A Vida Acontece; ou: A Primeira Vista | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Disciplinas isoladas
>>> Meus encontros e desencontros com Daniel Piza
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
Mais Recentes
>>> A Guerra das Rosas (lacrado) de Leila Meacham pela Rocco (2011)
>>> Krum (lacrado) de Hanoch Levin pela Cobogó (2016)
>>> Medeias Latinas de Márcio Meirelles Gouvêa Júnior pela Autêntica (2014)
>>> Metamorfoses Privadas (lacrado) de Rui Xavier pela Nversos (2012)
>>> A Ditadura Militar e os Golpes Dentro do Golpe - 1964-1969 de Carlos Chagas pela Record (2014)
>>> Zagor Nº 50 de Bonelli pela Mythos (2005)
>>> Teen Mate 2 - Resource Book de Vários Autores pela Difusão de Educação e Cultura
>>> Flores do Alimento de Silvetre Silva pela Empresa das Artes (1998)
>>> Zagor Nº 7 de Bonelli pela Mythos (2001)
>>> Cartas a Davi (lacrado) de Fabiano Pereira pela Thesaurus (2014)
>>> Heróis de Verdade 15ª Edição de Roberto Shin pela Gente (2005)
>>> Imperatriz Leopoldina - o Anjo da Independência do Brasil de Monica Buonfiglio pela Companhia dos Anjos (2002)
>>> Hillary Clinton por Ela Mesma de Lisa Rogak pela Alta Books (2015)
>>> Memórias de Aldenham House de Antonio Callado pela Jose Olympio (2015)
>>> Estudo Dirigido de Educação Musical Nº 2 de Irvany Bedaque Ferreira Frias pela Orfeu (1972)
>>> A Dimensão Normativa da Argumentação (lacrado) de Tiago Neu Jardim pela Lumen Juris (2017)
>>> Ragnarok N° 16 de Lee Myung Jin pela Conrad
>>> O Caneco de Prata de João Carlos Marinho Silva pela Obelisco
>>> Das Mädchen Orchidee de Pearl S. Buck pela Bertelsmann Lesering (1960)
>>> Tutela Penal Ambiental de Thiago Jordace pela Lumen Juris (2016)
>>> Temas Essenciais Em Direito Ambiental (lacrado) de Beatriz Souza Costa pela Lumen Juris (2014)
>>> Manual of Accounting Ifrs 2013 Volume 1 de Vários Autores pela Bloomsbury Professional
>>> O Espírito Piagetiano (lacrado) de Olivier Houde pela Penso (2004)
>>> Saga de Beija-flor (lacrado) de Bernardo Marçolla pela Kbr (2015)
>>> Touro de Max Klim pela Nova Era (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 8/1/2013
A Vida Acontece; ou: A Primeira Vista
Duanne Ribeiro

+ de 3500 Acessos

A Primeira Vista é uma peça que trata das - como se diz? - coisas da vida. É engraçada, tocante, superficial, com um diálogo divertido e ágil bem tocado pelas atrizes Adriana Lima e Drica Moraes, que protagonizam o enredo. Desconhecidas que se encontram por acaso e se aproximam por mal-entendidos, amantes de uma noite, amigas de longa época, desafetos pelas circunstâncias mas só fragilmente, porque alguma coisa permanece... acompanhamos essa aventura cotidiana e comum, e nós identificamos às vezes, pois há muito de nós no que é comum e cotidiano. Além da sensibilidade e da empatia, a montagem se lança também ao simbólico e à interpretação de como tocamos essa odisseia prosaica: do jeito que dá, com tanta incerteza, com alegria, com tristeza, com alegria e tristeza misturadas...

Com direção de Enrique Diaz e roteiro de Daniel Maclvor, o espetáculo foi encenado neste último novembro no Itaú Cultural, em São Paulo. O título original, A Beautiful View, indica uma fantasia central para a história e sua relação com a morte. A adaptação brasileira traz à mente a construção típica "à primeira vista", ou seja, uma impressão só inicial, ou mesmo "amor à primeira vista", da paixão repentina e definitiva. Sem a crase, como que só aponta um momento no tempo - e dada a variação de pontos de vista sobre o outro, acaba-se com um gosto de que existem várias primeiras vistas, várias partidas. Mais ou menos como em um trecho do filme Dança Comigo?, em que um personagem diz: "É possível amar a mesma pessoa a vida inteira?" - e um outro responde: "Se fosse a mesma pessoa...".

As duas protagonistas se encontram pela primeira vez por conta de um hobbie em comum: em uma loja de produtos para acampamento. Conversa regulamentar com estranhos de um lado, extroversão de coração aberto do outro, as coisas param por aí. Outro dia, se veem em um show de rock - mais um gosto compartilhado - simpatia excessiva pra uma, surpresa gratificante pra outra, barulho alto ao redor, o diálogo anda como pode. Uma delas diz algo só por dizer, ou algo que era bacana de dizer a alguém, fala o que não queria, se enrosca e acaba tendo de procurar a outra noutra ocasião. Tropeçam numa intimidade e se amam sem saberem bem como chegaram até ali e sem saber lidar com o que decorreria disso. Aquela do regulamento e da reserva até teria ido em frente. Mas era imprevisto demais para aquela da extroversão, da simpatia e do coração aberto. Ela foge.

Mas a vida acontece - como a própria peça diz, e é interessante essa fórmula que explica tudo e não explica nada e quer dizer: é tudo tão fora do nosso controle! Do mesmo modo que o whatever works de Woody Allen... - a vida acontece, e depois de tantos anos, fatos e pessoas novas, até um casamento, se reencontram e se tornam amigas. Com aquele amor que não foi engasgado de leve, a cumplicidade que o substituiu. Aí então mais fatos e pessoas novas, mais com que se engasgar; e outros reencontros.

A interpretação das atrizes define bem a personalidade das personagens, construindo rápido algumas idiossincrasias, de maneira que sabemos "o jeito" delas, e nesse reconhecimento há espaço para gostar ou não gostar. Estamos também na situação da loja de camping, e o que é que pensamos dessas duas? Talvez seja por isso que haja duas formas de comunicação na economia própria da montagem - em uma, a narrativa, as anedotas, os acontecimentos que vão nos levando; em outra, as falas dirigidas à nós, como que discursos ou depoimentos. As diferenças de entendimento ficam então evidentes, mas apenas para a plateia. As distâncias entre uma e outra, e entre qualquer uma e seus desejos, são cada vez mais concretas e quiçá irreversíveis. E é em algo de mais sutil que podem se reunir novamente; não resolvendo os conflitos e as mágoas passadas, porém as deixando de lado de uma vez, sem pensar.

Nada é Suficiente
O título brasileiro tem a qualidade de indicar uma característica importante do espetáculo: a ideia da abundância da palavra, de como a aparência pode esconder uma multiplicidade. A frase, logo no início, algo como "isso pelo menos nos estabelece como duas mentirosas" - tem um quê de metalinguística, não só pondo em dúvida tudo o que vem depois, mas talvez se referindo à própria condição teatral. Outra frase que surge aí e que reaparece em diversos outros momentos é "nada é suficiente". Eis uma chance de autoteste aqui, leitor: o que você entende à primeira vista sobre essa proposição? A peça a ressignifica de duas maneiras: uma, no sentido que nada nos basta e nunca seremos satisfeitos; duas, que nada já está bom, que o vazio já nos preenche. Uma dialética entre extremos, ou nem tanto.

Além da abundância, a insuficiência da palavra. Como contei acima, uma personagem diz o que não queria - mas precisamente porque queria dizer alguma coisa, e o que ela disse no fim das contas era uma casca oca, que no entanto servia à intenção. Há também a frase que é dita, mas não era bem aquilo que se queria dizer, era quase... e, ainda outra, o silêncio que contém em si vários discursos represados. Podemos sentir esse gênero de ideia em canções como "Sinal Fechado", do Paulinho da Viola, "Girl Afraid", do The Smiths , "Onze Dias", do Los Hermanos, entre outras. Não exatamente uma incomunicabilidade, mas...

E o que vale para as palavras parece valer para as pessoas. Uma cena central de A Primeira Vista é a da execução de "Come as you are", do Nirvana, pela banda que as protagonistas formam: as Ukulaladies (porque tocam ukulelês). A música diz: Venha como você é, como você era, como eu quero que você seja, como amigo, como velho inimigo, como uma velha memória. As posições relativas são múltiplas, e os descompassos mútuos também.

Em outra cena, a de maior alcance simbólico, as duas amigas interagem com uma instalação. Trata-se de uma caixa de luz, um ambiente etéreo e fugaz, e quero entender, pelo contexto e dialogo nesse momento, que o que ele representa é o caráter circunstancial de uma relação. Naquele instante elas estavam dentro do mesmo espaço, rodeadas do mesmo fascínio. Cruzando essa linha de uma época e ambiente específicos, são duas pessoas assim tão distantes.

O Sentimento Como Urso
Ainda um último elemento simbólico que desejo destacar: o urso. Como em A Pantera, o animal representa por um lado um medo concreto e, por outro, delineia os riscos de todos os relacionamentos humanos tratados na história. Expressamente, o urso surge feito metáfora a representar os sentimentos, na medida de sua intensidade adormecida ou explosiva. Existe a vontade pontual, objetiva - quero comer, quero beber - e existe esse descontrole.

Nesse sentido, o diretor Enrique Diaz escreveu sobre a peça: "O afeto é terrível e violento, surpreendente, porque se não for para arriscar, aí não tem afeto, aí são só fortalezas e verdades paradas e sem vida. Pois Daniel [Maclvor] é assim, ele fala do afeto: ele fala, me parece, daquele lugar entre as pessoas em que elas percebem que não 'são' uma coisa em si, mas que 'são' naquilo que se mistura com os outros. E aí é um deus-nos-acuda porque a gente quer e não quer, a gente se mistura, mas quer o nosso cantinho bem arrumado, reconhecível. E não é assim que a banda do Daniel toca".

Em vários elementos constitutivos da peça, o que temos é o instável, incluído no estável. É isso, mesmo se resvalando no clichê: você está em paz, de repente vem um urso e desmonta a quietude. E a moral, se há uma moral, é de que talvez não haja valor em conter o ataque - quem sabe a vitória seja, sim, ceder a ele.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 8/1/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
02. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
03. Primavera ao ar livre de Elisa Andrade Buzzo
04. Xadrez, poesia de Ana Elisa Ribeiro de Jardel Dias Cavalcanti
05. Sobre o Oscar Social de Vicente Escudero


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2013
01. As Aventuras de Pi - 19/2/2013
02. Discutir, debater, dialogar - 29/1/2013
03. Margarita Paksa: Percepção e Política - 12/3/2013
04. American Horror Story: Asylum - 13/8/2013
05. Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia - 10/9/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dízimo a Arte de Prosperar
Edson Barros ( Pastor )
Do Autor
(2006)



Deus no pasto
Hermilio Borba Filho
Civilização Brasileira
(1972)



Nas Voragens do Pecado
Yvonne A. Pereira / Espirito Charles
FEB
(2009)



História e Cultura Africana e Afro-brasileira
Nei Lopes
Barsa Planeta
(2008)



Técnicas de Pintura e Desenho Desenho por Computador 1
Vários Autores
Ediciones Genesis
(1992)



O Homem plural
Mário Graciotti
Nova época
(1978)



O Velho Logan 6 Derrotado?
Marvel Panini Comics
Panini Comics
(2017)



Fale Espanhol No Táxi - Taxistas E Passageiros
Importado
Importado
(2021)



Direito Tributário e os Conceitos de Direito Privado
Aldo de Paula Junior e Outros
Noeses
(2010)



Helena e Iaiá Garcia
Machado de Assis
Cultrix





busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês