Os críticos se divertem | Luís Antônio Giron

busca | avançada
30385 visitas/dia
851 mil/mês
Mais Recentes
>>> Exposição destaca figura feminina com a leveza da aquarela
>>> Obra de paranaense radicada no Amazonas está entre as finalistas do prêmio Jabuti 2018
>>> Festival Dansk!!BR 10 anos de colaboração Dinamarca - Brasil
>>> Terapeuta de Ambientes Miguel Heilborn ministra palestra no Clube Hebraica, em São Paulo
>>> Livro Politicamente Incorreto da Virgem Maria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Que galho vai dar
>>> Relâmpagofágico
>>> Caminhada
>>> Chama
>>> Ossos perduram
>>> Pensamentos à política
>>> A santidade do pecado em Padre António Vieira
>>> Casa de couro III
>>> Nó de Ventos
>>> Letra & Música
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redentor, a versão nacional e atualizada da Paixão
>>> Como detectar MAVs (e bloquear)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II)
>>> Filmes on-line
>>> A Trilogia de Máximo Górki
>>> Apresentação
>>> A Estratégia de Barack Obama, por Libert e Faulk
>>> O som na cabeça
>>> Kasabian - Re-Wired
>>> Zicartola
Mais Recentes
>>> Divergente de Veronica Roth pela Rocco (2012)
>>> Migração e Mão-de-obra: Retirantes Cearenses na Economia Cafeeira... de Paulo Cesar Gonçalves pela Humanitas (2006)
>>> Italianos Sob a Mira da Polícia Polícia Política de Viviane Teresinha dos Santos pela Humanitas (2008)
>>> Catatau de Paulo Leminski pela Iluminuras (2010)
>>> Armagedom em Retrospecto de Kurt Vonnegut pela Lpm (2018)
>>> Democracia Sindical no Brasil de Ericson Crivelli pela LTr (2000)
>>> Instituições de Direito Civil - Volume 1 de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense/Gen (2010)
>>> Maçonaria - Coletânea de Trabalhos dos Anais de 10 Anos - Acomp. CD de Loja Francisco Xavier Ferreira pela Grande Oriente do Rio Grande do Sul (2007)
>>> Prática de Contratos e Instrumentos Particulares de Antonio Celso Pinheiro Franco e Celina Raposo do Amaral Pinheiro Franco pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> O Livro do Travesseiro de Sei Shonagon pela 34 (2018)
>>> O Homem Que Ri de Victor Hugo pela Liberdade (2014)
>>> Responsabilidade Civil - Lei 10.406, de 10.01.2002 de Arnaldo Rizzardo pela Forense (2006)
>>> Contratos e Regulamentações Especiais de Trabalho de Alice Monteiro de Barros pela LTr (2001)
>>> O Poder da Arte de Schama, Simon pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Sudário de John Benville pela Biblioteca Azul (2015)
>>> O violão azul de John Benville pela Biblioteca Azul (2016)
>>> Os infinitos de John Benville pela Nova Fronteira (2011)
>>> 2666 de Roberto Bolaño pela Companhia das Letras (2010)
>>> Box Fernando Pessoa: Ficções do interlúdio, Mensagem & Livro do desassossego de Fernando Pessoa pela Novo Século (2018)
>>> O leão e o chacal mergulhador de Anônimo pela Globo (2009)
>>> O Livro de Orações de Equipe da Editora Eco pela Eco (1973)
>>> Jeito de Ser de Marenos Schmidt e Cláudia Bruscagin Schwantes pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Há Poder em Suas Palavras de Don Gossett pela Vida (1993)
>>> Nada É Impossível Para Deus de Jocymar Fonseca pela Casa Nazareno de Publicações (2003)
>>> Quando o Falar É Ouro de Guiomar de Oliveira Albanesi pela Vida & Consciência (2008)
>>> A gazeta esportiva ilustrada nº295 de Fundação Cásper Libero pela Cásper Libero (1966)
>>> Sobrevivência e Comunicabilidade dos Espíritos de Hermínio C. Miranda pela Feb (1990)
>>> ...E as Vozes Falaram de Fernando do Ó pela Feb (1946)
>>> Instruções Psicofônicas de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1962)
>>> Amarás de Xavier de Chalendar pela Edições Paulinas (1967)
>>> Cristo em Retalhos de Lambert Noben Mo pela Edições Paulinas (1982)
>>> Luz Acima de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1984)
>>> Mãe: Antologia Mediúnica de Francisco Cândido Xavier pela Casa Ed. O Clarim (1971)
>>> Senzala de Salvador Gentile pela Instituto de Difusão Espírita (1992)
>>> Motoqueiros no Além de Eurícledes Formiga pela Instituto de Difusão Espírita (1996)
>>> Síntese de O Livro dos Espíritos de B. Godoy Paiva pela Edições Feesp (1978)
>>> Sulco de Josemaría Escrivá pela Quadrante (1987)
>>> Bezerra de Menezes: Ontem e Hoje de Equipe da Feb pela Feb (2000)
>>> Lições Para o Cotidiano de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ie (2008)
>>> Vida e Atos dos Apóstolos de Cairbar Schutel pela Casa Ed. O Clarim (1981)
>>> Mente, Corpo e Destino de Katsumi Tokuhisa pela Seicho-no-ie (1984)
>>> Estudando a Mediunidade de Martins Peralva pela Feb (1975)
>>> Escuta, Meu Filho de Corina Novelino pela Instituto de Difusão Espírita (1991)
>>> Anjos cabalisticos de Monica buonfiglio pela Rodar (2018)
>>> O zahir de Paulo coelho pela Gold (2018)
>>> Quatro num fusca de Esdras do nascimento pela Ediouro (2018)
>>> Alameda do sexo de Carlos frança pela Sorvil (2018)
>>> Direitos e garantias no processo penal brasileiro de Rogerio laura tucci pela Saraiva (2018)
>>> Contra o abuso dos bancos de Jonair nogueira martins pela Cs (2018)
>>> Arte no xadrez moderno de Barnie f. winkelman pela Hemus (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 8/7/2002
Os críticos se divertem
Luís Antônio Giron

+ de 3600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não há raça mais comicamente narcisista que a dos críticos de música erudita. Eles se pavoneiam nos concertos, ocupando os lugares gratuitos que lhes são concedidos pela produção do espetáculo e, dali a no máximo dois dias, fazem publicar suas observações sobre o desempenho da atração musical a que assistiram. Tais textos servem para informar o leitor e fazer com que aquele que viu o mesmo espetáculo possa discutir o conteúdo da matéria crítica; daí nascerem as polêmicas, geralmente entre um amador e um profissional. Em geral, o amador não passa do crítico; o profissional é o leitor, aquele espécime de unabomber postal que vive de enviar cartas e e-mails furibundos às redações. A intenção deste é, talvez, abocanhar um naco na eternidade das publicações impressas. E tudo terminaria nos arquivos mortos.

Mas o que deseja o crítico? Não se compraz em publicar o folhetim de sua sensibilidade para o leitor eventual; quer mais, ser mais eterno que o leitor profissional e não resiste ao contemplar suas crias recicladas em volumes. A coletânea de comentários dá ao crítico a ilusão da glória, a embriaguez de que suas palavras ficarão para a posteridade, pelo simples fato de figurarem num volume (o editor sabe que não vai vender, mas fica feliz em – para usar um verbo horroroso da moda – "fidelizar" um sujeito influente). E há a noite de autógrafos, a sessão de salamaleques dos colegas, bajuladores e músicos temerosos de ataques futuros, mesmo que a farpa não se baseie em conhecimento de música. Ah, há o poder...

Para evitar que os desprezíveis anões da cultura que decoram o jardim dos concertos escrevessem os textos das contracapas de seus discos, o pianista americano Charles Rosen, de 73 anos, tomou para si o encargo de interpretar obras musicais. O impulso surgiu com as notas de um disco que gravou com obras de Chopin, cuja contracapa era do crítico James Huneker: "Em um dos últimos noturnos, ele defendia a idéia de que a música 'cambaleava bêbada com o perfume das flores'. Esta não era a minha visão sobre a obra. Eu não entendia para que serviam aquelas notas. O estilo de Huneker é um convite para o ouvinte sonhar e dissipar a atenção no devaneio. O tipo de escritos sobre música que eu prefiro – e de performance – fixa e intensifica a atenção do ouvinte. Quando ouço música, prefiro me perder nela, não escapar para meu mundo pessoal com a música como decorativa e fundo distante."

Movido pelo alvo de fazer o público atentar para a música, Rosen derivou para a crítica e o folhetinismo. Passou a ser identificado como um dos boboli que observam a vida musical. Mas é melhor que os críticos impressionistas de ocasião.

Ao publicar sua segunda coletânea, o músico-crítico traiu um misto de constrangimento e prazer sádico em trazer à tona suas idéias. O tomo se intitula, sintomaticamente, Critical Entertainments - Music and New. Atualmente catedrático de pensamento social e música da Universidade de Chicago, ele dá continuidade à coletânea Romantic Poets, Critics and Other Madmen (Harvard University Press, 1998), na qual aborda a poética de Balzac e Byron, a loucura de Hölderlin e o estatuto da crítica musical na obra de George Bernard Shaw ("The Journalist Critic as Hero"). Outro livro, Romanticism and Realism (1999), integra os estudos de Rosen sobre história da cultura e as associações desta com a música.

Na reunião de textos escritos ao longo dos últimos 25 anos e estampados em diversas publicações, Rosen exibe ironia e, às vezes, ligeireza. Ainda que estampe citações de passagens em pentagrama, o estilo se revela muito diferente dos produzidos em duas décadas de trabalho teórico. Este resultou em obras como The Classical Style (1972), aula de anatomia da forma-sonata de Haydn e Mozart, e A Geração Romântica (The Romantic Generation, 1995), lançado no Brasil no início de 2000, interpretação sobre o Romantismo, com base na idéia de que a música incorreu em promiscuidade com as outras artes e fundou, assim, a Modernidade.

Critical Entertainments é o tipo de coletânea de artigos que serve como vade-mécum do melômano incontinente. O tomo não defende posições de grande impacto, mas ajuda a refletir sobre a comunicação musical. Rosen postula que o entusiasmo é tanto o motor primordial da boa análise de partituras como o princípio gerador do cânone da música erudita. Para comprovar a tese, o autor revela um espírito incomum ao gênero. Afinal, ele não se enquadra no talhe de crítico banal. Desdenha a postura retrógrada daqueles que odeiam as obras contemporâneas e professam dogmas como o método da desmontagem "neutra" de peças musicais desenvolvido por Heinrich Schenker. Sem entusiasmo e envolvimento de todas as esferas da produção, acha, não pode existir arte nem conhecimento. Recepção se torna tão fundamental quanto produção e distribuição. Naturalmente, a crítica integra os círculos mal-afamados e pouco estudados da fruição estética.

O estudioso inicia a obra desculpando-se pelos exemplos musicais, que, para ele, são incontornáveis para o leitor mergulhar no saber dos sons. "Haverá o dia em que a crítica musical será fácil e rotineiramente acompanhada de uma ilustração audível do tema, mas esse dia ainda não chegou", diz, sem considerar as possibilidades que as novas tecnologias, como MP3 e Napster, podem abrir, desde já, ao exercício crítico.

Segundo ele, os 18 textos de Critical Entertainments se pautam por três questões: o dogmatismo limitador da teoria musical; o fato de os musicólogos desconsiderarem o lado profissional da música e o inverso, a ignorância da musicologia pelos músicos; em terceiro lugar, a relação ambígua entre crítica e experiência musical. Rosen pensa que, dentro da primeira preocupação, os formalistas shenkerianos são tão dogmáticos quanto os anti-schenkerianos. Em vez de optar por um dos pólos, indica que o procedimento correto é se valer de todo tipo de instrumento para fazer uma análise mais completa. Ignorar circunstâncias em que as obras foram feitas significa, de acordo com o crítico, incorrer em erro. É preciso manter a análise próxima da sociedade e sua tradição. Por fim, não se ilude sobre a função que a crítica exerce na alteração da história. "Escrever sobre música é como tocar: um desempenho ruim de uma obra de alta qualidade, desde que não seja, pode ainda dar prazer ao fã médio de música, cujo gosto não foi corrompido pela especialização." Crítica ainda serve para apurar a sensibilidade.

