Retrato edulcorado de uma rainha | Eugenia Zerbini

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
ENSAIOS

Segunda-feira, 9/4/2007
Retrato edulcorado de uma rainha
Eugenia Zerbini

+ de 5200 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Divulgando seu filme Maria Antonieta, Sofia Coppola (diretora festejada de Virgens suicidas e de Encontros e desencontros), em entrevista recente, afirmou identificar-se com a emblemática rainha do título. Não explicou a razão: não há como traçar um paralelo entre qualquer mulher do século XXI e a malfadada Maria Antonieta (1755-1793). Se Sofia não dá nenhum argumento que explique essa identificação, seu filme tampouco esclarece sobre a vida dessa rainha de França.

O filme é um pastiche multicolorido, rico em cremes, igual aos doces com que as personagens femininas refestelam-se na tela. Apesar do tratamento adequado concedido à personagem que lhe empresta o título – ao menos naquilo que diz respeito aos seus anos de delfina e de jovem rainha, até a chegada dos filhos – o enfoque dado aos outros é pífio. O ridículo tratamento dado às figuras históricas, com exceção de Maria Antonieta (na interpretação correta de Kirsten Dunst), interfere mais no enredo do que a trilha sonora pop (Siouxsie & the Banshees, Cure, New Order e companhia) e do All Star azulzinho que se insinua entre os sapatos da rainha.

Luis XV (1710-1774), avô de Luis XVI (1754-1789), que recebe a jovem Maria Antonieta na cena da entrega formal na fronteira, passava longe daqueles maneirismos de cowboy texano, ou de bartender do midwest que lhe foram impingidos pelo ator que o encarna (Rip Torne). Pelas crônicas da época, sabe-se que Luis XV foi um dos homens mais belos de seu tempo, sendo que a elegância era peça fundamental nessa beleza. Se é verdade que seu apetite sexual era ilimitado, é falso que sua última amante, a condessa du Barry, fosse a “Cruella DeVille” pintada no filme (a morena Ásia Argento). Segundo os biógrafos, apesar de plebéia, Jeanne Bécu (1743-1793) cujo casamento, por influência do rei, garantiu-lhe o título de Madame du Barry, era uma jovenzinha extremamente feminina, de tez, cabelos e olhos claros, que transpirava sensualidade.

Luis XVI, por seu turno (na pele do baixinho Jason Schwartzman, primo de Sofia) de acordo com as medidas que lhe foram tiradas para a confecção do manto da coroação, era um homem de um metro e noventa. Colocá-lo com a estatura aproximada de Maria Antonieta tornam mais risíveis os momentos em que contracenam.

O que dizer, então, da forma com que a duquesa de Polignac (1749-1793) adentra no camarote real durante uma ópera? “– Hi, I’m just coming from Russia and I brought Prince Dimitri with me, hum…, Russians are so hot…”. Uma bimbo nova-iorquina; nem sei como, em meio essa cena tola (e dispensável), Ms. Copola não colocou um toque de celular.

Uma das coisas de que menos gostei no filme foi a tentativa de atualização de uma história que não dá para ser atualizada. Hoje, nem a nobreza se casa mais por razões de Estado – a exemplo do casamento do príncipe das Austúrias, herdeiro do trono da Espanha, com a jornalista Letícia Ortiz, ele mesmo, como membro da família Bourbon, parente longínquo de Luiz XVI. No século XVIII, era diferente.

Segundo um dito, a Áustria não fazia a guerra, mas casava seus filhos. Pela política dos casamentos, os Habsburgos – dinastia que ocupou o trono austríaco de 1281 a 1918 – teceram conexões em todos os quadrantes da Europa. Alcançaram até o império brasileiro, quando, em 1816, Dom Pedro I (à época ainda príncipe da Beira), une-se à arquiduquesa Maria Leopoldina, que será a primeira imperatriz brasileira, sobrinha-neta de Maria Antonieta. Não existia casamento por amor nessa época.

Maria Antonieta era filha da grande imperatriz austríaca Maria Tereza (uma das melhores interpretações do filme, a cargo da cantora inglesa Marianne Faithfull). Dispersa, voluntariosa, levemente infantilizada por ser a filha mais nova de uma fileira de muitos irmãos, foi exatamente a prometida ao futuro rei da França, Luis XVI, para selar o célebre tratado franco-austríaco, contra a Prússia.

Maria Antonieta encaixava-se nos cânones de beleza da época: pele translúcida, olhos azuis e cabelos de um loiro tão claro que dispensava o “empoamento” (moda que compreendia espalhar uma pomada gordurosa nos cabelos para em seguida polvilhá-los com farinha de trigo). Realçava o físico um gestual extremamente gracioso e o porte altivo, atributos que a distinguiam, não importando as circunstâncias. Com 14 anos, em 1769, ela saiu de um dos maiores palácios da Europa, o Schonbrunn vienense, para ser a mulher mais importante em Versailles, o mais luxuoso da época. Realmente, acredito que a falta de habilidade de Luiz XVI em consumar o casamento durante 7 anos, deve ter levado Maria Antonieta a compensar em roupas, jóias, festas e jogatina. Talvez seu erro capital tenha sido comportar-se em público não como mulher do rei, mas como sua amante, cheia de caprichos. Os romanos já sabiam que a mulher de César não precisa ser honesta, precisa parecer honesta.

O filme, entretanto, não dá destaque às mudanças trazidas em seu comportamento depois da maternidade: Maria Antonieta passa a se mostrar paulatinamente mais assentada. No físico, começam também a se manifestar as alterações do tempo: ela engorda, perde a leveza dos traços, fica menos bonita. Porém, fica mais humana.

As grandes mudanças ocorrerão, porém, depois de 1789, quando eclode a revolução e Sofia Copola resolve concluir seu filme. Este acaba com a imagem, falsa, de Maria Antonieta eternamente adolescente, lânguida e espirituosa. A realidade vai além. Acredito que a partir do momento em que Maria Antonieta com sua família são forçados a irem para Paris, em outubro de 1789, é que uma nova mulher vem à tona, com uma dignidade que ela não demonstrara antes.

De 1789 a 1793, ano em que será decapitada, essa rainha será provada de todas as formas. Perderá os amigos que acreditava possuir, verá ser-lhe negada a ajuda da família, saberá sobre a decapitação do marido e será separada dos filhos. Por último, será julgada publicamente, e nesse julgamento, seu filho, uma criança de 8 anos, será instruído pelo governo revolucionário a mentir que sua mãe o induzia a práticas sexuais incestuosas. Nesse instante, Maria Antonieta toma a palavra e defende-se no tribunal, dirigindo-se a todas as mães em um discurso candente, expressão tanto de amor materno como de decência. Frente à tragédia e próxima da morte, a rainha deposta assume uma grandeza de espírito que honra, creio que até hoje, todo seu gênero. Antes tivesse vivido como morreu.

E isso não mostra o filme, disperso nas cores das roupas, no farfalhar das sedas, nos brilhos das jóias e nas bolhas do champagne, como um Narciso embevecido, afogando-se na superfície do espelho.

Nota do Editor
Eugenia Zerbini é ganhadora do Premio SESC Literatura 2004, com o romance As netas da Ema. Atualmente escreve a biografia da Imperatriz Teresa Cristina, mulher de Pedro II, a terceira imperatriz do Brasil.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 9/4/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Allen Stewart Konigsberg de André Forastieri
02. Sobre o preço dos e-books de Raphael Vidal
03. De onde vêm os blogs? de Vanessa Decicino
04. Beckett e Joyce de Sérgio Augusto


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessados de Eugenia Zerbini
01. O diabo veste Prada - 2/10/2006
02. Para o Daniel Piza. De uma leitora - 16/1/2012
03. O romance sobre o nada - 28/5/2007
04. De vinhos e oficinas literárias - 2/7/2007
05. Retrato edulcorado de uma rainha - 9/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/4/2007
11h32min
Uma crítica excelente que diz muito sobre o atual modismo de tratar temas históricos com uma ótica de Big Brother. A autora desse artigo sabe sobre o que está falando, mas o filme, aparentemente, não.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
9/4/2007
21h14min
Parabéns pelo belo artigo. Bem observado: os filmes em geral acabam por disseminar uma determinada versão de uma maneira tão forte que a versão do filme passa a ser a versão oficial, embora os fatos históricos forneçam outra versão. Neste caso específico, salva-se o colorido e o luxo do filme. Aguardamos seu próximo artigo.
[Leia outros Comentários de Jorge M. de Andrade ]
9/4/2007
23h40min
Achei que a intenção do filme não é veracidade histórica... Pelo contrário, foi extrair da história, alguns elementos comuns ao drama humano. Tanto a rainha quanto um menina de Copacabana podem viver e sofrer por amor, e ter suas desilusões. Acho que o filme aborda de uma maneira muito legal a idéia da perda da inocência, da maturidade, de como somos ao mesmo tempo sujeitos e objetos das imposições sociais. E outra idéia genial da diretora foi colocar músicas de rock como trilha sonora. O filme é quase uma opéra-rock de primeira. Justamente o fato destes personagens se comportarem como pessoas de hoje é que permite identificar os mesmos padrões de comportamento. Uma idéia sutil e bonita. Assim como no primeiro filme da diretora.
[Leia outros Comentários de Ram]
30/4/2007
09h40min
Concordo com Ram, acredito que não havia nenhuma intenção de realizar um filme com veracidade histórica. A Maria Antonietta de Sofia é antes de tudo a história de uma menina que tem seu destino traçado por outras pessoas. E também não acho que há uma tentativa de atualização, a trilha é pontuada por rock alternativo e também não há uma tentativa de mostrar uma redenção da menina adolescente, mas apenas mostrar que, perdida em meio a uma vida, chega um determinado momento em que ela percebe que a revolução é mais uma etapa, mais uma vez outros fazem sua vida, e ela segue o ritmo de alguma forma, às vezes se jogando na superficilidade, às vezes defendendo seu lugar ao lado do marido.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A BOA TERRA
PEARL S BUCK
GLOBO
(1992)
R$ 6,65



CIDADÃO DO CRIME
JESS WALTER
LANDSCAPE
(2006)
R$ 13,00



CONVIVÊNCIA - UMA NECESSIDADE VÁRIOS DESAFIOS
AUGUSTO MONTEIRO BORGES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



LA CONSOLANTE
ANA GAVALDA
J´AI LU
(2008)
R$ 20,00



A DIVINA SABEDORIA DOS MESTRES
BRIAN WEISS
SEXTANTE
(1999)
R$ 10,50



O BRASIL PÒS MILAGRE
CELSO FURTADO
PAZ E TERRA
(1983)
R$ 28,40
+ frete grátis



MEDITAÇÃO PARA AS NOVAS MAMÃES
BETH WILSON SAAVEDRA
ROCCO
(1997)
R$ 7,00



DA AÇÃO PAULIANA
LAURO LAERTES DE OLIVEIRA
SARAIVA
(1979)
R$ 25,82



MEMÓRIAS SOBRE A VIAGEM DO PORTO DE SANTOS À CIDADE DE CUIABÁ
LUIZ DALINCOURT
ITATIAIA
(1975)
R$ 10,00



NOVAS TÉCNICAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM HOTELARIA, VOLUME 1
VICTOR MONTEIRO
LIDEL
(2001)
R$ 37,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês