A Ditadura e seus personagens (I) | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 20/7/2004
A Ditadura e seus personagens (I)
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 8400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

No seu "aniversário" de 40 anos, a Ditadura Militar ainda rende assunto para intermináveis polêmicas. Tome-se como exemplo as reparações financeiras para as vítimas da Ditadura. Por conta disso, o jornalista Carlos Heitor Cony esteve no centro das atenções, uma vez que sua pensão mensal ficou estipulada em R$ 19 mil, sem mencionar a quantia retroativa de R$ 1,14 milhão, conforme consta na reportagem da revista Carta Capital da semana passada (14/07). E a polêmica tende a aumentar. Isso porque ninguém mais ninguém menos que o ex-marinheiro José Anselmo dos Santos, o Cabo Anselmo, também está atrás da indenização e tudo indica que, a princípio, nada impede que ele receba os direitos. Para quem não sabe, José Anselmo dos Santos é mais conhecido por ter deflagrado o golpe de 64 e, após ter participado dos principais movimentos de resistência, não apenas trocou a militância de esquerda, mas também ajudou a caçar os principais nomes que, à época, estavam envolvidos na luta armada. A trajetória de Cabo Anselmo e a sua versão dos acontecimentos sobre o ocaso da Ditadura Militar estão presentes no depoimento Eu, cabo Anselmo (Ed. Globo, 262 págs), escrito pelo jornalista Percival de Souza.

Lançado em 1999 (e relançado agora, por ocasião do aniversário de 40 anos do Golpe), o livro é o que se pode chamar de furo de reportagem. Tanto pelo que tem para revelar como pelo que fez, cabo Anselmo é um personagem difícil de ser encontrado. Assim, ele é fruto da pesquisa obsessiva de Percival de Souza, que o encontrou por acaso, quando fazia pesquisa sobre a vida de Sérgio Paranhos Fleury, outra peça-chave para que se possa entender o período de forte repressão da polícia política. É preciso que se diga, ainda, que Eu, cabo Anselmo é uma das principais fontes citadas pelo jornalista Elio Gaspari no livro A Ditadura Escancarada, que é parte da série "As Ilusões Armadas".

Com efeito, as lembranças do Cabo Anselmo são mananciais de informações sobre o antes, o durante e, até certo ponto, o depois do Golpe Militar. E o leitor passa a acompanhar a história como se fosse um thriller policial, graças ao estilo empregado por Percival de Souza. Contudo, o jornalista faz isso sem dar trégua aos fatos, que são sua matéria-prima, antes de se importar com o "tempero" da narrativa. Assim, em vez de abusar da adjetivação ou até mesmo da descrição exagerada das cenas, como se fosse um roteiro de cinema, Percival escolhe outra forma de dar veracidade aos fatos: mantém trechos inteiros com o depoimento do Cabo Anselmo.

Nesse sentido, o principal núcleo da reportagem é a mudança de lado de Cabo Anselmo. São inúmeras as passagens em que Anselmo prepara o terreno para explicar como, quando e, principalmente, por que essa mudança aconteceu. Ele sugere uma certa ingenuidade aliada à insegurança pelo fato de ter tomado algumas decisões na juventude, tais como ir para Cuba e adotar os mesmos princípios de esquerda, por conta da influência de alguns nomes importantes para o movimento revolucionário na época, como Brizola: "Não tinha toda a clareza e a profundidade do que significava Cuba nesse contexto, do que representava a revolução cubana, do que era realmente o comunismo na prática dentro de um país. Então, vamos para lá. Os intelectuais que a gente lia falavam da maravilha que era aquele tipo de coisa. Uma sociedade igualitária! A cada um segundo o seu trabalho! E depois, a cada um segundo sua necessidade. O marxismo ainda era nesses tempos, com a formação que recebíamos, algo muito incipiente. Eu nem mesmo podia compreender como Brizola poderia se aliar a Fidel Castro e ter condições para mandar treinar gente em Cuba. Não dava para entender esse tipo de coisa com clareza".

Mesmo não entendendo, Anselmo partiu a Cuba e viu as "maravilhas" que os então revolucionários louvavam. E é interessante notar, como se lê no livro, que Anselmo só vai ter a consciência do que estava fazendo quando participa de uma intrincada rede de conexões entre os agentes da esquerda. Só ali, afirma, ele pôde compreender quais eram os (muitos) erros de um núcleo que tentava alcançar o poder, assim como seu personalismo e suas contradições. Percival de Souza sabe, e faz com que o leitor tome conhecimento também, que se trata de alguém que possui profundos ressentimentos com o grupo que critica. Ainda assim, não há como não perceber a lucidez de Anselmo ao analisar as contradições de um projeto que, embora presumisse a tomada do poder, não tinha sequer teorias próprias, apenas idéias fora do lugar.

Assim ocorre quando o ex-marinheiro vai para Cuba com o objetivo de receber treinamento de guerrilha na ilha governada por Fidel Castro. Lá, para o bem ou para o mal, ele descobre como a situação do povo, para quem a revolução foi feita, é precária, a despeito da educação e do sistema de saúde que são modelos. Anselmo assinala, também, a "contrapartida" que os habitantes deveriam prestar para com o regime: "Nos bastidores, sabia-se que comparecer à praça em dia de discurso [de Fidel Castro] contava pontos na escola ou nos locais de trabalho. Recusar-se a comparecer era visto como ofensa, passível de futuros constrangimentos".

O ex-marinheiro usa e abusa das ironias à medida que o depoimento se aproxima do ponto crucial. E, aos poucos, ele mostra como perdeu suas esperanças na revolução que "libertaria o Brasil do imperialismo norte-americano e do capitalismo". Em um desses momentos, ele aponta qual foi o momento em que teve a noção do equívoco no qual estava metido: "Em Cuba, conheci e tive a oportunidade de conversar com chineses, coreanos, vietnamitas, africanos, europeus, latino-americanos, e percebi que o discurso de cada um era carregado por uma crença comum: construir um mundo melhor, mudando a maneira de pensar e agir de bilhões de pessoas (...) Um mundo de ovelhas clonadas à imagem do todo-poderoso presidente do partido único". Embora nem o autor nem Anselmo revelem, essa passagem talvez seja o ponto-chave para que se entenda o motivo da "conversão" do rebelde de 1964 ao sistema que havia antes combatido.

Apesar de polêmico, o depoimento de José Anselmo dos Santos não possui excessos de nenhum dos lados, e essa sobriedade se deve ao fato de Percival de Souza não ter se envolvido demais com a história, como se fosse um acerto de contas com o passado. Sua única preocupação foi ser o mais fiel possível ao relato de seu personagem, cruzando os detalhes com outras informações, além de contextualizar e pontuar os trechos mais interessantes. Um bom exemplo de jornalismo.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 20/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A natureza selvagem da terra de Elisa Andrade Buzzo
02. Margarida e Antônio, Sueli e Israel de Duanne Ribeiro
03. Livros para um cruzeiro de Eugenia Zerbini
04. 90125: o renascimento do Yes de Diogo Salles
05. Fotonovela: Sociedade/ Classes/ Fotografia de Duanne Ribeiro


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/7/2004
21h28min
É o único depoimento do personagem de importância pontual durante março de 1964. Cabo Anselmo serviu para reforçar o rancor do segmento conservador, remetido ao “Encouraçado Potenkim”, dentre outros episódios que culminaram no golpe. É inverossímil honestamente inserir-se num projeto igualitário, e posteriormente, justificar-se como iludido pelas lideranças contrapostas. O medo de ser “justiçado” e a traição desvelaram o caráter do recruta, artífice do desaparecimento de jovens sonhadores. Não via o “arrependido da ilha”, que a relação de forças era brutalmente favorável ao regime. Hoje, a indenização seria a oportunidade derradeira? Ou cabe como acerto de contas viver os últimos momentos na clandestinidade, confinado ao seu disfarce, e amargurado pela lembrança dos que covardemente tombaram.
[Leia outros Comentários de Fábio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GUIA ESPIRAL WASHINGTON
AA PUBLISHING
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 14,00



HISTOIRE DE L ART - L ART MODERNE 1
ELIE FAURE
LIVRE DE POCHE
(1965)
R$ 22,00



AUTO DA RIBEIRINHA
A. B. M CADAXA
IMPR NACIONAL CASA DA MOEDA
(1996)
R$ 19,70



AS PUPILAS DO SENHOR REITOR
JÚLIO DINIS
PUBLIFOLHA
(1997)
R$ 4,50



O CONDENADO
BERNARD CORNWELL
RECORD
(2005)
R$ 11,50



MOZART - O MENINO PRODÍGIO
OPAL WHEELER SYBIL DEUCHER
MELHORAMENTO
R$ 21,00



O CLAMOR DAS ALMAS
RICHARD SIMONETTI
CEAC
(2008)
R$ 15,00



A GRANDE ESPERANÇA
ELLEN G. WHITE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2011)
R$ 4,00



MEGA LETRONIX COMO SE ESCREVE? MORFOLOGIA VOLUME 10
RECREIO
ABRIL
R$ 4,90



A TRILOGIA DAS CORES VOL 2 - A EMOÇÃO É BRANCA
SAMARONE LIMA E INÁCIO FRANÇA
SAPPHO PRESS
(2013)
R$ 17,90





busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês