Retrato edulcorado de uma rainha | Eugenia Zerbini

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
Mais Recentes
>>> Simplesmente Irresistível de Rachel Gibson; Leila Kommers pela Jardim dos Livros (2013)
>>> Anotações Sobre um Escândalo - Romance - Autografado de Zoë Heller pela Record (2007)
>>> A Região do Maduro de Jaime Leitão Rodrigues pela Amrc (1986)
>>> Mundo sem Hemisférios de Octavio Costa pela Record
>>> Revelada - uma Odisséia Feminina de Eliana de Freitas pela Conecta Brasil (2012)
>>> Crítica Teatral - Obras Completas de Machado de Assis de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc.
>>> Marcas da Iatrogenia no Discurso de Profissionais Em Hospital-dia de Luís Gustavo Vechi pela Casa do Psicólogo (2003)
>>> As Duas Vidas de Adonis de Mustafa Yazbek pela Ftd (1991)
>>> Gail 200 Anos de Sucesso Industrial - 200 Years of Industrial Success de Hilde Herbold - Texto pela Dba (2012)
>>> O Olhar de Lanceta - Ensaios Críticos Sobre Literatura e Sociedade de Elói Alves pela Apmc (2015)
>>> Reima de Dau Bastos pela Record (2009)
>>> Revista Arte e Cultura da América Latina - Vol. VII - Nº 1 de Adonay Ariza/rosane Borges e Outros pela Terceira Margem (2000)
>>> O Projeto Lottie de Jacqueline Wilson pela Sm (2005)
>>> São Jorge dos Ilhéus de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Não Há Silêncio Que Não Termine de Ingrid Betancourt; Rosa Freire Daguiar pela Companhia das Letras (2010)
>>> Fluxus de Cristiane Grando pela Gato de Papel (2005)
>>> O Vau da Vida de Ariosto Augusto de Oliveira pela Nankin (2004)
>>> Uma Questão de Vida e Sexo de Oscar Moore pela José Olympio (2006)
>>> Subtexto - Revista de Teatro do Galpão Cine Horto - Nº 3 de Chico Pelúcio/beto Franco/kil Abreu/e Outros pela Não Identificada (2006)
>>> Une Vie Maupassant - Analyse Critique de Jean et Veronique Ehrsam pela Hatier (1986)
>>> The Last of the Giants de George Otis pela Chosen Books (1991)
>>> Dados - Revista de Ciências Sociais - Volume 51 -1 de Charles Pessanha - Edit. pela Iuperj (2008)
>>> Madame Casanova de Gaby Von Schonthan pela Nova Fronteira (1974)
>>> Um Reizinho Entre Nós de Yasmin Garrido Bruno pela Best Seller (2003)
>>> A Sintese Organica do Itinerarium Aetheriae de Enio Aloisio Fonda pela Ffcla (1966)
ENSAIOS

Segunda-feira, 9/4/2007
Retrato edulcorado de uma rainha
Eugenia Zerbini

+ de 6000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Divulgando seu filme Maria Antonieta, Sofia Coppola (diretora festejada de Virgens suicidas e de Encontros e desencontros), em entrevista recente, afirmou identificar-se com a emblemática rainha do título. Não explicou a razão: não há como traçar um paralelo entre qualquer mulher do século XXI e a malfadada Maria Antonieta (1755-1793). Se Sofia não dá nenhum argumento que explique essa identificação, seu filme tampouco esclarece sobre a vida dessa rainha de França.

O filme é um pastiche multicolorido, rico em cremes, igual aos doces com que as personagens femininas refestelam-se na tela. Apesar do tratamento adequado concedido à personagem que lhe empresta o título – ao menos naquilo que diz respeito aos seus anos de delfina e de jovem rainha, até a chegada dos filhos – o enfoque dado aos outros é pífio. O ridículo tratamento dado às figuras históricas, com exceção de Maria Antonieta (na interpretação correta de Kirsten Dunst), interfere mais no enredo do que a trilha sonora pop (Siouxsie & the Banshees, Cure, New Order e companhia) e do All Star azulzinho que se insinua entre os sapatos da rainha.

Luis XV (1710-1774), avô de Luis XVI (1754-1789), que recebe a jovem Maria Antonieta na cena da entrega formal na fronteira, passava longe daqueles maneirismos de cowboy texano, ou de bartender do midwest que lhe foram impingidos pelo ator que o encarna (Rip Torne). Pelas crônicas da época, sabe-se que Luis XV foi um dos homens mais belos de seu tempo, sendo que a elegância era peça fundamental nessa beleza. Se é verdade que seu apetite sexual era ilimitado, é falso que sua última amante, a condessa du Barry, fosse a “Cruella DeVille” pintada no filme (a morena Ásia Argento). Segundo os biógrafos, apesar de plebéia, Jeanne Bécu (1743-1793) cujo casamento, por influência do rei, garantiu-lhe o título de Madame du Barry, era uma jovenzinha extremamente feminina, de tez, cabelos e olhos claros, que transpirava sensualidade.

Luis XVI, por seu turno (na pele do baixinho Jason Schwartzman, primo de Sofia) de acordo com as medidas que lhe foram tiradas para a confecção do manto da coroação, era um homem de um metro e noventa. Colocá-lo com a estatura aproximada de Maria Antonieta tornam mais risíveis os momentos em que contracenam.

O que dizer, então, da forma com que a duquesa de Polignac (1749-1793) adentra no camarote real durante uma ópera? “– Hi, I’m just coming from Russia and I brought Prince Dimitri with me, hum…, Russians are so hot…”. Uma bimbo nova-iorquina; nem sei como, em meio essa cena tola (e dispensável), Ms. Copola não colocou um toque de celular.

Uma das coisas de que menos gostei no filme foi a tentativa de atualização de uma história que não dá para ser atualizada. Hoje, nem a nobreza se casa mais por razões de Estado – a exemplo do casamento do príncipe das Austúrias, herdeiro do trono da Espanha, com a jornalista Letícia Ortiz, ele mesmo, como membro da família Bourbon, parente longínquo de Luiz XVI. No século XVIII, era diferente.

Segundo um dito, a Áustria não fazia a guerra, mas casava seus filhos. Pela política dos casamentos, os Habsburgos – dinastia que ocupou o trono austríaco de 1281 a 1918 – teceram conexões em todos os quadrantes da Europa. Alcançaram até o império brasileiro, quando, em 1816, Dom Pedro I (à época ainda príncipe da Beira), une-se à arquiduquesa Maria Leopoldina, que será a primeira imperatriz brasileira, sobrinha-neta de Maria Antonieta. Não existia casamento por amor nessa época.

Maria Antonieta era filha da grande imperatriz austríaca Maria Tereza (uma das melhores interpretações do filme, a cargo da cantora inglesa Marianne Faithfull). Dispersa, voluntariosa, levemente infantilizada por ser a filha mais nova de uma fileira de muitos irmãos, foi exatamente a prometida ao futuro rei da França, Luis XVI, para selar o célebre tratado franco-austríaco, contra a Prússia.

Maria Antonieta encaixava-se nos cânones de beleza da época: pele translúcida, olhos azuis e cabelos de um loiro tão claro que dispensava o “empoamento” (moda que compreendia espalhar uma pomada gordurosa nos cabelos para em seguida polvilhá-los com farinha de trigo). Realçava o físico um gestual extremamente gracioso e o porte altivo, atributos que a distinguiam, não importando as circunstâncias. Com 14 anos, em 1769, ela saiu de um dos maiores palácios da Europa, o Schonbrunn vienense, para ser a mulher mais importante em Versailles, o mais luxuoso da época. Realmente, acredito que a falta de habilidade de Luiz XVI em consumar o casamento durante 7 anos, deve ter levado Maria Antonieta a compensar em roupas, jóias, festas e jogatina. Talvez seu erro capital tenha sido comportar-se em público não como mulher do rei, mas como sua amante, cheia de caprichos. Os romanos já sabiam que a mulher de César não precisa ser honesta, precisa parecer honesta.

O filme, entretanto, não dá destaque às mudanças trazidas em seu comportamento depois da maternidade: Maria Antonieta passa a se mostrar paulatinamente mais assentada. No físico, começam também a se manifestar as alterações do tempo: ela engorda, perde a leveza dos traços, fica menos bonita. Porém, fica mais humana.

As grandes mudanças ocorrerão, porém, depois de 1789, quando eclode a revolução e Sofia Copola resolve concluir seu filme. Este acaba com a imagem, falsa, de Maria Antonieta eternamente adolescente, lânguida e espirituosa. A realidade vai além. Acredito que a partir do momento em que Maria Antonieta com sua família são forçados a irem para Paris, em outubro de 1789, é que uma nova mulher vem à tona, com uma dignidade que ela não demonstrara antes.

De 1789 a 1793, ano em que será decapitada, essa rainha será provada de todas as formas. Perderá os amigos que acreditava possuir, verá ser-lhe negada a ajuda da família, saberá sobre a decapitação do marido e será separada dos filhos. Por último, será julgada publicamente, e nesse julgamento, seu filho, uma criança de 8 anos, será instruído pelo governo revolucionário a mentir que sua mãe o induzia a práticas sexuais incestuosas. Nesse instante, Maria Antonieta toma a palavra e defende-se no tribunal, dirigindo-se a todas as mães em um discurso candente, expressão tanto de amor materno como de decência. Frente à tragédia e próxima da morte, a rainha deposta assume uma grandeza de espírito que honra, creio que até hoje, todo seu gênero. Antes tivesse vivido como morreu.

E isso não mostra o filme, disperso nas cores das roupas, no farfalhar das sedas, nos brilhos das jóias e nas bolhas do champagne, como um Narciso embevecido, afogando-se na superfície do espelho.

Nota do Editor
Eugenia Zerbini é ganhadora do Premio SESC Literatura 2004, com o romance As netas da Ema. Atualmente escreve a biografia da Imperatriz Teresa Cristina, mulher de Pedro II, a terceira imperatriz do Brasil.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 9/4/2007

Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessados de Eugenia Zerbini
01. Para o Daniel Piza. De uma leitora - 16/1/2012
02. O diabo veste Prada - 2/10/2006
03. O romance sobre o nada - 28/5/2007
04. De vinhos e oficinas literárias - 2/7/2007
05. Retrato edulcorado de uma rainha - 9/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/4/2007
11h32min
Uma crítica excelente que diz muito sobre o atual modismo de tratar temas históricos com uma ótica de Big Brother. A autora desse artigo sabe sobre o que está falando, mas o filme, aparentemente, não.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
9/4/2007
21h14min
Parabéns pelo belo artigo. Bem observado: os filmes em geral acabam por disseminar uma determinada versão de uma maneira tão forte que a versão do filme passa a ser a versão oficial, embora os fatos históricos forneçam outra versão. Neste caso específico, salva-se o colorido e o luxo do filme. Aguardamos seu próximo artigo.
[Leia outros Comentários de Jorge M. de Andrade ]
9/4/2007
23h40min
Achei que a intenção do filme não é veracidade histórica... Pelo contrário, foi extrair da história, alguns elementos comuns ao drama humano. Tanto a rainha quanto um menina de Copacabana podem viver e sofrer por amor, e ter suas desilusões. Acho que o filme aborda de uma maneira muito legal a idéia da perda da inocência, da maturidade, de como somos ao mesmo tempo sujeitos e objetos das imposições sociais. E outra idéia genial da diretora foi colocar músicas de rock como trilha sonora. O filme é quase uma opéra-rock de primeira. Justamente o fato destes personagens se comportarem como pessoas de hoje é que permite identificar os mesmos padrões de comportamento. Uma idéia sutil e bonita. Assim como no primeiro filme da diretora.
[Leia outros Comentários de Ram]
30/4/2007
09h40min
Concordo com Ram, acredito que não havia nenhuma intenção de realizar um filme com veracidade histórica. A Maria Antonietta de Sofia é antes de tudo a história de uma menina que tem seu destino traçado por outras pessoas. E também não acho que há uma tentativa de atualização, a trilha é pontuada por rock alternativo e também não há uma tentativa de mostrar uma redenção da menina adolescente, mas apenas mostrar que, perdida em meio a uma vida, chega um determinado momento em que ela percebe que a revolução é mais uma etapa, mais uma vez outros fazem sua vida, e ela segue o ritmo de alguma forma, às vezes se jogando na superficilidade, às vezes defendendo seu lugar ao lado do marido.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Entre o Amor e a Paixão
Lesley Pearse
Novo Conceito
(2013)



Ponte Estaiada
Luciana Cotrim
Estaçao das Letras
(2014)



Manual Prático da Autoridade Policial Militar
Sergio Moreira dos Santos
Suprema Cultura
(2007)



Entrada para o Paraíso
Junji Miyaura
Seicho-no-ie
(2012)



Observatório de Geog. 8 Ano Fronteiras e Nações -8ano
Regina Araujo- Angela Cortes da Silva Raul Borges
Moderna
(2010)



Coleção Info no 13 - Windows Xp
Carlos Machado (editor)
Abril
(2004)



The Keys of Hell
Jack Higgins
Harper Collins



Os Males do Tabaco e Outras Peças Em um Ato
Tchékhov, Homero Freitas de Andrade
Ateliê Editorial
(2003)



Projeto Radix Ciências 8º Ano
Leonel /karina / Elisangela
Scipione
(2013)



Curso de Processo Penal [CAPA DURA]
Eugênio Pacelli de Oliveira
Del Rey
(2007)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês