A Legião e as cidades | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial 20 anos do Dois

Quinta-feira, 3/8/2006
A Legião e as cidades
Guga Schultze

+ de 4700 Acessos
+ 11 Comentário(s)

As cidades, eventualmente, produzem música. Os grandes centros urbanos são, a longo prazo, usinas musicais em funcionamento contínuo e, nesse processo, as cidades podem gerar momentos específicos, períodos em que, às vezes, deixam sua marca no instável mapa cultural do país.

Existe uma relação entre a música e a cidade que a gerou e essa relação, difícil de explicar em palavras, é facilmente percebida no momento em que a gente, turista ocasional, atravessa ruas - a pé, de carro - e deixa que um sentimento exógeno, estranho aos nossos hábitos, nos alcance. Talvez numa esquina, olhando alguma avenida que parece vagamente familiar - porque dizem que quem viu uma cidade grande, viu todas - mas não é bem assim. Num amanhecer qualquer, em Ipanema, por exemplo, quando as ruas estão ainda meio desertas, junto à orla do mar, com o céu rapidamente assumindo um azul inesgotável, a gente pode admitir sem nenhuma dúvida que essa zona sul do Rio é o único lugar possível para gerar coisas como o "Surfboard", de Jobim e, como ela, todo o momento antológico da Bossa Nova. Ou num entardecer, no alto da avenida central da capital de Minas, no sopé da montanha e olhando a cidade que se espalha e que mergulha ao longe num vermelho mineral, a gente pode ouvir - poéticamente mesmo, no vento - alguma coisa da melodia estranha, hipnótica, do Clube da Esquina, a primeira, do Lô Borges e do Milton.

A última vez que estive em Brasília já faz muito tempo, mas a primeira impressão perdura como um símbolo e está longe de se tornar vaga como outras memórias da mesma época. Havia a presença absoluta do espaço, potencializado em cada centímetro quadrado das avenidas sem fim aparente; uma luminosidade intensa, silenciosa, pairando sobre a cidade, etérea como a luz original. O labirinto ali é o labirinto inverso que Jorge Luis Borges viu nos desertos; sem becos, ruelas e sombras, sem a economia, às vezes triste, das aglomerações humanas. A cidade não é econômica, em qualquer sentido; não é vertical, mas horizontal e é nesse sentido que se estende até a memória de seus visitantes.

Brasília é mais espantosa ainda porque, de muitas maneiras e contra todas as expectativas, deu certo. Uma espécie de disneylândia política, construída no nada e em tempo recorde, uma grande capital que não tem nem cinquenta anos. Seu nativo mais velho não teria ainda essa idade mas, em Brasília, o tempo passa depressa, queima etapas. Já possui essa aura mítica que outros grandes centros levaram muito mais tempo para incorporar. Aspectos variados do desenvolvimento natural das cidades foram pré-concebidos e, sem um sentido pejorativo, pode-se dizer que em Brasília há um pré-conceito urbano. A palavra-chave, geográfica, para capturar sua essência é "urbanismo"; um conceito que já existia antes de Brasília projetar sua primeira sombra no planalto central.

Quando visitei Brasília, dessa última vez, não havia ainda sua música (suponho que estivesse sendo produzida) mas, pouco tempo depois, a Legião Urbana estava nas paradas, através do país. A associação foi imediata e eu estava lá de novo, caminhando na esplanada, ouvindo o riff de guitarra que inicia o "Tempo Perdido", esperando a tempestade que esse tempo traz, "da cor dos seus olhos castanhos" - um momento, poderoso, da poesia dentro da canção. O nome da banda era sintomático, um achado, na medida em que seu berço era Brasília. A Legião fazia uma música simples (rock, claro), mas bela, com melodias que giram, mais ou menos livres, em torno de uma harmonia básica, de um bom gosto a toda prova. Algumas grandes canções vieram cimentar o fato de que a banda não era só mais uma banda surgida na nova eclosão do rock no Brasil. Havia a preocupação evidente com a qualidade das canções, deixando de lado, talvez, o tiroteio cego em todas as direções e concentrando-se num clima, numa sonoridade específica (a formação clássica do rock - baixo, batera, guitarras e vocal - ajudava); havia em suma, desculpem a palavra, mensagem.

Renato Russo, o legionário-mor, fã confesso de John Lennon, talvez tenha filtrado como ninguém o que existe de dúbio na letra de "Strawberry Fields", Beatles, construindo dessa primeira influência sua própria e original expressão. Suas letras são marcadas por esse sentimento ambíguo, frases que se opõem a outras ou não se definem de imediato; introspectivo, reflexivo, num momento em que muitas outras bandas simplesmente berravam uma anarquia sem direção. Morou, me parece, nos Estados Unidos e falava fluentemente o inglês. Quando sua banda apareceu, já veio madura, pensada, produto final - a Legião Urbana tem essa característica estável, uma maturidade na concepção do som, do estilo, que é marca das coisas elaboradas com critério e, a julgar pelas letras e pela performance, Renato Russo deve ter sido um sujeito com senso crítico refinado.

Houve também, quando das primeiras audições da Legião, o fato meio irônico da voz de Renato Russo ser muito semelhante ao vocal de um dos velhos ídolos da Jovem Guarda, Jerry Adriani, grande cantor, diga-se de passagem, mas brega incorrigível. Teve gente que chegou a pensar, antecipando essa onda de filhotes (de Elis, de Jair Rodrigues, de Simonal), que Renato Russo era um deles; no caso, filhote do Jerry Adriani. Eu também percebi a semelhança mas a Legião me remeteu mais a um outro Renato, também da Jovem Guarda, antes de cair no ostracismo e na breguice sem volta: Renato e seus Blue Caps, a banda inaugural do rock no Brasil. Tem que se ouvir os Blue Caps em sua primeira fase (que é a que conta), sem preconceitos, para perceber a ponte de uns vinte anos (e o abismo abaixo dela) que ligam as duas bandas.

Vinte anos é tempo mais que suficiente para a consolidação de um mito e, nesse ano, já são vinte anos do lançamento do segundo album da Legião, o Dois, o vinil da capa parda. Em vinte anos a Legião arrebanhou e formou - desculpem, eu não resisto - uma legião de fãs. Esses, entre os quais eu me incluo, têm à sua disposição um manancial da melhor música de rock, para ouvir quando der na telha. Citei a palavra mito porque uma das características do mito é sua resistência ao tempo. Pode-se, tranquilamente, ouvir a Legião hoje; suas grandes canções não envelheceram um decibel. E voltando à minha idéia central, penso em Brasília e me espanto ao perceber como aquela geografia centrífuga gerou um rock que é um trampolim para o centro, um mergulho no interior do peito. E, é claro, penso também que Brasília já tem sua música.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 3/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
03. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
04. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
05. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2006
01. Mané, Mané - 22/6/2006
02. A Legião e as cidades - 3/8/2006
03. Voto fulo - 12/10/2006
04. Mitos na corda bamba - 29/12/2006
05. Radiação de Fundo - 21/9/2006


Mais Especial 20 anos do Dois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/8/2006
01h44min
Belo texto sobre a Legião, Guga. E boas observações sobre Brasília. Me veio a lembrança das avenidas quase que infinitas que vi por lá, mas não soube aproveitar nem sentir realmente a atmosfera da cidade, pois era um moleque que estava abismado com toda a grandeza da nossa capital federal. Espero voltar lá pra, realmente, andar por Brasília.
[Leia outros Comentários de Rafael]
3/8/2006
09h00min
Ex-morador do Rio, conhecedor de BH e atualmente morando em Brasília, li com muita satisfação mais este texto do Guga. Mais uma vez seu estilo refinado, mas leve, nos levou a viajar no tempo, na música e no espaço. Depois de ler seu artigo fica a saudade da Legião Urbana e uma vontade irresistível de sair por aí ouvindo suas músicas. Grande Guga!
[Leia outros Comentários de Tuxaua Linhares]
3/8/2006
11h30min
Sublime o seu texto Guga. Renato Russo, apesar de não admitir, nos passava aquela imprensão de "irmão mais velho". Veja que o disco Dois é forte e vigora até os dias hoje, com canções que vale a pena ouvir a qualquer momento. Como frisava Russo em cada encarte de seus Lps, a Legião Urnana a tudo vence, e Força Sempre!
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
3/8/2006
12h26min
Voltei ao passado com o texto do Guga. Respirei meu primeiro ar no plano-piloto, embora não me considere, assim, de todo, "candango". Voltei a uma adolescência que não seria tão gostosa (e tão adolescente!) sem a Legião Urbana. Amei no início, odiei em seguida, entendo, escuto e gosto hoje.
[Leia outros Comentários de Bruno Sales]
3/8/2006
14h53min
Degustar um texto carregado de sentimento é pra mim, no mínimo, salutar. Faz bem à alma, se é que ela existe. Apesar de na época olhar desconfiado para esse fenômeno "Legião", o Guga descreve como poucos sobre o universo musical. Parabéns pelo magnífico texto ! Vale lembrar que depois do Raulzito, a Legião Urbana foi a banda q ue conseguiu ser eternizada por todas as camadas socias. Valeu, Guga.
[Leia outros Comentários de Marco Aurélio]
14/8/2006
12h25min
Suas palavras sobre Brasilia, ou seja, Legião Urbana... é inevitável: tal comparação me faz lembrar várias fases de minha vida. Grato.
[Leia outros Comentários de vinicius]
18/8/2006
12h24min
Não sou fã de Brasília embora reconheça sua beleza e mistério. Quando o Legião Urbana aconteceu eu estava longe do Brasil mas jamais esquecerei o dia em que, numa das minhas viagens de visita à família, meu irmão, ao me ver depois de um ano de ausência, me pegou pela mão e me levou ao seu quarto dizendo: "Isso é demais, é a melhor coisa que já teve até hoje!" Adorei. Olhei pro meu irmão e pensei: - Achei que depois da geraçao dos Beatles, ninguém mais teria essa sensação de estar ouvindo uma coisa de outro mundo. Sou fã do Renato Russo... e do Guga também.
[Leia outros Comentários de Claudia Serretti]
19/8/2006
12h01min
muito interessante o Texto do Guga. realmente ha', embora eu particularmente nao houvesse ainda atinado, uma ligacao entre certas cidades e musicas, grupos musicais. um texto bem escrito, interessante e divertido. alem de informativo. E, sem duvida, um belissimo texto sobre uma das grandes bandas brasileiras.
[Leia outros Comentários de Willam Carvalho]
20/8/2006
19h00min
Adorei seu texto Guga, excelente. Boa musica em uma boa cidade, ares e sabedoria... O texto fez com q me sentisse de volta ao tempo, tempo em q ainda criança, vivi e acompanhei parte da trajetoria de Renato, Legião Urbana, por isso sou fã incondicional. Parabéns pelo texto!
[Leia outros Comentários de Karol Mansur]
20/8/2006
19h08min
Excelente! Cresci ouvindo Legião e pude compreender com o artigo do Guga, como foi e é importante pra Brasília ser a "Terra Natal" de uma banda tão consagrada. Pude perceber que, assim como aqui em Minas e no Rio, Brasília tb tem sua música, seu estilo, e seu cenário não pode ser lembrado somente por políticos corruptos. Obrigada, Guga, por nos proporcionar outro cenário para a capital do nosso país. Acho que, nessa altura do campeonato, você nos levou a outro tempo, onde Legião Urbana dava voz aos nosso ideial. Valeu!
[Leia outros Comentários de Camilla]
23/8/2006
00h11min
Fiquei realmente impressionado com esse artigo: é uma poesia, uma poesia em forma de crítica musical. Um texto com imagens concretas, claras, bem colocadas, apresentadas e encadeadas com firmeza, com objetividade. Um super-artigo, em todos os sentidos. Parabéns, Guga.
[Leia outros Comentários de Faiçal Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO DOMAR UM ELEFANTE
JAN CHOZEN BAYS
ALAÚDE
(2013)
R$ 24,90



COOPERATIVO - VIVÊNCIAS LÚDICAS DE JOGOS NÃO COMPETITIVOS
MARCOS TEODORICO PINHEIRO DE ALMEIDA
VOZES
(2010)
R$ 20,00



HÁBITOS E ATITUDES SEXUAIS DOS BRASILEIROS
ALYRIO CAVALLIERI E OUTROS
CULTRIX
(1983)
R$ 15,00



PHILIPPE STARCK
CRISTINA MOROZZI (ORG.)
FOLHA DE SÃO PAULO
(2012)
R$ 18,00



POESIA DE TELHADO
JOÃO AUGUSTO
ESCRITURAS
(2012)
R$ 15,00



DEUS NO LIMITE
NILE
EDIOURO
(2004)
R$ 9,90



O MILAGRE
NICHOLAS SPARKS
AGIR
(2010)
R$ 20,00



DILÚVIO - TEARDROP 2
LAUREN KATE
GALERA
(2015)
R$ 14,00



BIBLIOTECA PLANETA - PARACELSO - VOL.2
DIVERSOS
TRÊS
(1973)
R$ 22,00
+ frete grátis



GIUDA
AMOS OZ
NARRATORI
(2014)
R$ 68,78





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês