O Hobbit - A Desolação de Smaug | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
50141 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
>>> FAAP discute Semana de Arte Moderna de 22
>>> Toda Quinta retoma 1ª edição no Teatro Vivo com menção a Dominguinhos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> 17/6/2013 no Twitter
>>> Frejat cantando Black Magic Woman
>>> Mulheres à beira de um ataque de nervos
>>> Cansei de ser atropelado!
>>> Da Biografia de Lima Barreto
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Predadores humanos
>>> Tout le reste est littérature
Mais Recentes
>>> O retorno à cultura arcaica de Terence McKenna pela Record (1995)
>>> A Bíblia Disse a Verdade de Sir Charles Marston pela Itatiaia (1958)
>>> Recursos Naturais Meio Ambiente E Poluição de Vários Autores pela Supren (1977)
>>> Etiqueta sem frescura de Claudia Matarazzo pela Melhoramentos (2004)
>>> Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei de Malika Oufkir e Michèle Fitoussi pela Companhia das Letras (1999)
>>> A Casa da Rússia de John Le Carré pela Record (1989)
>>> Os sete de André Vianco pela Novo Século (2007)
>>> Sétimo de André Vianco pela Novo Século (2009)
>>> Peça-me o que quiser de Megan Maxwell pela Suma De Letras (2013)
>>> A invasão das salsichas gigantes de Arnaldo Jabor pela Objetiva (2001)
>>> O maior vendedor do mundo de Og Mandino pela Record (2006)
>>> Abraço de pai joão de Wanderley Oliveira pela Dufaux (2015)
>>> Kardec a biografia de Marcel Souto Maior pela Record (2013)
>>> Harry potter e a criança amaldiçoada de J.K. Rowling pela Rocco (2016)
>>> English pronunciation for brazilians de Sonia m. baccari de godoy pela Disal (2006)
>>> O poder do pensamento positivo de Norman Vincent Peale pela Cultrix (2006)
>>> Defesa da Juventude Contra Males Venéreos e Outras Doenças de José I. Abbadia pela Gráfica Condor (1949)
>>> The Rule of Four de Dustin Thomason pela Random House Inc. (2004)
>>> Manual mínimo do ator de Dario fo pela Senac (2004)
>>> Uma breve história do cristianismo de Georffrey Blainey pela Fundamento (2012)
>>> O Senhor dos Ladrões de Cornelia Funke pela Companhia das Letras (2004)
>>> Ícaro redimido de Gilson teixeira freire pela Inede (2006)
>>> A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Lafonte (2020)
>>> O duelo de John lukacs pela Jorge Zahar (2002)
>>> Arte de enriquecer de José Antonio Pinotti pela Sapienza (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 7/1/2014
O Hobbit - A Desolação de Smaug
Duanne Ribeiro

+ de 4200 Acessos

O Hobbit - A Desolação de Smaug (2013) é o segundo filme da trilogia de Peter Jackson que adapta ao cinema o livro O Hobbit, de J.R.R. Tolkien. Pouco depois de lançado, foi atacado por uma crítica da revista The Atlantic: seria "fanfiction ruim" e nada além disso. De fato, não é só uma "adaptação": Jackson reinventa a história. Traz novos personagens e novo direcionamento. Para o crítico, isso basta para reduzir a história à megalomania criativa de um fã com acesso à Hollywood. Mas basta? Esta coluna quer defender a autonomia de cada obra, até que vejamos qual é a diferença fundamental, não cosmética, entre elas. Adianto a conclusão: em Tolkien nos fascina a simples aventura; em Jackson nos sufoca um Destino.

A tese da Atlantic se baseia em: uma adaptação cinematográfica deve representar o original, transmiti-lo com precisão. Isto é particularmente visível já no primeiro parágrafo do artigo: "Há dois modos óbvios de falhar na adaptação de uma obra com um grande e apaixonado grupo de fãs: o diretor pode se sentir tão coagido pelas expectativas que faz uma adaptação muito literal; ou pode se deixar levar pela ampliação da história original, inserindo referências de obras relacionadas e assumindo que o apetite dos fãs é insaciável". Há uma escala aqui: o bom diretor, podemos crer, se põe no meio, não cria de menos nem de mais. O erro do crítico é supor que o espectador tem sempre em vista o livro original.

Pois, com efeito, a obra-filme-trilogia O Hobbit é independente da obra-livro com mesmo nome, ainda que tenha surgido dela. A produção cinematográfica não é feita com o objetivo de ser comparada com a original; nem exige comprovação de que se leu Tolkien para poder comprar o bilhete. Ela se expõe ao público sozinha: é digno que a julguemos nesse sentido, pelos seus próprios critérios. Ter lido os livros - ou até dar atenção a críticas de cinema como essa e a da Atlantic - acrescenta perspectivas, no entanto, por si não salva nem condena.

A Desolação de Smaug é dinâmico e divertido, e esse é seu valor principal. Possui um tom mais lúdico, menos sombrio, do que O Senhor dos Anéis (algo já presente no primeiro da série) - o que é o jeito pelo qual o diretor traduz a feição infantil, mais ingênua, desse primeiro livro de Tolkien. Carroça puxada por coelhos, barril brincando de boliche com orcs, façanhas absurdas de tanto engenho e habilidade - tudo isso colabora para que o filme seja levado menos a sério, de propósito, e mais como uma aventura fantástica no sentido mais leve do termo.

Na verdade, o que Jackson tem sempre em vista é a trilogia cinematográfica de O Senhor dos Anéis. Tolkien escreveu sem peso. Os três livros que escreveria depois tornariam complexo aquele universo inicial. Jackson não pôde (ou não quis) usar essa possibilidade. Por imposição da indústria ou por constrições pessoais, teve de adequar sua proposta à forma de um "prequel" à trilogia primeira (estrutura comercialmente "mais segura", usada anteriormente por Guerra nas Estrelas e outros). Sendo assim, se ateve a um tipo de coerência interna: tudo, ou quase tudo, ocorre como antecipação, até explicação, da série posterior. É razoável julgar os filmes como as seis partes de uma mesma obra.

Assim, a organização dos exércitos escuros são as primícias do conflito que virá. Assim, Gandalf propõe retomar a caverna invadida pelo dragão já em estratégia para debelar o Mal que adivinha chegar ao mundo. Em Jackson, de jeito nenhum é uma viagem só pelo ouro, nem há combates fortuitos e genéricos entre as raças - há uma viagem e há uma guerra. As duas trilogias demarcam dois movimentos dessa mesma narrativa. Trata-se de uma via única.

Talvez neste ponto possamos enxergar o problema essencial do filme em relação ao livro, para além de diferenças mais pontuais. Na medida em que tudo tende a um gesto final (a destruição do Anel, a salvação da Terra-Média), é como se tudo tivesse sido determinado e ocorresse de acordo com um fado. Não há saída, o mover da História move inelutável os personagens. O Hobbit original não relega nenhuma carga a O Senhor dos Anéis. Se Bilbo tivesse ido à esquina, pego o Anel e retornado, daria na mesma (ou daria em menos, pois aí ele não passa de um anel de invisibilidade). Seu percurso até lá e de volta outra vez é aventura, não missão.

Em suma, o que se perde é o núcleo original: em Tolkien nos fascina a aventura singela; em Jackson nos sufoca todo um Destino.

Modo de Falhar em uma Adaptação
Falando de Alice no País das Maravilhas (2010), filme de Tim Burton, desenvolvi um critério: uma adaptação é ruim se reduz a obra original, se a modifica de uma maneira tal que ela perde seus atributos fundamentais (Burton fez isso). É esse o caso de O Hobbit - A Desolação de Smaug?

Por um lado, não. Pode-se perceber desde O Silmarillion e através dos dois livros que vimos tratando o desenvolvimento de uma tema único, que se cumpre enfim ajustando a criação à harmonia inicial. Dessa forma, essa predestinação está em alguma forma nas obras de cinema, e traduzem Tolkien.

Por outro, sim. Mesmo que seja exagerado dizer que os personagens só cumprem seu destino, de fato Gandalf assume o papel de grande maestro, guiando cada um ao seu dever. Em Jackson, há caminho fora do plano do mago? Sinto em O Senhor dos Anéis, o original, muito mais descontrole. A Sociedade do Anel é uma missão desesperada, na qual o menos adequado dos seres acaba com a obrigação mais elevada. Se chegar a Mordor é destino de Frodo, isso expressa não que esse é um alvo para o qual foi talhado, mas que é seu fardo e dele não pode se livrar.

As tendências da História são adversas, O Senhor dos Anéis trata de mudar o que tudo indica que seja o destino - assim como O Hobbit começa e termina com o enriquecimento do cotidiano, antes aparentemente fechado e satisfatório. O mundo não justifica a aventura; a aventura se faz para ressignificar o mundo.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 7/1/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mais espetáculo que arte de Guilherme Carvalhal
02. O Enriquecer é Glorioso! de Marilia Mota Silva
03. O último exagerado de Luiz Rebinski Junior
04. Questão de gosto ou de educação? de Débora Carvalho
05. Danillo Villa, quadros de uma exposição de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2014
01. O Público Contra Yayoi Kusama - 22/7/2014
02. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad - 8/4/2014
03. Cavaleiros e o Inexplicável - 7/10/2014
04. Margarida e Antônio, Sueli e Israel - 4/2/2014
05. O Hobbit - A Desolação de Smaug - 7/1/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Maldição das Inscrições na Pedra da Gávea
Rogério Andrade Barbosa
Ftd
(1997)



Câncer - a Antimatéria Biológica
João Gaspar Rodrigues
Juruá
(2018)



Terêncio - Comédias (Teatro Latino)
Terêncio
Edições Cultura
(1945)



Cartas a un Joven Psicólogo - 3ª Ed.
María Dolores Avia
Alianza Editorial
(2015)



A Filha do Ferro
Julie Kagawa
Underworld
(2011)



Dia de São Nunca à Tarde
Roberto Drummond
Geração
(2004)



Luke & Tantra: Sangue Bom
Angeli
Devir
(2000)



Uma Rua Como Aquela
Lucília Junqueira de Almeida Prado
Record
(1985)



A pirâmide iniciática
Joan Llarch
Record
(1983)



A Escrita na Escola - a Construção da Coerência Textual
Edilaine Buin-barbosa
Mercado de Letras
(2012)





busca | avançada
50141 visitas/dia
1,8 milhão/mês