Pô, Gostei da Sua Saia | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 11/6/2013
Pô, Gostei da Sua Saia
Duanne Ribeiro

+ de 3800 Acessos

A gente ouve falar de opressão; a gente não sabe como é. Andando de saia, eu, um menino, pelos corredores da Universidade de São Paulo em uma quinta-feira de maio, tive a amostra degustativa. É curioso estar em foco. Em um percurso de mais ou menos cinco minutos até a lanchonete da faculdade de Letras, boa parte dos que passaram por mim me olharam, isto é, não porque me conhecessem, não para o meu rosto, não nos meus olhos - mas assim eu tão somente objeto, olharam para mim. Veem um corpo que se move, checam a saia, depois fixam os olhos arbitrariamente à frente. Eu rio da primeira vez; da segunda; da terceira; eu rio do quê? Do fato de que estou diferente e funciona, a diferença grita. E de um resquício de nervosismo. É sufocante estar em foco. Não quero que pensem que sou homossexual - ora, porque não sou! Porque não sou... Quando peço meu salgado avalio se minha voz soou grave, masculina o suficiente. Não consigo olhar para meninas que eu ache bonitas, é como se me faltasse o direito. O que é estúpido. Certo? Sentado na sala de aula, a mulher ao lado me espia com o canto do olho; no intervalo, ela pula uma carteira, deixando uma vaga entre nós (prefiro acreditar que não por isso. No entanto há este peso: há como supor que sim...). Um outro garoto, de saída, à porta, bolsa roxa no ombro, me diz: "Pô, gostei da sua saia".

Uma saia negra, que cai até pouco acima dos meus tornozelos, de tecido leve com as bordas vazadas no formato de flores. Emprestada da minha noiva na manhã do mesmo dia, em um momento de súbita convicção, já que havia me confrontado ao longo da semana com a ideia de usar "roupa de mulher", e sentido a crença interna de que simplesmente não era capaz. E assim de repente. Vestida sobre a calça jeans cinza-escuro (achei até bonito a sobreposição de cores), assim que cheguei ao prédio da Filosofia, por volta das 20h. Havia muitos outros - de saia florida, tubinho, verde, branca, vermelha; um deles, sem o recato que se exige da mulher, cruza as pernas ostensivamente, perna e coxa peluda à mostra. Espécie de flashmob sobre questões de gênero, o USP de Saia nos agregou todos à mesma manifestação. A ideia surgiu após um aluno, que costumava ir de saia ao campus, ter sido ofendido na internet. O protesto foi registrado pela imprensa. Não estive em grupo, nem fui ao evento maior; voltei quando deu 22h, retirando a saia antes de ir pegar o ônibus, não sem certo alívio do retorno à "normalidade". Minha participação foi dessa curteza e sozinhez, mas sinto que me proporcionou, além da adesão individual a uma causa justa, que eu enfrentasse a resistência dentro de mim, para revelar qual o seu sentido. Minha revolução é pessoalíssima.

A Caixa-Homem
Caminhando (de saia) pelos interiores da minha personalidade, tenho por evidente o caráter do meu desejo, que assume essa feição cissexual. Não obstante, vejo com a mesma clareza o longo investimento social para me fazer agir nos moldes da palavra "homem". Na escola, tanto eu quanto você éramos monitorados full time pelas outras crianças. Elas me ensinaram que eu não podia olhar minhas unhas com os dedos esticados e a palma da mão para baixo, pois isto era "de mulher" (tem que dobrar os dedos, palma pra cima). Aprendi também que jamais minha mão devia pender do pulso, "desmunhecar", o que seria uma prova irrefutável de homossexualidade. Na família, estivemos sob coordenação rigorosa. Meu avô me disse que homem não agacha com pernas juntas uma a outra. Minha mãe não me deixou ajudá-la a escolher feijão (o que eu pretendia porque queria estar junto com ela; e conto porque isso permanece uma mágoa distinta na memória - e veja que irrelevância!), porque era serviço feminino. Eu tenho 26 anos e presto atenção em como deixo meu pulso, como se houvesse um aluno de quinta série vigiando. O que é estúpido. Certo?

Esse tipo de exigência me lembra o imbróglio nuclear na guerra entre os liliputianos, de As Aventuras de Gulliver. Um dos lados quebrava ovos batendo na parte superior, a que é mais alongada. Outro, na base, mais bojuda. "Ora!", contesta Gulliver, "por que não quebram no meio?". Que heresia, para os liliputianos, meramente propor tal coisa.

Enquanto eu projetava este texto, foi divulgado um vídeo muito contundente nesse sentido. Theo Chen, de 12 anos, postou no Youtube um desabafo contra o bullying que sofre, sendo chamado de "gay" e similares, sem se considerar assim, na internet e fora dela. "A verdade é que realmente não sei. Vocês pelo menos sabem quantos anos eu tenho? Eu tenho 12 anos, e vocês me chamam de gay? E o que importaria se eu fosse gay?". Ele basicamente diz: me deixa crescer para onde eu quiser. A palestra "A Call to Men", por Tony Porter (10 min), é tão significativa quanto. "Se seria destrutivo para um menino ser chamado de menina, o que é que estamos ensinando a eles sobre meninas?", pergunta Porter, entre histórias de como seu pai, mesmo no enterro de um filho adolescente, escondeu o choro o quanto pode e depois se desculpou por não conseguir mais; ou como ele próprio simulou um estupro para se manter em alta estima no grupo do qual participava. Ele propõe um conceito prático: the man box, nossa conformação ("caixa") masculina, e conclama: saia dessa caixa!

Planeta Insondável das Mulheres
Quando você anda de saia, o pano é empurrado contra você pelo movimento. Lançado para trás do corpo, pendendo pesado ao lado das pernas. E esvoaçando à frente logo depois. Um baile inexistente em qualquer roupa que eu use. Há na saia o incômodo de não ter bolsos, e sempre é preciso ajeitá-la para sentar-se. Uma vestimenta apenas e comporta uma variedade de definições do gesto. Tive por conta disso, para além da política, um gosto do que Laerte quis dizer com a frase que dá título a esta seção. O cartunista, em entrevista à Bravo!, disse: "Há ocidentais que se deleitam em investigar o Oriente. Experimentam comidas exóticas, fazem ioga, visitam a China. Da mesma maneira, por que um homem não pode empreender uma viagem radical pelo planeta insondável das mulheres?".

Por dentro da palavra "mulher", toda uma especialização a respeito de como tratar o corpo - maciez e perfume; variação de recorte, pressão, visibilidade que a roupa dá à pele; a cor, o enfeite de partes como unhas, lóbulo da orelha; a amplitude de usos do cabelo - isso só existe de maneira muito menos diversificada no caso "masculino" (hoje em dia, é possível que não sejam tão distantes os dois lados; mas considere 30 anos atrás, 50 anos, e perceba o quanto o horizonte de autocompreensão corporal do homem urbano é estreito). Na medida em que o corpo "feminino" expressa mais, na medida em que é mais arte, talvez ele tenha o que nos ensinar, na direção de uma expansão dos nossos modos de vivência. Pessoalmente, é estranho que eu afirme isso, já que não pretendo me preocupar com minha estetização tão cedo. Mas trata-se de uma questão de liberdade, de saber que há possibilidades múltiplas - mesmo que não para percorrê-las uma a uma. Pois simplesmente notar que existem nos faz mais conscientes do que somos atualmente. Este é um texto que me dá consciência.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 11/6/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
02. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
03. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
04. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
05. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2013
01. As Aventuras de Pi - 19/2/2013
02. Discutir, debater, dialogar - 29/1/2013
03. Margarita Paksa: Percepção e Política - 12/3/2013
04. Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia - 10/9/2013
05. American Horror Story: Asylum - 13/8/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DECIDA-SE PELO SUCESSO
NOAH ST. JOHN
CULTRIX
(2003)
R$ 29,90



TEEN VILLAGE 1
DAVID SPENCER
MACMILLAN
(2008)
R$ 10,00



DO FUTURO - FATOS, REFLEXÕES, ESTRATÉGIAS
ANTONIO PASQUALI
UNISINOS
(2004)
R$ 7,90



RECIFE DOS HOLANDESES
JULIETA DE GODOY LADEIRA
ÁTICA
(1990)
R$ 4,42



O HÓSPEDE DE DRÁCULA COLEÇÃO MINI BIBLIOTECA
BRAM STOKER
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(1996)
R$ 21,78



O CAVALEIRO DOS SETE REINOS HISTÓRIAS DO MUNDO DE GELO E FOGO
GEORGE R.R. MARTIN
LEYA
(2017)
R$ 42,00



A VERDADEIRA HISTÓRIA DE MARIA MADALENA
DAN BURSTEIN J. DE KEIJZER
EDIOURO
(2006)
R$ 74,00



O LAVATER DAS SENHORAS
EDOUARD HOCQUART
IMPRENSA OFICIAL
(2010)
R$ 31,99



O CANTOR PRISIONEIRO
ROGÉRIO BORGES; ASSIS BRASIL
MODERNA
(2004)
R$ 10,00



JUSTIÇA E COMPORTAMENTOS DE CIDADANIA NAS ORGANIZAÇÕES UMA ABORD
ARMÉNIO REGO
SÍLABO
(2000)
R$ 39,70





busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês