Senhores do tempo | Eugenia Zerbini

busca | avançada
42708 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 29/10/2007
Senhores do tempo
Eugenia Zerbini

+ de 3700 Acessos

No dia 12 de outubro, anunciou-se a concessão do Nobel da Paz de 2007 ao ex-vice-presidente norte-americano Al Gore, por sua campanha em defesa do planeta contra o aquecimento do clima. Gore – autor do documentário Uma Verdade Inconveniente, vencedor do Oscar, no ano passado – dividirá o prêmio com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês). Este foi criado há 19 anos por duas organizações interestatais do sistema das Nações Unidas, a Organização Metereológica Mundial (OMM) e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). O IPCC popularizou-se por meio dos relatórios que publica, fruto das pesquisas de cerca de 2.500 cientistas de diferentes países, sobre o aquecimento climático e suas catastróficas conseqüências para todas as expressões de vida na Terra.

Não se desmerece o trabalho bem articulado de Al Gore – que, em sua campanha por um breque no aquecimento global, reinventou-se no cenário político dos Estados Unidos e do mundo, longe da figura fora de lugar que lhe coube na corrida para a Casa Branca, em 2000, na qual George Bush foi declarado vitorioso pela Suprema Corte. Contou o fato, porém, que o assunto não saiu um dia sequer dos holofotes da mídia durante todo este ano, devido principalmente ao mais recente relatório do IPCC, cujo sumário passou a ser anunciado a partir de janeiro. Discutir-se o aquecimento do clima virou moda: o popular bola da vez, ou o chique “talk of the town”.

À sombra das ações capitaneadas por Al Gore e pelo IPCC, pipocaram filmes e livros. Entre aqueles primeiros, o mais recente é A última hora (The 11th hour), assinado por ninguém menos que Leonardo de Caprio, uma das chamadas no programa da 31ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo; entre estes últimos, o mais visível é o de autoria do próprio Gore, cujo título divide com o documentário (Manole, 2006).

Mas há outros. Como Os Senhores do Clima (Record, 2007), assinado por Tim Flannery. Zoólogo e paleontologista, Flannery é professor universitário em Sidney, Austrália. Além de schollar, é um dos mais populares ambientalistas de seu país. Tudo isso, infelizmente, não agrega nem tom de novidade, nem sabor a esse seu livro. Com base em outros dados e lançando mão de outra retórica, o autor trata dos mesmos assuntos já explorados no documentário Uma Verdade Inconveniente. Embora em uma xícara bem trabalhada, Mr. Flannery nos serve um café requentado.

Não se trata de uma leitura prazerosa. O livro, enquadrado naquela chamada de literatura de divulgação científica, poderia favorecer uma leitura menos árida. O autor começa definindo os elementos abrangidos pela discussão. Essa parte é a mais didática e nela são esclarecidos conceitos quase nunca explicados, úteis até em outros contextos: o que vem a ser clima, sua diferença com relação às condições meteorológicas, o que é atmosfera, quais os gases que nela liberados aquecem-na mais efetivamente, e assim por diante.

Passa, então, para um histórico tanto do clima como dos vários estudiosos que se debruçaram sobre o tema. Aí estão concentradas as páginas mais interessantes do livro (ao menos para os aficionados em História).

Em seguida, Flannery dá provas de que o clima está esquentando (por exemplo, o derretimento das geleiras e as alterações nos hábitos de certas espécies) e atribui o fenômeno ao aumento de partículas de dióxido de carbono (CO2), metano (CH4) e óxido nitroso (NO2) na atmosfera. O primeiro desses gases é liberado quando se queima madeira, carvão e material fóssil (petróleo). O segundo – o outrora conhecido como o gás dos pântanos – é criado por micróbios que vivem em ambientes sem oxigênio (água parada e, por exemplo, intestino dos rebanhos de gado). O terceiro, que além de ser apelidado de “gás do riso” (em virtude de sua ação no cérebro que induz a risadas), tem reconhecidas propriedades anestésicas, é produzido no uso de fertilizantes contendo nitrogênio e na queima de combustíveis fósseis e de biomassa.

São assinaladas as conseqüências negativas do aquecimento, tais como a distribuição anômala dos regimes das chuvas e o aumento das áreas desérticas, e descritas algumas das tragédias que poderão implicar: migrações ecológicas, com populações inteiras fugindo de inundações e de secas, bem como conflitos armados relacionados à luta por água potável e terras cultiváveis.

Depois disso, são mencionadas algumas das saídas mirabolantes propostas por alguns cientistas para eliminar o acúmulo de CO2 na atmosfera: liquefazer parcialmente essas emanações e enterrá-las ou então, depois de induzir o aumento do plâncton marinho – através do lançamento de limalha de ferro em certas áreas do mar –, bombear o excesso do CO2 para o oceano.

Criticadas essas hipóteses, os capítulos finais sugerem a adoção em grande escala das energias solar e eólica, criticando o ressurgimento da opção por centrais elétricas movidas a energia nuclear. O fecho da obra é a prescrição de um conjunto de medidas que todo cidadão deve tomar contra o aquecimento: optar por uma energia verde, depender menos do carro, fazer uso racional dos eletrodomésticos, adotar lâmpadas econômicas e escrever a um político sobre a mudança climática. O maior defeito que pode ser apontado no livro é sua abordagem unidimensional. Em nenhum momento discorre sobre o fato de que a liberação de CO2 resulta da intensificação dos processos industriais iniciados no século XVIII, aprofundados no XIX e difundidos globalmente no XX. Poderia ser uma desculpa o fato de Tim Flannery ser um cientista da área biológica; essa visão mais abrangente, entretanto, seria esperada de alguém que, em 2005 – ano de publicação do livro em seu país de origem –, foi brindado com o prêmio de “O humanista do ano”. A mesma falta de dimensão social é sentida em face da prescrição de ações meramente individuais como saídas para a crise climática, quando parece óbvio que questões envolvendo clima e meio ambiente fazem parte de uma estrutura maior: a da sociedade do hiperconsumo e da hiperoferta em que vivemos.

A receita genérica – propagada notadamente depois da Conferência das Nações Unidas sobre meio ambiente e desenvolvimento, no Rio de Janeiro, em 1992 – de um desenvolvimento sustentável necessita ser reexaminada para que esse termo recupere, inclusive, seu verdadeiro teor. Esse desenvolvimento, que não corresponde a crescimento (só como ilustração, apontam-se as diferenças entre os conceitos de Produto Interno Bruto, PIB, e Índice de Desenvolvimento Humano, IDH), em certos momentos – e, quem sabe, este em que vivemos – pode significar uma desaceleração econômica exigida pela Natureza, exaurida que está em razão dos constantes saques a descoberto que os sistemas de produção têm imposto à conta dos recursos naturais do planeta. Novas racionalidades e eficiências – bem complexas, diga-se de passagem – necessitam ser desenvolvidas. Entre elas, destaca-se o pressuposto de que tudo que é ambiental doravante é também social (e vice-versa). Esse enfoque sócio-ambiental, como detalhado na obra do professor da Faculdade de Economia e Administração (FEA) da USP, José Eli da Veiga, passa a ser o mais apropriado dos instrumentos de análise e equacionamento das questões ambientais e climáticas, infinitamente mais eficaz do que qualquer modismo.

Os senhores do clima, em resumo, não acrescenta grande coisa a tudo o que já foi publicado sobre o aquecimento global. Além do mais, a tradução brasileira foi lançada já defasada, uma vez que não incorporou os números do quarto relatório do IPCC (o original do livro, The weather makers: the history and the future impact of climate change, é anterior à veiculação do mesmo). Infelizmente (oh! acelerados tempos globais), tais senhores desembarcaram no Brasil atrasados. Meu conselho: quem ainda não assistiu ao documentário Uma Verdade Inconveniente, assista; e leiam um dos livros mais recentes do Prof. Veiga: A emergência sócio-ambiental (SENAC, 2007) ou Desenvolvimento Sustentável (Garamond, 2005).

Nota do Editor
Eugenia Zerbini, que, além de autora de As netas da Ema (Record, 2005), vencedor do Prêmio SESC Literatura-2004, é advogada, especialista em Direito da Energia, pela Universidade Estadual do Rio e Janeiro (UERJ).


Eugenia Zerbini
São Paulo, 29/10/2007

Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessados de Eugenia Zerbini
01. O diabo veste Prada - 2/10/2006
02. Para o Daniel Piza. De uma leitora - 16/1/2012
03. O romance sobre o nada - 28/5/2007
04. De vinhos e oficinas literárias - 2/7/2007
05. Retrato edulcorado de uma rainha - 9/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ELEMENTOS DE DIREITO FINANCEIRO
EUGENIO AUGUSTO FRANCO MONTORO
FGV
(2016)
R$ 18,82



RECONCILIAÇÃO
ROMANCE DO ESPÍRITO ANTÔNIO CARLOS PSICOGRAFADO PELA MÉDIUM VERA LÚCIA MARINZECK DE CARVALHO
PETIT
(2007)
R$ 10,00



HULK CONTRA O MUNDO - FRENTE DE BATALHA 2/2
MARVEL
PANINI COMICS
(2008)
R$ 8,00



ENTRE GUERRAS E MISÉRIA: OS ESCRAVOS DE HOJE (DIREITOS HUMANOS)
MARIE AGNÉS COMBESQUE
SCIPIONE
(2002)
R$ 12,00



CONSORCIO DE EMPREGADORES URBANOS - UMA REALIDADE POSSÍVEL
OTAVIO CALVET
LTR
(2002)
R$ 30,00



PRECIS D HISTOIRE DE L ÉGLISE
B. FATIEN
A HATIER
(1946)
R$ 47,38



REVISTA DE CULTURA TEOLÓGICA Nº 72, ANO XVII, OUTUBRO-DEZEMBRO 2010
VÁRIOS
PAULINAS
(2010)
R$ 25,00



A MENSAGEM DO APOCALIPSE - A INTERPRETAÇÃO DAS PROFECIAS DO APOCALI...
NELSON LOBO DE BARROS
LAKE
(2009)
R$ 9,90



DROGAS - PERGUNTAS E RESPOSTAS
IVAN MARIO BRAUN
MG
(2007)
R$ 22,41



O MAIOR VENDEDOR DO MUNDO
OG MANDINO
RECORD
R$ 16,96





busca | avançada
42708 visitas/dia
1,4 milhão/mês