Na mosca | Assunção Medeiros

busca | avançada
44531 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto cultural leva cinema até paradas de descanso de caminhoneiros
>>> HOMENS NO DIVÃ Ano XV
>>> Paulo Goulart Filho é S. Francisco de Assis na peça de Dario Fo
>>> Momo e o Senhor do Tempo estreia dia 15 de janeiro
>>> Rafa Castro leva canções de Teletransportar ao palco do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vamos pensar: duas coisas sobre home office
>>> Leituras, leitores e livros – Final
>>> A culpa é dos escritores, também
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> Elke Coelho e a estética glacial-conceitual
>>> Cidade-sinestesia
>>> pessoas que me acontecem
>>> Suicídio
>>> Outliers, de Malcolm Gladwell
Mais Recentes
>>> Justiça - o Que é Fazer a Coisa Certa de Michael J. Sandel pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Fronteiras da Inteligência de Nilton Bonder pela Rocco (2011)
>>> Mochila Social de Alex Fisberg pela Casa Rex (2013)
>>> Investigações Filosóficas de Ludwig Wittgenstein pela Abril Cultural (1979)
>>> Aprendizagem e Gestao do Conhecimento de Gideon Carvalho de Benedicto pela Alinea (2008)
>>> Projeto de produto de Mike Baxter pela Edgard Blucher (2000)
>>> Wicca - Espírito Selvagem - O Podedr da Magia Xamânica de Eddie Van Feu pela Modus
>>> Garota Replay de Tammy Luciano pela Novo Conceito (2012)
>>> La tierra de las papas de Paloma Bordons pela Sm
>>> O meu pé de laranja lima de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (2009)
>>> Nascimento da era Caórdica de Dee Hock pela Cultrix (2014)
>>> Poemas Negros de Jorge de Lima pela Alfaguara (2016)
>>> O Espírito Criativo de Daniel Goleman pela Cultrix (2013)
>>> Geoatlas Básico de Maria Elena Simielli pela Ática (2013)
>>> Natureza Humana : Juatiça VS. Poder de Chomsky - Foucault pela Martins Fontes (2017)
>>> Equilíbrio e Resultado de Christian Barbosa pela Sextante (2012)
>>> Psicologia e Educação: Desenvolvimento Humano - Infância, Volume 1 de Berta Weil Ferreira [et al.] pela Edipucrs (2001)
>>> Matemática Financeira e Suas Aplicações de Alexandre Assaf Neto pela Atlas (2012)
>>> Convite à Filosofia de Marilena Chaui pela Ática (2012)
>>> Receitas e Delícias Ano 11 n 98 Leite Condensado de Receitas e Delícias pela Alto Astral (2010)
>>> Nelsinho para Todos! de Gerhard Rudolfo Anderer pela Santuário (2005)
>>> Livro da Família 2007 de P. Attilio I. Hartmann pela Abepare (2007)
>>> Parusia - A Segunda Vinda De Jesus de Leo Persch pela Raboni (1995)
>>> Catequese Renovada Orientações e Conteúdo 26 de Documentos da Cnbb pela Paulinas (1984)
>>> A Voz do Papa 154 Instrução Acerca de Algumas Questões de A Voz do Papa pela Paulinas (1997)
COMENTÁRIOS

Sábado, 25/5/2002
Comentários
Leitores


Na mosca
Como sempre, Alexandre, você vai ao centro da questão imediatamente. Televisão não é um veículo sem qualidade, quem não tem qualidade é o público. Por isso mesmo, quando os canais são pagos,e o público é mais seletivo, a qualidade aumenta. Quanto alguém pagaria para ver o Show do Milhão? Acho que nem quem assiste aquilo assistiria se fosse pago. Já o contrário... quanto estariam dispostos os leitores do Digestivo a oferecer ao Sívio Santos para NÃO PASSAR aquela porcaria? Deixo a sugestão de campanha online. Caro Baraúna, acho que você está coberto de razão, e eu junto ao jazz a tal de bossa nova, que é o jazz tupiniquim. Música morta, que só deve ser boa de tocar, porque todos os músicos que conheço adoram, e têm como referência de qualidade o músico de jazz. Deve ter algo bom ali... mas eu não vejo. Beijo da Sue

[Sobre "Joss Whedon"]

por Assunção Medeiros
25/5/2002 às
02h23 200.184.36.53
(+) Assunção Medeiros no Digestivo...
 
D, R, J, R, J, D...
Dennis: gostei bastante da sua sugestão e cheguei até a pensar em encabeçarmos uma petição para o governo russo, mas depois pensei melhor e mudei de idéia: Gloria Pérez não é digna de ser enterrada viva em Iasnaia Poliana, Dennis! Tenha pena dos mujiques! (E de todos os turistas que, passando no lugar, teriam que ouvir do guia: "Aqui foi enterrada uma brasileira que escreveu..."). Que escreveu o quê, Dennis? Nem sei. Mas temos que preservar Iasnaia Poliana! E que história é essa da irmã do Gugu? E por quê é que esses debilóides sempre têm nomes de debilóides, como Gugu, Popó, Xuxa, Babi? Ricardo: concordo, há muitos nomes de pessoas interessantes fazendo televisão - Larry David, o cara que ajudou a criar "Seinfeld", é o primeiro que me ocorre. O que me faz perguntar ao Juliano: você poderia me dizer quem é a pessoa responsável pela criação de "Anos Incríveis"? Sempre quis saber isso. Rogério: foi mesmo a Cuca que te fez detestar a TV? Mas não deixe a Cuca te impedir de ver Buffy, eu acho que realmente vale a pena...J. Baraúna: sua pergunta pede uma resposta em separado, que vou mandar assim que terminar esta mensagem. Mas obrigado pelo "cara refinado". Diego: foi bom você dizer o horário, que eu esqueci de pôr. Sim, FOX, às terças, às 21:00 (Buffy) e 22:00 (Angel), com várias reprises. A todos que leram e se deram ao trabalho de deixar um olá aqui, e a todos que leram e preferiram não dizer nada, um abraço- Alexandre.

[Sobre "Joss Whedon"]

por Alexandre
25/5/2002 à
01h37 200.205.157.155
(+) Alexandre no Digestivo...
 
Texto de primeira
Este é sem sombra de dúvida um dos melhores e mais elucidativos textos sobre arte contemporânea que já li. Pena que a maioria dos críticos de arte não seja capaz de analisar a situação de um ponto de vista tão alto. Gostei do que está escrito e do que você optou por não escrever.

[Sobre "Crítica à arte contemporânea"]

por Eduardo Arruda
24/5/2002 às
23h31 200.191.163.90
(+) Eduardo Arruda no Digestivo...
 
Resposta
Muito interessante o seu artigo. Abordei esse tema em minha tese de mestrado. Vejo que algumas pessoas, como você e Affonso Romano de Santana estão procurando dar um basta ao grande número de mistificações que se abrigam à sombra da verdadeira arte moderna. Parabéns.

[Sobre "Crítica à arte contemporânea"]

por Maria de Fátima C. N
24/5/2002 às
23h35 200.154.211.129
(+) Maria de Fátima C. N no Digestivo...
 
Enxergando bantustões por aí
Achei bastante infeliz a comparação dos bantustões com fenômenos absolutamente diferentes, tais como os citados. Os bantustões eram enclaves, sim, mas visando servir como “bolsões” de mão-de-obra negra, assim tornada controlável e disponível. Quanto às terras indígenas, sempre tiveram objetivo outro, o de garantir uma preservação mínima da forma de vida de seus habitantes. Se cumpriram esse objetivo ou não, é outra história. Mas nada têm a ver com os bantustões. Faz bem a comunidade internacional em não condená-las da mesma maneira que condenava o apartheid, já que visam objetivos diferentes, senão opostos. Dizer que visam a “excluir os índios” não deixa de ser um certo malabarismo de raciocínio./// Quanto aos “outros bantustões” que estariam sendo criados, não vejo nenhuma semelhança entre os mesmos e bantustões, uma vez que não visam a excluir indivíduos para melhor explorarem seu trabalho e dominá-los, antes pelo contrário. Um exemplo: o movimento pelos direitos dos descendentes de quilombolas jamais pretendeu manter os mesmos “isolados no interior do país”. Visa, sim, a impedir que suas terras sejam tomadas. O que é bem diferente. Será tão difícil perceber? Comparar esse pleito com às críticas ao Tiririca é uma miscelânea que não ajuda em nada a clarear o debate. Um saco não de gatos, mas de felinos, caninos e roedores variados./// Bantustões no MST? Novamente, não entendo por quais reviravoltas de raciocínio seria possível concluir isso. Bantustões no movimento feminista? Dos meninos de rua? Dos gays? Bem, pelo que percebo, “bantustão” está sendo proposto como conceito que define toda e qualquer coisa de que o autor diverge politicamente. Uma categoria nova, sem sombra de dúvida. /// No passado, essa categoria sempre indicou formas de discriminação e segregação espacial e social. O fechamento de ruas e a formação de condomínios exclusivos, para militares ou para a elite, não seriam bantustões nesse sentido? A restrição dos palestinos a áreas cercadas, como se está fazendo agora em Israel, não seria outro exemplo? Eles parecem se ajustar bem melhor ao conceito do que os exemplos citados pelo autor./// Enfim, me parece que o artigo toca em temas importantes, merecedores de discussão, mas temo que, na confusa forma apresentada, estejamos muito longe de poder discuti-los com um mínimo de seriedade.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por Helion
24/5/2002 às
21h35 200.154.217.73
(+) Helion no Digestivo...
 
Para Moretti
Sim, desculpa os erros ortográficos é que eu estava com pressa. Saudações.

[Sobre "Sobre responsabilidade"]

por Vinicius Brown
24/5/2002 às
15h05 200.19.104.166
(+) Vinicius Brown no Digestivo...
 
para Brown
Para Brown: a pontuação é um magnífico recurso linguístico e existe para ser usada.Saudações.

[Sobre "Sobre responsabilidade"]

por moretti
24/5/2002 às
14h49 200.128.28.100
(+) moretti no Digestivo...
 
indole
Adrianna, quando você for falar da hipotetica índole fóbica do brasileiro em relação a responsabilida inclua a respectiva e correspondente indole austriaca, alemã ,italiana ,etc.Quero dizer, de todos os que assistiam o GP da Austria e vaiaram unissonamente a atitude inacreditavel que viam.E depois da maioria dos jornais europeus que fizeram o mesmo.Ou a indole humana está descambando para a inconsequencia ou essas analises no atacado são furadas.A menos que você me diga quais seus metodos de psicologia social, sua gigantesca amostra com milhares de entrevistados em todo o país me inclui fora dessa por favor.

[Sobre "Sobre responsabilidade"]

por C. Moretti
24/5/2002 às
14h24 200.128.28.100
(+) C. Moretti no Digestivo...
 
Surpresa
Fiquei extremamente surpreso quando vi uma coluna intitulada "Joss Whedon" aqui no Digestivo Cultural e ainda mais surpreso quando li seu conteúdo. Acompanho religiosamente as duas séries citadas (aliás, você poderia ter informado que elas são exibidas na Fox às terças, a partir das 21 horas), de longe as minhas prediletas, e a cada episódio fico boquiaberto com a capacidade de criação do Joss. Pena que, ao que parece, ele terá menos tempo para se dedicar a essas duas crias porque está escrevendo uma nova série para a Fox ("Firefly", na linha sci-fi, que vai entrar no lugar de "Dark Angel" e, suponho, tentar até preencher uma lacuna deixada com o fim de "Arquivo-X").

[Sobre "Joss Whedon"]

por Diego Sana
24/5/2002 às
14h06 200.242.30.202
(+) Diego Sana no Digestivo...
 
Do jazz
Mudando completamente de assunto: Alexandre, o que você acha do jazz ?Sei que você é um cara refinado, leitor dos clássicos, culto e por isso achei que era o melhor para dirimir uma angustia que me atribula.Eu não gosto de jazz e pra falar a verdade chego às vezes a detesta-lo.Ate que ouço uns cinco minutos mas depois simplesmente aqueles solos de bateria ou de bongô não dá para engulir nem a pulso.O que está havendo comigo?Seria eu um tosco que não admira o hoje refinado estilo musical norte-americano(mas que no passado era considerado um enlatado).Serei eu um blasfemo contumaz ,um ímpio que se recusa a ofertar no altar sacrossanto dessa divindade?Não sei mas concordo com quem disse que depois que inventaram o jazz triplicou a população mundial de chatos e que um dos nefastos produtos da Lei Seca foi, além da mafia, o jazz .Por outro lado o blues tem alma, tem vida.Indescritivel ouvir Eric Clapton ou B.B. King.É contagiante!Me desculpa se te ofendi ou a algum leitor que porventura gostem do dito cujo.

[Sobre "Joss Whedon"]

por j. baraúna
24/5/2002 às
13h48 200.128.28.100
(+) j. baraúna no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eugénie Grandet
Honor é de Balzac
Biblioteca Folha



Brasil Beer o Guia de Cervejas Brasileiras
Henrique Oliveira
Gutenberg
(2014)



História Ambiental Paulista
Paulo Henrique Martinez
Senac
(2007)



O Amor Entre Pais e Filhos
Seicho Taniguchi
Seicho-no-ie
(2012)



Naji Ayoub
Jacob Klintowitz
Do Autor
(2005)



Tchau
Lygia Bojunga
Casa Lygia Bojunga
(2003)



Animais Heróis
Ernest Lloyd
Casa
(1992)



Os homens e outras mentiras
Cristina Ferreira Pinto Bailey
Scortecci
(2010)



Estereótimos - Dicas de um Expatriado
Daniel Barros
Grupo Editorial Scortecci
(2011)



Eye of the beholder
Merline Lovelace
Mira Books
(2005)





busca | avançada
44531 visitas/dia
1,9 milhão/mês