Francis e o jornalismo | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Trauma a ser evitado
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> 28 de Abril #digestivo10anos
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O jornalismo que dá nojo
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Útil paisagem
>>> O Brasil da inovação
>>> A terra das oportunidades
Mais Recentes
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Marquez pela Sabiá (1971)
>>> Melhor que comprar sapatos de Cristiane Cardoso pela Unipro (2015)
>>> Imposto sobre a propriedade territorial rural de Dejalma de Campos pela Atlas (1993)
>>> Archi de soleil de Patrick Bardou e Varoujan Arzoumanian pela Parenthèses (1978)
>>> Passo a passos de Ioberto Tatsch Banunas pela Sulina (1997)
>>> A máquina de fazer espanhóis- 2ª ed. de Valter Hugo Mãe pela BIblioteca Azul- Globo (2016)
>>> Memórias 2º volume - A Aliança Liberal e a Revolução de 1930 de João Neves da Fontoura pela Globo (1963)
>>> Sofrimento como lidar? de Adriano Rocha pela Conselho (2014)
>>> Manuscrito revista de Filosofia Volume II No 2 abril 1979 de Gérard Lebrun, Herman Parret, Yuval Lurie e outros pela Unicamp (1979)
>>> Ele ela 71 março 1975 de Diversos autores pela Bloch (1975)
>>> Tex especial de férias 10 de Mythos editora pela Mythos (2011)
>>> Novo Vocabulário Político Volume Um - Hegemonia e Pluralismo de Pedro Claudio Cunca Bocayuva; Sandra Mayrink Veiga pela Fase-Vozes (1992)
>>> Costos sociales de las reformas neoliberales en America Latina de Anita Kon / Catalina Banko / Dorothea Melcher / Maria Cristina pela Miguel Á. Garcia / Venezuela (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> Câes de guerra de Frederick Forsyth pela Circulo do Livro (1974)
>>> Gre-nalzinho é sempre gre-nalzinho de Kalunga pela Maneco (2011)
>>> Receitas Comemorativas de Rede feminina de combate ao cancer pela Do autor (1999)
>>> Sob Pressão de Bruce Hoverd pela Gente (2015)
>>> Ai comprei um bode e um bezerro de Nilton Ferreira pela Kirios (2013)
>>> Casa de vó é sempre domingo de Marina Martinez pela Nova Fronteira (2014)
>>> O mundo de Sofia de Jostein Gaarder pela Jostein Gaarder (1996)
>>> Introdução à psicologia vol. 100 de Ernest R. Hilgard / ///Richard C. Atkinson pela Nacional (1979)
>>> Teologia do Antigo Testamemto de Eugene H. Merriell pela Shedd (2009)
>>> Scientia et Virtus Julho 1956 de Colegio Estadoal Lemos Junior pela Do autor (1956)
>>> La guerra de Matisse de Peter Everett pela Circe (1998)
>>> Compêndio de Teologia Apologética de François Turretine pela Cultura Cristã (2011)
>>> Alergia na infância de Maria Candida Faria Rizzo pela Lemos (2002)
>>> Archivos de la universidad de Buenos Aires año 26 n 1 de Diversos autores pela Meuba (1951)
>>> Anais do Primeiro congresso de câmaras Municipais do estado de São Paulo 1° volume de Diversos autores pela Ibge (1948)
>>> Os filhos da África em Portugal: Antropologia, multiculturalidade e educação (2ªed.) de Neusa Maria Mendes de Gusmão pela Autêntica (2006)
>>> A arte de desenhar Perspectiva 14 de Renato Silva pela Conquista
>>> Almanaque do tchê! de Diversos autores pela Tchê (1984)
>>> Cinderela - coleção fantasminha de Cordélia Dias D'Aguiar pela Ediouro (1975)
>>> Signale der Sinnlichkeit erotik de Wolf Donner pela Whilhelm heyne (1989)
>>> King's English 3ª série Ginasial de Harold Howard Binns pela Companhia Nacional (1944)
>>> Ele Ela 70 Rosemary de Bloch editora pela Bloch (1975)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2020)
>>> Les Deux Nigauds de La condesse de Segur pela Hachette
>>> Navegação - Curso para pescador profissional especializado de Ministério da Marinha pela Marinha (1985)
>>> Riquinho 32 de Editora Globo pela Globo (1990)
>>> x-9 229 março 1951 O mistério do 5° homem de Roberto Marinho diretos pela Vecchi (1951)
>>> Aulas de artesanato Apostila n° 2 Pintura em Madeira de Lazeres da Família pela L da familia
>>> Almanaque Total sagitário de André De Biasi pela Três
>>> Obra Imatura de Mário de Andrade pela Agir (2009)
>>> Plotinus - ennead ii, v.2 de Plotino; A. Hilary Armstrong pela Loeb (1966)
>>> A Vida dos Grandes Compositores de Harold C. Schonberg pela Novo Século (2012)
>>> Não Há Silêncio Que Não ermine de Ingrid Betancourt pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Almirante Nelson -0 O Homem que derrotou Napoleão de Armando Vidigal pela Contexto (2012)
>>> No ser DIOS - Una Autobiografía a Cuatro Manos de Gianni Vattimo e Piergiorgio Paterlini pela Paidós Entornos 7 (2008)
COLUNAS >>> Especial 10 anos sem Francis

Quarta-feira, 7/3/2007
Francis e o jornalismo
Jonas Lopes

+ de 4800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Vou contra o fluxo: não fui formado pela leitura de Paulo Francis. Pelo menos não no começo. Jovem demais para ter acompanhado a sua coluna e seus textos enquanto foram publicados, só fui conhecer a imponente figura de Francis anos depois, quando já estava me interessando por cultura. Ou seja, fiz o caminho inverso das pessoas (muitas delas acabaram se tornando jornalistas, por sinal) que, através de suas colunas, descobriram as artes. Eu o conhecia vagamente pelas aparições na TV Globo (minha mãe o imita perfeitamente). Não tive a oportunidade, portanto, de chorar sua morte. Tampouco guardo os recortes de seus textos. Só vim a ter contato com seus escritos após dar os primeiros passos no mundo literário.

Aí sim. Pude descobrir que aquela figura tão falada, tão imitada e tão citada tinha uma magia. Uma magia esquisita, é verdade. Li, em um curto espaço de tempo, alguns dos livros de Francis: Waaal: o dicionário da corte de Paulo Francis, com alguns dos melhores momentos do Diário da corte, as memórias pessoais e intelectuais de O afeto que se encerra e as memórias políticas de Trinta anos esta noite. Sempre me chamava a atenção a arquitetura textual do jornalista. Estava longe, muito longe de ser o texto mais bem escrito que eu já lera. Algumas escolhas de palavras pareciam inadequadas, as construções frasais mal feitas. É fato: Francis não tinha a fluidez de um Sérgio Augusto ou de um Ruy Castro, para ficar com apenas dois. E as opiniões! Comentários depreciativos de livros e filmes que eu adorara (La Strada, sentimentalismo fácil?), comentários elogiosos de livros e filmes que eu detestara (Norman Mailer?). Aquele punhado de generalizações que, não raro, caíam na falácia mais grosseira. E os preconceitos, afirmações definitivas como "Nunca vejo filme oriental. Como dizem, meu carro empaca na fronteira leste da Europa Ocidental". E vez por outra cometia erros de informação. Não porque não soubesse os nomes de autores e personagens, e sim pela preguiça (suponho) de pesquisar e checar as informações.

Aos poucos fui começando a entender Paulo Francis. Como as melhores fábulas ou as melhores gags do cinema mudo, suas análises precisam ser analisadas como um exemplo hiperbólico, um necessário exagero, para provocarem o efeito de chamar a atenção e desviar para si os olhos alheios. Despidas desse exagero, suas opiniões fazem todo o sentido. Alguém de bom senso concorda com suas declarações sobre Paulo Maluf, para ele um "político moderno"? É evidente que não. Coisa de um reaça incorrigível, dirão alguns. Em compensação, quem, hoje em dia, quando até Lula e o PT macaqueiam o neoliberalismo, ousa afirmar que estavam erradas as opiniões de Francis sobre a importância das mudanças no sistema econômico, em busca de liberalismo, livre concorrência e ênfase na propriedade privada (hoje em dia é tremendamente fácil se assumir como conservador)? Há anos e anos atrás, Francis afirmou que o futuro do cinema brasileiro talvez estivesse nas televisões, na influência das novelas na feitura dos longas. O que é a Globo Filmes, senão isso?

Ao contrário do que pensam seus seguidores — imitadores —, o gênio de Francis não estava em vociferar um punhado em frases polêmicas — a metralhadora verborrágica que dava sinais de não ligar para quem estivesse sendo atingido por suas rajadas. Estava em fazer isso tendo a bagagem cultural para tanto, em não abrir mão da argumentação consistente, ainda que às vezes contraditória e incoerente (e quem está livre disso, afinal?). Eu sei, qualidades como essas deveriam ser de lei em qualquer jornal ou discussão mundo afora. Não são. Não há nada de particularmente corajoso em empilhar afirmações que desafiem o senso comum; há coragem em fazer isso se preocupando com o conteúdo intelectual, algo cada vez mais raro em tempos em que a leitura é cada vez menor e mais restrita e em que pululam livros sobre "como ser culto", guias picaretas que ensinam, em poucas lições, maneiras de parecer inteligente nas rodinhas de debates de festas. É impossível negar a Francis a autoridade intelectual. Você pode discordar dele, mas não dá para dizer que seus motivos para aquela opinião eram fracos ou ruins. Os imitadores, ao contrário, ficam mais felizes em incorporar a persona da figura polêmica, algo que traz um sucesso e uma projeção bem mais rápidos do que passar horas e horas trancado num quarto lendo. Quando penso em Paulo Francis, por sinal, só consigo imaginá-lo assim, empolgado com a escrivaninha empilhada de livros, e não o polemista incorrigível.

Era arrogante? Amém. Maldito seja o juquinha que resolveu que arrogância era um sentimento deplorável. Com tamanho repertório de leituras, Francis podia destilar arrogância o quanto quisesse, e nós, meros mortais, que babemos na gravata. Ele conseguia, em uma mesma nota, misturar Roman Polanski e Proust, Henry James e Bergman, Wagner e Freud. Tinha defeitos, claro, como alguns preconceitos sociais, étnicos e raciais, além da facilidade, como já foi dito, de cair na falácia — um problema comum a todos que abusam das opiniões decisivas. Concentrado no sonho de se tornar romancista (e na frustração de não ter conseguido), Francis talvez tenha deixado ainda de produzir muita coisa interessante. Teria sido ótimo vê-lo exercitando ensaios mais longos, inclusive com envergadura para virar livro, e também perfis, na linha de Edmund Wilson e Kenneth Tynan.

Bons tempos
Nos diversos textos escritos a respeito dos dez anos da morte de Paulo Francis, alguns, aqueles de pessoas que conheceram e conviveram com o jornalista, causaram um pouco de tristeza. Os de Ruy Castro e Ivan Lessa, em especial. Ali me bateu o sentimento de nostalgia, a saudade do que não vivemos de que falava Drummond. Eram os tempos das revistas Senhor e Diners, do jornal Correio da Manhã, do Pasquim. Eram os tempos de Otto Maria Carpeaux, Antonio Moniz Vianna, José Lino Grünewald, Ivan Lessa, Antonio Callado, Paulo Mendes Campos, Millôr Fernandes, Sérgio Porto — fora os moleques Ruy Castro e Sérgio Augusto. Autores como Guimarães Rosa e Clarice Lispector publicavam ali, em primeira mão, suas narrativas recém-escritas. Faulkner, Cortázar e Philip Roth, então pouco conhecidos por aqui, eram traduzidos. Segundo os relatos de Castro e Lessa, todo mundo recebia bem e em dia.

Francis, de certa forma, foi o último dos moicanos, a transição da época áurea em que os jornalistas eram lidos, ouvidos e, em alguns casos, temidos, para a época em que os críticos estão cada vez mais condenados a guetos. Ainda há gente fazendo crítica e jornalismo cultural de qualidade — aí estão José Castello, Luis Antônio Giron, Daniel Piza, Antonio Gonçalves Filho e Almir de Freitas, entre outros, para provar isso. Mas como a mão-de-obra de qualidade é cada vez mais rara, os grandes nomes acabam isolados em veículos diferentes, e fica difícil juntar um elenco como o da Senhor. Quantos aí se lembram do suplemento literário que a Bravo! tentou implantar há uns dois anos, com vários bons nomes, e que afundou completamente? Casos louváveis, porém isolados. A escassez de gente gabaritada (e de leitores) é tão grande que alguns jornais preferem apostar no academicismo e seus jargões.

Louvemos e lembremos Paulo Francis. Por ter feito de seu intelecto o seu grande bem. Por ter dedicado os melhores momentos de sua vida à arte e, de quebra, ter ajudado muitos outros a seguirem o mesmo caminho.


Jonas Lopes
São Paulo, 7/3/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O jornalismo na fervura de Marta Barcellos
02. Superdeuses, de Grant Morrison de Gian Danton
03. Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente de Duanne Ribeiro
04. Lynch, David de Vicente Escudero
05. Feira do Estudante de Daniel Bushatsky


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2007
01. O melhor do jazz em 2007 - 25/12/2007
02. Auster no scriptorium - 26/3/2007
03. Uma (selvagem?) celebração literária - 23/1/2007
04. A morte do homem comum - 30/10/2007
05. Banville e o mar purificador da memória - 6/6/2007


Mais Especial 10 anos sem Francis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/3/2007
20h07min
O texto me fez pensar que muitos que se interessam pelo jornalismo de Francis talvez o façam não tanto pelo que o jornalismo possibilita – mas sim pelo prazer de ir além, de exercitar o sadismo e o masoquismo, flertar com o poder, desfrutar da cultura, enfim, coisas comezinhas das quais muitos profissionais não desfrutam.
[Leia outros Comentários de Lúcio Jr]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MISTÉRIO NO CARIBE.
AGATHA CHRISTIE
CÍRCULO DO LIVRO
(1974)
R$ 15,00



AGENT OF THE TERRAN EMPIRE
POUL ANDERSON
ACE BOOKS
(1979)
R$ 14,00



CASAIS HISTÓRIAS DE AMOR QUE RESISTEM AO TEMPO
MARTHA MEDEIROS
NOVA FRONTEIRA
(2006)
R$ 9,00



PEIXE NA ÁGUA
MARIO VARGAS LLOSA
COMPANHIA DAS LETRAS
(1994)
R$ 7,90



TUDO PELA VIDA
DANIELLE STEEL
RECORD
(1994)
R$ 6,00



LUIS FERNANDO VERÍSSIMO
A MESA VOADORA
OBJETIVA
(2001)
R$ 5,00



CÁLCULO MATEMÁTICA PARA TODOS 21 UM TEOREMA NO TOPO DO PÓDIO
VÁRIOS AUTORES - REVISTA
SEGMENTO
(2012)
R$ 10,00



THE ILLUSTRATED AVIATION ENCYCLOPEDIA (CAPA DURA)
NORMAN V. CARLISLE (EDITOR)
THE NEW HOME
(1944)
R$ 71,00



PODEROSA
SÉRGIO KLEIN
FUNDAMENTO
(2013)
R$ 12,00



É TUDO TÃO SIMPLES
DANUZA LEÃO
AGIR
(2011)
R$ 5,00





busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês