Digestivo nº 201 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Coleção Por que ler, da Editora Globo
>>> Realismo histérico
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> 6 de Novembro #digestivo10anos
>>> Relendo clássicos
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> Era Meu Esse Rosto
>>> Do Comércio Com Os Livros
>>> E-mails a um jovem resenhista
>>> O Conflito do Oriente Médio
Mais Recentes
>>> El Desarrollo Del Capitalismo En America Latina. Ensayo De Interpretacion Historica (spanish Edition) de Agustin Cueva pela Siglo Xxi (2002)
>>> O Fantástico Homem do Metrô 8 edição. - coleção veredas de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> Missão Ninok: se tem medo do futuro não abra o livro de Bernardino Monteiro pela Artenova (1980)
>>> Os Bichos Que eu Faço - coleção girassol 1ª edição. de Telma Guimarães Andrade pela Moderna (1991)
>>> Enfermagem Médico-Cirúrgica em Unidade de Terapia Intensiva de Eliza Kaori Uenishi pela Senac (2008)
>>> Primeiras Linhas de Direito Processual Civil - Volume 1 de Moacyr Amaral Santos pela Saraiva (2002)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Estadão
>>> Um Certo Suicídio de Patricia Highsmith pela Best Seller
>>> Domine Seu Sistema Nervoso Pelo Treinamento Autógeno de Karl Robert Rosa pela Ediouro
>>> Introdução à Literatura no Brasil de Afrânio Coutinho pela Distribuidora de Livros Escolares (1975)
>>> Pedro Vira Porco-Espinho de Janaina Tokitaka pela Jujuba (2017)
>>> O Grande Livro dos Contrários. Das Formas e das Cores de Frederic Kessler pela Cortez (2018)
>>> A Perigosa Idéia de Darwin de Daniel C. Dennett pela Rocco (1998)
>>> Dicionário de Saúde de Carlos Roberto Lyra da Silva pela Difusão (2006)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Folha de S.Paulo (1997)
>>> Fodor's Arizona 2001: Completely Updated Every Year de Fodor's pela Fodor's (2000)
>>> Herobrine - A Lenda (livro 1) de Mikhael Línnyker F Rodrigues pela Geracao Editorial (2020)
>>> Um Ano Inesquecivel de Paula Pimenta; Babi Dewet pela Gutemberg (2015)
>>> Aspectos Polêmicos da Atividade do Entretenimento de Vários Autores pela Apm (2004)
>>> Delta de Vênus de Naïs Nin pela Círculo do Livro (1989)
>>> O Processo de Franz Kafka pela Folha de S.Paulo (2003)
>>> Os Viajores - Agentes dos Guardiões de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2019)
>>> Sonic The Hedgehog Vol. 3 - A Batalha por Angel Island de Sega pela Geektopia (2021)
>>> Os Turistas de Disney Especial pela Abril
>>> Joe Biden - A Vida As Ideias E Os Desafios Do Presidente Da Nacao Mais Poderosa Do Mundo de Evan Osnos pela Agir (2021)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 17/11/2004
Digestivo nº 201
Julio Daio Borges
+ de 3700 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Literatura >>> A loucura das causas
Matt Ridley foi editor de ciência da prestigiosa The Economist. E é quase um milagre que ele tenha sido publicado no Brasil, em livro – mas ele foi, pela Record. Milagre não só por Ridley ser um jornalista internacional, mas por escrever sobre ciência e por produzir um trabalho tão sério. Passear por O que nos faz humanos, além de ser um prazer, gera uma interrogação permanente: Quem se interessa hoje pela ciência mais moderna, em formato tão acessível e abordada de maneira tão profunda? Pois o fato é que vivemos cercados por toneladas de best-sellers oportunistas e por conselhos, os mais estapafúrdios, proferidos geralmente por revistas em forma de auto-ajuda. A verdadeira ciência contemporânea, embora diga respeito quase sempre aos seres humanos, parece cada vez mais longe das pessoas. Felizmente, Matt Ridley é um desses corajosos desbravadores da língua inglesa, trazendo conhecimento em instigantes obras de divulgação – que podem (e devem) ser lidas por qualquer pessoa. Ridley retoma o antigo (ainda que novo no Brasil) debate entre “natureza” e “criação”. Para quem não sabe, a “criação” ganhou terreno durante praticamente todo o século XX – apostando na certeza de que o ser humano nasce como um livro em branco, onde se pode escrever qualquer coisa. O conceito tem múltiplas implicações: desde uma simples mudança de personalidade até a crença desastrosa de que se poderia manipular povos e nações, via engenharia social. Já a “natureza” ganhou novo fôlego nas últimas décadas, com o avanço da genética – provando, não sem resistência da parte dos behavioristas, que o ser humano, por mais maleável que seja, nasce com alguma pré-programação, contida no código genético. Os dois lados seguem em plena guerra e sujeitos como Ridley tentam, atualmente, mostrar que os dois lados podem ter razão. Por meio de conceitos como imprinting (marcas que ficam, para toda a vida, desde o nascimento), o autor de O que nos faz humanos leva o debate a um outro patamar, revelando que essa dicotomia (nature vs. nurture), como tantas outras, é simplista e está perdendo a importância. Num momento em que a política se tornou um jogo de cartas marcadas (em todo o mundo), essas são as reais discussões do novo século, e do novo milênio. [Comente esta Nota]
>>> O que nos faz humanos - Matt Ridley - 399 págs. - Record
 



Música >>> Coisa de acender
Djavan musicalmente atravessou metade dos anos 90 e quase metade dos anos 2000 longe de suas potencialidades criativas em outras décadas. Como artista, quase obrigou seus fãs à desistência – algo que Gil e Caetano impuseram, a seus admiradores, mais ou menos na mesma época. Em outras palavras: como a obra atual dos Tropicalistas, Djavan era quase um caso perdido. Sua saída das majors, seu segundo casamento e agora o disco Vaidade, porém, provaram que não. Djavan ainda tem o que dizer; ou o que cantar. Virtualmente empurrado para a independência dos “selos”, parece ter recuperado a liberdade esquecida em lançamentos insossos e em seqüências anteriores de álbuns ao vivo. “Se acontecer”, que abre o disco e que desde algum tempo toca no rádio, por exemplo, aposta numa estrutura não muito palatável para os padrões de consumo fácil: múltiplas seções rítmicas, com variados andamentos e versificação sugerida mas não muito clara. E o que dizer de “Sentimento verdadeiro”, emulando as sessões de Kind of Blue, de Miles & Coltrane, com marcação difícil de ser seguida e frases entoadas no contratempo? A aposta em células básicas, sem quase nenhuma orquestração, como em “Mundo vasto”, parece que permitiram a Djavan um reencontro com sua veia de compositor – aquela que Jorge Vercilo, o clone ou o genérico (como a Veja fala), não consegue captar. E a guitarra está particularmente inspirada. É Max Viana? Claro que Djavan não se livra de bobagens novelescas como “Amor algum”, a própria “Vaidade” e “Estátua de Sal”, mas todas perdoáveis e perfeitamente compensadas por surtos de inventividade como “Celeuma” e “Tainá-flor”. E “Dorme, Sofia”, homenagem mais que descarada de um pai-babão, já está provocando muxoxos naqueles que vêem limites para os cruzamentos entre vida & obra. Na verdade, Djavan havia apelado para recursos similares e inclusive produzido uma bela peroração, em 1994, sobre o fato de ter sido avô (em dueto com a filha, Flávia Virgínia). Enfim, ainda que Vaidade não seja uma obra-prima, é saudável ver Djavan voltando à velha forma – e não se rendendo à indústria, que exige do artista a aplicação constante (e esterilizante) das mesmas fórmulas. [Comente esta Nota]
>>> Vaidade - Djavan - Luanda Records
 



Além do Mais >>> Behold, I tell you a mystery
Do Messias, oratório de Haendel, o mínimo que se pode afirmar é que impressionou Haydn a tal ponto que, depois de conhecê-lo, o mestre do classicismo e de Mozart voltou para casa e compôs A Criação e As Estações. Não poderia, portanto, haver encerramento mais adequado para a Temporada 2004 do Mozarteum Brasileiro, no Theatro Municipal de São Paulo, em fins de outubro. A cidade raras vezes dispôs de um coro como o da Sinfônica de Bamberg, de um regente como Rolf Beck e das vozes de Christiane Karg (soprano), Alison Browner (contralto), Hartmut Schröder (tenor) e István Kovács (baixo). Graças às legendas e à pronúncia irretocável dos cantores, foi possível acompanhar o desenrolar da obra em toda sua beleza e complexidade, desfrutando de cada interpretação e de cada passagem nos mínimos detalhes. É uma pena, no entanto, que a platéia não tenha extraído todo o brilho de trechos naturalmente preenchidos de qualidade literária, como tantas citações ao profeta bíblico Isaías, por exemplo. Dada a extensão do Messias, infelizmente nem todo mundo manteve a atenção e a atitude interessada, principalmente depois da primeira parte e do intervalo. Houve, obviamente, manifestações mais exaltadas por parte do público no chorus “Hallelujah!”, entre a segunda e a terceira partes, mas não durou mais que alguns minutos, como que respondendo à exaltação temporária do coro. E as interpretações “teatrais” das vozes foram, como se diz, uma atração à parte. Schröder, o tenor, era viril e usava de gestual forte, parecendo sublinhar os graves; Kovács, o baixo, era mais delicado e se preocupava sobretudo com a expressão facial, a qual não economizava; Browner, a contralto, muito altiva e elegante, conduzia as falas com ar professoral e não se furtava a acompanhar o coro, em alguns momentos, sibilando em voz baixa; Karg, por fim, foi a última a entrar – sempre enérgica, como convém a uma soprano, fazendo bom uso da aurora de seus 20 e poucos anos. Como se vê, o Messias esteve bem representado, e Haendel indubitavelmente teria aprovado, apesar da platéia dispersiva do século XXI e da presença tão pouco freqüente de oratórios assim bem montados. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Cafés Filosóficos
* As finanças ocultas dos pobres - Paul Singer (FEA/USP), Gilson Schwartz (ECA/USP) e Ricardo Abramovay (FEA/USP)
(Qua., 17/11, 19h30, VL)

>>> Palestras
* A arte de enriquecer - José Antonio Pinotti
(Ter., 16/11, 19h30, VL)
* Faces do Fanatismo - Jaime Pinsky e Carla Bassanezi Pinsky
(Qui., 18/11, 19hrs., VL)

>>> Noites de Autógrafos
* A irresistível busca de sentido - Scarlett Marton
(Ter., 16/11, 18h30, CN)
* A palavra inscrita - Mario Chamie
(Qua., 17/11, 18h30, CN)
* O rei ausente - Ana Paula Torres Megiani
(Qui., 18/11, 18hrs., VL)
* A república das elites - Agassiz Almeida
(Qui., 18/11, 19hrs., CN)
* São Paulo vista do alto - Irineu Idoeta, Ivan Valeije Idoeta e Jorge Pimentel Cintra (Sex., 19/11, 18h30, VL)

>>> Shows
* The Red Hot Peppers - Traditional Jazz Band
(Sex., 19/11, 20hrs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/11/2004
01h10min
Meu comentário é sobre o texto O QUE NOS FAZ HUMANOS. Desconfio que poucas pessoas, infelizmente, se darão ao trabalho de lê-lo porque faz raciocinar de maneira séria sobre por que estamos aqui e o que viemos fazer. Não interessa se se é EVOLUCIONISTA ou CRIACIONISTA, o certo é que aqui viemos por algo muito importante.
[Leia outros Comentários de Carmem A. Paulino]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Entre Amigas
Evelyn Holst; Sabine Reichel
Essencia
(2009)



A Morte do Rei Tsongor
Laurent Gaudé
Nova Fronteira
(2004)



Bouvard e Pécuchet
Gustave Flaubert
Scipione
(1988)



Cauby! Cauby!
Flávio Marinho
Imago
(2007)



Louise Bourgeois e Modos Feministas de Criar
Gabriela Barzaghi de Laurentiis
Sobinfluencia
(2021)



Guia prático da projeção astral
Melita Denning; Osborn Phillips
Siciliano
(1990)



Direito Tributário Romano
Sílvio Meira
Revista dos tribunais
(1978)



Conjugaison - Niveau Intermédiaire - 450 Nouveaux Exercices
Odile Grand Clement
Cle Internacional
(2003)



Revista de Direito Administrativo Aplicado - 1
Genesis
Genesis
(1994)



Conselhos para o CEO - 5 Estratégias futuras que você deve aplicar agora
George Stalk; John Butman
Campus
(2008)





busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês