Eu não! | Gian Danton

busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia O Grito evoca os fantasmas do teatro em nova peça
>>> Meu Reino por um Cavalo faz temporada online a partir de 2 de dezembro
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Play it again, Sam
>>> 29 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A origem da dança
>>> A morte do leitor
>>> Substantivo impróprio
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Lei de Deus?
>>> Um longo desamor
>>> Publicidade e formação política
Mais Recentes
>>> Vida e morte no sertão História das secas no Nordeste nos séculos XIX e XX de Marco Antonio Villa pela Ática (2006)
>>> Brasil: De Getúlio a Castelo (1930-1964) de Thomas Skidmore pela Paz e Terra (1979)
>>> O Xará de Apipucos - Um Ensaio sobre Gilberto Freyre de Gilberto Felisberto Vasconcelos pela Casa Amarela (2000)
>>> Violência sexual no brasil: perspectivas e desafios de Cecília de Mello e Souza; Leila Adesse pela Ipas (2004)
>>> Olhar Sobre A Mídia de Fátima Oliveira pela Mazza (2002)
>>> Sociologia e História de Peter Burke pela Edições Afrontamento (1980)
>>> Antropologia Social de Emílio Willems pela Difel (1966)
>>> Orixás Teogonia de Umbanda de Rubens Saraceni pela Madras (2004)
>>> Dar a vida e cuidar da vida: Feminismo e ciências sociais de Lucila Scavone pela Unesp (2004)
>>> 500 Anos de Brasil - Histórias e Reflexões de Mary del Priore e mais pela Scipione (1999)
>>> Estudos Brasileiros de Ronald de Carvalho pela Nova Aguilar (1976)
>>> Mulher:Feminino Plural - Mitologia, História e Psicanálise de Dulcinéa da Mata Ribeiro Monteiro pela Rosa dos tempos (1998)
>>> Quem São os Criminosos? de Augusto Thompson pela Achiamé (1983)
>>> Liberdade na Escola de A.S. Neill pela Ibrasa (1969)
>>> Gangues, Galeras, Chegados e Rappers. Juventude, Violência e Cidadania nas Cidades de Miriam Abramovay pela Garamond (2006)
>>> Manifestações de junho de 2013 no Brasil e praças dos indignados no mundo de Maria da Gloria Gohn pela Vozes (2014)
>>> ultura Brasileira e Identidade Nacional de Renato Ortiz pela Brasiliense (2001)
>>> Problemas Agrário Camponeses do Brasil de M. Vinhas pela Civilização Brasileira (1972)
>>> A Ilusão Americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Da revolta ao crime S.A (Coleção Polêmica) de Alba Zaluar pela Moderna (1996)
>>> Juventude em Debate de Helena Wendel Abramo E Outros (orgs.) pela Cortez (2002)
>>> Razão Sangrenta de Robert Kurz pela Hedra (2010)
>>> Relativizando: Uma introdução à Antropologia Social de Roberto DaMatta pela Vozes (1981)
>>> Estudos sobre o Brasil Contemporâneo de Luiz Pereira pela Pioneira (1971)
>>> Evolução Raça e Cultura de Gioconda Mussolini pela Companhia Ed. Nacional (1978)
COMENTÁRIOS

Sexta-feira, 15/11/2002
Comentários
Leitores


Eu não!
Alexandre, Embora eu tenha gostado, como sempre, de seu texto, gostaria de fazer uma ressalva: não sou de direita! Embora também não possa ser considerado como pertencente a uma esquerda petista. Na verdade, estou mais para a boa e velha acracia. Falando de Paulo Fancis, tenho ainda guardados recortes dele falando de George Orwell, um escritor que ele amava até os últimos dias e ainda deve estar amando no céu ou no inferno, onde quer que esteja. E devemos nos lembrar que George Orwell era um socialista crítico, que escreveu Revolução dos Bichos para denunciar as distorções da revolução comunista, e 1984 para nos alertar contra os sistemas autoritários, tanto de esquerda quanto de direita.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Gian Danton
15/11/2002 às
20h13 200.213.138.254
(+) Gian Danton no Digestivo...
 
Polêmica
É incrível como o pensamento de McLuhan ainda causa polêmica. Isso é mais uma prova de sua importância. Se suas idéias não fossem importantes, as pessoas o esqueceriam. Não importa se concordamos ou discordamos de McLuhan, analisar o mundo atual sem falar nele. Aproveito para agradecer todos os que se manifestaram sobre o assunto, inclusive os que discordam de meu texto. Afinal, como diria Nelson Rodrigues, toda unanimidade é burra.

[Sobre "Megalópoles de informação"]

por Gian Danton
15/11/2002 às
20h08 200.213.138.254
(+) Gian Danton no Digestivo...
 
Deliciosa crueldade de Francis
Quem sabe, quaquer dia desses, algum cervejólogo de pés inchados e bronzeados (metidos em sandálias pestilentas) resolva se inspirar em Madame Tussaud e fundar o "Museu de Cera Hugo Bidê"? Claro que haverá uma eficiente refrigeração, a fim de que não se derretam as estátuas de ipanemenses famosos (e do Baixo Leblon, claro!), todas feitas com cera dos ouvidos do pessoal de esquerda (coletadas e doadas nas praias, pois ninguém é de ferro). Não duvide, meu caro! Ah, que falta nos faz o Francis!Principalmente agora, nestes tempos da "Sagração do Populacho", onde tudo o que for autenticamente retrógrado, simplório e demagógico será louvado, e com mística reverência. Francis almoçaria, jantaria e defecaria esses imbecis. Foi ele, o Francis, o primeiro cronista que vi realizar impiedosos e deliciosos desmontes do "politicamente correto". Ele era cruel, sim, mas sua crueldade jamais foi vã. Ele mostrava que lixo é lixo, não adianta tentar disfarçar, dar banho de ouro, enfeitar com penachos de faisão. Lixo é lixo e o lugar de lixo é na lata de lixo! Viva Francis! Viva Mozart! A escuridão dará lugar à luz... basta ter paciência e manter a despensa sob controle. Alexandre, obrigado pela referência ao meu blog. Tentarei não decair, prometo! Abração!

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Dennis
15/11/2002 às
16h06 200.158.234.117
(+) Dennis no Digestivo...
 
uma série incrível
Foi ou é, realmente, uma série incrível, quem não teve a oportunidade de assistir não saberá nunca do que tantas pessoas falam sobre este seriado. O que mais marca nesta série, é a ausência de efeitos especiais, e outros artifícios tão usados atualmente, deixando lugar a uma história que não poderia deixar de fazer tanto sucesso, a história da vida real, uma história em nos enxergamos, a simplicidade da produção, algo que dificilmente os "Enlatados" atuais conseguirão reproduzir, só nos resta a saudade e as recordações e a esperança de sempre podermos ver e algum dia mostrar para as próximas gerações um dos maiores exemplos do que a TV deveria trazer para as pessoas. Um Grande abraço a todos que assim como eu são fãs incondicionais dessa série.

[Sobre "Anos Incríveis"]

por Junior
15/11/2002 às
15h46 200.195.102.150
(+) Junior no Digestivo...
 
desculpem-me por ser tão chato
Ah, desculpem-me por ser tão chato. Mas, esqueci um pequeno detalhe. O Alexandre nunca poderia ser um trostkista da corrente de Frida Kahlo (ela mesmo abandonou o "e" de Frieda), porque a grande artista mexicana voltou ao PCM em 1948.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por marcelo
15/11/2002 às
13h26 200.168.30.136
(+) marcelo no Digestivo...
 
Comentando o mundo e só
Alexandre, Apesar de não achar muito correto postar comentários inter-colunistas, vou abrir uma exceção. Principalmente porque tenho uma resposta para sua dúvida. Em primeiro lugar não acredito que vários dos "escritores e intelectuais" que pululam pela Internet possam ser considerados de direita. São mais "polemistas fáceis", que vivem da quantidade de comentários (agressivos ou bajuladores) que seus "ensaios" provocam. É mais um caso psicológico que político. É claro que eu também estou me reservando o direito de generalizar descabidamente, isso não pode ser somente um direito seu. Segundo, eu passei um pouco do ponto. Estou nos meus 30 e poucos. Mas como ainda me lembro dos meus 20 e poucos (é evidente que essa questão geracional não tem a mínima importância, mas como você a trata como essencial, vamos estudá-la), posso dizer que a abundância de "bons escritores de direita", acontece por uma verdadeira e total incompetência da própria direita. Vejamos, quando eu tinha 10 e poucos anos, estava participando ativamente da redemocratização deste país, quando tinha 20 e poucos anos construía em bairros e comunidades o Partido dos Trabalhadores, além de ajudar na retomada de sindicatos dos pelegos impostos pela ditadura. Mais no fim dos meus 20 e poucos anos, estava construindo um dos principais partidos de extrema-esquerda do mundo, o PSTU, escrevendo no seu jornal e dirigindo sua Secretaria Internacional. Por outro lado, a direita, em toda a América Latina,foi sempre incapaz de construir qualquer movimento ou partido minimamente coerente, que tivesse coragem de apresentar suas propostas à sociedade de cara aberta, criando uma base social perene. Quando a direita aparece, precisa se travestir de populista ou partir para a violência pura e simples. Por isso, para a juventude "de direita" , só restam os blogs. Ficar comentando o mundo, sem qualquer repercussão concreta, é a isto que está condenada a juventude "de direita". Quanto ao Paulo Francis, eu gostava de ler sua coluna bem no começo quando ele estava na Folha (será que essa geração de 20 e poucos sabia que ele já havia sido de esquerda e morreu debaixo de um retrato do Trotsky), mas depois que eu aprendi inglês e descobri a New Yorker, preferi ler os comentários no original.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por marcelo
15/11/2002 às
12h51 200.168.30.136
(+) marcelo no Digestivo...
 
Vidiotas
Querida Cleusa: obrigado pelos parabéns. Também creio que seria saudável para os nossos pintores estudarem esses dois mestres, mas nossos artistas acreditam que a pintura já era; preferem novos meios, novas tecnologias, porque o novo passou a ser a obsessão de toda a sociedade. Infelizmente, os nossos contemporâneos já não são pintores, mas instaladores, vidioastas, alguns vidiotas. Parabéns pelo alto grau de suas leituras. AB

[Sobre "Matisse e Picasso, lado a lado"]

por AlbertoBeuttenmüller
15/11/2002 às
09h37 200.158.28.18
(+) AlbertoBeuttenmüller no Digestivo...
 
Cuidado com a ideologia !
Grande Alexandre: Seu texto coloca alguns pingos nos is, como recuperar a influência de Francis numa nova geração de intelectuais. Contudo, há um aspecto que discordo completamente: ao falar que esta geração é "de direita", você cai no erro terrível da ideologia - aliás, o mesmo erro da esquerda petista. A nova geração de intelectuais - influenciada ou não por Francis ou Olavo de Carvalho - não pode ser rotulada em hipótese nenhuma. Eles são, isto sim, indivíduos, que tentam pensar por conta própria numa nação que esqueceu o que é isso. Eu, pessoalmente, não sou "da direita" porque, na verdade, nunca exisitiu uma "direita". O único movimento ideológico que exisitiu foi o "da esquerda" - que inventou "o da direita" para domesticar os imbecis que pululam por aí. Assim, quando sou classificado como "da direita", você simplesmente não captou a verdadeira dedicação do meu trabalho e dos meus escritos. Não sou nem "da direita", nem "da esquerda", nem "do centro" - estou acima delas. Qualquer ideologia deforma a nossa percepção da realidade e é nosso dever, como a nova geração de intelectuais que ainda resisite à ascensão da lulidade, restaurar a experiência de uma abertura da alma às coisas que realmente importam, como a salvação da alma e a eternidade. No final da vida, Francis pensava a mesma coisa, mesmo sendo um cético dos diabos. E, por aqui, Olavo de Carvalho tenta fazer o mesmo - mesmo com meio mundo achando que ele é uma variação do mccarthismo (não é porque McCarthy era um tremendo incompetente). Perdemos a noção dos assuntos que importam - e é nosso dever recuperá-los para que essa droga chamada Brasil tenha algum futuro. Abraços, Martim. P.S. Escrevi sobre este perigo de cair na vala da ideologia no meu ensaio "A Geração Corrompida", publicado no jornal "O Indivíduo" (www.oindividuo.com).

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Martim Vasques
15/11/2002 às
08h20 200.211.125.28
(+) Martim Vasques no Digestivo...
 
Compreensão
Veja só: a mulher lavar cuecas é um fato, seja esposa ou empregada doméstica. Não é justo, não parece moderno, mas é fato. Supor o que ocorre na minha casa é agressão gratuita. Não faltam fontes de informação para o que afirmo. Responda um comentário de cada vez.

[Sobre "Ideologia retrô"]

por Fabio Polonio
15/11/2002 às
03h39 32.101.186.133
(+) Fabio Polonio no Digestivo...
 
olá vejam que legal...
http://twybook.cjb.net/

[Sobre "Anos Incríveis"]

por beautifulsunshine
15/11/2002 às
03h45 200.225.194.49
(+) beautifulsunshine no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




20 Passos Para a Paz Interior
Pe. Reginaldo Manzotti
Agir
(2010)



Manual DVD500 Britânia image
Vários
Britãnia
(2004)



Deuses, Túmulos e Sábios
C. W. Ceram
Melhoramentos
(1972)



O céu dos suicidas
Ricardo Lísias
Alfaguara
(2012)



Ensopado de Dragão
Steve Smallman / Lee Wildish
Ciranda Cultural
(2010)



Como Funciona o Meio Ambiente
Preston Gralla
Quark Books
(1998)



Memórias da Menina do Povo - Coleção Passelivre vol. 60
Dinorath do Valle
Nacional
(1985)



Mistério - os Crimes da Rosa Azul
Peter Straub
Francisco Alves
(1992)



O Livro dos Espiritos
Allan Kardec
Petit
(1999)



Ludi e os fantasmas da Biblioteca Nacional (Nova Ortografia)
Luciana Sandroni
Escarlate
(2019)





busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês