A cabeça de Steve Jobs | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
Mais Recentes
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
>>> Walk, run, or retreat de Neil V. Sullivan pela Indiana university press (1971)
>>> enciclopédia dos museus--galeria nacional washington de Sem Autor pela Ceam (1970)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Four Weddings and a Funeral de Richard Curtis pela Peguin Readers (1999)
>>> a Presidência Afortunada de Candido Mendes pela Record (1999)
COLUNAS >>> Especial Steve Jobs (1955-2011)

Sexta-feira, 28/10/2011
A cabeça de Steve Jobs
Marcelo Spalding

+ de 4500 Acessos

Repita-se um clichê: Steve não morreu. Ou melhor, não poderia morrer. O homem que revolucionou o mundo dos computadores pessoais, depois o cinema de animação e finalmente reinventou a forma de toda uma geração de ouvir música, lidar com seu aparelho celular, ler livros, sites, revistas e jornais e navegar na internet não poderia morrer. Fosse este homem audacioso, ríspido, meticuloso, egoísta, individualista, este homem não poderia morrer. Mas dia 05 de outubro deste ano, com apenas 56 anos, Steve Jobs morreu.

O legado de Jobs é imensurável e só será sentido ao longo das próximas décadas. Alguns um tanto exagerados já o compararam a Leonardo da Vinci. Outros nem tão exagerados, a Thomas Edison. O pessoal do design diz que Jobs está para o design assim como Henry Ford esteve para a produção. O fato é que há poucas empresas na história capazes de mobilizar uma multidão tão grande de fiéis — e outra ainda maior de clientes — e muito dessa paixão tinha a ver com o carisma do grande líder falecido neste outubro.

Bem, mas esta coluna não é uma homenagem a Jobs nem a retomada de sua biografia, tantas outras assim são escritas quando morre um ídolo (sim, Jobs conseguiu tornar-se ídolo num tempo de Ronaldinhos e Lady Gagas, um ídolo raro para a geração digital, um primeiro símbolo para toda uma indústria que vai chegando a sua segunda geração). Esta coluna vai tratar do melhor livro publicado sobre Jobs no Brasil até agora, "A cabeça de Steve Jobs" (Agir, 284p.).

A obra é uma biografia não-autorizada (particularmente sempre desconfio de biografias autorizadas) escrita por um jornalista muito bem informado a respeito da Apple, Leander Kahney. Sete dos nove capítulos trazem supostos traços fortes da personalidade de Jobs como título, servindo de ponto de partida para abordar aspectos mais amplos do trabalho do CEO na Apple. Começa pelo "Foco" e vai até o "Controle Total", passando pelo "Despotismo", "Perfeccionismo", "Elitismo", "Paixão" e "Espírito Inventivo". O capítulo sete, chamado "Estudo de caso", trata do iPod, enquanto o nove aborda "A batalha de Jobs contra o câncer". Este último foi acrescentado apenas na segunda edição e chega a mencionar como seria a Apple sem Jobs, mas de forma muito superficial.

Pelos títulos se pode imaginar que a obra realce aspectos controversos, verdadeiros defeitos de personalidade, desmitificando o mito. Mas não, o ponto forte do livro é exatamente que Leander Kahney consegue evitar a louvação a Jobs, retomando algumas críticas e episódios que não estariam numa biografia autorizada, mas também respeitando o tamanho do biografado e sua genialidade sem par no mundo do design e da tecnologia.

"Jobs dirige a Apple com uma mistura peculiar de arte intransigente e soberbo talento para negócios. Ele é mais um artista do que um homem de negócios, mas tem a brilhante capacidade de capitalizar sobre suas criações. (.) Jobs pegou seus interesses e os traços de sua personalidade — obsessão, narcicismo, perfeccionismo — e transformou-os nas marcas registradas de sua carreira."

O que incomoda no livro é um viés de negócios que poderia ser suprimido pelo bem do texto (não sei se das vendas). Já na capa o subtítulo é "as lições do líder da empresa mais revolucionária do mundo". E no final de cada capítulo temos um pueril "Lições de Steve", reduzindo complexos pensamentos (e mesmo um trabalho capítulo) em meia dúzia de palavras para serem xerocadas por executivos mal preparados e distribuídas entre os seus funcionários.

Vejamos o caso do Capítulo 3, "Perfeccionismo: design de produtos e a busca da excelência", obrigatório para estudantes e profissionais de design. O capítulo inicia mostrando como dois jovens dentro de uma garagem puderam criar computadores que hoje são tidos como os primeiros computadores pessoais, competindo com uma gigante como a IBM: "a cruzada pró-design de Jobs começou com o Apple II, que saiu da prancheta pouco depois da incorporação da empresa, em 1976. Enquanto Wozniak (amigo e sócio de Jobs no início da Apple) trabalhava no hardware pioneiro, Jobs concentrava-se no gabinete. Não havia ninguém colocando computadores em gabinetes deplástico. Para ter uma ideia da aparência que ele teria, Jobs começou a frequentar lojas de departamento em busca de inspiração. Encontrou-a na seção de cozinha do Macy's quando examinava processadores de alimentos de plástico moldado com bordas suaves, cores discretas e uma superfície levemente texturizada".

Oo sucesso galopante do Apple II fez Jobs levar a sério, como nunca, o design industrial. Nas palavras de Kahney, "o design era um diferencial determinante entre a filosofia 'amigável ao consumidor' e 'funciona logo que sai da caixa' da Apple e a embalagem utilitária e básica dos primeiros rivais, como o PC da IBM".

Outro capítulo de grande interesse, aí para os apaixonados pela Apple e para os estudantes  de administração e administrados em geral, é o primeiro, sobre o "Foco". Ali é contada a impressionante história de recuperação da Apple a partir da volta de Jobs ao comando da empresa. Sim, hoje pode parecer absurdo, mas em 1985 Jobs foi demitido da Apple, "por ser considerado irredutível e incontrolável", e diga-se que a empresa seguiu crescendo sem ele: "em 1994, a empresa detinha quase 10% do multibilionário mercado mundial de computadores pessoas".

A empresa, porém, queria ainda mais: "queria ser como a Microsoft. Licenciou o sistema operacional do Macintosh para vários outros fabrincantes, entre os quais a Power Computing, a Motorola, a Umax e outros. O raciocínio dos executivos da Apple era de que essas máquinas 'clonadas' fariam crescer a participação de mercado dos Macs.  Só que isso não funcionou. O mercado de Macs permaneceu relativamente inalterado, e os fabricantes de clones tiraram vendas da Apple. Enquanto isso, o novo sistema operacional da Microsoft, o Windows 95, estava em rápida ascenção. Os críticos disseram que o Windows 95 era a cópia mais vergonhosa já feita pela Microsoft do sistema operacional do Mac. Os consumidores da Microsoft, contudo, não ligaram. (.) Nos primeiros três meses de 1996, a Apple relatou um prejuízo de 69 milhões de dólares e demitiu 1300 funcionários". E foi aí que Jobs voltou à cena da empresa.

Era julho de 1997, a Apple estava "numa espiral mortífera, a seis meses da falência". Em uma reunião de executivos, conta Kahney que Jobs entrou na sala parecendo um mendigo, de bermuda, tênis e barba por fazer, jogou-se em uma cadeira e disse: "Me digam o que há de errado nesse lugar". Antes que qualquer um pudesse responder, explodiu: "São os produtos. Os produtos são uma bosta! Já não tem mais sexo neles".

O retorno de Jobs, como se sabe, não apenas salvou a Apple como tornou-a uma das empresas mais valiosas do mundo (segundo valor de mercado), muito a frente de Google, Microsoft, IBM e Dell. A frente mesmo de Coca-Cola, Disney e McDonald's. Uma ação da Apple valia em torno de US$ 20,00 em 1985; chegou à casa dos US$ 13,00 no fatídico julho de 1997; já beirava os US$ 100 dez anos depois, em 2007; e valiam incríveis US$ 397,00 em agosto de 2011. Ou seja, quem tivesse investido US$ 100 mil na Apple em julho de 1997 teria, hoje, mais de US$ 3 milhões de dólares.

Segundo Kahney, a coisa mais importante feita por Jobs foi simplificar radicalmente a linha de produtos da Apple, descontinuando diversos projetos, até mesmo um handlet que seria o precursos do iPad: "em seu modesto escritório, Jobs desenhou uma tabela muito simples de dois por dois no quadro branco. No topo escreveu 'Consumidor' e 'Profissional', e na lateral 'Portátil' e 'Desktop'. Aí estava a nova estratégia de produtos. Apenas quatro máquinas."

No capítulo 7, em "Um estudo de caso", Kahney propõe mostrar como tudo foi reunido para a criação do iPod. Por tudo entende-se a experiência de Jobs na Apple e fora dela, a experiência da própria Apple, conceitos contemporâneos de tecnologia, design e entretenimento. A leitura do capítulo é muito interessante porque revela parte dos bastidores da criação de um produto fantástico como o iPod, sobre o qual alguns analistas achavam que era possível que fossem vendidos 500 milhões de iPods antes que o mercado estivessem saturado, o que o transformaria num candidato ao recorde como eletrônico de consumo de massas de todos os tempos (o atual recordista é o Walkman, da Sony, que vendeu 350 milhões de unidades entre 1980 e o início dos 1990). O número, hoje, parece que não será atingido, mas o motivo é que depois do iPod a Apple mudou o próprio mercado com o iPhone e o iPad.

Nesse aspecto, é uma pena que o quando Kahney tenha publicado a edição atual do livro o iPhone fosse apenas uma grande promessa recém lançada e o iPad não esistisse nem na imaginação do autor (talvez na de Jobs), sendo mesmo o iPod sua principal referência para louvar o ídolo nesse retorno estrondoso ao mundo da tecnologia.

Jobs, enfim, merece uma biografia mais consistente, que traga mais traços de sua personalidade criativa e menos de seus arroubos gerenciais (assim como merece um bom filme, pelo menos do naipe de "A Rede Social", pois nem se compara a biografia de Steve com a de Mark). E sem dúvidas muitas serão escritas a partir de agora. Enquanto isso, porém, o trabalho de Leander Kahney permite que os milhões de órfãos aproximem-se de seu ídolo através das páginas do livro, conhecendo-o um pouco melhor. E lamentem, a cada página, que Steve tenha morrido. Há homens que não poderiam morrer.



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 28/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um teatro que foge do óbvio de Guilherme Conte
02. Sou da capital, sou sem-educação de Ana Elisa Ribeiro
03. Canarinho velho e pessimista de Bruno Garschagen


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2011
01. História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo - 25/2/2011
02. História da leitura (II): o códice medieval - 18/3/2011
03. História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg - 1/4/2011
04. O certo e o errado no ensino da Língua Portuguesa - 3/6/2011
05. A revista Veredas e os mil minicontos - 23/9/2011


Mais Especial Steve Jobs (1955-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COM VINHO E SANGUE
JANET DAILEY
RECORD
(1995)
R$ 6,00



SOCIEDADE MIDIATIZADA
ORGANIZADOR DÊNIS DE MORAES
MAUAD X
(2008)
R$ 27,00



ELEGIAS DE BIERVILLE BILINGUE
CARLES RIBA
VISOR
(1982)
R$ 50,00
+ frete grátis



AMOR NUNCA É DEMAIS
HELEN VAN SLYKE
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 6,00



PASCHOAL CARLOS MAGNO - CRÍTICA TEATRAL E OUTRAS HISTÓRIAS
MARTINHO DE CARVALHO E NORMA DUMAR
FUNARTE
(2006)
R$ 80,00



SOBRE AS FEITICEIRAS
JULES MICHELET
AFRODITE
(1974)
R$ 50,00



REENCARNAÇÃO E VIDA
AMÁLIA DOMINGO SOLER
INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPIRITA
R$ 10,00



ARMANDO A BARRACA
NICK FISHER
MELHORAMENTO
(2001)
R$ 15,00



DIÁLOGOS IMPOSSÍVEIS
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2012)
R$ 15,00



CLEOPATRA
BENOIST MECHIN
NOVA FRONTEIRA
(1978)
R$ 10,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês