Símbolos e Identidade Nacional | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
33839 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Boituva recebe cantor Jean William e grupo Jazz Trio em apresentação gratuita
>>> Exibição do documentário "ECO - Cantos da Terra" no Lab Mundo Pensante
>>> Sesc Birigui apresenta por+vir e A Mão do Meio - sinfonia lúdica com a Cia de Danças de Diadem
>>> "Orfãos de São Paulo" é tema de evento com entrada franca
>>> Sesc Ipiranga recebe Cris Narchi
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
>>> Precisamos falar sobre Kevin
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> O que sei do tempo III
>>> Primeiro ato
>>> Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> Voamos Juntos
>>> Evolução, revolução e regressão
>>> Medo do futuro?
>>> Lugar comum
>>> Chaleira
>>> O que sei do tempo III
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de formatura do Ensino Médio
>>> Arena sangrenta
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> The Accidental Billionaires, de Ben Mezrich
Mais Recentes
>>> Batuque é um Privilégio
>>> João Cabral de Melo Neto o artista inconfessável
>>> O Círio perfeito
>>> Gênesis Volume I
>>> A Origem do Universo
>>> Restaurando o lugar da Habitação de Deus
>>> Estudo Vida de Gênesis Volume dois
>>> A Ligação
>>> Cahiers du Brésil contemporain Nº75/76
>>> A aventura grega
>>> História da guerra do Paraguai
>>> Fazer e Compreender
>>> Historia de Egipto
>>> A guerra do Peloponeso
>>> Travessias dificeis
>>> História da América Latina - Vol.1 América Latina Colonial
>>> Pobre Nação
>>> O império imóvel ou o choque dos mundos
>>> Lendas e Tradições
>>> Guerreiros e Camponeses
>>> Evolução agrária e pressão demográfica
>>> Nugae - teoría de la traducción
>>> Passagens da antiguidade ao feudalismo
>>> Nazismo: política, cultura e holocausto
>>> O templo da Aurora - Volume 3
>>> Getulio Vargas (coleção Perfis brasileiros)
>>> Bairros rurais paulistas
>>> Breve história de Africa
>>> O hino homérico a Apolo
>>> Israel At The Pools - The Knesset Elections of 1977
>>> The Teaching of politics
>>> A Cidade Antiga
>>> O Médico e o Monstro
>>> Código Brasileiro de Defesa do Consumidor - Comentado Pelos Autores do Anteprojeto
>>> Fundamentos de Direito da Seguridade Social
>>> A Luz da Ioga
>>> Direito Constitucional
>>> O Retrato de Dorian Gray
>>> Lei Orgânica Do Município De São Paulo
>>> Constituição Do Estado De São Paulo
>>> Dos Crimes Contra os Costumes Aos Crimes Contra a Administração
>>> A. w. pink ( Deus é soberano )
>>> O Tempo dos Assassinos- Um Estudo sobre Rimbaud
>>> Pierre Teilhard de Chardin
>>> Legislação Penal Especial - Fundamentos Jurídicos
>>> A Defesa Dos Interesses Difusos em Juízo
>>> Yoga Para o Corpo, a Respiração e a Mente
>>> As Mais Belas Técnicas de Reiki
>>> Manual de Petições Cíveis - Criminais - Trabalhistas
>>> A Arte Da Estratégia
COLUNAS

Quarta-feira, 12/3/2003
Símbolos e Identidade Nacional
Daniel Aurelio

+ de 6100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Certo diário impresso paulista, que outrora fora a síntese de um jornalismo rápido, simplificado e eficiente, e hoje repousa chapa-branca e oco, estampou uma notinha que me fez coçar os neurônios na manhã de domingo carnavalesco.

Um deputado estadual decidiu propor uma lei que obriga o cântico do Hino Nacional nas escolas públicas de São Paulo, hábito que subitamente rememora os tempos de chumbo e opressão da ditadura militar. Claro que figuras de proa do nacionalismo e da moral conservadora se posicionarão favoráveis e haverão de ter sua lógica, aliás tão coerente historicamente quanto o repúdio dos ativistas de esquerda e demais libertários, que certamente não deixarão a pretensa resolução impune.

Nesta batalha bipolar, sobra para quem se interessa por símbolos e identidade, que em geral ficam atordoados e ilhados entre duas certezas insoluveis.

No princípio, a única verdade social verificável era o caos. O conceito de família, célula fundamental da constituição orgânica nacional, não ficava claro, e só quando o incesto tornou-se um insulto à doutrina cristã é que as coisas se alocaram. E a cidade nada mais é senão um conglomerado de famílias sólidas (ver "Política", Aristóteles). Parentesco direto definido e agregado à divisão do trabalho (este outro vetor importante), sociedade posta. Paulatinamente, os Estados foram sendo forjados, ainda de modo tímido, como organizações relativamente pequenas e que pouco interagiam. Somente com as sucessivas revoluções (Industrial e Francesa) é que se pode pensar o ideal de "Estado-Nação", cujo mote seria o apelo unitário em prol do desenvolvimento, que no final das contas, (definiria assim sua matriz retórica) seria interessante para todos os conterrâneos. Alemanha e Inglaterra rapidamente se armaram industrialmente e a França celebrou sua vanguarda política e social. Os EUA, personificação contemporânea desta tese, corria em velocidade constante por fora. Não tardou para que fossem cercadas as divisas, fincado os pendões, criado hinos de exaltação ao orgulho de pertencimento. Padrões universais do conceito de Nação, que remetem respectivamente à idéia egoísta de definir claramente o meu (ou nosso) e o seu (ou o de vocês), ou seja, propriedade privada, e aos nossos sentidos sensoriais de imagem e audição. Nada encanta mais o humano que observar algo que o faça sentir forte, ou uma canção que o identifique com um determinado grupo. Dá-se a isso, pela antropologia,o nome de memória arcaica.

Tanto que, mesmo quem condena gestos excessivamente separatistas, sabe o quando é duro ficar incólume e crítico durante os noventa minutos de um final esportiva em que o Brasil esteja presente.

Fui educado a respeitar a simbologia nacional, representações máximas de minha brasilidade, e é complicado desconstruir essas projeções (estudei meu primário de 1985 até 90, e havia resquícios moribundos da ditadura no seio docente). Procuro lembrar que o alicerce de Hitler eram as maquinações de seu ministro da propaganda (!), Goebbels, hábil manipulador das cores e símbolos germânicos em usufruto da pretensa soberania ariana e que as primeiras providências tomadas pelo império socialista da URSS foram institucionalizar a cor vermelha, a foice e o martelo ("trabalhadores do campo e proletários, uni-vos!" Eis a mensagem a ser captada). A expansão passa necessariamente pela sacralização de ícones. Assim como mitificamos, com extraordinária freqüência, um cidadão-simbolo, nosso grande timoneiro da esperança, que por séculos se apresenta nas mais variadas facetas. Mas sempre com o mesmo potencial carismático.

Os EUA, mestres modernos da dialética dos sentidos patrióticos, são o que são por manterem, sob qualquer adversidade, a premissa da liberdade, democracia e servidão à Deus, a tríade que sustenta sua expansão via artéria dos demais países. Hoje não é mais necessário anexar outros Estados e lavrá-los em cartório; mesmo à distância, com a desfaçatez de paizão metido a moderninho, eles fazem o estrago. E, devemos admitir, é por isso que são saudados como uma potência política, militar, econômica, esportiva e cultural por décadas. O emblema de uma Grande Nação (Estado-Nação e Imperialismo, por definição, confundem-se pelas águas turvas da história).

Aí que mora o perigo: que será que queremos? Ser uma vanguarda mundial, um gigante estruturado nos mesmos moldes norte-americanos? Se sim, devemos realmente nos submeter a lavagem cerebral da identidade, levar a sério em cada gesto o espírito unívoco de um povo, e cantar com lágrimas nos olhos, desde moleque, a comovente melodia brasileira. É lastimável, mas instituições fortes geram Nações fortes; ou será que preferimos viver num planeta só, múltiplo, sem dogmas ou menções de caráter privado, onde a paz possa ser possível numa estupenda e iconoclasta orgia anarquista? Dispensaríamos certas ferramentas constrangedoras, seríamos livres de fato, porém será essa idéia viável no plano da práxis ou mera peça de ficção decalcada do espírito rebelde?

Certo mesmo é que manifestações tribais ou globais não podem jamais serem impostas, pois haverão de causar insurreições por parte de certas facções em seu próprio ventre, e apatia resignada e mortificada de outros. Vários dos famosos artigos federalistas de Hamilton e Madison (base da constituição americana) debruçam-se sobre esta incandescente relação.

É até razoável que o nobre deputado creia nisso e não esteja de todo equivocado (por todas as razões acima abordadas); a obrigatoriedade de um gesto estranho ao jovem brasileiro deste século é que me parece uma bobagem. Tanto pela via utópica-humanista, quanto pela sagacidade prática da política.


Daniel Aurelio
São Paulo, 12/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inimigos da política de Celso A. Uequed Pitol
02. Leitura, curadoria e imbecilização de Ana Elisa Ribeiro
03. Espírito e Cura de Ricardo de Mattos
04. Buenos Aires: guia de viagem de Gian Danton
05. A vida exemplar de Eric Voegelin de Celso A. Uequed Pitol


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2003
01. Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor - 7/11/2003
02. Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar - 26/9/2003
03. O Sociólogo Machado de Assis - 5/9/2003
04. O Calígrafo de Voltaire - 13/6/2003
05. Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes - 19/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2010
10h57min
"É preciso deixar a deletéria psicose de subversão!", disse um general em 1978, do Regime Militar. Havia a psicose coletiva de que em tudo e todos eram subversivos. A cor vermelha, uma foice, um martelo, os rapazes cabeludos, as moças de minissaias, as letras das canções dos festivais, a dramaturgia do teatro, TV e cinemas, tudo era subversivo, um perigo marxista-lenilista. Então, para contrapor-se à subversão, exageraram e se apropriaram (indevidamente) dos símbolos nacionais. A longo prazo, o estrago foi o povo associar os nossos símbolos ao "antigo regime". A sonora chamada de meu celular é o Hino Nacional Brasileiro. Meu filho de sete anos já o reconhece e canta e já sabe que não precisa escutá-lo apenas, antes dos jogos da seleção brasileira de futebol e nas olimpíadas. É preciso acabar com esta deletéria psicose de subversão. Sugiro trocar o velho dístico positivista da bandeira nacional "Ordem e Progresso" por "Água e Esgoto", de que tanto o Brasil precisa (47% da população).
[Leia outros Comentários de Paulo Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE WALKING DEAD
ROBERT KIRKMAN E JAY BONANSINGA
RECORD
(2012)
R$ 18,00



DAVID COPPERFIELD
CHARLES DICKENS
W.M.JACKSON INC.
R$ 20,00



SOMOS TODOS RESPONSÁVEIS
ANTÔNIO ERMÍRIO DE MORAES.
GENTE
(2007)
R$ 13,50



EU CREIO EM MIM
EVALDO RIBEIRO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2010)
R$ 20,00



NÃO SOU FELIZ, POR QUÊ?
DR. FERNANDO LUCCHESE
L&PM
(2010)
R$ 15,00



CONTOS - ARTHUR AZEVEDO (LITERATURA BRASILEIRA)
ARTHUR AZEVEDO
TRÊS
(1973)
R$ 8,00



FACE @ FACE
PHILIP FINCH
OBJETIVA
(1997)
R$ 12,00



O TORMENTO DE DEUS: ESTUDOS SOBRE DOSTOIEVSKY E O ATEISMO MODERNO
FREI MATEUS ROCHA O. P.
VOZES
(1970)
R$ 86,00



LITERATURA COMENTADA
MÁRIO DE ANDRADE
NOVA CULTURAL
(1978)
R$ 7,80



MÃES DA BIBLIA
MARCOS VERÍSSIMO
ÁGAPE
(2014)
R$ 13,90





busca | avançada
33839 visitas/dia
1,0 milhão/mês