Os narradores de Eliane Caffé | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
33287 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> O cão da meia-noite
>>> O problema da Petrobras são vários
>>> Joana a Contragosto, Mirisola em queda livre
>>> O fim do PT
>>> Doida pra escrever
>>> Por que o petrolão é muito diferente do mensalão
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras
>>> Dando nome aos progres
>>> Sobre o caso Idelber Avelar
>>> O livro do Natal
Colunistas
Mais Recentes
>>> Copa 2014
>>> Copa 2010
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
Últimos Posts
>>> Dia do Ram
>>> Escrever e defender o governo
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Haddad merece no máximo nota 4
>>> Graça Foster também sabia
>>> Caminhos para Roma
>>> Por que Graça Foster vai cair
>>> A primeira formatura
>>> Privatiza, Presidente!
>>> Eric Santos 2014
Mais Recentes
>>> Lembranças de Ariano Suassuna
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> O segundo e-book do Digestivo
>>> Momento cívico
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
Mais Recentes
>>> O Espião que Sabia Demais
>>> Brasil em Contra-Reforma
>>> Machado de Assis: assassinado ou esquecido?
>>> O Mestre do seu Sistema
>>> O Agressor, de Rosário Fusco
>>> Vade Mecum Tributário
>>> Ofício x Formato
>>> Videogame também é cultura
>>> Quebrando Regras
>>> O Legado
LIVROS
Mais Recentes
>>> O Segredo do Sucesso é ser Humano
>>> O que restou de mim
>>> Caça ao Homem
>>> Pássaro da Tempestade
>>> A Humanidade e Suas Fronteiras
>>> Os Grandes Impostores
>>> Como Gata e Rato, Como Cão e Gata
>>> Os Fidalgos da Casa Mourisca
>>> O Príncipe
>>> Conversas
>>> Os piores dias de minha vida foram todos
>>> Coração de Mãe
>>> Entre o Silêncio e a Obra
>>> Transportes - História, Crises e Caminhos
>>> Embuscadoamor.com
>>> Um tal Lucas
>>> O Outono do Patriarca
>>> Um Corpo na Neve
>>> Cinquenta Anos Esta Noite
>>> Pedagogia dos Sonhos Possíveis
>>> Enquanto Deus não Está Olhando
>>> O Sopro dos Deuses
>>> A Viagem Iniciática ou Os 33 Graus de Sabedoria
>>> The Rolling Stones - A Biografia Definitiva
>>> O Legado
>>> O Trovador
>>> Prisioneiro da Sorte
>>> O Pergaminho Sagrado
>>> Pergunte a Deepak Chopra Sobre Amor e Relacionamentos
>>> Amor até debaixo d'água
>>> Viagem à Calábria
>>> Quase Casados
>>> Ter e não ter
>>> A Lei do Triunfo
>>> Panteão
>>> O Guerreiro do Oeste
>>> Katherine
>>> A Vingança da Amante
>>> Em Nome do Mal
>>> Por onde você anda?
>>> Os 13 Segredos
>>> Herança de Sangue
>>> O Mistério dos Deuses
>>> Quartos Fechados
>>> Ossos Perdidos
>>> Três Macacos
>>> Quebrando Regras
>>> Êxodo
>>> A Bíblia do Estilo
>>> A Espada de Medina
COLUNAS

Quinta-feira, 5/2/2004
Os narradores de Eliane Caffé
Lucas Rodrigues Pires

+ de 24500 Acessos

Certamente o leitor já ouviu as célebres frases “Quem conta um conto aumenta um ponto”, “Existem três verdades: a minha, a sua e a que de fato é”, “O povo aumenta, mas não inventa”. Enfim, são verdades populares que estão na boca do povo e que é o elemento-chave do segundo filme da paulista Eliane Caffé, Narradores de Javé.

Noite num bar à beira do S. Francisco. Moradores da região e um rapaz que perdera a balsa se encontram sentados esperando o tempo passar. Eis que um deles, Zaqueu (Nelson Xavier), começa a contar uma história em que ele próprio foi protagonista, uma história que vale a pena ser contada. Ele inicia seu relato da história de Javé, um povoado então ameaçado de ser inundado pelas águas de uma represa recém-construída. Quando seu povo descobre que iriam afundar Javé, decide fazer algo para impedir. E qual a solução encontrada? Escrever a grande história de Javé para que, com isso, a cidade seja considerada patrimônio histórico e receba o rótulo de tombamento, o que evitaria a submersão de suas terras.

E como fazer para solucionar a solução (sic) se todos no povoado eram analfabetos? A resposta está em Antônio Biá (José Dumont, a alma maior do filme), um ex-funcionário dos Correios expulso da cidade após fazer futricas e caluniar moradores em cartas enviadas a conhecidos para salvar seu emprego. Pois bem, eis o impasse para o início da grande história de Javé – para sua “escritura”, o elemento marginalizado recebe status de herói e salvador da pátria javélica. Agora só falta a ele ouvir os moradores e escrever a história de Javé baseada nesses relatos orais. Mas aí que ele vai ver que toda história tem diversas versões...

História

O mais interessante em discussão nesse filme é a oposição que ele traz entre história, memória e verdade – todas ligadas à cultura oral. Esses três conceitos norteiam os discursos dos personagens, as falas bem humoradas e sarcásticas de Biá – uma espécie de malandro irônico e anárquico descrente de pudores – e, principalmente, os relatos em tom de fábula dos moradores, que não conseguem se entender entre suas versões. Enquanto vamos ouvindo e nos divertindo com os casos contados – a verdadeira fundação de Javé, o papel e a forma da morte de Indalécio, seu fundador, e da participação de Mariadina; a eterna briga entre os irmãos, conhecidos um como “Gêmeo” e o outro como “O Outro”, para saber quem é o pai de cada um e a legitimidade da herança – um discurso vai se formando por trás do humor: afinal de contas, o que é História e o que é invenção? Num primeiro momento, parece que o filme prova a tese de que a história oral é deficitária para revelar com destreza os fatos históricos. Como ela é baseada na memória – e esta, como todos sabem, é falível –, decorre que a história dela apreendida também pode ser falível, portanto, passível de discussão. Mas, ao mesmo tempo, e aqui reside toda a riqueza dessa pequena obra-prima, Biá vai montando em suas reflexões (um tanto desconexas de início) o desmonte do discurso histórico escrito. Se, para as autoridades (e a sociedade em geral), um documento escrito vale mais que um relato oral, Biá trata de derrubar qualquer forma de superioridade quando sugere a um morador “florear” tal passagem da história do fundador Indalécio, “criando” maior grandiosidade ao fato histórico. Biá, em sua sabedoria malandra e debochada, é o único que sabe escrever, o que o torna o único dono da versão final – verdadeira ou não, pouco importa. Biá faz história desconstruindo o discurso histórico.

Assim, a História como ciência vai sendo “desforjada” com tamanha facilidade e destreza. Nas palavras de Biá estão a ciência e a invenção (em todo momento ele fala em nome de um saber científico), e em seu texto histórico, como propõe ao morador, certamente elas irão se confundir. No final, saber o que é verdade ou não perde a razão de ser, e o produto – dito histórico – recebe status de verdade. A pergunta que fica disso é, na verdade, um questionamento sobre o quanto há de verdade em livros de História que nos reproduzem lutas, guerras e vidas com diversos detalhes impossíveis de serem verificados em razão da distância temporal. Será que a carta de Caminha não pode ter sido “floreada” como Biá pregava na fundação de Javé para que a tal terra descoberta parecesse mais interessante do que realmente era? Será que Caminha não tomou nenhuma licença poética em seu texto? Não seria Caminha o primeiro Biá em nosso território? (Um dos moradores diz em determinado momento: “Uma coisa é o fato acontecido, outra é o fato escrito”.) Hoje não temos como provar as descrições de Caminha em sua famosa carta. Temos um documento histórico de valor que nos afirma tais considerações e só nos resta crer.

Não se quer aqui desacreditar o ofício do historiador (até porque estão lendo um texto de um deles), mas indicar como o fazer história é uma tarefa impossível de ser realizada plenamente. Alguém que escreve num determinado tempo sofre as influências de seu próprio tempo – o que inclui toda a gama de leituras, ideologia, crenças, valores e até humor – e é compreensível que haja erro, omissão ou equívoco. A História, portanto, não deixa de ser uma ciência, só que inexata porque simplesmente impossível de totais certezas. E é assim porque ela lida com mentes, idéias, com o que é imprevisível no ser humano – o próprio fato de ser humano. A natureza tem um ritmo previsível e racional, mas o homem, esse ser pensante e cheio de vaidades, é capaz de todas as coisas e, por isso, ser a História uma matéria instigadora e enigmática. Se as aparências enganam, a História também pode nos enganar porque é fruto do humano, dos nossos desejos, sonhos, anseios.

Memória

Voltando a Narradores de Javé, nota-se que na verdade o filme não se leva a sério nessa discussão porque ele próprio se coloca num tom fantástico, que é fruto do próprio relato de um dos moradores de Javé (não se esqueçam que a história de Javé está sendo contada depois que tudo aconteceu)!! Isso quer dizer que o filme que vemos na tela é o relato de um ex-morador de Javé dos relatos que outros moradores fizeram a Biá!! O filtro pela qual a história passa é muito maior e as chances de algo se perder e algo se acrescentar é muito grande. Tal qual a brincadeira do telefone sem fio, que chega ao final uma história muito diferente da original.

E essa idéia da “história da história”, essa idéia metalingüística, está muito bem clara na montagem do filme com a presença de três tempos distintos – o presente, tempo de narração do filme; o passado – tempo de narração dos relatos de moradores a Biá e da história do afundamento de Javé; e o tempo mitificado, que é o tempo da fábula, da imaginação e da memória dos moradores. Os três casos aparecem em imagens, e a diretora evitou a clássica idéia de diferenciar uma da outra pela fotografia. Em Narradores de Javé, a fotografia é a mesma porque, mesmo sendo tempos distintos, são todos frutos da oralidade, dos relatos de pessoas. Apenas o tempo presente – o do filme em si – se diferencia pela ausência de vida, de cores. Ele é todo filmado durante a noite, sem abertura para que vejamos alguma paisagem que não os personagens. Isso nos prende àqueles homens, às suas histórias. Valoriza o tempo do mito, da fábula, da imaginação dos narradores.

Verdade

Javé é um filme mais inteligente do que parece, mais profundo do que se pode crer num primeiro momento. Ele tem vida, tem carisma, tem um frescor que poucos filmes ambientados no sertão têm. E diante da extinção de Javé, só se pode lamentar, mas também comemorar, pois se o livro da grande história de Javé não foi escrito (ainda), há um filme fabuloso pra provar seu valor.



Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 5/2/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. 150 anos de Miguel de Unamuno de Celso A. Uequed Pitol
02. Brasil brochou na Copa de Jardel Dias Cavalcanti
03. André Bazin e a crítica como militância de Humberto Pereira da Silva
04. Tons por detrás do rei de amarelo de Eugenia Zerbini
05. Arte que não parece arte de Gian Danton


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



>>> Leda Nagle recebe Ney Matogrosso no último Sem Censura ao vivo de 2014
>>> FOLHETIM DIGITAL O RIO E O MAR
>>> Além da pele: a beleza da alma e da família
>>> Estúdio Móvel recebe o diretor João Falcão nesta quarta (17)
>>> Série debate o amor e as diversas formas de casamento
>>> Retrospectiva 2014 no programa Observatório da Imprensa desta terça (16) na TV Brasil
* clique para encaminhar

WMF Martins Fontes
Hedra
Editora Record
Cortez Editora
Civilização Brasileira
Companhia das Letras
Editora Perspectiva
Bertrand Brasil
Best Seller
Busca Sebos
Primavera Editorial
Intrínseca
Globo Livros
Nova Fronteira
Editora Conteúdo
Arquipélago Editorial
José Olympio
LIVROS


O AMOR NÃO TEM LEIS - O JULGAMENTO FINAL
Por R$ 28,95
+ frete grátis



PÁSSARO DA TEMPESTADE
De R$ 40,00
Por R$ 25,42
Economize R$ 14,58



365 HISTORIAS DA BIBLIA
Por R$ 38,95
+ frete grátis



QUEBRANDO REGRAS
De R$ 40,00
Por R$ 25,99
Economize R$ 14,01



TER E NÃO TER
De R$ 40,00
Por R$ 25,95
Economize R$ 14,05



OS DENTES DO DRAGÃO
De R$ 54,00
Por R$ 44,95
Economize R$ 9,05



MUNCLE TROGG
De R$ 24,90
Por R$ 18,95
Economize R$ 5,95



TOM CORAÇÃO LEAL E A TERRA DAS HISTÓRIAS SOMBRIAS
Por R$ 39,95
+ frete grátis



PRINCÍPIOS DE CIRURGIA PLÁSTICA
Por R$ 519,95
+ frete grátis



NOÇÕES DE MACROECONOMIA
Por R$ 53,95
+ frete grátis



busca | avançada
33287 visitas/dia
1,3 milhão/mês