Digestivo nº 86 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
74889 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Florbela Espanca, poeta
>>> Mamãe falhei
>>> À procura de barranco
>>> As armas e os barões
>>> 11 de Setembro e a Era do Terror
>>> Sobre as ilusões perdidas
>>> Mistérios Literários
>>> Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos
>>> Caminho para a Saúde
>>> Romance breve
Mais Recentes
>>> O Herói Perdido de Rick Riordan pela IntrÍnseca (2011)
>>> Sem Folego de Brian Selznick pela Sm (2012)
>>> Manual De Metodos E Tecnicas De Pesquisa Cientifica de Izequias Estevam Dos Santos pela Impetus (2016)
>>> A Droga Da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2014)
>>> Compliance: Como Implementar de Marcos Assi pela Trevisan (2018)
>>> Nate Está Na Área de Lincoln Peirce pela Sextante (2014)
>>> Nós de Mauricio Negro pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> Análise Técnica Clássica de Flávio Lemos, Celso Cardoso pela Saraiva (2010)
>>> Zumbizito: Descubra Seu Segredo de Kevin Bolger pela Novo Século (2012)
>>> Entrevista de Clarice Lispector pela Rocco (2007)
>>> Drogas: sua Liberdade Por um Fio de Denise Ortega pela Nova (2008)
>>> A Droga Do Amor de Pedro Bandeira pela Moderna (2014)
>>> O pulo da Carpa! de André Gravatá pela Sm (2022)
>>> Desmontando A Arara de Renata Bueno pela Ftd (2010)
>>> É Possível Superar A Violência Na Escola? de Luciene Regina Paulino Tognetta pela Do Brasil (2012)
>>> Sentidos De Milicia: Entre A Lei E O Crime de Greciely Cristina Da Costa pela Unicamp (2014)
>>> Odisseia Em Quadrinhos de Silvana Salerno pela Ftd (2022)
>>> Passaro Amarelo de Olga de Dios pela Boitatá (2016)
>>> Implantação De Inovações Curriculares Na Escola: A Perspectiva Da Gestão de Esther Carvalho pela Cla (2019)
>>> Metodologia OPEE: 20 Anos Inspirando Projetos de Vida de Leo Fraiman pela Ftd (2023)
>>> A Mala Maluca de Donaldo Buchweitz pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Sangue Do Olimpo: Os Herois Do Olimpo de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> O Sonho Transdisciplinar E As Razões Da Filosofia de Hilton Japiassu pela Imago (2006)
>>> A Importância De Ser Prudente, Um Marido Ideal E Outras Peças de Oscar Wilde pela Veríssimo (2024)
>>> O Sucesso Jamais Será Perdoado - A Autobiografia Do Barão De Mauá de Irineu Evangelista De Souza pela Avis Rara (2024)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 19/6/2002
Digestivo nº 86
Julio Daio Borges
+ de 7900 Acessos




Imprensa >>> Vivendo e não aprendendo
Existe uma turma que não se cura nunca da nostalgia dos anos 80. É um pessoal que continua ouvindo rock, apesar das injunções do gosto popular (no Brasil) e da música eletrônica (no exterior); gente que prega a hegemonia da “cultura pop”, desde que circunscrita aos estreitos limites do Nevermind (do Nirvana) e do Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (dos Beatles); pessoas muito capazes – é bom que se diga – mas que repetem modelos de, no mínimo, 10 anos atrás, fixando suas bases na subliteratura de Nick Hornby (Alta Fidelidade), no jornalismo teenager da Bizz (Celso Pucci et alii), e no público videota da MTV (VJs incluídos). Essas coisas fazem todo o sentido quando se tem 15 anos; mas nenhum sentido quando se tem 30. Nada disso implica em dizer que a revista Zero não seja um projeto bem realizado e até legítimo. Mas – lamentamos informar – não vai mudar o mundo. A “cena” que Luiz Cesar Pimentel e Alexandre Petillo pretendem ressuscitar faz parte de uma época – por definição – morta e esquecida. Foi doce viver aqueles anos, entre 1979 e 1990, mas o máximo que se pode empenhar, em termos de homenagem, é o tempo de um testemunho ou o registro pontual de aventuras púberes. Não adianta, duas décadas depois, embarcar numa sessão de Capital Inicial, John Lennon, Metallica e Ira! (apenas para ficar nas reportagens, entrevistas e críticas do número dois da revista). Claro, os textos são muito acima da média (superando até os temas escolhidos), a palavra não é concedida a amadores e sim a especialistas e, para completar, a programação visual é moderna e “competitiva”. Acontece que ignorar a internet, a pirataria e o terrorismo, hoje em dia, para sucumbir a uma alienada cápsula do tempo, pode até render algum dinheiro, mas não acrescenta nada ao que já foi feito e visto. As frentes de batalha agora são outras. [Comente esta Nota]
>>> Revista Zero - Editora Lester
 



Música >>> Tenho mais de 20 anos
Quem viu Pedro Camargo Mariano cantando More Than Words e Samurai, no colégio, ou então quem acompanhou sua trajetória por festivais universitários, como o Fest Valda, ou ainda quem o assistiu em aparições pela mídia, sempre à beira do estrelado, agora pode confirmar todos esses presságios. A sua hora, enfim, chegou, e se chama “Intuição”. Trata-se do segundo CD de Pedro Mariano pela Trama (o primeiro foi “Voz no Ouvido”). Todos esses anos de preparação e cuidados, para construir um artista sólido e refinado, finalmente, estão rendendo frutos. Agora não é mais o filho de Elis Regina e de César Camargo Mariano; agora não é mais o irmão de João Marcelo Bôscoli, o dono da gravadora. Agora, pela primeira vez quem sabe, é o intérprete digno de toda essa linhagem, que aflora, em trajetória própria, apesar da produção sempre indefectível e impecável. Além do pai (que figura como arranjador e produtor) e além do irmão (que figura como produtor executivo), Pedro conta com o parceiro Otavio de Moraes (também produtor, compositor da faixa título e tecladista), uma base sólida de instrumentistas (Chico Pinheiro, na guitarra, Marcelo Mariano, no baixo, Marco da Costa, na bateria, e Laércio da Costa, na percussão, dentre outros), alguns convidados especialíssimos, como Zélia Duncan (dividindo “Você Vai Ver”, de Tom Jobim) e Marcos Suzano, e até os multiplatinados Mike Stern, Dennis Chambers e Lincoln Goines, referendados pelo jazz de Miles Davis. Mas o ouvinte não deve se impressionar pela “entourage”, pois quem dá unidade ao disco é, definitivamente, Pedro Mariano; partidário do funk e do soul, muito antes da estética Trama. Se ele não estourou na primeira leva, que tinha Max de Castro, certamente o fará agora, junto a Jair de Oliveira, pois de “Intuição” sopra também o frescor do novo. [Comente esta Nota]
>>> Intuição - Pedro Mariano - Trama
 



Literatura >>> Um paralelepípedo
Heidegger afirma que Nietzsche só pode ser entendido a partir dos escritos que deixou inacabados. Se alguém quiser compreender o método de Kafka, tem de inevitavelmente passar pelos capítulos que ele escreveu mas não quis acrescentar (a O Processo, por exemplo). O mesmo se dá em relação a Nélson Rodrigues. Diante do lançamento de “A Mentira” (romance) e “Não se pode amar e ser feliz ao mesmo tempo” (consultório sentimental), a crítica tem sido unânime em considerar o acontecimento desimportante, por se tratar de obras “menores” do autor. Acontece, porém, que nenhum escritor será devidamente assimilado se não estiver representado em todos os seus momentos: os bons e os não tão bons. Na verdade, a ausência de Ruy Castro (estóico organizador da obra do Anjo Pornográfico) no prefácio, já dava sinais de que os resenhistas refugariam, em conjunto, o material inédito. De qualquer jeito, e isso ninguém tasca, o “pior” Nélson Rodrigues é sempre largamente superior ao melhor nome que se puder evocar nas prateleiras das livrarias do tempo presente. “A Mentira”, para que se tenha uma idéia, é um primor de realização folhetinesca; obviamente desestruturada, afinal não foi pensada para sair em livro, mas, de qualquer jeito, plena em requintes verbais e achados do falar carioca dos anos 40. Fora que: ora reflete as obsessões rodrigueanas (as taras no núcleo familiar, as tensões que explodem tragicamente, o mundo pequeno-burguês das aparências); ora antecipa elementos que surgiriam posteriormente nas peças do grande dramaturgo. Já em “Não se pode amar e ser feliz ao mesmo tempo”, Nélson Rodrigues põe em prática a sua filosofia do amor; disfarçado sob o pseudônimo de Myrna, aconselha as leitoras inconsoláveis que escrevem para o Diário da Noite. Desfila conceitos como o da eternidade no amor, a irracionalidade (e o descontrole) do sentimento, a necessidade de se anular (como personalidade) para alcançar a felicidade conjugal, etc. Não é, logicamente, uma novidade para quem já conhece; mas certamente uma recompensa, para quem quiser descobrir algumas das páginas mais profundas publicadas pelo embrulha-peixe. [Comente esta Nota]
>>> A Mentira | Não se pode amar e ser feliz ao mesmo tempo - Nélson Rodrigues - Companhia das Letras
 



Gastronomia >>> Shoo-rás-ko
A gastronomia brasileira já tem os seus embaixadores nos Estados Unidos. Concorrendo de igual para igual. Os irmãos Coser e Ongaratto, da churrascaria Fogo de Chão, estão fazendo a América desde 1997, com filiais em Dallas, Houston e Atlanta. Na terra do Tio Sam, já estão entre as dez principais “steak houses” do país, embora no Brasil mantenham a discrição e modéstia dos quatro gaúchos que chegaram a São Paulo, em 1984, para vencer. E venceram. Quem diria que um projeto inaugurado em 1979, no bairro Cavalhada, de Porto Alegre, a partir da tradição dos tropeiros do Sul (que armavam a fogueira num buraco, assando as peças em volta), de repente, se espalharia por todo o continente (com a ambição de se expandir também pela Europa)? Arri Coser, um dos quatro cavaleiros do Fogo de Chão, credita esse sucesso à qualidade dos alimentos comercializados (eles possuem acordos diferenciados com fornecedores e frigoríficos) e à persistência num mesmo tipo negócio, justo numa época em que a diversificação, imposta goela abaixo, fez com que a concorrência perdesse o foco. De fato, na capital paulistana, o Fogo de Chão virou sinônimo de rodízio, e de churrasco; apesar dos arrivistas de sempre, e até de outras casas anteriores a eles, a consagração ainda é unânime. Coser não sente, tampouco, que a “abertura”, para a importação, tenha atrapalhado os seus negócios (alegação bastante comum entre os donos de restaurante); pelo contrário: esse movimento foi responsável pelas bases hoje fixadas nos EUA (se a globalização ocorreria de qualquer modo, por que não tirar dela o maior proveito?). Além dos cortes conhecidos por todos (picanha, alcatra, maminha, fraldinha, filé mignon, bife ancho e ponta de agulha), o Fogo de Chão oferece um completo buffet de saladas, uma grande variedade de bebidas e uma boa gama de sobremesas. Sem contar a atenção e a educação excepcional de maîtres e garçons. É natural escutar o portunhol, de argentinos e sul-americanos entusiasmados, e o inglês, de turistas os mais diversos. A diferença está em saber que o português também está sendo levado para lá, para outras paragens, por Coser e Ongaratto. Nem só de Itamaraty vivem as nossas embaixadas. [Comente esta Nota]
>>> Fogo de Chão (Brasil) | Fogo de Chão (fo-go dèe shown, EUA)
 



Cinema >>> Wonderfully-maintained
Infidelidade. Com Richard Gere. Ato contínuo, pensamos no galã de Pretty Woman (1990) fazendo das suas, pulando a cerca no casamento. Caímos do cavalo, no entanto, porque o traído, dessa vez, é ele; e a “traidora”, Diane Lane, uma loira enxutona que fez, dentre o que podemos lembrar, Chaplin (1992) e The Cotton Club (1984). A idéia é a seguinte: mulher atrasada para o trabalho, num dia de extrema ventania, tromba com um livreiro, em plena Nova York, machuca o joelho, sobe para fazer um curativo e – como diria Machado – ... O dono do apê é um francesinho de menos de trinta anos, o sonho de consumo das quarentonas que freqüentam o Soho. Para completar, tem um apelo irresistível, trocando de namorada a cada semana. Tudo às mil maravilhas nos primeiros encontros: mentirinhas esparsas, longas horas de prazer, sentimento à flor da pele, cabeça nas nuvens, perdição no tempo e no espaço. De repente, porém, a realidade chega para prestar contas; a vida cobra o seu preço. Alto demais no caso do filme, tornando-o desnecessariamente trágico e jogando fora todo o “appeal” inicial. Para resumir a ópera: o marido, Richard Gere, resolve seguir os passos da esposa, acaba descobrindo o que já estava óbvio e... termina num duelo de vida e morte com o sedutor da França. Basta ter em mente que Adrian Lyne, o diretor, foi o mesmo que se consagrou com Atração Fatal (1987) e Nove e Meia Semanas de Amor (1986). O homem sabe registrar cenas de pura irresponsabilidade e, em seguida, de arrependimento amargoso. Tudo bem que a originalidade passe longe, no que se refere a Infidelidade, e que ele não pareça muito disposto a inventar uma nova fórmula. Vale, contudo, para quem quer se abanar – de calor – ainda no embalo do Dia dos Namorados. [Comente esta Nota]
>>> Infidelidade
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Psia
Arnaldo Antunes
Iluminuras
(2013)



The Mathematics of Financial Derivatives
Paul Wilmott e Outros
Cambridge University Press
(1995)



Meditations For Busy People
Stephen Bowkett
Thorsons
(1996)



Elucidações Psicológicas Luz Do Espiritismo + Luz nas Trevas
Divaldo Franco; Joanna de Ângelis
Leal
(2018)



Venha o Teu Reino
Sociedade Torre de Vigia
Sociedade Torre de Vigia
(1981)



A Sala de Âmbar
Catherine Scott-clark; Adrian Levy
Record
(2006)



Revista Auto Esporte nº 231
Editora Fc
Fc
(1983)



Não há mais tempo 415
Agnaldo Paviani
Sem



Crimes Passionais e Outros Temas
Sergio Nogueira Ribeiro
Mandarino



As Mil e uma Noites
Paulo Sérgio de Vasconcelos
Sol





busca | avançada
74889 visitas/dia
2,4 milhões/mês