O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
28869 visitas/dia
949 mil/mês
Mais Recentes
>>> Cover oficial do Renato Russo se apresenta no Trik Trik Pub, em Rio das Ostras
>>> Nova temporada de Ventaneira - A Cidade das Flautas
>>> Estúdio Móvel conversa com a youtuber Jout Jout nesta quarta (31) na TV Brasil
>>> PAR CIA DE TEATRO APRESENTA I MOSTRA DE CENAS CURTAS
>>> 'Seja Benvinda' estreia em curta temporada no Teatro Irene Ravache
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius
>>> Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso
>>> Meu querido mendigo
>>> Na hora do batismo
>>> Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida
>>> Existe na cidade alguém, assim como você...
>>> Eleições nos Estados Unidos
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> A que ponto chegamos, EUA!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
Últimos Posts
>>> Caçador de imagens
>>> Ecos do silêncio
>>> O assim-chamado efeito Facebook
>>> Ainda tenho dúvidas
>>> Bel Pesce, empreendedorismo e crowdfunding
>>> Todos à USP!
>>> O acumulador
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Rua da infância
>>> Nada disso estaria acontecendo...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> Tungcast em vídeo
>>> Dez obras da literatura latino-americana
>>> Dez obras da literatura latino-americana
>>> Penso, logo existo
>>> Psicologia Nova, de Charles F. Haanel
>>> Formando Não-Leitores
>>> Entrevista com o poeta Armando Freitas Filho
>>> Ramones 1977
>>> O apanhador no campo de centeio
Mais Recentes
>>> A História como ciência social
>>> Euclides da Cunha
>>> Machado de Assis: a pirâmide e o trapézio
>>> Joaquim Nabuco e o Brasil na América
>>> Mundos Distantes 1
>>> O pequeno inventor de soluções
>>> O pequeno inventor de soluções
>>> Ajude seu filho a conversar com você - teoria e clínica fonoaudiológica e Psicomotora
>>> A verdade sobre a mentira - aprenda a identificar mentiras e a não ser enganado
>>> Gigolô de Bibelôs
>>> Teatro e Comicidades 2: modos de produção do teatro ligeiro carioca
>>> Go Girl! O melhor natal do mundo !
>>> Go Girl! Fazendo a diferença - Estrelas da Moda
>>> Eles viram o Inferno-Experiências Extracorpóreas de Pacientes que Voltaram da Morte
>>> Novo Glossário de Informática
>>> Autoridad Espiritual
>>> A Paixão de Jesus nos Escritos Secretos- Evangelho de Nicodemos ( Atos de Pilatos) Descida de Cristo aos Infernos,Declaração de José de Arimatéia
>>> A Glória de Cristo-Uma Versão resumida e simplificada do clássico Meditações Sobre a Glória de Cristo
>>> The Principles of Spiritual Growth
>>> Gems From the Original
>>> The Disciplines of Life - Autografado
>>> Convent Life Unveiled - the Escaped and Converted Nun
>>> Green Leaf in Drought
>>> The Attraction of the Cross
>>> The Sensitivity of the Spirit
>>> A religião dos tupinambás
>>> O rio São Francisco, fator precípuo da existência do Brasil
>>> Fragmentos de cerâmica brasileira
>>> Introdução à arqueologia brasileira
>>> Economia e sociedade do Rio Grande do Sul Século XVIII
>>> Quebra-Quilos. Lutas sociais no outono do Império
>>> Vida e obra de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho
>>> Eça e o Brasil
>>> Cartas baianas 1821-1824
>>> Rio Branco
>>> À margem da História do Brasil
>>> O caminho do guerreiro
>>> Cem pequenas poesias do dia a dia
>>> O pau-brasil na história nacional
>>> Contos do Sol Renascente
>>> Lutas de famílias no Brasil
>>> Lutas de famílias no Brasil
>>> Mrs Dalloway
>>> Pais e Filhos
>>> Junta-Cadáveres
>>> Planeta 43/44
>>> A Contracultura
>>> Operação Cavalo de Tróia
>>> A Graça- O Infinito Amor de Deus
>>> Iniciação ao Tao pelo I Ching
COLUNAS

Sexta-feira, 2/11/2007
O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues
Rafael Rodrigues

+ de 18900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A decisão de escrever uma resenha sobre O óbvio ululante (Agir, 2007, 448 págs.), de Nelson Rodrigues, foi tomada assim que iniciei a leitura do livro. Os textos que o compõem, uma seleção da coluna "Confissões", publicados no jornal O Globo entre 1967 e 1968 (mais duas crônicas publicadas na coluna "Memórias", no Correio da Manhã, em 1967), são exemplos de que um escritor pode, sim, ser engraçado, melancólico, irônico e crítico ao mesmo tempo, em seus textos. A impressão que se tem, ao ler as crônicas de O óbvio ululante, é a de que no mesmo momento em que há esperança, não há por quê lutar. É como se um boxeador pedisse para seu treinador jogar a toalha, mas não a deixasse tocar o chão e voltasse à luta logo em seguida. Simplesmente incrível e inacreditável. Para tanto, é necessário ser gênio. E poucos podem ser considerados gênio. Nelson Rodrigues pode.

Ao avançar a leitura, um problema começou a se desenvolver. Como resenhar um livro que tem parágrafos e mais parágrafos merecedores de citação sem ficar angustiado por não poder citá-los todos? Afinal, é uma resenha, não uma reprodução do livro.

Difícil. Ainda mais quando lemos algo assim:

"O trágico da nossa época ou, melhor dizendo, do Brasil atual, é que o idiota mudou até fisicamente. Não faz apenas o curso primário, como no passado. Estuda, forma-se, lê, sabe. Põe os melhores ternos, as melhores gravatas, os sapatos mais impecáveis. Nas recepções do Itamaraty, as casacas vestem os idiotas. E mais: - eles têm as melhores mulheres e usam mais condecorações do que um arquiduque austríaco."

Isso foi escrito há 39 anos, minhas senhoras e meus senhores. 39 anos! E, nesse caso, Nelson fala do idiota que, segundo o Houaiss: "diz-se de ou pessoa pretensiosa, vaidosa, tola". Ele tinha razão quando escreveu a crônica e continua tendo hoje.

As crônicas reunidas no livro não se limitam à crítica social. Nelson Rodrigues faz comentários sobre amigos (Otto Lara Resende, Hélio Pellegrino, Vinicius de Moraes, entre outros), literatura, política, futebol e, é claro, sobre si mesmo. Aliás, dizer que Nelson escrevia "sobre si mesmo" é uma redundância, pois ele consegue, como ninguém, colocar-se inteiro em tudo que escreve, mesmo que aparentemente não esteja lá, no texto. Nelson Rodrigues não escrevia por escrever, ou para ganhar dinheiro (ele ganhava dinheiro com o que escrevia, o que é totalmente difentente de escrever para ganhar dinheiro). Nelson Rodrigues escrevia porque tinha de escrever. Porque precisava disso para manter-se vivo.

É mesmo impressionante como ele conseguia, em uma única crônica, falar sobre tantos assuntos. Em "Na escola pública, minha merenda foi uma só, imutável: - banana", Nelson começa falando sobre um amigo erudito: "E eu fico a resmungar, na irritação da minha impotência: 'Como sabe, como lê, como cita!'" Em seguida, faz uma crítica a essa obsessão do amigo pelo conhecimento ou pela quantidade de saberes: "Por tudo que sei da vida, dos homens, deve-se ler pouco e reler muito. A arte da leitura é a releitura." Depois, faz piada: "Certa vez, um erudito resolveu fazer ironia comigo: perguntou-me: 'O que é que você leu?' Respondi: 'Dostoievski.' Ele queria me atirar na cara os seus quarenta mil volumes. Insistiu: 'Que mais?' E eu: 'Dostoievski.' Teimou: 'Só?' Repeti: 'Dostoievski.' O sujeito, aturdido pelos seus quarenta mil volumes, não entendeu nada." E ensina: "Mas eis o que eu queria dizer: pode-se viver para um único livro de Dostoievski".

Linhas depois, Nelson lembra da infância, tema recorrente em suas "Confissões". É quando ele fala da banana que levava todos os dias para a escola, como merenda. E de quando ele teve vergonha da merenda. "No terceiro dia [de aula], comecei a ter vergonha da banana. (...) Ao mesmo tempo que me envergonhava da banana, tinha-lhe pena. Pena da banana. De vez em quando, faltava dinheiro em casa. Banana custava um vintém. E eu ia para a escola sem merenda. Na hora do recreio, rodava pelo pátio, errante e perdido de fome."

O tempo de escola não traz muitas boas lembranças a Nelson Rodrigues. E, arrisco dizer, talvez venha daí, desse tempo, a crueldade de boa parte de suas narrativas. Sua professora era terrível, uma megera que o fazia passar as mais variadas humilhações na frente de todos os colegas. Como no dia em que grita, diante de toda a classe: "Eu sabia! Eu sabia! Tem piolhos, lêndeas!"

Mais conhecido pelas peças e contos polêmicos (alguns ainda chamam seus textos de "amorais"), Nelson Rodrigues era, no fundo, um romântico: "Tudo é falta de amor. O câncer no seio ou qualquer outra forma de câncer. É falta de amor. As lesões do sentimento. A crueldade. Tudo, tudo falta de amor." Um homem que não tinha vergonha de sua sinceridade nem de sua própria história. Nelson não deixava de falar o que quer que fosse, de quem quer que fosse. Criticava e elogiava, sem demagogia, sem troca de favores.

Considerado por muitos como o maior dramaturgo da história do teatro brasileiro, Nelson Rodrigues é exímio prosador. Suas memórias em forma de crônicas em O óbvio ululante são prova cabal disso. Suas peças têm maior destaque por serem, até hoje, alvo de polêmicas. Mas sua prosa (mais especificamente suas crônicas e romances, já que os contos são bastante populares, justamente por também serem polêmicos) certamente terá o destaque merecido, cedo ou tarde. Nelson Rodrigues é um escritor completo, poderíamos dizer. Afinal, foi crítico, dramaturgo, cronista (social e esportivo), contista e romancista. E foi, no mínimo, bom em todas as vertentes. Não são muitos os escritores que podem se vangloriar de tal pluraridade.

Nelson Rodrigues pode.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 2/11/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Elon Musk de Julio Daio Borges
02. Ação Social de Ricardo de Mattos
03. Antes que seque de Guilherme Pontes Coelho
04. Ruy Proença: poesia em zona de confronto de Jardel Dias Cavalcanti
05. A biblioteca de C. G. Jung de Ricardo de Mattos


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2007
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. Os dois lados da cerca - 7/12/2007
04. História dos Estados Unidos - 29/6/2007
05. O homem que não gostava de beijos - 9/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/11/2007
15h49min
Também adoro esse livro, de um jeito esquisito, que não sei definir. Nelson é um "pulha" na maior parte das crônicas, pra usar uma expressão dele, mas é um amor, desperta encanto apesar de tudo de ruim que destila. Só mesmo ele pra ter coragem de escrever, numa das histórias que você cita, que sentia inveja do pão com ovo que escorria gema pela boca do colega. Um idiota jamais diria isso. Nelson é principalmente inteligente em seu "óbvio ululante" e a inteligência fascina. Apaixonante! Mas paixão não é muito racional, talvez por isso seja difícil falar sobre o livro, que expõe as confissões e invenções bastante humanas desse grande, corajoso escritor, retratista da vida como ela é...
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
5/11/2007
11h12min
Oi Rafa, compartilho com você a experiência de ter lido esta nova edição do livro, que, arrisco dizer, é uma das melhores coisas que já li. Sempre admirei Nelson Rodrigues, não apenas como dramaturgo, mas principalmente como cronista. E no universo das cronicas, O Obvio Ululante é uma obra singular.
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O HOMEM DA ATLÂNTIDA
ELISABETH LOIBL
MELHORAMENTOS
(2000)



NÃO MATEM AS FLORES
J. M. SIMMEL
NOVA FRONTEIRA
(1983)



POR ONDE VOCÊ ANDA?
MARY HIGGINS CLARK
RECORD
(2014)



NICAN MOPOHUA -A VIRGEM DE GUADALUPE
HERMANN MULTHAUPT E ELISABETH PRÉGARDIER
LOYOLA
(1989)



OBRA-PRIMA DE DEUS
F. BATTISTINI
UNIGRAF
(2002)
+ frete grátis



A ESTRANHA MALDIÇÃO
DASHIELL HAMMETT
ABRIL
(1984)
+ frete grátis



HEGEL
BENOIT TIMMERMANS
ESTAÇÃO LIBERDADE
(2005)
+ frete grátis



DE MÁQUINAS Y SERES VIVOS- AUTOPOIESIS- LA ORGANIZACION DE LO VIVO
HUMBERTO MATURAMA R . FRANCISCO VARELA G.
LUMEN
(2003)
+ frete grátis



O NEGOCIADOR
JOHN GRISHAM
ROCCO
(2009)
+ frete grátis



LOJA VIVA REVOLUÇÃO NO PEQUENO VAREJO BRASILEIRO
EDMOUR SAIANI
SENAC RIO
(2002)
+ frete grátis





busca | avançada
28869 visitas/dia
949 mil/mês

novo_trecho=This is the mail system at host shared-hm3562.email.locaweb.com.br. I'm sorry to have to inform you that your message could not be delivered to one or more recipients. It's attached below. For further assistance, please send mail to postmaster. If you do so, please include this problem report. You can delete your own text from the attached returned message. The mail system : Host or domain name not found. Name service error for name=look.locaweb.com.br type=AAAA: Host not found

Email_Trecho=regishackhoot@look.locaweb.com.br