Sexo, álcool e desilusão | Pedro Maciel

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Local, Global de Heloisa Buarque de Almeida pela Berlendis & Vertecch (2013)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> Geometria Analítica Plana de Steinbruch Basso pela Makron Books (1991)
>>> Plano de Negócios de Egoy Walter Wildauer pela Intersaberes (2012)
>>> A Rendeira Borralheira de Socorro Acioli; Alexandre Camanho pela Positivo Livros (2009)
>>> How to Launch a Brazilian Depositary Receipts (bdrs) Program de Vários Autores pela Pwc
>>> Amanhã é outro dia de J.m. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> Tempo Bom, Tempo Ruim de Jean Wyllys pela Paralela (2014)
>>> O Fantasma de Canterville de Oscar Wide pela Scpione (2006)
>>> não vi enão gastei - O fenômeno do Prenconceito de Renato da Siva Queiroz pela Moderna (1997)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2016)
>>> Giocondo Dias - a Vida de Revolucionario de João Falçãqo pela Agir (1993)
>>> Passenger to Frankfurt de Agatha Christie pela Harpercollins Uk (2017)
>>> Por Que Sonhei Com Isso? de Evelyn Kay Massaro; Lauri Quinn Lowenberg pela Best Seller (2017)
>>> Born Montoneros - 9 Meses En las Entranãs de Montoneros de María Odonnell pela Sudamericana (2015)
>>> Mesa para Dois de Nora Roberts pela Harlequin Books Br (2007)
>>> Controle o Estresse de Augusto Cury pela Gold
>>> Schwert, Das de Daniel Easterman pela Aufbau Tb (2009)
>>> English in Formation 3rd Edition 8 Teacher Book de Wilson Liberato pela Standfor (2016)
>>> Metade de uma Rosa de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2007)
>>> Alarde Poético de Vários pela Não consta (2006)
>>> Perfume Derramado de Denise Seixas pela Bolabooks (2016)
>>> Evangelho Eterno e Orações Prodigiosas de Osvaldo Polidoro pela Do Autor (2009)
>>> Nao Pergunte Se Ele Estudou de Renato Alves pela Humano (2011)
>>> Habermas e a Dialética de David Igram pela Edunb (1993)
ENSAIOS

Segunda-feira, 8/8/2005
Sexo, álcool e desilusão
Pedro Maciel

+ de 8000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Estar sendo. Ter sido é o livro mais surpreendente de Hilda Hilst (1930-2004), poeta que foi musa de Carlos Drummond e Vinícius de Moraes. Hilst nunca foi reconhecida pela crítica impressionista ou pela crítica de influência psicanalítica. Há certos críticos que sustentam que as teorias explicam as obras e não o contrário. O leitor de jornal não está interessado em teoria articulada pelos críticos acadêmicos, não quer saber de um texto hermético que tem sentido na sala de aula, mas não nas páginas de um jornal.

O público leitor de jornal prefere o texto inteligível, claro, objetivo. O leitor espera do resenhista "a descrição do livro e uma apreciação de sua qualidade", e não uma crítica dirigida ao escritor. E são esses adoráveis críticos que assaltaram os cadernos de cultura dos jornais que não reconheceram Hilda Hilst como um dos melhores poetas vivos do país.

Estar sendo. Ter sido é um livro que trata das aflições eróticas de um senhor de 65 anos, Vittorio, meio desesperado, tentando entender o sentido da vida e da morte. Vittorio é um "personagem-máscara" de Hilda, atormentado com a possibilidade da loucura. Vive entre receitas de drinques e suicídios. Mora na praia com seu filho Júnior, nadador e fodedor, "jumento como o pai" e com Matias, seu outro irmão. E ainda com cães, gansos e livros.

O romance é norteado pela sexualidade e pelo desejo. A história é certamente verdadeira. A narrativa passa do lirismo ao escracho. As histórias picantes, contadas por Vittorio, "são um oásis necessário entre os textos de enorme intensidade lírico-trágica", textos escritos sob uma perspectiva metalinguística.

Estar sendo... é mais inovador no trato da língua do que na trama do enredo. Hilst intercala prosa poética, teatro e poesia. A autora apresenta uma forma singular de pontuação. A sintaxe é meio telegráfica. O estilo é totalmente livre. Hilst recorre às suas lembranças ficcionais e faz referências a autores como Ovídio, Shakespeare, Jorge de Lima, Mishima, Francis Bacon, Vieira, Oscar Wilde, o pai-poeta Apolonio Hilst e o sempre-amigo Mora Fuentes.

Mas o universo ficcional de Hilst aponta afinidades principalmente com o de James Joyce. Essa aproximação não é só em relação aos aspectos formais, como a narrativa centrada na consciência da personagem. Ela pode ser constatada também no senso cômico dos personagens, que beira o grotesco, a ironia, a sátira. Ulisses, de Joyce, apresenta um número infindável de personagens cômicos. É um livro que nos faz rir às gargalhadas, como o Finnegans Wake, com sua linguagem fundada nas possibilidades cômicas do inglês.

"Enquanto o cômico é a percepção do oposto", observou Pirandello, "o humorismo é o sentimento do oposto (...) Nesse movimento eu já não me sinto superior e distante em relação à personagem animalesca que age contra as boas regras, mas começo a identificar-me com ela, sofro seu drama e minha risada se transforma em sorriso."

Hilst, através desse recurso, segundo Clara Silveira e Edson Costa, na apresentação do livro, cria uma "catarse anticatártica", pois prende o leitor numa teia narrativa que gera repulsa e identificação ao mesmo tempo. Vittorio nos apresenta um mundo às avessas, instável e contraditório. Perigoso e fundo como o Lago Averno, a entrada do inferno. "Perdi o caminho de dentro de mim mesmo. vou esmaecendo. girassóis e sombras, ouro e luto, contrastes. (...) entrei no lago Averno. lá não há pássaros. é a estrada do sem fim o lago Averno. aí uns grandalhões me sorriram: vai entrar no lago sim. escureceu. vi uma trilha de fogo, e anjos dourados sobre negros cavalos."

Vittorio, escritor e bebedor contumaz, é um personagem demoníaco, reencontra nas memórias da juventude o rosto sedutor de seus fantasmas: "É sempre uma névoa que vem vindo como se fosse o perfil esquálido de uma aranha."

Fragmento
“(...) e nenhuma emoção, só essa de estar aqui se dizendo. Cores, calêndulas, anêmonas, espumas sobre um rio leitoso, onde? Onde? Alguém se atirou no Ouse... quem? Não gostaria de morrer afogado não, sei que se vê a vida inteira dizem, não quero ver minha vida inteira, nem um pequeno trecho desta vida, sentir ainda seria alguma coisa, sentir o quê, Vittorio? Um certo brilho uma certa cara, a descoberta de ter escrito: "Deus? Uma superfície de gelo ancorada no riso". Um frio comediante o tal Deus. Gostei quando escrevi isso. Ancorado no riso, isso é bom, a descoberta de ser desprezado, de não ser, de ser apenas um corpo envelhecendo, uma boca vazia agora silenciosa, não neste instante silenciosa, mas uma eternidade silenciosas, e isso também de não ter entendido nada, isso soa penoso e sinistro mas não é...”

Nota do Editor
Ensaio gentilmente cedido pelo autor. Publicado no caderno "Idéias", do Jornal do Brasil, em 12 de julho de 1997.


Pedro Maciel
Belo Horizonte, 8/8/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Para o Daniel Piza. De uma leitora de Eugenia Zerbini
02. O entusiasmo de Lobato de Miguel Sanches Neto
03. Wilson Martins (1921-2010) de Miguel Sanches Neto
04. Reconhecimento de Ruy Espinheira Filho
05. Nadia Boulanger (1887-1979) de Lauro Machado Coelho


Mais Pedro Maciel
Mais Acessados de Pedro Maciel
01. Italo Calvino: descobridor do fantástico no real - 8/9/2003
02. A arte como destino do ser - 20/5/2002
03. Antônio Cícero: música e poesia - 9/2/2004
04. Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa - 14/7/2003
05. Nadja, o romance onírico surreal - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/8/2005
22h07min
Gostei bastante do texto. Identifico-me com este estilo de literatura que você sintetizou. Contradições humanas, pensando, criando e não julgando... Um abraço, Tânia
[Leia outros Comentários de tania]
16/9/2005
09h39min
Curioso notar a mesma preocupação do Gabriel Garcia Marquez em "Memórias de Minhas Putas Tristes". Temas semelhantes, com visões diversas.
[Leia outros Comentários de DaniCast]
17/9/2005
15h18min
Quando soube da morte de Hilda, reli algum conto de Caio Fernando -sendo que já que ele era amigo da escritora e eu não possuía nenhum volume dela- em Morangos Mofados, como forma de resgatá-la. Enquanto isso, alguém que eu conheci na época a homenageou de modo diferente: roubou um volume de Hilda da biblioteca da cidade. De qualquer forma, ninguém pode acusá-lo de não ser original. Sinceramente, Ayron de Melo.
[Leia outros Comentários de ayron de melo]
19/9/2006
16h22min
eu gostei muito de acessar este site, vcs estão de parabéns.
[Leia outros Comentários de elaine teixeira ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Esboços de Sermões
Luis Roberto Silvado
A. D Santos
(2012)



Outras do Analista de Bagé
Luis Fernando Veríssimo
L pm
(2022)



Boas Maneiras e Sucesso nos Negócios
Celia Ribeiro
L&pm
(1993)



O Perito
Robert Finn
Publicações Europa-américa
(2009)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 155
Pini
Pini



O Estudante
Adelaide Carraro
Global
(2001)



Comunicacao Modernizacao e Difusao de Inovacoes no Brasil
Jose Marques de Melo
Vozes
(1978)



Inteligência - Perspectivas Teóricas
Leandro S. Almeida, Aristides Ferreira
Almedina
(2009)



Wireless Java With J2me - Sams Teach Yourself - in 21 Days.
Michael Morrison
Sams



Historias da Vo Cotinha Vivencias e Virtudes
Lucia Nobrega
Rideel
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês