Digestivo nº 88 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
61072 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 3/7/2002
Digestivo nº 88
Julio Daio Borges

+ de 9700 Acessos
+ 5 Comentário(s)




Internet >>> A arte da crítica
Circula em blogs a frase de Daniel Piza, que, em sua coluna de domingo no Estadão, teria classificado o “jornalismo internético” como “pródigo em ataques superficiais” e “paupérrimo em idéias provocantes”. Para esclarecer, a frase está fora de contexto: originalmente, ela compõe uma nota sobre o recém-lançado livro da jornalista Adélia Borges. (Claro, não consta que ela tenha feito “jornalismo internético” e, como o lançamento se restringe aos domínios da moda, o ataque guarda certa dose de revide ou desabafo.) Enfim. A colocação é representativa de certa mentalidade, dominante no reino dos grandes jornais, que desqualifica – no atacado – qualquer manifestação do jornalismo através da internet. Acontece que publicações como o próprio Estadão, a Folha, O Globo e o JB também estão na World Wide Web, explorando seus recursos (vide as edições extraordinárias sobre os jogos da Copa). E agora, José? Lógico, Daniel Piza e aqueles que engrossam esse coro referem-se ao “jornalismo ‘puramente’ internético”. [Como este.] O mal-entendido permanece, porque não consta que um site surgido na era da internet (geralmente povoado por escribas diletantes) faça frente a instituições centenárias (como O Estado de S. Paulo), plenas em assinaturas para se talhar em mármore. A comparação, portanto, não faz sentido; e o ataque (de qualquer um dos lados) tampouco. É preciso superar essa disputa. O “jornalismo internético” não vai acabar com o jornalismo feito em papel (este, por sua vez, não parece mais tão auto-suficiente e onipresente, como antes). As duas mídias vivem cada qual a sua crise: uma porque, segundo muitos (não só “jornalistas internéticos”, vale assinalar) constitui uma era em seus últimos estertores; outra porque, na sua necessidade jovem de auto-afirmação, apela para recursos de caráter duvidoso. O caminho para a sobrevivência (de ambas) passa, certamente, pelo diálogo e pelo entendimento. É necessário transpor esse Grand Canyon, absolutamente fictício. Alguns sites já ensaiam essa ponte (reproduzindo textos de grandes jornalistas; como, aliás, Daniel Piza). Falta, portanto, a iniciativa por parte dos grandes jornais: enquanto permanecerem ignorando ou desprezando as manifestações puramente eletrônicas, continuarão como o alvo preferencial das críticas. [Comente esta Nota]
>>> Fla-Flu verbal
 



Música >>> Depois de um pilequinho
É impossível ouvir o CD de Paulinho Nogueira e não se perder entre os cacos de um tempo que passou. Oscilando entre a nostalgia e a reverência, ele registrou suas próprias versões para “as primeiras composições de Chico Buarque, quando ainda não tinha feito parcerias”. A frase sugere muitas interpretações; dentre elas, a de que muita gente sente saudade do jovem sambista puro (a continuação de Noel Rosa?), pedra bruta, na espontaneidade dos primeiros versos, nas intuições harmônicas (que o próprio Paulinho Nogueira aponta), nas melodias que impregnaram décadas. Chico Buarque de Hollanda, porém, sofreu de consagração precoce (antes dos 25 anos). E ninguém melhor no mundo para saber o que é se sentir amordaçado pelo próprio sucesso. Teve de mudar (ainda que tantas pessoas não tenham se conformado). O CD, portanto, é de uma singeleza ímpar; econômico até nos músicos (fora o violonista, só há mais dois: João Parahyba, às vezes na percussão; e Teco Cardoso, às vezes na flauta). Bate de frente com a orquestra que acompanhou o compositor de “A Banda”, na sua última turnê (“As Cidades”), engessado pelos arranjos e pelos próprios clássicos. Evoca o João Gilberto mais recente (2000), minimalista extremado, raspando os dedos nas cordas do violão, gravando as nuances do próprio bafo. Numa das fotos do encarte, Paulinho Nogueira parece oferecer o instrumento ao jovem compositor que – acredita – o tempo não levou. O mesmo de “Carolina”, “Olê, Olá”, “A Banda”, “João e Maria”, “Joana Francesa”, “Com açúcar, Com afeto”, “Quem te viu, quem te vê”, “Rosa dos Ventos”, “Roda Viva”, “Olhos nos Olhos” e “Noite dos Mascarados”. Chico Buarque, porém, está ocupado. Escreve seus livros e afaga seus netos. Enquanto isso, seu cancioneiro segue. Livre. [Comente esta Nota]
>>> Chico Buarque - Primeiras Composições - Paulinho Nogueira - Trama
 



Além do Mais >>> Um brado retumbante
Catarse. Caos. Carnaval. Todas as considerações ficam menores diante da comemoração do Pentacampeonato. Talvez o dionisíaco de Nietzsche seja isso: uma impossibilidade de racionalizar o que quer que seja, entregando o corpo e a alma às festividades alucinadas. E o Brasil parou. E, pelo menos por um dia, fugimos à imposição do calendário. Até mesmo do domingo ficamos livres. Por um tempo. O dia seguinte exige, nem que seja, um esboço de explicação para o que aconteceu. Bem. O mais importante, e o mais duro para o brasileiro certamente, é admitir que essa seleção (tanto quanto a de 94) não faz jus às campeãs de 58, 62 e 70. Aliás, é quase um chavão. Apesar de Ronaldo Nazário (fenômeno para uns, amarelão para outros). Apesar de tantos outros (inclusive Luiz Felipe Scolari, para quem o futebol tático tinha como modelo supremo [adivinhe se puder...] Carlos Alberto Gomes Parreira). Ainda que a celebração tenha libertado, por algumas horas, os brasileiros das amarras, em campo, o talento nunca esteve tão sufocado. Não havia definitivamente uma “campanha” em curso. As oportunidades de gol pareciam, quase sempre, tão aleatórias que, por um momento, qualquer time poderia sair vencedor. Qualquer um (vide os arroubos de países como Coréia do Sul, Turquia e Senegal). A teoria da “caixinha de surpresas” nunca esteve tão em voga. Ainda que exorcizados por Ronaldinho, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, é de se pensar que os melhores jogadores em campo tenham sido os goleiros, como Kahn e Marcos. Que raio de esporte é esse em que a defesa pode brilhar mais que o ataque? Mas, como foi dito, considerações como essa se tornam menores diante do Pentacampeonato. Por mais alienado que pareça aos nossos olhos, o País esteve unido, pôs as diferenças de lado, e acreditou em si mesmo. Não é um exercício fácil. Nem deve ser desprezado. E isso não tem nada a ver com gostar ou não de futebol. O Pentacampeonato está aí. Que inspire então as melhores ações e os melhores sentimentos. [Comente esta Nota]
>>> 2002 FIFA World Cup
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come (e bebe)
Apesar do caótico Largo da Batata, Pinheiros vem se modernizando como bairro e se afirmando como promessa urbanística a médio prazo. Anuncia-se, por exemplo, a construção de um boulevard, por conta da estação de metrô que chegará até lá. Projeta-se, ainda, uma filial do Sesc, mais pujante até do que a da Vila Mariana (à rua Pelotas). E, saindo do terreno da abstração, conta-se já com o Centro Brasileiro Britânico, uma vistosa e imponente edificação à rua Ferreira de Araújo. Em mais de um ano de discretas porém marcantes atividades, parece que ainda não foi descoberto pelo paulistano, dada a tranquilidade e a bonomia com que se circula pelo átrio, pelas exposições, pelo teatro e pela biblioteca. Dentro dele, estão também o bar Poet’s Corner e o restaurante The Bridge. Administrados pelo Terras Altas, buffet com mais de 15 anos de experiência no mercado, sob a direção de Andy Beebys, oferecem respectivamente happy hours e almoços de excepcional qualidade, em ambiente diferenciado. O bar, de clima mais sóbrio, tem as paredes forradas por versos (tralhados na pedra), tanto de autores ingleses quando de autores brasileiros. O restaurante, na cobertura, proporciona uma das vistas mais privilegiadas do bairro, um silêncio à toda prova, e uma culinária saborosa, combinando as tradições do Brasil e da Inglaterra. É o lugar ideal para almoços longos e conversas animadas com os amigos. Sem falar nos eventos organizados para empresas, que têm levado a iniciativa adiante, e que têm consolidado a posição do buffet como um dos mais conceituados da região. Andy, o proprietário, começou prestando serviço para o Club Transatlântico (na sua sede original, à rua Treze de Maio), passou pelo restaurante do Alumni e realiza hoje “happenings” para até 4 mil pessoas. Trabalhou em multinacionais, cozinhou sempre como hobby, e agora recebe elogios da clientela, que aprecia sua culinária leve, suave e pouco condimentada. No equilíbrio entre a pessoa física e jurídica, torce-se para que o Poet’s Corner e o The Bridge continuem como alternativa à balbúrdia na metrópole. [Comente esta Nota]
>>> Buffet Terras Altas - CBB - Rua Ferreira Araújo, 741 - Tel.: 3819-4120
 



Cinema >>> Dar de comer ao ódio
Embora a intenção não tenha sido a mesma, o espectador, quando vir “As três Marias”, vai ficar com a impressão de que o tema da vendeta se repete (como em “Abril Despedaçado”). Afinal, Maria Francisca (Julia Lemmertz), Maria Rosa (Maria Luisa Mendonça) e Maria Pia (Luiza Mariani) nada mais são do que três irmãs, instigadas pela mãe, com sede de vingança. O filme começa bem (leia-se: é, nos primeiros minutos, convincente), com as cenas de violência (por quê sempre ela?), quando o pai e os dois irmãos das referidas Marias são brutalmente assassinados, a mando do amante de sua mãe (elas não sabem, é amor antigo), o patriarca da “família inimiga”. Apesar do roteiro que se segura firme na primeira meia-hora, o grande destaque fica por conta, sem dúvida, das tomadas, dos planos, da fotografia em paisagens pedregosas, árias e tensas, do nordeste brasileiro. Aluizio Abranches (também diretor de “Um Copo de Cólera”) foi igualmente feliz no registro da dor e do horror da viúva, Filomena Capadócio (Marieta Severo), na cena em que esta recebe a notícia das mortes. É, portanto, a matriarca que comanda o esquema de vingança, ordenando a cada filha que encomende a cabeça de cada um dos culpados. Como se vê: olho por olho, dente por dente. Um início cheio de possibilidades, não fosse por Walter Salles (que não tem culpa nenhuma) e pela má condução do longa a partir daí (culpa dos realizadores, certamente). O que ocorre é que, graças às três histórias agora em paralelo (cada uma das Marias atrás de um matador), a carga dramática se dilui e acaba irremediavelmente prejudicada, até pelas performances pouco convincentes do elenco. Como dizia Machado, lágrimas não são argumentos. No final, a vingança, obviamente, se consuma; mas sem aquele efeito redentor sobre quem pagou o ingresso. Fica para a próxima vez. [Comente esta Nota]
>>> "As três Marias" - Aluizio Abranches - Lumiere
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/7/2002
13h13min
É sabido que os "custos de entrada" na internet são baixos. Nesse sentido, é mais barato montar na web um site de venda de livros usados do que abrir um sebo numa rua comercial. Fazendo um paralelo com o jornalismo, os custos fora da internet também tendem a ser mais elevados. Como se pode imaginar, jornalistas de sucesso, como Daniel Piza, não "chegaram lá" apenas por serem inteligentes, cultos, articulados, mas porque também e sobretudo lutaram bravamente por seus lugares nas instituições em que atuam. Essa briga por espaço é frequentemente árdua e inclui aturar chefes intratáveis, almoços/jantares intermináveis, granjear simpatias e esquivar-se de armadilhas corporativas, etc. É humano e natural que alguém que tenha brigado tanto olhe com azedume para a nova mídia, no caso a internet, que altera as regras do jogo, reduzindo a importância relativa tão duramente conquistada. Concordo com você que ambos os "setores" só têm a ganhar na medida em que colaborarem mutuamente. Se a um lado, o internético, não chega a ser doloroso estender a mão, ao outro, o do jornalismo tradicional, caberá o bom senso de apertá-la. Evocando Bob Dylan, times they are changing...
[Leia outros Comentários de Toni]
8/7/2002
18h27min
Como dizia Aporelli, "há algo no ar, além dos aviões de carreira". Neste assunto de jornalismo internáutico há outros interesses que não apenas os dono de jornais tradicionais mas também uma barreira petista que vem estabelecendo uma verdadeira censura nos jornais comuns. Censura que impede, por exemplo, que no Rio se tome conhecimento das perseguições a jornalistas que o Governo Olívio Dutra vem promovendo no Rio Grande do Sul, como o caso com o Barrionuevo. O jornalismo internáutico é muito mais difícil de censurar, mas que tentam, tentam. A PROCERGS, provedora do Governo do RS, tirou do ar a coluna do Diego Casagrande (www.diegocasagrande.com.br) com a mais estapafúrdia das desculpas. Uma tal Comissão Internacional de Ética Literária na Internet (alguém conhece isso?) tenta forçar o site PoliticaRS (www.politicars.com.br) a "despublicar" um artigo da joranalista Mila Kette sobre o escritor Francisco Simões. É, a Internet, tal como os elefantes, incomoda muita gente!
[Leia outros Comentários de Heitor De Paola]
8/7/2002
18h41min
Vale a pena ler este artigo (além de outros no mesmo site) para pelo menos se obter uma versão alternativa à de que existiria uma "barreira petista" contra a liberdade de informação. E alguma informação a mais do que simplesmente apresentar o jornalista Barrionuevo como um solitário e abnegado defensor da liberdade de informação.
[Leia outros Comentários de Helion]
8/7/2002
20h46min
O assunto levantado por Julio D. Borges é mesmo instigante (to say the least). Claro que o que está em jogo aqui afeta diretamente a questão da liberdade e o comentário do Heitor De Paula, nesse sentido, me pareceu dos mais pertinentes. Não é necessário se ter muita familiaridade com os petistas para se saber que na visão de mundo desse pessoal o regime cubano é um exemplo a ser seguido. E, sintomaticamente, a internet por lá é descaradamente sabotada pelos barbudos anciões de Havana. Da mesma forma, na China continental, os ventos internáuticos causam o maior desconforto aos ditadores de Pequim. Voltando ao nosso Brasil, não creio que a internet chegue a incomodar os donos de jornais (porque a verdade é que os donos de jornais não mandam mais em seus jornais!!!). Mas incomoda, e muitíssimo, a escalões jornalísticos estrategicamente bem situados. Sem a internet, a "festa" dessa gente seria completa. Aporelli, Heitor, está na ordem do dia...
[Leia outros Comentários de Toni]
9/7/2002
12h52min
Concordo com o Toni, os donos de jornal não mandam mais nada. A barreira petista a que me referi está extamente nesses "escalões jornalísticos estrategicamente bem situados". Não comecei meu comentário com uma das belas frases do Aporelli à toa. Poucos da geração atual sabem que o Aparício Torelli, Barão de Itararé (a Batalha que não houve), comunista gaúcho, preso e torturado pela ditadura getulista várias vezes, pode ser visto como um protótipo de jornalista perseguido, em nosso País. Perseguido mas incansável. Ao ter seu espaço negado no jornal "A Manhã", servil à ditadura, fundou "A Manha" (assim mesmo, sem til, genial não?). Várias frases famosas são de sua autoria sem que as pessoas saibam, como aquela: pobre quando come galinha um dos dois está doente (na época galinha era caríssima, vejam só!). Como não sou comunista, antes pelo contrário me oponho a estes regimes opressivos admirados pelo Lula e petistas, sinto-me à vontade para citá-lo e ouso cogitar o que teria acontecido com o Aporelli se o Prestes tivesse tomado o poder. Possivelmente mais prisão e tortura. Para onde vamos?
[Leia outros Comentários de Heitor De Paola]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ENSAIO SOBRE A PROBLEMÁTICA DA CEGUEIRA
FUNDAÇÃO HILTON ROCHA
FUNDAÇÃO HILTON ROCHA
R$ 40,00



ASTRONOMIA DO MACUNAÍMA
RONALDO ROGÉRIO DE FREITAS MOURÃO
ITATIAIA
(2000)
R$ 7,90



NOVO TESTAMENTO
NVI
SOCIEDADE BÍBLICA INTERNACIONA
(2006)
R$ 5,00



TAMUZ 1951 AUTOGRAFADO
MURILO FERREIRA
ABDR
(1999)
R$ 15,00



LE CONTRAT INTERNATIONAL
JEAN MICHEL JACQUET
DALLOZ
(1992)
R$ 32,28



SIMBOLISMO DO PRIMEIRO GRAU - APRENDIZ - 1ª EDIÇÃO
RIZZARDO DA CAMINO
MADRAS
(2011)
R$ 35,95



VIRANDO A PRÓPRIA VIDA
RICARDO SEMLER
BEST SELLER
(1988)
R$ 7,00



DICIONÁRIO DE ESPANHOL-PORTUGUÊS
JULIO MARTINEZ ALMOYA
PORTO
(1979)
R$ 35,00



BAZÓFIAS PERISTÁLTICAS CRÔNICAS DE BOTEQUIM
KAVERA
MARCO ZERO
(2005)
R$ 12,00



BOLETIM INFORMATIVO DO ARQUIVO GERAL DA CIDADE DO RJ
PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO
SECRETARIA EDUCAÇÃO E CULTURA
(1979)
R$ 26,82





busca | avançada
61072 visitas/dia
2,6 milhões/mês