivista da bandeira nacional "Ordem e Progresso" por "Água e Esgoto", de que tanto o Brasil precisa (47% da população).
[Leia outros Comentários de Paulo Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quarteto Fantástico - o Dia do Juízo Final
Stan Lee & Jack Kirby
Salvat
(2016)



The networking survival guide
Diane Darling
MCGraw Hill
(2003)



Coisas do Destino &outras Historias
Maria Helena Whately
Vermelho Marinho
(2015)



Novo Passaporte para Língua Portuguesa 7
Norma Discini e Lucia Teixeira
Do Brasil
(2009)



O Príncipe Feliz e Outros Contos
Oscar Wilde
Ediouro
(1970)



World Tax 2018
Vários Autores
Euromoney
(2017)



Monstros Em Crise
Alcides Goulart e Roney Bunn
Jovem
(2013)



Retórica do Silêncio - teoria e prática do texto literário - 2ª ed.
Gilberto Mendonça Teles
José Olympio
(1989)



Desperte o Milionário Que Há Em Você
Carlos Wizard Martins
Gente
(2012)



The International Review of Psycho-analysis Volume 19 Special
Vários Autores
David Tuckett
(1992)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês