Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
Mais Recentes
>>> Manual de Boas Práticas em Ensaios Clínicos de Conceição Accetturi, David Salomão Lewi e Greyce Balthazar Lousana pela Usp (1997)
>>> Filho do Sol de Savitri Devi pela Renes (1981)
>>> Encontros com o Insólito de Raymond Bernard, F. R. C. pela Renes (1970)
>>> Introdução à Filosofia da Rosacruz Áurea de J. van Rijckenborgh pela Escola Espiritual da Rosacruz Áurea (1982)
>>> Biografias de Personalidades Célebres de Prof. Carolina Rennó Ribeiro de Oliveira pela do Mestre (1970)
>>> As Últimas Horas de Gibran de Kahlil Gibran pela Nova época (1980)
>>> El Misterio De Los Templarios de Louis Charpentier pela Bruguera (1970)
>>> Valongo Arte e Devoção de Ana Maria C. Silva De Biasi, Elias Jorge Tambur e Maria Rabello da Motta pela A Tribuna (1995)
>>> Eu, Detetive O Caso do Sumiço de Stella Carr e Laís Carr Ribeiro pela Moderna (2003)
>>> Dinheiro Público e Cidadania de Silvia Cintra Franco pela Moderna (1998)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coração de Vidro de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1972)
>>> Transformadores de Alfonso Martignoni pela Globo (1981)
>>> Guia Técnico do Alumínio - Extrusão de Associação Brasileira do Alumínio pela Tecnica (1990)
>>> História da Literatura em Santo André de Tarso M. de Melo pela Fundo de cultura de santo andré (2000)
>>> Cinco Minutos - A Viuvinha de José de Alencar pela Ática (2001)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 4 de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Amo Poesia de J. Dellova pela Do escritor (1989)
>>> Folhas aos Ventos Maçônicos de Breno Trautwein pela A Trolha (2000)
>>> Os Segredos dos Construtores de Maurice Vieux pela Difel (1977)
>>> Antigos Manifestos Rosacruzes de Joel Disher pela Amorc (1982)
>>> Breve História da Maçonaria de Rubens Barbosa de Mattos pela A Trolha (1997)
>>> Por Mares há Muito Navegados de Álvaro Cardoso Gomes pela Ática (2002)
>>> Isso Ninguém me Tira de Ana Maria Machado pela Ática (1996)
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1996)
>>> Encontro com os Deuses de Jaime Guedes pela Mandála (1978)
>>> E se? de Super Interessante pela Abril
>>> Eu não consigo emagrecer de Dr. Pierre Dukan pela Best Seller
>>> Linha D'agua de Amyr Klink pela Companhia das Letras
>>> Sal, Açúcar, Gordura de Michael Moss pela Intrínseca (2019)
>>> O mundo contemporâneo de Demétrio Magnoli pela Moderna
>>> 1001 Provérbios de Oswaldo Herrera pela A Gazeta Maçônica (1981)
>>> Contato de Carl Sagan pela Companhia das Letras
>>> E foram felizes para sempre de Dr. Gary e Barbara Rosberg pela Não sei
>>> Radicalize de Alex e Brett Harris pela Graça editorial
>>> A guerras da memória de Frederick Crews pela Mãe Terra
>>> Uma morte muito suave de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1984)
>>> Guia de Leitura Rápida de William Douglas pela Campus
>>> A dieta do tipo sanguíneo de Peter J. D'adamo pela Campus
>>> Para Ler e Guardar de Hermann Hesse pela Record (1975)
>>> Nutrição no esporte de Patrícia Postilione Appolinário pela Martinari (2019)
>>> Coleção Para Ler Freud de Diversos pela Não sei (2019)
>>> Einstein O Enigma do Universo de Huberto Rodhen pela Martin Claret (2019)
>>> Como Um Mistico Amarra os Seus Sapatos (O Segredo das Coisas Simples) de Lorenz Marti pela Vozes (2008)
>>> Sagas de Heróis e Cavaleiros - Vol 2 de Martin Beheim-Scwarzbach pela Paz e Terra (1997)
>>> O Aprendiz de Assassino de Robin Hobb pela Leya (2019)
>>> Atlas Ilustrado: Fichas Interativas (capa 3d/ pags duplas) de Andrea Pinnington e Marie Greenwood pela Ediouro (2002)
>>> Retrato do Brasil (vol. Ii): da Monarquia ao Estado Militar de Mino Carta: Diretor de Redação pela Política Edit./ Sp. (1984)
>>> Marterworks of Man & Nature: Preserving Our World Heritage de Mark Swadling: Diretor Management pela Globe Press/ Australia (1992)
>>> Tania Castelliano e J. Cabral de Entenda Seus Conflitos e Livre-se Deles pela Record (2002)
BLOG

Sábado, 12/8/2006
Blog
Redação

 
FLIP 2006 III


Foto de Walter Craveiro

Meu colega de e-mail, Christopher Hitchens, se portou muito mal na mesa que acabou de acabar, com Fernando Gabeira. Já resolvi que vou dar uma bronca nele, quando ele chegar aqui, logo mais, na sala de imprensa (para checar suas mensagens - e ser vaiado...). Realmente, não foi legal: chamou Gabeira de terrorista e tal. "I know some people", insinuou para ele, quando Gabeira revelou que não entrava nos Estados Unidos, porque estava proibido, mas que não se importava, porque podia entrar de outras formas - culturalmente falando... Depois, ironizando, finalizou: "I know some [other] very nice terrorists...". Merval Pereira, o jornalista que mediava, com toda a experiência de participação no Roda Viva (é com hífen?), ficou gelado... E ignorou o Hitchens quando este tentou "elevar o nível do debate" evocando as questões de ontem, na outra mesa em parceria com a Revista Piauí: "Não haverão perguntas sobre jornalismo e/ou reportagem? Eu adoraria discutir se a reportagem é uma forma de arte...!". Mas já era tarde demais.

* * *

A Carol, apesar do calor do debate, "desmaiou" (de sono) depois do almoço e seguiu para a pousada. Eu saí sozinho, no fim da mesa, sem saber se eu tinha entendido direito. Parece que sim: o Hitchens chamou o Gabeira de "terrorista", no sentido mais absoluto da palavra, ignorando toda a sua trajetória política posterior, e deixou no ar a impressão de que "discutir (ou debater) com terroristas" é sempre uma perda de tempo. Como discutir com fundamentalistas (com essa parte eu concordo). A impressão geral foi de que o Hitchens apelou para a ignorância, quando não precisava... Engrossou no debate sobre a atual guerra do Líbano e se recusou a responder a perguntas da platéia porque as considerava muito "naïf" (em francês) ou "naive" (é assim que se escreve em inglês?): inocentes, ingênuas. Tudo bem que algumas das perguntas da platéia da Flip, efetivamente, não são lá muito elaboradas, mas não precisava se irritar tanto. ("Eu não sou tão apaixonado por essas questões", o Gaberia, de repente, ponderou...) Hitchens, não contente, disparou contra a audiência: "Don't be so fucking sure" (sobre os palestinos quererem a paz...). Classificou, ainda, um argumento de simplesmente "idiota".

* * *

Então eu resolvi colocar Tom Jobim no meu iPod para escrever aqui. Toca muito "Bonita" na Flip. Não sei por quê. Acho que ficaria legal se tocasse também "Surfboard", que combinaria bastante com o clima meio circense da Flipinha. Mas, enfim, com "Bonita" eu lembrei da Candice Bergen (é assim?), para quem, dizem, o Jobim fez a canção depois de cantá-la (e conquistá-la?) num avião. A Elis Regina gravou mas não gostou do seu sotaque (em 1974). Tinha razão. Hoje, a maioria das cantoras não liga muito por "gravar em inglês errado". ("Eu canto em português errado/ Acho que o imperfeito não participa do passado/ Troco as pessoas, troco os pronomes...") Pensei, ainda, no Tarso de Castro. Outro dia, eu e a Carol tentamos lembrar do nome daquela beldade que ele dividiu com Roberto Carlos... Alguma coisa com "Amélia" no meio... Diz a lenda que eles disputavam a moça e o Rei, a tendo conquistado (sei que o pronome soa estranho nesse lugar), compôs "Detalhes", com a seguinte ameaça a Tarso, o rival: "Se um outro 'cabeludo' aparecer... A culpa é sua!".

* * *

E por falar em "Bonita", todas as mulheres ficam meio desmontadas (o termo é da minha família) na Flip. Muito calor, as ruas sem calçamento (vale repetir: qualquer cronista vagabundo menciona as "ruas sem calçamento") de Parati... Aqui, você encontra aquela temível assessora de imprensa toda mansa, porque resolveu andar de chinelo, seu pé está todo sujo de terra (marrom, com as unhas vermelhas - uma beleza), seu cabelo está todo grudento (em gomos), e sua roupa já está toda amassada ou pregada no corpo. Em Parati, no calor e no corpo-a-corpo (o mesmo dos políticos), ninguém permanece impune. Você tromba com os amigos e desvia, sempre que pode, dos inimigos. Amigos me reconhecem na rua e gritam: "Eu sabia que você estaria aqui!". Tentei combinar, outras vezes, com vários, mas não consegui. Em compensação, já vi o Mirisola uma dez vezes, ele vive pegando e-mail na sala de imprensa. E o Marcelino Freire vive acompanhando as "notícias". Quem montasse um site tipo Caras (ou Babado) de literatura, durante a Flip, iria faturar alto...

* * *


Foto de Walter Craveiro

Voltando às mesas, a da Lillian Ross e do Philip Gourevitch (ontem) foi boa, mas não foi ótima. Ela um pouco impaciente pela idade avançada; ele tentando explicar em minúcias coisas que as pessoas deviam procurar em seus livros e, não, numa palestra... A introdução foi do João Moreira Salles, com toda a pompa e circunstância, frisando a parceria com a revista Piauí, que sai em outubro, mas que já estava sendo distribuída em forma de "numero zero" na cadeira das pessoas. Carlos Graieb, da Veja, na mediação bolou uma espécie de entrevista, em inglês, mas achei que eram figuras muito distintas para responder às mesmas perguntas; e, freqüentemente, não concordavam. Lillian Ross, conforme foi mencionado, ingressou na New Yorker em 1945; Gourevitch ingressou na mesma revista, só que em 1995 - 50 anos entre uma pessoa e outra... já dá uma idéia da diferença. Não sei se foi erro da organização, talvez - o Daniel Piza acha que não. E eu concordo: sua entrevista prévia, no Estadão, com a senhora Lillian, ficou melhor.

* * *

Muita gente querendo saber sobre Hemingway, que Lillian Ross perfilou, quando tinha 20 e poucos anos (hoje é uma velhinha simpática, que não consegue caminhar sem a ajuda do filho). "He was one of a kind" - alguém como nunca nasceu antes e como nunca nascerá mais. Palavras dela. Falando e escrevendo. Depois, o Graieb pediu para ela definir "talento", "genialidade", não só em Hemingway, mas em um texto jornalístico (sua especialidade). A senhora Ross perdeu a paciência e falou que essas coisas não se definem com fórmulas, você apenas lê e sabe. Gostei! O relativismo, nessas discussões, geralmente parte de quem não tem talento, não tem gênio e fica teimando em dizer que é tão bom quanto fulano, beltrano, sicrano... Não se conforma e fica procurando argumentos "lógicos"... Como disse o Ferreira Gullar hoje (já havia dito em uma entrevista): alguns nascem poetas; outros simplesmente não nascem - o que não é nenhum demérito, o mundo precisa de todas as pessoas, de todos os tipos... "É moda, hoje, falar que todo mundo é artista (ou pode ser), mas não é verdade" - Gullar encerra.

* * *


Foto de Walter Craveiro

Ontem à noite, saímos finalmente para jantar com amigos. É interessante ver a Flip pelos olhos das pessoas de fora. Já expliquei muitas e muitas vezes como funciona aqui; muito pouca gente entende. E, mesmo que entendesse, quando visse, perceberia que nem sempre bate com a explicação. Também já desisti de explicar. Dou linhas gerais; dou exemplos. As pessoas também querem saber dos "famosos". "Já viram alguém famoso?". Ficamos pensando... Quem, por exemplo? A Maria Bethânia? Perdemos o show dela na quarta-feira... "Ah...! Mas tem também aquela jornalista velhinha..." A Lillian Ross? "Siiim!". A imprensa (impressa ou não) ainda tem força para indicar, para as pessoas, quem são os "famosos" (mesmos que elas nunca tenham ouvido falar)... Para essas pessoas, antes da Flip, a Lillian Ross era uma completa desconhecida. Enfim... E todo mundo abre o jornal no dia seguinte para "se situar". As pessoas vêem as mesas mas não conseguem julgar por elas próprias, têm de conferir, no dia seguinte, a repercussão...

* * *

E por falar em imprensa (impressa ou não), o Sérgio Rodrigues, do No Mínimo, acaba de sair daqui do meu lado, xingando... Não, eu não fiz nada. Acontece que ele digitou um post inteiro para o blog dele, Todo ou Toda Prosa, e perdeu. Quem nem o Christopher Hitchens naquele dia (ou não). Eu sugeri o Gmail, mais uma vez (o Google devia me pagar por isso), mas ele estava tão nervoso que não quis me ouvir... O interessante é que ele falava mal do Hitchens (tá, eu li um pouco do post...). Começava dizendo que Hitchens fez o que se esperava dele: polemizou, xingou a platéia, defendeu Israel, atacou a Palestina... Não, infelizmente, não li, nem decorei, o resto do post. Última coincidência de hoje: antes dele, estava sentada aqui ao lado a Sônia Rodrigues. Desconfio que é a mesma sobre a qual escreveu a Adriana... A filha do homem! Devia ter perguntando, como perguntei em 2005 ao Jabor, o que teria dito Nélson sobre tudo isso?! Sérgio e Sônia, para terminar, têm sobrenome "Rodrigues" e a primeira parte do e-mail dos dois é igual: srodrigues... Agora coloco os links [poucos hoje].

[1 Comentário(s)]

Postado por Julio Daio Borges
12/8/2006 às 18h21

 
FLIP 2006 II

Escrevo da sala de imprensa, esperando que a luz não caia como ontem. O Daniel Piza acaba de sair daqui depois de dividir comigo suas opiniões sobre o número zero da Revista Piauí - o projeto secreto de João Moreira Salles, para tentar dominar o mundo, imitando, claro, a New Yorker. O site em construção não diz nada. A mim me parece (vou ser bem pessoal agora), uma derivação do No Mínimo, com direito a Paulo Roberto Pires, o eterno darling da Flip, mais geração 00: Galera, Antonia Pellegrino (que eu sempre combino de encontrar mas nunca encontro), Antonio Prata... O resto deixo com a imaginação de vocês. Ah, eu sabia um outro segredo sobre o Ivan Lessa, que também está lá, mas não vou contar. (Daqui a pouco nem é mais segredo...)

* * *

Ontem fiquei impressionado com a multidão de mulheres, na verdade, senhoras de meia-idade pra cima, que resolveram "se liberar", vindo a um evento em que os maridos nunca iriam acompanhá-las: a Flip. Algumas separadas, outras viúvas - geralmente bem resolvidas na parte financeira, de repente podem até adotar um escritor falido desses da Geração 90... Alguém se habilita? Ontem, enquanto eu tomava uma cerveja e olhava o rio, entre uma mesa e outra, entre duas passadas do Milton Hatoum (eu ainda o cumprimento pelo novo Jabuti!), uma mulher de uns quarenta anos dividia seu espanto com outra, desconhecida, que logo chegou: "Mas esse povo todo por conta de um evento de li-te-ra-tu-ra? Eu nunca pensei... Mas... literatura?" - ela se beliscava depois de ter conhecido um médico no almoço.

* * *

A mesa em homenagem a Jorge Amado, a terceira, de ontem ainda, me surpreendeu. A Zélia não pôde vir, disseram que iam trazer o João Jorge, mas não deve ter sido ontem... Enfim: o embaixador (respeito, agora) Alberto da Costa e Silva foi muito divertido, com uma barba à la República Velha, defendendo Jorge Amado das acusações de exotismo: "Exótico, pra nós, é esquiar na neve!". Contou de vários parentes dele que são verdadeiros personagens de Jorge Amado: um tio que gostaria de ter entrado para a marinha, mas que não conseguiu e que, na sua obsessão, montou um barco inteiro na garagem de casa. Depois, não satisfeito, montou uma casa em forma de barco; que existe até hoje. Depois, ainda, contou de um primo que tinha uma relação de inimizade "pessoal" com Deus. Fazia versos fesceninos, mostrava a todos os religiosos que aportavam em sua cidade e nomeou uma fazenda sua de "Inferno" e outra de "Purgatório".

* * *

O Eduardo de Assis Duarte fez um discurso emocionado sobre o deputado comunista cuja maior contribuição para a constituição federal (da época) foi instituir a liberdade de culto religioso. Jorge Amado. Fez um paralelo entre o romancista baiano e seu personagem Quincas Berro D'Água: também morreu para a elite européia (usou a expressão "elite branca", de um certo governador...), e para o marxismo, a fim de renascer para a cultura afro e para o feminismo. Terminou sua preleção - estou lendo a biografia de Machado de Assis pelo Daniel Piza - com um trecho de Capitães da Areia, em que o "Professor" fazia mágicas com suas histórias e seus livros, construindo uma casa de volumes e não de tijolos. A Myriam Fraga falou do feminismo de novo, de Tereza Batista, embora esteja já um pouco esquecida, confundindo nomes... Depois dos elogios de Oswald de Andrade ("uma Ilíada negra"), Albert Camus (em francês, of course) e Antônio Cândido - embora todos nutrissem simpatias (interessadas) mais à esquerda -, fiquei com vontade de ler Jubiabá.

* * *

Agora, no iPod, estou ouvindo Dorival Caymmi. Para quem - no meu texto - sempre me pergunta "pra quê tanta música?", aí está a resposta. Quando você ia lembrar de trazer sua caixa Caymmi Amor e Mar para a Flip? Nunca! Pois com o iPod, aí está... Ontem tocava muito a Família Caymmi na praça da Matriz. Também na Tenda dos Autores. Principalmente Nana e algum Danilo. Mas eu também fiquei com vontade depois de ver o Jorge com aquele seu "olhar de picardia", conforme a expresão do Caymmi Pai, na exposição que a Folha de S. Paulo preparou na Tenda da Matriz. O Jorge também forra as paredes da Livraria da Vila com as capas de seus livros e, em forma de poster (não sei se é "pôster"), "benze" os autores que vão dar autógrafos. Não vi o show da Maria Bethânia, que foi bem falado na quarta, mas lembrei mesmo foi da Terça Insana (sei que a Grace G. assina a nossa Newsletter), da "Maria Botânica", porque, no site da Flip, seus cabelos estavam verdes...!

* * *

Já ganhei dois livros de autores que estão "lançando" (ou "se lançando") aqui na Flip. Ia dizer que já sofri dois atentados poéticos, porque é farta a distribuição de livros aqui, se você bobear... Principalmente se os autores souberem que é você quem faz as resenhas. Na minha primeira Flip, a de 2004, uma moça muito simpática da revista Simples tirou da bolsa tão rápido o seu volume que eu não tive como recusar. A Carol se comoveu com o gesto, mas, na hora de ler, também não leu. E por falar em livros, ontem, à noite, lançavam um especial da Bravo! com 100 livros que se deve ler na Literatura Brasileira (coloquei em maiúsculas, gostou?). Era no Café Margarida, mas eu estava tão cansado que não fui. Encontrei o Michel Laub, ex-Bravo!, hoje de manhã mas esqueci de perguntar como é que foi... A Bravo! também preparou um bom especial, em formato jornal, sobre a Flip em si. Li ontem.

* * *

Outra mesa muito boa ontem foi a quarta, De onde vem as palavras, com David Toscana e Mário de Carvalho. A mediação, muito bem escolhida pela Ruth, foi do Agnaldo Farias, que é conhecido por sua crítica de artes plásticas. Eu não sei se, pessoalmente, concordo com os seus pontos de vista muito de "vanguarda" (muito "Tunga"), mas admiro-o por seus óculos. Ontem, verdes. Sem brincadeira agora: ele se preparou, leu os livros e fez perguntas pertinentes. Chamou, no fim, os escritores de artistas... Aproveito para elogiar a escolha da mediação deste ano que, ao contrário da do ano passado (que parecia improvisada na última hora), foi coerente - muitos jornalistas. Hoje, a Beatriz Resende (não sei se, agora, é Rezende com "z"), por exemplo: ela fez praticamente uma palestra sobre cada autor; outra palestra sobre o tema. Se alongou um pouco, mas foi muito feliz no todo. E nas intervenções.

* * *

O David Toscana, que é mexicano, veio cheio de graça, "falando português", de um curso que fez antes de chegar, e fez questão de ler seus livros (para o público) em edições brasileiras. Quando fizeram perguntas cabeludas, no entanto, confessou: "Meu português só dá pra pedir feijoada. Para responder a essas perguntas, eu precisaria fazê-lo em espanhol". E o fez muito bem. (Tô elogiando muito? Tô, né. É que eu gostei de verdade dessas duas mesas... À última nem assisti para não estragar.) Já o Mário Carvalho começou muito circunspecto. Até que não se controlou - eu adoro quando as pessoas perdem o controle na Flip - e emendou um discurso contra o comércio, a economia, as finanças... que não tem nada a ver com os livros, disse, com a literatura. Eu até anotei, veja só: "[Os livros, a literatura...] são uma construção antropológica que supera, em muito, a realidade do comércio". Quero ler Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde e Santa Maria do Circo

* * *

Eu sei que vocês não vão acreditar mas o Christopher Hitchens acaba de se sentar aqui do meu lado de novo. (Não tenho nem mais assunto com ele... Ontem falamos mal de Deus - seu novo livro se chama God is not Great - até umas horas...!) "E aí, perdeu mesmo seu artigo (de ontem)?", perguntei. "Não, eu não tinha nem começado, na verdade...". Aconselhei então: "Você precisa usar o Gmail, ele grava as mensagens enquanto você digita, aí você não perde". "É, eu sei. Muita gente me fala que o Gmail é bem melhor...". Para quem acha que eu estou mentindo, o e-mail dele, na AOL, é chitch8003. (Teste, depois me fale...) Bem, falta quinze minutos para a próxima mesa. (Estive à beira de perder todo este Post, então vou postar, tá?) Depois completo com links, imagens, essas coisas todas.

[1 Comentário(s)]

Postado por Julio Daio Borges
11/8/2006 às 16h40

 
FLIP 2006 I

Quarta (ontem). Tentei sair mais cedo do escritório do Digestivo. Quando digo "cedo", digo antes do horário do rush. Colunas, Digestivos, Ensaios, Newsletters - não consegui. Saí às 18h30, mais ou menos. Eu sei: saí no pior horário possível e imaginário para uma cidade como São Paulo. Mas eu não agüentava mais: queria ir embora. Fui.

* * *

Deu 20 horas, eu estava no posto BR em que costumo parar com a Carol (quando vamos para Angra). Tomei um café de caminhoneiro (no copo), comi um pedaço de pizza e um bauru. Comprei a Istoé Dinheiro. Algumas matérias sobre internet; o "ocaso" de Jack Welsh (é assim?)... (Isso me interessa? Desde que eu comecei a colaborar com a GV-executivo, e comecei a encarar a Web como business me interessa, oras.) Mas estou perdendo o foco.

* * *

Por alguma razão que agora me escapa, estão dando uma "geral" na estrada perto de Taubaté, onde eu sempre desço a serra. Rodovia Oswaldo Cruz (não sei se é com "v" ou com "w" agora). Estava previsto para eu descer, em direção a Ubatuba, lá pelas 22 horas, mas o caminho me pareceu tão diferente que eu não reconheci as placas e voltei (!). Até o posto Aster (a Carol vai reconhecer essa referência). Na brincadeira, perdi entre 15 minutos e meia-hora. Cheguei a Parati à meia-noite.

* * *

Para chegar na pousada, que era do outro lado do rio, tive de pegar a "beira-rio" conforme o garçom vesgo e disléxico do "Porta Fortuna" (agora em outro estabelecimento) me indicou. Não sei se é porque eu estava cansado, mas as vagas me pareceram apertadas, não achei cabide, nem cadeira, nem lugar para deixar as roupas... Para completar, a pia do banheiro entupia um pouco, eu ouvia o barulho do outro quarto, fui deitar com a cabeça girando, tomei uma aspirina e dormi.

* * *

No dia seguinte, hoje de manhã, a pousada continuou com alguns defeitos. A porta do banheiro foi mal colocada ("colocador" bom de porta é coisa difícil, meus parentes arquitetos, e engenheiros, me ensinaram...), assim eu tentava fechar e ela abria sozinha. Fora isso, a porta do quarto estava com a maçaneta torta, pois o trinco não encaixava direito no buraco feito para isso, então todo mundo que deve ter tentado fechar antes de mim, puxava mais um pouco entortando sempre (mais) a maçaneta.

* * *

Mas vamos à Flip. No café da manhã (o café da manhã é bom, o que deve compensar as falhas da pousada, acho), duas senhoras, do Rio, reclamaram do corre-corre com relação à compra dos ingressos que, parece, neste ano, se repetiu. Outra senhora, ao meu lado durante a primeira mesa a que assisti, foi simplesmente a primeira da fila quando abriu a Fnac (quando abriram a venda dos ingressos). A Flip, me parece, é o único evento em que ir pessoalmente ao guichê pode resultar mais eficaz do que tentar comprar pela internet...

* * *

A primeira mesa, Invenções do Interior, foi, por ordem de entrada, de André Laurentino, Maria Valéria Rezende e Juliano Garcia Pessanha. Mas o que me espantou, às 10 da manhã, foi a aparição do Marcelino Freire como mediador. Tudo bem que ele ganhou o Jabuti na categoria conto, então, depois disso, nada mais me espanta. Mesmo assim, me espantou porque ele esteve na Flip de 2004, não esteve na de 2005, se "revoltou" e ajudou a criar a Flap!, que, segundo os criadores (ele incluido), é uma resposta à Flip, contra esse evento de "elite" em Parati. Aí, então, abre a Flip, e quem está logo na primeira mesa? Marcelino Freire!

* * *

O André Laurentino é um cara legal. Foi meu colega de Milton Hatoum na Casa do Saber. Depois, na mesa, contou que fez a oficina com ele na Flip 2004, conheceu o Paulo Roberto Pires, que quis editar o seu livro, teve um trecho do mesmo analisado na Flip 2005 e agora, para coroar o processo, foi autor convidado da Flip 2006. Confesso que folheei A paixão de Amâncio Amaro, quando recebi, mas não me interessou. Foi para alguém do Digestivo. Enfim, ele falou razoavelmente bem das três personagens do livro, com muito conhecimento de causa (técnica, psicanálise, essas coisas).

* * *

Depois veio a Maria Valéria Rezende. Uma freira simpática, falou pouco de religião, parece ter um trabalho bonito em educação (mesmo) e detesta a expressão "pessoas carentes"... Mas quem me surpreendeu, por incrível que pareça, e ao público também, foi o Juliano Garcia Pessanha. Não sei se se fingindo de bêbado, não sei se no meio de uma ressaca mesmo, quando ele falou, eclipsou todos os outros. A moça ao meu lado comentou: "Acho que ele tá meio alterado...". O que sai do script é sempre o melhor da Flip.

* * *

Anotei algumas pérolas do Juliano: "Quando convidam você para a Flip, tem uns que dizem: eu vou; outros que dizem: ah, eu não vou. Eu disse: eu vou, mas eu não sei, não... Então, quando a Ruthinha me convidou [Ruth Lanna, organizadora da Flip], eu trouxe um plano A, um plano B e um plano C. Se o plano C não funcionar, eu uso o plano D: eu saio"; "Vou ler o que escrevi ontem [para a mesa], de corpo presente, porque a minha alma já não sei mais onde tá..."; "Me deram umas coisas para eu beber ontem. Há muitos anos que eu não bebo. Eu nem posso beber, então hoje eu tô muito estranho..."; "Estou aqui à base de corticóide(s)"; "[No meio da leitura...] Essa parte é meio chata mesmo, mas depois melhora. É que nem no colégio, quando eu ia em palestra e pensava: tudo bem, eu vou mas eu não vou prestar a menor atenção..."

* * *

O texto dele não era - realmente - bom, e eu acho que não gostaria dele como escritor. Coisas como "humanidade longe da linha de eclosão" ou "combate para encontrar um lugar no acolhimento". Ou ainda "sem olhos para ver o alastramento do sinistro", ou então "interromper o fluxo de sentimentações" (esse "sentimentações", ele confessou que pegou da Clarice - às vezes eu penso que a Clarice fez um enorme estrago nas gerações futuras...). Enfim, era um sujeito inspirado. Mas não para escrever. Talvez para viver. Um artista da vida, como dizia Oscar Wilde. E não um "artista da arte".

* * *

A segunda mesa, Vozes em Verso, foi um pouco mais desanimada, apesar da mediação do Paulo Henriques Britto. Mesmo balanço do ano passado: dois poetas de mentira e um de verdade. No ano passado, não sei se vocês se lembram, mas o poeta de verdade era o próprio Paulo Henriques Britto, que arrancou até assobios da platéia. Neste ano, era o Carlito Azevedo, que é meu colega de edição - no caso dele, das revistas Inimigo Rumor e Ficções. A Astrid Cabral vinha com coisas como "amor como tremor de terra", "nas entranhas da minha alma", "ruínas, cinza, lama" - que, convenhamos, parece poesia de colégio. Depois, o Marcos Siscar, com coisas como "o peixe é um ser mudo que desliza", "coreografia muda de espanto" e "escamas de dois gumes"... (Nem preciso comentar.)

* * *

Vê se você não acha o Carlito muito melhor: "lilases da estação passada", "curto-circuito na grama", "leões marinhos dançando ritmos agilíssimos" e "parangolés de brumas". Fora que ele falou, sabiamente, que nossos dois modelos estão mortos: a crítica e a língua. Atualizou, ainda, "Uma passante" de Baudelaire - enquanto os outros ficavam em "meu coração era do tamanho do mundo" (sub-Fernando Pessoa) e "a água doce não é tão doce, antes fosse" (sub-qualquer-coisa-muito-básica). Carlito encerrou suas leituras com a bela tradução que fez para um poema, francês, descrevendo um beijo.

* * *

Acho que está bom para o primeiro dia. Senão, vocês não agüentam ler. Amanhã repercuto mais algumas coisas de hoje, OK? Vou tentar colocar agora algumas imagens, mas não garanto. Nem links... Tudo muito precário aqui. A luz, na sala de imprensa, acabou algumas vezes. Se eu não estivesse no Gmail, tinha perdido tudo. Como o Christopher Hitchens, do meu lado, no Hotmail (quem mandou?), acha que perdeu... O pior é que ele tinha de mandar hoje para um paper (jornal) em London (Londres). E agora? O Jonathan Safran Foer estava lá fora quando saimos. Estava escuro. Eu e Chris quase trombamos nele. Sério! Na Flip, é assim.

[1 Comentário(s)]

Postado por Julio Daio Borges
10/8/2006 às 20h00

 
Salão do Livro de BH

Começa dia 10 o Salão do Livro de Belo Horizonte, que acontece na Serraria Souza Pinto e traz, além dos estandes de livrarias, oficinas, mesas-redondas e noites de autógrafos. O tema deste ano é a literatura no Mercosul. A série de entrevistas "Encontro Marcado" também está de volta e trará Luís Fernando Veríssimo, Bartolomeu Campos de Queirós, João Gilberto Noll, entre outros. Vale a pena conferir a oficina da Memória Gráfica e entrar nas mesas para discutir. Não é tão badalado quanto outras festinhas literárias, mas é bacana.

[Comente este Post]

Postado por Ana Elisa Ribeiro
9/8/2006 às 23h57

 
4 anos da Revista Coyote

Por que a comemoração após quatro anos de vida? Há sempre que se comemorar a teimosia e a insistência de uma revista literária, num país em que a maioria das publicações não passa do segundo ou do terceiro número. Acho que contribuímos com a formação de jovens autores publicando textos radicais, com uma abordagem radical, do Brasil e de outros países. E abrindo espaço para autores que ainda não alcançaram repercussão com seu trabalho. Mas não estamos muito preocupados com a "formação" de jovens autores. Estamos preocupados em fazer uma revista que gostaríamos de ler. Acho que é essa a razão do sucesso da Coyote. Porque há mais pessoas que gostam de ler os autores que publicamos. Costumo dizer que a Coyote é uma revista autoral. Os editores funcionam como maestros, regendo uma orquestra de autores e textos que consideramos importantes dar voz e vez.

Ademir Assunção, escritor e editor da revista de poesias Coyote, após uma noitada no ABC regada a álcool, música e muita, mas muita, poesia.

[2 Comentário(s)]

Postado por Marília Almeida
9/8/2006 à 01h01

 
Mais um na multidão

Olá! Eu não sei como começar. Nunca escrevi um blog. Jamais mexi em um template. Nem sabia o que era PHP. Mas após trocar idéias com algumas pessoas fiquei com essa vontade de escrever sobre tecnologia. Wordpress, hospedagem, registro de domínio... Fui descobrindo aos poucos. Agora até tenho uma noção de PHP!

Escrevi o primeiro post. Submeti à avaliação de uma amiga jornalista. "Muito grande! Dê um toque mais pessoal!", sugeriu. "Isso parece texto de jornal!", finalizou! Hehe! Valiosas dicas! Era isso que eu precisava! Mas mesmo assim eu não sei por onde começar. Por isso resolvi escrever esse texto. O pontapé inicial, o quebra-gelo, a grande estréia... O resto é conseqüência!

Alexandre Fugita, que pretende escrever sobre tecnologia. [E que linca pra nós!]

[2 Comentário(s)]

Postado por Julio Daio Borges
9/8/2006 à 00h36

 
Prêt-à-Porter 8

Depois de temporada no SESC Ipiranga, o recente Prêt-à-Porter 8, coordenado pelo diretor Antunes Filho, agora sobe ao palco da sala do CPT, no SESC Consolação. Praxe do projeto, nascido em 1997, o espetáculo é formado por três cenas nascidas em exercícios de interpretação que passam por progressivas elaborações.

Esta oitava incursão do projeto tem uma tônica algo diferente das anteriores. "Ponto sem retorno", com os experientes em PPT Emerson Danesi e Marcelo Szpektor, é tocante e profundo. Mostra um reecontro de dois ex-colegas de turma, relembrando passagens e discutindo seus antigos anseios e a realidade da vida. Os silêncios pesam tanto quanto as palavras, em meio a sugestões e gestos sutis.

"Exiladas", com Marília Simões e Aline Filócomo, traz à cena duas solitárias amigas em uma noite de natal. Seus diálogos aparentemente inusitados provocam risos, mas com um quê de constrangimento. Somos levados aos poucos à essência daquelas personagens, que se mostram complexas e cheias de sentimentos.

Por fim, e talvez na cena que mais destoe da trajetória do CPT, "Velejando na beirada" é uma hilariante conversa entre dois amigos, em um cemitério. O tema: a morte. Marcelo Szpektor e Pedro Abhull arrancam gargalhadas da platéia, com notável domínio de palco e um ótimo texto.

Um espetáculo intimista, aparentemente despretensioso, que lembra uma aquarela ou um quarteto de cordas. Interessante para ver um belo trabalho de ator, baseado em uma longa esteira de pesquisa em interpretação e dramaturgia.

Para ir além
Prêt-à-Porter 8 - Espaço CPT - SESC Anchieta, 7º andar - R. Dr. Vila Nova, 245 - Vila Buarque - Tel. (11) 3234-3000 - Reservas no tel. (11) 9413-0967, com Geraldinho - R$ 10,00 - Até 16/12

[Comente este Post]

Postado por Guilherme Conte
8/8/2006 às 15h16

 
Um Paraíso para Moacir Santos

Da Folha:

"O brasileiro Moacir Santos, que fez carreira dentro e fora do país como saxofonista, compositor, arranjador e maestro, morreu no domingo (6) aos 80 anos na Califórnia (EUA), onde morava há cerca de 40 anos. Ele estava internado desde a última sexta-feira em conseqüência de um derrame."

Felizmente Moacir Santos teve tempo para se ver reconhecido em seu próprio país - ainda que tardiamente - com o lançamento dos ótimos Coisas (de 1965, relançado em 2004), Ouro Negro (CD, de 2001 e DVD, de 2005) e Choros & Alegrias (2005). Foi aclamado por público e crítica, deu entrevistas, apareceu na mídia. Há expectativa de que sejam relançados aqui no Brasil seus discos Maestro (1972) e Saudade (1974) (lançados originalmente pelo antológico selo Blue Note).

Moacir foi exímio compositor, arranjador e maestro - suas orquestrações são de tirar o fôlego; costurava como ninguém brasilidades, influências jazzísticas e clássicas. É uma figura obrigatória na música brasileira - sua audição é imprescindível. Para pinçar algumas poucas canções de tantas boas fiquemos com "Paraíso" (do disco Choros & Alegrias), "Maracatu, Nação do Amor" e "Bluishmen" de Ouro Negro e "Coisa no. 4" e "Coisa no. 5" do disco Coisas. (Na Rádio UOL tem pra ouvir.) Mas o repertório é brilhante - vale ouvir tudo.

E, aqui, um vídeo de Ed Motta cantando a linda "Orfeu" no DVD Ouro Negro.

Se houver uma "outra vida" que o maestro esteja agora num "Paraíso" tão sublime quanto a canção que escreveu.

[1 Comentário(s)]

Postado por Rafael Fernandes
8/8/2006 às 13h32

 
YouTube e aberturas de novelas

Mais uma do Inagaki. Lembro de Final Feliz, de Champagne e muito de Transas e Caretas. Na categoria pitorescas, eu colocaria Sem Lenço, Sem Documento, Feijão Maravilha (da qual eu também me lembro no Vale a pena ver de novo) e Brilhante (apesar da música do Tom Jobim...). E as que me surpreenderam (para bem): Dancin' Days, Pecado Capital (com música do grande Paulinho da Viola) e Kananga do Japão (por incrível que pareça...). Tieta só se for pela nudez da Isadora Ribeiro (a trilha sonora, aliás, dá uma idéia de como viemos decaindo...). A nostalgia da TV é o início do fim da TV. E viva o YouTube!

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
8/8/2006 às 09h14

 
Gênios da vida real II

Fiquei emocionada com a mensagem da sua leitora. Parecia minha história. Também fui superdotada em criança, também fiz teste de QI por sugestão de psicólogos (escrevia ao contrário, montava quebra-cabeças de cabeça para baixo, porque do jeito comum achava muito fácil) e estourei todos os limites do teste para crianças, fui ao máximo, que era 18 anos, algo assim, pelo que conta minha mãe, eu não lembro. Sofri muito a vida inteira me sentindo uma E.T.: entendia tudo mais rápido do que os outros e achava a escola um saco. A faculdade idem. Entrei e sai de várias e me formei em jornalismo mas nunca exerci. Tinha fama de gênio excêntrico e muita gente me temia um pouco apesar de nunca ter sido agressiva, só diferente. Cobrei demais de mim e acabei não realizando o que pretendia. Nunca tentei suicidio, mas vivi em psiquiatras por causa de angústias, fobias, delírios pessoais. Casei, descasei, tive muitos amores mas não consigo me relacionar bem com ninguém, sou diferente demais para isto. Desisti. Fui artista plástica anos e cheguei a ter algum sucesso, matéria em jornais, participei de salões famosos e de uma bienal. Larguei tudo para ser escritora, sou conhecida em um nicho na Web, tenho um blog literário e me sinto feliz escrevendo - me acalma. Pretendo publicar um livro, já tenho vários prontos. Meu problema é paciência para realizar. Sou "mental" demais para o real. Paz é coisa rara para mim. Adoro resolver problemas de lógica dedutiva e romances policias de dedução. Isto também me acalma. Tenho uma filha que amo e que consegue se relacionar com esta figura complicada. Enfim, eu concordo plenamente com a leitora. A inteligência me fez sentir orgulho algumas vezes, o que não significou felicidade alguma e me fez sempre diferente, alguém que muitas vezes escreve coisas simples que os outros não entendem. Desisti de tentar ser entendida. Os que me amam, eu amo. Os outros são de outro planeta. Algum dia construo um foguete e chego lá. Ou, não. Não quero ser identificada, enviei a mensagem apenas porque parecia a minha vida.

De outra Leitora, que também prefere ficar anônima.

[1 Comentário(s)]

Postado por Julio Daio Borges
7/8/2006 às 09h52

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AMOR SEM FIM
SONDRA STANFORD
ABRIL
(1981)
R$ 5,00



O TRABALHO SERVIL NO BRASIL
AFFONSO DE TOLEDO BANDEIRA DE MELLO
DEP
(1936)
R$ 50,00



DORSALGIAS E SÍNDROMES CORRELATAS
CAIO VILLELA NUNES
ELEA CIÊNCIA
(1999)
R$ 14,80



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA
LIMA BARRETO
OBJETIVO
R$ 10,00



JESUS CRISTO - VIDA, PAIXÃO E TRIUNFO
A. BERTHE
CIVILIZAÇÃO
(2000)
R$ 84,70



A AUTOCONSTRUÇÃO COMO ARQUITETURA POSSÍVEL PELA INDUSTRIALIZAÇÃO
INGRID T. T. RODRIGUES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 202,00



TEORIA E TÉCNICA NOS TEMPOS DE HOJE
REVISTA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE VOL 33 Nº 4
RBP
(1999)
R$ 15,28



TRADUÇÃO DO NOVO MUNDO DAS ESCRITURAS SAGRADAS
NÃO CONTA
SOCIEDADE TORRE DE VIGIA
(1986)
R$ 4,00



COMO ESTIMULAR A INTELIGÊNCIA DE SEU FILHO
VÁRIO AUTORES
GARÇONI/MELHORAMENTOS
(2006)
R$ 8,00



MOLDES CUNHOS E CORTANTES MANUAIS TÉCNICOS
E. E. PIRES VAZ
LOPES DA SILVA
(1987)
R$ 37,70





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês