A cabeça de Steve Jobs | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Distribua você também em 2008
>>> A proposta libertária
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> As fronteiras da ficção científica
Mais Recentes
>>> Com Olhos de Criança de Francesco Tonucci pela Instituto Piaget (1988)
>>> Revista Neuro Educação – Nº 4 – Dormir Bem Para Aprender Melhor de Vários Autores pela Segmento (2015)
>>> de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2018)
>>> Revista Ciência & Vida Psique – Ano 1 – Nº 2 – Psicopedagogia Pra Que? de Vários Autores pela Escala
>>> Revista Crescer em Família – Ano 7 – Nº 74 - Primeiro Ano do Bebê de Vários Autores pela Globo (2000)
>>> Revista Mente e Cérebro – Ano XVI – Nº 197 – As 5 Idades do Cérebro de Vários Autores pela Duetto (2009)
>>> Poder, Política e Partido de A. Gramsci pela Brasiliense (1992)
>>> Gramsci : Cem anos de um pensamento vivo - coleção P&T de J. Luiz Marques e Luiz Pilla Vares (Orgs.) pela Palmarica (1991)
>>> Memórias da Resistência de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2019)
>>> Supercapitalismo Como o capitalismo tem transformado os negócios, a democracia e o cotidiano de Robert B. Reich pela Campus (2008)
>>> Marx Engels - História -Coleção Grandes Cientistas Sociais 36 de Florestan Fernandes (Org.) pela Ática (1983)
>>> Começo de Conversa – Orientação Sexual de Osny Telles Marcondes Machado pela Saraiva (1996)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1999)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> A dieta dos 17 dias Um método simples para perder barriga de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> O Especialista em Educação na Perspectiva da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 10 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> Dez Leis Para Ser Feliz - Ferramentas par se apaixonar pela vida de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> Projeto Revista de Educação – Nº 1 - Ano 1 de Vário Autores pela Projeto (1999)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Dicionário do Pensamento Marxista de Tom Bottomore - Editor pela Jorge Zahar (2001)
>>> Um tango para 5 Rainhas de Jony Wolff pela Edição do autor (2018)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Os Clássicos da Política vol. 1- Mquiavel-Hobbes-Montesquieu- Rousseau de Francisco C. Welfort (Org.) pela Ática (2006)
>>> Nacionalismos - O estado nacional e o nacionalismo no século XX de Montserrat Guibernau pela Jorge Zahar (1997)
>>> Bibliografia Estudos Sobre Violência Sexual Contra a Mulher:1984-2003 de Kátia Soares Braga - Elise Nacimento (Orgs.) pela Letras Livres - UNB (2004)
>>> O reino de James T. harman pela Restauração (2013)
>>> A importancia da cobertura de Lance Lambert pela Classicos (2013)
>>> O Reino Entre Nós de Não Informado pela O Lutador
>>> Como Realizar a Aprendizagem de Robert M. Gagné pela Mec (1974)
>>> Yoga para a Saúde do Ciclo Menstrual de Linda Sparrowe/ Patrícia Walden pela Pensamento (2004)
>>> Pequenos Segredos da Arte de Escrever de Luiz A. P. Victoria pela Ouro (1972)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1988)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1989)
>>> Paca, Tatú...Contos Infantis de Malba Tahan pela Cruzada da Boa Imprensa (1939)
>>> A Marquesa de Reval de May Logan pela Anchieta (1944)
>>> Camilo Compreendido Tomo 1 e 2 de Gondim da Fonseca pela Martins (1953)
>>> Técnicas de Yoga de Dr.M.L.Gharote pela Phorte (2007)
>>> A Essência da Alma de Sônia Tozzi (psicografia) pela Lúmen (2006)
>>> Minutos de Oração de Legrand (coord) pela Soler (2007)
>>> A Norma Jurídica de Tercio Sampaio Ferraz Jr. E Outros pela Freitas Bastos (1980)
>>> Le Bateau Ivre Análise e Interpretação de Augusto Meyer pela São José (1955)
>>> Franz Kafka Os Filhos Rossmann Bendemann e Samsa de Ruth Cerqueira de Oliveira Röhl pela Universidade de São Paulo (1976)
>>> Fios de Ariadne - Ensaios de interpretação marxista de Centro de Estudos Marxistas pela Universidade de Passo Fundo (1999)
>>> Três Momentos Poéticos de Nelly Novaes Coelho pela Conselho Estadual de Cultura
>>> A Luz Perdida de Murillo Araujo pela Pongetti (1952)
>>> História e Consciência Social de Leôncio Basbaum pela Globo (1985)
>>> Dostoievsky de David Magarshack pela Aster
>>> Asanas de Swami Kuvalayananda pela Phorte (2009)
>>> A Ciência do Yoga de J.K.Taimni pela Teosófica (2006)
>>> Osso no seu Osso indo além da imitação de cristo de F. j. Huegel pela Restauração (2019)
COLUNAS >>> Especial Steve Jobs (1955-2011)

Sexta-feira, 28/10/2011
A cabeça de Steve Jobs
Marcelo Spalding

+ de 4700 Acessos

Repita-se um clichê: Steve não morreu. Ou melhor, não poderia morrer. O homem que revolucionou o mundo dos computadores pessoais, depois o cinema de animação e finalmente reinventou a forma de toda uma geração de ouvir música, lidar com seu aparelho celular, ler livros, sites, revistas e jornais e navegar na internet não poderia morrer. Fosse este homem audacioso, ríspido, meticuloso, egoísta, individualista, este homem não poderia morrer. Mas dia 05 de outubro deste ano, com apenas 56 anos, Steve Jobs morreu.

O legado de Jobs é imensurável e só será sentido ao longo das próximas décadas. Alguns um tanto exagerados já o compararam a Leonardo da Vinci. Outros nem tão exagerados, a Thomas Edison. O pessoal do design diz que Jobs está para o design assim como Henry Ford esteve para a produção. O fato é que há poucas empresas na história capazes de mobilizar uma multidão tão grande de fiéis — e outra ainda maior de clientes — e muito dessa paixão tinha a ver com o carisma do grande líder falecido neste outubro.

Bem, mas esta coluna não é uma homenagem a Jobs nem a retomada de sua biografia, tantas outras assim são escritas quando morre um ídolo (sim, Jobs conseguiu tornar-se ídolo num tempo de Ronaldinhos e Lady Gagas, um ídolo raro para a geração digital, um primeiro símbolo para toda uma indústria que vai chegando a sua segunda geração). Esta coluna vai tratar do melhor livro publicado sobre Jobs no Brasil até agora, "A cabeça de Steve Jobs" (Agir, 284p.).

A obra é uma biografia não-autorizada (particularmente sempre desconfio de biografias autorizadas) escrita por um jornalista muito bem informado a respeito da Apple, Leander Kahney. Sete dos nove capítulos trazem supostos traços fortes da personalidade de Jobs como título, servindo de ponto de partida para abordar aspectos mais amplos do trabalho do CEO na Apple. Começa pelo "Foco" e vai até o "Controle Total", passando pelo "Despotismo", "Perfeccionismo", "Elitismo", "Paixão" e "Espírito Inventivo". O capítulo sete, chamado "Estudo de caso", trata do iPod, enquanto o nove aborda "A batalha de Jobs contra o câncer". Este último foi acrescentado apenas na segunda edição e chega a mencionar como seria a Apple sem Jobs, mas de forma muito superficial.

Pelos títulos se pode imaginar que a obra realce aspectos controversos, verdadeiros defeitos de personalidade, desmitificando o mito. Mas não, o ponto forte do livro é exatamente que Leander Kahney consegue evitar a louvação a Jobs, retomando algumas críticas e episódios que não estariam numa biografia autorizada, mas também respeitando o tamanho do biografado e sua genialidade sem par no mundo do design e da tecnologia.

"Jobs dirige a Apple com uma mistura peculiar de arte intransigente e soberbo talento para negócios. Ele é mais um artista do que um homem de negócios, mas tem a brilhante capacidade de capitalizar sobre suas criações. (.) Jobs pegou seus interesses e os traços de sua personalidade — obsessão, narcicismo, perfeccionismo — e transformou-os nas marcas registradas de sua carreira."

O que incomoda no livro é um viés de negócios que poderia ser suprimido pelo bem do texto (não sei se das vendas). Já na capa o subtítulo é "as lições do líder da empresa mais revolucionária do mundo". E no final de cada capítulo temos um pueril "Lições de Steve", reduzindo complexos pensamentos (e mesmo um trabalho capítulo) em meia dúzia de palavras para serem xerocadas por executivos mal preparados e distribuídas entre os seus funcionários.

Vejamos o caso do Capítulo 3, "Perfeccionismo: design de produtos e a busca da excelência", obrigatório para estudantes e profissionais de design. O capítulo inicia mostrando como dois jovens dentro de uma garagem puderam criar computadores que hoje são tidos como os primeiros computadores pessoais, competindo com uma gigante como a IBM: "a cruzada pró-design de Jobs começou com o Apple II, que saiu da prancheta pouco depois da incorporação da empresa, em 1976. Enquanto Wozniak (amigo e sócio de Jobs no início da Apple) trabalhava no hardware pioneiro, Jobs concentrava-se no gabinete. Não havia ninguém colocando computadores em gabinetes deplástico. Para ter uma ideia da aparência que ele teria, Jobs começou a frequentar lojas de departamento em busca de inspiração. Encontrou-a na seção de cozinha do Macy's quando examinava processadores de alimentos de plástico moldado com bordas suaves, cores discretas e uma superfície levemente texturizada".

Oo sucesso galopante do Apple II fez Jobs levar a sério, como nunca, o design industrial. Nas palavras de Kahney, "o design era um diferencial determinante entre a filosofia 'amigável ao consumidor' e 'funciona logo que sai da caixa' da Apple e a embalagem utilitária e básica dos primeiros rivais, como o PC da IBM".

Outro capítulo de grande interesse, aí para os apaixonados pela Apple e para os estudantes  de administração e administrados em geral, é o primeiro, sobre o "Foco". Ali é contada a impressionante história de recuperação da Apple a partir da volta de Jobs ao comando da empresa. Sim, hoje pode parecer absurdo, mas em 1985 Jobs foi demitido da Apple, "por ser considerado irredutível e incontrolável", e diga-se que a empresa seguiu crescendo sem ele: "em 1994, a empresa detinha quase 10% do multibilionário mercado mundial de computadores pessoas".

A empresa, porém, queria ainda mais: "queria ser como a Microsoft. Licenciou o sistema operacional do Macintosh para vários outros fabrincantes, entre os quais a Power Computing, a Motorola, a Umax e outros. O raciocínio dos executivos da Apple era de que essas máquinas 'clonadas' fariam crescer a participação de mercado dos Macs.  Só que isso não funcionou. O mercado de Macs permaneceu relativamente inalterado, e os fabricantes de clones tiraram vendas da Apple. Enquanto isso, o novo sistema operacional da Microsoft, o Windows 95, estava em rápida ascenção. Os críticos disseram que o Windows 95 era a cópia mais vergonhosa já feita pela Microsoft do sistema operacional do Mac. Os consumidores da Microsoft, contudo, não ligaram. (.) Nos primeiros três meses de 1996, a Apple relatou um prejuízo de 69 milhões de dólares e demitiu 1300 funcionários". E foi aí que Jobs voltou à cena da empresa.

Era julho de 1997, a Apple estava "numa espiral mortífera, a seis meses da falência". Em uma reunião de executivos, conta Kahney que Jobs entrou na sala parecendo um mendigo, de bermuda, tênis e barba por fazer, jogou-se em uma cadeira e disse: "Me digam o que há de errado nesse lugar". Antes que qualquer um pudesse responder, explodiu: "São os produtos. Os produtos são uma bosta! Já não tem mais sexo neles".

O retorno de Jobs, como se sabe, não apenas salvou a Apple como tornou-a uma das empresas mais valiosas do mundo (segundo valor de mercado), muito a frente de Google, Microsoft, IBM e Dell. A frente mesmo de Coca-Cola, Disney e McDonald's. Uma ação da Apple valia em torno de US$ 20,00 em 1985; chegou à casa dos US$ 13,00 no fatídico julho de 1997; já beirava os US$ 100 dez anos depois, em 2007; e valiam incríveis US$ 397,00 em agosto de 2011. Ou seja, quem tivesse investido US$ 100 mil na Apple em julho de 1997 teria, hoje, mais de US$ 3 milhões de dólares.

Segundo Kahney, a coisa mais importante feita por Jobs foi simplificar radicalmente a linha de produtos da Apple, descontinuando diversos projetos, até mesmo um handlet que seria o precursos do iPad: "em seu modesto escritório, Jobs desenhou uma tabela muito simples de dois por dois no quadro branco. No topo escreveu 'Consumidor' e 'Profissional', e na lateral 'Portátil' e 'Desktop'. Aí estava a nova estratégia de produtos. Apenas quatro máquinas."

No capítulo 7, em "Um estudo de caso", Kahney propõe mostrar como tudo foi reunido para a criação do iPod. Por tudo entende-se a experiência de Jobs na Apple e fora dela, a experiência da própria Apple, conceitos contemporâneos de tecnologia, design e entretenimento. A leitura do capítulo é muito interessante porque revela parte dos bastidores da criação de um produto fantástico como o iPod, sobre o qual alguns analistas achavam que era possível que fossem vendidos 500 milhões de iPods antes que o mercado estivessem saturado, o que o transformaria num candidato ao recorde como eletrônico de consumo de massas de todos os tempos (o atual recordista é o Walkman, da Sony, que vendeu 350 milhões de unidades entre 1980 e o início dos 1990). O número, hoje, parece que não será atingido, mas o motivo é que depois do iPod a Apple mudou o próprio mercado com o iPhone e o iPad.

Nesse aspecto, é uma pena que o quando Kahney tenha publicado a edição atual do livro o iPhone fosse apenas uma grande promessa recém lançada e o iPad não esistisse nem na imaginação do autor (talvez na de Jobs), sendo mesmo o iPod sua principal referência para louvar o ídolo nesse retorno estrondoso ao mundo da tecnologia.

Jobs, enfim, merece uma biografia mais consistente, que traga mais traços de sua personalidade criativa e menos de seus arroubos gerenciais (assim como merece um bom filme, pelo menos do naipe de "A Rede Social", pois nem se compara a biografia de Steve com a de Mark). E sem dúvidas muitas serão escritas a partir de agora. Enquanto isso, porém, o trabalho de Leander Kahney permite que os milhões de órfãos aproximem-se de seu ídolo através das páginas do livro, conhecendo-o um pouco melhor. E lamentem, a cada página, que Steve tenha morrido. Há homens que não poderiam morrer.



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 28/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ser escritor ou estar escritor? de Jonas Lopes
02. Novas Diretrizes: a essência do fazer teatral de Rennata Airoldi
03. Conta-gotas de Adriana Baggio
04. Ave Caesar, morituri te salutant de Rafael Azevedo


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2011
01. História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo - 25/2/2011
02. História da leitura (II): o códice medieval - 18/3/2011
03. História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg - 1/4/2011
04. O certo e o errado no ensino da Língua Portuguesa - 3/6/2011
05. A revista Veredas e os mil minicontos - 23/9/2011


Mais Especial Steve Jobs (1955-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ
THEREZINHA BITTENCOURT E VITOR LIMA RAIMUNDO
ODORIZZI
(2011)
R$ 10,00



TEM AQUELA DO...
CHICO ANÍSIO
CÍRCULO DO LIVRO
(1978)
R$ 8,38



SOMBRAS QUE ASSOMBRAM - O EXPRESSIONISMO NO CINEMA ALEMÃO
SESC
SESC
(2013)
R$ 7,27



NOVAS GEOPOLÍTICAS
JOSÉ WILLIAM VESENTINI
CONTEXTO
(2011)
R$ 18,00



PROSPERIDADE EM 42 DIAS
HUMBERTO PAZIAN
BUTTERFLY
(2008)
R$ 19,00



FILHOTES - OS CUIDADOS NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA DO SEU CÃO
SCOTT MILLER
MANOLE
(2008)
R$ 25,00



EXEGESE DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL-04 VOLUMES-CRÍTICA-INTER-JUR 9429
ANTONIO PEREIRA BRAGA
MAX LIMONAD
R$ 143,00



OS SEIS LIVROS DA REPÚBLICA - LIVRO SEGUNDO - 1ª EDIÇÃO
JEAN BODIN
ÍCONE
(2011)
R$ 34,95



O CRIME DO PADRE AMARO
EÇA DE QUEIRÓS
W. BUCH
(2009)
R$ 14,90



OS EXTRATERRESTRES - OS PRIMEIROS POVOADORES DA TERRA ?
HEBER CASAL SÁENZ
PLANETA
(2005)
R$ 12,90





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês