Que espécie de argumento é uma bunda? | Alexandre Soares Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
59665 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> A EDITORA estreia online dia 29 de outubro, de graça
>>> 'O Engenheiro', ópera de Tim Rescala, estreia em Porto Alegre
>>> Projeto Latitude apoia galerias brasileiras na Frieze London, FIAC Paris 2021 e SP-Arte 2021
>>> Instituto Vox abre inscrições para a A Semana da Estupidez
>>> Marcela Brandão lança single Batedeira que reafirma sua pegada pop brasileira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Web-based Finance Application
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> 20 de Novembro #digestivo10anos
>>> O boom e a bolha reloaded
>>> WorkFlowy, de Mike Turitzin e Jesse Patel
>>> A proposta libertária
>>> Noel — Poeta da Vila
>>> Uma Viagem à Índia, de Gonçalo M. Tavares
>>> Hermann Broch
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Mais Recentes
>>> As Listas de Casamento de Becky Bloom de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Ecoturismo - Uma Introdução de David A. Fennell pela Contexto (2002)
>>> Seus Pontos Fracos de Dr. Wayne W. Dyer pela Record (1976)
>>> Confia e Segue de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2014)
>>> Os Segredos da Mente Milionária de T. Harv Eker pela Sextante (2006)
>>> Longo Caminho de Volta de Ricardo Lucena Junior pela Ftd (1992)
>>> Mothers and Sons de Colm Toibin pela Scribner (2007)
>>> Minha Vida de Menina de Helena Morley pela Companhia de Bolso (2017)
>>> Ed Mort e Outras Historias de Luis Fernando Verissimo pela Circulo do Livro (1985)
>>> The Moth Diaries de Rachel Klein pela Bantam Books (2003)
>>> It's Not the How or The What But The Who de Claudio Fernández-Aráoz pela Harvard Business Review (2014)
>>> Como Fazer o Amor Dar Certo de Steven Carter pela Sextante (2011)
>>> Leio Teatro: Dramaturgia Brasileira Contemporânea, Leitura e Publicação de André Luís Gomes pela Horizonte (2010)
>>> Bacall Fenomenal de Lauren Bacall pela Nordica (1981)
>>> O Sol Tambem Se Levanta de Ernest Hemingway pela Abril Cultural (1980)
>>> Renascer da Esperança de Sandra Carneiro; Lucius pela Vivaluz (2004)
>>> Homens São de Marte Mulheres São de Vênus de John Gray pela Rocco (2017)
>>> Saúde e Prosperidade de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ie (2004)
>>> Comportamento Político de D E Butler pela Laudes (1958)
>>> Sob a Luz da Verdade de Oneida Terra pela Boa Nova (2000)
>>> Até que o Dinheiro nos Separe de Cleide M. Bartholi Guimarães pela Saraiva (2012)
>>> As Cinco Pessoas Que Você Encontra no Céu de Mitch Albom pela Sextante (2004)
>>> 10 Passos para Se Libertar da Obesidade de Padre Cleberson pela Mona (2018)
>>> As Cinco Fases da Comunicação na Gestão de Mudanças de Nancy Alberto Assad pela Saraiva (2012)
>>> Garimpos da Vila Formosa - Col. Garimpos Volume 1 de Roberto Ferreira pela Ler é Crescer
COLUNAS

Sexta-feira, 2/5/2003
Que espécie de argumento é uma bunda?
Alexandre Soares Silva

+ de 9600 Acessos

Todas as causas que são defendidas por pessoas peladas em parques são erradas. Nenhuma causa certa é defendida por pessoas peladas em parques. Ninguém fica pelado pelo capitalismo, note. Ninguém fica pelado para protestar contra as cotas raciais. Que espécie de pessoa acha que ficar pelado é um argumento? As mesmas pessoas que são contra Washington, Israel e o Papa. Ninguém fica nu pelo Papa... Me arrisco a dizer que jamais houve um protesto de católicos pelados pela volta da missa em latim; que jamais uma senhora flácida de Ottawa tirou seu vestido de bolinhas para pedir que os padres voltem a ficar de costas para o público durante a missa. Isso prova que todas essas coisas são certas - o capitalismo, Washington, Israel, o Papa, e a missa em latim com o padre de costas - porque as pessoas que defendem essas coisas usam roupa.

Regra número um da argumentação: primeiro põe a calça.

O que me lembra: nobres pacifistas, se dependesse de vocês Saddam ainda estaria lá. Agora vistam-se e tomem vergonha.

Houve milhões de pessoas protestando a favor da guerra, só que protestaram em casa, cada uma na sua poltrona, comendo cornflakes e lendo Roger Scruton. Talvez pelados, mas caramba, estavam em casa.

Acho que o uso da nudez argumentativa não foi previsto pelos retóricos romanos; ou será que Cícero alguma vez...?

Mas sério, pacifista. Põe pelo menos a cueca.

Jornalismo
Ouvi uma vez Fernando Morais dizer que quem não se interessa por Antônio Carlos Magalhães não devia ser jornalista, devia ir fazer outra coisa. Acho que esse é exatamente o problema com o jornalismo: um monte de gente que se interessa por Antônio Carlos Magalhães.

Isso, e que são gentinha. Mesmo pessoas interessantes como Paulo Francis - cuja morte eu quase, quase chorei - quanto mais jornalista era, quanto mais da patota do Pasquim, mais acanalhado. Quem disse o que ele disse sobre Ruth Escobar (sim, ela mereceu) is no bloody gentleman.

Vejo a vida de Paulo Francis como uma luta contra o jornalismo. Daí a sua depressão de dias, depois que seu romance não vendeu o quanto queria. Sentia a necessidade de escapar desse mundo acanalhado das redações, e suspeito que queria escapar até mesmo de alguns amigos, que entrarão para alguma espécie de história só porque tiveram a sorte de viver no mesmo bairro de um gênio.

No final, se não me engano escrevendo sobre uma exposição de Matisse, Paulo Francis lamentou o tempo que tinha desperdiçado na vida, lendo e escrevendo sobre Kruschev, Jango, e outras bestas.

Foi um gênio que viveu na favela do jornalismo. Quis escapar. Morreu antes. E até hoje os jornalistinhas brasileiros reclamam de seu pseudojornalismo - como se importasse se os seus textos seguiam ou não alguma espécie de cartilha infecta do que é jornalismo. Fico imaginando se um chefinho de redação o forçasse a escrever jornalismo de verdade; ah, as almas secas, cheirando a nicotina, que falam de jornalismo como se fosse uma ciência arcana. O que ele escreveu foi simplesmente as melhores linhas do jornalismo brasileiro, e se o jornalismo o renega, fica decapitado.

Karandirooh
- (EUA, 1942) - Comédia amalucada de Howard Hawks, com roteiro de Ben Hecht. Karandirooh foi o quinto e último filme da dupla Cary Grant / Katherine Hepburn, e narra a história de Oswald Truegood (Grant), um colecionador de ovos de avestruz que é julgado e preso no Brasil por não saber dançar samba. Não perca a cena em que Grant e Hepburn escapam da prisão disfarçados de gorila. E, aconteça o que acontecer, não veja a refilmagem feita por Hector Babenco (2003), com Rodrigo Santoro no papel de Katherine Hepburn.

Coisas Interessantes
No meio de guerreiros bêbados (eis como começou a literatura, suponho) um poeta subia numa das mesas, e começava a falar de algo que prendesse a atenção de todos. Não dá para imaginar Flaubert subindo na mesa e prendendo a atenção de vikings dizendo que ia falar sobre uma empregada velhinha chamada Félicité e sua fixação com um papagaio empalhado.

Coisas interessantes, sim - isto é uma defesa das coisas interessantes na literatura. Pode parecer que ninguém é contra isso, mas na prática um monte de gente é.

Sobre isso, dois pontos de vista. O primeiro: o dos épicos, do romantismo, dos escritores policiais, da ficção científica e fantasia: que existem coisas interessantes no Universo e que é preciso escrever e ler sobre isso. Dragões, lutas de espada, tempestades no mar; deuses, demônios, anjos.

Se vai reclamar disso, reclame de Homero, de Shakespeare, de Melville.

O outro ponto de vista é que não é preciso escrever sobre coisas interessantes, e que é melhor escrever interessantemente sobre qualquer coisa. Nem todo mundo que defende isso é idiota - nem todos são cronistas desocupados sentados num banco de praça, falando sobre cocô de pomba - mas sinceramente acho que essa visão da literatura, adotada por absolutamente todos os escritores brasileiros, é responsável pelo fato de que nenhum moleque ou moleca quer ler, preferindo ver Bubblegum Crisis Tokyo 2040 na tevê.

Isso que digo é infantil, deliberadamente infantil - na literatura, como na maior parte das coisas, os gostos de um moleque são quase sempre superiores aos gostos de um adulto. Nenhum moleque vai fingir que está interessado na Macabéia. Nenhum moleque vai fingir que está interessado no problema da incomunicabilidade humana (um assunto que nunca preocupou autenticamente ninguém).

Manda o bom-senso que eu diga, e veja, estou dizendo, que uma ditadura de coisas interessantes na literatura seria opressiva e vil. Sim, seria. É preciso deixar Flaubert continuar com a sua história, que afinal é perfeita, sobre uma velhinha que (vejo-o respondendo aos vikings entediados) não, não é uma bruxa, e que tem uma obsessão por um papagaio empalhado que não, não tem poderes mágicos para prever o futuro ou derrotar esquadras inimigas.

Mas vivemos hoje numa ditadura das coisas desinteressantes ditas interessantemente - uma Ditadura de Félicité, uma Ditadura de Macabéia - e, senhores, isso é mui vil, e alguns de nós sufocamos.

Nota do Editor
Alexandre Soares Silva assina hoje o soaressilva.wunderblogs.com, ondes estes textos foram originalmente publicados.


Alexandre Soares Silva
São Paulo, 2/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim) de Cassionei Niches Petry
02. Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado de Jardel Dias Cavalcanti
03. Um gadget de veludo de Vicente Escudero
04. O hiperconto e a literatura digital de Marcelo Spalding
05. O estilo de Freddie Hubbard de Relivaldo de Oliveira


Mais Alexandre Soares Silva
Mais Acessadas de Alexandre Soares Silva em 2003
01. Defesa dos Rótulos - 30/5/2003
02. Que espécie de argumento é uma bunda? - 2/5/2003
03. Breve História do Cinismo Ingênuo - 11/4/2003
04. A Mente dos Outros - 23/5/2003
05. As Quatro Salas - 9/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sapos Em Príncipes Programação Neurolinguística
Richard Bandler
Summus



Expiação
Areolino Gurjão
Feb
(1984)



O Vendedor Pit Bull
Luis Paulo Luppa
Landscape
(2005)



No Calor da Hora: Dossiê Jovens Artistas Paulistas Década de 1980
Tadeu Chiarelli
Ci Arte
(2012)



Regente Plutão
Cleusa Maria
Record
(2012)



Ifá - O Senhor do Destino
Fernandez Portugal Filho
Madras
(2021)



Bairro dos Estranhos
Wilson Frungilo
Ide
(1998)



Eu Fico Loko 1
Christian Figueiredo de Caldas
Novas Paginas
(2015)



Amor Conjugal
Seicho Taniguchi
Seicho - no - Ie
(2015)



Man From the South and Other Stories
Roald Dahl
Penguin Readers
(2008)





busca | avançada
59665 visitas/dia
1,8 milhão/mês