A mentira crítica e literária de Umberto Eco | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
22864 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alexandre Grooves comemora Troféu Cata-vento, pré-indicação ao Grammy e lançamento no Japão
>>> Estreia de Pelas Ordens do Rei Que Pede Socorro comemora 20 anos do grupo O Buraco d'Oráculo
>>> Espetáculo 'As Filhas da Mãe' completa 35 anos.
>>> Bloco Fogo e Paixão faz a festa na Zona Portuária
>>> Papo Astral: guia astrológico para o leitor se conhecer melhor
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Feliz 2018
>>> Boa Vista
>>> O preço
>>> Você já atualizou sua história hoje?
>>> Sorvedouro
>>> Reter ou não reter
>>> O Peregrino
>>> Sismógrafos
>>> La ansiedad
>>> Barrados no baile
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A poesia concreto-multimídia de Paulo Aquarone
>>> Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
>>> O que vai ser das minhas fotos?
>>> A reforma agrária das idéias: os blogs
>>> E eu mais ainda!
>>> Os sem-celular
>>> Freud segundo Zweig
>>> Olímpica
>>> Metade da laranja ou tampa da panela?
>>> Preparar Para o Impacto
Mais Recentes
>>> Feras Futebol Clube - Ioiô o Que Dança Com a Bola Autor (a): Joachim Masannek
>>> T. l. osborn ( curai enfermos e expulsai demonios )
>>> A Dança
>>> Jessie Penn-Lewis ( Guerra contra os santos tomo 2 )
>>> Jessie Penn-Lewis ( Guerra contra os santos tomo 1 )
>>> A Educação pela Dança
>>> 101 Idéias Criativas Para Professores
>>> 21 Dias de Oração e Jejum Pelo Sertão
>>> Os Insondáveis Propósitos de Deus
>>> Natália Lessa
>>> Parceiros na Missão
>>> Um General Perto de Deus
>>> A Oração de Moisés
>>> Dulce Beltrão
>>> Adolescentes, pesquisa sobre uma idade de risco
>>> Turismo e Planejamento Sustentavel
>>> Turismo e Legado Cultural
>>> Vidas cruzadas
>>> Disney´s Pocahontas
>>> The world is made of Glass
>>> Medo da Vida
>>> Biologia Celular e Molecular
>>> Viagem a Inglaterra e Escocia
>>> Aventuras de Tom Sawyer
>>> Proyecto Lazaro
>>> O primo basilio
>>> Noticia de un secuestro
>>> GONE - Desaparecer - Livro 3
>>> A fraude do Efeito - Estufa
>>> Saga O Vampiro Rei - Bento - Livro 1
>>> Sapphique
>>> Freud
>>> Fallen Angels - Desejo
>>> O Cavalo Amarelo
>>> Conecte Filosofar Terceira Parte
>>> Tratamento de Concreto Armado: em 6 volumes
>>> A mansão Hollow
>>> Encontro com a morte
>>> E não sobrou nenhum - Edição de Bolso
>>> Tentada
>>> Conecte Filosofar-segunda Parte
>>> Os elefantes não esqueçem
>>> Veneno-Saga Encantadas
>>> Conecte Filosofia - Caderno de Competências
>>> A Princesa Apaixonada
>>> Como ser um pirata
>>> A Princesa sob os refletores
>>> Conecte Filosofia - Caderno de Revisão
>>> Vida Roubada
>>> Natal de Poirot
COLUNAS

Quarta-feira, 24/10/2001
A mentira crítica e literária de Umberto Eco
Paulo Polzonoff Jr

+ de 8200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Daniela Mountain

Agora não tem como adiar. O Baudolino (Record) aqui na minha frente, com sua capa azul, algumas anotações ao lado e um texto que insiste em não sair. Estou no limite do limite do meu deadline. Pergunto-me, porém, por onde começar a destruir o mito que se criou em torno de Umberto Eco. É uma constatação tão óbvia, essa, que me trava os neurônios. Ando um pouco pela saleta que me serve de escritório, vou tomar um café e volto para o computador. Bem, um parágrafo está escrito já.

Agora tenho de parar de fazer o leitor perder tempo. Começar a escrever sobre o livro. Faço-o, pois, contando a historieta de Baudolino, que a crítica inteira, sem exceções, elegeu já como livro do ano, antes mesmo de sair do prelo. Coisas de marketing, creio, sem querer crer. Bem, o livro de Umberto Eco, o mesmo autor de O Nome das Rosa e O Pêndulo de Foucault conta a história de um menino que mente e assim sobrevive. Grosseiramente é isso. Poderia dizer ainda que este menino se chama Baudolino, nome do santo padroeiro da cidade de Alexandria, na qual Eco nasceu. Poderia dizer ainda que este menino está empenhado em algumas missões, digamos, ilusórias, entre elas achar um reino perdido e encontrar o Santo Graal. Para completar o cenário, Baudolino, por força de sua mentira, vira um conselheiro do Sacro Império Romano, uma espécie de braço direito do imperador. Isso tudo porque, lembrem-se, ele mente.

Seria subestimar a inteligência dos meus leitores escrever o que vou escrever agora me achando o mais original dos resenhistas. Estou longe disso. Digo, porém, para que fique registrado. Baudolino é uma alegoria para a força que a palavra escrita, aliada à imaginação, tem num mundo de brutos. É pela palavra que Baudolino se faz e se safa, quando precisa. Pergunto aos meus leitores, contudo: onde está a originalidade de se dizer isso?

Umberto Eco faz uma coisa que todo mundo já adorara em O Nome da Rosa: mistura erudição (é como se convencionou chamar hoje em dia um conhecimento que vai um pouquinho além da cultura de massa) com entretenimento. Não sei por quê, os resenhistas acham que isso é assim uma espécie de ousadia pós-moderna. E dá-lhe elogios a Eco.

A mim me parece inútil afirma o que afirmo neste texto, contudo, faço-o, antes por tédio do que por achar que vai de alguma coisa adiantar. Umberto Eco é uma mentira, assim como seu Baudolino. Como escritor de ficção, afirmo. Seus ensaios são bastante interessantes e recomendáveis, mas considerá-lo o melhor escritor dos últimos vinte anos, como fez a revista francesa Lire, é algo que extrapola minha capacidade de compreensão.

Tenho uma pista, no entanto. Algo me diz que Umberto Eco, assim como Borges, é um destes escritores que todo intelectual sem talento gostaria de ser e, em encantando-os, encanta os resenhistas, que por sua vez admira os intelectuais que não são de fato. Nesta cadeia de encantamento é que se forjam mitos literários que, espera-se, não sobrevivam muito mais a seu tempo.

Umberto Eco foi feito sob medida para as faculdades, para os estudantes entusiasmados com digressões sobre a Idade Média, com mapinhas de época. Ora, no fundo, a literatura de Eco, cravada em algum lugar da Idade Média, não é nem mais nem menos que uma história de cavaleiros e damas e ogros e fadas e elfos em bosques e pântanos encantados. Só que tem aquela “aura” de erudição.

Dizem que é errado, mas gosto de fazer comparações. E lendo Baudolino pensei na grande literatura de um tempo que não o nosso (ao menos que não o meu). Já naquelas primeiras páginas do romance, que tentam resgatar um italiano original, por assim dizer, numa mistura de dialetos com latim, lembrei-me de Guimarães Rosa, que jamais fez conjecturas sobre a origem do nosso português em seus romances. Apenas escreveu-os, adicionando elementos antigos daqui, modernos dali, inventando acolá. E foi o criador de um universo que não pertence a nenhum período histórico facilmente datável. É um sertão de ontem, de hoje e de amanhã, o de Rosa. Depois, lendo aventuras de Graal e reinos perdidos, pensei em Swift, em como Swift criava alegoria simples sem recorrer a um possível conhecimento sobre eras passadas. Por fim, pensei até em Borges, que, quando não erudito, criava sua erudição — se bem que entediando a alguns, como a mim.

Ao fim do livro, cheguei à mais nítida percepção de que O Perfume, de Patrick Süskind, este sim é um grande romance. Porque ri de pretensos homens de saber que popularizam o conhecimento de suas torres de marfim com intrincados jogos de quebra-cabeça detetivescos, numa mistura pseudo-moderna de Agatha Christie com, para usar uma figura brasileira, Houaiss.

Olha que boa idéia, para estimular a leitura de dicionários, segundo os preceitos dos romances ecoanos: dicionários que sejam escritos na forma de romance. Um grande romance em muitos volumes, tipo Harry Porter, dividido em capítulos breves que são também verbetes e que vão se costurando através de uma historieta qualquer.

Irritante é este lavapé dos resenhistas. Lendo Baudolino e me lembrando principalmente de O Nome da Rosa, pensei em como é badalado o escritor italiano. Os dois romances históricos de Eco não passaram pelo rigoroso (hahaha) crivo da nossa crítica especializada que, numa situação semelhantíssima, sobre o livro de Ruy Tapioca, A República dos Bugres, disse que “o romance histórico reflete certa falta de imaginação do escritor”. Ora, poupe-me.

Ainda há o senão do público. Gente que compra Umberto Eco só para cobrir-se de verniz cultural. Eu já cansei de ver estas pessoas e tenho certeza de que o freqüentador assíduo de bibliotecas ou livrarias também. Gente que pede Umberto Eco com pompa de quem está comprando Patek Phillip. Gente que lê Umberto Eco com a pompa de quem tem a Caras na mão. E coisas do gênero. Eco foi feito sobre medida para certa elite econômica que faz questão de virar a cara para coisas infinitamente melhores que aqui mesmo se faz.

Ah, sim, mas Umberto Eco é sinônimo de semiologia, não se pode esquecer. E não se pode esquecer também que semiologia, no Brasil, é sinônimo da mais elevada das inteligências, que a nós, leitores pobres e mortais, só é dado o direito de se curvar.

O livro de Umberto Eco nada mais é do que um Pinóquio contemporâneo. Cheio de mentirar, frases feitas e uma inteligência mastigada, onde falta sobretudo ironia e sutileza. Um ensaio, em suma, pontilhado por um romance detetivesco. Uma paródia do que se tornou o saber no século 21.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 24/10/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
02. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
03. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio
04. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro
05. Meu querido mendigo de Elisa Andrade Buzzo


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/4/2002
22h21min
Aleluia! Finalmente encontrei o artigo que eu procurava há meses sobre o homem! Quem tem semi-ótica, jamais vai ter a ótica inteira. E quem se limita a ECOS jamais terá acesso a consistência das autenticas VOZES. Se é que vocÊ me entende...
[Leia outros Comentários de Carlos Ribeiro]
1/6/2009
21h41min
Chame-me do que quiser, mas adorei "O nome da rosa". Achei genial. Apesar da sua "simpática" crítica, voltarei a ler livros do senhor, pois tenho certeza que é muito melhor do que você o pinta. Este é provavelmente (ainda não li o "Baudolino") um dos casos para se aplicar a seguinte frase de Oscar Wilde: "quando li o crítico odiei o livro, quando li o livro odiei o crítico".
[Leia outros Comentários de Catarina Garcia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CATEDRAL DO MAR
ILDEFONSO FALCONES
ROCCO
(2006)
R$ 50,00



THE DREAMING O REINO DOS SONHOS ESPECIAL O JULGAMENTO DE CAIM
LEN WEM BRIAN APTHORP
VERTIGO
(1999)
R$ 20,00



O TEATRO DE ANTONIO ROCCO (TEATRO BRASILEIRO)
ANTONIO ROCCO
IMPRENSA OFICIAL
(2009)
R$ 7,00



DIA DE CONFISSÃO
ALLAN FOLSOM
ROCCO
(2004)
R$ 23,10



HERMANDAD DE BORDADORAS Y TEJEDORAS DE BELÉN Y GIGANTERÍA - EM ESPANHOL (BONECOS E CULTURA POPULAR EM CUBA)
SILVANA GARRIGA (ORG.)
EDICIONES BOLOÑA - CUBA
(2009)
R$ 25,00



NO CAMINHO DE SWANN
MARCEL PROUST
ABRIL
(1979)
R$ 15,00



UM LIVRO FORJADO NO INFERNO- O TRATADO ESCANDALOSO DE ESPINOSA E O NASCIMENTO DA ERA SECULAR.
STEVEN NADLER
TRÊS ESTRELAS
(2013)
R$ 29,99



OS ORIXÁS - OMOLU/OBALUAIÊ
CARLOS LOMBARDI
TRÊS
R$ 12,00



PANGERMANISMO E NAZISMO. A TRAJETÓRIA ALEMÃ RUMO AO BRASIL
MARIONILDE BREPOHL DE MAGALHÃES
UNICAMP
(1988)
R$ 45,00
+ frete grátis



A LÓGICA DOS ORIENTAIS- HENRY CORBIN E A CIÊNCIA DAS FORMAS
CHRISTIAN JAMBERT
GLOBO
(2006)
R$ 17,60





busca | avançada
22864 visitas/dia
1,0 milhão/mês