Armandinho, o subversivo, versus o Cabeça de Melão | Lisandro Gaertner | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
Mais Recentes
>>> Teoria Geral Do Processo de Candido Rangel Dinamarco pela Malheiros Editores / Juspodivm (2008)
>>> Chekisty Historia Da Kgb de Dziak, John J, pela Imago (1998)
>>> Principios Basicos Do Saneamento Do Meio de Anesio Rodrigues de Carvalho pela Senac (2005)
>>> Aprenda Inglês Sem Mestre de Maria margarida morgado pela Presença (2009)
>>> Mestre Kim - Cidadão do Mundo de Yong Min Kim e Janir Hollanda pela Daedo (2016)
>>> Livro de Ouro do Yoga de Andre De Rose pela Ediouro (2019)
>>> O homem mais rico da Babilônia de George S Clason pela HarperCollins (2020)
>>> A Mesa com Carybé. O Encantamento dos Sabores e das Cores da Bahia de Solange Bernabó pela Senac Nacional (2007)
>>> Os Contos de Beedle, o Bardo de J. K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> Regulamentos de Tráfego Aéreo - Vôo Visual de Plínio Jr pela Asa (1996)
>>> Chronos: Viajantes do Tempo Volume I de Rysa Walker pela Darkside (2017)
>>> Homem-Aranha: Tormento de Todd McFarlane pela Panini Comics (2013)
>>> Os Maiores Clássicos do Homem-Aranha - Vol. 5 de Todd McFarlane pela Panini Comics (2007)
>>> Os Maiores Clássicos do Homem-Aranha - Vol. 6 de Todd McFarlane pela Panini Comics (2007)
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século de Italo Moriconi (seleção) pela Objetiva (2001)
>>> O Casamento de Nelson Rodrigues pela Nova Fronteira (2016)
>>> O Colecionador de Borboletas de Cecília Mouta pela Novo Século (2012)
>>> O Modelo Toyota: 14 Princípios de Gestão do Maior Fabricante do Mundo de Jeffrey K. Liker pela Bookman (2005)
>>> Ela Que Não Está de Daniel Senise pela Cosac & Naify (1998)
>>> Anjos da Neve de James Thompson pela Record (2013)
>>> Assistentes Virtuais Inteligentes e Chatbots de Leôncio Teixeira Cruz pela Brasport (2018)
>>> Linguagem Do Corpo. Beleza E Saude de Cristina Cairo pela Mercuryo Jovem (2007)
>>> Todos Os Nomes de José Saramago pela Planeta Deagostini (2003)
>>> Oliver Twist de Charles Dickens pela Principis (2019)
>>> Cozinha Mágica de Márcia Frazão de Marcia Frazão pela Prestigio (2007)
COLUNAS >>> Especial 1964-2004

Sexta-feira, 23/4/2004
Armandinho, o subversivo, versus o Cabeça de Melão
Lisandro Gaertner
+ de 5900 Acessos

Toda vez que os pais de Armandinho brigavam era a mesma coisa. Batendo papo no café da manhã, um deles tocava num assunto que desagradava ao outro e pimba. As farpas começavam a voar pra todo lado e, finalmente, "pelo bem do Armandinho", quem iniciou a discussão falava: "Deixa pra lá, não vamos discutir".

Dessa vez foi diferente. Fernando, o pai de Armandinho, como quem não quer nada, comentou à mesa do café:

- Marlene, arruma o Armandinho que hoje eu vou levar ele numa solenidade.

Marlene se espantou:

- Solenidade? Que solenidade?
- Ora, hoje é o aniversário do Colégio Militar e o Figueiredo vem para a festa.
- Como é? Você vai levar o meu filho para babar o ovo dos milicos?
- Marlene, não fala assim na frente do Armandinho.

Marlene olhou para o seu filho, tirou a expressão de indignação da cara, sorriu forçado, passou a mão na cabeça do garoto e disse:

- Filho, vai para o seu quarto que eu quero conversar com o seu pai.

Armandinho, do alto dos seus cinco anos, suspirou como se estivesse cansado da vida, pulou da cadeira, foi para o seu quarto e fechou a porta. Quando começou a ouvir novamente a discussão, colou a orelha na porta para não perder nenhum detalhe. Afinal, sua mãe lhe pediu para ir para o quarto e não para não ouvir a discussão.

- Ô, Marlene, essa tua mania de subversiva já tá cansando - disse Fernando.
- Tá cansando? O que tá cansando é essa sua mania de babar o ovo da revolução. Você esqueceu que estamos em 1982? A anistia já começou, meu querido. Desde de 79 a anistia já começou.
- Infelizmente...
- Como é?
- Nada, Marlene, deixa pra lá. Olha, eu vou levar o meu filho para a solenidade e pronto.
- Vai? Por quê?
- Ora, porque eu sou ex-aluno do Colégio Militar e quero rever os meus amigos.
- Você quer é ficar batendo continência e enaltecendo essa ditadura de merda.
- Como eu vou bater continência? Eu nem sou militar.
- Mas queria. É, a tua reprovação no teste de admissão nas Agulhas Negras não te dá sossego mesmo...

Fernando, sentindo o peso da verdade, suspirou e ficou quieto por alguns momentos. Sem saída, ele resolveu jogar pesado:

- Marlene, se lembra que semana passada você levou o Armandinho para um comício?
- Levei, sim. Levei ele para o comício do Brizola.
- Ai, por favor, não fala esse nome aqui em casa.
- Que nome? Brizola? Por que eu não posso falar BRI-ZO-LA? Hein?
- Marlene, não vamos piorar a discussão. Você levou o Armandinho pro tal comício e eu não disse nada. Disse?
- Não. Não disse - Marlene lamentou.
- Então, por favor, não cria caso e vai arrumar o menino.

Armandinho tirou a orelha da porta segundos antes de sua mãe abrí-la. Marlene entrou no quarto, e, procurando uma roupa o armário do filho, só de provocação, perguntou para Fernando:

- Olha, o uniforme verde oliva dele tá lavando, será que ele pode ir de bermuda?

* * *

Armandinho e seu pai pegaram o metrô. "Mais uma excelente obra do governo militar, meu filho", Fernando repetiu pela milésima vez. Saltaram na estação São Francisco Xavier e foram caminhando até o Colégio Militar. Na porta, um grupo de manifestantes, contidos pela PE, gritavam pedindo por eleições diretas, agora para presidente. Fernando, no automático, tampou os ouvidos do filho e entrou no colégio.

Lá dentro, eles cumprimentaram alguns conhecidos de Fernando, se acomodaram numa das estruturas metálicas que serviam de arquibancadas, e se preparam para assistir à parada. Nisso, apareceu o presidente.

- Olha o presidente, meu filho.

Armandinho, esticando o pescoço, tentou ver ao vivo o homem que sua mãe odiava tanto, mas não conseguiu.

- Viu o Figueiredo, filho? - Fernando perguntou.
- Vi, papai - Armandinho mentiu.

A solenidade começou e Armandinho assistiu com atenção todos aqueles cavalos, soldados e máquinas de guerra passando. A todo momento, Fernando o chamava para dar uma explicação ou fazer uma pergunta. "Esse é tal carro de guerra, viu?, essa é tal divisão, olha só os cavalos!, o carneirinho mascote do colégio não é bonitinho?, quando você crescer, vai estudar aqui, não é, filho?". Cansado de tanto falatório, Armandinho balançava a cabeça para tudo.

A parada acabou e um militar, amigo de seu pai, se aproximou:

- Oi, Fernando. Você por aqui?

- Pois, é. Vim trazer o garoto para ver a solenidade.
- Fez bem. Fez bem. Vim aqui te fazer um convite
- Qual?
- Você quer conhecer o presidente?

Os olhos de Fernando brilharam. Essa era para ele uma oportunidade de ouro. Que outra chance ele teria de levar o seu filho para conhecer um dos líderes do governo militar no Brasil? É óbvio que ele concordou.

Escoltados pelo amigo, eles entraram numa pequena fila e em poucos minutos estavam cara a cara com o presidente.

- Senhor presidente, muito prazer - Fernando se adiantou. - Meu nome é Fernando, eu sou ex-aluno do colégio, como o senhor, e fico muito feliz em conhecê-lo. Ah, esse é meu filho, Armando.

O presidente passou a mão na cabeça do menino.

- Armando, não é? - o presidente perguntou para confirmar. - Menino bonito. Quer ser militar?
- Esperemos que sim - Fernando respondeu pelo filho. - Esperemos que sim.
- Então, Armando - o presidente se virou para o garoto -, você tomou café da manhã hoje?
- Tomei - Armandinho respondeu estranhando a pergunta.
- E o que você gosta de tomar no café da manhã?
- Sei lá. Um monte de coisas.
- Vamos ver... melão. Você gosta de melão?

Armandinho ficou pensativo por um momento. Melão? Melão? Ele odiava melão. Mas, antes de responder a pergunta, ele olhou para o seu pai. Seus olhos estavam brilhando. Por alguma razão que lhe escapava no momento, seu pai estava feliz de lhe apresentar àquele homem. Pensou em mentir, mas lembrou da sua mãe e dos papos que tinham sobre a censura e sobre como era importante a gente dizer o que pensa. Assim, respondeu:

- Eu odeio melão.

O presidente riu e insistiu:

- Mas por que você não gosta de melão? É uma fruta tão boa. Eu adoro melão.
- Ah, é? - Armandinho emendou sem pensar. - Vai ver é por isso que você tem cabeça de melão.
- Como? - o presidente e seu pai se espantaram.
- É isso aí. Você tem cabeça de melão. Cabeça de melão, cabeça de melão, cabeça de melão - Armandinho cantarolou.

* * *

Depois de cinqüenta milhões de "desculpe", "me perdoe", "eu não sei de onde ele tirou isso", Fernando e Armandinho saíram do colégio militar. Fernando, envergonhado, não falou nem olhou para o filho por todo o trajeto de volta.

Ao chegarem em casa, Marlene os recebeu irônica:

- Ué, Fernando? Já está de volta? Não tinha milico o suficiente para você ficar bajulando?
- Bajulando? - Fernando se enfureceu. - Bajulando? Você não sabe o que o SEU filho fez.
- O quê?
- Ele chamou o presidente de cabeça de melão. Vê se pode. Cabeça de melão.

Marlene caiu na gargalhada. Fernando olhou para ela com raiva e, desmoralizado, saiu de casa batendo a porta. Marlene limpou os olhos, já estava chorando de tanto rir, e chamou o filho. Armandinho se aproximou meio envergonhado, abraçou a mãe e perguntou:

- O papai tá zangado comigo?
- Tá não, querido. Tá não. O lance dele é comigo. Fica tranqüilo.

Marlene afastou se um pouco de Armandinho. Olhou para ele cheia de orgulho, pegou-o pelos braços, tascou-lhe um beijo da bochecha e o abraçou mais uma vez, repetindo:

- Subversivozinho lindo da mamãe. Subversivozinho lindo da mamãe.

Pronto. Como não podia deixar de ser, em pleno fim de ditadura, nascia ali mais um revolucionário filhinho de mamãe.


Lisandro Gaertner
Rio de Janeiro, 23/4/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Privacidade de Daniel Bushatsky
02. Iraque: plano de guerra de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Lisandro Gaertner
Mais Acessadas de Lisandro Gaertner
01. E Viva a Abolição – a peça - 1/6/2006
02. A História das Notas de Rodapé - 3/1/2002
03. Cuidado: Texto de Humor - 28/7/2006
04. Blogueiros vs. Jornalistas? ROTFLOL (-:> - 23/4/2008
05. Orkut: fim de caso - 10/2/2006


Mais Especial 1964-2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




30 Anos : Avanços e Conquistas das Mulheres
Vários Autores
Sjdc
(2016)



Col 12 Fábulas de Ouro - o Patinho Feio (1993)
Maltese Editora
Maltese
(1993)



Moderna Plus Literatura - Caderno do Estudante Parte 3 - 10ª Ed
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)



Livro - As 14 Pérolas Budistas
Ilan Brenman; Ionit Ziberman
Brinque-book
(2009)



O Autodidata
Marco Antonio
Lge
(1999)



Antologia Escolar de Contos Brasileiros
Herberto Sales
Ediouro
(2000)



Bela Distração (vol. 1 Irmãos Maddox)
Jamie Mc Guire
Verus
(2016)



Antologia e Fogo Morto - Resumo Textos e Comentários (vestibular)
Manuel Bandeira e José Lins do Rego
Nucleo
(1989)



Dialogos I- Menon Banquete Fedro
Platao
Ediouro



Simbad
Mauricio de Sousa
Girassol
(2015)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês