Leitura, curadoria e imbecilização | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
19881 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alexandre Grooves comemora Troféu Cata-vento, pré-indicação ao Grammy e lançamento no Japão
>>> Estreia de Pelas Ordens do Rei Que Pede Socorro comemora 20 anos do grupo O Buraco d'Oráculo
>>> Espetáculo 'As Filhas da Mãe' completa 35 anos.
>>> Bloco Fogo e Paixão faz a festa na Zona Portuária
>>> Papo Astral: guia astrológico para o leitor se conhecer melhor
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Feliz 2018
>>> Boa Vista
>>> O preço
>>> Você já atualizou sua história hoje?
>>> Sorvedouro
>>> Reter ou não reter
>>> O Peregrino
>>> Sismógrafos
>>> La ansiedad
>>> Barrados no baile
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que aprendi
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> A poesia concreto-multimídia de Paulo Aquarone
>>> Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
>>> O que vai ser das minhas fotos?
>>> A reforma agrária das idéias: os blogs
>>> E eu mais ainda!
>>> Os sem-celular
>>> Freud segundo Zweig
>>> Olímpica
Mais Recentes
>>> A Verdadeira Vida em Deus Encontros com Jesus volume IX
>>> O Evangelho de João - A Vida estava Nele
>>> Deus Caritas Est
>>> Aspirai aos Dons espirituais
>>> Um dia na Dieta Budwig- O Livro
>>> Bohr e a Interpretação Quântica da Natureza
>>> Quatro Estágios importantes na Jornada da Vida
>>> Manual Semeando Igrejas Multiplicadoras
>>> A Bíblia Para Colorir - Livro 3
>>> A Bíblia Para Colorir - Livro 4
>>> Estamos Vivendo nos Últimos Dias?
>>> A Última Porta a Caminho do Arrebatamento
>>> Cristianismo ao Gosto do Freguês
>>> Os Fatos Sobre a Vida Após a Morte
>>> A Verdade sobre o Ano 2000
>>> Feras Futebol Clube - Ioiô o Que Dança Com a Bola Autor (a): Joachim Masannek
>>> T. l. osborn ( curai enfermos e expulsai demonios )
>>> A Dança
>>> Jessie Penn-Lewis ( Guerra contra os santos tomo 2 )
>>> Jessie Penn-Lewis ( Guerra contra os santos tomo 1 )
>>> A Educação pela Dança
>>> 101 Idéias Criativas Para Professores
>>> 21 Dias de Oração e Jejum Pelo Sertão
>>> Os Insondáveis Propósitos de Deus
>>> Natália Lessa
>>> Parceiros na Missão
>>> Um General Perto de Deus
>>> A Oração de Moisés
>>> Dulce Beltrão
>>> Adolescentes, pesquisa sobre uma idade de risco
>>> Turismo e Planejamento Sustentavel
>>> Turismo e Legado Cultural
>>> Vidas cruzadas
>>> Disney´s Pocahontas
>>> The world is made of Glass
>>> Medo da Vida
>>> Biologia Celular e Molecular
>>> Viagem a Inglaterra e Escocia
>>> Aventuras de Tom Sawyer
>>> Proyecto Lazaro
>>> O primo basilio
>>> Noticia de un secuestro
>>> GONE - Desaparecer - Livro 3
>>> A fraude do Efeito - Estufa
>>> Saga O Vampiro Rei - Bento - Livro 1
>>> Sapphique
>>> Freud
>>> Fallen Angels - Desejo
>>> O Cavalo Amarelo
>>> Conecte Filosofar Terceira Parte
COLUNAS

Sexta-feira, 11/9/2015
Leitura, curadoria e imbecilização
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2200 Acessos

Fábrica de Chocolates


Você sabe o que é curadoria? Quem selecionou os filmes, as novelas, as músicas e os livros que você, porventura, tenha lido? Faça um esforço de memória e responda - para si: quais livros você leu quando estava na quinta série? Quantos livros literários - mas verdadeiramente literários - você teve - a sorte - de ler até, digamos, o segundo grau (atual ensino médio)?

Para sair dos livros, vamos aos filmes: quem são as pessoas que "aplicam" os filmes que você vê na TV, no Netflix ou quando resolve ir ao cinema? Talvez a sala de cinema dependa ainda mais de curadoria, não sei. E os programas da TV? Quem ajuda você a decidir? Quem é que disse que você não poderia assistir ou ler alguma coisa? E qual era a alegação? Conteúdo impróprio? Palavrões? Temas difíceis?

Certamente, você pensa que a escola seja um dos espaços - no Brasil, por favor - mais importantes para se aprender a ler. Presumo que você tenha lido alguma pequena lista de livros enquanto foi estudante. Talvez os tenha adquirido, mas muito provavelmente, não. Havia uma biblioteca lá? Que sorte! E quem fazia a curadoria? Você soube, naquela época, ou sabe, agora, como os livros chegavam à biblioteca da escola onde você estudou? E à faculdade? E às bibliotecas públicas da sua cidade - se houver ao menos uma.

Nas aulas de História, você chegou a assistir a algum filme? Sobre o quê? Grandes Guerras? Ditadura? O que mais? Lembro de passar Cinema Paradiso para alunos de sétima série, mas não me lembro mais qual era a discussão. Sei que eles terminaram por gostar, mas foi difícil. É que eles só conheciam filmes americanos de ação. São ruins? Necessariamente? Não. Mas eles não seriam apresentados a mais nada.

Você é, constantemente, apresentado a coisas que não conhece? Você é capaz de gostar dessas coisas? E você encontra pessoas com quem conversar sobre o que lê, ouve ou vê? Que sorte! Nem todo mundo consegue.

Bom, vejamos quantas vezes tive boas curadorias na vida: uma tia jovem que emprestou tudo da estante de livros do quarto dela; uma avó cheia de clássicos estrangeiros e que jamais me negou um empréstimo; a coleção inteira do José de Alencar, por pura curiosidade; uns professores que indicavam livros "paradidáticos" para driblar a complexidade das coisas; uma mãe que olhava, meio de soslaio, o que andava pela minha cabeceira, mas que jamais me negou a compra de um livro; um pai que não tinha nem ideia do que eu estava fazendo, muito menos lendo; mas eu segui firmemente em direção a uma biblioteca.

Tive biblioteca escura na escola pública onde estudei até o segundo grau; tive biblioteca pública no bairro ao lado, mas fui lá apenas duas ou três vezes, para fazer "pesquisa escolar" - não existia internet; tive biblioteca boa na faculdade; mas gostava mesmo era de juntar dinheirinho e comprar livros.

Quem definia o que eu compraria e leria? Ninguém. Quem me dizia sobre o que era bom? Um ou outro amigo, depois que virei adulta. Como eu ficava sabendo das coisas: pelos papos, pelas boas interlocuções e, prin-ci-pal-men-te, por meio das próprias leituras. Sem elas... o mundo me chegaria bem, bem, bem, bem menor. E pior, provavelmente.

Muito boas coisas estão por aí, mas soterradas e silenciadas. Boas coisas estão na superfície, sem dúvida, mas há muito lixo também. Muito, muitíssimo. O importante é atentar para que: (a) não saberemos de boas coisas se elas não nos forem apresentadas por certas instâncias, pessoas, agências. O que chega fácil, geralmente, abafa um universo de outras possibilidades. A pior faixa do disco é a que toca no rádio, entende? Não adianta comprar o disco da novela. É preciso ter a curiosidade de comprar o CD da banda - ou baixar - para ouvir o que mais há ali.E essa curiosidade está em falta. Ou não pode aparecer. E (b) como vou saber o que é lixo e o que não é? Saramago dizia algo assim - perdoem a imprecisão: para conhecer algo, é preciso dar-lhe a volta inteira.

Li Lucíola na escola. Fiz algum trabalho sobre ele. Você leu esse livro? Provavelmente. Disseram que era chato, que era velho, que era ruim. Mas eu anotava essas impressões no mesmo caderno em que anotava a lista de compras para o lanche. Daí eu ia lá ler Lucíola, inteiro, para depois dizer o que achei, senti, pensei. E eu até gostei. E sabe do que tratava o livro? De uma prostituta, entre outras coisas. Qual foi o problema? Nenhum.

É impossível ler certos autores sem passar pela linguagem, pela intensidade, pelas mazelas do mundo, pelos temas difíceis e pelas palavras duras, tesas e tensas. Literatura é assim. Há textos para o deleite sem surpresas. Há textos para o paladar iniciante. Há textos para a falta completa de gosto. Há. E eles precisam existir. Mas há a literatura. Aquela que procura o impacto, a intensidade, o ritmo. Aquela que se preocupa com a linguagem & com a história. Literatura não é só historinha.

Swift falou palavrão. Alencar fez uma puta de protagonista (ah, perdoem a contemporaneidade da palavra). Machado pôs um morto a falar sobre traição. Drummond tem um livro inteiro de poemas eróticos. Adélia também tem poemas eróticos. Morreu de susto? Não em diga. Que pena. Isso nunca me assustou.

Eu fui uma leitora épica. Eu me tornei uma professora intensa, com alunos instigados. Eu sou uma escritora incansável. Eu sinto que tenho muita liberdade com a língua portuguesa. Consegui isso lendo, lendo muito. Escrevendo bastante. E sem que ninguém viesse fazer escândalo na minha escola para dizer que não se pode emprestar a Hilda Hilst a uma adolescente.

Eu faço a curadoria das leituras e dos filmes com que meu filho toma contato. Eu não faço censura idiota e nem tenho medo de palavrão. Eu falo "porra" quando ele me enerva. E ele xinga "puta merda" quando perde no jogo. Eu explico ao meu filho o que é uma prostituta. E eu sugiro a ele que leia livros bons e que conheça filmes que podem mudar seu modo de ver o mundo. Porque para ver como a maioria nem é preciso que eu exista na vida dele. Mas eu posso me aventurar a fazer essa curadoria por uma razão muito simples: eu sou, de fato, leitora, consumidora de cultura, sei de bons filmes, sei de discussões interessantes. Se eu não soubesse de nada e só fosse na onda maior, eu não poderia dizer nada disso a ele. E provavelmente estaria xingando a escola nas redes sociais dos meus conhecidos histéricos que têm medo de palavrão.

Se meu filho chegar da escola com um livro literário bacana, eu vou ler com ele. Vamos discutir. E vamos comparar. Mas vamos comparar porque temos com o que compará-lo. Não porque sejamos muito limpos, cordatos e hipócritas. Mas, é uma pena. Talvez isso aconteça muito raramente. Lamentei muito que a escola tenha pedido uma lista de livros em que constava um "paradidático" sobre ecologia. Nada de literatura. Só "ensinamento". Muito útil, claro, mas não era literário. Uma lástima. Isso é uma lástima verdadeira. Bom, mas eu não dependo tanto da escola - que anda prensada entre o que ela precisa fazer, abrir os horizontes de milhares de pessoas sem curadores, e o que ela não pode fazer, porque foi eleita como espaço do sagrado e do limpinho.

Se a escola só pedir que meu filho leia livros que passaram pelo crivo de quem confunde sala de aula com igreja, não haverá tanto problema. Eu me encarrego de mostrar a ele os contrapontos, os complementos, os excessos e os transbordamentos. E já me orgulho. Por enquanto, o que posso dizer nas reuniões, com maioria de boçais, é o seguinte: "meu filho tem um puta vocabulário".


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 11/9/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti
02. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
03. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol
04. Dheepan, uma busca por uma nova vida de Guilherme Carvalhal
05. Quando (não) li Ana Cristina César de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2015
01. Para que serve a poesia? - 26/6/2015
02. A pomba gíria - 1/5/2015
03. Como ser um Medina - 16/1/2015
04. Momento ideal & conciliação - 25/9/2015
05. 'Eu quero você como eu quero' - 27/3/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HORA DO ESPANTO - O ESPANTALHO
EDGAR J. HYDE
CIRANDA CULTURAL
(2009)
R$ 10,00



AION - ESTUDOS SOBRE O SIMBOLISMO DO SI-MESMO
C. G. JUNG
VOZES
(1982)
R$ 39,90



100 RECEITAS COM LATA
ANONYMUS GOURMET
L&PM
(2008)
R$ 10,00



A ESTRELA MAIS BRILHANTE DO CÉU
MARIAN KEYS
BERTRAND BRASIL
(2011)
R$ 15,00



CONTOS
MACHADO DE ASSIS
ÁTICA
(1983)
R$ 4,90



AS NOTICIAS MAIS MALUCAS DO PLANETA
ALESSANDRO BENDER
PARIS EDITORIAL
(2004)
R$ 7,90



O ZEN E A EXPERIÊNCIA MÍSTICA
ALAN W. WATTS
CULTRIX
(1995)
R$ 40,00



CORAÇÃO DAS TREVAS
JOSEPH CONRAD
COMPANHIA DE BOLSO
(2008)
R$ 20,00



COMO VIVIAM OS PRIMEIROS CRISTÃOS
PHILIPPE H. MENOUD
PERPÉTUO SOCORRO
(1981)
R$ 29,90



OS MESTRES DE GURDJIEFF
RAFAEL LEFORT
DERVISH
(1979)
R$ 37,80





busca | avançada
19881 visitas/dia
1,0 milhão/mês