Padre chicoteia coquetes e dândies | Luís Antônio Giron

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Politica. os Textos Centrais de Roberto Mangabeira Unger pela Boitempo (2001)
>>> Perdas e ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Zizek e Seu Diálogo Com Marx, Lacan e Lenin de Claudia Cinatti e Cecilia Feijoo e Gastor Gutie... pela Iskra (2015)
>>> Classe operária, sindicatos e partido no Brasil de Ricardo Antunes pela Cortez (1982)
>>> O lugar do marxismo na história de Ernest Mandel pela Xamã (2001)
>>> Um Brasileiro na China de Gilberto Scofield Jr. pela Ediouro (2007)
>>> Traité Pratique D Iridologie Médicale de Gilbert Jausas pela Dangles (1985)
>>> A inocência e o pecado de Graham Greene pela Verbo
>>> Carlos Marx y Rosa Luxemburgo - La acumulación de capital en debate de Severo Salles pela Peña lillo (2009)
>>> Narcotráfico um jogo de poder nas Américas de José Arbex Jr. pela Moderna (2003)
>>> O Método Em Karl Marx Antologia de Gilson Dantas e Iuri Tonelo Orgs pela Iskra (2010)
>>> China Moderna de Rana Mitter pela L&PM (2008)
>>> Vendedoras boazinhas enriquecem de Elinor Stutz pela Gente (2007)
>>> Gossip Girl - Você sabe que me ama vol 2 de Cecily Von Ziegesar pela Galera (2010)
>>> O Perfume da Folha de Chá de Dinah Jefferies pela Paralela (2017)
>>> O partido Político em Marx e Engels de Orides Mezzaroba pela Paralelo 27 (1998)
>>> Novissima Enciclopedia Mundial de Arte Culinaria de Mestre Cuca pela Formar
>>> Escritos Filosóficos de Leon Trotsky pela Edições Centelha Cultural (2015)
>>> O espírito da coisa de Liber Matteucci pela Prumo (2013)
>>> A Medicina dos Sintomas de Gilson Dantas pela Itacaiúnas (2015)
>>> Pão e Rosas de Andrea D`Atri pela Iskra (2008)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> A Esposa Americana de Curtis Sittenfeld pela Record (2010)
>>> O Marxismo e a Nossa Época de Leon Trotski pela Iskra/centelha Cultural (2016)
>>> Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo de Sérgio Lessa pela Cortez (2007)
ENSAIOS

Segunda-feira, 2/9/2002
Padre chicoteia coquetes e dândies
Luís Antônio Giron

+ de 7000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O jornalista satírico mais ativo no Brasil do início do século XIX foi o frei beneditino pernambucano Miguel do Sacramento Lopes Gama (1793-1852). Durante quatorze anos, entre 1832 e 1846, ele publicou em Recife e na Corte a série de artigos satíricos intitulada "O Carapuceiro". Uma amostra de 48 textos escritos sob a rubrica saiu em volume de 449 páginas da coleção "Retratos do Brasil" da Companhia das Letras. Organizado pelo historiador pernambucano Ewaldo cabral de Mello, "O Carapuceiro" soma ingredientes para deliciar interessados na Regência, além dos caçadores de aforismos.

O "nosso La Bruyère", como foi chamado no Rio no período que seus textos exerceram impacto, exercitou a crítica política e social munido do chicote do verbo sarcástico, para ele corretivo ideal dos costumes. Seus textos cumpriram a função no tempo e até hoje provocam gargalhadas. Monarquista e reacionário, Lopes Gama condenou as usanças antigas, as crendices populares e as liberalidades modernas. Cresceu em Pernambuco e se criou dentro do gosto colonial. Era lente de retórica do Seminário de Olinda em 1822 quando a mosca azul do jornalismo lhe picou de forma indelével. Passou a publicar e dirigir jornais, como O Conciliador (1822) e Diário de Pernambuvo (1829) e O Popular. Exerceu cargos públicos e morreu traduzindo e escrevendo.

"O Carapuceiro" surgiu para defender a monarquia constitucional expressa na Carta de 1824. Para tanto, o satirista ocupou-se em fustigar as posições radicais e retrógradas, batendo-se pelo caminho do meio. Rechaçava o liberalismo extremado, mas acreditava na solução republicana para um futuro distante: "Para diante, em seu tempo adequado, só nos convirá a república, que é a natural tendência da América", afirmou num artigo de 1834.

O polemista se beneficiou da atmosfera para muitos anárquica daquele momento de materialização da idéia de nacionalidade. É no período regencial, de 1831 a 1840, que a liberdade de imprensa passa a ser exercida com plenitude. O fato vai coincidir com a eclosão do Romantismo e das primeiras narrativas com temática tipicamente brasileira, os poemas de Gonçalves Dias. O primeiro romance brasileiro, A Moreninha, é publicado em 1844, em plena voga de "O Carapuceiro".

O processo se desencadeava de 1802 a 1811, com a edição em Londres do Correio Braziliense ou Armazém Literário, o primeiro jornal livre brasileiro, ainda que dirigido do exílio por Hypolito José da Costa. Desta época à Independência, formou-se o fenômeno que Wilson Martins descreve em História da Inteligência Brasileira como "linha paralela de rebeldes e desajustados que vai conduzir à Confederação do Equador, em 1824, à Guerra dos Farrapos, em 1835, e à Revolução Praieira, em 1838, tudo isso constituindo o ciclo revolucionário em que se estabelecem e consolidam as instituições políticas do Império".

Lopes Gama é um contra-revolucionário, desajustado provinciano contrariado com a instabilidade do período. Época que, até graças ao próprio padre, viria a se fixar como a mais efervescente em termos culturais do Brasil novecentista.

A fatia mais saborosa do "Carapuceiro" fica por conta justamente dos daguerreótipos sociais que o padre tira da vida cotidiana do Recife das décadas de 30 e 40 do século XIX. A língua afiada perpetua os tipos do momento, avalia e detalha os hábitos em rápida transformação, da imaginação colonial para os ideais românticos afrancesados, das novas danças agalopadas aos cardápios que causam constipações nunca antes experimentadas.

Ele populariza, por exemplo, a expressão "nosso espírito macaqueador" no artigo "O nosso gosto por macaquear" (14/01/1840), em que condena os "folhetinhos" estrangeiros: "O que estraga os costumes, o que perverte a moral é, por exemplo, a leitura de tanta novela corruptora, onde se ensina a filha a iludir a vigilância de seus pais para gozar de seu amante, à esposa a bigodear o esposo etc. etc. O que corrompe horrivelmente os costumes é a leitura dos folhetinhos, como o Citador, a carta apócrifa de Talleyrand ao papa, as Liras de José Anastácio e a praga de quadros com moças nuas, de Vênus saindo do banho, de Vênus e Adônis etc. etc., que todos os dias se despacham nas nossas alfândegas".

Dentre os novos costumes repudiados pelo polemista está o namoro, recém-transplantado do Sena ao Capibaribe. Com ele, também aportaram os novos tipos urbanos: o pelintra, a coqueta, o peralvilho e o gamenho, com barbas, suíças, cartolas altíssimas e trajes apertados. O padre desconhecia o termo "dândi", que já estava entrando na moda em Paris pelos fins de 1840. Mas já descrevia otipo em "O que é ser pelintra" (20/04/1842) como "o adônis das partidas", "o cupidinho dos bailes": "Não há madama fashionable, que não queira dançar com um destes bonecos muito espinicados e mais aromáticos que um sepulcro de Quinta-feira Santa. Quem só atenta para a cabeça de um pelintra parece que está vendo Pilatos, Anaz, Caifaz ou o Centurião, mas do pescoço para baixo é um macaquinho, é um bonifrate, é um boneco de peloticas. Ai da menina que chega a esposar-se com um desses jovens da escola peralvilha de Paris!"

Dez dias depois, Gama investe contra moda feminina no artigo "O que é um coqueta": "Esta é uma dama que parece ter o rosto calçado de aço. O cinismo da licença lhe sombreia a cabeça com o seu penacho orgulhoso: o despejo reina em seus olhos nunca visitados do pudor, semelhantes aos das bacantes quando desgrenhadas, e com o tirso na mão pisam todas as leis da decência. Suas roupas curtas, parecidas às das donzelas de Esparta, quando quase nuas iam disputar o preço dos exercícios gínicos, são enfeitadas de cores cambiantes". São as novas mulheres de família, nas quais o frei detecta o "étimo da inconstância", um suspeito "composto de fingimento e seduções".

O látego do jornalista recai também sobre o passado. A referência mais antiga sobre festas populares no Recife é de autoria de Gama, em "A Estultice do bumba-meu-boi" (11/01/1840). Ali esmiúça o folguedo, segundo ele o non plus ultra da estupidez. "Todo o divertimento cifra-se em o dono de toda esta súcia fazer dançar, ao som de violas, pandeiros e de uma infernal berraria, o tal bêbado Mateus, a burrinha, a caipora, o boi(...) Além disto o boi morre sempre sem quê nem para quê, e ressuscita por virtude de um clister que pespega o Mateus, coisa muito agradável e divertida para os judiciosos espectadores".

Tropeçam nos textos de "O Carapuceiro" mártires das modas, escrevinhadores, jogadores, filósofos, padres glutões, jovens mal-educados, africanismos e galicismos a contaminar o português, aleluias e passatempos – como o das quadrilhas. "Estamos no século das quadrilhas, e quadrilhas em todos os sentidos...", dispara o beneditindo linguarudo.

Não foi por pouca malícia que o sociólogo Gilberto Freyre lançou mão da série, raridade em 1931, para redigir Casagrande & Senzala. Lopes Gama pinta um quadro sensual e vivo como a pintura ou mesmo a incipiente ficção da época não conseguiram fazê-lo.

Para ir além






Luís Antônio Giron
São Paulo, 2/9/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma baby boomer no Twitter de Eugenia Zerbini
02. Filmes de saiote de Sérgio Augusto
03. Retrato de corpo inteiro de um tirano comum de José Nêumanne


Mais Luís Antônio Giron
Mais Acessados de Luís Antônio Giron
01. Paulo Coelho para o Nobel - 21/11/2005
02. Francisco Alves, o esquecido rei da voz - 5/8/2002
03. JK, um faraó bossa-nova - 6/2/2006
04. Villa-Lobos tinha dias de tirano - 3/11/2003
05. A blague do blog - 11/8/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/9/2002
14h50min
O historiador Evaldo Cabral de Mello, como você sabe, também é escritor de sucesso, tendo publicado, entre outros, o bem recebido "Olinda restaurada", acerca do período histórico imediatamente posterior à evacuação holandesa da Nova Lusitânia (como se chamava então a colônia portuguesa de Pernambuco). Essa época pode ser comparada, grosso modo, à transição ora vivida em Timor, com a saída dos indonésios, ou com a Alemanha oriental, após a queda do muro da vergonha. São épocas de renovação e esperança, de "restauração" por excelência, daí o título do livro. O fato de Cabral de Mello ter sido o organizador da coletânea que você nos apresenta me parece alvissareiro. Parabéns pela resenha!
[Leia outros Comentários de Toni]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois da Meia Noite
Diana Palmer
Harlequin
(2007)



Enfoques Doutrinários
Danilo C. Villela
Lar Fabiano de Cristo
(2005)



O Mistério da Múmia Sussurrante
Alfred Hitchcock
Clássica
(1988)



Confissões verídicas de um terrorista albino
Breyten Breytenbach
Rocco
(1985)



A Aventura do Universo
Luis E. Navia
Melhoramentos
(1977)



Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos
Patrícia Fernandez
Travassos
(2015)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Europa 1 - Grécia e Chipre
Altaya
Altaya
(1998)



A literatura e os Deuses
Roberto Calasso
Companhia das letras
(2004)



Lendas do Folclore Popular
Beto Brito e Tatiana Móes
Prazer de Ler
(2006)



J. Carlos Em Revista
Julieta Sobral
São Paulo
(2016)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês