Chinese Democracy: grande disco | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
Mais Recentes
>>> The Jungle Book de Walt Disney pela Ladybird Books Limit (1996)
>>> Vibrações de Harmonia e Prosperidade de Antônio Carlos Rocha pela Pallas
>>> The Berenstain Bear Scouts and the Terrible Talking Termite de Stan & Jan Berenstain pela Scholastic Books (1996)
>>> Carassotaque de Alfredo Aquino pela Iluminuras (2008)
>>> Prevenção dos Problemas de Aprendizagem no Pré-escolar de Eny Léa Gass pela Enelivros (1994)
>>> Renovando Atitudes de Francisco do Espíto Santo Neto - Espírirto Hammed pela Boa Nova (1997)
>>> Pelos Caminhos da Verdade de Márcio Fiorillo pelo Espírito Madalena pela Lúmen Editorial (2010)
>>> Os Grandes Líderes - Fidel Castro de John J. Vail pela Nova Cultural (1987)
>>> Playboy n60 Angelina Muniz - julho 1980 de Civita pela Abril (1980)
>>> O Zahir de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Olhar Acima do Horizonte de Luiz Alberto Py pela Rocco (2002)
>>> Psicanálises de Ontem e de Hoje - o Poder da Mente Humana 2 de Henri Gratton pela Loyola
>>> A Aparição de José Mauro Silva Dias pela Faer
>>> Nove Meses na Vida de uma Solteirona de Judith Rossner pela Record (1969)
>>> Homens Duas Sátiras e uma Fábula de Marilia Pacheco Fiorillo pela Arx (2004)
>>> Matemática 1 - Versão Beta de Edwaldo Bianchini e Herval Paccola pela Moderna (1995)
>>> Minha História : um Diário para Encontrar Sua Voz de Michelle Obama pela Objetiva (2019)
>>> Assis Brasil - um Diplomata da República Volume I de Alvaro da Costa Franco (org.) pela Fundação Alexandre Gusmão (2006)
>>> Fundamentos Socioantropologicos da Educação de Alexandre Vieira pela Fael (2013)
>>> Revista Guitar Player Janeiro de 2010 de N/d pela Melody
>>> Problemas Penais Concretos de Miguel Reale Júnior pela Malheiros (1997)
>>> Presentes da Natureza de Dione Mendes de Melo pela Do Autor (1998)
>>> Mães Confiantes, Filhos Realizados de Catherine Hickem pela Thomas Nelson Brasil (2010)
>>> Contabilidade para Concursos de Airto Ferronato pela Sagra (1989)
>>> Nações do Mundo - Israel de Vários Autores pela Cidade Cultural (1987)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/2/2009
Chinese Democracy: grande disco
Rafael Fernandes

+ de 8700 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Avacalhado por ouvidos apressados e preconceituosos, Chinese Democracy é ótimo. É meu disco de rock do ano passado e um dos melhores álbuns do estilo dos últimos 17 anos. Comparando com os outros lançamentos do Guns N' Roses, tem mais qualidades que a dupla de Use your illusion. E talvez não tenha a urgência ou o momento do Apettite for destruction, mas é melhor elaborado, menos clichê e mais interessante musicalmente. Não é pouca coisa, mesmo levando em conta as supostas controvérsias de tempo e dinheiro na sua elaboração ― que, no final das contas, são abstraídas quando o produto final tem excelência. É perceptível que o disco é honesto e feito com tesão. Tem influências diversas com resultado sonoro atemporal, que se não é algo absolutamente novo, não encontra semelhantes na música de hoje. Os arranjos são muito bem cuidados, o instrumental é impecável e as melodias, marcantes. Parece ter sido planejado como disco, não como um punhado de canções ― a brilhante sequência "Catcher in the rye", "Scraped", "Riad n' the Bedouins" e "Sorry" e o belo final mostram isso. Foi um projeto de vida, muito bem pensado ― apesar de às vezes até demais.

Nele há um toque de megalomania. E isso é bom, num momento acomodado do rock. Outro mérito é o arrojo e a capacidade de subverter o que se esperava da banda. Apresenta ótimas canções e diversas surpresas a cada audição. Não vou deixar de admirar um artista que, com todos os seus defeitos, dificuldades e bizarrices coloque tanto sangue e paixão num projeto. Uma palavra pode definir esse disco: grande. É um grande disco, soa grande. Um fato curioso e não proposital dele é que, com as músicas novas tocadas ao vivo e com o vazamento de faixas (uma ou outra até em mais de uma versão), a evolução sonora das músicas e do disco foi acompanhada por alguns fãs. É um fato inédito, ainda que de maneira não convencional, muito menos oficial.

"Chinese democracy" abre o disco, é a faixa-título, tem o riff mais "identificável", mas não é uma boa indicação do que vem depois. As melodias são regulares e a canção não tem grandes variações. Ao menos é consistente e o arranjo caprichado ajudou a destacá-la. Se não é um começo fantástico, ao menos deixa a pulga atrás da orelha pelas faixas seguintes. O solo de guitarra, o grande achado ao lado dos vocais, é uma amostra significativa de que o nível de guitarras que vem a seguir é altíssimo, de qualidade e vanguarda. É um disco que tem solos memoráveis, sejam virtuosos ou melódicos.

"Shackler's revenge" é um rocker empolgante e direto. É pop e pesada. De estrutura simples, começa com uma patada de guitarras (sim, é guitarra, não é "eletrônica"). Baixo e bateria soam coesos, o refrão é marcante e a ponte, grudenta ― e quase dançante. Axl começa a mostrar melhor sua evolução vocal, com vozes e interpretações distintas na música, tanto num registro bem grave como no agudo. O solo, de Ron Thal, é transgressor e já é um dos meus favoritos. Assusta quem espera uma melodia reconhecível, mas é espetacular. Tem uma estrutura lógica bem definida de começo, meio e fim (para os interessados, a primeira parte também é feita numa guitarra fretless, ou sem trastes, como num violino).


Ouça um trecho de "Better"

Vejo "Better" como a melhor música já feita por qualquer formação do Guns N' Roses. Conseguiu, inclusive, desbancar algumas de minhas antigas favoritas. Começa com um riff brilhante que une dissonância a uma melodia simples. Esse início é um anticlimax para a entrada da música, uma porrada, com uma parede de guitarras de rítmica em contratempo e memoráveis e arrebatadoras linhas vocais de Axl ― é um dos melhores momentos de sua carreira. A letra tem grandes passagens como "tão agridoce essa tragédia não tem absolvição/ essa melodia dentro de mim ainda busca solução". Em seu solo principal, Buckethead dá um toque de insanidade à música. "Better" consegue ser pesada na medida certa e ainda ter um suingue irresistível. A parte final da canção reapresenta a base inicial e isso poderia soar repetitivo, mas o solo inspirador de Robin Finck (co-autor da canção), os coros e a melodia alterada dão outra dimensão à música, proporcionando um final apoteótico.

"Street of dreams" é uma música com várias alternativas e boas melodias. Vai e volta, da balada ao rock, deixando uma sensação ao mesmo tempo reconfortante e dramática ― musicalmente representa bem a resignação exposta na letra. Outro solo de Finck que é candidato a clássico: muito bem construído e de bom gosto. O competente baixista Tommy Stinson tem aqui um de seus melhores momentos, com belas e elgantes linhas baixo, com destaque à parte final, com ecos do McCartney ― era Beatles. Buckethead acompanha bem Axl no solo no desfecho da canção, dando outros contornos à boa letra.

"If the world" é a mais leve e despretensiosa canção do álbum e um caldeirão de informações: funkeada, apresenta guitarras de timbres gordos, inclui algumas batidas eletrônicas e teclados, tudo isso acompanhado de tempero oriental. É a cara do caos de referências do mundo de hoje. É descarada e irresistivelmente pop e como tal se sustenta pelo suingue e pela melodia cativante. Chris Pitman se destaca como co-autor e no instrumental, com bons teclados e um baixo com presença. Como de praxe no disco todo, Buckethead faz um ótimo solo.

Já "There was a time" é um das faixas mais densas. Sem concessões, é a mais longa do disco. Se aproxima do rock progressivo ― ainda que esteja longe disso. Pode parecer uma confusão de informações, mas há um propósito nisso tudo. Seu contexto de melodia, harmonia e instrumentação é de caos sonoro. Na letra, mais do que uma história ou rimas, há uma série de pensamentos jogados, quase desconexos ― e faz todo o sentido para a música. O arranjo todo é excepcional, numa música que evoca diferentes imagens.


Ouça um trecho de "Catcher in the rye"

O contraponto perfeito à densidade musical da música anterior é "Catcher in the rye", meio balada, meio rock, com um andamento no ponto exato ― deliciosa. Já a letra, de boas observações, vai mais fundo e fala sobre o assassino de John Lennon: "se eu soubesse que era louco teria me divertido mais". Após um pequeno interlúdio de teclados surge um solo matador de Ron "Bumblefoot" Thal, de uma fluência incrível. Há também bons vocais de apoio de Axl.

Em "Scraped" um belo arranjo vocal abre caminho para um riff que parece um carro acelerando ― uma boa mostra do trabalho de guitarra da faixa: contínuo e num vai e volta. Axl aparece duelando com ele mesmo em mais uma grande performance. O refrão empolga e fica mais interessante quando nele aparecem algumas citações do riff principal. Ron Thal faz mais um trabalho brilhante no solo, contando uma história, com interpretações distintas e observações muito bem sacadas. Usa de virtuosismo preciso, é melódico no momento certo e faz uma conclusão soberba. Grande música.


Ouça um trecho de "Riad n' the bedouins"

Com riffs esmagadores e que quase não param durante toda a música, martelando as caixas de som, "Riad n' the bedouins" soa agressiva. E ainda aparecem aqui e acolá algumas guitarras bem funkeadas. É quase um massacre de ótimas guitarras. Em seu solo Bumblefoot apresenta um bom humor raro aos guitarristas. Axl despeja todo seu vigor em frases difíceis e de grande alcance vocal ― o momento em que canta "sweet salvation" é otimo. A bateria de Brain é incisiva e variada, num arranjo que é creditado ao ótimo Josh Freese. O baixista Tommy está excelente, acompanhando as guitarras nos riffs e dando suporte ao ritmo no refrão, numa música sua em parceria com Axl.

"Sorry" é boa de ouvir, bem fluída e uma das músicas de estrutura mais simples do disco. As melodias são excelentes e no refrão há uma discreta, mas boa participação de Sebastian Bach nos coros. A letra, no início, parece ser o ponto fraco: banal, sem grandes achados. Mas quando Axl canta "Você sabe onde colocar seu 'cale a boca e cante'" ou "É mais difícil viver com a verdade sobre você do que com as mentiras sobre mim" a história ganha outro sentido. O solo é cortante, de belas melodias, com uma pegada de blues no começo e uma finalização singela, quase infantil.

As guitarras, as melodias vocais e as variações musicais entre a agressão e a serenidade são os pontos altos de "I.R.S", uma canção sobre um amor perdido que incrivelmente cita imposto de renda e FBI. Na parte final da música acontecem alguns "duelos" de bases de guitarras: uma do lado esquerdo e outra do lado direito, que dão peso e dinâmica à música. Uma boa canção, sem grandes pretensões e que faz sentido no contexto do álbum. É chover no molhado dizer que o solo de Buckethead é muito acima da média.

"Madagascar" começa quase como uma marcha fúnebre com os teclados e termina com uma variação da melodia inicial, executada com uma trompa, que dá um clima ainda mais soturno à música. O sentimento é de desencanto também na letra, que poderia ser um hino sobre todos os problemas, mudanças e demora deste disco. "This i love" parece ser uma das favoritas dos fãs e é candidata a hit. Cuidado: ela pode agarrar nos seus ouvidos sem avisar. Faz todo o sentido no conceito do álbum, é extremamente pessoal, épica (no melhor sentido), tem Axl apresentando uma melodia para poucos ― sinuosa e difícil ― e um solo de guitarra magistral. Mas não dá pra negar que tem uma boa dose de breguice, um excesso de afetação com seu arranjo pomposo demais e piano à la Broadway.


Ouça um trecho de "Prostitute"

Chegamos, então, a "Prostitute", o final ideal para o álbum. Cinematográfica, apresenta uma explosão de guitarras, em que Axl brada: "por que me dizem para agradar os que riem da minha cara?". É uma das letras mais significativas do disco, com outros bons achados, quase declarações, como "pergunte a si mesmo por que eu deveria me prostituir para viver com fortuna e vergonha". Destaque (de novo!) para a intervenção final de Buckethead, catártica, que culmina num piano acompanhado por cordas, que seguem sozinhas, dando um clima doce e plácido, como um contraponto à fúria das guitarras. A sensação final é de procurar o play para ouvir novamente esse trabalho excelente, que fica ainda melhor a cada ouvida.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 25/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Doutor Eugênio (1949-2020) de Julio Daio Borges
02. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
03. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
04. Eu blogo, tu blogas? de Fabio Gomes
05. Sarkozy e o privilégio de ser francês de Celso A. Uequed Pitol


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2009
01. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009
02. A Crise da música ― Parte 1/3 - 25/3/2009
03. Chinese Democracy: grande disco - 25/2/2009
04. A Crise da música ― Parte 2/3 - 29/4/2009
05. A Crise da música ― Parte 3/3 - 8/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/2/2009
10h41min
Bom texto. Eu destacaria ainda mais o trabalho dos guitarristas - afinal, qual foi o último disco a trazer tantas boas ideias em solos sem parecer querer ser moderninho?
[Leia outros Comentários de Bruno do Amaral]
25/2/2009
14h15min
Ótima resenha, parabéns. "Chinese" é o melhor álbum de rock lançado nos últimos anos, agora é aguardar para conferir ao vivo.
[Leia outros Comentários de Wesley Luiz Guimarãe]
28/2/2009
18h25min
Só uma coisa a dizer: perfeito!!! Abraço!
[Leia outros Comentários de Alexander]
28/2/2009
22h33min
Parabéns pelo texto. Sou fã do Guns, porém sou mais fã de música, e o que eles fizeram em "Scraped" foi fenomenal.
[Leia outros Comentários de Willy Lima]
1/3/2009
13h36min
Bela matéria! Chinese Democracy: it's amazing!
[Leia outros Comentários de Mystery Woman]
10/6/2011
23h32min
Acho o Chinese fantástico! Quase não lembra o que o Guns foi no passado, por isso acho que teve uma repercussão negativa. Eu que ainda não tinha nenhum cd físico do GnR, baixei, gostei e comprei na mesma semana. Lembrei de quando mostrei This I Love pra uma amiga e ela chorou, hauha.
[Leia outros Comentários de Bruna Andrade]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Melhorando Sua Memória
Janet Fogler
Madras
(2010)



Quando Chega a Hora
Zibia Gasparetto
Vida & Consciência
(1999)



Das Pirâmides aos Ciborgs
Gilberto Chaves da Silva
Fraternidade do Amor
(1997)



20 Histórias Escolhidas
Luis Fernando Veríssimo
O Dia
(1998)



Descaso do Acaso
Andréa Perdigão
Europa Livro
(2013)



Nova Perspectiva Sistêmica 44 - Dezembro de 2012 - Ano XXI
Vários Autores
Revista Nps
(2012)



39 Lei 8.112/90 Regimento Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União
José Antônio Severino
Máaxxima
(2003)



Compreender e Transformar o Ensino
J. Gimeno Sacristan
Artmed
(2007)



Cartas a um Jovem Publicitário
Roberto Duailibi
Alta Books
(2017)



Da Ética à Ética - Minhas Dúvidas Sobre a Ciência Econômica
Cristovam Buarque
Ibpex
(2012)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês