Hells Angels | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
23157 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Nesta quinta-feira, consumidores da capital poderão adquirir milhares de produtos com descontos
>>> Dois solos compõem a Terça Aberta no Kasulo
>>> Mídia em Foco debate as novas perspectivas do mercado da música
>>> "A PALAVRA FORA DO LUGAR: ESCRITORES REFUGIADOS E EM RISCO no CCBB RJ
>>> Escritora Regina Zappa fala sobre maio de 1968 no Sem Censura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
>>> Wild Wild Country
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Links & Links
>>> A suprema nostalgia
>>> O mundo aos olhos de um pescador
>>> A vingança dos certinhos
>>> Django Unchained, de Quentin Tarantino
>>> Sobre o Digestivo, minhas colunas e nossa história
>>> Adolescente lê, sim, senhor!
>>> Diálogos no Escuro
>>> As cartas de Dostoiévski
>>> Sobre caramujos e Omolu
Mais Recentes
>>> Rio Bossa Nova
>>> 1001 Livros Para Ler Antes de Morrer
>>> Dom Quixote
>>> Casa-grande & senzala
>>> Os Clássicos da Política 2
>>> Os Clássicos da Política 1
>>> Aprender a Viver
>>> Os devaneios do caminhante solitário
>>> Olga
>>> Diagnóstico e Tratamento dos Problemas de Aprendizagem
>>> Obras
>>> Prepare-se para Enriquecer
>>> O Deus presente
>>> A Velhinha de Taubaté
>>> Meninos Sem Pátria
>>> Elite Intelectual e Debate Político nos Anos 30
>>> Didática
>>> Psicomotricidade seu objeto, seu espaço, seu tempo
>>> Vestido de Noiva
>>> Didática do Nível Pré-Silábico - Didática da Alfabetização - Vol. 1
>>> Atitudes Favoráveis ao Ensino
>>> Com todas as Letras
>>> O Construtivismo e a Educação
>>> Como viver ou Uma biografia de Montaigne em uma pergunta
>>> A Criança em Desenvolvimento
>>> Jogos Ocultos - Escolha Racional no Campo da Política Comparada
>>> Mecânica dos Fluidos - PLT 110
>>> Álgebra Linear - PLT 195
>>> Química - PLT 196
>>> Práticas de Laboratório para Engenharias - PLT 150
>>> Programação Estruturada - Treinamento em Linguagem C - PLT 193
>>> Uma Verdade Inconveniente - O Que Devemos Saber (e Fazer) Sobre O Aquecimento Global
>>> O Vaticano - Potência Mundial - História e Figura do Papado
>>> Ressurgimento em Portugal - 1962
>>> Bernardo Mascarenhas - O Surto Industrial de Minas Gerais
>>> Anchieta, o Escoteiro do Brasil - 2ª Edição
>>> Missão Radical - Máquinas Voadoras
>>> Álbum de Figurinhas Bandeiras e Países - Completo
>>> Álbum de Figurinhas Pokémon Temos que Pegar
>>> As Razões do Coração - 3ª Edição
>>> Eterno Não é Para Sempre - 3ª Edição
>>> Você Pode Curar Sua Vida - 42ª Edição
>>> A Ilha Perdida - Série Vaga-lume - 40ª Edição - 7ª Impressão
>>> Ronda Grotesca
>>> A Formação do Estado Burguês no Brasil (1888-1891)
>>> O Projeto Político de Pontes de Miranda
>>> O Colecionador de Lágrimas
>>> História do Impressionismo
>>> Oriente - Apocalipse Antecipado - Tudo Sobre a Solidão
>>> Princípios Gerais da Teoria de Preços
COLUNAS

Segunda-feira, 20/6/2011
Hells Angels
Gian Danton

+ de 6700 Acessos

Em 1965 a cidade de Monterey, nos EUA, foi tomada por centenas de motoqueiros cabeludos, a maioria deles pertencente à gangue Hells Angels. A razão da reunião era angariar fundos para enviar a uma mãe o corpo de um amigo atropelado por um caminhão. O encontro teve um tom solene que ganhou o respeito até mesmo da polícia da cidade. Os motoqueiros haviam sido recebidos com certa hospitalidade, mas essa seria a última vez em que isso aconteceria. Em 24 horas a gangue estaria no meio de uma denúncia de estupro que provocaria um verdadeiro surto de paranoia. Em seis meses, todas as pequenas cidades norte-americanas estariam armadas até os dentes esperando a invasão dos motoqueiros.

A situação que chocou o país foi o estupro de duas garotas, de 14 e 15 anos, uma delas grávida. De acordo com os jornais, elas foram arrancadas dos braços de seus namorados e levadas para as dunas, onde seriam violentadas diversas vezes. O senador Fred Farr exigiu uma investigação e o procurador-geral Thomas C. Lynch produziu um relatório a partir de um questionário enviado a mais de 100 delegacias. A procura por esse relatório foi tão grande que tiveram que imprimir uma segunda tiragem. O jornal New York Times produziu um extenso e tempestuoso comentário sobre o relatório. A Time trouxe na capa: "Os mais selvagens". A Newsweek contra-atacou com a capa "Os selvagens".

A maioria da imprensa simplesmente pulou as primeiras partes do relatório, em que se dizia que os motoqueiros acusados do estupro foram soltos por falta de provas e se concentraram nos aspectos mais sensacionalistas. Quase todos se limitaram a repassar as informações fornecidas pelas fontes oficiais e ninguém se preocupou em ouvir a versão dos motoqueiros. A revista Time chegou a inventar um caso para dramatizar a notícia.

A missão de entender o outro lado da história coube ao jornalista Hunter Thompson, que ficaria famoso ao criar o gonzo jornalismo. Hells Angels não é uma reportagem gonzo, mas é um belo ensaio para o que viria a ser o gonzo, inclusive com um dos elementos importantes dessa variação jornalística: para cobrir o assunto, Thompson passou um ano convivendo com os motoqueiros e chegou até a comprar uma moto (como resultado acumulou uma grande quantidade de multas e foi expulso de sua casa).

A crítica à maneira como a imprensa cobriu o caso é um dos melhores momentos do livro e serviu de base para a prática posterior de Thompson, na qual ele colocou a ideia de objetividade jornalística de cabeça para baixo.

Já no primeiro capítulo, o autor pergunta-se o que as meninas faziam numa praia deserta lotada de motoqueiros e descobre que as garotas haviam passado a tarde no bar, conversando e bebendo com os motoqueiros e depois ido para a praia com eles. "Droga, aquelas garotas não foram para lá cantar uma música", disse um dos Hells. "Elas estavam a fim de agito e queriam uma sacanagenzinha, mas o problema foi que eram muitos caras. No começo estava legal para elas. Depois foram chegando cada vez mais caras, se empilhando sobre as dunas". Nesse ponto, as garotas devem ter se arrependido da aventura, mas já era tarde demais.

A versão de que garotas inocentes haviam sido arrancadas dos braços de seus namorados e violentadas por bárbaros selvagens logo desmoronou.

Ao mostrar o outro lado da história, Thompson não pretendeu pintar os motoqueiros como santos. Ao contrário: os Hells Angels são vistos como foras da lei violentos, ressentidos com a sociedade: "Em um mundo cada vez mais adaptado aos especialistas, técnicos e máquinas fantásticas e complicadas, os Hells Angels são perdedores óbvios e isso os chateia".

Um dos princípios básicos da gangue, inscrito no estatuto do clube, é a crença na retaliação total: "Quando pedem para você não voltar mais a um bar, você não apenas bate no dono ― você volta com o seu exército e destrói o lugar, quebra a casa inteira e tudo que ela representa. Sem acordo. Se um homem se meter com você, quebre a cara dele. Se uma mulher não quiser nada com você, estupre-a". O próprio Thompson sentiu esse princípio na prática ao levar uma surra de um grupo de motoqueiros.

Rejeitados pela sociedade e sem ter nada a mais além do companheirismo, os Hells Angels se agarram a isso: "A maioria dos outros são foras da lei em meio período, ao passo que os Angels cumprem o papel sete dias por semana: usam o emblema em casa, na rua, e às vezes até no trabalho. Eles vão de moto comprar um litro de leite no mercadinho do bairro. Um Angel sem o seu emblema se sente nu e vulnerável, como um cavaleiro sem armadura".

Esse tudo ou nada se refletiria até mesmo no uniforme usado por eles, pensado para criar o máximo de perigo numa atividade que, por si só, já é perigosa (dirigir motos grandes). Segundo Thompson, os Angels arriscavam a sorte até o limite: não usavam capacete, jaquetas ou calças de couro (que protegem no caso de um tombo). Eles chegavam a usar jaquetas sem manga, para aumentar o perigo: "Os Angels não querem que ninguém pense que eles estão diminuindo os riscos".

A chegada do bando de motoqueiros coloca em pânico os postos de gasolina e, na maioria das vezes, é mais barato fazer vista grossa e deixá-los roubar um litro de óleo do que se arriscar a ver o local destruído.

Mas o grupo também sentia um prazer perverso em ser amigável. O dono de um posto de gasolina entrevistado por Thompson lembra de uma vez em que um grupo pediu para usar o local para consertar umas motos. Amedrontado, ele disse que ficassem à vontade e saiu do lugar o mais rápido que podia. Depois de uma hora, finalmente criou coragem para voltar e descobrir se o local ainda estava de pé. Ficou estarrecido ao descobrir que o local estava impecável, mais limpo que antes. Os motoqueiros haviam chegado ao ponto de varrer o chão e limpar as ferramentas.

Esses dois lados dos Hells Angels só poderiam ser percebidos por alguém que convivesse com eles. A total honestidade de Hunter Thompson, ao revelar seu método de investigação, e ao mostrar até mesmo suas limitações e dificuldades (inclusive os vexames) abriram caminho para o gonzo jornalismo e para uma crítica devastadora do fazer jornalístico. Um conselho: se você gosta de reportagens e não tem preconceitos, leia Hells Angels e depois Medo e Delírio em Las Vegas. Na sequência.

Para ir além






Gian Danton
Macapá, 20/6/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
02. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
03. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio
04. Desejo do momento é o caramba de Marta Barcellos
05. Contos de imaginação e mistério de Gian Danton


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2011
01. Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito - 28/2/2011
02. Hells Angels - 20/6/2011
03. Medo e Delírio em Las Vegas - 9/5/2011
04. Melhores de 2010 - 3/1/2011
05. Leitura e escola - 31/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DÍADE PLANETA 7
VÁRIOS
TRÊS
(1973)
R$ 31,98



AS MENSAGENS DA ÁGUA
MASARU EMOTO
ISIS
(2004)
R$ 40,00



RAKUSHISHA
ADRINA LISBOA
ALFHAGUARA
(2018)
R$ 20,00



CORREGGIO - GÊNIOS DA PINTURA Nº 19
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1967)
R$ 8,00



A ÚLTIMA ESCALA DO VELHO CARGUEIRO
ÁLVARO MUTIS
RECORD
(2004)
R$ 17,00



CURSO BÁSICO DE ESPIRITISMO - 1º ANO
DIVERSOS AUTORES (ÁREA DE ENSINO)
EDIT. F.E.E.S.P
(1997)
R$ 15,00



A ODISSÉIA - CLÁSSICOS PARA A JUVENTUDE - VOLUME 5
AUTOR HOMERO
MATOS PEIXOTO
(1964)
R$ 9,00



AUTOMÓVEL - CAPA DURA
ARTHUR HAILEY
CÍRCULO DO LIVRO
(1971)
R$ 8,00



JIN JARA BIN (EM ESPANHOL) - LITEARTURA INFANTO-JUVENIL
NIURKI PÉREZ GARCÍA
EDITORIAL ORIENTE (CUBA)
(2004)
R$ 5,00



BAHIA DO TODOS OS SANTOS
JORGE AMADO
LIVRARIA MARTINS
(1955)
R$ 15,00





busca | avançada
23157 visitas/dia
708 mil/mês