A filosofia fruto do tédio | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Inquietações de Ana Lira
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Jingle Bells
>>> Mano Juan, de Marcos Rey
>>> Relationships Matter
>>> Apesar da democracia
>>> Onze pontos sobre literatura
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Conheça Ecologia Em Quadrinhos de Sthepen Croall & William Rankin pela Proposta (1981)
>>> Homem, Ecologia e Meio Ambiente – Série Divulgação Nº 8 de Vários Autores pela Fundação Brasileira para Conservação da Natureza (1971)
>>> O outro Nordeste (livro raro) de Djacir Menezes pela Arte nova (1970)
>>> A Classes Sociais no Capitalismo de Hoje de Nicos Poulantzas pela Zahar (1975)
>>> Our Ecological Footprint – Reducing Human Impact on the Earth de Mathis Wackernagel & William Rees 2007 13ª Ed. pela New Society (2007)
>>> Lições Sobre o Capitulo Sexto (inédito) de Marx de Claudio Napoleoni pela Ciências Humanas (1981)
>>> Cebs - Cidadania e modernidade uma análise critica de Faustino L. C. Teixeira pela Paulinas (1993)
>>> RIMA – Relatório de Impacto Ambiental: Legislação, Elaboração e Resultados de Roberto Verdum e Rosa Maria Vieira Medeiros (Org.) pela Ufrgs (2006)
>>> A república de Weimar de Rita Thalmann pela Zahar (1986)
>>> Ensaios de sociologia (Max Weber) de Max Weber (org. Hans Gerth e C. Wright Mills) pela Zahar (1971)
>>> História Crítica do Pensamento 4 volumes de Louis Jacot pela Mundo Musical (1973)
>>> Ecología Política – Nº 48: Cartografía y Conflitos de Vários Autores pela Fundació ENT / Icaria (2014)
>>> Pedrinho Dá o Grito de Ana Cecília Carvalho e Robinson Damasceno dos Reis pela Formato (2013)
>>> Os camponeses e a política no Brasil de José de Souza Martins pela Vozes (1986)
>>> Partidos e Sistemas Partidários de Giovanni Sartori pela Universidade de Brasília (Zahar) (1982)
>>> Aparelhos ideológicos de Estado de Louis Althusser pela Graal (1985)
>>> População e Ambiente: Desafios à Sustentabilidade – Volume 1 de Joseph Hogan, Eduardo Marandola Jr. E Ricardo Ojima pela Blucher (2010)
>>> Essais sur la théorie de la science de Max Weber pela Plon (1965)
>>> Ciência & Ambiente – Nº 37: A Cultura do Automóvel de Vários Autores pela Ufsm (2008)
>>> Lineamenti Fondamentali Della Critica Delleconomia Politica 2 de Karl Marx pela La Nuova Italia (1978)
>>> Lineamenti Fondamentali della critica dell'economia politica 1 de Karl Marx pela La Nuova Italia (1978)
>>> Gai-Jin (2 volumes) de James Clavell pela Record (1996)
>>> Imperialismo fase superior do capitalismo (coleção bases 23) de Lenin pela Global (1982)
>>> Bloomsbury Dictionary of Quotations de Diversos Autores pela Bloomsbury (1989)
>>> A imaginação sociológica de C. Wright Mills pela Zahar (1975)
>>> The Wit & Wisdom of Mark Twain de Alex Ayres pela Harper & Row (1987)
>>> Vida e educação de John Dewey pela Melhoramentos (1975)
>>> The Penguin Dictionary of Modern Humorous Quotations de Fred Metcalf pela Penguin (1987)
>>> Um Trem com janelas Acesas de Teresa Noronha pela Atual (2014)
>>> A hora do amor de Álvaro Cardoso Gomes pela Canto Jovem FTD (1986)
>>> As mentiras que os homens contam de Luís Fernando Veríssimo pela Objetiva (2000)
>>> Antologia das flores - Flores de Cactos de Eduardo Lucas Andrade pela Do autor (2019)
>>> Édipo Rei - Antígona de Sófocles pela Martin Claret (2002)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2002)
>>> O bom Ladrão de Fernando Sabino pela Ática (2005)
>>> O que toda mulher inteligente deve saber de Steven Carter & Julia Sokol pela Sextante (2006)
>>> Filhos brilhantes, alunos fascinantes de Augusto Cury pela Academia de Inteligência (2006)
>>> Ponto de Sombra de Maria Filomena Coelho pela Arx (2020)
>>> O Diário de Anne Frank - 5F de Vários Autores pela Pe Da Letra (2020)
>>> Empresário de Sucesso no controle das crises: Lições de sobrevivência em tempos difíceis - 5F de Chris Robson pela Lafonte (2020)
>>> A Megera Domada - 5F de William Shakespeare pela Lafonte (2020)
>>> Assassinatos na Academia Brasileira de Letras de Jô Soares pela Companhia da Letras (2005)
>>> Discurso do método - 5F de Descartes pela Lafonte (2017)
>>> Iracema - 5F de Alencar pela Lafonte (2018)
>>> O Saci - 5F de Lobato pela Lafonte (2019)
>>> Sociedade secreta de Tom Dolby pela Id Ed. (2010)
>>> Amor de Perdição -5F de Castelo , Camilo Castelo , Lafonte pela Lafonte (2018)
>>> A Felicidade: E Outras histórias -5F de Katherine Mansfield pela Lafonte (2020)
>>> Empreendedorismo: dando asas ao espírito empreendedor - 5F de Idalberto Chiavenato pela Manole (2012)
>>> Direito do trabalho para administradores - 5F de Roberto Machado Moreira pela Minha (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/10/2003
A filosofia fruto do tédio
Adriana Baggio

+ de 5300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Filosofia, normalmente, não é um assunto que atraia muita gente. Parece ser coisa de iniciados, algo que necessita o domínio de um outro código para poder ser compreendido. Talvez seja para afastar essa impressão que o livro de Frédéric Schiffter tenha uma capa com lay out tão leve e agradável. O título do livro também desperta muito mais curiosidade do que outros que tratam de filosofia. Sobre o blablablá e o mas-mas dos filósofos (José Olympio, 2002), escrito em letras coloridas, pode despertar em alguns leitores o desejo reprimido de se vingar de seus professores de filosofia do segundo grau e da faculdade. Finalmente alguém vai dizer que os filósofos não falam nada com coisa alguma! Bem, quando se lê a orelha do livro e descobre-se que o próprio autor é filósofo, já dá para desconfiar.

A proposta de Schiffter é desmascarar os filósofos que procuram entorpecer a desconfiança e o espírito crítico e aqueles que privilegiam a essência em detrimento da realidade. Os primeiros são da ordem do blablablá, ou seja, charlatães. Os segundos pertencem à categoria do mas-mas, são uns afetados.

Essas reflexões são fruto do tédio do autor, conforme ele mesmo confessa. O professor animado, motivado, adorado pelos alunos, um pouco esnobe por pertencer à classe dos que conseguem discutir o amor em Platão ou o estético em Kirkegaard, deu lugar a um homem que recusa fazer qualquer esforço para tornar-se interessante. Desiludido com a vida acadêmica e com a disciplina, ele resolveu atacá-la.

A orelha do livro me diz que Frédéric Schiffter é professor de filosofia e que publicou mais dois livros, um deles ele próprio renega. Se na profissão de ensinar já perdeu interesse, resta apenas a de escritor. Tendo desistido de interagir, seja com os alunos, seja com o ambiente da academia, o autor deve estar buscando no tédio o subsídio para suas reflexões. Não que o tédio não seja um estado válido para ser considerado. No entanto, não é a primeira vez que vejo o tédio sendo utilizado como desculpa para alguém assumir posições polêmicas, por vezes despropositadas, com o objetivo de chamar a atenção.

À medida que evoluía na leitura, tive uma sensação de déja vu um pouco desagradável. No início não pude identificar muito bem de onde vinha, mas depois percebi que o oportunismo que permeia o texto é uma situação muito comum entre alguns escritores, críticos e cronistas. Já tendo tido contato com alguns deles, pude reconhecer em Schiffter a mesma motivação.

Uma das estratégias para quem se sente rejeitado no grupo ou no meio que freqüenta é desqualificar esse ambiente. A partir do momento em que não mais se aceita a sua legitimidade, as opiniões que dali vêm não têm mais validade. A partir do momento em que não se consegue mais ser o centro das atenções, será necessário buscar os holofotes através de outra estratégia: a polêmica. É como aquela fábula em que a raposa, ao não conseguir alcançar o parreiral, diz, como desculpa para sua incompetência ou incapacidade, que as uvas estão verdes. Assim, assumir que a vida é um tédio e conformar-se com isso isenta o indivíduo de procurar melhorar, progredir, buscar a simpatia, o afeto e a aprovação do próximo.

Apesar de fingir não querer a aprovação, esse tipo de pessoa precisa dela a todo custo para poder manter-se na ribalta. Por isso, joga com a raiva e com a compaixão. A raiva é o que gera a polêmica, é o que chama a atenção. A compaixão perdoa o indivíduo e evita que sofra as conseqüências das opiniões que emite. Para angariar esse sentimento, Schiffter desqualifica-se e fala das suas crises de epilepsia, assim como outros falam de suas depressões, de suas perversões e de toda sorte de males psíquicos.

O autor consegue causar polêmica ao desqualificar filósofos populares como Platão, que para ele não passa de um "charlatão", que é como ele define quem abusa de si mesmo para abusar dos outros depois. Como ele mesmo suspeita, essa é uma adaptação um pouco forçada da definição do Petit Robert para o termo charlatão. O que Schiffter quer dizer é que Platão recusa-se a ver a realidade das aparências para buscar uma versão idealizada e ilusória. Por isso, Platão é um representante da ordem do blablablá.

Já o filósofo do mas-mas é o afetado, aquele que, descontente consigo mesmo, acaba por estender sua aversão ao resto dos mortais. Mas não é um pouco isso que o autor faz?

Apesar das motivações do autor para essas considerações, elas não deixam de ser interessantes e de mostrar um outro ponto de vista. Mostrar a validade das aparências e desmascarar os progressistas e otimistas oportunistas, aqueles que maldizem o hoje para se colocarem como salvadores do amanhã, é uma ótima reflexão para os dias de hoje. Se a aparência é o que determina uma quantidade enorme de juízos e valores que fazemos dos outros, e se as aparências são aparências de uma essência, não há porque desprezá-las em detrimento de uma essência única, que talvez não exista. E desmascarar os demagogos é uma providência urgente para que se fale menos e faça-se mais.

Apesar de sentir no autor um cheiro de oportunismo e uma tentativa de se fazer notar pela polêmica, Schiffter conquistou minha simpatia ao criticar um tempo e uma sociedade onde somos obrigados a ter estampada no rosto uma motivação que nos obriga ao dever da diversão. Ou então ao dizer que nada pode ser mais tedioso do que um homem ou uma mulher dinâmicos que nunca se enfadam, que se recusam a se entregar à volúpia de ficarem tristes. Aliás, a felicidade, para ele, não é algo que se possa buscar ou que se mereça, o que vai contra toda a cultura cristã e católica na qual vivemos. A felicidade ou a infelicidade acontecem por acaso, e não há nada que se possa fazer para conquistar uma ou outra. É claro que ter saúde e dinheiro é melhor do que não tê-los, mas tê-los não é garantia para a felicidade. Esse ponto de vista desobriga o ser humano de correr atrás da felicidade, tornando-o mais tranqüilo para viver os momentos da maneira que se apresentam. Não ser responsável pela própria felicidade evita uma sensação de fracasso que acompanha quem vive em uma sociedade onde a felicidade é valor e não mais apenas um estado de espírito. Não basta mais se belo, inteligente e rico: é preciso ser feliz.

Enfim, um livrinho como esse dá muito pano pra manga. É pequeno, a linguagem é acessível e as referências são menos distantes do que as que normalmente fazem parte dos áridos textos filosóficos. Tirando o capricho do autor, suas idéias valem ser consideradas, principalmente à luz do modo como vivemos hoje.

Para ir além





Adriana Baggio
Curitiba, 2/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nem morta! de Ana Elisa Ribeiro
02. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
03. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
04. Caiu na rede, virou social de Fabio Gomes
05. Kleztival: celebrando a música judaica de Heloisa Pait


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/10/2003
15h12min
Muito interessante Adriana. Falando em filosofia, um autor de quem jamais li "blablabla" ou "mas,mas", é o Bertrand Russell, em "História da Filosofia Ocidental". Que quase ninguem ouça falar desse livro hoje me parece sintomático da desconversa e enrolação que permeia esse assunto. Gostaria de saber sua opinião.
[Leia outros Comentários de Alessandro]
17/10/2003
17h24min
Sobre a felicidade, li um ótimo livro que esmiuça bem esse cansaço que nossos músculos faciais sentem hoje em dia em sempre estar sorrindo e sorrindo. Só não concordo com os autores, o que você analisou e, o que eu li, Pascal Bruckner ( A euforia perpétua - ensaio sobre o dever da felicidade)quando falam na religião católica. O próprio símbolo católico de jesus sacrificado na cruz é uma prova de que se Ele sofreu, digamos, o filho de Deus, imagine nós aqui na terra. A religião protestante, mais mercantilista que qualquer outra, retirou o Jesus banhado em sangue e com expressão facial tomada de sofrimento. No mais, concordo com tudo. O pior, é que não adianta só ser feliz, temos que provar que somos. E tome alto afirmação pessoal em qualquer canto que formos. Principalmente, em ambientes de trabalho. O pior é que muitos se dizem budistas e como mostra Bruckner, eles disvirtuam os ensinos de Buda. Eles praticamente exibem suas tripas interiores, ao invés de procurar o nirvana em um processo solitário em cada um deles. Sinceramente, haja babaquice!!!
[Leia outros Comentários de Izabela Pires Raposo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CONSOLIDAÇÃO SUBSTANCIAL DOS DIREITOS HUMANOS
RAFAEL DE LAZARI, ALENCAR FREDERICO MARGRAF
LUMEN JURIS
(2015)
R$ 70,00



HORA DIVIDIDA
MARCELO CARDOSO
TALENTOS
(1997)
R$ 5,00



ESPUMAS FLUTUANTES - VOZES D' ÁFRICA - NAVIO NEGREIRO
CASTRO ALVES
"O LIVREIRO"
(1960)
R$ 20,00



RETRATO DO AMOR QUANDO JOVEM
DANTE SHAKESPEARE SHERIDAN GOETHE
COMPANHIA DAS LETRAS
(1990)
R$ 26,28



ELEGÂNCIA, BELEZA E PODER NA SOCIEDADE DE MODA ....
MARA RUBIA SANTANNA
ESTAÇÃO DAS LETRAS E CORES
(2014)
R$ 40,00



LIMITES DA UTOPIA
ISAIAH BERLIN
COMPANHIA DAS LETRAS
R$ 70,00



ÀS ARMAS, CIDADÃOS! A FRANÇA REVOLUCIONÁRIA 1789-1799
NILSE WINK OSTERMANN; IOLE CARRETA KUNZE
ATUAL
(1995)
R$ 12,00



O DIABO DOS NÚMEROS
HANS MAGNUS ENZENSBERGER
SEGUINTE
(2017)
R$ 49,90



OS IRMÃOS KARAMABLOCH - ASCENSÃO E QUEDA ...
ARNALDO BLOCH
COMPANHIA DAS LETRAS
(2008)
R$ 13,00



TEXTOS ESCALARES
MARCOS AURELIO BAGGIO
B
(2003)
R$ 8,00





busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês