Que espécie de argumento é uma bunda? | Alexandre Soares Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
75143 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Lewis Wolpert explica como os organismos multicelulares se formam a partir de um simples óvulo
>>> Festival Aparecida Criativa surge para transformar a produção cultural de Sorocaba
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário celebra presença da literatura nas artes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Breve biografia
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A importância da virtude
>>> Deus ex machina
>>> Mulher-Flamingo
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Marchand da resistência
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> Cinema em 2002
Mais Recentes
>>> Garota Pare de Mentir Pra Você Mesma de Rachel Hollis pela Sextante (2018)
>>> Mundo das Sombras 1 - Vampiro Secreto de L. J. Smith pela Record
>>> It a Coisa de Stephen King pela Suma de Letras (2017)
>>> Obras Completas de Antonio Machado - Manuel Machado pela Biblioteca Nueva (1984)
>>> Iniciação à Administração Financeira de Idalberto Chiavenato pela McGraw-Hill (1990)
>>> Diário de Perséfone de Heloisa Seixas pela Record (1998)
>>> Iniciação à Administração de Materiais de Idalberto Chiavenato pela McGraw-Hill (1991)
>>> Iniciação à Administração de Pessoal de Idalberto Chiavenato pela McGraw-Hill (1990)
>>> Estrutura e Funcionamento da Educação Básica - Leituras de Varios pela Pioneira (1999)
>>> Câncer nos Cólons e no Reto de Pedro Henrique Saraiva Leão pela Ufc (1984)
>>> As Muitas Vistas de uma Rua - histórias e políticas de uma paisagem - Curitiba e a Rua Riachuelo de Aline Fonseca Iubel - Daiana Cordova - Fabiano Stolev pela Máquina de Escrever (2014)
>>> A condição humana de Hannah Arendt pela Forense Universitaria (1995)
>>> Mar de Histórias (Antologia do Conto Mundial 4º Volume) de Aurélio Buarque de Holanda e Paulo Rónai pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coleção Só Testes – Língua Portuguesa 1.000 Exercícios Questões Simuladas de Central dos Concursos pela Degrau cultural
>>> Língua Portuguesa Ensino Fundamental Unidade II Educação de Jovens e Adultos de Ceteb 2002 pela 0 (2002)
>>> Língua Portuguesa Ensino Fundamental Unidade I Educação de Jovens e Adultos de Ceteb pela 0 (2002)
>>> Mar de Histórias (Antologia do Conto Mundial - 2º Volume) de Aurélio Buarque de Holanda e Paulo Rónai pela Nova Fronteira (1979)
>>> O Século do Cinema de Glauber Rocha pela Alhambra (1983)
>>> Na diagonal do campo de Carlos Simon pela Unisinos (2004)
>>> Guia e recursos didáticos: português 7 ensino fundamental de nove anos de Áurea Regina Kanashiro pela Moderna
>>> Conversas com quem gosta de ensinar de Rubem Alves pela Cortez (1987)
>>> 8º Ano – Ensino Fundamental : Grupo 6 – Teoria e Atividade de Sistema de Ensino COC pela Coc
>>> As formas do silêncio - no movimento dos sentidos de Eni Puccinelli orlandi pela Da Unicamp (1993)
>>> 8º Ano – Ensino Fundamental : Grupo 5 – Teoria e Atividade de Sistema de Ensino COC pela Coc
>>> A estrutura das revoluções científicas de Thomas S. Kuhn pela Perspectiva (1992)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/5/2003
Que espécie de argumento é uma bunda?
Alexandre Soares Silva

+ de 9100 Acessos

Todas as causas que são defendidas por pessoas peladas em parques são erradas. Nenhuma causa certa é defendida por pessoas peladas em parques. Ninguém fica pelado pelo capitalismo, note. Ninguém fica pelado para protestar contra as cotas raciais. Que espécie de pessoa acha que ficar pelado é um argumento? As mesmas pessoas que são contra Washington, Israel e o Papa. Ninguém fica nu pelo Papa... Me arrisco a dizer que jamais houve um protesto de católicos pelados pela volta da missa em latim; que jamais uma senhora flácida de Ottawa tirou seu vestido de bolinhas para pedir que os padres voltem a ficar de costas para o público durante a missa. Isso prova que todas essas coisas são certas - o capitalismo, Washington, Israel, o Papa, e a missa em latim com o padre de costas - porque as pessoas que defendem essas coisas usam roupa.

Regra número um da argumentação: primeiro põe a calça.

O que me lembra: nobres pacifistas, se dependesse de vocês Saddam ainda estaria lá. Agora vistam-se e tomem vergonha.

Houve milhões de pessoas protestando a favor da guerra, só que protestaram em casa, cada uma na sua poltrona, comendo cornflakes e lendo Roger Scruton. Talvez pelados, mas caramba, estavam em casa.

Acho que o uso da nudez argumentativa não foi previsto pelos retóricos romanos; ou será que Cícero alguma vez...?

Mas sério, pacifista. Põe pelo menos a cueca.

Jornalismo
Ouvi uma vez Fernando Morais dizer que quem não se interessa por Antônio Carlos Magalhães não devia ser jornalista, devia ir fazer outra coisa. Acho que esse é exatamente o problema com o jornalismo: um monte de gente que se interessa por Antônio Carlos Magalhães.

Isso, e que são gentinha. Mesmo pessoas interessantes como Paulo Francis - cuja morte eu quase, quase chorei - quanto mais jornalista era, quanto mais da patota do Pasquim, mais acanalhado. Quem disse o que ele disse sobre Ruth Escobar (sim, ela mereceu) is no bloody gentleman.

Vejo a vida de Paulo Francis como uma luta contra o jornalismo. Daí a sua depressão de dias, depois que seu romance não vendeu o quanto queria. Sentia a necessidade de escapar desse mundo acanalhado das redações, e suspeito que queria escapar até mesmo de alguns amigos, que entrarão para alguma espécie de história só porque tiveram a sorte de viver no mesmo bairro de um gênio.

No final, se não me engano escrevendo sobre uma exposição de Matisse, Paulo Francis lamentou o tempo que tinha desperdiçado na vida, lendo e escrevendo sobre Kruschev, Jango, e outras bestas.

Foi um gênio que viveu na favela do jornalismo. Quis escapar. Morreu antes. E até hoje os jornalistinhas brasileiros reclamam de seu pseudojornalismo - como se importasse se os seus textos seguiam ou não alguma espécie de cartilha infecta do que é jornalismo. Fico imaginando se um chefinho de redação o forçasse a escrever jornalismo de verdade; ah, as almas secas, cheirando a nicotina, que falam de jornalismo como se fosse uma ciência arcana. O que ele escreveu foi simplesmente as melhores linhas do jornalismo brasileiro, e se o jornalismo o renega, fica decapitado.

Karandirooh
- (EUA, 1942) - Comédia amalucada de Howard Hawks, com roteiro de Ben Hecht. Karandirooh foi o quinto e último filme da dupla Cary Grant / Katherine Hepburn, e narra a história de Oswald Truegood (Grant), um colecionador de ovos de avestruz que é julgado e preso no Brasil por não saber dançar samba. Não perca a cena em que Grant e Hepburn escapam da prisão disfarçados de gorila. E, aconteça o que acontecer, não veja a refilmagem feita por Hector Babenco (2003), com Rodrigo Santoro no papel de Katherine Hepburn.

Coisas Interessantes
No meio de guerreiros bêbados (eis como começou a literatura, suponho) um poeta subia numa das mesas, e começava a falar de algo que prendesse a atenção de todos. Não dá para imaginar Flaubert subindo na mesa e prendendo a atenção de vikings dizendo que ia falar sobre uma empregada velhinha chamada Félicité e sua fixação com um papagaio empalhado.

Coisas interessantes, sim - isto é uma defesa das coisas interessantes na literatura. Pode parecer que ninguém é contra isso, mas na prática um monte de gente é.

Sobre isso, dois pontos de vista. O primeiro: o dos épicos, do romantismo, dos escritores policiais, da ficção científica e fantasia: que existem coisas interessantes no Universo e que é preciso escrever e ler sobre isso. Dragões, lutas de espada, tempestades no mar; deuses, demônios, anjos.

Se vai reclamar disso, reclame de Homero, de Shakespeare, de Melville.

O outro ponto de vista é que não é preciso escrever sobre coisas interessantes, e que é melhor escrever interessantemente sobre qualquer coisa. Nem todo mundo que defende isso é idiota - nem todos são cronistas desocupados sentados num banco de praça, falando sobre cocô de pomba - mas sinceramente acho que essa visão da literatura, adotada por absolutamente todos os escritores brasileiros, é responsável pelo fato de que nenhum moleque ou moleca quer ler, preferindo ver Bubblegum Crisis Tokyo 2040 na tevê.

Isso que digo é infantil, deliberadamente infantil - na literatura, como na maior parte das coisas, os gostos de um moleque são quase sempre superiores aos gostos de um adulto. Nenhum moleque vai fingir que está interessado na Macabéia. Nenhum moleque vai fingir que está interessado no problema da incomunicabilidade humana (um assunto que nunca preocupou autenticamente ninguém).

Manda o bom-senso que eu diga, e veja, estou dizendo, que uma ditadura de coisas interessantes na literatura seria opressiva e vil. Sim, seria. É preciso deixar Flaubert continuar com a sua história, que afinal é perfeita, sobre uma velhinha que (vejo-o respondendo aos vikings entediados) não, não é uma bruxa, e que tem uma obsessão por um papagaio empalhado que não, não tem poderes mágicos para prever o futuro ou derrotar esquadras inimigas.

Mas vivemos hoje numa ditadura das coisas desinteressantes ditas interessantemente - uma Ditadura de Félicité, uma Ditadura de Macabéia - e, senhores, isso é mui vil, e alguns de nós sufocamos.

Nota do Editor
Alexandre Soares Silva assina hoje o soaressilva.wunderblogs.com, ondes estes textos foram originalmente publicados.


Alexandre Soares Silva
São Paulo, 2/5/2003


Mais Alexandre Soares Silva
Mais Acessadas de Alexandre Soares Silva em 2003
01. Defesa dos Rótulos - 30/5/2003
02. Que espécie de argumento é uma bunda? - 2/5/2003
03. Breve História do Cinismo Ingênuo - 11/4/2003
04. A Mente dos Outros - 23/5/2003
05. As Quatro Salas - 9/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escola Cidadã 9 Questões da Nossa época 13 Edição
Moacir Gadotti
Cortez
(2013)
R$ 50,65



Marie Claire 176 - Novembro 2005 - Alinne Moraes
Mônica de Albuquerque Lins
Globo
(2005)
R$ 22,90



Meu Domingo Com Cristo B-1
Pe José Geraldo Rodrigues
Santuário
(1986)
R$ 5,00



Pocahontas - as Aventuras Que Eu Gosto de Ler
Ulisseia Infantil
Ulisseia Infantil
(1995)
R$ 14,67



O Gigante O'Brien
Hilary Mantel
Record
(2001)
R$ 18,00



Em Busca do Sucesso: Inteligência ética Faz Bem ás Empresas
Robert Henry Srour
Disal
(2007)
R$ 5,00



Flores das Flores do Mal de Charles Baudelaire
Guilherme de Almeida
José Olympio
(1944)
R$ 25,90



Os Países Subdesenvolvidos
Yves Lacoste
Bertrand Brasil
(1988)
R$ 5,90



Regulamento para o Emprego da Artilharia 1 Parte Título 4 e 1 Nomen...
Ministério da Guerra
Imprensa Militar
(1944)
R$ 56,86



Nunca Desista De Seus Sonhos
Augusto Cury
Sextante
(2004)
R$ 13,00





busca | avançada
75143 visitas/dia
2,1 milhões/mês