A Vida Acontece; ou: A Primeira Vista | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
COLUNAS

Terça-feira, 8/1/2013
A Vida Acontece; ou: A Primeira Vista
Duanne Ribeiro

+ de 2800 Acessos

A Primeira Vista é uma peça que trata das - como se diz? - coisas da vida. É engraçada, tocante, superficial, com um diálogo divertido e ágil bem tocado pelas atrizes Adriana Lima e Drica Moraes, que protagonizam o enredo. Desconhecidas que se encontram por acaso e se aproximam por mal-entendidos, amantes de uma noite, amigas de longa época, desafetos pelas circunstâncias mas só fragilmente, porque alguma coisa permanece... acompanhamos essa aventura cotidiana e comum, e nós identificamos às vezes, pois há muito de nós no que é comum e cotidiano. Além da sensibilidade e da empatia, a montagem se lança também ao simbólico e à interpretação de como tocamos essa odisseia prosaica: do jeito que dá, com tanta incerteza, com alegria, com tristeza, com alegria e tristeza misturadas...

Com direção de Enrique Diaz e roteiro de Daniel Maclvor, o espetáculo foi encenado neste último novembro no Itaú Cultural, em São Paulo. O título original, A Beautiful View, indica uma fantasia central para a história e sua relação com a morte. A adaptação brasileira traz à mente a construção típica "à primeira vista", ou seja, uma impressão só inicial, ou mesmo "amor à primeira vista", da paixão repentina e definitiva. Sem a crase, como que só aponta um momento no tempo - e dada a variação de pontos de vista sobre o outro, acaba-se com um gosto de que existem várias primeiras vistas, várias partidas. Mais ou menos como em um trecho do filme Dança Comigo?, em que um personagem diz: "É possível amar a mesma pessoa a vida inteira?" - e um outro responde: "Se fosse a mesma pessoa...".

As duas protagonistas se encontram pela primeira vez por conta de um hobbie em comum: em uma loja de produtos para acampamento. Conversa regulamentar com estranhos de um lado, extroversão de coração aberto do outro, as coisas param por aí. Outro dia, se veem em um show de rock - mais um gosto compartilhado - simpatia excessiva pra uma, surpresa gratificante pra outra, barulho alto ao redor, o diálogo anda como pode. Uma delas diz algo só por dizer, ou algo que era bacana de dizer a alguém, fala o que não queria, se enrosca e acaba tendo de procurar a outra noutra ocasião. Tropeçam numa intimidade e se amam sem saberem bem como chegaram até ali e sem saber lidar com o que decorreria disso. Aquela do regulamento e da reserva até teria ido em frente. Mas era imprevisto demais para aquela da extroversão, da simpatia e do coração aberto. Ela foge.

Mas a vida acontece - como a própria peça diz, e é interessante essa fórmula que explica tudo e não explica nada e quer dizer: é tudo tão fora do nosso controle! Do mesmo modo que o whatever works de Woody Allen... - a vida acontece, e depois de tantos anos, fatos e pessoas novas, até um casamento, se reencontram e se tornam amigas. Com aquele amor que não foi engasgado de leve, a cumplicidade que o substituiu. Aí então mais fatos e pessoas novas, mais com que se engasgar; e outros reencontros.

A interpretação das atrizes define bem a personalidade das personagens, construindo rápido algumas idiossincrasias, de maneira que sabemos "o jeito" delas, e nesse reconhecimento há espaço para gostar ou não gostar. Estamos também na situação da loja de camping, e o que é que pensamos dessas duas? Talvez seja por isso que haja duas formas de comunicação na economia própria da montagem - em uma, a narrativa, as anedotas, os acontecimentos que vão nos levando; em outra, as falas dirigidas à nós, como que discursos ou depoimentos. As diferenças de entendimento ficam então evidentes, mas apenas para a plateia. As distâncias entre uma e outra, e entre qualquer uma e seus desejos, são cada vez mais concretas e quiçá irreversíveis. E é em algo de mais sutil que podem se reunir novamente; não resolvendo os conflitos e as mágoas passadas, porém as deixando de lado de uma vez, sem pensar.

Nada é Suficiente
O título brasileiro tem a qualidade de indicar uma característica importante do espetáculo: a ideia da abundância da palavra, de como a aparência pode esconder uma multiplicidade. A frase, logo no início, algo como "isso pelo menos nos estabelece como duas mentirosas" - tem um quê de metalinguística, não só pondo em dúvida tudo o que vem depois, mas talvez se referindo à própria condição teatral. Outra frase que surge aí e que reaparece em diversos outros momentos é "nada é suficiente". Eis uma chance de autoteste aqui, leitor: o que você entende à primeira vista sobre essa proposição? A peça a ressignifica de duas maneiras: uma, no sentido que nada nos basta e nunca seremos satisfeitos; duas, que nada já está bom, que o vazio já nos preenche. Uma dialética entre extremos, ou nem tanto.

Além da abundância, a insuficiência da palavra. Como contei acima, uma personagem diz o que não queria - mas precisamente porque queria dizer alguma coisa, e o que ela disse no fim das contas era uma casca oca, que no entanto servia à intenção. Há também a frase que é dita, mas não era bem aquilo que se queria dizer, era quase... e, ainda outra, o silêncio que contém em si vários discursos represados. Podemos sentir esse gênero de ideia em canções como "Sinal Fechado", do Paulinho da Viola, "Girl Afraid", do The Smiths , "Onze Dias", do Los Hermanos, entre outras. Não exatamente uma incomunicabilidade, mas...

E o que vale para as palavras parece valer para as pessoas. Uma cena central de A Primeira Vista é a da execução de "Come as you are", do Nirvana, pela banda que as protagonistas formam: as Ukulaladies (porque tocam ukulelês). A música diz: Venha como você é, como você era, como eu quero que você seja, como amigo, como velho inimigo, como uma velha memória. As posições relativas são múltiplas, e os descompassos mútuos também.

Em outra cena, a de maior alcance simbólico, as duas amigas interagem com uma instalação. Trata-se de uma caixa de luz, um ambiente etéreo e fugaz, e quero entender, pelo contexto e dialogo nesse momento, que o que ele representa é o caráter circunstancial de uma relação. Naquele instante elas estavam dentro do mesmo espaço, rodeadas do mesmo fascínio. Cruzando essa linha de uma época e ambiente específicos, são duas pessoas assim tão distantes.

O Sentimento Como Urso
Ainda um último elemento simbólico que desejo destacar: o urso. Como em A Pantera, o animal representa por um lado um medo concreto e, por outro, delineia os riscos de todos os relacionamentos humanos tratados na história. Expressamente, o urso surge feito metáfora a representar os sentimentos, na medida de sua intensidade adormecida ou explosiva. Existe a vontade pontual, objetiva - quero comer, quero beber - e existe esse descontrole.

Nesse sentido, o diretor Enrique Diaz escreveu sobre a peça: "O afeto é terrível e violento, surpreendente, porque se não for para arriscar, aí não tem afeto, aí são só fortalezas e verdades paradas e sem vida. Pois Daniel [Maclvor] é assim, ele fala do afeto: ele fala, me parece, daquele lugar entre as pessoas em que elas percebem que não 'são' uma coisa em si, mas que 'são' naquilo que se mistura com os outros. E aí é um deus-nos-acuda porque a gente quer e não quer, a gente se mistura, mas quer o nosso cantinho bem arrumado, reconhecível. E não é assim que a banda do Daniel toca".

Em vários elementos constitutivos da peça, o que temos é o instável, incluído no estável. É isso, mesmo se resvalando no clichê: você está em paz, de repente vem um urso e desmonta a quietude. E a moral, se há uma moral, é de que talvez não haja valor em conter o ataque - quem sabe a vitória seja, sim, ceder a ele.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 8/1/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mano Juan, de Marcos Rey de Gian Danton
02. The Good Wife visita Private Practice de Adriana Baggio
03. Quando se abrem as portas de Elisa Andrade Buzzo
04. Blogueiros vs. Jornalistas? ROTFLOL (-:> de Lisandro Gaertner
05. France, mode d'emploi de Pilar Fazito


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2013
01. As Aventuras de Pi - 19/2/2013
02. Discutir, debater, dialogar - 29/1/2013
03. Margarita Paksa: Percepção e Política - 12/3/2013
04. Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia - 10/9/2013
05. American Horror Story: Asylum - 13/8/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SUPERINTERESSANTE SEXO Nº 189
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2003)
R$ 6,99



ADAM SMITH/RICARDO (OS PENSADORES) - FILOSOFIA/ECONOMIA
ADAM SMITH/DAVID RICARDO
ABRIL CULTURAL
(1979)
R$ 12,00



PODER, AMBIÇÃO E GLÓRIA
STEVE FORBES, JOHN PREVAS
ROCCO
(2010)
R$ 24,00



MERCADO MUNICIPAL DE SÃO PAULO: 70 ANOS DE CULTURA E SABOR
VÁRIOS AUTORES
ABOOKS
(2004)
R$ 59,48
+ frete grátis



A ARTE DA GUERRA
SUN PIN
RECORD
(1999)
R$ 15,00



PREVENÇÃO DAS DOENÇAS DO CORAÇÃO: FATORES DE RISCO
CELSO FERREIRA E MARIA TERESA CARNEIRO
ATHENEU
(1999)
R$ 21,00



JURISPRUDÊNCIA DA SEPARAÇÃO E DO DIVÓRCIO
R LIMONGI FRANÇA
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(1983)
R$ 4,99



INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA QUEM QUER PUBLICAR UM LIVRO
JOÃO SCORTECCI E MARIA ESTHER M. PERFETTI
SCORTECCI
(2004)
R$ 10,00



AS ARVORES DOS MEUS DOIS QUINTAIS
JONAS RIBEIRO
PAULUS
(2012)
R$ 20,00



POEMAS SOLITUDES (AUTOGRAFADO) - 6289
CORDÉLIA CANABRAVA ARRUDA
HAMBURG
(1980)
R$ 40,00





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês