Um presidente relutante | Lisandro Gaertner | Digestivo Cultural

busca | avançada
25931 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pixel Show promove gratuitamente exibição do documentário "The Happy Film"
>>> Inédito no Brasil, espetáculo canadense SIRI estreia em novembro no Oi Futuro
>>> Antonio Nóbrega apresenta show comemorativo pela passagem dos 25 anos do Instituto Brincante
>>> Visita Temática : Os Múltiplos Tempos da Coleção de Ema Klabin
>>> Chagall é tema de palestra na Casa Museu Ema Klabin
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
>>> Academia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um monstro que ri
>>> Lições literárias
>>> Fahrenheit 451, Oralidade e Memória
>>> História dos Estados Unidos
>>> Apresentação
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Deus ex machina
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Homenagem a Orestes Barbosa
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
Mais Recentes
>>> O príncipe e o mendigo
>>> Dicionário de Ciências Ocultas 1 e 2
>>> Jonas
>>> O desafio historiográfico
>>> Decifrando o Genoma
>>> O Baudolino
>>> O Império do Sol
>>> Encanto Mortal
>>> A Ilha do Dia Anterior
>>> Ciência Política
>>> O Trabalho Infantil na Cidade de São Paulo
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Encantando Totalmente o Cliente
>>> As Vinhas da Ira _ Volume II
>>> Ser Mãe
>>> Sonetos Escolhidos
>>> Sonetos Escolhidos
>>> Nada Dura Para Sempre
>>> Dioniso & Cia. na moqueca do dendê: desejo, revolução e prazer na obra de Jorge Amado
>>> Ciência & Realidade 6ª série
>>> Redação Curso Básico Vol 1
>>> Redação Curso Básico Vol 2
>>> A Conquista da Matemática 7ª Série
>>> Redação Curso Básico Vol 3
>>> Português Através de Textos 5
>>> Português Através de Textos 7
>>> Ciência & Realidade 7ª série
>>> Ciência & Realidade 5ª série
>>> A Conquista da Matemática 6ª Série
>>> Caderno de Português Fundamental 5ª série
>>> Bom Tempo Estudos Sociais Ciências 4
>>> Língua Portuguêsa Vol 4
>>> Descobrindo a Gramática
>>> Português Através de Textos 6
>>> Verdades Fundamentais da Parábola do Rico e de Lázaro
>>> Dificuldades Bíblicas e Outros Estudos Vol. 1 (2ª ed.)
>>> Um rabino conversa com Jesus- um diálogo entre milênios e confissões
>>> Conceitos de crítica
>>> Conceitos fundamentais da poética- (2ª ed.)
>>> Marketing Digital Novas tecnologias & Novos Modelos de Negócio
>>> Excel 2007
>>> Project para Profissionais
>>> O crime do padre Amaro (15ª ed.)
>>> A câmara clara - nota sobre a fotografia (2ª ed.)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/8/2006
Um presidente relutante
Lisandro Gaertner

+ de 4100 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Luís chega em casa. Tira o paletó e desafrouxa a gravata que nunca quis usar. Vai à cozinha, pega uma garrafa de caninha da roça e despeja o conteúdo num copinho comemorativo. Lê, com dificuldade, os dizeres no lado do copo:"Parabéns, pela sua escolha para presidente da empresa". Senta no sofá. Liga a TV procurando um programa sertanejo, mas não encontra. TV a cabo só tem cultura, história e programas legendados. Ô, coisa chique, pensa. Marisa, que estava no quarto, chega:

- E aí, Luís? Tudo bem?
- Tudo.
- Como foi a entrevista?
- Que entrevista?
- A entrevista de trabalho pra ver se você vai continuar no cargo.
- Ah, Marisa, nem me fala...
- Foi mal assim?
- Ô...
- Mas o que aconteceu, Luís? Me conta.
- Tá. Vou te contar, mas depois eu não quero ouvir nem uma palavra sobre isso. OK?
- Calma aí. Isso eu não posso prometer.
- Como assim?
- Luís, você ficou vinte anos me enchendo o saco. Vou ser presidente da empresa, as pessoas precisam de mim, só comigo tudo vai mudar, coisa e tal. Agora, que você finalmente conseguiu, só sabe beber, viajar a troco de nada, reclamar da vida e falar mal dos outros. Você acha que eu não tenho o direito de te cobrar alguma coisa a respeito disso?
- Tá, Marisa. Mas, hoje, eu só vou falar disso uma vez. Tá bom?
- Tá. Por hoje passa. Conta, então.
- Bom, a entrevista começou bem, mas eu meio que me enrolei.
- O que houve?
- Primeiro, eu decidi fazer a entrevista lá no meu gabinete.
- Ué, mas todo mundo foi no estúdio da TV corporativa.
- Eu sei, mas, já que eu sou o presidente, achei que ia ficar melhor falar do meu gabinete.
- Pelo jeito não deu certo.
- Não deu mesmo. Acho que pegou malzão.
- E você se preparou?
- Como assim me preparei?
- Teus concorrentes, aquela menina mal vestida e o rapaz com cara de bunda, pareceram bem preparados.
- Bom, você tem razão. Eu devia ter me preparado, mas na hora pensei: "Pra quê eu preciso me preparar? Eu não sou o presidente?"
- Ai, meu Deus.
- O que houve, Marisa?
- Se você não se preparou, aposto que fez besteira, não fez? Não vai me dizer que você bebeu, Luís.
- Como?
- Meu Deus, você bebeu antes da entrevista, não bebeu, Luís?
- Só um pouquinho...
- Luís, desde o problema com aquele rapaz americano da comunicação, eu disse para você segurar a onda.
- Pôxa, mas eu não sou bêbado e ele ficou me caluniando. Todo funcionário da empresa curte tomar o seu gorozinho. Por que eu não posso tomar o meu?
- Porque nenhum funcionário tem a responsabilidade que você tem, Luís.
- Ah, se eu tivesse conseguido demitir aquele desgraçado do Larry... tudo seria diferente.
- Mas não é. E pior, ficou mal à beça pra você.
- Sei, sei.
- Mas e aí? O que você falou de mais? Foi algo sobre os seus amigos?
- Que amigos?
- Que amigos?! Aqueles que tavam envolvidos naquelas falcatruas...
- Ah, nessa eu me dei bem. Eu disse que tinha colocado todo mundo pra fora. Eu mesmo.
- Luís...
- O quê?
- Você mentiu de novo?
- Eu menti? O que tem de mentira nisso?
- Depois das cartinhas que você mandou quando eles foram demitidos, você acha que alguém ia acreditar mesmo nisso?
- Podem pensar o que quiserem, mas fui eu coloquei eles pra fora. E ponto final.
- Tá, vou fingir que acredito. Só falta você me dizer que repetiu mais uma vez aquela história de que não sabia de nada.
- Foi exatamente o que eu disse.
- Ai, Luís. Eu já te disse: essa história não cola.
- Pô, Marisa. Até você tá contra mim?
- Não. Eu não tô contra você, mas, às vezes, acho melhor pensar que você é bandido ao invés de bobo.
- Tá, então, eu fiz papel de bobo. De novo. Desculpa por eu não ser bandido.
- Deixa de drama e fala qual foi o grande problema.
- No final da entrevista, eu comecei a trocar as palavras. Falei que tinha diminuído salários, aumentado os custos. Na parte mais importante eu me perdi e passei o maior papel de otário. Me embananei todo. Sério.
- Ô, cachaça. Ai, Luís. Mas não se preocupa. Vamos ver se semana que vem você resolve essa história no debate.
- Ah, Marisa. Acho que não vou no debate, não.
- Não vai no debate? Você só pode estar brincando.
- O que é que tem?
- Se você não for no debate, todo mundo vai achar que você tem coisa pra esconder e não tem planos pra melhorar a empresa. Desse jeito, você vai perder o cargo.
- Que nada.
- Quer saber, eu acho que é isso mesmo que você quer. Você está querendo é perder esse cargo.
- Como assim? Eu tô na frente em todas as pesquisas.
- Eu te conheço, Luís. Você sempre foi um boa vida. Já tava aposentado quando aquele pessoal veio te meter essas idéias na cabeça. Principalmente o Zé.
- Que Zé?
- O Dirceu. Ele achava que uma empresa cheia de analfabetos só ia funcionar com um analfabeto no comando.
- Marisa, eu não sou analfabeto.
- Sei, mas comparando com o último presidente...
- O último presidente foi um horror, Marisa. Deixou os empregados na pior.
- E o que você fez de diferente?
- Bom, eu...
- Viu? Não fez nada. Só faltou deixar o povo todo que ele tinha colocado na empresa trabalhando. Seguiu tim tim por tim tim a cartilha que ele deixou.
- Calma, Marisa, você nem me deixa molhar o bico.
- Eu já entendi o seu problema, Luís.
- E qual é o meu problema, mulher?
- Você nunca quis ser presidente da empresa.
- Como assim?
- O teu lance era ficar reclamando dos patrões, mas sem fazer nada. Agora que assumiu o poder e teus amigos te deram uma rasteira, se revelando os bandidos que são, você está se sabotando para cair fora.
- Me sabotando?
- É, se sabotando. Eu estou lendo um livro sobre isso. Tem gente que, ao invés de abandonar as suas responsabilidades, começa a fazer besteira para os outros colocarem eles para fora. Sem coragem de assumir que escolheram algo que não queriam, deixam na mão dos outros a decisão de largar o osso.
- Que isso. Tá viajando, mulher.
- Tô viajando? Presta atenção. Desde o começo você só fez besteira. Falava besteira no palanque, defendia o empregado errado, queria mudar o regulamento X, colocava até os pobres dos aposentados pra virem se recadastrar na empresa. Mas, não importava o que você fizesse, ninguém te botou pra fora. Fosse outro, acho que já tinham corrido com ele no ato. Mas, com você, os empregados simpatizam. Então, todo mundo foi relevando, apesar de você mesmo querer sair do cargo.
- (...)
- Luís, o que houve?
- (...)
- Fala, homem.
- É, Marisa. Acho que você tem um pouco de razão. Eu nunca quis essa responsabilidade toda. Só achava bonito concorrer pra presidente. Você sabe, né? Eu, um funcionário pobre e sem estudo, querendo assumir a presidência da empresa. Era até meio poético. Mas quando ganhei e vi o pepino, senti vontade de abandonar o cargo várias vezes.
- E, agora, Luís. Vai desistir de concorrer?
- Agora é tarde demais. Ia ser a maior vergonha. Vamos ver se eu, sem perder a compostura, deixo os outros passarem na minha frente.
- E se não der certo e você ganhar?
- Sei lá, sempre dá pra fazer o que aquele meu amigo de copo fez.
- Que amigo de copo?
- O Jânio.


Lisandro Gaertner
Rio de Janeiro, 18/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um estranho chamado Joe Strummer de Celso A. Uequed Pitol
02. Um socialista na Casa Branca? de Celso A. Uequed Pitol
03. O começo do fim da hegemonia 'de esquerda' de Julio Daio Borges
04. Memorial do deserto e das ruínas de Elisa Andrade Buzzo
05. O Bigode de Carina Destempero


Mais Lisandro Gaertner
Mais Acessadas de Lisandro Gaertner em 2006
01. E Viva a Abolição – a peça - 1/6/2006
02. Cuidado: Texto de Humor - 28/7/2006
03. Orkut: fim de caso - 10/2/2006
04. Escritora de Bom Censo - 4/8/2006
05. Um presidente relutante - 18/8/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/8/2006
00h53min
Coitada da Marisa... Coitada da empresa... E um aviso aos leitores: não leiam o Lisandro quando estiverem bebendo algo (sem trocadilho). Quase me engasgo e molho o monitor de café hehehe
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
21/8/2006
20h42min
Excelente. Excelente. E inteligente.
[Leia outros Comentários de Junior Martuchelli]
22/8/2006
13h45min
Concordo com o Rafael Rodrigues sobre estar preparado para ler o Lisandro: nada que entorne, quebre, rasgue, entorte ou desmanche nas mãos ou proximidades do corpo. Só não pude rir por mais tempo porque me dei conta de que estava rindo de nós mesmos, funcionários dessa dolorosa empresa. Não fosse o "Departamento de Lazer" a seu cargo, seria uma total tragédia. Um grande beijo gargalhado.
[Leia outros Comentários de Versos & Acordes]
24/8/2006
17h46min
Pessoas que não votaram no Lula até agora não aceitaram o nordestino, bronco, sem-dedo... governando o nosso Brasil. Muita gente diz que votou e está arrependido. Eu não acredito que tenha votado mesmo. E se votou é daqueles que votaram no Collor, no Lula, no Maluf, etc., alternadamente. Ou seja: eleitor circunstancial, sem qualquer objetivo político-social. Abraços, Ivo Samel
[Leia outros Comentários de Ivo Samel]
27/8/2006
15h51min
Texto que atingiu seu objetivo... Espero que a "massa" não tenha preconceito por uma opinião divergente.
[Leia outros Comentários de Giordano Vasconcelos]
28/8/2006
09h12min
Perfeito, Lisandro! Parabéns! Eu acho que a Marisa tem toda a razão. Se bem que o livro que ela está lendo deve ser do Paulo Coelho ou do Arnaldo Jabor... argh.
[Leia outros Comentários de Lívia Santana]
28/8/2006
15h48min
Sou eleitor do Luís, mas não ganho nada atacando ou defendo sua pessoa... Vou votar nele novamente... nem por isso sou analfabeto. Rir é legal... continue escrevendo, Lisandro.
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
30/8/2006
15h59min
Como pode ter gente tão insistente ainda? Votei no Lula e me arrependo, nunca votei no Maluf, nem no Collor, até porque não tinha idade pra isso quando eles foram candidatos. E outra: "a massa" não quer dizer abolutamente nada! Se a maioria resolve se atirar em alto mar, não significa que outros devem fazer o mesmo. Aliás, difícil crer na "massa" depois de observar um mundo tão decadente como o nosso, em que a grande maioria das pessoas realmente não tem critério algum pras coisas mais simples. Parabéns pelo excelente texto, Lisandro! Ótimo ponto de vista!
[Leia outros Comentários de Mateus]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIVRO DA VIDA VOLUME II
VICTOR CIVITA (EDITOR)
ABRIL CULTURAL
(1971)
R$ 15,00



ASSASSINATO NO CAMPO DE GOLFE
AGATHA CHRISTIE
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 4,90



THE MK CHALLENGE
ALMA D GORDON
MISSIONARY INFORMATION BUREAU
(1989)
R$ 35,00



O RESTO É SILÊNCIO
ERICO VERÍSSIMO
GLOBO
R$ 15,00



MARIA E O EVANGELHO
JEAN-GALOT
ASTER
(1961)
R$ 11,00



O LIVRO DE RECEITAS DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS- ATIVIDADES PARA A SALA DE AULA- 3ª ED.
CARLA VIANA COSCARELLI
AUTÊNTICA
(2010)
R$ 28,70



THE COMPLETE STORIES, PLAYS AND POEMS OF OSCAR WILDE
OSCAR WILDE
TIGER BOOKS
(1994)
R$ 30,00



PSICOSOCIOLOGIA DAS RELAÇÕES PÚBLICAS
CÂNDIDO TEOBALDO DE SOUZA ANDRADE
LOYOLA
(2005)
R$ 11,00



A DAMA DO CACHORRINHO E OUTRAS HISTÓRIAS
ANTON TCHÉKHOV
L&M POCKET
(2009)
R$ 6,00



IMAGINAR EL MATRIMONIO
BATTISTA BORSATO
SAL TERRAE
(2003)
R$ 62,00





busca | avançada
25931 visitas/dia
1,1 milhão/mês