A eternidade nos labirintos de Borges | Pedro Maciel

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
Mais Recentes
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Best Seller (2003)
>>> Só o Amor Constrói de Jose Severino Pessoa pela Edicon (2013)
>>> Seminário Sobre Racismo - Kampala / Uganda 29 Marzo - 8 Abril de Cosec pela Cosec / Cie (1961)
>>> Aborto e Contracepção - Atualidade e Complexidade da Questão de Celso Cezar Papaleo pela Renovar (2000)
>>> A Fascinação pelo Pior de Florian Zeller pela Rocco (2008)
>>> São Paulo Em 1836 - Ensaio Dum Quadro Estatistico da Província de Sp de Marechal D. P. Müller pela Reedição Litteral (1923)
>>> Amor de Natal de Leo Buscaglia pela Record (1987)
>>> Algumas Questões Polemicas do Novo Codigo Civil Brasileiro-2ª. de Marcos Antonio Benasse pela Bookseller (2004)
>>> Território V de Zizzy Ysatis (org.) / Giulia Moon / Cid Ferreira pela Terracota (2009)
>>> A Batalha do Apocalipse de Eduardo Spohr pela Verus (2010)
>>> O segredo de Rhonda Byrne pela Sextante (2015)
>>> Wanderweg de Jack Alain Leger pela Best Seller (1988)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks; Fabiano Morais pela Arqueiro (2012)
>>> Tim de Colleen Mccullough pela Círculo do Livro (1974)
>>> Estrategia - uma Visao Executiva de Cornelis de Kluyver; John Pearce Ii pela Prentice Hall Brasil (2010)
>>> Pequena Abelha de Chris Cleave; Maria Luiza Newlands pela Intrinseca (2010)
>>> A Ponte dos Judeus de Martí Gironell pela Planeta do Brasil (2009)
>>> Compêndio de Biologia, Química e Física de Olentina de Souza Lima e Outros pela Iracema
>>> Os Mistérios das Múmias de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural
>>> Sistemas de Comunicação Popular de Joseph M. Luyten pela Ática (1988)
>>> Dados - Revista de Ciências Sociais - Volume 52 - 1 de Charles Pessanha - Edit. pela Iuperj (2009)
>>> A Death in Brazil - a Book of Omissions de Peter Robb pela Henry Holt
>>> Estórias ao Entardecer de William Netto Candido pela O Autor
>>> Prisioneiro do Caos de Vicente de Paulo Silva pela Via Sette (2001)
ENSAIOS

Segunda-feira, 1/7/2002
A eternidade nos labirintos de Borges
Pedro Maciel

+ de 4000 Acessos

É lugar comum situar Borges como o pai da literatura fantástica latino-americana, ou como um reinventor de lendas e fábulas medievais. Em sua Autobiografia (1899-1970) escrita com Norman Thomas de Giovanni, Borges declara que a sua obra de estréia Fervor de Buenos Aires, “era essencialmente romântica.” E prossegue: “Tenho a sensação de que tudo o que escrevi depois não foi mais do que o desenvolvimento de temas apresentados em suas páginas; sinto que durante toda minha vida estive rescrevendo este único livro.” Toda literatura é uma reescritura (paródia).

No plano espiritual o autor de Ficções é discípulo de Chesterton, Wells, Poe, Conrad, Kafka, Stevenson, Kipling, entre outros. É comum também considerá-lo como um bruxo que habitou a torre de Babel (o universo) para investigar os mistérios do “Livro da Criação”.

O livro Esse Ofício do Verso, organizado por Calim-Andrei Mihailescu, reúne seis palestras consideradas perdidas pelos seus biógrafos. Esses testemunhos foram proferidos na Universidade de Harvard no outono de 1967. Borges trata de vários temas como os enigmas da poesia, a metáfora, o narrar de uma história, a tradução, etc. Proferiu essas palestras sem a ajuda de notas, já que a sua visão o impossibilitava de ler. Nelas, exalta os seus antepassados, os seus sonhos; dialoga com Homero, Virgílio, o Alcorão, a Bíblia e discute com os seus autores preferidos como Cervantes, Shakespeare, Keats, Poe e Whitman.

Mistificou os leitores ao imitar vários idiomas de épocas distintas. Escreveu ensaios sobre livros que nunca foram escritos. Inventou histórias que poderiam ser reais. Imaginou biografias de autores que nunca existiram. É antes de tudo um autor satírico, autor exemplar de idéias, arquiteto de labirintos, descobridor do fantástico no real.

Adepto da ficção absurdamente elaborada. De estilo imprevisível; alterna humor, erudição, deslumbramento e ironia. Sobre a construção de sua estética, Borges anota no prólogo do livro Elogio da Sombra que “não sou possuidor de nenhuma estética. O tempo ensinou-me algumas astúcias: evitar os sinônimos, que têm a desvantagem de sugerir diferenças imaginárias; evitar hispanismos, argentinismos, arcaísmos e neologismos; preferir as palavras habituais às palavras assombradas; intercalar em um relato traços circunstanciais, exigidos agora pelo leitor; simular pequenas incertezas, já que, se a realidade é precisa, a memória não o é; narrar os fatos (isto aprendi em Kipling e nas sagas da Islândia) como se não os entendesse totalmente. Tais astúcias ou hábitos não configuram certamente uma estética. Além do mais, descreio das estéticas. Em geral, não passam de abstrações inúteis...”

Estudioso do mundo metafísico, “dos mortos que perduram em mim”, da linguagem, das instituições, da pátria, do tempo, dos seres imaginários, do sonho dos heróis, da perplexidade do homem moderno, da vida que provavelmente sucede a morte.

No poema “O Nosso”, o autor argentino revela alguns temas que o perseguiram por toda vida: “Amamos o que não conhecemos, o já perdido./ O bairro que foi arredores./ Os antigos que não nos decepcionarão mais/ porque são mito e esplendor./ Os seis volumes de Schopenhauer que jamais terminamos de ler./ A saudade, não a leitura, da segunda parte do Quixote./ O Oriente que, na verdade, não existe para o afegão, o persa ou o tártaro./ Os mais velhos, com quem não conseguiríamos/ conversar durante um quarto de hora./ As mutantes formas da memória, que está feita do esquecido./ Os idiomas que mal deciframos./ Um ou outro verso latino ou saxão que não é mais do que um hábito./ Os amigos que não podem faltar porque já morreram./ O ilimitado nome de Shakespeare./ A mulher que está a nosso lado e que é tão diversa./ O xadrez e a álgebra, que não sei.”

Quase tudo já se falou do escritor que conta/canta a história da eternidade. Do ensaísta que se transforma em contista, do historiador que recupera o memorialista, do biógrafo que inventa o ficcionista, do poeta que sucede ao lingüista.

Também já se falou muito do Borges como narrador e personagem de suas histórias. Mas é o próprio Borges, autor do texto “Borges e Eu”, incluído em O Fazedor, que narra para o leitor os dois Borges fundamentais: “Eu permanecerei em Borges, não em mim (se é que sou alguém), mas me reconheço menos em seus livros do que em muitos outros ou do que no laborioso rasqueado de uma guitarra. Há alguns anos tentei livrar-me dele e passei das mitologias do arrabalde aos jogos com o tempo e com o infinito, mas esses jogos agora são de Borges e terei que imaginar outras coisas. Assim minha vida é uma fuga e tudo eu perco e tudo é do esquecimento, ou do outro. Não sei qual dos dois escreve esta página”.

Borges decifra a identidade do Eu através dele mesmo, no momento em que ele “sabe para sempre quem é”. O outro, o duplo, o infinito, o espelho, o reflexo, a reflexão, fazem parte de um jogo enigmático e que pode revelar a linguagem contida na enciclopédia borgeana.

O autor de “Biblioteca Pessoal” criou textos/variações sobre o mesmo tema para recuperar a idéia do “outro”; ele enxergou o seu outro, que é o seu eu. Na obra de Borges, os espelhos são abomináveis, “porque multiplicam o número de homens”, refletem o inferno, os crepúsculos, o não-lugar, “a hora sem metáfora”, os labirintos, os tigres, “a dispersão do sono e dos sonhos”, a misteriosa vida humana.

Borges releu a biblioteca da humanidade com o objetivo de confirmar a inexistência do conceito de originalidade e, talvez, verificar que “os grandes versos da humanidade não foram ainda escritos. Essa é a imperfeição de que alegra-se nossa esperança”.

* * *

“Quando escrevo, tento ser fiel ao sonho e não às circunstâncias. Claro, em minhas histórias (dizem-me que devo falar sobre elas) há circunstâncias verdadeiras, mas de algum modo senti que essas circunstâncias deviam ser contadas com certo quinhão de inverdade. Não há satisfação em contar uma história como realmente aconteceu. Temos de mudar as coisas, ainda que as achamos insignificantes; caso contrário, não devemos nos tomar como artistas, mas talvez como meros jornalistas ou historiadores. Embora suponha que todos os verdadeiros historiadores soubessem que podiam ser tão imaginativos quanto os romancistas. Por exemplo, quando lemos Gibbon, o prazer que desfrutamos dele é bastante afim ao prazer que desfrutamos da leitura de um grande romancista. Suponho que ele tivesse de imaginar as circunstâncias. Há de ter tomado a si mesmo como tendo criado, num certo sentido, o declínio e a queda do Império Romano. E o fez de modo tão magnífico que não me interessa aceitar nenhuma explicação.

“(...) Quando escrevo, não penso no leitor (porque o leitor é um personagem imaginário) e não penso em mim mesmo (talvez eu também seja um personagem imaginário), mas penso no que tento transmitir e faço de tudo para não estragá-lo. Quando eu era jovem, acreditava na expressão. Eu lera Croce, e a leitura de Croce de nada me serviu. Eu queria expressar tudo. Pensava, por exemplo, que, se precisava de um pôr-do-sol, devia encontrar a palavra exata para o pôr-do-sol – ou melhor, a mais surpreendente metáfora. Agora cheguei à conclusão (e essa conclusão talvez soe triste) de que não acredito mais na expressão: acredito somente na alusão.”

(Trechos de “O Credo de um Poeta”, do livro Esse Ofício do Verso, de Jorge Luis Borges.)

* * *

“Acho que o romance está em declínio. Acho que todos aqueles experimentos bastante ousados e interessantes com o romance – por exemplo, a idéia de deslocamento temporal, a idéia de a história ser contada por diferentes personagens –, todos eles conduzem ao momento em que o romance não estará mais entre nós.

“Mas existe algo com a história, com a narrativa, que sempre estará presente. Não creio que um dia os homens se cansarão de contar ou ouvir histórias. E se, junto com o prazer de nos ser contada uma história, tivermos o prazer adicional da dignidade do verso, então algo grandioso terá acontecido. Talvez eu seja um homem antiquado do século XIX, mas tenho otimismo, tenho esperança; e como o futuro comporta várias coisas –, acho que a épica voltará para nós. Creio que o poeta haverá de ser outra vez um fazedor. Quero dizer, contará uma história e também a cantará. E não consideraremos diversas essas duas coisas, tal como não pensamos que são diversas em Homero ou em Virgílio.”

(Trecho de “O Narrar uma História”, do livro Esse Ofício do Verso, de Jorge Luis Borges.)

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no caderno "Prosa & Verso", na edição de 17 de fevereiro de 2001, do jornal O Globo.

Para ir além






Pedro Maciel
Belo Horizonte, 1/7/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Maupassant e Flaubert de Claudia Lage
02. O senhor embaixador de Adelto Gonçalves
03. Com Chico Science, no Recife de Luís Antônio Giron
04. 77 anos do Mercado Municipal de Eugenia Zerbini
05. Conversas com Woody Allen de Ricardo Besen


Mais Pedro Maciel
Mais Acessados de Pedro Maciel
01. Italo Calvino: descobridor do fantástico no real - 8/9/2003
02. A arte como destino do ser - 20/5/2002
03. Antônio Cícero: música e poesia - 9/2/2004
04. Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa - 14/7/2003
05. Nadja, o romance onírico surreal - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lucie im Wald mit den Dingsda
Peter Handke
Suhrkamp
(2001)



Grandes Líderes da História
Jonathan Gifford
Gente
(2011)



Dicionário Básico de Mitologia Grécia Roma Egito
Luiz A. P. Victoria
Ediouro
(2000)



Vale a Pena Amar
Jose Carlos De Lucca
Petit
(2008)



The Golden Coin F1
Dirce Guedes
Ftd
(1992)



A Roupa do Corpo
Francisco Azevedo
Record
(2020)



O Faraó Alado
Joan Grant
Pensamento
(1988)



Moby Dick
Herman Melville
Abril
(2012)



Auto da Barca do Inferno: Farsa de Inês Pereira ; Auto da índia
Gil Vicente
Atica
(2006)



Retrato Em Sépia
Isabel Allende
Bertrand Brasil
(2001)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês