A cabeça de Steve Jobs | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O samba de Donga na Festa da Penha
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
Mais Recentes
>>> Quando Nietzsche chorou de Irvin D. Yalom pela Ediouro (2005)
>>> História das Sociedades Americanas de Rubim Santos Leão de Aquino, Nivaldo Jesus Freitas de Lemos, Oscar Guilherme Pahl Campos Lopes pela Record (2004)
>>> O Clima em Transe - Vulnerabilidade e Adaptação da Agricultura Familiar de Marcel Bursztyn - Saulo Rodrigues Filho (Orgs.) pela Garamond (2016)
>>> Cidadania no Brasil - O Longo Caminho 13ªed. de José Murilo de Carvalho pela Civilização Brasileira (2010)
>>> El Trabajo del Actor Sobre Si Mismo de Konstantin Stanislavski pela Alba Editorial (2010)
>>> A Ciência da Informação de Yves-François Le Coadic pela Briquet de Lemos (2004)
>>> Curso Teorico Para Operadores de Usinas Hidrelétricas de Departamento Municipal de Eletricidade pela Dme
>>> Circuitos Elétricos 2E de Aline Palhares(Editora) pela Instituto Monitor (2004)
>>> Conforto Espiritual de Dora Incontri pela Mente Aberta (2012)
>>> Progressos na Cirurgia de Jamel Bruno de Mello, Irany Novah Moraes, Pedro Nahas, Rubens de Arruda e Nelson Abrão(Editores) pela Hospital jaraguá farmion (1979)
>>> Você Pode fazer os Seus Milagres de Napoleon Hill pela Record (1971)
>>> Aurora da Minha Vida de Alvaro Basile Portughesi pela Clareon (2006)
>>> Feridas da Alma de Pe. Reginaldo Manzotti pela Agir (2013)
>>> Um Milagre de Natal de Paul Gallico pela Nova Época (1975)
>>> Os Insondáveis Caminhos da Vida de Jorge Andréa pela Societo Lorenz (2003)
>>> O Homem Que Ouvia Estrelas de Adeilson Salles pela Ceac (2013)
>>> Compreender Lévinas de B.C. Hutchens pela Vozes (2009)
>>> Fantasma Edição Histórica Nº22 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Saber (1996)
>>> Fantasma Especial Nº31 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Globo (1989)
>>> O segredo de Helena de Lucinda Riley pela Arqueiro (2018)
>>> Fantasma Nº20 de Lee Falk e Ray Moore pela Saber (1995)
>>> Fantasma Nº29 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Globo (1991)
>>> A casa das orquídeas de Lucinda Riley pela Novo conceito (2012)
>>> Espiritismo Para Jovens: A história de Jesus e o livro dos espíritos para iniciantes da doutrina espírita de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2018)
>>> A Mente Educada de Kieran Egan pela Bertrand Brasil (2002)
COLUNAS >>> Especial Steve Jobs (1955-2011)

Sexta-feira, 28/10/2011
A cabeça de Steve Jobs
Marcelo Spalding

+ de 5100 Acessos

Repita-se um clichê: Steve não morreu. Ou melhor, não poderia morrer. O homem que revolucionou o mundo dos computadores pessoais, depois o cinema de animação e finalmente reinventou a forma de toda uma geração de ouvir música, lidar com seu aparelho celular, ler livros, sites, revistas e jornais e navegar na internet não poderia morrer. Fosse este homem audacioso, ríspido, meticuloso, egoísta, individualista, este homem não poderia morrer. Mas dia 05 de outubro deste ano, com apenas 56 anos, Steve Jobs morreu.

O legado de Jobs é imensurável e só será sentido ao longo das próximas décadas. Alguns um tanto exagerados já o compararam a Leonardo da Vinci. Outros nem tão exagerados, a Thomas Edison. O pessoal do design diz que Jobs está para o design assim como Henry Ford esteve para a produção. O fato é que há poucas empresas na história capazes de mobilizar uma multidão tão grande de fiéis — e outra ainda maior de clientes — e muito dessa paixão tinha a ver com o carisma do grande líder falecido neste outubro.

Bem, mas esta coluna não é uma homenagem a Jobs nem a retomada de sua biografia, tantas outras assim são escritas quando morre um ídolo (sim, Jobs conseguiu tornar-se ídolo num tempo de Ronaldinhos e Lady Gagas, um ídolo raro para a geração digital, um primeiro símbolo para toda uma indústria que vai chegando a sua segunda geração). Esta coluna vai tratar do melhor livro publicado sobre Jobs no Brasil até agora, "A cabeça de Steve Jobs" (Agir, 284p.).

A obra é uma biografia não-autorizada (particularmente sempre desconfio de biografias autorizadas) escrita por um jornalista muito bem informado a respeito da Apple, Leander Kahney. Sete dos nove capítulos trazem supostos traços fortes da personalidade de Jobs como título, servindo de ponto de partida para abordar aspectos mais amplos do trabalho do CEO na Apple. Começa pelo "Foco" e vai até o "Controle Total", passando pelo "Despotismo", "Perfeccionismo", "Elitismo", "Paixão" e "Espírito Inventivo". O capítulo sete, chamado "Estudo de caso", trata do iPod, enquanto o nove aborda "A batalha de Jobs contra o câncer". Este último foi acrescentado apenas na segunda edição e chega a mencionar como seria a Apple sem Jobs, mas de forma muito superficial.

Pelos títulos se pode imaginar que a obra realce aspectos controversos, verdadeiros defeitos de personalidade, desmitificando o mito. Mas não, o ponto forte do livro é exatamente que Leander Kahney consegue evitar a louvação a Jobs, retomando algumas críticas e episódios que não estariam numa biografia autorizada, mas também respeitando o tamanho do biografado e sua genialidade sem par no mundo do design e da tecnologia.

"Jobs dirige a Apple com uma mistura peculiar de arte intransigente e soberbo talento para negócios. Ele é mais um artista do que um homem de negócios, mas tem a brilhante capacidade de capitalizar sobre suas criações. (.) Jobs pegou seus interesses e os traços de sua personalidade — obsessão, narcicismo, perfeccionismo — e transformou-os nas marcas registradas de sua carreira."

O que incomoda no livro é um viés de negócios que poderia ser suprimido pelo bem do texto (não sei se das vendas). Já na capa o subtítulo é "as lições do líder da empresa mais revolucionária do mundo". E no final de cada capítulo temos um pueril "Lições de Steve", reduzindo complexos pensamentos (e mesmo um trabalho capítulo) em meia dúzia de palavras para serem xerocadas por executivos mal preparados e distribuídas entre os seus funcionários.

Vejamos o caso do Capítulo 3, "Perfeccionismo: design de produtos e a busca da excelência", obrigatório para estudantes e profissionais de design. O capítulo inicia mostrando como dois jovens dentro de uma garagem puderam criar computadores que hoje são tidos como os primeiros computadores pessoais, competindo com uma gigante como a IBM: "a cruzada pró-design de Jobs começou com o Apple II, que saiu da prancheta pouco depois da incorporação da empresa, em 1976. Enquanto Wozniak (amigo e sócio de Jobs no início da Apple) trabalhava no hardware pioneiro, Jobs concentrava-se no gabinete. Não havia ninguém colocando computadores em gabinetes deplástico. Para ter uma ideia da aparência que ele teria, Jobs começou a frequentar lojas de departamento em busca de inspiração. Encontrou-a na seção de cozinha do Macy's quando examinava processadores de alimentos de plástico moldado com bordas suaves, cores discretas e uma superfície levemente texturizada".

Oo sucesso galopante do Apple II fez Jobs levar a sério, como nunca, o design industrial. Nas palavras de Kahney, "o design era um diferencial determinante entre a filosofia 'amigável ao consumidor' e 'funciona logo que sai da caixa' da Apple e a embalagem utilitária e básica dos primeiros rivais, como o PC da IBM".

Outro capítulo de grande interesse, aí para os apaixonados pela Apple e para os estudantes  de administração e administrados em geral, é o primeiro, sobre o "Foco". Ali é contada a impressionante história de recuperação da Apple a partir da volta de Jobs ao comando da empresa. Sim, hoje pode parecer absurdo, mas em 1985 Jobs foi demitido da Apple, "por ser considerado irredutível e incontrolável", e diga-se que a empresa seguiu crescendo sem ele: "em 1994, a empresa detinha quase 10% do multibilionário mercado mundial de computadores pessoas".

A empresa, porém, queria ainda mais: "queria ser como a Microsoft. Licenciou o sistema operacional do Macintosh para vários outros fabrincantes, entre os quais a Power Computing, a Motorola, a Umax e outros. O raciocínio dos executivos da Apple era de que essas máquinas 'clonadas' fariam crescer a participação de mercado dos Macs.  Só que isso não funcionou. O mercado de Macs permaneceu relativamente inalterado, e os fabricantes de clones tiraram vendas da Apple. Enquanto isso, o novo sistema operacional da Microsoft, o Windows 95, estava em rápida ascenção. Os críticos disseram que o Windows 95 era a cópia mais vergonhosa já feita pela Microsoft do sistema operacional do Mac. Os consumidores da Microsoft, contudo, não ligaram. (.) Nos primeiros três meses de 1996, a Apple relatou um prejuízo de 69 milhões de dólares e demitiu 1300 funcionários". E foi aí que Jobs voltou à cena da empresa.

Era julho de 1997, a Apple estava "numa espiral mortífera, a seis meses da falência". Em uma reunião de executivos, conta Kahney que Jobs entrou na sala parecendo um mendigo, de bermuda, tênis e barba por fazer, jogou-se em uma cadeira e disse: "Me digam o que há de errado nesse lugar". Antes que qualquer um pudesse responder, explodiu: "São os produtos. Os produtos são uma bosta! Já não tem mais sexo neles".

O retorno de Jobs, como se sabe, não apenas salvou a Apple como tornou-a uma das empresas mais valiosas do mundo (segundo valor de mercado), muito a frente de Google, Microsoft, IBM e Dell. A frente mesmo de Coca-Cola, Disney e McDonald's. Uma ação da Apple valia em torno de US$ 20,00 em 1985; chegou à casa dos US$ 13,00 no fatídico julho de 1997; já beirava os US$ 100 dez anos depois, em 2007; e valiam incríveis US$ 397,00 em agosto de 2011. Ou seja, quem tivesse investido US$ 100 mil na Apple em julho de 1997 teria, hoje, mais de US$ 3 milhões de dólares.

Segundo Kahney, a coisa mais importante feita por Jobs foi simplificar radicalmente a linha de produtos da Apple, descontinuando diversos projetos, até mesmo um handlet que seria o precursos do iPad: "em seu modesto escritório, Jobs desenhou uma tabela muito simples de dois por dois no quadro branco. No topo escreveu 'Consumidor' e 'Profissional', e na lateral 'Portátil' e 'Desktop'. Aí estava a nova estratégia de produtos. Apenas quatro máquinas."

No capítulo 7, em "Um estudo de caso", Kahney propõe mostrar como tudo foi reunido para a criação do iPod. Por tudo entende-se a experiência de Jobs na Apple e fora dela, a experiência da própria Apple, conceitos contemporâneos de tecnologia, design e entretenimento. A leitura do capítulo é muito interessante porque revela parte dos bastidores da criação de um produto fantástico como o iPod, sobre o qual alguns analistas achavam que era possível que fossem vendidos 500 milhões de iPods antes que o mercado estivessem saturado, o que o transformaria num candidato ao recorde como eletrônico de consumo de massas de todos os tempos (o atual recordista é o Walkman, da Sony, que vendeu 350 milhões de unidades entre 1980 e o início dos 1990). O número, hoje, parece que não será atingido, mas o motivo é que depois do iPod a Apple mudou o próprio mercado com o iPhone e o iPad.

Nesse aspecto, é uma pena que o quando Kahney tenha publicado a edição atual do livro o iPhone fosse apenas uma grande promessa recém lançada e o iPad não esistisse nem na imaginação do autor (talvez na de Jobs), sendo mesmo o iPod sua principal referência para louvar o ídolo nesse retorno estrondoso ao mundo da tecnologia.

Jobs, enfim, merece uma biografia mais consistente, que traga mais traços de sua personalidade criativa e menos de seus arroubos gerenciais (assim como merece um bom filme, pelo menos do naipe de "A Rede Social", pois nem se compara a biografia de Steve com a de Mark). E sem dúvidas muitas serão escritas a partir de agora. Enquanto isso, porém, o trabalho de Leander Kahney permite que os milhões de órfãos aproximem-se de seu ídolo através das páginas do livro, conhecendo-o um pouco melhor. E lamentem, a cada página, que Steve tenha morrido. Há homens que não poderiam morrer.



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 28/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nem morta! de Ana Elisa Ribeiro
02. A desgraça de ser escritor de Luís Fernando Amâncio
03. Sarkozy e o privilégio de ser francês de Celso A. Uequed Pitol
04. Ação Social de Ricardo de Mattos
05. A escrita boxeur de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2011
01. História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo - 25/2/2011
02. História da leitura (II): o códice medieval - 18/3/2011
03. História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg - 1/4/2011
04. O certo e o errado no ensino da Língua Portuguesa - 3/6/2011
05. A revista Veredas e os mil minicontos - 23/9/2011


Mais Especial Steve Jobs (1955-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Deuses do Olimpo, Os: da Antiguidade aos Dias de Hoje
Barbara Graziosi
Cultrix
(2016)



A Tarântula e Outros Contos
Eloá França
Independente
(2017)



Natal de Ouro Nº 17
Walt Disney
Abril
(1995)



Açúcar Amargo
Luiz Puntel
Atica
(2000)



Historia do Mundo sem as Partes Chatas - 1ª Edição
Dave Rear
Cultrix
(2013)



O Caminho de Volta
Rose Tremain
Rocco
(2010)



A dieta de Beverly Hills
Judy Mazel
Record
(1983)



Negima volume 26
Ken Akamatsu
Jbc
(2005)



Os Subterrâneos do Vaticano
Andre Gide
Abril Cultural
(1971)



A Serpente Emplumada
Albert Beuttenmuller
Ground
(1999)





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês