as pessoas devem ler o querem | arthur gomes

busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Outsiders, de Howard S. Becker
>>> A fila sempre anda
>>> Na praia
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
>>> Christian Barbosa no MitA
>>> Obama e o oba-oba
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> O que é ser jornalista?
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
Mais Recentes
>>> Estudos Feministas - v. 15, n. 1 (2007) de Vários pela Edufsc (2019)
>>> Estudos Feministas - v. 17, n. 3 (2009) de Vários pela Edufsc (2009)
>>> Mauá Empresário do Império de Jorge Caldeira pela Companhia das Letras (1995)
>>> Camilo - Señor de la Vanguardia de William Galvez pela Editorial de Ciencias Sociales (1979)
>>> Mutações Ensaios Sobre as Novas Configurações do Mundo de Adauto Novaes (Org.) pela Agir (2008)
>>> Síndrome da Violência de Hosmany Ramos pela Sequência Editorial (1984)
>>> Ame e Dê Vexame de Roberto Freire pela Guanabara (1990)
>>> À Sombra das Chuteiras Imortais - Crônicas de Futebol de Nelson Rodrigues pela Companhia das Letras (1993)
>>> A Solidariedade Antifascista Brasileiros na Guerra Civil Espanhola 1936-1939 de Thaís Battibugli pela Edusp (2004)
>>> Como Esmagar o Fascismo de Leon Trotski pela Autonomia Literária (2018)
>>> Como nasce e morre o fascismo de Clara Zetkin pela Autonomia Literária (2019)
>>> A aventura de contar-se - Feminismos, escrita de si e invenções da subjetividad de Margareth Rago pela Unicamp (2012)
>>> Pró: reivindicando os direitos ao aborto de Katha Pollitt pela Autonomia Literária (2019)
>>> A Revolução Ignorada: Liberação da Mulher, Democracia Direta e Pluralismo Radical No Oriente Médio de Dilar Dirik et al. pela Autonomia Literária (2015)
>>> Despindo Corpos Uma história da liberação sexual feminina no Brasil (1961 - 1985) de Gisele Bischoff Gellacic pela Alameda Editorial (2017)
>>> Erguer a voz: Pensar como feminista, pensar como negra de Bell Hooks pela Elefante (2019)
>>> Olhares negros raça e representação de Bell Hooks pela Elefante (2018)
>>> Feminismo no exílio: o Círculo de Mulheres Brasileiras em Paris e o Grupo Latino-Americano de Mulheres em Paris de Maira Abreu pela Alameda Editorial (2016)
>>> Relatar a si mesmo: Crítica da violência ética de Judith Butler pela Autêntica (2015)
>>> Quadros de guerra: Quando a vida é passível de luto? de Judith Butler pela Civilização Brasileira (2015)
>>> Trotski - O Profeta Banido de Isaac Deutscher pela Civilização Brasileira (1984)
>>> Nos Tempos de Getúlio: Da Revolução de 30 ao Fim do Estado Novo de Sonia de Deus Rodrigues Bercito pela Atual/ Sp. (1995)
>>> De Getulio a Getúlio: o Brasil de Dutra e Vargas (1945 a 1954) de Francisco Fernando Monteoliva Doratioto (e outro) pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1996)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1991)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1994)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Código da Vida - Fantástico Litígio Judicial de Uma Família de Saulo Ramos pela Planeta (2008)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1991)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Contabilidade introdutória de Sergio Iudicibus, Stephen e outros pela Atlas (1977)
>>> Language Its Nature - Development and Origini de Otto Jespersen, (Prof. Univ. Coppenhagen)./ pela George Allen & UnwinnLtd/London (1949)
>>> El Espejo y La Lámpara: Teoría Romántica y Tradición Clásica de M. H. Abrams pela Eitorial Nova/ Argentina (1962)
>>> Clause Sauf Encaissement de Casimir Pajot pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1891)
>>> Catolicismo para Leigos de John Trigilio e Kenneth Brighenti pela Altabooks (2008)
>>> Estudos Sobre Sucessões Testamentária de Orosimbo Nonato pela Forense (1957)
>>> Los Caminos Actuales de La Critica (Encadernado) de René Girard/ G. W. Ireland/ Jacques Leenhardt... pela Planeta/ Barcelona (1969)
>>> Instituições de Direito Civil Portuguez de M.A. Coelho da Rocha pela Garnier Livreiro (1907)
>>> Régimen Argentino de la Propiedad Horizontal de José A. Negri pela Arayú (1953)
>>> Enciclopédia de Cultura de Joaquim Pimenta pela Freitas Bastos (1963)
>>> Direitos de Família de Lafayette Rodrigues Pereira pela Freitas Bastos (1945)
>>> Demarcação Divisão Tapumes de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Bernardo Alves S.A. (1963)
>>> Consultor Civil de Carlos Antonio Gordeiro pela Garnier (1913)
>>> El Derecho de Familia en La Legislacion Comparada de Luis Fernandez Clerico pela Hispano Americana (1947)
>>> Estudos de Direito Civil de Manoel Martins Pacheco Prates pela São Paulo (1926)
>>> Direitos Reaes de Garantia de J.L. Ribeiro de SouSa pela C. Teixeira
COMENTÁRIOS

Sábado, 19/3/2005
Comentários
Leitores


as pessoas devem ler o querem
São exatamente essas grandes redes que com seu volume alto de vendas podem patrocinar a publicação de livros que de outra forma teriam pouco retorno financeiro. É só entrar na livraria cultura, ali tem desde o Código Da Vinci até uma edição bilíngue italiano-latim da Eneida de Virgílio. É bom lembrar que essa entidade "mercado" são as pessoas, e seu movimento reflete as preferências dessas mesmas pessoas em relação às leituras. Esse discurso me cheira a puro elitismo intelectual de alguém que acha que sabe mais do que os outros e que as pessoas não devem ler o que querem, mas aquilo que ela acha que eles devem ler.

[Sobre "Livro pra quem precisa"]

por arthur gomes
19/3/2005 às
18h15 200.164.221.32
(+) arthur gomes no Digestivo...
 
Essa mamata tem que acabar
Essa mamata de ficar dando dinheiro a fundo perdido pra esses "artistas" tem que acabar. O Estado se agiganta de tal forma que termina sendo deficitário em tudo. Se eles querem dinheiro, vão num banco pedir um empréstimo.

[Sobre "Cultura e Democracia Na Constituição Federal"]

por arthur gomes
19/3/2005 às
17h50 200.164.221.32
(+) arthur gomes no Digestivo...
 
um literato genuíno
Olá, gostei muito do que li acima, e se me permite, vou fazer um comentário. Essa "retrospectiva" não se aplica a todos, é a minha opinião. Muitos da nossa geração - também tenho 26 anos, e sou brasileiro - não gostavam, quando mais jovens, de Legião ou Hollywood; "consumiam" cultura européia e asiática; e é preciso distinguir, creio, a vida pessoal de cada um do contexto histórico vivido. Como fiz faculdade de História, na USP, creio que conheci muita gente que poderia ser incluída no rol de importantes intelectuais; e infelizmente, para nosso azar, conheci poucos que se aventuraram literariamente. (Tenho um amigo, porém, argentino, que tem uma vasta bagagem cultural e é escritor - um ótimo escritor, por sinal). Concluindo: sempre vão ter os "egóticos", como diz o Ruffato, e os que vêem, na literatura, um sentido autêntico e genuíno. Mas não creio que seja apenas uma pessoa ou outra desse último grupo - em termos de nossa geração; e também acho que o Brasil tem historicamente uma inexpressividade cultura-intelectual, em nível mundial, que faz com que nos obrigue a lutar para evoluir nesse cenário todo. (Você próprio pode ser considerado um literato genuíno, ao lado de Michel Laub e Carpinejar, não?) Um abraço, Denny

[Sobre "Autores novos"]

por Denny Yang
19/3/2005 às
12h24 200.158.60.211
(+) Denny Yang no Digestivo...
 
leituras para cama ou mesa!
Estimado Lem, concordo plenamente com o que você escreveu. Aliás, tenho uma teoria bem clara a esse respeito. Acredito que há no Brasil e no mundo um grande número de leitores que se delicia com romances do tipo Ulisses de James Joyce ou Grande Sertão Veredas de Guimarães Rosa. Os dois romances citados, bem como os que seguem a linha da Grande Literatura, são romances para se ler sentado, com a atenção bem atilada, pois se perdermos uma palavra o sentido da obra se esfacela. Se pegarmos os últimos grandes sucessos de vendas no mundo, vamos nos deparar com Harry Potter e O Código Da Vinci. São livros que foram adaptados para o cinema depois de venderem muitos milhares de exemplares por todo o mundo, inclusive o Brasil. Tanto a série Harry Potter como o Código são livros para se ler na cama, antes de dormir ou a qualquer hora, pois a trama é tão boa, a linguagem tão acessível que não se perde o fio da meada.

[Sobre "Abismos literários"]

por vera carvalho
19/3/2005 às
08h50 201.0.82.105
(+) vera carvalho no Digestivo...
 
um grande passo
Julio, é preciso coragem para se dizer incapaz. Sou de uma geração bem anterior à sua. Sou nascido nos anos 50. Muito velho, talvez, para meter minha colher de pau nesse angu. Mas, diante do seu texto, fico mais à vontade para dizer que, já escrevi sobre o tema em meus comentários, me assusto, incrível, mesmo passando pelas mudanças que minha geração passou, com a voracidade com que esses jovens se lançam às páginas brancas. Daí, perdoem-me se sou repetitivo, a questão colocada por Richard Senneth em "Declínio do Homem Público": "por que há tantos poetas e menos leitores de poesia?" Não tenho fórmulas, receitas ou certezas. Minha geração participou de movimentos sufixados por "ismos", que a mim serviram para que eu carregue a seguinte questão: "mundos ideais se existirem, só em nossas vãs cabeças." Entretanto,a porta da literatura era aberta para nós por Monteiro Lobato. A ele se seguiam: Manuel Antonio Almeida, Taunay, Eça de Queiroz, Camilo Castelo Branco, Clarice Lispector, Lima Barreto... No cinema vivemos "O Cinema Novo", Glauber e outros, no teatro o grande mestre, entre outros, Ziembinski, na música Ary Barroso, Noel Rosa... Mesmo providos de uma pequena bagagem não nos atrevíamos a sair com nossos cadernos a querer transformá-los em espelhos de nossos autores. Cadernos que só se fechavam após muitas horas de cadeira. Hoje, parece-me que vivemos a ânsia das páginas brancas que devem ser preenchidas como a produção em série de "chips". Mas, penso que nem tudo está perdido. Repito, desculpem-me os leitores: há duas formas de se ler o holocausto uma pela visão do Primo Levy e outra pela visão do Imre Kertész. Você colocou a questão, penso que já demos um grande passo.

[Sobre "Autores novos"]

por luiz fernando
18/3/2005 às
17h19 200.252.60.234
(+) luiz fernando no Digestivo...
 
surrada formação intelectual
Parabéns pelo texto – os seus têm sido os melhores do Digestivo (e não vai me classificar como o “Me Engana Que Eu Gosto” ou o “Super Amigo”...) Um comentário (divagação?): Virou moda, sobretudo aqui no Brasil, falar do nada. Já vi cronista ocupando a cara e nobre página dos nossos jornais começando textos com um “não sei bem sobre o que escrever hoje”, ou um “não entendo nada” disso ou daquilo. Alguns até se orgulham da ignorância, por exemplo, de temas políticos, econômicos, científicos, filosóficos. Dizem que é a “resposta dos sensíveis à globalização fria e desumana do mundo de hoje” (aí, sim, estão divagando...) E, enquanto um Gore Vidal, ou um Philip Roth, um Updike, lançam-se sobre os grandes temas da humanidade, sem temores, aqui ficamos no jogo fácil do "croniquismo" (Rubem Braga, gênio do gênero, nos deve essa, mas ele tem crédito de sobra). Escritores de gerações mais velhas, talvez cansados das desilusões do mundo real, têm padecido desse medo. Os mais novos, nossos blogueiros candidatos a escritores, por exemplo, idem. Neste caso – e aí entra seu texto –, são mesmo vítimas da surrada formação intelectual que tivemos.

[Sobre "Autores novos"]

por Heberth Xavier
18/3/2005 às
03h34 201.19.42.157
(+) Heberth Xavier no Digestivo...
 
O Fome Zero nunca existiu
O Fome Zero nunca existiu a não ser nos discursos eleitoreiros. Inviável, impraticável e burro. E aquilo que era dito como se fosse obra a ser realizada pelo governo, ficou para o bolso do povo. A fome é um flagelo que atinge todos os povos e no Brasil uma tragédia onde o que para ela deveria ser destinado teve o o caminho de tudo: o bolso dos políticos. Solidariedade sim; humanitarismo sim; mas não esperem de mim um centavo para esta falácia proposta por um energúmeno que a mão do inferno colocou no governo.

[Sobre "Cultura e Democracia Na Constituição Federal"]

por Carlos Antônio
17/3/2005 às
23h42 200.255.12.3
(+) Carlos Antônio no Digestivo...
 
Jornalismo quadrinístico
Olá, Julio, como vai. Aqui é o Daniel Camerini, o editor da Kaboom! Obrigado pela divulgação e achei bem criativo seu texto. E apenas para responder suas perguntas, sim, a idéia é virar uma revista mensal e falar sobre o mercado atual sem rabo preso com editoras, autores ou qualquer outra coisa. Jornalismo quadrinístico de verdade. Valeu e boa sorte a todos nós.

[Sobre "Digestivo nº 222"]

por Daniel
8/4/2005 às
08h43 200.171.225.199
(+) Daniel no Digestivo...
 
o Fome zero ainda existe?
Parte do texto fez-me lembrar conversa recente aqui em casa; o assunto, o projeto "Fome Zero". É aquela coisa: o Estado não utiliza os recursos arrecadados como deveria, então apresenta o "Fome zero", a ser implantado (segundo propaganda na tv) com as contribuições dos cidadãos já sobrecarregados com IR, impostos em tudo que se compra, etc... Enfim, é a mesma coisa que o mencionado aqui sobre a poluição e a precariedade do transporte público... aliás, o "Fome zero" ainda existe?

[Sobre "Cultura e Democracia Na Constituição Federal"]

por Carla
17/3/2005 às
05h07 200.222.222.96
(+) Carla no Digestivo...
 
Nomes mundo afora
Julio, deixe eu conter o riso depois de sua ótima coluna para contar a minha história também! Meu sobrenome “estrangeiro” (se é que existe isso num país de imigração como o Brasil) é sempre causa de dificuldades. O som “dl”, em Sandler, não existe em português. Mais comumente, eu viro “Daniela Sandra”. Como se eu não tivesse sobrenome. Mas o interessante foi quando vim morar nos Estados Unidos. Em inglês, não só existe o som “dl”, como o conjunto “ndler” é muito comum. Todo mundo entende e escreve “Sandler” quando eu falo, com sotaque americano: “séén-ler”. Mas Daniela é impronunciável. “Daniéul-llll-a”, enrolam a língua, e acabo virando o mais familiar “Danielle”, que eles pronunciam “daniééulll”. Daí morei em Berlim. Adaptei a pronúncia de “Sandler”, cuja grafia já parece bem germânica: “zánndlaah.” E aí a mágica aconteceu: eles entendem tanto o Sandler quanto o Daniela. Sempre acertam meu primeiro nome, que é bastante usado por lá. Só adaptei a pronúncia: “dani-ê-la”, é como eles dizem. E aí está a suprema ironia: tive de ir para a Alemanha para que entendessem meu nome por inteiro!

[Sobre "É Julio mesmo, sem acento"]

por Daniela Sandler
16/3/2005 às
18h02 69.227.70.1
(+) Daniela Sandler no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MUU - 8558
JANE SMILEY
ROCCO
(1996)
R$ 7,00



ESCRAVIDÃO NUNCA MAIS
HELDIA ROCHA PIRRA
ALQUIBOOKS
(1998)
R$ 4,50



ACAMPAMENTO ESPERANÇA
CARLOS PARRA DÍAZ
THOMAS NELSON BRASIL
(2011)
R$ 15,00



VARIABILIDADE DO NÍVEL DO MAR
ALESSANDRO FILIPPO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



NOSSO HOMEM EM HAVANA
HENRY GRAHAM GREENE
ABRIL CULTURAL
(1972)
R$ 20,00



25 MANEIRAS DE VALORIZAR AS PESSOAS
JOHN C. MAXWELL E LES PARROTT
SEXTANTE
(2007)
R$ 15,00



NOVO NOME DA PAZ
RUY MARTINS ALTENFELDER SILVA
PAX SPES
(2013)
R$ 4,25



EVOLUIR OU MORRER!
OMAR FRANCESCHI
MERCURYO
(1999)
R$ 5,20



O QUE É CULTURA POPULAR
ANTONIO AUGUSTO ARANTES
BRASILIENSE
(1983)
R$ 7,00



RELAXAMENTO COM CRIANÇAS (PEDAGOGIA)
MAGDA VILAS-BOAS
EDIÇÕES LOYOLA
(1996)
R$ 7,00





busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês