Sobre responsabilidade | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Elas e as Letras de Aldirene Máximo e Julie Veiga (org.) pela Versejar (2018)
>>> América Latina hoje: conceitos e interpretações de José Maurício Domingues e Maria Maneiro pela Civilização Brasileira (2006)
>>> Biblioteca de Ouro da Literatura Universal - O Cortiço - Tomo 1 de Aluísio Azevedo pela Minha (1988)
>>> Encadernado em capa dura: Wolverine - Thor - Camelot 3000 de Chris Claremont. Frank Miller. Walter Simonson. Mike W. Barr e Brian Bolland pela Abril Jovem (1987)
>>> Evolução Sócio-Econômica do Brasil de Otto Alcides Ohlweiler pela Tchê! (1988)
>>> Avenida Presidente Vargas: Um desfile pela história do Brasil de Eduardo Bueno. Paula Taitelbaum. Fernando Bueno e Dudu Contursi pela Arco (2010)
>>> A Mangueira da nossa infância de Alexandre Nobre pela Ficções (2012)
>>> Sobre a universidade de Max Weber pela Cortez (1989)
>>> Em Busca do Tempo Perdido vol 4 de Marcel Proust pela Nova Fronteira (2014)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Ática (1999)
>>> Acqua Toffana de Patrícia Melo pela Companhia das Letras (1994)
>>> Anjos travados de Zé Elias pela n/d (1984)
>>> Legado de Mateus Ornellas e Lua Costa pela Independente (2016)
>>> Trato de Sara Lambranho pela Fundação Clóvis Salgado (2013)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Mestre de Quéops de Albert Salvaó pela Ediouro (2000)
>>> Garten der Lüste de Hieronymus Bosch pela Prestel (2003)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Ática (2009)
>>> Inimigo Rumor 20 de Vários autores pela 7 letras/ Cosac Naify (2007)
>>> As Aventuras de Tartufo do Majestoso Mississipi de Phyllis Shalant pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Bellini e a esfinge de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1995)
>>> The Black Angel de John Connolly pela Pocket Books International (2005)
>>> Na Casamata de Si de Pedro Tostes pela Patuá (2018)
>>> Cineastas e Imagens do Povo de Jean-Claude Bernardet pela Brasiliense (1985)
>>> Médée de Pier Paolo Pasolini pela Arléa (2007)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/5/2002
Sobre responsabilidade
Adriana Baggio
+ de 5100 Acessos
+ 10 Comentário(s)

O que o Homem-Aranha, Rubinho Barrichello e as eleições para presidente podem ter em comum? Antes de chegar nessa relação, é preciso introduzir uma outra idéia: a da repercussão provocada pelos mecanismos da mídia de massa.

A grande vantagem da mídia de massa é o alcance da mensagem. Uma mesma idéia pode ser transmitida para milhões de pessoas ao mesmo tempo. Se a mensagem for um bom conselho, então, quase que se desculpa todos os outros males causados por essa influência maléfica que nos atinge à revelia.

O Homem Aranha, o filme, o mais buster de todos os lançados até hoje no Brasil, pode ser considerado um bom exemplo de lição de moral pulverizada. Só neste último fim de semana mais de 1,3 milhões de pessoas assistiram o filme, que estreou em 600 cinemas brasileiros. Como todo grande lançamento da indústria cinematográfica norte-americana, o Homem-Aranha foi precedido de uma agressiva estratégia promocional, para valorizar ainda mais o produto. Produto sim, porque do super-herói em si aos mouse pads que estampou, o Homem-Aranha é um grande e bem vendido produto. Já estamos habituados com essa mercantilização de manifestações consideradas artísticas, mas dessa vez foi demais. Não sei se aconteceu o mesmo em outras cidades brasileiras, mas aqui em João Pessoa o preço do ingresso para assistir o filme subiu em relação aos outros filmes da programação. A justificativa da gerência do único Multiplex da cidade é que o aumento no preço do ingresso fez parte da negociação com a distribuidora, a Columbia Pictures. Ainda segundo suas palavras, essa foi a condição para que praças pouco representativas, como a capital paraibana e Campina Grande, a segunda cidade do estado, tivessem o privilégio de assistir a estréia do super-herói aracnídeo junto com o resto do país. Parece que o assunto está tergiversando, mas na verdade é necessário contextualizar a importância do filme no espetáculo midiático atual. Feito isso, é possível voltar ao traçado original do texto.

Peter Parker, um desajeitado adolescente, estereótipo do fracote sofredor das high schools americanas, é picado por uma aranha geneticamente modificada e acaba adquirindo superpoderes. Em meio às dificuldades normais da vida de um adolescente, Peter Parker encarna o Homem-Aranha para combater o crime. No começo, ainda deslumbrado com seus poderes, Peter toma atitudes inconseqüentes e irrefletidas, o que é perfeitamente normal na sua idade. Afinal, nem todos os adolescentes são maduros e bem resolvidos como a turminha de Dawson's Creek. Essas atitudes precipitadas têm um preço para Peter, que vai desde um leve arrependimento por ter machucado um colega da escola que antes batia nele, até um doloroso sentimento de culpa por ter sido indiretamente responsável pela morte do tio. Ao adquirir os superpoderes, Peter lembra do conselho desse mesmo tio: com grandes poderes sempre vêm grandes responsabilidades. É essa a lição de moral do Homem-Aranha.

Hora de Rubinho Barrichello entrar na história. O brasileiro também adquiriu "superpoderes" ao virar piloto de uma escuderia como a Ferrari. E com seus grandes poderes vieram grandes responsabilidades. Rubinho não é apenas um piloto, mas parte de uma engrenagem que tem normas de funcionamento muito mais intricadas do que as regras de uma corrida. O piloto brasileiro, ao topar o desafio de participar de uma equipe de ponta, assumiu responsabilidades com essa equipe, com seus interesses, com os interesses da mídia. E é por isso que Rubinho não mandou seu contrato às favas na última corrida.

O problema é que o povo brasileiro, de uma maneira geral, tem dificuldade em lidar com a responsabilidade. Por isso não consegue entender as motivações que fizeram o piloto decidir por cumprir seu papel nas teias de interesse de seus patrões ao invés de pisar fundo e finalmente vencer uma corrida. Não defendo aqui a deturpação que tem acontecido com as competições esportivas, espetacularizadas pela mídia com o objetivo de gerar dividendos para seus patrocinadores. Nesse contexto, as motivações originais que regem o esporte acabam sendo relegadas em detrimento de resultados que sejam favoráveis aos que estão apostando. Mas a realidade é que Rubens Barrichello, ao assinar seu contrato com a Ferrari, concordou em jogar esse jogo de acordo com as novas regras. É um preço que ele paga pela fama e pela oportunidade de fazer parte de um seleto grupo. E é o senso de responsabilidade que leva o piloto a agir de acordo com as regras com as quais concordou.

Agora é a hora em que entram as eleições, para completar a relação indicada no início do texto. Ao contrário do personagem e do piloto, o cidadão brasileiro não está preparado para assumir responsabilidades. Votar acaba sendo uma atitude muito mais emocional do que racional. É mais fácil se eximir da responsabilidade de uma atitude tomada por razões afetivas do que encarar uma escolha feita com racionalidade, mas que pode estar errada. E é por isso que as pessoas não conseguem aceitar uma decisão como a de Rubens Barrichello - tomada com base na racionalidade. Rubinho poderia alegar que, entusiasmado com a possibilidade de defender as cores da bandeira nas pistas de todo o mundo, aceitou um contrato com cláusulas que não tinha a intenção de cumprir. Isso justificaria uma transgressão na corrida passada, que poderia tê-lo levado ao primeiro lugar no pódio. Não há brasileiro no mundo que fosse contra essa atitude.

Por não levar em conta a responsabilidade que tem no processo eleitoral, o brasileiro prefere escolher com o coração, com base em critérios subjetivos, que sempre deixam espaço para justificativas. É por isso que mesmo partidos como o PT, que sempre procuraram apresentar propostas claras e objetivas nos programas eleitorais, resolveram falar a língua que mexe com as pessoas. Ao revestir a propaganda política com um verniz emocional, a ideologia partidária torna-se mais palatável à maioria das pessoas. Vale a pena agüentar a chiadeira da ala mais purista do partido para poder falar ao coração, órgão decisor do eleitor brasileiro.

Na esperança de que alguém resolva todos os problemas, as pessoas em geral eximem-se da responsabilidade que têm nas diversas esferas onde atuam, das mais próximas às mais distantes. É por isso que o lixo é jogado na rua, que os impostos são sonegados, que a corrupção é uma prática alimentada a partir das atitudes do cidadão. Sem se dar conta do seu poder, e das responsabilidades inerentes a ele, o cidadão de uma tentativa de governo mais arejada, menos paternalista, vê-se perdido. Não se dá conta de que seus atos têm a repercussão das ondas provocadas por uma pedra jogada em um lago. Ou se dá conta, mas não suporta essa constatação, e prefere deixar a emoção decidir.

Peter Parker deixou a emoção de lado ao optar pelos seus poderes e pelas responsabilidades que com eles vieram. Ao tornar-se o Homem-Aranha, o jovem precisou abrir mão da moça que amava. Rubens Barrichello precisou abrir mão da emoção de vencer uma corrida para agir com a responsabilidade inerente à sua posição na equipe. E o cidadão brasileiro, quando vai aprender a aceitar e a lidar com o fato de ser responsável pelo destino da sua vida, da sua família, da sua comunidade, do seu país? Que o filme do Homem-Aranha, no melhor estilo ética dos super-heróis, massifique também a noção de responsabilidade entre as pessoas.


Adriana Baggio
Curitiba, 23/5/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
02. Ode à Mulher de Jardel Dias Cavalcanti
03. Daniel Piza me fez começar a escrever de Rafael Fernandes
04. Entre mudanças e descartes de Vicente Escudero
05. Cultura, gelo e limão de Marta Barcellos


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Querido, eu me rendo - 2/5/2002
05. Homens, cães e livros - 15/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/5/2002
17h20min
Discordo em primeiro lugar rubinho não teve culpa da má indole do alemão, que famigerado aceitou o que a ferrari lhe propos se fosse de bom carater, e como sendo o supra sumo da fórmula teria ido para o box cruzando os braços, assim mostraria que é um campeão . Queria ver a cara da ferrari bem tudo mudaria... Outra o homem-aranha este sim o nerd que virou quase um Deus e trouxe a tona os defeitos que todos possuimos, em especial a vaidade, passou a vida inteira esperando o beijo da gatinha quando consegue joga fora só em filme, E falar de politica sabendo dos escandalo que veio à tona sobre as privatizaçoes das estatais nem comento; PT na veia, essa história de risco Brasil é ridicula pois na própria veja tem uma matéria nas capas amarelas que fala da podridão das multinacionais.Bem me alonguei muito no contra comentário Só desejo um mundo melhor, que não se de tanta atenção a detalhes mesquinhos como brasil em vez de BRASIL, tem é que mudar o todo e não só o que a mídia mostra.
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
24/5/2002
09h00min
Percebo que você estava precisando desabafar, porque a maioria dos seus comentários não se referem às opiniões colocadas no texto. Mas isso não é ruim, os foruns são feitos para isso mesmo. Em nenhum momento falo da culpa do Rubinho. A abordagem é sobre a responsabilidade dele em relação ao contrato que ele tem com a Ferrari, que por sua vez, lhe dá "poderes". Discordo que o "alemão" tenha má índole. Ele também está cumprindo as regras do jogo. Também gostaria que o Brasil mudasse, e acho que a mudança passa pela responsabilidade.
[Leia outros Comentários de Adriana]
24/5/2002
10h22min
Realmente desabafei só que nada que eu coloquei é novidade, opinião não muda o mundo eu sei disso. Só que contratos geralmente usa-se a submissão de uma das partes que ao ver como funciona o sistema se sente preso . Logo para quebrar tais contratos vem a tal da indole que se adquire até meados da juventude. Então o alemão que não consegue se relacionar nem com seu irmão este ao término da corrida olhou para ele com uma cara de desprezo que me chamou a atenção. Só faltou o Ralph falar poxa vc não é o melhor para que aceitar este vexame, não foi isso que aprendemos me casa. E tb vc nem comentou sobre o homem aranha não ama e nem arranha.
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown ]
24/5/2002
14h24min
Adrianna, quando você for falar da hipotetica índole fóbica do brasileiro em relação a responsabilida inclua a respectiva e correspondente indole austriaca, alemã ,italiana ,etc.Quero dizer, de todos os que assistiam o GP da Austria e vaiaram unissonamente a atitude inacreditavel que viam.E depois da maioria dos jornais europeus que fizeram o mesmo.Ou a indole humana está descambando para a inconsequencia ou essas analises no atacado são furadas.A menos que você me diga quais seus metodos de psicologia social, sua gigantesca amostra com milhares de entrevistados em todo o país me inclui fora dessa por favor.
[Leia outros Comentários de C. Moretti]
24/5/2002
14h49min
Para Brown: a pontuação é um magnífico recurso linguístico e existe para ser usada.Saudações.
[Leia outros Comentários de moretti]
24/5/2002
15h05min
Sim, desculpa os erros ortográficos é que eu estava com pressa. Saudações.
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
27/5/2002
12h33min
Em primeiro lugar, antes de criticar a pontuação alheia, preste atenção na sua ortografia. Meu nome só tem um "n". Em segundo lugar, acho que você não entendeu o texto. Não louvo a atitude da Ferrari. E mesmo a atitude do Rubinho, só usei para exemplificar a responsabilidade. Em terceiro lugar, se você não está preparado para entender as generalizações presentes nos textos mais elaborados, atenha-se às histórias da carochinha.
[Leia outros Comentários de Adriana]
27/5/2002
12h38min
Vinicius, você tem razão, os contratos normalmente são unilaterais, mas o que eu quis dizer é que o Rubinho também ganha com isso, e resolveu pagar o preço. Ele está sendo responsável com os compromissos que assumiu. Como disse no texto, não acho que essa situação seja certa. Não dá para ser maniqueísta, as situações têm várias facetas, algumas boas, outras ruins. Eu peguei só uma delas para analisar.
[Leia outros Comentários de Adriana]
28/5/2002
14h26min
Oi! Agora melhorou, bem mudando de saco para mala vc já veio para a festa do pinhão em Lages S/C? Bem, começa hoje se quiseres vir é só combinar . Um abraço.
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
28/5/2002
19h10min
Adoro pinhão, na minha terra (Curitiba) também tem de monte. Mas como estou em João Pessoa, vai ficar difícil estar por aí. De qualquer maneira, obrigada pelo convite!
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pareidolia
Luiz Franco
Escape
(2016)



Der Seewolf
Jack London
Deutsche Buch-Gemeinschaft
(1954)



Livro de bolso Guerra Primeira Guerra Mundial Pocket Encyclopaedia 886
Michael Howard
Lpm
(2013)



Invente alguma coisa
Chuck Palahniuk
Leya
(2020)



Automóveis de Ouro para um Povo Descalço
Vasconcelos Torres
Brasília
(1977)



Iniciação ao Estudo da Sociologia
Caroline B. Rose
Zahar
(1976)



A sabedoria do não 334
Mariliz Vargas
Rosea Nigra
(2009)



Curso Completo de Fotografia 1
Diversos
Rio Gráfica
(1981)



Intervalos
Francisco C. Xavier
O Clarim
(1981)



Privatização das Prisões
João Marcello de Araujo Junior
Revista dos Tribunais
(1995)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês