O Gmail (e o E-mail) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
27294 visitas/dia
862 mil/mês
Mais Recentes
>>> Memória da Eletricidade realiza a terceira edição do Preserva.ME
>>> COMÉDIA "LABORATÓRIO SEXUAL - FALANDO DE SEXO COM CARA DE PAU" ESTRÉIA NO TEATRO EUGÊNIO KUSNET
>>> Lançamento de revista trimestral impressa: Punãdo
>>> Dia 22 tem a festa
>>> Cia Fragmento de Dança convida para sessão de cinema e Festa no Kasulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
>>> Brasil, o buraco é mais embaixo
>>> Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Retratos da ruína
>>> Notas confessionais de um angustiado (VI)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
Últimos Posts
>>> Quanto às perdas III
>>> O pão nosso de cada dia
>>> Os opostos se atraem
>>> Coração de mãe
>>> Mascarando a dor
>>> Quanto às perdas II
>>> Pesquisa e blog discutem "Marca Amazônia"
>>> Náiades
>>> Equino
>>> Vágado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fragmentos para a História da Filosofia, de Schopenhauer
>>> O inventário da dor de Lya Luft
>>> Auto lá!
>>> Seu minuto, meu segundo
>>> A internet e os blogs
>>> Cleópatra, a rainha enigmática
>>> Sempre cabe mais um
>>> De fato e ficção
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> O amor é um jogo que ganha quem se perde
Mais Recentes
>>> Man Repeller (novo)
>>> Pedir Agradecer Admirar - As três orações essenciais
>>> Sobre formigas e cigarras
>>> 50 Regras de Ouro para Emagrecer
>>> O Castelo Interior
>>> Trilogia Completa A Seleçao
>>> A Escolha (da trilogia A Seleção)
>>> A Vida do Toxicômano
>>> O Livro que revela Deus Tao - te King
>>> Ela disse, Ele disse: o namoro - Nova Ortografia
>>> Hotel Atlântico
>>> Jung e Astrologia
>>> Breve História das Heresias
>>> Apócrifos. Os proscritos da Bíblia
>>> Meditação e Gnose - Como Desenvolver Tranquilidade e Sabedoria
>>> O Evangelho É a Força de Deus que Salva
>>> Arte como Terapia
>>> A Vida Eterna hoje;
>>> Qualidade e Produtividade nos Transportes
>>> O Homem e suas relações. Ciência humanas e experiências religiosas
>>> Sociologia da Religião
>>> Sociologia da Religião
>>> Testemunhas da Esperança
>>> O Cristo Místico de São João da Cruz
>>> Vinho novo em odres velhos. Sacramentos da Libertação
>>> História do Poder Legislativo no Brasil
>>> Por que não ser místico. Um convite irresistível para experimentar a presença de Deus
>>> O ministério da amizade
>>> A Religião e o desenvolvimento da ciência moderna
>>> Nascido a tempo. Vida de Paulo, o apóstolo
>>> Cristo minha vida
>>> PENSAR A FÉ teologicamente
>>> O Evangelho de Paulo
>>> Salmos Favoritos
>>> Paulo. Um documento ilustrado sobre a vida e os escritos de uma figura chave do cristianismo
>>> A Unidade Transcendente das Religiões
>>> Compreender Nietzsche
>>> A origem da obra de arte
>>> Harry Potter e a pedra filosofal -
>>> A Mãe ( Saúde e Cura no Yoga)
>>> O Progresso
>>> 1 Corintios 11 a 16
>>> Uma Introdução à Bíblia. (Coleção completa, 8 volumes)
>>> Uma Introdução à Bíblia. As comunidades cristãs a partir da segunda geração (Vol. VIII)
>>> Uma Introdução à Bíblia. As comunidades cristãs da primeira geração (Vol. VII)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Período Grego e Vida de Jesus (Vol. VI)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Exílio babilônico e dominação persa (Vol. V)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Reino dividido (Vol. IV)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Formação do Império de Davio e Salomão (Vol. III)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Formação do Povo de Israel (Vol. II)
COLUNAS >>> Especial Google

Sexta-feira, 3/3/2006
O Gmail (e o E-mail)
Julio Daio Borges

+ de 29900 Acessos
+ 20 Comentário(s)

Profissionalmente, o e-mail é tão parte do meu dia-a-dia que eu não conceberia sem ele o Digestivo Cultural. O e-mail foi uma das coisas que possibilitou a existência do site. Os Colaboradores quase nunca estiveram perto fisicamente — sempre estiveram em diferentes cidades, em diferentes países... Se a nossa Redação não fosse virtual, ela não existiria. E isso se estende até a nossa relação com os Leitores. Poucos enviam correspondência postal ou ligam. E isso se estende, claro, até os nossos Parceiros e Anunciantes. Hoje, acho que mais da metade dos nossos trabalhos e projetos surge através do e-mail.

Desde antes do Digestivo, eu faço back-up dos meus e-mails. Antes do ano 2000, eu usava o e-mail também para escrever longas cartas e, enquanto era "colunista independente", trocar idéias com jornalistas, como o Daniel Piza. No episódio "A Poli como Ela é...", eu me lembro que nem era colunista ainda, mas que mantive uma volumosa correspondência com todo tipo de gente (colegas, professores, jornalistas). Depois, montei um compêndio com as mensagens que havia recebido. Eu já era editor e nem sabia.

Eu distribuía newsletters para uma porção de endereços eletrônicos, que foram desembocar no Digestivo. E eu não queria perder aquilo: queria guardar aquela experiência em algum lugar. E a minha correspondência pessoal, também. Assim, de ano em ano, eu procurava as pastas de e-mails dentro do Outlook e salvava, inicialmente, em Zip disks (alguém ainda se lembra do Zip Drive?), e, posteriormente, em CDs virgens.

Com o crescimento do Digestivo, os arquivos anuais de e-mails foram aumentando de tamanho. As assessorias de imprensa, como eu já contei, começaram a despachar muito material eletrônico e, por mais que eu limpasse, os folders transbordavam com arquivos anexados de mais de 1 Mb (principalmente fotos), e o processamento sofria de lentidão. Mormente na pasta Itens Enviados. A busca, então, por mensagens antigas, era um sofrimento longo e, algumas vezes, inútil.

O meu back-up anual, de arquivos de todo tipo (não só e-mail), de repente, não cabia mais num único CD. Eu tinha de dividir: um CD para as minhas coisas pessoais, outro só para o Digestivo. Da última vez, porém, que formatei o computador, não fiz back-up — foi impossível. A soma de documentos (falo não só de .DOCs, mas de maneira genérica) ultrapassava a ordem dos gigabytes, por mais que eu tentasse "quebrar". Sorte que o técnico de minha confiança trouxe um outro HD e guardou lá as minhas coisas, enquanto formatava o computador.

Toda essa conversa técnica para contar que eu praticamente abandonei meu back-up anual. Teria de apelar para um gravador de DVD, que não tenho como adquirir agora. E que resolveria por alguns anos, até eu acumular mais dados e estourar, novamente, seu limite. Não é à toa que, hoje em dia, uma das grandes discussões sobre a Web 2.0 (um dia eu prometo que falo sobre ela e só sobre ela) trata do fenômeno do armazenamento virtual de dados, na própria internet. De repente, por essas questões de back-up e de limitação física (ou de pessoa física), vai se tornar mais fácil, e mais barato, contratar uma empresa e guardar lá as suas "coisas".

O Gmail é um pouco essa história toda e só agora eu entro no meu assunto principal. Eu nunca fui um grande entusiasta do Hotmail, embora reconheça que o princípio seja o mesmo: ter um e-mail virtual, que você pode acessar de qualquer lugar, de qualquer computador, sem que ele seja necessariamente o seu (físico), e sem que você precise de softwares como o Outlook. Eu sempre usei tão pouco o Hotmail que o meu primeiro endereço lá (jdborges@...) até perdi por falta de uso. Criei outro mais por causa do MSN do que por qualquer coisa. O MSN é tão difundido no Brasil que se você quiser encontrar as pessoas on-line, tem obrigatoriamente de instalá-lo através de uma conta no Hotmail. Enfim...

O Gmail também surgiu num momento em que eu precisava dar acesso ao e-mail principal do Digestivo (redacao@...) ao meu Editor-assistente, Fabio Silvestre Cardoso. Se eu estivesse fora, se algum Leitor, ou Parceiro — ou "potencial" —, escrevesse para nós, o Fabio mesmo poderia adiantar. E checar o material das assessorias de imprensa, e tirar as dúvidas dos Colaboradores, e descadastrar quem pedisse para sair do mailing, etc. Uma solução seria deixar o Fabio receber todas as mensagens do Digestivo no seu computador, mas e se eu viesse — e ele não estivesse —, e quisesse ainda assim acessar? Eu queria continuar tendo acesso ao e-mail principal do Digestivo junto com o Fabio, entende?

O Gmail resolveu essa questão e, por tabela, resolveu outras. É meio esquisito escrever uma Coluna inteira sobre um serviço de e-mail, mas eu acho o Gmail tão revolucionário — tão revolucionário, ao menos, para mim (para a minha histórica relação com o e-mail) — que eu resolvi me arriscar a escrever esta peça mesmo que soasse como propaganda. Aos acusadores, desde já respondo: o Gmail não precisa de mim. Muito menos, o Google. O seu approach ao e-mail, independentemente do nosso apoio, é o que vai prevalecer. O Yahoo, ouço dizer, também está adotando-o; e a Microsoft prepara uma nova versão do Hotmail para a Web 2.0 (ela, de novo).

O Gmail acaba que é mais conhecido pela sua fantástica capacidade de armazenar mensagens: hoje mais de 2,5 Gb grátis. Foi um golpe quase mortal na concorrência. Vejamos por quê... Lembra do início da internet? Até agora há pouco, você pagava, digamos, o UOL para ter acesso à internet, por linha discada, e também para ter uma conta de e-mail (ou várias) com terminação "@uol.com.br". Era o grande serviço deles. E de outros, como o Terra. O iG tentou acabar com a festa, aqui no Brasil, fornecendo acesso e e-mail gratuitos, mas quase quebrou e teve de voltar atrás. Hoje, de qualquer modo, você paga, ainda, a uma empresa para obter acesso "banda larga" (nem sempre o UOL ou o Terra), mas cada vez menos precisa de um portal para ter o seu próprio e-mail...

A justificativa para você pagar para um UOL ou para um Terra da vida era a de que, basicamente, enquanto você não "baixava", eles tinham de "estocar" as suas mensagens em algum lugar. No servidor deles, no caso. Iam chegando e-mails para você, mas enquanto você não checava — guardava ou apagava no seu computador —, eles te davam um limite de espaço no seu servidor (no servidor deles, de alguns megabytes). O Google acabou com isso. Com o negocio da busca, eles têm o maior exército de servidores do mundo (como eu já contei, em outra ocasião). Ou seja: por que não aproveitar essa megainfra-estrutura e implementar outros serviços além da conhecida busca, como o Orkut e o Gmail — o e-mail virtual do Google?

Por conseqüência, pela supercapacidade de processamento e armazenamento, eles puderam oferecer um e-mail que praticamente não tem limitação de espaço. E é gratuito. A explicação, econômico-financeira, é que eles preenchem o lado direito da tela, enquanto você checa as suas mensagens, no Gmail, com anúncios. O que é um pouco bizarro para algumas pessoas... Você manda um e-mail para alguém dizendo que vai viajar e logo à direita, no Gmail, aparece uma série de anúncios te oferecendo transporte e hospedagem... O Google diz que esses anúncios pagam a conta do e-mail gigante e gratuito.

E como otimizar a exibição de anúncios? Fazendo com que as pessoas não "baixem" mais as suas mensagens no computador, via Outlook por exemplo, guardando o máximo possível no Gmail. Quanto mais o Gmail, e o Google, tecnicamente, souberem sobre você, melhores anúncios eles vão te mostrar (e você vai clicar e comprar etc.). Aí, entramos num outro assunto: privacidade. É um pouco assustador pensar que caminhamos para um ponto em que toda a nossa vida por e-mail — profissional e pessoal — vai estar disponível na internet. E as pessoas, no Brasil, ainda se preocupam com os scraps no Orkut...

Eu tive de adotar a seguinte política, o seguinte raciocínio, para usar o Gmail: o UOL, ou o Terra, também podem saber tudo sobre o meu trabalho e a minha vida, via e-mail. Eles também têm acesso às minhas mensagens. Eu só não as gravo lá. Mas eles podem gravar (antes de eu apagar); e eu nem sequer saber. Pior, ainda, o Hotmail: o Hotmail não te dá nem a opção de baixar para o seu computador — coisa que o Gmail, por exemplo, dá. Em resumo: a privacidade, em matéria de e-mail, já não existia antes do advento do webmail, antes de você deixar suas mensagens na Rede Mundial de Computadores. Afinal, o e-mail, em seu trajeto, sempre passou por Ela...

Claro, o "trade-off" maior do Gmail é que está tudo lá, do jeitinho que você deixou. E se a luz acaba? E se o Gmail sai do ar? Eu já passei por apertos devidos a essa situação. É, mais ou menos, como quando o Digestivo cai: você, geralmente, não tem outra opção a não ser ligar para a empresa que te hospeda e exigir, depois implorar, e por último rezar, para eles consertarem logo. Mesmo as melhores empresas; mesmo os melhores serviços — ninguém está totalmente imune a falhas. Ocorre que o Gmail é um serviço gratuito e você vai reclamar com quem, com o bispo? Eu penso muito nisso quando o Gmail trava e eu tenho de responder àquela mensagem, e eu tenho de enviar aquela proposta...

Mas todo o resto vale. Todo o resto compensa. Vamos ver se eu consigo te fazer acreditar...

Por exemplo, a busca. Você sabia que, dentro do Gmail, você conta com a busca do Google (a melhor busca do mundo)? Só eu sei quanto tempo eu perdi tentando encontrar aquele e-mail, de tal pessoa, que me mandou no ano passado — ou seria retrasado? —, sobre não sei que assunto... mas eu precisava tanto do seu endereço, eu precisava tanto de determinada informação — que estava lá dentro! E agora, meu Deus?

Quem já procurou um documento através do Windows, sabe o que é. É lento e infrutífero. Geralmente, antes de começar, eu desisto. Já usei, entretanto, a busca do Outlook muitas vezes. Não havia, antes, a opção do Google. Você procurava por data, por autor, por assunto e pelo conteúdo da mensagem em si. Demorava, demorava e nem sempre você achava. Agora com o Gmail, é pá-pum! E com o Google Desktop, você resolve o mesmo problema até dentro do Windows.

Outra vantagem do Gmail é o antispam embutido. Lembra quando falavam que o spam iria acabar com a internet? Pois iria mesmo. Felizmente, as ferramentas antispam evoluíram... Meu dia era assim: eu chegava e antes de abrir o Outlook, tinha de entrar no Mailwasher e separar o que fosse spam e o que fosse vírus, antes de baixar as mensagens no meu computador. Demorava... Era clique a clique a coisa. E, algumas vezes, eu apagava coisas que não era para apagar, eu marcava como "spam" mensagens de amigos meus... Porque, no meio de tanto clique, você errava, de repente, a mira.

Com o Gmail, não tem disso: ele mesmo faz a separação e joga numa pasta chamada Spam. Eu sei que você vai dizer que é a mesma coisa do "lixo eletrônico" do Hotmail, mas não é, não. Claro que o Gmail, às vezes, se confunde e marca alguma coisa que não era para marcar como "spam". Mas você mesmo desmarca e ele aprende com você. Ele aprende com toda a sua rede de usuários, na verdade, e essa é a grande diferença. Chega daquelas listas de "e-mails proibidos" (no Mailwasher, "blacklists") — no Gmail, as "listas negras de spammers" de todas as pessoas estão interligadas. Já pensou?

Outra vantagem, na minha opinião, é a própria interface do Gmail. Não é à toa que o Gmail é o exemplo de Web 2.0. Porque ele não é lento como o Hotmail ou como outro webmail do Brasil (UOL, Terra...). O Gmail opera na velocidade do Google. E nem sempre ele precisa dar um "refresh" na página inteira (recarregar todo o seu conteúdo) para realizar uma simples operação. Por exemplo: não há folders ou pastas no Gmail, você cria "tags" ou "labels" (rótulos) e simplesmente "marca" ("carimba") as mensagens que vão chegando. Ou seja: quando você diz que uma mensagem é de um amigo seu e que ela tem de estar no arquivo de "Amigos", sei lá, você marca essa mensagem imediatamente com a tag "Amigos", sem que o Gmail precise montar, de novo, a tela inteira.

Outro exemplo que é uma mão na roda... Quando você pensava em mandar um e-mail para determinada pessoa, se não tivesse esse contato no seu "address book", tinha de caçar seu endereço eletrônico no Outlook, na internet ou onde quer que fosse. No Gmail, você apenas digita algumas letras e os possíveis nomes já aparecem para você escolher. O Gmail guarda todos os contatos a quem você destinou ou de quem você recebeu mensagens. Todos. E não importa: você digita nome, sobrenome, nome do meio ou qualquer parte do e-mail da pessoa e o Gmail encontra. Se não encontrar, você usa a busca... do Google!

Fora que a interface é a mesma em qualquer lugar. E os seus contatos estão lá, e as suas mensagens, também... em qualquer lugar. Eu sei que é perigoso mas as vantagens disso, em princípio, são muito maiores. Quando eu, por exemplo, viajo ou acesso fora do escritório, sinto como se estivesse na minha mesa — porque é exatamente a mesma coisa. Direto do Gmail, dou os "forwards" que tinha de dar (do escritório), envio as respostas, procuro mensagens atrasadas, levanto contatos para outras pessoas... E a velocidade é a mesma em qualquer computador; porque eu estou usando o processamento do Google — o melhor processamento do mundo!

Bem, é por essas e por outras que eu abandonei o Outlook logo no começo do ano e estou usando só o Gmail. Desvio todas as minhas mensagens do Terra e do UOL para o Gmail. Também todas as mensagens "@digestivocultural.com". Está tudo centralizado no Gmail do Digestivo e no meu Gmail pessoal — eu não misturo (coisa que nunca consegui fazer, por exemplo, no Outlook). Às vezes acesso ainda o Hotmail por causa do MSN (algumas pessoas me enviam e-mails através do MSN...), pois o Hotmail não deixa você dar "forward" para outro endereço. Se deixasse, eu não entrava mais nem no Hotmail...

Não é querer fazer propaganda para o Google, porque, como eu disse, o Google não precisa de nós. Acontece que eu ganhei tanto, em tempo e em praticidade, desde que passei a usar o Gmail e só o Gmail, que eu quis, honestamente, ajudar as pessoas... que perdem horas separando spam, depois baixando mensagens, depois respondendo, depois enviando... — como eu mesmo passei anos fazendo. Acredito que todo mundo depende bastante do e-mail hoje em dia. Em qualquer profissão. No meu caso, com o tempo extra, eu voltei, por exemplo, a ler feeds, e talvez até escreva mais sobre isso... Enfim, experimente o Gmail — é de graça! E, se você quiser, eu mesmo te convido.


Julio Daio Borges
São Paulo, 3/3/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal
02. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
03. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
04. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
05. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
02. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
03. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


Mais Especial Google
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/3/2006
14h34min
Olá, Julio, gostaria de receber o convite. Aproveitando, adorei sua matéria. Sinceramente, não sabia que o Gmail era tão bom assim. Tanto que já recebi um convite num passado próximo, mas não me interessei muito. Abraços, Janethe Fontes.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
1/3/2006
21h03min
Fui convidada pelo meu namorado a entrar no Gmail, mas como o Yahoo (meu e-mail) já oferece, também, bastante espaço, não me interessei. Vejo, pelo seu texto, que essa não é a única vantagem do Gmail...
[Leia outros Comentários de Juliana Galvão]
2/3/2006
11h23min
Julio, você disse no texto acima que é preciso uma conta do Hotmail para usar o serviço do MSN Messenger, porém, já faz lagum tempo que o acesso foi liberado para qualquer tipo de e-mail, para isso é só acessar o site do MSN, clicar em Messenger, depois em "É grátis" e selecionar a opção de registro de endereço de e-mail no Microsoft Passport como "Registrar seu próprio endereço de e-mail". Estou usando meu endereço do Gmail para acessar o MSN. Parabéns pelo texto! O Gmail realmente é ótimo! abraço
[Leia outros Comentários de Roberto Bezerra]
2/3/2006
14h21min
Compreendi muito bem compreendidinho. O Gmail não precisa de você - mas que seu texto parece propaganda, ah, isso lá parece. É porque tudo que você escreve é cativante e passa bastante entusiasmo para o leitor. Abraço da Rina.
[Leia outros Comentários de R. Bogliolo Sirihal]
2/3/2006
22h28min
Acredito que o e-mail do Yahoo! também seja muito bom. Estou usando ele há um bom tempo, depois de abandonar o Bol. O Bol enche rápido, enquanto o Yahoo a gente pode ficar um bom tempo sem abrir que ele continua ativo. Pro msn uso um email do hotmail.
[Leia outros Comentários de rogerio silvério ]
3/3/2006
03h39min
Julio, so' para mostrar o outro lado da moeda. Ja' perdi um deadline por causa do gmail, que "deixou" de enviar minha mensagem. O e-mail chegou dias depois... Além disso, o anti-spam é bem ruinzinho (especialmente se comparado ao do Yahoo). A verdade e que os tais 2.5Gb sao a melhor jogada de marketing da historia. Ninguem armazena tanto e-mail (e olha que na universidade guardo todos). Se armazenassem, o Gmail acabava, pois nao ha' tanto espaco mesmo nos servidores da Google... A Google sabe fazer marketing. E no caso dos e-mails, fique ligado... Pois eles guardam todos seus e-mails, e podem analiza-los sem sua autorizacao. Muita gente boa esta dizendo que a proxima grande jogada da Google vai ser vender estatisticas extraidas desta massa de informacao particular (obviamente nao compromete sua privacidade, mas a etica e' quesitonavel). Abs.
[Leia outros Comentários de Ram]
3/3/2006
08h38min
Olá, Julio, sem querer ser abusada, se for possível enviar-me um convite para o gmail agradecia... Não sei se será o mesmo aqui para Portugal. Creio que vou recomendar esta pagina a vários amigos interessados!
[Leia outros Comentários de Gabriela Félix]
3/3/2006
23h24min
Oi, Júlio; sempre passo por aqui, mas não deixo comentário. Também sou fã do G-mail. E você reparou que o número de convites passou para cem? Provavelmente, por causa do Page Creator do Google, que sÓ aceita quem tem convite e, ainda por cima, tá com lista de espera. Parabéns pelo texto. Aproveite para escrever depois, sobre o Google Reader, que também é ótimo.
[Leia outros Comentários de Fátima]
4/3/2006
17h36min
Julio: o pioneirismo parece ser a marca do Google. Sim, eu gostaria que você me convidasse para o Gmail. Parece que esta na hora de aposentar o velho Outlook!
[Leia outros Comentários de José Antonio]
7/3/2006
20h07min
Oi, Julio, boa noite. Ficou bárbara essa sua matéria. Eu até tenho um e-mail no Gmail, mas o incoveniente de não poder acessá-lo, por horas até, quando ele trava, não tinha me deixado perceber algumas das facilidades que você descreveu. Depois dessa sua matéria vou repensar seriamente meus conceitos sobre os serviços do Gmail...
[Leia outros Comentários de Iza Sconza]
8/3/2006
15h25min
Janethe (#1), Gabriela (#7) e José Antonio (#9), o convite foi... espero que estejam gostando do Gmail. Juliana (#2) e Rogerio (#5), ouvi falar muito bem do Yahoo. Das "antigas" grandes empresas de internet, é uma das poucas que se manteve, pois sempre corre atrás das novidades. Roberto (#3), de fato, eu me enganei. Esqueci que já havia acrescentado um amigo, no meu MSN, através de um e-mail do Terra. Valeu pela correção! Quem sabe, agora, eu me livro do Hotmail... Rina (#4), sim, eu sou um entusiasmado (e um propagandista involuntário). Ram (#6), o futuro é a online storage. Como eu te disse por e-mail, não há como escapar. Se será o Google, ou será outra empresa, tanto faz, porque será uma realidade para todos os internautas. Obrigado aos demais Comentaristas (#8 e #10), não esperava tanta repercussão! Abraço forte a todos, Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
14/3/2006
19h59min
O Gmail é simplesmente esplêndido (como quase todos - se não todos - serviços da Google). Julio, parabéns! Você conseguiu reunir em um só texto todos os benefícios que o Gmail oferece. Realmente, é o melhor serviço de e-mail hoje em dia. Vamos agora fazer uma campanha para que a Google traga o GoogleTalk em português para o Brasil para derrubarmos o MSN. =] Já li muito sobre o Talk e vi que ele já dá de 10 a 0 no MSN, mesmo faltando muita coisa para ser ajustada ainda. Parabéns mesmo, Julio.
[Leia outros Comentários de Diego Tavares]
26/3/2006
17h16min
julio, adorei a materia; ela me forneceu informaçoes muito validas sobre o gmail que eu nao sabia ainda como funcionava. agradeço pelos esclarecimentos.
[Leia outros Comentários de fernanda carvalho]
31/3/2006
08h44min
Olá, Julio! Concordo com você em todo o seu relato. O Gmail é simplesmente a "oitava maravilha" do meio eletrônico. Oitava, não, a primeira e única. E eu que cheguei a pagar R$60 por ano ao Hotmail para ter 2Gb de espaço! E era uma porcaria. Agora eles aparecem com o "Novo Hotmail". Chama-se Windows Live Mail. Dá tranquilamente para chamar de Windows Lixo Mail. Lento, confuso, etc. É isso! Não devemos nos importar em fazer propaganda gratuita deste ou daquele, mas "meter o pau" nestes gigantes cobradores de lixo. Um abraço, Luiz Antonio, Concórdia/SC
[Leia outros Comentários de Luiz Antonio Costa]
6/5/2006
17h00min
ola', Júlio, eu também sou fá do Gmail... envia mensagem rapidinho, anexa rapidinho e é uma maravilha, a conta nunca expira... a Google ta' de parabens pela criaçao do Gmail, so' nao gosto do tal do orkut... parabens pelas suas materias... é a primeira vez q visito este site, agora visitarei sempre
[Leia outros Comentários de Galvan]
4/8/2006
11h30min
Eu sou usuário do Yahoo! e do Gmail, do Hotmail já fui mas nunca gostei. E na minha opinião o Yahoo! dá de 10 a 0 no Gmail, principalmente o anti-spam.
[Leia outros Comentários de Alan de Souza]
4/8/2006
14h28min
Oi Julio, estou descobrindo o Digestivo, achei esta matéria fenomenal, gostaria de receber um convite Gmail.
[Leia outros Comentários de Luiz Oliveira]
8/1/2008
16h56min
Julio, dentre as ótimas funcionalidades do Gmail citadas por você e pelos leitores nos comentários eu quero acrescentar ainda uma. Uma que eu gosto muito e acredito que poucos a conheçam. Trata-se do botão "Arquivar", esse botão serve para mantermos nossa "Caixa de Entrada" limpa e nos auxilia a organizar nossas mensagens com as seleções do "Marcadores". Ele está no quadro principal da janela do Gmail, bem ao lado do link para a "Caixa de Entrada". Por causa do tamanho quase infinito do Gmail, não precisamos deletar nenhuma mensagem. Porém, não precisamos deixá-las todas na Caixa de Entrada. Se ela não se encaixou em nenhum marcador que você criou, basta seleciona-la e apertar o botão arquivar e ela sairá da sua caixa de entrada e habitará exclusivamente a pasta "Todos os e-mails". Isso é muito bom por exemplo, para você deixar na caixa de entrada apenas os assuntos não resolvidos e as conversas não concluídas.
[Leia outros Comentários de Renato Mendes]
24/3/2008
13h15min
Boa a matéria, concordo que o Gmail foi uma revolução mas os outros já estão correndo atrás. Sou usuário do Gmail e do Hotmail e digo que o Hotmail adotou todas as novidades que surgiram com o Gmail, algumas eram bem antigas e anteriores ao Gmail, como baixar as mensagens para o seu computador e redirecionar suas mensagens...
[Leia outros Comentários de Carlos Andrade]
4/12/2010
18h20min
Passados 4 anos, o Gmail continua imbatível, com todas as facilidades mencionadas no texto. E agora com 7,5 giga! A gente pode guardar tudo, inclusive colunas e ensaios do Digestivo.
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A DANÇA DA LIBERTAÇÃO
CLAUDIA CENCI
VITÓRIA RÉGIA
(2001)
R$ 19,90



ALFONSO SASTRE - CUATRO DRAMAS CLASSICOS (TEATRO ESPANHOL)
ALFONSO SASTRE
EDICIONES ALARCOS
(2008)
R$ 15,00



PERDIDO EM MARTE
ANDY WEIR
ARQUEIRO
(2014)
R$ 22,00



A CARTILHA DA NOVA MÃE
JOSÉ ANGELO GAIARSA
AGORA
(2003)
R$ 20,00



PLANEJAMENTO COM PERT-CPM E ANÁLISE DO DESEMPENHO
HENRIQUE HIRSCHFELD
ATLAS
(1974)
R$ 10,00



A VIDA PRÉ-HISTÓRICA O HOMEM FÓSSIL ED. ESPECIAL - COL. PRISMA
JOSUÉ C MENDES E MICHAEL H DAY
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 20,00



O FENÔMENO HUMANO
CHARDIN, TEILHARD DE
CULTRIX
(1995)
R$ 27,00



NOVO GLOSSÁRIO DE INFORMÁTICA
CONRADO F. CAMPOS
CIÊNCIA MODERNA
(1995)
R$ 21,80



NOVO TESTAMENTO-COMENTÁRIO E MENSAGEM- II CORINTIOS
KARL HERMAN SCHELKLE
VOZES
(1967)
R$ 13,50



LIBRAS, QUE LÍNGUA É ESSA?
AUDREI GESSER
PARÁBOLA
(2009)
R$ 10,00





busca | avançada
27294 visitas/dia
862 mil/mês