O volume se divide em cinco partes. A primeira se debruça sobre performance e musicologia e traz um ensaio antológico: "A Estética do Medo de Palco" – momento que Rosen compara com a epilepsia, "por ser divino, uma loucura sacra". É o instante de pânico em que o músico começa a tocar diante do público, que acomete até o mais experiente virtuose. O "ritual profano do recital" gera embaraço, mas também um momento redentor. A segunda parte abrange o século XVIII, com textos sobre a redescoberta de Haydn, a invenção da ópera moderna pelo dramaturgo Beaumarchais (autor que teoriza sobre o papel da ópera) e a carreira de Beethoven. Devota a terceira parte ao compositor Johannes Brahms, a quem encara como "inspirado" e "subversivo". A quarta sessão se intitula "Estudos Musicais: Visões Contrastantes". Ali, avalia obras de referência como os dicionários New Grove e Harvard. Encerra o livro com "A Crise do Moderno", com ensaios sobre Schoenberg e Elliott Carter, além do melhor ensaio da reunião, chamado "A Irrelevância da Música Séria".

O texto discute a afirmação em moda segundo a qual a música clássica está morrendo. Para ele, esse tipo de pessimismo é uma antiga tradição, vinculada ao espanto dos ouvintes diante da novidade; foi assim com Beethoven no início século XIX, com A Sagração da Primavera, de Stravinsky, em 1912, e continua sendo hoje, quando inimigos do modernismo "não podem aceitar o modo como a vanguarda está tomando posse da corrente principal da grande tradição ocidental". O sucesso da música contemporânea não depende de vendas estilo Três Tenores nem do amor do público, mas do entusiasmo dos músicos para tocar música nova. Provoca: "O que está desaparecendo hoje é o público." Audiência de concerto, explica, é fenômeno recente, contemporâneo à invenção do museu. Ambos quiseram "retirar as obras do contexto social e ideológico". Ele denuncia que "museus e concertos sinfônicos compreendem valores sociais pretensiosos". Ora, nada mais esnobe que críticos – e esses anti-heróis também tendem a encolher. Para Rosen, a única relevância no saber musical é a paixão. Nesse sentido, os fãs deste ou daquele músico superam os especialistas.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no "Caderno Fim de Semana" da Gazeta Mercantil, a 17 de novembro de 2000.

Para ir além






Luís Antônio Giron
São Paulo, 8/7/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Para onde estão me levando? de Ronaldo Correia de Brito


Mais Luís Antônio Giron
Mais Acessados de Luís Antônio Giron
01. Paulo Coelho para o Nobel - 21/11/2005
02. Villa-Lobos tinha dias de tirano - 3/11/2003
03. JK, um faraó bossa-nova - 6/2/2006
04. A blague do blog - 11/8/2003
05. Francisco Alves, o esquecido rei da voz - 5/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/7/2002
00h06min
A leitura crítica deveria ser uma leitura apaixonada da obra de arte, uma interpretação da beleza como objeto de saber.
[Leia outros Comentários de Pedro Maciel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O BÓIA-FRIA - ACUMULAÇÃO E MISÉRIA - 5ª EDIÇÃO
MARIA CONCEIÇÃO D'INCAO E MELLO
VOZES
(1977)
R$ 8,00



PIVETE
JÚLIO EMÍLIO BRAZ
BRASIL
(1991)
R$ 7,00



O HERÓI ESTÁ DE FOLGA
DÊNISSON PADILHA FILHO
KALANGO
(2014)
R$ 29,00



GÊNIOS DA PINTURA Nº 8 - DO SURREALISMO AO EXPRESSIONISMO
EDITORA ABRIL
ABRIL
R$ 10,00



DRÁCULA
BRAM STOKER
NOVA FRONTEIRA
(2014)
R$ 25,00



GOOSEBUMPS - PRAIA FANTASMA
R.L. STINE
FUNDAMENTO
(2007)
R$ 11,00



ENTRE A UTOPIA E O LABIRINTO
LINCOLN DE ARAÚJO SANTOS
FAPERJ- QUARTET
(2011)
R$ 27,99



CÉU DE ORIGAMIS
LUIZ ALFREDO GARCIA-ROZA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 15,00



AMAR A REALIDADE SOBRE A VIDA SEXUAL VOL 1
HARUO OKAWARA E ROGERIO BARROS SAWAYA
ABRIL CULTURAL
(1977)
R$ 25,00



200 RECEITAS DE CUPCAKES DELICADOS CULINÁRIA DE TODAS AS CORES
JOANNA FARROW
PUBLIFOLHA
(2012)
R$ 13,00





busca | avançada
30385 visitas/dia
851 mil/mês