É possível conquistar alguém pela escrita? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
35394 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo 'As Filhas da Mãe' completa 35 anos.
>>> Bloco Fogo e Paixão faz a festa na Zona Portuária
>>> Papo Astral: guia astrológico para o leitor se conhecer melhor
>>> JORNALISTA REESCREVE CONTOS DE FADAS À BRASILEIRA
>>> Aspirando & Expelindo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> O preço
>>> Você já atualizou sua história hoje?
>>> Sorvedouro
>>> Reter ou não reter
>>> O Peregrino
>>> Sismógrafos
>>> La ansiedad
>>> Barrados no baile
>>> Fluxogramas
>>> Fio de Eros II
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Cultura pop
>>> O Paciente Steve, de Sam Lipsyte
>>> Deus não é Grande, de Christopher Hitchens
>>> Para pecar, vá de manga
>>> Para pecar, vá de manga
>>> Samba da benção
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> Do maior e do melhor
>>> Eumeswil, de Ernst Jünger
Mais Recentes
>>> A odisséia da vida
>>> Napoleão Ataca Outra Vez
>>> Artemis Fowl - O Menino Prodígio Do Crime
>>> Atrás do espelho
>>> Como Gerenciar Seu Chefe
>>> 60 Verdades para administrar sua carreira
>>> Nana Nenê
>>> A Vendeta
>>> A República
>>> Escola Preparatória de Piano Op. 101
>>> Japonês o melhor guia de conversação
>>> 1º Centenário da Morte de Chopin
>>> Japonês Português expressões idiomáticas
>>> Aprender a viver filosofia para os novos tempos
>>> Quem mexeu no meu dinheiro ?
>>> Todos os nomes do mundo
>>> Jack definitivo segredos do executivo do século
>>> Pitágoras- Português- livro 10
>>> O Falso Câncer
>>> Os Pulmões e a Respiração
>>> Oomoto- A Vida de Nao e Onisaburo Deguchi
>>> Crime e Castigo - Dostoiévski (Literatura Russa)
>>> Viagem ao céu/O saci - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Histórias de Tia Nastácia - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Fábulas - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> A chave do tamanho - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> O poço do visconde - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> História do mundo para crianças - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Caçadas de Pedrinho/Hans Staden - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> A reforma da natureza/O minotauro - Monteiro Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Soluções positivas da Política Brasileira - Pereira Barreto (Política)
>>> Avaliação do Doente - Coleção Modernas Técnicas de Enfermagem
>>> Solo de clarineta
>>> O romance das equações algébricas. A história da Álgebra.
>>> Proteger e Defender
>>> Revolta em 2100
>>> A justiça de Caim
>>> Mulheres que atraem os homens e mulheres que os afastam
>>> O Ateneu
>>> Uma Breve História do Mundo
>>> Saga Crepúsculo - Com 5 Livros (Português) Capa Comum - Box set, 1 jan 2013
>>> 1822 - Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil - um país que tinha tudo pra dar errado.
>>> 1889 - Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a Proclamação da República no Brasil
>>> A Coroa, a Cruz e a Espada - Lei, ordem e corrupção no Brasil
>>> Capitães do Brasil - A saga dos colonizadores
>>> Náufragos, Traficantes e Degredados - As primeiras expedições ao Brasil
>>> A Viagem do Descobrimento - Um olhar sobre a expedição de Cabral
>>> História do medo no Ocidente 1300-1800. Uma cidade sitiada
>>> Virginia Woolf - Uma Biografia
>>> Histórias para assustar o Mão Branca
COLUNAS

Sexta-feira, 21/1/2011
É possível conquistar alguém pela escrita?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 8800 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Foi durante a leitura de um livro de Ricardo Piglia que essa pergunta me intrigou. Era uma leitura de férias, depois de meses paquerando aquele livro em cima da mesa. Comprei o volume numa loja depois de tempos com aquele título na cabeça. Por sua vez, O último leitor havia sido sugestão de alguém ou dica retirada de alguma revista que andei lendo. Uma coisa puxou a outra e lá estava eu, sentada na cama, de costas para o Sol, lendo Piglia. O que ele dizia era que, sim, é possível conquistar alguém por meio da escrita. A letra, a palavra, o discurso... amoroso, ou não. O debate, as ideias, a inteligência. Isso são porções de uma paquera. E o texto de Piglia se baseava numa questão vivida por Kafka, seria ele? Sim, o diálogo dele com o amigo Max Brod. Seria possível conquistar uma mulher tendo a escrita como intermediária? Interface, veículo, canal, que nome isso tenha. A moça era Felice, um grande amor de Kafka, vivido na escrita, pela escrita, sem interrupções.

De outro lado, a lamparina. Quem escreve sob a luz da lamparina hoje? O abajur, o candelabro, o lustre. Cá estou eu sob a luz fria (mais econômica). O escritor sustentável. Este é meu personagem. Kafka queria apenas saber se a vida conjugal poderia, por algum momento, ser conciliada com a vida de escritor. O grande problema são as interrupções. Como é possível escrever uma obra, se se é interrompido a todo instante? Chamados, pedidos, socorros, reclamações, lamentos, lamúrias, carências, "me ajude", "venha ver", "venha ouvir", "olha só", "amor!". Quem escreve algo a par dessa sabotagem? Claro, amorosa, mas sabotagem. Quem entende a concentração de um escritor em ato?

A escrita pode ser análoga ao mitológico canto da sereia. Quem não leu as aventuras de Ulisses (Odisseu) que leia. A escrita cria personagens, ficções, protagonistas e antagonistas, inclusive em cartas e e-mails. A escrita cria avatares. Sim, novas identidades sob as quais muitos vivemos. Aquelas aulas sobre o narrador, sobre o eu lírico, indecifráveis... não eram mero delírio de professores loucos por provas bestas. Os avatares são construções do discurso. E eles seduzem não apenas os outros, os leitores, com quem se interage, mas costumam nos seduzir a nós, que os criamos e neles cremos, neles vivemos, inclusive sendo, neles, muito mais do que realmente somos (ou ao menos diferentes). As simpatias, os escrúpulos, o tom e as memórias narradas de um avatar (personagem) são, em grande medida, romances e ficções.

Não raro eu mandava cartas. Coleciono ainda algumas, as que restaram dos diálogos que emendei sem interrupções. Nem todas geraram avatares muito diversos de mim, mas isso não foi incomum. O que podem fazer os e-mails? Unir e desunir. O que podem fazer os diálogos virtuais nos chats? Nos microblogs? Tudo. Contam histórias inteiras, nem sempre verdadeiras. E lá vem o último leitor criar ficções em torno de avatares.

Tenho certeza de que Kafka conquistou Felice por meio de sua escrita. E ela a ele. Quem escreve gosta de respostas. Há então um duelo de textos, uma esgrima intelectual que passa a contar uma história. Não são poucas as pessoas que se apaixonam por narradores. Não me lembro de muitas ocorrências, mas chorei pelo fim da narração de Riobaldo. Não era ele, não era Rosa, não eram eles, mas seu modo de escrever. Era Etienne, de Zola, que me parecia ter uma voz dura de quem me narrava aquelas histórias da mineração.

Eu narrei, várias vezes, de um jeito que não sou eu. Nem sempre me reconheço nas narrativas que conto. Cada um, a seu modo, constrói um personagem que, às vezes, se confunde comigo. E era comum me chamarem pelo título de um dos meus livros, Perversa, inclusive esperando de mim que eu me vestisse como uma lenda. E nem bem era eu.

Frequentemente, eu era conquistada pela inteligência dos outros. Em alguns casos, fui conquistada até o amor mesmo. Não apenas uma admiração de superfície, mas um gosto absurdo pelos textos de outrem. As distorções linguageiras de que o narrador/a pessoa era capaz, um virtuosismo que me empolgava. Não foi raro o texto vir antes das pessoas. E era uma espécie de cartão de visitas ou mesmo de presença diária. Uma imensa honra saber que eu inspirara algo. Maior presente do mundo. Ser personagem, ser musa, ser causa e consequência. Mesmo quando a motivação era ódio e delírio. Fricção, urgência sexual, quando eu li o texto do narrador em público e ele estava na plateia, não exatamente o narrador, mas o escritor. Sedução e provocação. Ao mesmo tempo, imenso incômodo ouvir meu texto em outra voz, nem sempre no ritmo que eu quis dar. Presente, alucinação ou desejo. A escrita continua lá e cá, entre a luz e os lampejos. Não se brinca com quem escreve bem. Não se troca carta ou e-mail com quem arremata prêmios apenas com lances de verbo. É risco, na certa.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 21/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A polícia militar e o atentado à democracia de Gian Danton
02. Quando a Páscoa chega ao Sul de Celso A. Uequed Pitol
03. Dark (k)night rises de Marilia Mota Silva
04. A música clássica ensurdece a democracia caótica de Wellington Machado
05. Recortes da paisagem: a fotografia de Rei Santos de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Pressione desfazer para viver - 17/6/2011
05. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/1/2011
22h23min
A literatura revela o interior de quem escreve, e a forma como estabelece um texto é, na verdade, a forma de grafar a sedução através das palavras.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
24/1/2011
10h55min
O escritor chama de avatar, "outro ser", personalidades flutuantes, ou qualquer nome que diga que o escrito não é dele, mas de "alguém". Será sempre assim, o ato de escrever!? Inspirar-se em quem, afinal? Neles, os "fantasmas" que rondam e querem aparecer? Um grande "dom" ou simplesmente um "ator" de personagens, transcritos da mente ensandecida e colocada em letras para entendimento geral? Mas se nem o "autor" sabe, como pode dizer o que é? Escritor, cuidado. Não se fie em personagens. Todos eles são estranhos. Parabéns, Ana Elisa. Agora é tarde, você já foi conquistada. Quando puder, nos diga todos os segredos. Deles. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
25/1/2011
15h40min
Acho que conciliar casamento e escrita não é problema! Machado de Assis, Drummond, Victor Hugo, Dostoiévski... Todos eles foram casados e ótimos escritores! Inclusive, suas mulheres eram um ponto de ajuda e apoio para que eles pudessem escrever - principalmente para Dostoiévski. Sobre criar avatares, isso se dá. Mas nem sempre! Às vezes é só nossa Síndrome de Zuckerman trabalhando.
[Leia outros Comentários de Melquisedec Ferreira]
21/12/2011
16h30min
Bom artigo, este, pra refletir sobre esta questão de seduzir via palavra. Acredito piamente que é possível seduzir só com palavras e textos sim. Há um grude erótico (inconsciente, acredito eu, na maior parte do tempo) no que os grandes escritores escrevem. O curioso é que, na vida real, esses tipos verbalmente sedutores podem não sê-los fisicamente, podem até mesmo ser caladões, taciturnos e nada atraentes. Isso me faz pensar no que disse Proust, que a ficção é produto de um Eu que nada tem a ver com o Eu social. Seduzimos com a arte e podemos ser fiascos como sedutores na realidade. De qualquer modo, é bom que seja assim, pra que o complexo de onipotência dos criadores literários - cuja vaidade não pode ser subestimada - seja freado e uma sobriedade e uma humildade necessárias se instalem em seus egos.
[Leia outros Comentários de francisco lopes]
29/1/2012
19h45min
O texto remete-me (estamos em uma teia) à obra "A louca da casa", da jornalista e escritora espanhola Rosa Montero. Belíssima crônica sobre o trabalho da imaginação, da ficcão, da arte narrativa.
[Leia outros Comentários de Rose]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PLANETA 47
VÁRIOS
TRÊS
(1976)
R$ 16,10



O FUNDADOR DO CRISTIANISMO
C. H. DODD.
PAULINAS
(1977)
R$ 29,90



CENTRO CIRÚRGICO (GUIAS PRÁTICOS DE ENFERMAGEM)
MERCEDES ARIAS LÓPEZ E MARIA DE JESÚS REDONDO
MCGRAW HILL
(2002)
R$ 15,00



O PODER DA PACIENCIA
M.J.RYAN
SEXTANTE
(2003)
R$ 5,00



MARKETING BÁSICO UMA VISÃO GERENCIAL - VOLUME 2
E JEROME MC CARTHY
ZAHAR
(1978)
R$ 10,00



A MÃO ESQUERDA DA ESCURIDÃO
URSULA K. LE GUIN
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 21,00



O LÓTUS E A CRUZ
RAIMUNDO CINTRA
PAULINAS
(1981)
R$ 15,00



O BOBO / O ARCO DE SANTANA - GRANDES ROMANCES UNIVERSAIS VOL. 10
ALEXANDRE HERCULANO; ALMEIDA GARRETT
W. M. JACKSON INC.
(1950)
R$ 10,00



CONTOS POPULARES DE PORTUGAL (LITERATURA PORTUGUESA)
JOSÉ VIALE MOUTINHO
AQUARIANA
(2012)
R$ 15,00



BAHIA DE TODOS OS SANTOS
JORGE AMADO
RECORD
(1983)
R$ 16,60





busca | avançada
35394 visitas/dia
1,0 milhão/mês