Os Collegas: de volta à Era Collor | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> I do not want this
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
Mais Recentes
>>> A Filha da Tempestade de H. Rider Haggard pela Nacional (1984)
>>> Por uma Semente de Paz de Ganymédes José pela Do Brasil (1990)
>>> A Loja De Tudo Jeff Bezos e A Era Da Amazon de Brad Stone pela Intrinseca (2014)
>>> Ressurreição e Vida de Yvonne A. Pereira pela Feb (2021)
>>> A Desintegração da Morte de Origenes Lessa pela Moderna (1983)
>>> Eles Morrem , Você Mata! de Stella Carr pela Moderna (1987)
>>> Algodao Doce de Carla Denise pela Cubzac (2015)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Circulo do Livro (1973)
>>> A Herdeira de Henry James pela Abril Cultural (1984)
>>> As cinco pessoas que você encontra no céu de Mitch Albom pela Sextante (2004)
>>> Novelas Exemplares de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural (1971)
>>> Literatura Brasileira das Origens aos Nossos Dias. de José de Nicola pela Scipione
>>> O Menino e o Presidente de Wilson Rio Apa pela Brasiliense (1983)
>>> Matemática Contexto & Aplicações Vol. 3 de Luiz Roberto Dante pela Ática (2011)
>>> Queda Livre de Renato Tapajós pela Atica (1998)
>>> Detetives por Acaso de Carlos de Marigny pela Brasiliense (1983)
>>> Senhor Vento e Dona Chuva de Sylvia Orthof pela Melhoramentos (1986)
>>> A Montanha dos Lagartos de Ouro de Renato Chagas pela Ftd (1993)
>>> O Caso Colombo de Maqui pela Scipione (1995)
>>> O Falsário Ou a Vida Extraordinária de Fernand Legro de Roger Peyrefitte pela Record (1976)
>>> A Menina que Roubava Livros - Volume 1 de Markus Zusak pela Intrinseca (2013)
>>> Cabelos ao Vento de Salwa Salem pela Best Seller (1993)
>>> O Segredo Azul de Pedro Bloch pela Ediouro
>>> O Quarto Protocolo de Frederick Forsyth pela Record (1984)
>>> Os Desafios do Rebeldes de Assis Brasil pela Saraiva (1996)
COLUNAS

Quarta-feira, 21/5/2003
Os Collegas: de volta à Era Collor
Rennata Airoldi

+ de 2100 Acessos

A história recente de nosso país traz muitos fatos vergonhosos que boa parte da população já nem se lembra mais. Na verdade, dizem que o povo brasileiro tem memória curta e, infelizmente, tenho que concordar com isso. Há poucos anos, surgiu em nosso cenário político uma figura bem carismática: Fernando Collor de Melo. Para refrescar a memória de quem não fez parte da geração "cara-pintada", está em cartaz em São Paulo uma peça bem interessante chamada Os Collegas. A peça é uma tragicomédia que une a ficção ao documental. Esse gênero, o do documentário, já tem uma história de sucesso em nosso cinema, e agora, por que não invadir os palcos de nosso país?

Os Collegas é resultado de um projeto desenvolvido pela Bendita Trupe. O grupo venceu em 2002 a concorrência para o Projeto Residência, da Secretaria do Estado da Cultura, o que possibilitou uma vasta pesquisa com o foco principal na Era Collor. Assim, foram dezesseis meses para chegar ao texto final e a peça como está hoje. A criação coletiva é dirigida por Johana Albuquerque e retrata de maneira irônica e sarcástica a vida dessa família Alagoana rumo à presidência. Os bastidores sórdidos dos jogos políticos e da manipulação de idéias e de imagem, perante a população, até o fim deste lastimável show de horrores: o Impeachment. Com direito a mocinhos e bandidos, a história vista a partir de um ponto de vista crítico transforma a realidade recente em um importante elemento para se entender o cenário político atual.

A peça começa antes da peça. Ou seja: já no saguão, um executivo conduz o espectador através de corredores onde se depara com informações pregadas nas paredes, tendo assim a sensação de se estar entrando num universo quase proibido. As informações no decorrer do percurso fazem com que o espectador relembre muitos do fatos ocorridos e, ao mesmo tempo, se sinta embarcando numa espécie de "túnel do tempo". A partir de então, já na sala de espetáculo, vê-se um desenrolar de cenas através da somatória dos fatos, como um "voyeur". Em alguns momentos, porém, as quebras dramáticas são feitas através de recursos cênicos que exploram a comicidade e beiram o exagero.

Aqui não me atenho a contar a "historinha", já que é sábio e notório tudo o que aconteceu com o nosso ex-presidente e as pessoas que o cercavam. O foco da encenação está na crítica e os pontos mais ocultos da realidade. Muitas vezes, porém, os mecanismos utilizados pela direção e pela interpretação se repetem no decorrer do espetáculo. Mas, de qualquer forma, de maneira geral, a peça é dinâmica e consegue resumir bem os acontecimentos. Um dos momentos mais interessantes são as cenas relativas à campanha política feita para os meios de comunicação e como a manipulação da imagem ajudou, e continua ajudando até hoje, na eleição e nas mentiras ocultas contidas nas mensagens e nos discursos forjados. Na verdade, tudo é uma grande farsa, um teatro muito bem ensaiado.

Vaidade, ganância, poder, disputa, ambição. É hilário e ao mesmo tempo deprimente estar ali, assistindo a uma página tão cruel de nossa história. O pior é saber que, apesar de tudo o que aconteceu, o nosso ex-presidente já foi novamente candidato e pouco se comenta sobre todo o escândalo e a corrupção que envolveu seu governo. É triste lembrar mas, ao mesmo tempo, é mais que necessário que a nossa arte questione e ajude a sociedade a criticar e a repensar a sua realidade.

Apesar dos personagens estarem bem caracterizados, bem como seus estados mentais (que determinam quebras e mudanças drásticas na interpretação), há um certo exagero de elementos. Às vezes, o menor pode resultar melhor (less is more). Muitas informações, transmitidas de maneira díspar, também cansam o espectador. Não compromete o todo mas dá a impressão de falta de unidade na peça. Isso talvez porque quando falamos de criação coletiva de um espetáculo, a maior dificuldade é justamente a seleção e o processo de apropriação das cenas.

De qualquer forma, "Os Collegas" é, a meu ver, uma peça necessária por tudo o que ela expõe e comenta. Além disso, inaugura de maneira peculiar um novo espaço dentro do Teatro Sérgio Cardoso, "A Marcenaria de Atores". É bom relembrar, repensar e sem dúvida, rir com toda a palhaçada que invadiu nossas casas, nossas vidas, durante a chamada Era Collor.

Para ir além
A peça está em cartaz de quinta à sábado, às 21 hrs., e aos domingos às 20 hrs., no espaço Marcenaria, do Teatro Sérgio Cardoso (Rua Rui Barbosa, 153), até dia 12 de outubro. Maiores informações através do telefone: (11) 288-0136.


Rennata Airoldi
São Paulo, 21/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
02. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio
03. Intervenção militar constitucional de Gian Danton
04. Alcorão de Ricardo de Mattos
05. Necrológico da Biblioteca de Viegas Fernandes da Costa


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2003
01. Temporada de Gripe - 17/11/2003
02. Zastrozzi - 2/7/2003
03. O Belo Indiferente - 24/9/2003
04. As Nuvens e/ou um deus chamado dinheiro - 4/6/2003
05. José Tonezzi: Arte e Pesquisa Sem Fronteiras - 12/2/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Princípio
Nanda Pertile
Chiado
(2019)



Guia Addresses da 3ª Idadde
Denise Pinheiro e Luiza Pinheiro
Addresses
(2009)



A Forma Custa Caro
Rodolfo Mesquita
Cepe
(2017)



Introdução a Ciencia do Direito
Roberto Thomas Arruda (capa Dura)
Juriscredi (sp)
(1972)



La Batalla Contra las Bacterias
Peter Baldry
Reverté (barcelona)
(1981)



Um Dia no Passado
Pedro Santiago
Eme
(2006)



Otelo - Coleção L&pm Pocket
William Shakespeare
L&pm
(2002)



Normas de Auditoria Governamental
Vários
Irb
(2011)



Os Subterrâneos da Liberdade II - Agonia da Noite
Jorge Amado
Martins
(1974)



Literatura Comentada Oswald de Andrade
Jorge Schwartz
Nova Cultural
(1988)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês