Por que corremos e não chegamos a lugar algum | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
51198 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/10/2004
Por que corremos e não chegamos a lugar algum
Adriana Baggio

+ de 3700 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Neste último domingo, dia 24, a coluna do Carlos Heitor Cony falava sobre o comportamento das pessoas em um aeroporto. O atraso do vôo provocava diversos níveis de indignação, exceto em uma senhora que aproveitava o tempo perdido (?) para fazer crochê. Lendo a coluna do Cony, lembrei do livro que anda pela minha cabeceira ultimamente: Mídias sem limite: como a torrente de imagens e sons domina nossas vidas (Civilização Brasileira, 2003).

Apesar do título apocalíptico, meio comum nesses livros que procuram explicar a nossa relação com a mídia, o texto é leve, irónico e bem acessível. A proposta do autor, Todd Gitlin, é entender o porquê do nosso fascínio e submissão às mídias, indo além da clássica abordagem de um fenômeno produzido pela Revolução Industrial.

É claro que o processo de automatização da produção, o surgimento de novas tecnologias e as mudanças nas relações com o trabalho interferem na situação que se vive hoje. Mas não se trata somente disso. É preciso entender as motivações interiores para poder compreender o papel que a humanidade, principalmente a ocidental, aceitou representar em um mundo regido pelo poder das imagens.

Voltando à senhora do aeroporto, o que me fez lembrar do livro foi a questão tempo, intimamente ligada à velocidade, abordada por Todd Gitlin. Para o autor, um dos fatores que explicam nosso fascínio pelos produtos midiáticos é a necessidade que temos de ir mais rápido, ou de fazer mais rápido, não como um meio para se obter algo, mas como um fim em si. Partindo da premissa básica do capitalismo - tempo é dinheiro -, é evidente que as pessoas correm para ganhar mais dinheiro, ou para ganhar mais tempo, o que acaba sendo a mesma coisa. Mas a incoerência é que, quando conseguem tempo, não sabem muito bem o que fazer com ele. Voltar da praia em um feriado, por exemplo, é um desafio para muitos motoristas que vêem na viagem uma oportunidade de vencer suas limitações em relação ao tempo, tendo como único objetivo contar uma vantagem para os colegas de escritório no dia seguinte. Chegar em casa mais cedo significa, para muitos deles, sentar na frente da televisão para ver nada.

A evolução da humanidade baseia-se em formas de fazer as coisas mais facilmente e mais rapidamente. No capitalismo, fazer mais rápido significa fazer mais. Para consumir tudo isso, é preciso que as pessoas também consumam mais rápido, que essas coisas durem menos, ou pelo seu tempo de utilidade ou pela sua afinidade com o contexto. Rapidez virou uma qualidade em si. Por isso, está presente também na forma como os diferentes produtos midiáticos são elaborados e apresentados.

Mídias sem limite comenta a diferença entre a velocidade de imagens nos filmes de ontem e de hoje. Os cortes secos, as perseguições dos thrillers de ação, as múltiplas imagens dividindo a mesma tela de TV, os games. A velocidade tornou-se uma estética. A imagem em movimento é relativamente recente. Como qualquer linguagem, precisou ser aprendida. Para as novas gerações, que já nasceram alfabetizados nessa nova linguagem, fica mais fácil lidar com essa rapidez. Aliás, a velocidade, para eles, é atributo essencial para despertar o interesse pelas imagens e pelos produtos.

Mas Todd Gitlin não cai na tentação de outros críticos da indústria cultural de satanizar a mídia e colocar as pessoas como vítimas. Na verdade, escolhemos viver mais rápido. Em determinados momentos da História, o homem pôde escolher entre trabalhar menos ou ganhar mais. Ele optou pelo segundo. Mais dinheiro, menos tempo: está aí a situação que cria uma necessidade de consumo da velocidade.

As pessoas vivem suspirando por mais tempo, enumerando as atividades que realizariam se tivessem mais dele. Quando conseguem, a ansiedade não permite que se aproveite esse tempo. Por isso a internet em casa, o celular sempre ligado, a companhia da televisão ou de um filme, muito mais pelo foco de atenção que se tornam do que pelo seu conteúdo.

Em contrapartida, existe um movimento de valorização da lentidão: slow food, viagens de trem, rituais orientais, artesanato, jardinagem, caminhada. Uma alternativa para quem não quer se sentir dominado pela velocidade. É claro, opções tão negociadas e consumidas como qualquer outro produto.

No fundo, busca-se a velocidade como prazer, procura-se dominar o tempo. Quanto mais coisas você conseguir fazer em determinando período, mais reafirma sua superioridade em relação às leis natureza. Gitlin coloca que o tempo é a forma que Deus tem para mostrar que ainda é Ele quem manda. Tudo bem, Einstein provou a possibilidade de dominarmos o tempo, pervertermos seu funcionamento. Voltar no tempo é fugir da inexorabilidade da morte, a motivação por trás de todo o prazer que buscamos. Mas fugir da morte é viver?

No filme Teoria do amor, o Einstein interpretado pelo ator Walter Matthau questiona seus colegas: quem é mais feliz? A pessoa que passou 30 anos viajando no espaço em alta velocidade, e volta sem envelhecer um dia sequer, ou aquele que passou seus 30 anos em terra, estudou, trabalhou, casou, teve filhos e ganhou um monte de rugas?

Acho que feliz de verdade é a senhora que faz crochê na crônica do Cony. O tempo passa para ela na mesma velocidade que passa para as outras pessoas no saguão do aeroporto. Enquanto as outras se debatem, furiosas, porque o tempo corre de uma forma que não foi a escolhida por elas, a senhora aproveita para continuar tecendo sua vida.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 28/10/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um Jabuti para o miniconto de Marcelo Spalding


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/10/2004
09h13min
Adriana, o grande Euclides da Cunha, autor de "Os Sertões", profetizou "estamos condenados a civilização ou progredimos ou morreremos". Então, não consigo enxergar com outros olhos a perspectiva do tempo que possuímos atualmente. Devemos, sim, alternar nosso dia-a-dia, talvez, como a senhora que faz crochê ou, quem sabe, como as crianças que brincam tranqüilas no parque. Afinal, viver é bem mais simples do que imaginamos.
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
29/10/2004
11h52min
Caro Elvis, obrigada pelo comentário. Sinto que parar para fazer crochê é quase como ficar estático enquanto as pessoas correm para fugir de um incêndio. Parece que é morte certa, mas na verdade é a possibilidade de salvação. A única maneira de dominar o tempo é a gente fazer o que quiser dele, e não correr porque todo mundo está correndo. Por falar nisso, deixa eu terminar esse texto logo e voltar a trabalhar! :)
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
29/10/2004
13h33min
Ontem fiz exatamente o que vc falou. Corri, ganhei tempo para chegar em casa e fiquei na frente da televisão, passiva e exausta. O tempo passou e não soube o que fazer com ele...
[Leia outros Comentários de Claudia Arantes]
30/10/2004
18h52min
Eu acho que o problema não está no capitalismo. O "problema" está mesmo em cada indivíduo. Eu acredito que por causa do capitalismo mesmo, tive a oportunidade de estudar, de viver em lugares diferentes, e partcipar da minha maneira na sociedade. Talvez não seja o padrão de sucesso capitalista, mas sinto que não sou forçado a estar "na melhor casa", no "melhor carro" ou com "melhores pessoas". Pelo contrário, a liberdade me parece algo interno, atrelado a cada pessoa. É livre quem investiga suas idéias, quem experimenta criar coisas, seja uma receita a noite para um amigo, seja um quadro ou uma música para o filho. Eu já vi pessoas nervosamente tecendo no metrô, como já vi pessoas bastante agitadas calmamente vivendo a vida. Talvez, a velocidade da sociedade, é a velocidade com que nos acostumamos a querer encontrar ideais na sociedade, lemas, "super poderes", para guiar nosso jeito de ser e sentir. Quando acreditamos que palavras substitutem o contato, idéias substituem a vivência, salas de arte ocupam os lugares dos parques e jardins, e pensar substitui ser pleno, certamente nos desligamos da única coisa realmente livre: nossa identidade pessoal e universal. Aproveite um dia destes para deixar idéias, livros, pensamentos em casa, e descansar na areia da tarde de uma praia pertinho de casa. De repente, tudo parece que está no lugar certo. É o problema do Nossoísmo... Nunca, nada parece estar no lugar certo, exceto que o certo é a ilusão da nossa mente.
[Leia outros Comentários de Ram]
3/11/2004
14h48min
Muito bom, Adriana. Talvez seja a melhor coluna sua que li. É mesmo... pobre tempo ser dinheiro. Acho que tempo é a coisa mais preciosa que eu tenho, a maior riqueza que... posso "comprar" com minhas horas trabalhadas. Mas conseguir mais tempo, pra mim, significa mais tempo mesmo, que eu não gasto à toa nunca com televisão ou coisas do tipo. No fim das contas, só fico imaginando a velhinha fazendo tricô no aeroporto, acho que ela tá mais para melancolia do que felicidade. Eu mesmo jamais iria para um aeroporto, pronto para viajar, com amigos coisa e tal, e iria fazer tricô ao invés de tomar uma cerveja. (Mas tá, ela é velha, a gente dá um desconto.)
[Leia outros Comentários de Víktor Waewell]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS PROBLEMAS DO TRABALHO
L. RON HUBBARD
HUBBARD
(2009)
R$ 10,44



CHAMA FATAL
LISA JACKSON
BERTRAND BRASIL
(2009)
R$ 18,00



O RIO TRAZ O RIO LEVA
GANYMÉDES JOSÉ
BRASIL
(1985)
R$ 5,00



DIRIGIR SEM MEDO
CECÍLIA BELLINA
ÁGORA
(2001)
R$ 21,00



BARBARA DEBAIXO DA CHUVA
NILMA GONÇALVES LACERDA
GALERA RECORD
(2010)
R$ 20,00



O PRIMO BASÍLIO - COLEÇÃO: SÉRIE BOM LIVRO
EÇA DE QUEIRÓS
ÁTICA
(1994)
R$ 5,00



HISTORIAS DE MOODY PARA CRIANCAS (CAPA COMUM)
D.L.MOODY
VIDA
(2008)
R$ 150,00



ALÉM DO NASCIMENTO E DA MORTE
A. C. BHAKTIVEDANTAS SWAMI PRABUPÃD
THE BHAKTIVEDANTA BOOK TRUST
(2013)
R$ 26,00



HISTORIA ADMINISTRATIVA E ECONOMICA DO BRASIL
HELIO DE ALCANTARA AVELLAR
MEC
(1970)
R$ 6,00



ADMINISTRAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO- TEORIA E PRÁTICA
EFRAIM TURBAN- R. KELLY RAINER- RICHARD E. POTTER
CAMPUS
(2005)
R$ 59,90





busca | avançada
51198 visitas/dia
1,4 milhão/mês