Digestivo nº 201 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Leblon
>>> Uma entrevista literária
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> Salinger, de David Shields e Shane Salerno
>>> O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> #ImpeachemnetPapaFrancisco
>>> Presenças
>>> Se você não fosse tão burro...
Mais Recentes
>>> Chico Xavier Nº 1 Vida e Obra de Vários Autores pela Escala
>>> Terra meus primeiros 4,54 Bilhões de Anos 379 de Stacy McAnulty pela Melhoramentos (2022)
>>> O Ressurgimento de Fátima de Trigueirinho pela Pensamento (1992)
>>> O Patinho Matemático 379 de Jean-Claude Alphen pela Melhoramentos (2017)
>>> Te Quero Verde (ótimo estado) de Ieda Martins De Oliveira pela Cpb (1999)
>>> Roteiro - Pocket de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1994)
>>> Com Vacina tudo em Cima 379 de Carme Dolz pela Melhoramentos (2022)
>>> A História do Lobo Solitário 379 de Lúcia Brandão pela Melhoramentos (2022)
>>> A Política do Precariado do Populismo à Hegemonia Lulista de Ruy Braga pela Boitempo (2012)
>>> Nosso corpo é Demais 379 de Tyler Feder pela Melhoramentos (2022)
>>> A Menina e o Vestido de Sonhos 379 de Alexandre Rampazo pela Melhoramentos (2022)
>>> Cosmogênese de Dr. Jorge Adoum pela Feeu (1977)
>>> Araxá - Põe a Mesa - Vol. 2 de Fernando Braga de Araújo pela O Lutador
>>> Os Fundamentos Da Fisica 1- Mecanica - 7ª Ed (muito bom) de Toledo Ramalho, Nicolau pela Moderna (2000)
>>> O Trabalho no Mundo Contemporâneo: fundamentos e desafios para a saúde de Ialê Falleiros Braga, Muza Clara Chaves Velasques e outros (Orgs.) pela Fiocruz (2016)
>>> A Garota que não se Calou de Daré pela Tag (2021)
>>> "Eu Sou" o "Eu Sou" de Ponte Para a Liberdade pela Feeu (1979)
>>> Escravidão Volume 1 de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2019)
>>> O Novo Livro de Massagem de Lucy Lidell / Sara Thomas pela Manole (2000)
>>> Ultimate Guide to Link Building de Eric Ward pela Entrepreneur (2013)
>>> Herdeiras do Mar de Mary Lynn Bracht pela Paralele (2020)
>>> A serra do rola-moça de Martinho da Vila pela Zfm (2009)
>>> Sexo, Amor e Sedução (como novo) de Fatima Moura pela Harbra (2006)
>>> Dom Quixote vol. 1 de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural (1981)
>>> Potestade de Gleides Giorgio Affonso (Org) pela Átomo (1999)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 17/11/2004
Digestivo nº 201
Julio Daio Borges
+ de 3500 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Literatura >>> A loucura das causas
Matt Ridley foi editor de ciência da prestigiosa The Economist. E é quase um milagre que ele tenha sido publicado no Brasil, em livro – mas ele foi, pela Record. Milagre não só por Ridley ser um jornalista internacional, mas por escrever sobre ciência e por produzir um trabalho tão sério. Passear por O que nos faz humanos, além de ser um prazer, gera uma interrogação permanente: Quem se interessa hoje pela ciência mais moderna, em formato tão acessível e abordada de maneira tão profunda? Pois o fato é que vivemos cercados por toneladas de best-sellers oportunistas e por conselhos, os mais estapafúrdios, proferidos geralmente por revistas em forma de auto-ajuda. A verdadeira ciência contemporânea, embora diga respeito quase sempre aos seres humanos, parece cada vez mais longe das pessoas. Felizmente, Matt Ridley é um desses corajosos desbravadores da língua inglesa, trazendo conhecimento em instigantes obras de divulgação – que podem (e devem) ser lidas por qualquer pessoa. Ridley retoma o antigo (ainda que novo no Brasil) debate entre “natureza” e “criação”. Para quem não sabe, a “criação” ganhou terreno durante praticamente todo o século XX – apostando na certeza de que o ser humano nasce como um livro em branco, onde se pode escrever qualquer coisa. O conceito tem múltiplas implicações: desde uma simples mudança de personalidade até a crença desastrosa de que se poderia manipular povos e nações, via engenharia social. Já a “natureza” ganhou novo fôlego nas últimas décadas, com o avanço da genética – provando, não sem resistência da parte dos behavioristas, que o ser humano, por mais maleável que seja, nasce com alguma pré-programação, contida no código genético. Os dois lados seguem em plena guerra e sujeitos como Ridley tentam, atualmente, mostrar que os dois lados podem ter razão. Por meio de conceitos como imprinting (marcas que ficam, para toda a vida, desde o nascimento), o autor de O que nos faz humanos leva o debate a um outro patamar, revelando que essa dicotomia (nature vs. nurture), como tantas outras, é simplista e está perdendo a importância. Num momento em que a política se tornou um jogo de cartas marcadas (em todo o mundo), essas são as reais discussões do novo século, e do novo milênio. [Comente esta Nota]
>>> O que nos faz humanos - Matt Ridley - 399 págs. - Record
 



Música >>> Coisa de acender
Djavan musicalmente atravessou metade dos anos 90 e quase metade dos anos 2000 longe de suas potencialidades criativas em outras décadas. Como artista, quase obrigou seus fãs à desistência – algo que Gil e Caetano impuseram, a seus admiradores, mais ou menos na mesma época. Em outras palavras: como a obra atual dos Tropicalistas, Djavan era quase um caso perdido. Sua saída das majors, seu segundo casamento e agora o disco Vaidade, porém, provaram que não. Djavan ainda tem o que dizer; ou o que cantar. Virtualmente empurrado para a independência dos “selos”, parece ter recuperado a liberdade esquecida em lançamentos insossos e em seqüências anteriores de álbuns ao vivo. “Se acontecer”, que abre o disco e que desde algum tempo toca no rádio, por exemplo, aposta numa estrutura não muito palatável para os padrões de consumo fácil: múltiplas seções rítmicas, com variados andamentos e versificação sugerida mas não muito clara. E o que dizer de “Sentimento verdadeiro”, emulando as sessões de Kind of Blue, de Miles & Coltrane, com marcação difícil de ser seguida e frases entoadas no contratempo? A aposta em células básicas, sem quase nenhuma orquestração, como em “Mundo vasto”, parece que permitiram a Djavan um reencontro com sua veia de compositor – aquela que Jorge Vercilo, o clone ou o genérico (como a Veja fala), não consegue captar. E a guitarra está particularmente inspirada. É Max Viana? Claro que Djavan não se livra de bobagens novelescas como “Amor algum”, a própria “Vaidade” e “Estátua de Sal”, mas todas perdoáveis e perfeitamente compensadas por surtos de inventividade como “Celeuma” e “Tainá-flor”. E “Dorme, Sofia”, homenagem mais que descarada de um pai-babão, já está provocando muxoxos naqueles que vêem limites para os cruzamentos entre vida & obra. Na verdade, Djavan havia apelado para recursos similares e inclusive produzido uma bela peroração, em 1994, sobre o fato de ter sido avô (em dueto com a filha, Flávia Virgínia). Enfim, ainda que Vaidade não seja uma obra-prima, é saudável ver Djavan voltando à velha forma – e não se rendendo à indústria, que exige do artista a aplicação constante (e esterilizante) das mesmas fórmulas. [Comente esta Nota]
>>> Vaidade - Djavan - Luanda Records
 



Além do Mais >>> Behold, I tell you a mystery
Do Messias, oratório de Haendel, o mínimo que se pode afirmar é que impressionou Haydn a tal ponto que, depois de conhecê-lo, o mestre do classicismo e de Mozart voltou para casa e compôs A Criação e As Estações. Não poderia, portanto, haver encerramento mais adequado para a Temporada 2004 do Mozarteum Brasileiro, no Theatro Municipal de São Paulo, em fins de outubro. A cidade raras vezes dispôs de um coro como o da Sinfônica de Bamberg, de um regente como Rolf Beck e das vozes de Christiane Karg (soprano), Alison Browner (contralto), Hartmut Schröder (tenor) e István Kovács (baixo). Graças às legendas e à pronúncia irretocável dos cantores, foi possível acompanhar o desenrolar da obra em toda sua beleza e complexidade, desfrutando de cada interpretação e de cada passagem nos mínimos detalhes. É uma pena, no entanto, que a platéia não tenha extraído todo o brilho de trechos naturalmente preenchidos de qualidade literária, como tantas citações ao profeta bíblico Isaías, por exemplo. Dada a extensão do Messias, infelizmente nem todo mundo manteve a atenção e a atitude interessada, principalmente depois da primeira parte e do intervalo. Houve, obviamente, manifestações mais exaltadas por parte do público no chorus “Hallelujah!”, entre a segunda e a terceira partes, mas não durou mais que alguns minutos, como que respondendo à exaltação temporária do coro. E as interpretações “teatrais” das vozes foram, como se diz, uma atração à parte. Schröder, o tenor, era viril e usava de gestual forte, parecendo sublinhar os graves; Kovács, o baixo, era mais delicado e se preocupava sobretudo com a expressão facial, a qual não economizava; Browner, a contralto, muito altiva e elegante, conduzia as falas com ar professoral e não se furtava a acompanhar o coro, em alguns momentos, sibilando em voz baixa; Karg, por fim, foi a última a entrar – sempre enérgica, como convém a uma soprano, fazendo bom uso da aurora de seus 20 e poucos anos. Como se vê, o Messias esteve bem representado, e Haendel indubitavelmente teria aprovado, apesar da platéia dispersiva do século XXI e da presença tão pouco freqüente de oratórios assim bem montados. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Cafés Filosóficos
* As finanças ocultas dos pobres - Paul Singer (FEA/USP), Gilson Schwartz (ECA/USP) e Ricardo Abramovay (FEA/USP)
(Qua., 17/11, 19h30, VL)

>>> Palestras
* A arte de enriquecer - José Antonio Pinotti
(Ter., 16/11, 19h30, VL)
* Faces do Fanatismo - Jaime Pinsky e Carla Bassanezi Pinsky
(Qui., 18/11, 19hrs., VL)

>>> Noites de Autógrafos
* A irresistível busca de sentido - Scarlett Marton
(Ter., 16/11, 18h30, CN)
* A palavra inscrita - Mario Chamie
(Qua., 17/11, 18h30, CN)
* O rei ausente - Ana Paula Torres Megiani
(Qui., 18/11, 18hrs., VL)
* A república das elites - Agassiz Almeida
(Qui., 18/11, 19hrs., CN)
* São Paulo vista do alto - Irineu Idoeta, Ivan Valeije Idoeta e Jorge Pimentel Cintra (Sex., 19/11, 18h30, VL)

>>> Shows
* The Red Hot Peppers - Traditional Jazz Band
(Sex., 19/11, 20hrs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/11/2004
01h10min
Meu comentário é sobre o texto O QUE NOS FAZ HUMANOS. Desconfio que poucas pessoas, infelizmente, se darão ao trabalho de lê-lo porque faz raciocinar de maneira séria sobre por que estamos aqui e o que viemos fazer. Não interessa se se é EVOLUCIONISTA ou CRIACIONISTA, o certo é que aqui viemos por algo muito importante.
[Leia outros Comentários de Carmem A. Paulino]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cozinhando Com o Microondas Vol 1 (1995)
Não Especificado
Circulo do Livro
(1995)



Fabrica e a Cidade Ate 1930, a - a Vida no Tempo
Nicolina Luiza de Petta
Atual
(2002)



Port Out , Starboard Home
Michael Quinion
Penguin Uk
(2005)



Os Subterrâneos da Liberdade Iii - a Luz no Túnel 1974
Jorge Amado
Martins Fontes
(1951)



O Imperador Vol. 4 - os Deuses da Guerra - Confira!
Conn Iggulden
Record
(2008)



Scooby-doo! Em Múmias no Shopping
Gail Herman
Babel
(2011)



1808 - Edição Juvenil - Laurentino Gomes
Laurentino Gomes
Planeta Jovem
(2009)



Quem é essa Mulher Vestida de Sol
Biba Arruda
Gente
(1998)



Uma Estranha Aventura Em Talalai
Joel Rufinho dos Santos
Pioneira
(1982)



Livro da Familia - Coleção Pessoinhas - Natureza e Sociedade 2
Ruth Rocha; Anna Flora / 1ª Ed
Ftd
(2010)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês