Digestivo nº 501 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
70483 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto: Encontro ás escuras - Contos e cantos ancestrais
>>> Primeira edição do ZporZ Fest Verão acontece em janeiro
>>> Sesc Cultura ConVIDA! apresenta mostras temáticas
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> A coisa tá preta
>>> Fugindo do apocalipse
>>> Sonhos Sujos
>>> Eu acho que alguém aqui pirou
>>> Ideologias em forma de spam
>>> Neste Natal etc. e tal
>>> Lula, o filme
>>> Mauro Henrique
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
Mais Recentes
>>> Tony e Susan de Austin Wright pela Austin Wright (2011)
>>> Ícones: Seu Coração Só Pode Bater Com a Permissão Deles de Margaret Stohl pela Galera Record (2014)
>>> Michaelis Minidicionário alemão / português - português / alemão de Alfred Josef Keller pela Melhoramentos (2010)
>>> Visagismo - Harmonia e Estética de Philip Hallawell pela Senac Sp (2008)
>>> Sob a Pele das Palavras de Celso Cunha pela Nova Fronteira (2004)
>>> Radcliffe- Brown: Coleção Grandes Cientistas Sociais. Número 3 de Júlio Cezar Melatti; Florestan Fernandes (org.) pela Ática (1995)
>>> Troppo Facile - Receitas e Notícias Sobre Comida Boa de Gaspare Tusa Di Gruppazzi pela Via Nuova (1990)
>>> Tradução das Catilinárias de Cícero de Maximiniano Augusto Gonçalves pela Livraria H. Antunes (1955)
>>> Cisnes Selvagens de Jung Chang pela Companhia das Letras (1994)
>>> Amazônia, a Menina dos Olhos do Mundo de Thiago de Mello pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Imperatriz de Shan Sa pela Ediouro (2004)
>>> O Feitiço da Ilha do Pavão de João Ubaldo Ribeiro pela Nova Fronteira (1997)
>>> Crônicas do Reino de Deus de Frei Lucas Moreira Neves pela Duas Cidades
>>> O Visconde Partido ao Meio de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1996)
>>> Parcerias: Fundamentos e Benefícios para o Terceiro Setor de James E. Austin pela Futura (2001)
>>> História do povo Francês de André Ribard pela Brasiliense LTDA (1952)
>>> Cabeça de Porco de Luiz Eduardo Soares, MV Bill, Celso Athayde pela Objetiva (2005)
>>> Mil Moedas de Ouro de Ruthanne Lum Mccunn pela Best Seller (1999)
>>> As Noites do Morro do Encanto - Livro 2 de Dinah Silveira de Queirzo pela Civilização Brasileira (1957)
>>> A Semente de Mostarda de Bhagwan Shree Rajneesh pela Tao Livraria (1979)
>>> Banderas en Las Torres de A.S. Makarenko pela Progresso (1976)
>>> Pureza Mortal de Nora Roberts; J. D. Robb pela Bertrand Brasil (2011)
>>> O Último Testamento de Sam Bourne pela Record (2008)
>>> Os Irmãos Karamázovi de Fiodor M Dostoiesvski pela Abril Cultural (1971)
>>> Qualidade Em Prestação de Serviços de Rose Zuanetti e Outros pela Senac (2002)
>>> Voltando para Casa Com o Seu Bebê de Laura a Jana; Jennifer Shu pela Wmf Martins Fontes (2010)
>>> Minha Biblia de Lois Rock; Carolyn Cox pela Caulinas (2007)
>>> Envelhecimento Saudável, os Segredos de um Envelhecimento Bem-sucedido de Vários Autores pela Manole (2008)
>>> Ensaios gracilianos de Castelar de Cravalho pela Rio (1978)
>>> Radicais e afixos de Antônio de Camargo Franco pela Do autor (1977)
>>> Contos Tocantinenses de Maximiano da Matta Teixeira pela Secretaria de Cultura Tocantins (1994)
>>> Lenita e o Padre de Márcia Fagundes Varella pela Terra
>>> 1922 - Itinerário de uma falsa vanguarda de Antonio Arnoni Prado pela Brasiliense (1983)
>>> Memorial de Aires e Ressurreição de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> Aprendiz de Homero de Nélida Piñon pela Record (2008)
>>> Além do Nascimento e da Morte de Bhaktivedanta Swami Prabhupada pela Coletivo Editorial (1986)
>>> Férias na Draculândia de Carlos Queiroz Telles pela FTD (1993)
>>> Conversa Sobre o Tempo de Luis Fernando Verissimo, Zuenir Ventura e Arthur Dapieve pela Agir (2010)
>>> Terrores da Noite de Martin Cruz Smith pela Nova Cultural (1986)
>>> O Cavaleiro Inexistente de Italo Calvino pela Companhia das Letras (2000)
>>> O Faraó Alado de Joan Grant pela Circulo do Livro
>>> A Educação da Mudança de Arnaldo Niskier pela Academia Brasileira de Letras (2003)
>>> Velhos integralistas de Carla Luciana Silva; Gilberto Grassi Calil pela EDIPUCRS (2000)
>>> Velhos integralistas de Carla Luciana Silva; Gilberto Grassi Calil pela EDIPUCRS (2000)
>>> Signo do Pecado de Shirley Larson pela Nova Cultural (1988)
>>> A memória e o ensino de história de Tatiana Lenskij; Nadir Emma Helfer pela Edunisc (2000)
>>> Dicionário de Ciências Sociais de Vários pela Fundação Getúlio Vargas (1986)
>>> Dimensões do Ser - Reflexões sobre os planetas de Maria Eugênia de Castro pela Hipocampo (1991)
>>> Blair's Britain de Hal Colebatch pela Claridge (1999)
>>> O Mundo que eu Encontrei de Alayde de Assunção e Silva pela Coronário (2000)
DIGESTIVOS

Segunda-feira, 30/6/2014
Digestivo nº 501
Julio Daio Borges

+ de 3900 Acessos




Além do Mais >>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
Fazia tempo que um livro não gerava tanto comentário. No Brasil, a versão em português nem saiu, embora tenha sido anunciada pela Intrínseca, mas todo formador de opinião, metido em economia, já deu algum palpite. A maior gafe ficou por conta dos economistas que assessoram os pré-candidatos à Presidência da República, que reconheceram a importância da obra, mas não leram, nem sequer folhearam. Estamos falando de Armínio Fraga e de Eduardo Giannetti da Fonseca (nem estamos falando de Guido Mantega). Thomas Piketty, um francês, quem diria, chacoalhou o establishment, principalmente anglo-saxão, ao concluir que a desigualdade nos Estados Unidos, a meca do capitalismo, está aumentando. A tese de Piketty, repetida em prosa e verso, é a seguinte: quando a remuneração pelo capital, de uma minoria, é maior do que o crescimento da economia, como um todo, a desigualdade aumenta no país. Se a elite do capitalismo nacional enriquece mais rápido que o restante da população, a desigualdade se aprofunda na nação. Lida assim, sua conclusão parece óbvia, um verdadeiro ovo de Colombo. O problema é que ela vai contra alguns dos pilares do chamado american dream. Segundo Piketty, a meritocracia, tão alardeada nos Estados Unidos, manda cada vez menos. E a elite do capitalismo global tende a se perpetuar, se nada for feito para reverter a tendência atual. O capital, em veloz acumulação, pode ser uma ameaça às instituições e à própria democracia, outro dos pilares do american way of life. Se os detentores do capital tendem a enriquecer mais rápido do que a média da população, está ameaçada a igualdade de oportunidades ― e, em outras palavras, a famosa "busca pela felicidade". Sim, the pursuit of happiness, que é um dos "direitos" presentes na histórica Declaração de Independência dos Estados Unidos (1776) ― que, simples e apenasmente, inspirou outras revoluções, como a francesa de 1789. O Capital no Século XXI que, desde o título, ecoa Das Kapital (1867), de Karl Marx, teve, como seu maior divulgador, ninguém menos que Paul Krugman, o Nobel de Economia de 2008. A versão em inglês da obra de Piketty, em papel, esgotou na sequência. E o primeiro ataque de peso veio do blog do Financial Times, o jornal que é uma instituição no Reino Unido ― questionando muitos dos dados utilizados por Piketty na construção de seu raciocínio. Se as suas informações não são boas, se há erros de apuração, ou até distorção (segundo alguns), a retumbante conclusão perde sua força, ou não? Piketty apressou-se em responder que seu modelo "pode ser aperfeiçoado", mas que seu objetivo "era promover o debate" (objetivo alcançado). Em sua defesa, veio nada mais nada menos que The Economist ― a melhor revista do mundo? ― questionando, justamente, a análise do Financial Times. O livro de Piketty parece à salvo, por enquanto, da condenação. Ou, no mínimo, exige que cada um leia e tire sua própria conclusão. Thomas Piketty não quer ser uma celebridade instantânea e parece não se impressionar com o sucesso, mas corre o risco de ser eleito O Homem do Ano. [Comente esta Nota]
>>> O Capital no Século XXI (Em Português) | Capital in the Twenty-First Century
 



Imprensa >>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
Diogo Salles é um sobrevivente da última encarnação do Jornal da Tarde. Viveu na pele os últimos dias do jornal em 2012, quando a direção negava o fim, enquanto o "telemarketing de assinaturas" afirmava, e todo o resto da imprensa confirmava. A redação, tal qual marido traído, foi a última a saber (ou a receber a confirmação oficial). A morte talvez mais significativa de um jornal no Brasil mereceu, de sua direção, um eufemismo digno dos idiotas da objetividade: "revisão de portfólio". Trágico e Cômico era o nome do blog que Diogo Salles mantinha no portal do Estadão. O blog segue no ar, mas, como a homepage do Estadão não quer nem ouvir falar de Jornal da Tarde, Diogo Salles transformou o Trágico e Cômico numa grande reflexão, um livro, pela Primavera Editorial. Com prefácio de Baptistão, colega de Diogo de redação, a coletânea reúne 5 anos de charges do Jornal da Tarde. O subtítulo foi o gancho inicial: "Os protestos em charges". Um ano depois das chamadas Jornadas de Junho, Diogo Salles aproveitou para dar seus "20 centavos de contribuição" ao debate. Trágico e Cômico, agora entre capas, parte das bases de nossa "discussão" política hoje, a polarização entre PT e PSDB, analisa o que chama de "múmias" da nossa política (adivinhe quem são) e desemboca, pedagogicamente, nos "protestos" e nas "manifestações". Diogo radiografa os partidos, disseca as suas "personalidades" e revisita o que Daniel Piza denominou "mitos paralisantes" (por exemplo, os "salvadores da pátria"). Desde o Mensalão até o PSD, cada cacique merece, pelo menos, uma charge inspirada. Diogo não esqueceu a militância eletrônica de esquerda, que usa táticas de guerrilha nas redes sociais, nem a chamada "nova direita", que recebeu uma das ilustrações mais hilariantes do volume. Nela, Reinaldo Azevedo, com dedo em riste, faz uso de seu megafone verbal; Rodrigo Constantino, verticalmente prejudicado na charge, arregaça as mangas, como um novato na máfia; enquanto Olavo de Carvalho, macaco velho, busca guarida, ao mesmo tempo incitando os ânimos e fumando uma cigarrilha diáfana. Mas nem só de política vivem as páginas de Trágico e Cômico, Diogo Salles entra no espinhoso tema da Copa 2014 e presta sua homenagem aos "coronéis da MPB" (aqueles, do Procure Saber). O livro se encerra com o país do "jeitinho brasileiro", a filosofia que impregna nossa sociedade, e abre espaço até para uma nova personagem: Ganâncio, o candidato (que nos lembra o Urbanóide ― aliás, merecedor de uma coletânea à parte). O que vai acontecer durante a Copa da Fifa? Até onde vão os manifestantes em 2014? Os protestos vão se refletir, finalmente, nas urnas? 2015 será de continuidade ou de rompimento? São questões para os próximos meses e anos. Num cenário de grande instabilidade, não há respostas óbvias. Trágico e Cômico, em papel, não poderia ter chegado em melhor hora. [Comente esta Nota]
>>> Trágico e Cômico
 



Cinema >>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
Desde os anos 90 que Woody Allen alterna filmes "pastelão" com outros de humor mais denso, como Vicky Cristina Barcelona (2008), e até tragédias involuntárias, como Match Point (2005). Blue Jasmine (2013), com Cate Blanchett, é do último tipo, por isso merece atenção. Se se for observar o roteiro, o filme tinha tudo para cair no velho pastelão. Ex-socialite falida vai morar com a irmã pobre que sempre esnobou e tem de se adequar à nova realidade, que, naturalmente, é trágica e cômica. Cate Blanchett não é engraçada. Mas isso, para nós, é uma dádiva. Blue Jasmine ganha uma profundidade inesperada, justamente, por sua causa. "Jasmine", no caso, é o novo nome de Jeanette, que tinha vergonha de suas origens. Ao contrário da irmã Ginger, que continuou na Califórnia, Jeanette tinha mania de grandeza, casou-se com um homem de negócios, Hal Francis (Alec Baldwin), e ascendeu à alta burguesia de Nova York. Mulherengo incorrigível, contudo, Hal é denunciado pela própria esposa (farta de suas traições), termina preso e quebrado, suicidando-se na prisão. Cercada por dívidas, Jasmine perde tudo, inclusive as "amizades", e tem de recomeçar na Califórnia, com a irmã de criação. O fracasso não é um tema recorrente, no cinema, ainda mais se não for uma histórica edificante. Jasmine, ou Jeanette, é tão patética, em suas crises, em seus monólogos, em suas tentativas de adequação, que até chegamos a torcer por ela, em alguns momentos... Para que se reabilite, como um ex-viciado que tem de abandonar seus paraísos artificiais. Mas não é fácil... Um belo dia, apesar de tudo, Jeanette encontra um pretendente numa festa. Um homem mais jovem, em ascensão, que precisa de uma mulher, vivida, para abrir-lhe as portas da alta sociedade. O romance engata, mas, envergonhada, e querendo esquecer o passado, Jeanette mente, deslavadamente. Não demora, o passado vem à tona, na forma de um velho cunhado, o "ex" de Ginger, cujas economias o marido de Jasmine havia transformado em pó. Jeanette havia escondido até um enteado. E o pretendente não quer saber de perdoá-la: rompe a ligação. Três performances, no filme, são brilhantes. Quando Jasmine descobre as traições do marido, ou decide finalmente acreditar nelas, e o confronta. Depois, quando, em sua nova vida, tentando trabalhar como secretária, Jeanette é assedia pelo chefe, um dentista nerd, chato e repugnante, e tem de se desvencilhar à força. Por último, quando, face a face com suas mentiras, desmascarada pelo novo futuro marido, é abandonada no meio da rua, no calor de uma discussão. Perder tudo, em matéria de capitalismo hoje, é perder a própria honra. Preferível perder a vida? Hal Francis não tem dúvida e se suicida. Enquanto que Jasmine, sentindo-se vítima, prefere a morte em vida. Existe vida após a morte? E depois da bancarrota? São questões incômodas. Blue Jasmine, a "triste" Jasmine, nos lembra dos limites da vida, e da vida material. [Comente esta Nota]
>>> Blue Jasmine
 



Música >>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
O grunge foi um dos últimos movimentos do rock, ou um dos últimos reconhecidos como tal. Com tantas bandas voltando, de todas as eras geológicas, seria natural que os protagonistas do grunge também se dessem uma chance. O Nirvana, com a morte de Kurt Cobain, não teria como. Houve uma reunião, de Krist Novoselic e Dave Grohl, com Paul McCartney, mas valeu muito mais pelo tom inusitado, não teve nenhum caráter de retorno. O Pearl Jam nunca parou. Ainda que Eddie Vedder "solo" tenha se mostrado mais interessante, nos últimos anos. O Soundgarden voltou, mas não com a mesma inspiração. Chris Cornell, o melhor cantor do grunge, deveria continuar investindo em sua carreira solo. Sobrou o Alice in Chains. Com a morte de Layne Staley (2002), parecia uma heresia e, em princípio, um erro, mas, depois de um álbum hesitante, Black Gives Way to Blue (2009), e da morte de Mike Starr, o baixista, o Alice in Chains, liderado por Jerry Cantrell, acertou a mão com The Devil Put Dinosaurs Here (2013). O disco é inexplicavelmente equilibrado. Mesmo sem Staley, sua marca está nos vocais, afinal Cantrell sempre lhe fez coro. Mas, além disso, o tom soturno, o ritmo marcado, as guitarras lancinantes continuam presentes, e interessantes. Ao contrário de vários comebacks, não soa como uma mera reciclagem de material, o álbum tem identidade própria, e acrescenta à discografia da banda. Cantrell assina, como não poderia deixar de ser, as letras, e elas, igualmente, mantêm o nível. Abre com o refrão "hollow as a mountain", ou "oco como uma montanha". Emenda com "Pretty Done": "Agora você teve o que queria/ Não deixe escapar". Na terceira, "Stone", Cantrell provoca: "Eu sei que posso estar enganado, mas não sou seu guia turístico" (grifo nosso). Na balada radiofônica "Stone", o tema é a esquizofrenia. E a faixa-título recria as alucinações dos primeiros registros em estúdio do Alice in Chains. O "clima" não melhora com "Lab Monkey", o macaco de laboratório. A esperança só retorna a partir de "Low Ceiling" ― sobre uma "roupa" que não serve mais, ou uma vida que necessita de reformulação. Ganha-se, novamente, velocidade com "Breath On A Window", uma das melhores ― uma "road song" (se é que podemos parafrasear o termo "road movie"): "Eu teria deixado você ir embora, mas você está sempre pelo caminho". "Scalpel" é apenas outro hit. "Phantom Limb" desperta quem achava que a sequência havia terminado. "Hung On A Hook", a última balada, fecha, com "Choke", sugestivamente: "Você deve saber que estou acostumado a despedidas". Com tantas outras atribuições, os solos de Cantrell andam bastante econômicos, mas sempre "na medida". Fora que o virtuosismo nunca foi o forte da geração Seattle. As performances ao vivo, encontráveis no YouTube, mostram que a energia continua lá. Ainda que os cabelos não continuem os mesmos... Jerry Cantrell é um sobrevivente do rock. Um herói do grunge. E "seu" Alice in Chains, redivivo, merece respeito. [Comente esta Nota]
>>> The Devil Put Dinosaurs Here
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cinco Casos
Michael Crichton
Rocco
(2000)
R$ 10,00



Belíssimas Páginas da Literatura Universal
Mansour Challita
Acigi
R$ 10,00



Ágape
Marcelo Rossi
Globo Antigo
(2010)
R$ 10,00



London Dk Eyewitness Travel Guide
Michael Leapman
Dk Publishing
(1999)
R$ 10,00



A Bíblia na Catequese
Inês Broshuis
Paulinas
(2005)
R$ 10,00



Revista Letras Número 74
Zaki Akel Sobrinho
Ufpr
(2008)
R$ 10,00



A Long Way Down
Nick Hornby
Riverhead Hardcover
(2005)
R$ 10,00



A Culpa é das Estrelas
John Green
Intrínseca
(2012)
R$ 10,00



Nas Ondas Do Som
Valdir Montanari
Moderna
(1996)
R$ 10,00



Aventuras de um Caçador de Palavras
Aires da Mata Machado Filho
Livraria Acadêmica
(1965)
R$ 10,00





busca | avançada
70483 visitas/dia
2,4 milhões/mês