Manet no Rio de Janeiro | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
34463 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 13/1/2003
Manet no Rio de Janeiro
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5700 Acessos

"Neste país, todos os negros são escravos e têm um aspecto embrutecido. O poder que os brancos exercem sobre eles é extraordinário. Tive a oportunidade de visitar um mercado de escravos: espetáculo bastante revoltante para nós. Os negros vestem, em geral, uma calça e, por vezes, uma blusa curta de pano grosseiro, não lhes sendo permitido, dada a sua condição de escravos, o uso de sapatos. As negras andam nuas da cintura para cima, portando algumas vezes um lenço atado ao pescoço, que cai sobre o peito. Em geral são feias, ainda que tenha visto algumas bem bonitas. A maioria se arruma com muito gosto: umas usam turbantes, outras arranjam os cabelos crespos com muita arte e todas vestem umas saias decoradas com enormes folhos".

Está é a descrição que Manet, então com 17 anos, faz sobre os negros do Rio de Janeiro, durante sua estadia na cidade, no ano de 1849, e que faz parte de uma coleção de cartas que comentaremos a seguir.

Manet tinha plena consciência de que uma tela não espelha a realidade, mas sim o artifício do artista. Por isso, pintou o retrato de seu amigo Émile Zola como se fosse uma natureza morta. O que ele buscava ao pintar um aspargo sobre a mesa ou Zola lendo era uma mesma coisa: trazer para dentro da própria pintura uma reflexão sobre o fazer artístico. Dessa forma, lançou as bases para a pintura moderna.

Mas não é este Manet, o fundador da pintura moderna, que nos interessa neste momento. Estamos nos encontrando agora com o jovem Manet, aos 17 anos, navegando rumo ao Rio de Janeiro, em viagem marítima. Esse encontro tornou-se possível porque a editora José Olympio publicou, em tradução de Jean Marcel Carvalho França, o livro Viagem ao Rio: cartas da juventude - 1848-1849, de Edouard Manet.

Trata-se de um conjunto de cartas escritas pelo artista durante a viagem e estadia no Rio de Janeiro. A edição do livro é caprichosa, delicada, trazendo além das cartas alguns desenhos que o próprio Manet fez durante a viagem e ilustrações de outros artistas referentes à cidade do Rio de Janeiro (paisagens, retratos de monumentos, cenas cotidianas e de trabalho escravo).

Nascido em Paris a 23 de janeiro de 1832, Manet descendia de uma respeitável família burguesa. O seu interesse pelo desenho remonta aos 13 anos. Para tentar dissuadi-lo a abandonar a idéia de ser pintor, em 1848 seu pai lhe propôs a escolha entre o serviço público e a carreira militar. Após fracassar nos exames para a Escola Naval, Manet acabou embarcando no navio-escola Havre e Guadalupe. No ano seguinte desembarcou no Rio de Janeiro, onde passou algumas semanas enchendo seu caderno de desenho com esboços e croquis (este era um hábito que jamais abandonaria, sendo um dos seus maiores prazeres errar pelas ruas de Paris com seu bloco de desenho em punho).

As cartas datam do período que vai de dezembro de 1848 a abril de 1849. Segundo a biógrafa Beth Archer Brombert, no seu livro Edouard Manet: rebelde de casaca, nota-se nestas cartas "um total domínio da sintaxe, facilidade de linguagem e uma complexidade de observação e sentimentos". A autora chega mesmo a dizer que "embora não ter trazido nenhuma foto da selva, a sua descoberta da luz tropical e sua vivência física do mar foram registrados com tal vivacidade que, muito tempo mais tarde, determinariam o modo como ele iria pintar a luz e a água".

As cartas, em sua maioria endereçadas à sua mãe, assemelham-se a um diário, onde são relatados os acontecimentos triviais cotidianos no navio. As descrições são marcadas por uma riqueza de detalhes e de observações, como que desejando trazer para sua família os mínimos detalhes da viagem.

Algumas descrições são eminentemente pictóricas: "Esta noite o mar esteve mais fosforescente que de costume, o navio parecia atravessar lâminas de fogo; foi muito bonito." Outras revelam o tédio infernal de alguns momentos do percurso sobre o oceano: "Parece-me que se passaram meses desde o embarque. Apenas céu e água, sempre a mesma coisa; é tão estúpido."

Ao ancorar no Rio de Janeiro, na baía de Guanabara, descreve o sentimento de alívio: "A esta altura, conheço bem os truques do ofício e por dois meses nem sentirei mais os pequenos sofrimentos por que passa o aprendiz de marujo; vamos finalmente beber água fresca e não mais comer, todo dia, carne salgada."

Ao contrário de Claude Lévi-Strauss, que detestou a baía de Guanabara, Manet amou-a ("a baía, como disse, é encantadora"), ficando quase uma semana admirando-a do navio, sem poder descer.

Suas observações iniciais da cidade são deliciosas de se ler: "Após o almoço, eu e meu amigo saímos para percorrer a cidade, que é de tamanho considerável, mas conta com ruas muito estreitas. Para um europeu com o mínimo de senso artístico, o Rio de Janeiro tem um aspecto bastante peculiar. Pelas ruas vêem-se somente negros e negras, pois os brasileiros saem pouco, e as brasileiras, menos ainda. As mulheres podem ser vistas somente quando vão à missa ou depois do jantar. Ao entardecer, quando aparecem nas suas janelas. Nessa ocasião, é possível olhá-las sem nenhum impedimento. Durante o dia, ao contrário, se por acaso alguma delas é avistada na janela e percebe que está sendo observada, imediatamente se retira."

Manet não deixou de reparar nas brasileiras, como se pode ver no comentário seguinte: "as brasileiras são, em geral, muito bonitas. Seus olhos e cabelos são magnificamente negros. Todas penteiam-se à chinesa, saem às ruas descobertas [sem véus] e, tal como nas colônias espanholas, vestem-se com uma roupa muito leve, que não estamos acostumados a ver."

As mulatas, evidentemente, foram elogiadas pelo jovem Manet: "cerca de três quartos da população são compostos por negros e mestiços, os quais são muito feios, salvo exceções encontradas entre as negras e as mulatas. As mulatas, a bem da verdade, são quase todas bonitas".

A condição escrava do negro não deixa de ser descrita: "No Rio, todos os negros são escravos e o tráfico é aí vigoroso." Sobre os brasileiros o comentário talvez não agrade ao leitor (a menos que a carapuça lhe sirva): "quanto aos brasileiros, são preguiçosos e parecem não ter muita energia."

A fama, universalmente divulgada até hoje, de que todas as brasileiras são putas é corrigida por Manet: "No tocante às brasileiras, são muito distintas e não merecem a reputação de levianas que têm na França. Ninguém pode ser mais recatada e mais tola do que uma brasileira".

A cidade do Rio não recebe elogios - a não ser que o olhar de um artista se detenha sobre ela: "a cidade, ainda que feia, tem, aos olhos de um artista, um caráter peculiar". Já a paisagem que cerca a cidade lhe toca profundamente: "os arredores da cidade são incomparavelmente bonitos, nunca vi uma natureza tão bela."

Além destas descrições aparecem nas cartas referências às chuvas torrenciais que cobrem o Rio de Janeiro, ao carnaval, à milícia ("a milícia local chega a ser cômica") e aos meios de transporte da população da época.

Mais do que um documento histórico ou antropológico, estas cartam têm um sabor especial, uma delicadeza de comentário (típicos de uma mente artística?) que beira, por vezes, o pictórico e o literário. Esse é, talvez, seu maior valor.

As cartas, em geral acabam nos conquistando, mesmo quando sabemos que o Rio acaba por ser um local limitado ao artista que deseja de pronto fugir dali: "Agora que já conheço o Rio a fundo, anseio ardentemente retornar à França e, o mais cedo possível, reencontrar os meus".

Dada a situação atual do nosso país, talvez, se fôssemos à França, o nosso comentário seria da mesma natureza do de Manet: "Cheguei na França, não desejo mais voltar ao Brasil".


Para saber mais:

Existe na biografia de Manet, escrita por Beth Archer Brombert (editada no Brasil pela editora Record), um interessante capítulo, denominado "Em alto mar" (cap. 2), sobre a viagem de Manet ao Rio.





Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 13/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
02. No palco da vida, o feitiço do escritor de Cassionei Niches Petry
03. Dos sentidos secretos de cada coisa de Ana Elisa Ribeiro
04. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
05. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IMPOSTURAS INTELECTUAIS
ALAN SOKAL
RECORD
(1999)
R$ 45,00
+ frete grátis



PEQUENO DICIONARIO DE TERMOS MÉDICOS - 6304
POLISUK E GOLDFELD
POLISUK E GOLDFELD
(1998)
R$ 10,00



FAÇA DO ALIMENTO O SEU MEDICAMENTO
JOCELEM MASTRODI SALGADO
MADRAS
(2000)
R$ 10,00



SOCIOLOGIA: INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DA SOCIEDADE PLT 65
CRISTINA COSTA
MODERNA
(2005)
R$ 20,00



MACROECONOMICS, FINANCIAL MARKETS, AND THE INTERNATIONAL SECTOR
MARTIN NEIL BAILY; PHILIP FRIEDMAN
BAILY FRIEDMAN
(1995)
R$ 75,00



MÔNICA É DALTÔNICA
MAURICIO DE SOUSA
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(2015)
R$ 17,00



TELEVISÃO E POLÍTICA: UMA HISTÓRIA DOS CANAIS E REDES DE TV NO PR
OSMANI FERREIRA DA COSTA
EDUEL (LONDRINA)
(2015)
R$ 37,28



COMUNICAÇÃO DE MASSA E DESENVOLVIMENTO
WILBUR SCHRAMM
BLOCH
(1970)
R$ 7,90



MÁRIO UNIVERSAL PAULISTA - ALGUMAS POLARIDADES
LÚCIA NEÍZA PEREIRA DA SILVA ORGANIZADORA
PREFEITURA DE SÃO PAULO
(1997)
R$ 24,50



CRIME E CASTIGO - 2 VOLUMES
FIÓDOR M DOSTOIÉVSKI
VICTOR CIVITA
(1979)
R$ 71,91





busca | avançada
34463 visitas/dia
1,3 milhão/mês