Os críticos se divertem | Luís Antônio Giron

busca | avançada
97126 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Dos palcos para as leituras radiofônicas
>>> Youtuber apresenta A Jornada do Herói Favelado
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o último episódio do Música Fora da Curva
>>> Historiador Russell-Wood mergulha no mundo Atlântico português da Idade Moderna
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Wikipedia: fama e anonimato
>>> John Lennon NYC 1972
>>> Apresentação
>>> Internet difundindo livros
>>> O marketing da mendicância
>>> Os Mutantes são demais
>>> Ser intelectual dói
>>> Jerry Lewis, um verdadeiro louco
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> Pra entender a Lei Rouanet
Mais Recentes
>>> Polêmica - Drogas Opção de Perdedor de Flávio Gikovate pela Moderna (1997)
>>> Memorias de Estudantes de Mauricelha Pereira Prates pela Rascunhos (2018)
>>> Amor de Menina de Leticia Ramos pela Rascunhos (2016)
>>> As Maravilhas de Deus Em Minha Vida de Roseane Susan pela Rascunhos (2016)
>>> O Azul do Planeta um Retrato da Atmosfera Terrestre de Mário Tolentino Romeu C Rocha-filho e Outros pela Moderna (1995)
>>> Visão Panoramica de um Poetas de Josias Alexandre pela Rascunhos (2015)
>>> Revista corpo humano vol.1 de Varios autores pela Salvat
>>> Buscando Forças para Seguir Em Frente de Cristiane Valentim pela Rascunhos (2015)
>>> 4 Poemas de Rua de Valque Santos pela Rascunhos (2015)
>>> 10 Poemas Dum Amor Total de Valque Santos pela Rascunhos (2018)
>>> O Regozijo e a Veemencia de Adriano Sales pela Rascunhos (2016)
>>> Fogos Fátuos de Jaime Correia da Silva pela Rascunhos (2015)
>>> Geopolítica da América Latina de Nelson Bacic Olic pela Moderna (1993)
>>> Além da Solidão de Valque Santos pela Rascunhos (2014)
>>> Gestão Empresarial - de Taylor aos Nossos Dias de Ademir Antonio Ferreira e Outros pela Pioneira (2000)
>>> O Caçador de Pipas de Khaled Hosseini pela Nova Fronteira (2006)
>>> Quem Conta um Conto - Genero de Conto - Vol. 06 de Vários pela Atual (1990)
>>> Outra America de José Arbex Jr. pela Moderna (1998)
>>> Quem Conta um Conto - Ponto de Vista da Narrativa-vol. 05 de Varios pela Atual (1990)
>>> Quem Conta um Conto - Tempo - Vol. 04 de Vários pela Atual (1990)
>>> Quem Conta um Conto-espaço -vol. 03 de Vários pela Atual (1990)
>>> Getúlio Vargas de Oswaldo Mendes pela Moderna (1986)
>>> Pequena Viagem pelo Mundo da Arte - Livro de Rogério Borges pela Moderna (1996)
>>> Você é do Tamanho dos Seus Sonhos de César Souza pela Gente (2003)
>>> Doce Manuela de Júlio José Chiavenato pela Moderna (2003)
ENSAIOS

Segunda-feira, 8/7/2002
Os críticos se divertem
Luís Antônio Giron

+ de 4300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não há raça mais comicamente narcisista que a dos críticos de música erudita. Eles se pavoneiam nos concertos, ocupando os lugares gratuitos que lhes são concedidos pela produção do espetáculo e, dali a no máximo dois dias, fazem publicar suas observações sobre o desempenho da atração musical a que assistiram. Tais textos servem para informar o leitor e fazer com que aquele que viu o mesmo espetáculo possa discutir o conteúdo da matéria crítica; daí nascerem as polêmicas, geralmente entre um amador e um profissional. Em geral, o amador não passa do crítico; o profissional é o leitor, aquele espécime de unabomber postal que vive de enviar cartas e e-mails furibundos às redações. A intenção deste é, talvez, abocanhar um naco na eternidade das publicações impressas. E tudo terminaria nos arquivos mortos.

Mas o que deseja o crítico? Não se compraz em publicar o folhetim de sua sensibilidade para o leitor eventual; quer mais, ser mais eterno que o leitor profissional e não resiste ao contemplar suas crias recicladas em volumes. A coletânea de comentários dá ao crítico a ilusão da glória, a embriaguez de que suas palavras ficarão para a posteridade, pelo simples fato de figurarem num volume (o editor sabe que não vai vender, mas fica feliz em – para usar um verbo horroroso da moda – "fidelizar" um sujeito influente). E há a noite de autógrafos, a sessão de salamaleques dos colegas, bajuladores e músicos temerosos de ataques futuros, mesmo que a farpa não se baseie em conhecimento de música. Ah, há o poder...

Para evitar que os desprezíveis anões da cultura que decoram o jardim dos concertos escrevessem os textos das contracapas de seus discos, o pianista americano Charles Rosen, de 73 anos, tomou para si o encargo de interpretar obras musicais. O impulso surgiu com as notas de um disco que gravou com obras de Chopin, cuja contracapa era do crítico James Huneker: "Em um dos últimos noturnos, ele defendia a idéia de que a música 'cambaleava bêbada com o perfume das flores'. Esta não era a minha visão sobre a obra. Eu não entendia para que serviam aquelas notas. O estilo de Huneker é um convite para o ouvinte sonhar e dissipar a atenção no devaneio. O tipo de escritos sobre música que eu prefiro – e de performance – fixa e intensifica a atenção do ouvinte. Quando ouço música, prefiro me perder nela, não escapar para meu mundo pessoal com a música como decorativa e fundo distante."

Movido pelo alvo de fazer o público atentar para a música, Rosen derivou para a crítica e o folhetinismo. Passou a ser identificado como um dos boboli que observam a vida musical. Mas é melhor que os críticos impressionistas de ocasião.

Ao publicar sua segunda coletânea, o músico-crítico traiu um misto de constrangimento e prazer sádico em trazer à tona suas idéias. O tomo se intitula, sintomaticamente, Critical Entertainments - Music and New. Atualmente catedrático de pensamento social e música da Universidade de Chicago, ele dá continuidade à coletânea Romantic Poets, Critics and Other Madmen (Harvard University Press, 1998), na qual aborda a poética de Balzac e Byron, a loucura de Hölderlin e o estatuto da crítica musical na obra de George Bernard Shaw ("The Journalist Critic as Hero"). Outro livro, Romanticism and Realism (1999), integra os estudos de Rosen sobre história da cultura e as associações desta com a música.

Na reunião de textos escritos ao longo dos últimos 25 anos e estampados em diversas publicações, Rosen exibe ironia e, às vezes, ligeireza. Ainda que estampe citações de passagens em pentagrama, o estilo se revela muito diferente dos produzidos em duas décadas de trabalho teórico. Este resultou em obras como The Classical Style (1972), aula de anatomia da forma-sonata de Haydn e Mozart, e A Geração Romântica (The Romantic Generation, 1995), lançado no Brasil no início de 2000, interpretação sobre o Romantismo, com base na idéia de que a música incorreu em promiscuidade com as outras artes e fundou, assim, a Modernidade.

Critical Entertainments é o tipo de coletânea de artigos que serve como vade-mécum do melômano incontinente. O tomo não defende posições de grande impacto, mas ajuda a refletir sobre a comunicação musical. Rosen postula que o entusiasmo é tanto o motor primordial da boa análise de partituras como o princípio gerador do cânone da música erudita. Para comprovar a tese, o autor revela um espírito incomum ao gênero. Afinal, ele não se enquadra no talhe de crítico banal. Desdenha a postura retrógrada daqueles que odeiam as obras contemporâneas e professam dogmas como o método da desmontagem "neutra" de peças musicais desenvolvido por Heinrich Schenker. Sem entusiasmo e envolvimento de todas as esferas da produção, acha, não pode existir arte nem conhecimento. Recepção se torna tão fundamental quanto produção e distribuição. Naturalmente, a crítica integra os círculos mal-afamados e pouco estudados da fruição estética.

O estudioso inicia a obra desculpando-se pelos exemplos musicais, que, para ele, são incontornáveis para o leitor mergulhar no saber dos sons. "Haverá o dia em que a crítica musical será fácil e rotineiramente acompanhada de uma ilustração audível do tema, mas esse dia ainda não chegou", diz, sem considerar as possibilidades que as novas tecnologias, como MP3 e Napster, podem abrir, desde já, ao exercício crítico.

Segundo ele, os 18 textos de Critical Entertainments se pautam por três questões: o dogmatismo limitador da teoria musical; o fato de os musicólogos desconsiderarem o lado profissional da música e o inverso, a ignorância da musicologia pelos músicos; em terceiro lugar, a relação ambígua entre crítica e experiência musical. Rosen pensa que, dentro da primeira preocupação, os formalistas shenkerianos são tão dogmáticos quanto os anti-schenkerianos. Em vez de optar por um dos pólos, indica que o procedimento correto é se valer de todo tipo de instrumento para fazer uma análise mais completa. Ignorar circunstâncias em que as obras foram feitas significa, de acordo com o crítico, incorrer em erro. É preciso manter a análise próxima da sociedade e sua tradição. Por fim, não se ilude sobre a função que a crítica exerce na alteração da história. "Escrever sobre música é como tocar: um desempenho ruim de uma obra de alta qualidade, desde que não seja, pode ainda dar prazer ao fã médio de música, cujo gosto não foi corrompido pela especialização." Crítica ainda serve para apurar a sensibilidade.

O volume se divide em cinco partes. A primeira se debruça sobre performance e musicologia e traz um ensaio antológico: "A Estética do Medo de Palco" – momento que Rosen compara com a epilepsia, "por ser divino, uma loucura sacra". É o instante de pânico em que o músico começa a tocar diante do público, que acomete até o mais experiente virtuose. O "ritual profano do recital" gera embaraço, mas também um momento redentor. A segunda parte abrange o século XVIII, com textos sobre a redescoberta de Haydn, a invenção da ópera moderna pelo dramaturgo Beaumarchais (autor que teoriza sobre o papel da ópera) e a carreira de Beethoven. Devota a terceira parte ao compositor Johannes Brahms, a quem encara como "inspirado" e "subversivo". A quarta sessão se intitula "Estudos Musicais: Visões Contrastantes". Ali, avalia obras de referência como os dicionários New Grove e Harvard. Encerra o livro com "A Crise do Moderno", com ensaios sobre Schoenberg e Elliott Carter, além do melhor ensaio da reunião, chamado "A Irrelevância da Música Séria".

O texto discute a afirmação em moda segundo a qual a música clássica está morrendo. Para ele, esse tipo de pessimismo é uma antiga tradição, vinculada ao espanto dos ouvintes diante da novidade; foi assim com Beethoven no início século XIX, com A Sagração da Primavera, de Stravinsky, em 1912, e continua sendo hoje, quando inimigos do modernismo "não podem aceitar o modo como a vanguarda está tomando posse da corrente principal da grande tradição ocidental". O sucesso da música contemporânea não depende de vendas estilo Três Tenores nem do amor do público, mas do entusiasmo dos músicos para tocar música nova. Provoca: "O que está desaparecendo hoje é o público." Audiência de concerto, explica, é fenômeno recente, contemporâneo à invenção do museu. Ambos quiseram "retirar as obras do contexto social e ideológico". Ele denuncia que "museus e concertos sinfônicos compreendem valores sociais pretensiosos". Ora, nada mais esnobe que críticos – e esses anti-heróis também tendem a encolher. Para Rosen, a única relevância no saber musical é a paixão. Nesse sentido, os fãs deste ou daquele músico superam os especialistas.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no "Caderno Fim de Semana" da Gazeta Mercantil, a 17 de novembro de 2000.

Para ir além






Luís Antônio Giron
São Paulo, 8/7/2002

Mais Luís Antônio Giron
Mais Acessados de Luís Antônio Giron
01. Paulo Coelho para o Nobel - 21/11/2005
02. Villa-Lobos tinha dias de tirano - 3/11/2003
03. Francisco Alves, o esquecido rei da voz - 5/8/2002
04. JK, um faraó bossa-nova - 6/2/2006
05. A blague do blog - 11/8/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/7/2002
00h06min
A leitura crítica deveria ser uma leitura apaixonada da obra de arte, uma interpretação da beleza como objeto de saber.
[Leia outros Comentários de Pedro Maciel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




As Fadas nos Falam de Responsabilidade
Aleix Cabrera; Rosa Maria Curto
Ciranda Cultural
(2010)



A Mulher Vai ao Cinema
Inês Assunção de Castro Teixeira
Autêntica
(2008)



O Céu Nu e a Biruta
José Carlos Honório
Iluminuras
(1990)



Cronicas Improvaveis
Gianni Ratto
Conex
(2002)



Silvio Santos a Biografia
Marcia Batista e Anna Medeiros
Universo dos Livros
(2018)



Amigos para Sempre
Marlene del Guerra Alves

(1992)



Ofícios & Amargura
Renata Pallottini
Scipione Cultural



Sexo e Negócios
Shere Hite
Bertrand Brasil
(2011)



Da Geografia Que Se Ensina À Gênese da Geografia Moderna
Raquel Maria Fontes do Amaral Pereira
Ufsc
(1989)



Turma da Mônica Jovem - o Caderno do Riso Parte 1
Maurício de Sousa
Panini Comics
(2010)





busca | avançada
97126 visitas/dia
2,6 milhões/mês